Evidências científicas fields of greens
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Evidências científicas fields of greens

on

  • 3,982 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,982
Views on SlideShare
3,982
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
29
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Evidências científicas fields of greens Evidências científicas fields of greens Document Transcript

  • Evidências científicas da eficácia de FIELDS OF GREENS. Autores: Wésley S. Câmara e Susan M. Santos Março de 2012. Contato: Niterói. RJ. wesleyesusanflp@gmail.com Página na internet: livrecomoaguia.blogspot.com O objetivo deste artigo é mostrar a eficácia e a segurança de um de nossos produtos mais consumidos:“Fields of Greens”. Reconhecido por revistas que dão ênfase à perda de peso como o emagrecedor naturalmais eficiente do mercado (mesmo não sendo um produto exclusivo para esta finalidade), tornou-se, anosso ver, necessária uma pesquisa aprofundada, baseada em trabalhos científicos, que evidenciasse oefeito benéfico do produto, descartando as possíveis atribuições apenas ao efeito placebo. Queremos deixarclaro que esta pesquisa é um trabalho independente dos empreendedores Wésley Câmara (acadêmico demedicina) e Susan Santos, não tendo nenhum vínculo com a empresa Forever Living Products ouinterferência da mesma. Utilizamos em nossa pesquisa várias bases de dados, sendo a principal: PubMed. Procuramos escrever otexto de forma que fosse compreendido pelo público leigo e, ao mesmo tempo, fazendo com que leitores daárea da saúde tivessem uma explicação confiável e científica para cada efeito atribuído aos constituintes doproduto. Como todos sabem, não trabalhamos com medicamentos. Os nossos produtos de uso interno são todosclassificados como alimentos. Após a leitura deste artigo muitos pensarão: “Por que a empresa não colocaas propriedades e as indicações do produto na embalagem e nos folders de propaganda?” A resposta é:Não é permitido. A ANVISA não permite esse tipo de divulgação oficial, a menos que o produto saia daclasse de alimentos e passe para a de medicamentos, o que inviabilizaria o nosso sistema decomercialização. Por exemplo: para uma empresa comercializar a substância Isoflavona (que tem efeitosmedicinais comprovados), seu produto deve ser considerado um medicamento. Porém, a isoflavona estápresente em boa quantidade na alfafa, ou seja, também no Fields of Greens. Porém, como está ali presentede forma natural, o produto pode ser considerado um alimento, desde que não apresente alegaçãomedicamentosa ou terapêutica. Pelo contrário, deve-se colocar no rótulo uma mensagem do Ministério daSaúde dizendo que não há evidências científicas que o alimento em questão possa tratar ou prevenir algumadoença. Somente em casos especiais é que a ANVISA aprova a alegação de propriedades de saúde(Resolução ANVS/MS 18/19). Portanto, quero deixar claro que não devemos, a menos que sejamos médicos devidamente capacitados ecom um número de CRM válido, indicar este produto a alguém com o intuito de tratar ou curar algumproblema de saúde. Deve ser usado como um preventivo ou como um complemento no tratamento,associado a outras medidas, pois é um alimento altamente nutritivo, cujos componentes apresentamsubstâncias benéficas à saúde, mas não dispensa acompanhamento médico e não substitui a medicação. O produto e seus efeitos Fields of Greens é um suplemento de vegetais em tabletes, sendo composto principalmente de fibrassolúveis e insolúveis, provenientes dos seus constituintes ativos, que são: cevada verde, palha de trigo,
  • alfafa, pimenta caiena (todos em pó) e mel. Não contém glúten (pois não contém grãos). É um alimentototalmente seguro e é aprovado por inúmeros especialistas como ótimo complemento a vários tratamentosmédicos. É um alimento orgânico (com adubação natural e sem uso de agrotóxicos, hormônios epesticidas), assim como os demais produtos da empresa Forever Living Products. Antes de falarmos dos componentes propriamente ditos, queremos destacar os dois tipos de fibraspresentes neste produto. Só para constar, fibra alimentar é a porção de plantas ou carboidratos que sãoresistentes à digestão e à absorção no intestino delgado de humanos, sofrendo fermentação completa ouparcial no intestino grosso (definição adaptada da que foi proposta pela American Association of CerealChemists). Entre as propriedades fisiológicas atribuídas às fibras estão: redução do colesterol sérico(sanguíneo), modulação da glicemia (redução do risco de diabetes tipo 2 e manejo do tipo 1), diminuiçãoda probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares, prevenção e tratamento de diverticuloses,propriedades laxativas (prevenção da constipação) e aumento da saciedade (referência 1). As fibras responsáveis pela diminuição do colesterol são as beta-glucanas, presentes em alguns vegetais,como a cevada, que já foi estudada e aprovada pela Food and Drug Administration (FDA), que autorizou adeclaração de alimento benéfico à saúde. Esses nutrientes podem reduzir o risco de doenças do coração(segundo relatou a FDA, em 2001). De acordo com a solubilidade em água, essas fibras são divididas em: solúveis e insolúveis. As solúveisreduzem o colesterol total no sangue e o LDL, conhecido como “mau” colesterol. Reduzindo os níveisdesses lipídios, reduzirá também o risco de doenças cardiovasculares (referência 10). Outra funçãoimportante é o retardo do esvaziamento gástrico, a redução do tempo de trânsito intestinal, diminuição daabsorção de glicose, regulação do apetite e controle da pressão arterial (referência 11). As fibras alimentares aumentam o volume das fezes por reterem água e atuar em sua fermentação. Alémdisso, a celulose, presente nos vegetais também contribui para essa umidificação. Com o aumento da massafecal, o funcionamento intestinal é melhorado, ocorrendo menos força para a expulsão das fezes eprevenindo a diverticulose. Outra conseqüência é a diminuição da absorção de triglicerídeos e decolesterol. As refeições ricas em fibras são processadas mais lentamente, contribuindo para a saciedade. Além disso,adquirem um grande volume no trato gastrointestinal, diminuindo a ingestão de outros alimentos. Portanto, pelos diversos efeitos das fibras alimentares, concluímos que são excelentes na prevenção eredução de diversos problemas de saúde. Vale destacar ainda a importância do consumo desses nutrientespor diabéticos e por pessoas que necessitam perder peso. MEL- Um trabalho francês de revisão concluiu que o mel aplicado topicamente na pele e em mucosas feridase/ou queimadas, além da administração oral como medicação antitússica (após o primeiro ano de vida) éaltamente eficaz e sem efeitos adversos (referência 15).- Um estudo americano (de revisão) afirmou que há evidências clínicas e biológicas para apoiar o uso domel no tratamento de feridas (referência 16).- Um trabalho de revisão, de 2011 (referência 17), afirma que as propriedades de cura de feridas pelo melincluem a estimulação do crescimento do tecido, a epitelização melhorada e a redução na formação decicatriz. Além disso, é antiinflamatório, já que diminui os níveis de prostaglandinas e aumenta os de óxido
  • nítrico (importante na cicatrização). É um antibiótico natural, de amplo espectro e um importanteregenerador de feridas crônicas, como úlceras e queimaduras. Não induz a reações alérgicas e não temefeitos adversos significativos. Elimina rapidamente o odor da ferida, diminui a quantidade de secreção epromove uma desinfecção local. Possui antioxidantes e melhora a imunidade celular e a imunidade poranticorpos. Devido a todos esses benefícios, pode ser um importante componente de curativos de feridas.- Outro artigo de revisão (referência 18) alega que o mel tem sido usado para tratar infecção pós-operatórianeonatal e em adultos, além de queimaduras, fasciíte necrosante, feridas infectadas, úlceras (venosas e dopé diabético) e furúnculos. Estes efeitos são atribuídos a ação antibacteriana do mel (devido à sua acidez,ao teor de peróxido de hidrogênio, ao efeito osmótico, à riqueza nutricional, ao conteúdo de antioxidantes eà estimulação da imunidade). Quando ingerido, o mel também promove a cura e mostra açãoantibacteriana, diminuindo os níveis de prostaglandinas (ou seja, combate a inflamação), elevando os níveisde óxido nítrico e exercendo efeitos prebióticos. “Os prebióticos são componentes alimentares nãodigeríveis que afetam beneficamente o hospedeiro, por estimularem seletivamente a proliferação ou aatividade de populações de bactérias desejáveis no cólon (intestino). Adicionalmente, o prebiótico podeinibir a multiplicação de patógenos, garantindo benefícios adicionais à saúde do hospedeiro” (referência19). CEVADA E GRAMA DE CEVADA- É rica em beta-glucanas, que são fibras solúveis/ carboidratos (referência 1).- Reduz significativamente o colesterol total e o LDL (“mau” colesterol), não interferindo nos níveis deHDL (“bom” colesterol). O efeito é atribuído à beta-glucana, sendo a cevada uma boa fonte da mesma.Assim, os profissionais de saúde podem recomendar cevada (beta-glucana) para os seus pacientes (com ousem hipercolesterolemia) para ajudar a reduzir o colesterol total e as concentrações de colesterol LDL. Este artigo de revisão analisa ensaios clínicos randomizados até 01/2008, que demonstraram eficácia dacevada na redução da hipercolesterolemia. Foram encontrados 8 ensaios (n = 391 pacientes, variando de 10a 155 participantes por pesquisa), sendo dois duplo cego, com duração de 4 a 12 semanas de avaliação dosefeitos da cevada na redução de lipídios. Apenas em dois estudos houve alteração na dieta no período.Foram levados em consideração possíveis viés de publicação (baixa probabilidade). Os dados estão natabela abaixo (Referência 2):Results of the Meta-Analysis of Randomized Controlled Trials Evaluating Effect of Barley Cholesterol Levels Total Cholesterol LDL Cholesterol HDL Cholesterol Triglycerides mg/dLStudy Type mg/dL (95% CI) mg/dL (95% CI) mg/dL (95% CI) (95% CI)All studies −13.38 (−18.46 to −10.02 (−14.03 to 0.99 (−0.09 to 2.06) −11.83 (−20.12 to −8.31) [8 studies] −6.00) [7 studies] [6 studies] −3.55) [6 studies]Fixed-effects model −13.38 (−18.46 to −10.02 (−14.03 to 0.99 (−0.09 to 2.06) −11.83 (−20.12 to −8.31) [8 studies] −6.00) [7 studies] [6 studies] −3.55) [6 studies]Excluding crossover studies −13.75 (−19.24 to −9.76 (−14.64 to −0.97 (−3.31 to 1.36) −13.68 (−12.74. 0.39) −8.26) [6 studies] −4.88) [5 studies] [4 studies] [4 studies]Excluding studies not double-blind −17.39 (−26.05 to −13.43 (−20.58 to 0.85 (−4.71 to 6.41) −22.45 (−50.65 to −8.74) [2 studies] −6.29) [2 studies] [1 studies] 5.76) [1 studies]Excluding studies in patients −12.56 (−17.89 to −9.38 (−14.13 to 1.08 (−0.01 to 2.17) −11.06 (−24.97 to
  • Total Cholesterol LDL Cholesterol HDL Cholesterol Triglycerides mg/dLStudy Type mg/dL (95% CI) mg/dL (95% CI) mg/dL (95% CI) (95% CI)without hypercholesterolemia −7.24) [6 studies] −4.63) [5 studies] [4 studies] 2.85) [4 studies]Trim and fill −10.49 (−15.09 to −8.45 (−12.21 to 1.34 (0.31 to 2.37) −11.83 (−20.12 to −5.89) [+4 studies] −4.69) [+3 studies] [+3 studies] −3.55) [+0 studies]Studies evaluating barley with diet −17.14 (−25.02 to −14.57 (−21.69 to 1.53 (−2.98 to 6.05) −17.36 (−40.66 tomodification −9.23) [2 studies] −17.45) [2 studies] [2 studies] 5.94) [2 studies]Studies evaluating barley without −10.75 (−17.38 to −7.89 (−12.75 to −0.16 (−2.33 to 2.02) −11.03 (−19.90 todiet modification −4.12) [6 studies] −3.04) [5 studies] [4 studies] −2.17) [4 studies]CI=confidence interval; LDL = low–density lipoprotein; HDL = high–density lipoprotein; + = analysis-imputed missing studies.Note: All results reported as weighted mean differences.- Outro artigo de revisão (referência 3) analisou 11 estudos clínicos randomizados (de 1989 até 2008) econcluiu que tanto o uso de cevada quanto o de beta-glucana isolada da cevada contribuíramsignificativamente para a redução dos níveis do colesterol total e do LDL. Sendo assim, o maior consumodesse alimento deve ser considerado como uma abordagem dietética para reduzir as concentrações decolesterol LDL.- Um trabalho interessante (referência 4) investigou se o consumo de uma dieta com muita beta-glucana decevada iria reduzir a área de gordura visceral, bem como o colesterol total e o LDL em homenshipercolesterolêmicos japoneses. Foi um estudo randomizado, duplo-cego, com placebo, tendo 44participantes hipercolesterolêmicos com um índice de massa corporal (IMC) > 22 kg/m2. Após 12 semanasforam analisadas amostras de sangue e imagens de tomografia computadorizada. A ingestão de cevadareduziu significativamente: as concentrações séricas de LDL, a gordura visceral, o IMC e a circunferênciada cintura.- Outra pesquisa (referência 5) comparou alguns alimentos utilizados no café da manhã e concluiu que oconsumo de alimentos ricos em fibras de cevada diminuiu significativamente a fome no momento doalmoço, enquanto trigo e arroz não a alteraram.- A grama da cevada usada em Fields of Greens é um estágio anterior da planta, quando não há presença degrãos formados (por isso não encontramos glúten no produto). Nessa fase, a planta apresenta algumasdiferenças em relação aos seus constituintes, tendo maior quantidade de vitaminas, de minerais, de enzimas(como a superoxido dismutase), de aminoácidos (naturais e essenciais), de carotenóides (beta-caroteno) ede clorofila.- O Dr Kasuhiko Kubota, PhD, professor do Departamento de Farmácia na Universidade de Ciência deTóquio, passou anos estudando as propriedades benéficas da cevada verde (grama de cevada) e suaspesquisas apontavam para uma potente ação antiinflamatória (referência 6), para a diminuição dos níveisde colesterol (referência 7), além de propriedades antioxidantes (referência 8).- O Dr. Hagiwara, presidente do Instituto Hagiwara da Saúde no Japão e importante pesquisador da áreafarmacológica, relata que, entre as 150 plantas que ele pesquisou durante um período de 13 anos, a gramade cevada era a melhor fonte de nutrientes necessários ao organismo para a cura e vitalidade. Através desuas pesquisas, mostrou que o suco de cevada verde é 7 vezes mais rico em vitamina C do que um pesoequivalente de laranjas; é 5 vezes mais rico em ferro do que o espinafre; é 10 vezes mais rico em cálcio doque o leite; é uma fonte significativa de vitamina B12 e contém 15 vezes mais proteína do que a mesmaquantidade de leite (referência 9).
  • - A cevada verde possui, assim como diversos vegetais, um fitosterol chamado beta-sitosterol. Um artigode revisão (referência 10) cita um estudo paulista, duplo cego, cruzado, em que a adição de beta-sitosterolna margarina provocou redução significativa nos níveis de colesterol total e de LDL.ALFAFA- Esta planta é utilizada há muito tempo na China, no Iraque, na Índia e em países americanos para otratamento de diversas doenças. Um trabalho de revisão, que incluiu 117 pesquisas (referência 12),concluiu que a Alfafa contém saponinas, flavonóides (como a isoflavona), fitoestrógenos, cumarinas,alcalóides, aminoácidos, fitosteróis, vitaminas, enzimas digestivas e terpenos. Uma análise farmacológicarevelou que ela é neuroprotetora, hipocolesterolêmica, antioxidante, anti-úlcera, hipolipidêmica,antimicrobiana, estrogênica e útil no tratamento (complementar) de: aterosclerose, doença cardíaca,acidente vascular cerebral, câncer, diabetes e sintomas da menopausa. Os autores do trabalho destacam aimportância de uma atenção especial, por parte de outros pesquisadores, para os efeitos benéficos destaplanta, principalmente no que diz respeito à sua ação no sistema nervoso e cardiovascular.PIMENTA CAIENA- Um estudo tailandês analisou a glicemia de 10 mulheres saudáveis, após ingerirem uma solução deglicose com e sem ingestão prévia de pimenta (Capsicum frutescens, a espécie da pimenta caiena). Outrofator analisado foi a taxa metabólica após 1 hora do consumo de glicose, nas duas situações. Quando haviaocorrido o uso da pimenta, a glicemia plasmática após 30 minutos era 20% menor. Além disso, ometabolismo basal (em repouso) das mulheres foi maior, com efeito termogênico, até 30 minutos após oconsumo da pimenta. Ou seja, a pimenta provocou aumento do metabolismo (maior consumo energético) emenor absorção de glicose (referência 13).- A substância ativa encontrada na pimenta e que dá sabor quente e picante é a capsaicina. Um outro estudotailandês (cruzado, com placebo), que utilizou 12 pessoas saudáveis, concluiu que a capsaicina diminuiu osníveis de glicose no sangue e manteve os níveis de insulina. Portanto, essa substância é algo que pode serconsiderada quando o assunto é diabetes tipo II (referência 14).PALHA DE TRIGO- Boa fonte de nutrientes, como vitaminas, minerais e fibras alimentares, tendo, portanto, seus efeitos jádescritos no início deste artigo. Conclusão Vimos que as aparições do Fields of Greens em revistas e os altíssimos índices de satisfação com o usodo produto são apenas consequências de um alimento rico em nutrientes importantíssimos para o bomfuncionamento do nosso organismo. Segundo o que pudemos comprovar, as indicações para o consumodeste produto são:- Perda de peso: Consumir de 2 tabletes, 30-45 minutos antes do almoço e 2 tabletes, 30-45 minutos antesdo jantar. Mastigar ou engolir os tabletes inteiros provavelmente seja indiferente, porém,
  • independentemente da forma de ingestão, deve-se sempre ser acompanhada de 250-300 mL de água.Durante o dia também é recomendado aumentar a ingestão de água (se possível, tome cerca de 2 litrosdiários). Caso precise evacuar mais do que duas vezes por dia durante 3 dias (ou mais) consecutivos,diminua o consumo para 3 tabletes diários, ingerindo com menor quantidade de água. Pessoas com muitadificuldade de emagrecimento, podem ingerir até 6 tabletes ao dia (acrescentar mais 2 antes de outrarefeição diária, como o café da manhã, por exemplo). A velocidade na perda de peso é variável em cada indivíduo, porém, consumindo o produto da formacorreta e seguindo as orientações do próximo parágrafo, a chance de sucesso é altíssima. Lembre-setambém que uma forma ainda mais eficaz e nutritiva de perder peso é substituir o almoço ou o jantar peloForever Lite (shake). Neste caso, não tome o Fields of Greens antes do shake, e sim, antes de alguma outrarefeição. Lembre-se: se você está acima do peso, há algum motivo para isso. Seja sedentarismo, má alimentaçãoou até mesmo um distúrbio metabólico/hormonal. Neste último caso, somente um médico especializadopoderá conduzir um tratamento. Porém, em quase todos os casos os dois primeiros fatores são osresponsáveis. Sendo assim, não adiantará consumir este produto se não associar a isto uma mudança dehábitos. Como todos sabem, mudar uma rotina não é fácil, mas encontre o que você está fazendo de erradopara estar acima do peso (pode estar comendo mais do que deveria, seja por ansiedade ou outro motivoqualquer; pode não estar comendo muito, mas estar comendo mal; pode não estar realizando atividadefísica regular) e lute para melhorar a sua forma de viver. Enfim, tome o Fields of Greens, mas tambémcaminhe; faça exercícios; diminua a ingestão de doces, massas e refrigerantes; coma mais frutas, verduras elegumes; fazendo isso, evitará que recupere rapidamente todo o peso perdido, terá resultado mais rápido,economizará dinheiro e terá uma vida muito mais saudável. Lembre-se: não oferecemos milagres e oprimeiro passo para perder peso é a sua própria determinação. Nos casos abaixo o consumo não deve ultrapassar 2 tabletes ao dia. Pessoas que perdem peso comfacilidade e que não desejam emagrecer devem consumir o produto a noite (antes de dormir), evitando queas fibras interfiram na saciedade e na absorção de nutrientes das refeições.- Vegetarianos: podem ter deficiência de vitamina B12 e Fields of Greens pode ser um bom complementoalimentar.- Alimentação pobre em fibras: pessoas que não consomem muitos vegetais (frutas, verduras e legumes)podem “diminuir o prejuízo” nutricional consumindo este produto. Porém vale dizer que Fields of Greensnão substitui totalmente a ingestão desses alimentos.- Constipação intestinal (prisão de ventre/ intestino preso): As fibras verdes contribuem para que ointestino seja regulado.- Hipercolesterolêmicos e diabéticos: Pessoas com níveis elevados de colesterol total e de LDL devemSEMPRE fazer acompanhamento médico e seguir o tratamento proposto. Como complemento, Fields ofGreens pode auxiliar no decréscimo dos níveis desses lipídios e prevenir essas elevações em pessoas“saudáveis”. No caso dos diabéticos, é provável que a ingestão dessas fibras ajude no controle da glicemia,porém não reduza e não pare com a medicação quando estiver utilizando este produto, afinal, estes tabletesnão são medicamentos! Por fim, podemos indicar Fields of Greens para todas as pessoas que almejam usufruir dos benefícios deuma alimentação mais completa, com nutrientes importantes para o bom funcionamento do organismo.
  • Referências bibliográficas:1 – MIRA, Giane Sprada et al; Visão retrospectiva em fibras alimentares com ênfase em beta-glucanas no tratamento dodiabetes; Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, vol. 45, n. 1, jan./mar., 20092 – TALATI, Ripple et al; The Effects of Barley-Derived Soluble Fiber on Serum Lipids. Annals of Family Medicine, vol 7, n. 2,Março/Abril 2009.3 – AbuMweis SS, Jew S, Ames NP; β-glucan from barley and its lipid-lowering capacity: a meta-analysis of randomized,controlled trials. Eur J Clin Nutr. 2010 Dec;64(12):1472-80. Epub 2010 Oct 6.4 - SHIMIZU C. et al; Effect of high beta-glucan barley on serum cholesterol concentrations and visceral fat area in Japanesemen--a randomized, double-blinded, placebo-controlled trial. 2008 Mar;63(1):21-5. Plant Foods Hum Nutr. Epub 2007 Dec 12.5 – SCHROEDER, N. et al; Influence of whole grain barley, whole grain wheat, and refined rice-based foods on short-termsatiety and energy intake. Appetite. 2009 Dec;53(3):363-9. Epub 2009 Jul 28.6 - KUBOTA K, MATSUOKA Y, SEKI H; Isolation of Potent Anti-inflammatory Protein from Barley Leaves. JapaneseJournal of Inflammation. 3(4). 1983.7 - OHTAKE H, NONAKA S, SAWADA Y, HAGIWARA Y, HAGIWARA H, KUBOTA K; Studies on the Constituents ofGreen Juice from young Barley Leaves, Effect on Dietarily Induced Hypercholesterolemia in Rats. Journal of the PharmaceuticalSociety of Japan. 105(11). 19858 - SHIBAMOTO T, TERAO J, OSAWA T; Functional Foods for Disease Prevention II: Medicinal Plants and Other Foods.ACS Symposium Series 702; sponsored by the Division of Agricultural and Food Chemistry at the 213th National Meeting ofthe Americal Chemical Society: California. 1997.9 - HAGIWARA Y; Green Barley Essence: The Ideal „Fast Food‟. Keats Publishing, Inc: Connecticut. 1985.10 - RIQUE A B R, SOARES E A, MEIRELLES C M; Nutrição e exercício na prevenção e controle das doençascardiovasculares; Rev Bras Med Esporte _ Vol. 8, Nº 6 – Nov/Dez, 2002.11 - SOARES, Rosane, M. D.; VIEIRA, Eilamaria L.; de FRANCISCO, A. & de SÁ, Roberta M; Fibras Alimentares: Histórico,Classificação e Efeitos Fisiológicos. Trabalho apresentado na 52ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso daCiência (SBPC), UnB - Brasília - 09-14/07/2000.12 - BORA KS, SHARMA A; Phytochemical and pharmacological potential of Medicago sativa: a review. Pharm Biol. 2011Feb;49(2):211-20. Epub 2010 Oct 25.13 - CHAIYATA P et al. Effect of chili pepper (Capsicum frutescens) ingestion on plasma glucose response and metabolic ratein Thai women. J Med Assoc Thai. 2003 Sep;86(9):854-60.14 - CHAIYASIT K et al; Pharmacokinetic and the effect of capsaicin in Capsicum frutescens on decreasing plasma glucoselevel. J Med Assoc Thai. 2009 Jan;92(1):108-13.15 - WERNER A, LACCOURREYE O; Honey in otorhinolaryngology: when, why and how? Eur Ann Otorhinolaryngol HeadNeck Dis. 2011 Jun;128(3):133-7. Epub 2011 Feb 9.16 - LEE DS et al; Honey and wound healing: an overview. Am J Clin Dermatol. 2011 Jun 1;12(3):181-90. doi:10.2165/11538930-000000000-00000.17 – AL-WAILI Noori S. et al; Honey for Wound Healing, Ulcers, and Burns; Data Supporting Its Use in Clinical Practice; TheScientific World JOURNAL (2011) 11, 766–787 ISSN 1537-744X; DOI 10.1100/tsw.2011.7818 - AL-WAILI Noori S. et al; Honey and microbial infections: a review supporting the use of honey for microbial control. JMed Food. 2011 Oct;14(10):1079-96. Epub 2011 Aug 22.19 – MACEDO, Lívia Nolasco et al; Efeito prebiótico do mel sobre o crescimento e viabilidade de Bifidobacterium spp. eLactobacillus spp. em leite. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 28(4): 935-942, out.-dez. 2008.