Breve debate sobre a ideia de racionalidade em análise do comportamento e nas ciências econômicas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Breve debate sobre a ideia de racionalidade em análise do comportamento e nas ciências econômicas

  • 281 views
Uploaded on

Apresentação realizada na JAC 2012 na UFSCAR. ...

Apresentação realizada na JAC 2012 na UFSCAR.
Guilherme B. Leugi
Vitor B. Fernandes

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
281
On Slideshare
281
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. UM DEBATE SOBRE AS IDEIAS DE RACIONALIDADE EM ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E NAS CIÊNCIAS ECONÔMICAS GUILHERME BERGO LEUGI (UFSCAR) guilher mebergoleugi@gmail.com VITOR BUKVAR FERNANDES (UNICAMP) vitorbukvar@gmail.com
  • 2. Faremos uma discussão... “Mas, para que serve filosofar, hoje, num mundo onde ciência, técnica e política parecem dividir entre si os poderes, num mundo onde cientistas, técnicos, políticos, transformados em novos magos, movem todos os fios? O propósito, a nosso ver, continua sendo o mesmo que a filosofia teve desde a origem: desmitificar. Os antigos mitos eram os da poesia, da fantasia, da imaginação; os novos mitos são os da ciência, da técnica e das ideologias, vale dizer, os mitos do poder.” (Reale, 1993)
  • 3. INTRODUÇÃO a) Escopo: racionalidade em duas vertentes famosas de economia (neoclássica e comportamental) b) Ressalvas c) Linha-guia da apresentação: a) Breve histórico da interação da psicologia dentro da economia – 3 momentos b) Racionalidade no paradigma da economia neoclássica c) Racionalidade no paradigma da economia comportamental d) Discussão e campos em aberto
  • 4. BREVE HISTÓRICO DA INTERAÇÃO DA PSICOLOGIA DENTRO DA ECONOMIA
  • 5. PRINCÍPIO DA UTILIDADE E REVOLUÇÃO MARGINALISTA a) Jeremy Bentham (1748-1832): o Princípio da Utilidade • “a natureza colocou o gênero humano sob o domínio de dois senhores soberanos: a dor e o prazer. Somente a eles compete apontar o que devemos fazer, bem como determinar o que na realidade faremos” (Bentham, 1789, apud Nogueira, 2009, p. 9) • Hedonismo / “egoísmo” como virtude • Felicidade (utilidade): predominância do prazer em relação à dor (física ou não) • Maior felicidade para o maior número de pessoas = medida entre certo e errado
  • 6. PRINCÍPIO DA UTILIDADE E REVOLUÇÃO MARGINALISTA b) William S. Jevons (1835-1882) Menger Léon Walras (1834-1910) Carl Menger (1840-1921) • Utilidade Marginal Decrescente: • uma unidade a mais gera utilidade X • mais uma unidade adicional gera utilidade, mas menor que X. (lei dos retornos decrescentes) Jevons • Psicologia progressivamente perde espaço para a formalização matemática Walras
  • 7. PRINCÍPIO DA UTILIDADE E REVOLUÇÃO MARGINALISTA Exemplo gráfico: renda familiar x felicidade (utilidade) média • Utilidade marginal decrescente: Acréscimos na renda familiar geram aumentos progressivamente menores na felicidade média. Fonte: Spagnoli, 2012
  • 8. CONSOLIDAÇÃO DO PARADIGMA NEOCLÁSSICO DENTRO DA ECONOMIA • Consolida-se visão de racionalidade como princípio lógico e não psicológico: • • Economia cinde com psicologia: teoria econômica é “muito mais uma lógica da escolha do que uma psicologia do valor” (Schumpeter, 1968) Definição de economia como estudo da alocação de recursos escasssos (Robbins, 1935, p. 16-17): • • • A economia estuda o comportamento humano como uma relação entre fins e meios escassos que tem usos alternativos. Ela não trata de certos tipos de comportamento, mas de certo aspecto do comportamento, aquele imposto pela influência da escassez. Dada estrutura de meios e fins, problema lógico da alocação tornouse campo da matemática da otimização.
  • 9. ECONOMIA COMPORTAMENTAL • Herbert Simon* (1916-2001): críticas à racionalidade perfeita Simon • 1990+: a abordagem de que a psicologia importa toma força, especialmente em críticas à ideia de racionalidade perfeita: • Daniel N. Kahneman* (1934-) – psicologia cognitiva • Amos Tversky* (1937-1996) – psicologia cognitiva e matemática • Colin Camerer (1959-) – psicologia cognitiva e economia * Ganhadores do Nobel de Economia Kahneman Tversky
  • 10. A RACIONALIDADE NA ECONOMIA NEOCLÁSSICA
  • 11. PRESSUPOSTOS BÁSICOS • Auto-interesse (self-interest): comportamento dos agentes  maximizar utilidade individual (bem-estar) • Informações perfeitas: conhecimento das preferências de todos os outros agentes • Preferências racionais: escolha consciente, resolução de escolhas através de cálculo racional e lógica maximizadora de utilidade
  • 12. A DEFESA DO MÉTODO NEOCLÁSSICO (LÓGICODEDUTIVISTA) • Milton Friedman* (1912-2006): • Premissas não importam, o que importa é prever melhor • Premissas não realistas não impedem que a previsão da teoria seja razoavelmente precisa Friedman * Ganhador do Nobel de Economia
  • 13. A DEFESA DO MÉTODO NEOCLÁSSICO (LÓGICODEDUTIVISTA) • Exemplo do jogador profissional de bilhar: • Problema consiste em prever as tacadas do jogador profissional de bilhar • É razoável assumir que ele se comporte como se conhecesse e calculasse instantaneamente todas as equações da física do movimento, permitindo-o jogar com precisão • Não importa se ele realmente conhece as leis da física: o resultado é o mesmo - e se não fosse, ele não seria um jogador profissional de bilhar
  • 14. A DEFESA DO MÉTODO NEOCLÁSSICO (LÓGICODEDUTIVISTA) Partindo disso Friedman faz uma analogia com o caso do empresário dono de uma firma: • Supõe-se que o empresário aja como se maximizasse lucros e conhecesse as equações que regem os fenômenos econômicos. • Não importa se ele tem racionalidade perfeita ou se age por acaso, hábito ou outra regra. • Se o resultado de suas ações divergir do agente ideal, ele vai à falência e é “extinto” – um mecanismo de “seleção natural” pelo mercado, nas palavras de Friedman.
  • 15. TEORIA DA ESCOLHA RACIONAL • Racionalidade perfeita  atividade de computar • O “cálculo” é independente da atividade mental individual • Solução de problemas via lógica matemática • Psicologia e economia devem ser consideradas duas especializações completamente autônomas, com status igualmente indepentendes
  • 16. A RACIONALIDADE NA ECONOMIA COMPORTAMENTAL
  • 17. EMPIRISMO, ECONOMIA INDUTIVA-EXPERIMENTAL • EC como campo não homogêneo • Campo unido pela crítica aos pressupostos da Economia Neoclássica, em especial o da racionalidade perfeita • Busca de maior realismo psicológico nas previsões • Comparação das racionalidades em Simon (1986): • Pessoa racional da economia neoclássica sempre chega na decisão que é objetivamente a melhor em termos da função de utilidade (individual) dada. • Pessoa racional da psicologia (cognitiva) toma sua decisão de uma forma que é procedimentalmente razoável de acordo com o a sua capacidade computacional e o conhecimento disponível.
  • 18. RACIONALIDADE LIMITADA (BOUNDED RATIONALITY) Simon (1957): “o comportamento humano tem a intenção de ser racional, mas o é apenas de forma limitada”1 • Ambiente complexo em relação à capacidade mental • As diversas alternativas para chegar a um objetivo não são dadas previamente ao tomador de decisão • Limites mentais + complexidade: impossibilidade de considerar todas as alternativas, logo, impossibilidade de considerar todas as consequências das suas ações. • Adota-se uma estratégia “satisfatória”, i.e.: boa o suficiente para ele naquele contexto (heurística), e não uma estratégia matematicamente otimizadora. 1 “Human behavior is intendedly rational, but only limitedly so” (Simon, 1957: xxiv).
  • 19. TEORIA DO PROSPECTO Kahneman e Tversky (1979). The prospect theory: an analysis of decision under risk. • Experimentos sobre escolha sob incerteza. • Adiantando: • Conclusões: há uma assimetria entre os efeitos de ganhos e perdas - perdas influenciam negativamente mais do que ganhos influenciam positivamente. • Princípio da aversão à perda (loss-aversion)
  • 20. TEORIA DO PROSPECTO Um exemplo: considere os dois prospectos Problema 1: Em adição ao que você tem, você recebeu 1000. Escolha entre (1000, .50) x (500) 50% de chance certeza de A ou B de ganhar 1000 ganhar 500 N=70 [16%] [84%] Problema 2: Em adição ao que você tem, você recebeu 2000. Escolha entre (-1000, .50) x (-500) 50% de chance certeza de C ou D de perder 1000 perder 500 N=68 [69%] [31%] Fonte: Kahneman & Tversky (1979), adaptado. • Os dois problemas são idênticos em relação aos resultados finais, diferindo apenas por serem um prospecto positivo (1) e outro negativo (2). • A = (1000+1000, 0,5; 1000+0, 0,5) = C = (2000-1000, 0,5; 2000-0, 0,5) • A = (2000, 0.5; 1000; 0;5) = C = (1000, 0.5; 2000, 0.5) • B = (1000+500, 1) = (2000-500, 1) = D • B = (1500, 1) = D
  • 21. TEORIA DO PROSPECTO Outros exemplos: Fonte: Kahneman e Tversky (1979), adaptado. • Em situações de ganhos (prospectos positivos) os sujeitos adotam comportamento de aversão ao risco (risk-averse) • Em situações de perda (prospectos negativos) os sujeitos adotam comportamento de atração ao risco (risk-seeker)
  • 22. TEORIA DO PROSPECTO • De acordo com a teoria da escolha racional (neoclássica), o bemestar gerado por ganhar uma quantidade X deveria ser do mesmo tamanho que o mal-estar gerado por perder uma mesma quantidade X. • Em notação formal: Módulo U(-X) = Módulo U(X) • De acordo com a Teoria do Prospecto, não é isto que ocorre.
  • 23. TEORIA DO PROSPECTO • O gráfico representa uma assimetria entre a “valoração” de ganhos e perdas (não somente no sinal). • Perdas são “sentidas” de forma mais intensa que os ganhos. • Disto resulta que a aversão à perda (loss-aversion) torna os indivíduos: • Propensos a arriscar mais para perder menos (risk-seeker) • Propensos a arriscar menos quando ganhando (risk-averse) Gráfico 1. Função valor assimétrica
  • 24. EFEITO DE ENQUADRAMENTO (FRAMING EFFECT) Kahneman e Tversky (1981) – The Framing of Decisions and the Psychology of Choice. • Diferentes representações (framing) de um mesmo problema levam a escolhas divergentes do que é esperado nos axiomas neoclássicos • Como os indivíduos escolhem diante de um problema? • • • • Representação do problema como passo anterior à decisão Decisão como último passo do processo: O cálculo é feito com grandes restrições (racionalidade limitada + ambiente complexo) As restrições levam a viéses sistemáticos em comparação com o que seria esperado do indivíduo “hiper-racional” de poderes computacionais ilimitados
  • 25. EFEITO DE ENQUADRAMENTO (FRAMING EFFECT) O exemplo da aposta arriscada (longshot) na corrida de cavalos: Considere uma pessoa que passou o dia no hipódromo apostando e até o final da tarde já perdeu $140 e está pensando em entrar numa aposta arriscada na última corrida. A aposta agressiva (longshot) tem custo de $10 e chance pequena de ganhar $150. Esta decisão pode ser enquadrada de duas formas diferentes: a) Enfoque na aposta presente: ganho de $140 (+150-10) vs perda de $10. b) Enfoque no período inteiro: retorno ao ponto de referência inicial, $0 (+150-10-140) vs perda de $ 150 (+0-10-140).
  • 26. EFEITO DE ENQUADRAMENTO (FRAMING EFFECT) A teoria do prospecto implica que: • A segunda representação (b) produzirá um comportamento de atração por risco maior que a primeira (a) – devido à magnitude da perda representada ser maior • Esta análise é confirmada pela a observação de que as apostas arriscadas (longshots) são mais comuns na última corrida do dia. (Tversky e Kahneman, 1981, p. 456)
  • 27. DISCUSSÃO E CAMPOS EM ABERTO
  • 28. RECAPITULANDO • Economia comportamental: enfoque em aumentar o realismo dos fundamentos psicológicos na economia Experimental-indutivo Controle experimental e evidências empíricas Lógico-dedutivo vs Pressupostos axiomáticos e deduções lógicas a partir deles • Aumento do realismo pode diminuir a tratabilidade nos modelos matemáticos, mas tem gerado maior precisão • Muitas definições econômicas têm conteúdo comportamental – elas são intrinsecamente comportamentais, e poderiam se beneficiar de laços mais explícitos com as ideias e dados psicológicos (Camerer, 2002, p. 44)
  • 29. CAMPOS EM ABERTO i. Regularidades psicológicas: um pressuposto ou uma conclusão? • Estudos em EC começam com pressuposições enraizadas na regularidade psicológica e buscam o que se segue delas. • Alternativa: fazer o contrário, ou seja, considerar regularidade psicológica como uma conclusão que precisa ser provada. ii. Definições mais precisas de racionalidade limitada • Assume-se que os agentes usam “regras pessoais” (heurística) exógenas. • Buscar explicação formal para as regras pessoais embasados em experimentação seria de grande valia.
  • 30. CAMPOS EM ABERTO iii. Rachlin (1995) sobre economia comportamental EC trata do estudo dos erros/desvios do comportamento racional Para EC os comportamentos que se enquadram na lei da utilidade marginal decrescente não são irracionais, logo são parte da microeconomia (neoclássica) e não da EC. O problema de ambas é que são baseadas numa visão de sistema axiomático racional, ou seja: A ciência econômica só explica comportamento por via da racionalidade - ou incorporando todo o comportamento em sí mesma ou ao deixar certos comportamentos (não racionais) de lado e taxá-los de “anômalos”.
  • 31. CAMPOS EM ABERTO iv. Experimento sobre o comportamento dos macacos-prego na troca (Chen et al, 2006) Introdução de moeda fiduciária (papel) e troca numa colônia de macacos-prego visando analisar suas preferências sobre vários bens e apostas, incluindo nisso uma análise da aversão à perda nos macacos. Resultados: Macacos-prego reagem racionalmente tanto ao preço quanto à riqueza mas demonstram várias tendências marcantes com relação às apostas, incluindo aversão à perda. Os autores concluem que a aversão à perda extende-se para além dos humanos e hipotetizam que pode ser inata ao invés de característica aprendida.
  • 32. ANÁLISE DE VIÉS SKINNERIANO Considerando que se trata de compreender a racionalidade do ser agindo como uma justificativa para as ações que empreende sobre o mundo e que o último empreende sobre o primeiro, a opção por um determinado quesito justificador, ou ainda, a escolha por um certo tipo racional de ação, dentro do Behaviorismo Radical, parece infundado (Dittrich, 2008). A falta de “fundamentação” para a escolha do valor não impede que Skinner prescreva aspectos fundamentais de um sistema de atribuição de valores, sendo entendido como valor último a sobrevivência da cultura (subjulgada, mas não resumida à sobrevivência da espécie).
  • 33. ANÁLISE DE VIÉS SKINNERIANO “Não me pergunte por que eu quero que a humanidade sobreviva. Eu posso lhe dizer o porquê apenas no sentido em que o fisiólogo pode lhe dizer porque eu quero respirar” (1956/1972b, p. 36 [Some issues concerning the control of human behavior]). Essa passagem pode ser interpretada da seguinte forma: “Não pergunte a mim, enquanto suposto agente moral autônomo, por que eu quero que a humanidade sobreviva. Eu posso responder o porquê apenas recorrendo à história de seleção de meu próprio comportamento por suas conseqüências – assim como o fisiólogo recorreria à história seletiva de minha espécie pra explicar porque eu, enquanto membro da espécie, quero respirar”. Dito de outra forma: não há nada além de nossa história (filogenética, ontogenética e cultural) que permitanos justificar os valores que defendemos” (Dittrich, 2008)
  • 34. ANÁLISE DE VIÉS SKINNERIANO Em termos mais gerais... A literatura filosófica sobre o comportamento, em certo recorte, pode ser subdividida em duas categorias. “Uma primeira, que poderíamos chamar, por falta de denominação melhor, de Cartesiana, entende a ação humana como sui generis: uma capacidade irredutível da intervenção humana. A segunda categoria se forma com a premissa de que a ação humana é parte da ordem natural das coisas e pode ser totalmente compreendida nos termos de conexões causais entre eventos na natureza” (Enç, 2004).
  • 35. ANÁLISE DE VIÉS SKINNERIANO “Eu me oponho a teorias de aprendizagem que tentam explicar fatos observados apelando a eventos „que aparecem em outro lugar, em algum outro nível de observação, descritos em termos diferentes e medidos, se é que o são, em dimensões diferentes”. “Em outro artigo (…) eu insisti que um movimento importante na psicologia experimental era „na direção de uma satisfatória teoria de comportamento‟. (…) No campo especial da análise experimental do comportamento eu vejo um novo tipo de convicção. Ela não advém de um „afrouxamento da preocupação com teoria‟ mas do sucesso. Problemas importantes tem sido atacados e resolvidos” (Skinner, 1964)
  • 36. ANÁLISE DE VIÉS SKINNERIANO “Se formos capazes de explicar o comportamento de pessoas em grupo sem usar nenhum termo novo ou sem pressupor nenhum novo processo ou princípio, teremos demonstrado uma promissora simplicidade nos dados. Isto não significa que então as ciências sociais irão inevitavelmente formular suas generalizações em termos do comportamento individual, pois um outro nível de descrição pode também ser válido, e pode ser bem mais conveniente.” (Skinner, 1953)
  • 37. ANÁLISE DE VIÉS SKINNERIANO É evidente a discrepância de objetivos entre os casos aqui expostos. Ao passo que Skinner apresenta um conteúdo eminentemente pragmático na compreensão do comportamento, o pragmatismo no caso da parcela das Ciências Econômicas aqui mencionada é em outra direção. Grosso modo, em denominação livre, o pragmatismo skinneriano busca uma simplicidade explicativa: simples em princípios, simples em procedimentos, e que dá margem a especulações globais acerca do humano (culminando em um modelo interpretativo: O modelo de Seleção pelas Consequências). O pragmatismo destes posicionamentos (Economia) busca a compreensão de padrões específicos de comportamento, dado um contexto delimitado. Não é o caso, também, de considerá-los necessariamente inválidos, mas de compreendê-los em seus contextos. E, neste sentido, a Análise do Comportamento também deveria ser capaz de oferecer (ou produzir) explicações aos padrões encontrados
  • 38. ANÁLISE DE VIÉS SKINNERIANO A crítica social que resta ao sistema, também poderia vir de Skinner, no sentido de que um sistema econômico que cria regras para sua própria validação acaba por determiná-las e não “desvendá-las”. Sendo assim, haveria, no limite, certa “desonestidade” paradigmática na criação de um sistema como esse, por uma comunidade que lhe tenta validar. Não no sentido de que essas regras não se apliquem, decerto. Pois a aplicabilidade é mensurável e as constatações acerca desse tipo de assertiva são passíveis de investigação científica para sua validação ou descarte. Trata-se, de outro modo, do problema da criação de um sistema e postulação a posteriori de regras “naturais” para seu funcionamento. O homo oeconomicus já não está tão forte, mas o princípio envolvido parece estar presente no sentido em que o sistema postula as condições do homem e depois busca explicações para estas condições de modo separado delas.
  • 39. BIBLIOGRAFIA Bernstein, Peter (1998). Against the Gods - The Remarkable Story of Risk. Wiley. Anomalies. In: Journal of Experimental Analysis of Behavior, 1995, 64, no 3 (November), pp. 397-404. Camerer, Colin. (2002), draft. Available at: http://www.hss.caltech.edu/~camerer/ribe239.pdf Robbins, Lionel (1932). An Essay on the Nature and Significance of Economic Science. London: Macmillan. Chen, M. Keith; Lakshminarayanan, Venkat; Santos, Laurie R. (2006). In: Journal of Political Economy, 2006, vol. 114, no. 3. University of Chicago. Schumpeter, Joseph (1968). History of Economic Analysis. Routledge, 1968. Dittrich, A. (2008) O problema da “justificação racional de valores” na filosofia moral skinneriana. Psicolog, 1, 21-26. Enç, B. (2004) Causal theories of intentional behavior ans wayward causal chains. Behavior and Philosophy, 32, 149-166 Friedman, Milton (1966). Essays in positive economics. University of Chicago Press. 334 p. Simon, Herbert A. (1957). A Behavioral Model of Rational Choice. In: Models of Man, Social and Rational: Mathematical Essays on Rational Human Behavior in a Social Setting. New York: Wiley. Simon, Herbert A. (1986). Rationality in Psychology and Economics. In: The Journal of Busines, vol. 59, no. 4, part 2: The Behavioral Foundations of Economic Theory, pp. S209-S224: Chicago, 1986. Skinner, B. F. (1964) Skinner on Theory. Science, 145, 1385-1387 Fudenberg, Drew (2006). Advancing beyond Advances in Behavioral Economics. In: Journal of Economic Literature. Vol. Skinner, B. F. (2003) Ciência e Comportamento Humano. Martins XLIV, Sep. 2006, pp. 694-711. Fontes. Trabalho original publicado em 1953. Kahneman e Tversky (1979). The prospect theory: an analysis of Spagnoli, Philip (2012). Available at: decision under risk. In: Econometrica, 47(2), pp. 263-291. March, http://informationanddemocracy.blogspot.com.br/2012/01/its-no1979. longer-economy-stupid.html Kahneman e Tversky (1981). The Framing of Decisions and the Psychology of Choice. In: Science, New Series, Vol. 21, No. 4481. Jan. 30, 1981, pp. 453-458. Kahneman, Knetsch, Thaler (1990). Experimental Tests of the Endowment effect and the Coase Theorem. In: Journal of Political Economy, vol. 98, n. 6. University of Chicago, 1990. Langlois, Richard N. (s.d.). Rationality in economics. s.d. Available at: http://www.sp.uconn.edu/~langlois/r700.htm Rachlin, Howard (1995). Behavioral Economics Without