Fichamento Marilena Chauí - Filosofia e atitude filosófica

  • 15,431 views
Uploaded on

Modelo de fichamento para o ensino médio.

Modelo de fichamento para o ensino médio.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
15,431
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
3

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Pessoal,Este é o modelo de um fichamento ideal.As observações grifadas em amarelo são apenas para alertá-los para os itens que umfichamento deve conter e, portanto, não devem ser repetidas na versão para entrega. Boaatividade!03/04/2011 - Fichamento indicações bibliográficas (sobrenome e nome do(a) autor(a), título da obra, local de publicação, editora, data, páginas);CHAUÍ, Marilena. Filosofia. São Paulo: Ática, 2008. pp. 10-17.NOSSAS CRENÇAS COSTUMEIRAS Em nosso cotidiano, estão presentes várias crenças, as crenças costumeiras. Como se pode perceber, a ideia está registrada com vocabulário próprio. Conceito de crença: “coisas ou ideias em que acreditamos sem questionar, que aceitamos porque são óbvias, evidentes.” (p. 1) Aqui, como em outros momentos, a citação reforça o registro. Não podemos nos esquecer de assinalar a página da qual a citação foi retirada. É preciso selecionar bem o que vai ser citado para não transformar o fichamento em uma coletânea de citações do autor.CONHECENDO AS COISAS As crenças costumeiras também são chamadas pela autora de crenças silenciosas. O negrito tem a função de reforçar a importância dos termos para a compreensão do texto. Se o fichamento estiver sendo feito manualmente, esta ênfase pode expressar-se por um grifo ou uso de outra cor de tinta. Todos acham óbvio que os seres humanos sigam regras e normas de conduta; tenham valores; vivam na companhia dos semelhantes e se distanciem dos diferentes e isso nos faz crer que “somos seres sociais, morais e racionais, pois regras, normas, valores, finalidades só podem ser estabelecidos por seres conscientes e dotados de raciocínio.” (p. 2) Consideramos natural precisar dos semelhantes “e por isso tomamos como um fato óbvio e inquestionável a existência da sociedade com suas regras, normas, permissões e proibições.” (p. 2)E SE NÃO FOR BEM ASSIM? Acreditamos na liberdade, mas que as regras da sociedade nos dominam.
  • 2. MOMENTOS DE CRISE O conflito entre as crenças e o saber indica o momento em que mudamos de atitude. “quando aquilo em que sempre acreditamos é contrariado por uma outra forma de conhecimento, entramos em crise.” (p. 3) Ao questionarmos aquilo em que acreditamos, estamos mudando de atitude. Como diz a autora, no momento em que “o que era objeto de crença aparece como algo contraditório ou problemático e por isso se transforma em indagação ou interrogação, estamos passando da atitude costumeira à atitude filosófica.” (p. 4) O desejo de saber é expresso por essa mudança de atitude, ou seja, pelo descontentamento com as crenças ou com as opiniões preestabelecidas. “E é exatamente isso o que, na origem, a palavra filosofia significa, pois, em grego, philosophía quer dizer ‘amor à sabedoria’.” (p. 4)BUSCANDO A SAÍDA DA CAVERNA OU A ATITUDE FILOSÓFICA Ao tomar a decisão de questionar, a pessoa se afasta da vida cotidiana - “pois estaria indagando o que são as crenças e os sentimentos que alimentam, silenciosamente, nossa existência” - e adota uma atitude filosófica. A autora define Filosofia como a “decisão de não aceitar como naturais, óbvias e evidentes as coisas, as ideias, os fatos, as situações, os valores, os comportamentos de nossa existência cotidiana”.