p10, AMABÉLIA RODRIGUES, EPIDEMIOLOGIA
Foto: Joana Barros
                                                                                    p55




           ...
Crianças numa estrada a norte de Bissau , 2007   Foto: Joana Barros
Estudo do Projecto de Saúde Bandim sobre o impacto da alteração do calendário de vacinação na sobrevivência das crianças, ...
Amabélia
Rodrigues
/ PROJECTO DE SAÚDE BANDIM, GUINÉ-BISSAU




TEXTO MARISA SERAFIM



Licenciada em Saúde Pública, Amabé...
AMABÉLIA RODRIGUES, EPIDEMIOLOGIA, p61




                                                                               ...
Amabélia Rodrigues (Excertos do livro "Vidas a Descobrir")
Amabélia Rodrigues (Excertos do livro "Vidas a Descobrir")
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Amabélia Rodrigues (Excertos do livro "Vidas a Descobrir")

758 views

Published on

Published in: Education, Travel, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
758
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
21
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Amabélia Rodrigues (Excertos do livro "Vidas a Descobrir")

  1. 1. p10, AMABÉLIA RODRIGUES, EPIDEMIOLOGIA
  2. 2. Foto: Joana Barros p55 Amabélia Rodrigues TEXTO MARISA SERAFIM DATA DA REPORTAGEM 11/2007 Amabélia Rodrigues no Projecto de Saúde Bandim, 2007 Epidemiologia Guiné-Bissau
  3. 3. Crianças numa estrada a norte de Bissau , 2007 Foto: Joana Barros
  4. 4. Estudo do Projecto de Saúde Bandim sobre o impacto da alteração do calendário de vacinação na sobrevivência das crianças, Ndjassan, 2007 Foto: Joana Barros
  5. 5. Amabélia Rodrigues / PROJECTO DE SAÚDE BANDIM, GUINÉ-BISSAU TEXTO MARISA SERAFIM Licenciada em Saúde Pública, Amabélia hoje, coordenando vários estudos com foco Rodrigues iniciou a sua vida profissional principal na saúde materno-infantil. em 1992 na Direcção-Geral de Higiene e Os dias da cientista guineense são passa- Epidemiologia do Estado da Guiné-Bissau, dos a analisar dados, a supervisionar estu- juntando-se em 1996 à equipa da Organiza- dos, a apoiar estudantes de doutoramento ção Mundial de Saúde, como conselheira e a criar e educar sete filhos e sobrinhos para a prevenção e controlo de doenças. com idades compreendidas entre os 9 e os Em 2000 passa a integrar a equipa do Pro- 17 anos. jecto de Saúde Bandim onde se mantém até Amabélia nasceu, cresceu e viveu a maior Embora não queira cair em clichés, ad- parte da sua vida na Guiné-Bissau. Saiu mite que foi estudar medicina por «aquilo apenas durante uns anos para fazer a li- que lhe permitia fazer pelos outros». Mas cenciatura em Medicina na Universidade Amabélia Rodrigues pretendia trabalhar de Donetsk, na antiga União Soviética, em algo mais alargado do que a medicina hoje Ucrânia. clínica, de «só uma pessoa», queria ter Sorri quando se lembra da sua infân- uma intervenção que atingisse muitas cia, da biblioteca do pai e da competição pessoas simultaneamente. E, assim, es- saudável entre colegas de escola. «Acho que colheu estudar medicina orientada para provavelmente tive uma infância privile- a saúde pública. Naquela altura não havia giada.» Filha do chefe da Polícia de Ordem ninguém nessa área na Guiné-Bissau e Pública, ainda na Guiné-Bissau portuguesa, o governo guineense deu-lhe uma bolsa e de uma doméstica, Amabélia Rodrigues para estudar na Universidade de Donetsk. cresceu a aprender que a família vinha antes Aos 19 anos viu-se sozinha num país em de tudo. «Éramos muito unidos e sempre que quase tudo era diferente do que co- me transmitiram que a família estava em nhecia e admite que viveu alguns momen- primeiro lugar.» Recorda com saudade a tos difíceis. A barreira mais complicada biblioteca do pai, que era um ávido leitor. de transpor foi, sem dúvida, a da língua. «Ele gostava muito de ler e sempre nos «Apesar de ter estudado russo durante um incentivou muito, a mim e aos meus ir- ano, quando lá cheguei tive de me esforçar mãos, a estudarmos.» A atitude do pai muito para compreender alguma coisa.» deu-lhe a disciplina que a levou muitas Ao contrário do que se possa julgar, o frio vezes a estar no quadro de honra das esco- da Ucrânia, para alguém habituado ao calor las que frequentou. «Tentávamos sempre da Guiné-Bissau, foi tolerável e com muito saber mais, estudar muito e ter boas notas, humor a cientista cita a célebre máxima sempre a compararmo-nos com os ou- britânica: «Não há mau tempo, há más tros», diz a rir. roupas.» «Então vestia-me conforme o
  6. 6. AMABÉLIA RODRIGUES, EPIDEMIOLOGIA, p61 Foto: Joana Barros Amabélia Rodrigues, 2007 tempo e o frio foi suportável.» entrei em contacto, pela primeira vez, com «Embora fosse tudo completamente o Projecto de Saúde Bandim, que já funcio- diferente, acabei por me habituar.» Até a nava na Guiné-Bissau desde 1978.» comida, que de início nem conseguia co- Por essa altura o país era assolado por uma mer, foi aos poucos entrando no seu menu. grave epidemia de cólera e a Organização «É tudo uma questão de hábito. É muito Mundial de Saúde (OMS) e várias agências importante sermos flexíveis, tentarmos internacionais delineavam uma série de compreender e aprender com os novos recomendações básicas que deveriam ser contextos», defende. adoptadas e aplicadas por vários países. Em finais de 1992, a terminar o curso e Na altura, a epidemiologista, que podia ter com 27 anos de idade, decide casar-se e simplesmente optado por cumprir apenas pouco depois de ter o primeiro filho re- o recomendado, empenha-se em perceber gressa à Guiné-Bissau. O marido conti- os factores que influenciam a transmissão nuou na Rússia por mais um ano para da cólera no contexto específico da Guiné- concluir o curso. Em Bissau, Amabélia é -Bissau. Defende que «se não conhecermos colocada no departamento nacional de luta bem o que se está a passar não podemos contra a sida e colabora com a recém-cria- definir uma resposta acertada». da Direcção-Geral de Higiene e de Epide- Nas reuniões de coordenação da Di- miologia do Estado. recção-Geral de Higiene e Epidemiologia «Quando voltei no final de 1992 come- começa a ter encontros mais frequentes cei a trabalhar na área de epidemiologia com pessoas do Projecto de Saúde Bandim. e a fazer logo investigação. A procurar.» «Começou-se a discutir a possibilidade É movida desde o início pela vontade de de fazer um estudo e eles concordaram.» aprofundar o conhecimento dos factores Embora o Ministério da Saúde não tivesse epidemiológicos específicos da Guiné- recursos, o Projecto de Saúde Bandim tinha -Bissau. «Em 1993, comecei a procurar os pessoas e condições para apoiar o trabalho trabalhos que aqui se faziam sobre a sida e e por isso decidiram avançar.

×