• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Comandos, Permissões e Partições Linux
 

Comandos, Permissões e Partições Linux

on

  • 5,770 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,770
Views on SlideShare
5,768
Embed Views
2

Actions

Likes
2
Downloads
449
Comments
1

1 Embed 2

http://www.eadtt.com.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Essa é uma area que estou inserido, inclusive eu faço um curso muito bom sobre linux, o curso é online, ótimo pra quem trabalha na area, eu recomendo porque gostei demais vou deixar
    o link: http://bit.ly/formacaolinux
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Comandos, Permissões e Partições Linux Comandos, Permissões e Partições Linux Presentation Transcript

    • Comandos do Linux
    • Estrutura básica de diretórios do Sistema Linux/bin - Contém arquivos programas do sistema que são usados com freqüência pelos usuários./boot - Contém arquivos necessários para a inicialização do sistema./dev – Neste diretório estão os arquivos que fazem referência a dispositivos de hardware, como discos,portas de I/O (Entrada e saída), memória e etc./etc – Diretórios que contém arquivos e outros diretórios de configuração de aplicativos, que sãoespecíficos à maquina.Arquivos de configuração de seu computador local./home - Diretórios contendo os arquivos dos usuários./lib - Bibliotecas compartilhadas pelos programas do sistema e módulos do kernel./proc - Sistema de arquivos do kernel. Este diretório não existe em seu disco rígido, ele é colocado lápelo kernel e usado por diversos programas que fazem sua leitura, verificam configurações do sistema oumodificar o funcionamento de dispositivos do sistema através da alteração em seus arquivos./sys - Sistema de arquivos do kernel. Este diretório não existe em seu disco rígido, ele é colocado lápelo kernel e usado por diversos programas que fazem sua leitura, verificam configurações do sistema oumodificar o funcionamento de dispositivos do sistema através da alteração em seus arquivos./root -Diretório do usuário root./sbin - Diretório de programas usados pelo superusuário (root) para administração e controle dofuncionamento do sistema./srv – Estruturas de arquivos e diretórios utilizados para determinados serviços./tmp -Diretório para armazenamento de arquivos temporários criados por programas./usr -Contém maior parte de seus programas. Normalmente acessível somente como leitura./var -Contém maior parte dos arquivos que são gravados com freqüência pelos programas do sistema,e-mails, spool de impressora, cache, etc.
    • Tipos de Arquivos no Linux Características; Informações; Arquivos Especiais.
    • Comandos Linux Manipulação de arquivos e diretórioscat - Concatena arquivos, exibe o conteúdo e ainda pode receber texto digitado peloteclado e enviar para um arquivo dentre outra funções. $ cat [opções] [diretório/arquivo]Opções: -b: Numera as linhas, exceto as linhas em branco; -E: Mostra um caractere $ ao final de cada linha; -n: Numera todas as linhas, incluindo as em branco; -s: Não mostra mais do que uma linha em branco. Se houver duas ou mais linhas embranco consecutivas, elas são truncadas e apenas uma é mostrada; -T: Substitui tabulações pelos caracteres "^I"?”; -v: Substitui os caracteres não imprimíveis por símbolos, exceto tabulações e final delinha.
    • Comandos Linux Manipulação de arquivos e diretóriosPara criar um arquivo, execute o comando: $ cat > nomedoarquivo.extensãoDigite qualquer texto. Quando terminar, pressione as teclas Crtl+d em uma linhavazia para finalizar a entrada de dados e salvar o arquivo.Porém o comando acima cria o arquivo e caso ele já exista, sobrescreve-o. Para resolvereste problema devemos utilizar o comando: $ cat >> nomedoarquivo.extensãoEste comando adiciona o conteúdo digitado no final do arquivo.Para ver o conteúdo do arquivo, execute: $ cat nomedoarquivo.extensãoPorém quando o arquivo é muito extenso, devemos utilizar um complemento: $ cat nomedoarquivo.extensão | more
    • Comandos Linux Manipulação de arquivos e diretóriosPara concatenar arquivos: $ cat arquivo1.extensão arquivo2. extensão > arquivofinal.extensãoVários arquivos a serem compactados: $ cat arquivo.extensão.* > arquivofinal.extensãoPara adicionar o conteúdo de um arquivo no final de outro arquivo: $ cat arquivo.extensão >> arquivo2.extensão
    • Comandos Linux Manipulação de arquivos e diretóriosmore - Mostra o arquivo na saída padrão. Se o tamanho do arquivo for maior do que onúmero de linhas da tela, faz uma pausa e aguarda o pressionamento de uma tecla (Enter,espaço ou q/ Esc) para continuar a exibição. $ more [opções] arquivoPrincipais opções:-d : Mostra informações para o usuário de como prosseguir;+num : Inicia a exibição na linha indicada no número num.-p: Limpa a tela e depois exibe o conteúdo do arquiv, ao invés de paginar o conteúdo doarquivo.-s: Junta várias linhas em branco seguidas de trechos do arquivo e mostra apenas umalinha.Exemplos:$ more +4 /etc/passwd – Inicia a exibição do arquiv /etc/passwd na linha 4.
    • Comandos Linux Manipulação de arquivos e diretóriosless – Parecido com o comando more, mas permite a navegação dentro do arquivoutilizando as setas do teclado e outras teclas. Ação more less Avança uma linha Enter Enter ,e,j,cursos para baixo Volta uma linha - Avança uma tela Espaço, z,f Espaço, z,f Volta uma tela b b
    • Comandos Linux Manipulação de arquivos e diretóriostac - O tac faz o mesmo que o cat, mas exibe o arquivo pela ordem inversa, ou seja,começando pela última linha e terminando com a primeira. $ tac [arquivo]touch – É usado para atualizar as informações sobre as datas de último acesso eúltima modificação de um arquivo. $ touch [opções] [arquivo]Se o arquivo não existir, ele é criado, por padrão. Isso faz o touch ser muito utilizado paracriar arquivos vazios, através do comando touch [arquivo].Opções: -a: Modifica apenas a data do último acesso; -c: Não cria arquivos, caso eles não existam; -m: Modifica apenas a data de modificação; -t: A data e hora a ser utilizada para o último acesso ou última modificação. O formatoutilizado é MMDDhhmm (mês, dia, hora e minuto);
    • Comandos Linux Manipulação de arquivos e diretórioscp - Abreviação de copy (copiar), é utilizado para copiar arquivos e diretórios de um localpara outro, com o mesmo nome ou com nome diferente. $ cp [opções] [origem] [destino] -b: Faz um backup de arquivos que serão sobrescritos; -P: Quando tratar de links simbólicos, copia o link, e não o local para onde o link aponta; -f: Força a cópia, sobrescrevendo arquivos no destino se confirmação. Usar esta opçãocom cuidado; -i: Pede confirmação antes de sobrescrever um arquivo; -L: Quando tratar de links simbólicos, copia o local para o onde o link aponta, e não o link; -p: Preserva as propriedades do arquivo (permissões, dono e datas); -R ou -r: Modo recursivo, copia todos os arquivos e subdiretórios do diretórioespecificado. Esse parâmetro deve ser usado para copiar diretórios inteiros; --target-directory=[diretório]: Especifica para qual diretório devem ser copiados osarquivos/diretórios especificados; -u: Copia apenas os arquivos novos. Se um arquivo que estiver sendo copiado já existirno diretório de destino, sua cópia será ignorada; -v: Mostra os detalhes da cópia dos arquivos.
    • Comandos Linux Manipulação de arquivos e diretóriosPara copiar um arquivo em um diretório: $ cp arquivoasercopiado.extensão /diretórioPara fazer cópia de um arquivo com nome diferente: $ cp arquivo.extensão cópiaarquivo.extensãoPara copiar mais de um arquivo para um diretório: $ cp arquivo1 arquivo2 arquivo3 /diretoriopai/diretoriofilhoPara copiar um diretório para diretoriopai/diretoriofilho: $ cp -r diretorioasercopiado /diretóriopai/diretóriofilhoPara copiar mais de um arquivo e um diretório para outro diretório:arquivos file1, file2 e file3 e o diretório img/ para o diretório /tmp/upload/: $ cp -r file1 file2 fil3 diretorioasercopiado /diretóriopai/diretóriofilho
    • Comandos Linux Manipulação de arquivos e diretórioscp – Cópia em modo recursivo:Copia todos os arquivos e subdiretórios do diretório especificado. Usado para copiardiretórios inteiros.Copia um diretório para dentro de outro diretório: # cp -Rv /diretoriocopiado /diretoriodestinoExemplos:Copia o diretório backup que está dentro de /root para a raiz do disco # cp -Rv /root /backup /Copia o diretório docs que está dentro de /usr/local/share para o diretório que estou nomomento # cp -Rv /usr/local/share/docs .
    • Comandos Linux Manipulação de arquivos e diretóriosCopiar Diretórios Renomeando o destino: cp diretorio-origem diretorio-destino/novo-nomeExemplos:$ cp -Rv /root /tmp/root-renomeado Copia o diretório /root para dentro do diretório /tmp com o nome de root-renomeado.$ cp -Rv /etc /tmp/etc-novoCopia o diretório /etc para dentro do diretório /tmp com o nome de etc-novo.$ cp -Rv /root/backup /backup2 (Copia o diretório backup que está dentro de /root para a raiz do disco com o nome debackup2)$ cp -Rv /usr/local/share/docs ./documentosCopia o diretório docs que está dentro de /usr/local/share para o diretório que estou nomomento com o nome de documentos.
    • Comandos Linux Manipulação de arquivos e diretóriosln – Cria um link para outro arquivo. Por padrão, o link direto ou hard link. $ ln [opções] origem [destino]-f: Força a criação do link, sobrescrevendo o outro arquivo (se possível).-s: Cria um link simbólico.Exemplos:$ln -s ~/arquivo.text /tmp/arquivoXCria o link simbólico arquivoX em /tmp, apontando para o arquivo ~/arquivo.txt. Desta forma,é possível acessar este diretório por qualquer um dos caminhos.$ln -s /bin/ls lsCria o link simbólico ls no diretório onde o usuário se encontra, apontando para /bin/ls.
    • Permissões e Propriedades de Arquivos Distinguir níveis de permissão em arquivos e diretórios; Utilizar os comandos chmod e chown para modificar propriedades e permissões de arquivos e diretórios; Entender e utilizar permissões especiais.
    • Verificando permissõesPara visualizar as permissões de um arquivo: $ ls -l
    • Permissões
    • Permissões Modo Octal e Modo Textual Textual: Nesse modo utilizam-se os caracteres: Nível de permissão Tipo de Permissão – Notação Textualu Representa o dono do arquivo r Concede ou remove permissão de leitura w Concede ou remove permissão escrita+ : Para adicionar permissão; g Grupo dono do arquivo - : Para remover permissão. x Concede ou remove permissão de execuçãoo Outros Ex.: $ chmod u+rw, g+w,o-rwx remove todas as permissões a Concede ou arquivo.txt anteriores (all) Adiciona leitura e escrita para o dono, adiciona escrita para o grupo e remove todas as outras permissões para os outros em arquivo.txt
    • Permissões Modo Octal e Modo TextualOctal: As permissões são representadas por números na base octal, onde: 4 Permissão de Leitura 2 Permissão de escrita 1 Permissão de execução 7 Todas as permissõesExemplo: 0 Sem permissão $ chmod 610 documento.txtDefine permissão de leitura e gravação ao dono (4+2 = rw), execução para o grupo (1=x) e nenhuma permissão para outro usuário.
    • Comandos Linux Permissões de acessochmod – Permite que se alterem as permissões e propriedades de um ou mais arquivos (change mode). Pode utilizar tanto a notação textual como a octal. chmod [opções] arquivo/diretórioOpções:-R : Permite que se altere recursivamente as permissões de arquivos e diretórios.
    • Comandos Linux Permissões de acessoExemplos: $ chmod +x binario.shConcede permissão de execução (+x) de binario.sh para todos os usuáriosdo sistema (Caso não seja especifícado o usuário, a permissão éconcedida/retirada de todos, equivale ao a+x). $ ch mod 711 documento.txtDefine permissão de leitura, escrita e execução ao dono e execução aogrupo e outros.
    • Empacotamento e compressão de arquivos
    • Empacotando arquivostar -O comando tar salva vários arquivos em um único arquivo .tar (em fita ou disco), epodemos restaurá-los individualmente. Seu uso é simples: tar [opções]... [arquivo.tar]Exemplos: tar -cpvf backup-2.tar /home/adilson/fotos/*Cria o arquivo backup-2.tar de todas as fotos que estão em /home/adilson/fotos. tar -xpvf backup-2.tarVolta o backup do arquivo backup-2.tar de todas as fotos que estavam em/home/adilson/fotos. tar -tpvf backup-2.tarLista todos os arquivos do arquivo backup-2.tar. # tar -jcf usuarios.tar.bz2 /home/adilson /home/gabrielCria arquivo usuarios.tar.bz2 contendo apenas os diretórios do usuário adilson e ousuáriogabriel.Se quisermos fazer um backup de todos os usuários do /home usaríamos o comando# tar -cpvf TodosDoHome.tar /home/*, por exemplo.Se uma opção longa aparece comoargumento mandatório, então a opção curta equivalentetambém é um argumento
    • Empacotando arquivos com o comando tarPrincipal modo de funcionamento:-C: Permite mudar de diretório.-t: Listar o conteúdo de um arquivo-tar.-x: Extrair arquivos do arquivo-tar.-c: Criar um arquivo-tar.-d: Comparar o arquivo-tar com arquivos atuais.-r: Anexar arquivos no fim do arquivo-tar.-u: Atualiza arquivos no arquivo-tar.-A: Anexar outros arquivos-tar.--concatenate: O mesmo que “-A”.--delete: Remover do arquivo-tar (exceto para fitas).-v: Mostra informações no decorrer do processamento.Seleção do formato do arquivo:-I, --bzip2, --bunzip2: Filtra o arquivo através do bzip2.-z, --gzip, --ungzip: Filtra o arquivoatravés do gzip.-Z, --compress, --uncompress: Filtra por meio do compress.Seleção local de arquivos:-C: Mudar para diretório.-h, --dereference: Usar os próprios arquivos, em lugar dos ligações simbólicas.--no-recurse:Não descer pela árvore de diretórios.
    • http://www.devin.com.br/tlm4/s1-comandos.htmlhttp://dailson.blogspot.com.br/2012/02/aula-de-linux-1-comandos-basicos.htmlhttp://www.guiafoca.org/cgs/guia/iniciante/ch-cmdc.html Referências http://www.guiafoca.org.br
    • Identificação de discos e partições em sistemas LinuxNo GNU/Linux, os dispositivos existentes em seu computador (como discos rígidos, pen-drives, flash, disquetes,, tela, portas de impressora, modem, etc) são identificados por umarquivo referente a este dispositivo no diretório /dev.A identificação de discos rígidos no GNU/Linux é feita da seguinte forma:
    • Identificação de discos e partições em sistemas LinuxAbaixo algumas identificações de discos e partições em sistemas Linux:/dev/fd0 - Primeira unidade de disquetes./dev/fd1 - Segunda unidade de disquetes./dev/sda - Primeiro disco rígido na primeira controladora SATA ou SCSI./dev/sda1 - Primeira partição do primeiro disco rígido SATA ou./dev/sdb - Segundo disco rígido na primeira controladora SATA ou SCSI./dev/sdb1 - Primeira partição do segundo disco rígido SATA ou SCSI./dev/sr0 - Primeiro CD-ROM SATA ou SCSI./dev/sr1 - Segundo CD-ROM SATA ou SCSI./dev/hda - Primeiro disco rígido na primeira controladora IDE do micro (primary master)./dev/hda1 - Primeira partição do primeiro disco rígido IDE./dev/hdb - Segundo disco rígido na primeira controladora IDE do micro (primary slave)./dev/hdb1 - Primeira partição do segundo disco rígido IDE./dev/xda - Primeiro disco rígido XT./dev/xdb - Segundo disco rígido XT.As letras de identificação de discos rígidos podem ir além de sdb, por exemplo, caso utilizepen-drives, memória flash, as unidades serão detectadas como sdc, sdd e assim por diante.É importante entender como os discos e partições são identificados no sistema, pois seránecessário usar os parâmetros corretos para montá-los.
    • Montando (acessando) uma partição de discomount – Usado para acessar uma partição de disco. mount [dispositivo] [ponto de montagem] [opções]Onde:dispositivo - Identificação da unidade de disco/partição que deseja acessar (como /dev/hda1 (disco rígido) ou /dev/fd0 (primeira unidade de disquetes).ponto de montagem - Diretório de onde a unidade de disco/partição será acessado. O diretório deve estar vazio para montagem de um sistema de arquivo. Normalmente é usado o diretório /mnt para armazenamento de pontos de montagem temporários.Opções: -t [tipo] -Tipo do sistema de arquivos usado pelo dispositivo. São aceitos os sistemas de arquivos: ext2 - Para partições GNU/Linux usando o Extended File System versão 2 (a mais comum). ext3 - Para partições GNU/Linux usando o Extended File System versão 3, com suporte a journaling. ext4 - Para partições GNU/Linux usando o Extended File System versão 4, com suporte a journaling.
    • Na maioria das vezes, caso o sistema de arquivos não seja especificado, o mount utilizará aauto-detecção e montará a partição usando o sistema de arquivos correto.-r - Caso for especificada, monta a partição somente para leitura.-w - Caso for especificada, monta a partição como leitura/gravação. É o padrão.Caso você digitar mount sem parâmetros, serão mostrados os sistemas de arquivosatualmente montados no sistema. Esta mesma listagem pode ser vista em /etc/mtab. Aremontagem de partição também é muito útil, especialmente após reparos nos sistema dearquivos do disco rígido. Veja alguns exemplos de remontagem abaixo.É necessário permissões de root para montar partições, a não ser que tenha especificado aopção user no arquivo /etc/fstabExemplos de Montagem:Montar uma partição Windows (vfat) de /dev/sda1 em /mnt somente para leitura:mount /dev/sda1 /mnt -r -t vfatMontar um pen-drive detectado em /dev/sdc1 em /mnt:mount /dev/sdc1 /mnt -t vfatMontar uma partição DOS localizada em um segundo disco rígido /dev/hdb1 em /mnt:mount /dev/hdb1 /mnt -t msdos.Remontar a partição raíz como somente leitura:mount -o remount,ro /Remontar a partição raíz como leitura/gravação (a opção -n é usada porque o mount nãoconseguirá atualizar o arquivo /etc/mtab devido ao sistema de arquivos / estar montadocomo somente leitura atualmente: mount -n -o remount,rw /.
    • fstab O arquivo /etc/fstab permite que as partições do sistema sejam montadas facilmente especificando somente o dispositivo ou o ponto de montagem. Este arquivo contém parâmetros sobre as partições que são lidos pelo comando mount. Cada linha deste arquivo contém a partição que desejamos montar, o ponto de montagem, o sistema de arquivos usado pela partição e outras opções. fstab tem a seguinte forma:Onde:Sistema de Arquivos: Partição que deseja montar.Ponto de montagem: Diretório do GNU/Linux onde a partição montada será acessada.Tipo: Tipo de sistema de arquivos usado na partição que será montada. Para partiçõesGNU/Linux use ext3, reiserfs, xfs (de acordo com o tipo de partição selecionada durante aformatação), para partições DOS (sem nomes extensos de arquivos) use msdos, parapartições Win 95 (com suporte a nomes extensos de arquivos) use vfat, para unidades deCD-ROM use iso9660.
    • Desmontando uma partição de discoUtilize o comando umount para desmontar um sistema de arquivos que foi montadocom o mount. Você deve ter permissões de root para desmontar uma partição.umount [dispositivo/ponto de montagem]Você pode tanto usar umount /dev/sda1 como umount /mnt para desmontar umsistema de arquivos /dev/sda1 montado em /mnt.Observação: O comando umount executa o sync automaticamente no momento dadesmontagem, para garantir que todos os dados ainda em memória RAM sejamsalvos.
    • Comandos de redeWho: Mostra quem está atualmente conectado no computador.Este comando lista os nomes de usuários que estão conectados em seu computador,o terminal e data da conexão. who [opções]Onde:-H, --heading - Mostra o cabeçalho das colunas.-b, --boot - Mostra o horário do último boot do sistema.-d, --dead - Mostra processos mortos no sistema.-i, -u, --idle - Mostra o tempo que o usuário está parado em Horas:Minutos.-m, i am - Mostra o nome do computador e usuário associado ao nome. É equivalente adigitar who i am ou who am i.-q, --count - Mostra o total de usuários conectados aos terminais.-r, --runlevel -Mostra o nível de execução atual do sistema e desde quando ele estáativo.