Aula 04   sete ferramentas da qualidade 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Aula 04 sete ferramentas da qualidade 2012

on

  • 13,503 views

 

Statistics

Views

Total Views
13,503
Views on SlideShare
13,503
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
297
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Aula 04   sete ferramentas da qualidade 2012 Aula 04 sete ferramentas da qualidade 2012 Presentation Transcript

  • Engenharia da Qualidade Virgilio
  • Sete Ferramentas para o Controle da Qualidade1. Folha de Verificação.2. Estratificação.3. Diagrama de Pareto.4. Histograma5. Diagrama de Ishikawa.6. Diagrama de dispersão7. Gráficos de controle.
  • ExercícioO que é Dot Plot? Para que é útil? O que é um Box Plot? Para que o Box Plot é útil?
  • 1. Folha de VerificaçãoObjetivos da Folha de verificação: • Facilitar coleta de dados. • Organizar dados para estratificação. • Avaliação dos Itens de Controle. • Avaliação dos Itens de Verificação. • Classificação dos dados. • Localização de defeitos. • Identificação da relação causa / efeito
  • 1. Folha de VerificaçãoElaboração da Folha de Verificação • Definir o objetivo da coleta de dados e o tipo da F. V. • Incluir campo para o registro de: • Nomes e códigos das áreas. • Produtos e pessoas responsáveis. • Folha auto-explicativa. • Conscientização para a coleta. • Executar um pré-teste.
  • Peça (produto) Operação (processo)Folha de verificação para Operador Máquinainspecionar diferentestipos de defeitos. Data Seção Tipo de Contagem TotalO inspetor faz um traço na linha que defeitodescreve um tipo de defeito SaliênciaDeve-se padronizar como serãoregistrados itens que apresentam dois Asperezaou mais tipos de defeitos antes doinício da coleta dos dados. Risco Mancha Cor Outro
  • Folha de verificação parainspecionar diferentestipos de defeitos.Outro exemplo
  • Folha de verificação paraestabelecer a localizaçãode defeitos no produtofinal.Marcam-se no croqui o tipo de defeito(conforme a legenda) e o local em queocorrem.
  • Folha de verificação para Peça (produto) Operação (processo)levantar as causas dos Data SeçãodefeitosOs defeitos podem ser explicados pelo: Dia- desajuste da máquina- inexperiência do operador Máquinas Operador 2a 3a 4a 5a 6a- dia da semana A- horário de produção, etc. 1 BBusca-se encontrar algum padrão emfunção do dia da semana, do operadore/ou da máquina. C A 2 B C Tipos de quebra: x quebra ; o ... ; + ......
  • Peça (produto) Operação (processo) Operador MáquinaFolha de verificação paraestudar a distribuição da Data Seçãodimensão de uma peça Dimensão Amostra TotalPara coletar os dados bastar fazer um menos detraço em uma determinada linha, toda 1 2 3 4 5 6 10,050vez que você obtiver uma medida quese enquadra nessa linha. 10,050(é mais fácil que escrever as medidasem uma folha de papel 10,055 10,060 10,065 10,070 10,075 ou mais
  • Folha de verificação paraestudar a distribuição dadimensão de uma peçaOutro exemplo
  • Peça (produto) Operação (processo)Folha de verificação para Operador Máquinamonitorar a variação docomprimento de uma Data SeçãopeçaPor exemplo, todo dia pode ser Amostracoletada uma amostra de 4 peças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 X1 X2 X3 X4 X-barra R
  • Exercícios – Folha de Verificação1. Faça uma folha de verificação para registrar os tipos de defeitos encontrados em uma página datilografada2. Construa uma folha de verificação para registrar as regiões do corpo humano atingidas em acidentes de trabalho3. Faça uma folha de verificação para registrar a distribuição do comprimento das peças produzidas que têm, como limites de especificação, 8 e 9mm4. Desenhe uma folha de verificação, usando um croqui, para registrar defeitos em um guarda-chuva5. Faça uma folha de verificação para registrar a taxa de ocupação de um hotel durante um mês
  • 2. EstratificaçãoAgrupamento por sub-grupos: • Divisão das informações (dados) em grupos (estratos). • Dados agrupados por: insumos; pessoas; métodos; medidas; condições ambientais; tempo; local; tipo; sintoma;... • Analisar dados sob diferentes perspectivas. • Características da qualidade somente podem ser estabelecidas para produtos de mesma origem, fabricados pela mesma máquina (ou operador) e pelo mesmo método
  • Discussão – Estratificação• Por quê o trem atrasa? – Dia do mês; – Período do dia; – Condutor; – Tipo do trem; – Linha férrea.
  • Discussão – Estratificação
  • Discussão – Estratificação• A estratificação precisa ser usada antes do início da coleta de dados• A estratificação deve ser prevista na folha de verificação. – Ex: Estratos por “máquina” e por “operador”. Esses campos devem, portanto, ser previstos na folha de verificação.
  • Exercícios - Estratificação1. Descreva o tipo de estratificação que pode ser usado para estudar causas de acidentes de trabalho2. Descreva o tipo de estratificação que pode ser usado para estudar faltas ao trabalho
  • 3. Gráfico de Pareto• Gráfico de barras que dispõe a informação de modo a tornar evidente e visual a priorização de problemas.• Princípio de Pareto: “poucas causas são vitais e muitas triviais”• Objetivos: • Identificação das poucas causas vitais em um processo. • Seleções de dados importantes. • Disposição da informação para a concentração de esforços em função da área onde os maiores ganhos podem ser obtidos.
  • 3. Gráfico de ParetoEtapas para a construção do gráfico 1. Definição do Problema. 2. Estratificação por categorias. 3. Estabelecer método para coleta de dados. 4. Colocar em ordem decrescente de ocorrência. 5. Elaborar planilha de dados: • Categorias • Quantidades (totais individuais). • Percentagens individuais. • Percentagens acumuladas. 6. Montar gráfico de Pareto.
  • Exemplo - Gráfico de Pareto
  • Exemplo - Gráfico de Pareto
  • Gráfico de Pareto100,0%80,0%60,0%40,0%20,0% 0,0% Revestimento Trinca Arranhão Fina ou Grossa Não-acabada Outros Inadequado Ocorrência Freq. Acumulada
  • 3. Gráfico de Pareto: exemplo real Diagrama de P areto V ariável: Número de defeitos 140 6 7 5 100 4 120 3 90 80 100 2 70 Porcentagem 80 60 Valores 50 60 1 40 2 40 30 3 20 20 V alor 4 5 6 10 7 0 0 Cumul. 1 2 3 4 5 6 7 V alue -1. #QN N A Tipos de Defeitos
  • 3. Gráfico de Pareto: exemplo real
  • Exercícios – Diagrama de Pareto1. Faça um diagrama de Pareto para mostrar que na produção do operador A havia 8 itens com defeitos; do operador B, 11; do operado C, 10; do operador D, 11; do operador E, 9.2. Faça um diagrama de Pareto para mostrar que na produção da máquina 1 havia 10 itens com defeito, da máquina 2, 25; da máquina 3, 8; da máquina 4, 6.3. Compare os diagramas do exercício 1 e 2. Se você estivesse procurando a causa do defeito, o que conclusão teria chegado?4. Na tabela apresentada em seguida são dados a frequência e o custo da recuperação de livros com defeitos, segundo o tipo de defeito, em 45 de 2000 livros produzidos por uma gráfica. Faça um diagrama de Pareto para frequência e outro para custo. Compare os diagramas. Tipo de defeito Frequencia Custo por unidade Páginas em branco 5 0,05 Páginas rasgadas 2 0,05 Má plastificação 8 2,00 Mau refilamento 10 1,00 Amarrotado 20 4,50 Total 45
  • Exercícios – Diagrama de Pareto• Os defeitos de transistores podem ser divididos em cinco classes. Numa amostra de 24 transistores foram observados 52 defeitos, distribuídos como mostra a tabela abaixo. Desenho o diagrama e a curva de Pareto. Defeito Número Não funciona 22 Amperagem incorreta 16 Torto 3 Defeitos externo 9 Tamanha incorreto 2
  • 4. Histograma• Definição – gráfico constituído por retângulos de mesma base, colocados lado a lado e cuja altura é proporcional à quantidade a representar. – constituído de x intervalos. Quando o número de observações é menor ou igual a 25, adota-se x = 5; Acima de 25 observações, adota-se x = raiz (n º observações) Ordenada: freqüência das Abscissa: valores medidas medidos
  • 4. Histograma• Estudo da variabilidade do processo. • Estabelecimento de padrão • Verificação da distribuição (tende a distribuição normal)• Base da previsibilidade e como conseqüência permite a tomada de ações antes que um problema venha a ocorrer.• A repetição de histogramas consecutivos ao longo do tempo leva a criação do Controle Estatístico de Processo
  • 4. HistogramaPossíveis histogramas: Forma desejável em processos industriais Duas distribuições com médias bem diferentes misturadas Várias distribuições com diferentes médias
  • 4. Histograma• Distribuição Normal: é um tipo particular de histograma, cujo valor central deve ser o valor médio. A curva sobreposta sobre o histograma representa a distribuição de todos os resultados do processo.
  • Histograma e limites de especificação Sem folga Com perdas LIE LSE LIE LSECom perdas Com folga LIE LSE LIE LSE
  • Os histogramas dos processos devem...• Ter a forma ser simétrica• Ter dispersão pequena• Ter centralização na média
  • 5. Diagrama de Ishikawa• Apresenta a relação existente entre um resultado de um processo (efeito) e seus fatores (causas) que, por razões técnicas, podem afetar o resultado considerado.• Agrupamento de causas em função dos efeitos (6Ms).• Objetivos do Diagrama de Ishikawa: • Seleções de dados importantes. • Apresentação das possíveis causas. • Guia para medidas corretivas.
  • 5. Diagrama de IshikawaConstrução do diagrama: 1. Definição do problema • Folha de verificação, gráfico de Pareto, 2. Espinha dorsal = problema (característica ou efeito). 3. Espinhas primárias. • Causas primárias  causas diretas  utilizar os 6Ms. 4. Espinhas secundárias. • Causas secundárias = causas indiretas ou oriundas de processo anterior.... • E assim por diante...
  • 5. Diagrama de IshikawaConstrução do diagrama em grupo - “Brainstorming”. 1. Escolha de um responsável. 2. Todos opinam democraticamente. 3. Ambiente informal. 4. Inicialmente nenhuma idéia deve ser criticada. 5. Revisão para a eliminação de causas pouco prováveis. 6. Utilização de quadro negro para melhor visualização. 7. Evitar a imputação de culpa.
  • 5. Diagrama de Ishikawa.Construção de um diagrama para cada efeito ou problema.• Em geral equipamentos, pessoas, insumos, métodos, medidas e condições ambientais são candidatos naturais a causas primárias.Questões fundamentais:• Que tipo de variabilidade nas causas poderia afetar a característica da qualidade de interesse ou resultar no problema considerado?• Desdobrar a mesma pergunta para as causas secundárias, terciárias,...
  • Exemplo do Diagrama de Ishikawa: Quebra de Máquina MATÉRIA PRIMA MÁQUINA MEDIDA DescuidoMatéria-prima de do colaborador Não há manutençãobaixa qualidade Matéria-prima fora Problemas de Medições são feitas de especificação funcionamento feita de maneira errada Faltam Problemas no especificações fornecedor ou na Falta Inspeção de entrada conhecimento Quebra de máquina durante a operação O colaborador não segue a Instrução de Instrução de Trabalho Trabalho não está correta Fundação sobre a Qual a máquina está Fixada não é boa O colaborador não realiza a manutenção Instrução de Trabalho difícil de ser Não existe compreendida programação MEIO AMBIENTE MÃO DE OBRA MÉTODO
  • Exercício - Diagrama de Ishikawa1. Faça um diagrama de causa e efeito para encontrar as possíveis causas para o consumo excessivo de gasolina de um automóvel2. Faça um diagrama de causa e efeito com a finalidade de fazer um time de futebol ganhar o jogo.
  • 6. Diagrama de Dispersão• Visualização de relações entre dois dados, podendo os mesmos possuírem correlação forte, fracas ou indiferentes.• Comparações numéricas entre: – Causa x Causa – Causa x Efeito – Efeito x Efeito• Utilização da regressão linear: – Elevada correlação – Moderada correlação – Baixa correlação
  • 6. Diagrama de Dispersão
  • Exemplo: cuidado!! EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO DE OLDENBURG E DO NÚMERO DE CEGONHAS (1930-1936) 78 74POPULAÇÃO (EM MILHARES) 70 66 62 58 54 120 140 160 180 200 220 240 260 NÚMERO DE CEGONHAS
  • Exemplo: cuidado!! Relaç ão entre N. de Doentes M entais e N. apar. de rádio 26Nú me ro d e d o e n te s me n ta i s 22 18 14 10 6 0 2000 4000 6000 8000 10000 Nú m e ro d e a p a re l h o s d e rá d i o (e m m i l h õ e s )
  • Coeficiente de Correlação  xy  x yr  n   x  2  x  2      y  2  y  2     n     n  
  • Diagrama de Dispersão e Estratificação
  • Exercício - Diagrama de dispersãoProblema identificado:A temperatura média do dia influencia na quantidade de cafés vendidos? Faça um diagrama de dispersão e calcule o coeficiente de correlação