ISCTE - FORGEP 2009 Vidigal

2,381 views
2,253 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,381
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
15
Actions
Shares
0
Downloads
82
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

ISCTE - FORGEP 2009 Vidigal

  1. 1. FORGEP Simplificação da linguagem administrativa e Simplificação de processos Luís Vidigal 28 e 29 de Janeiro de 2009 Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 1
  2. 2. FORGEP Programa 1. Simplificação da linguagem administrativa • Melhorar a relação entre a Administração Pública e os cidadãos: análise da situação de comunicação • Simplificação da comunicação administrativa em Portugal: o caminho percorrido • Características da linguagem administrativa • Princípios da eficácia da comunicação • Legibilidade dos documentos: do ofício ao formulário • Especificidades da comunicação através da net • Factores para uma comunicação jurídica eficaz 2. Simplificação dos processos • Porque é importante definir e reinventar os processos da administração pública • A necessidade de uma arquitectura de informação no sector público Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 2
  3. 3. FORGEP As quatro perguntas chave de Lasswell (1948) Quem Análise do Análise do Controlo Controlo Análise do Diz o Quê Análise do Conteúdo Conteúdo Em que Canal Análise dos Análise dos Media Media A Quem Análise da Análise da Audiência Audiência E com que Efeito Análise dos Análise dos Efeitos Efeitos Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 3
  4. 4. FORGEP Os 6 W da Comunicação Who When Quem? Quando? Audiência Periodicidade Atitudes Altura do dia What Why O quê? Porquê? Mensagem Conteúdo Finalidade Contexto Objectivos Where hoW Onde? Como? Localização Logística Nº de pessoas Produção Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal
  5. 5. FORGEP Modelo de transmissão de Shannon e Weaver (1949) Sinal Fonte de Mensagem Mensagem Sinal Recebido Transmissor Receptor Destinatário Informação Fonte de Ruído Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal
  6. 6. FORGEP Modelo interactivo de Wilbur Schramm (1954) Campo de Experiência Campo de Experiência Codificador Sinal Destinatário Descodificador Fonte Mensagem Codificador Descodificador Intérprete Intérprete Descodificador Codificador Mensagem Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal
  7. 7. FORGEP Representações mentais Modelo de comunicação de A. Moles Fidelidade Integração Identificação (Imagem mental) (Imagem mental) Descodificação Codificação Mensagem (canal psíquico) Identificação Produção dos sinais conhecidos e selecção de sinais Emissor Receptor Repertório Repertório Emissor Receptor Repertório Comum Luís Vidigal Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 7
  8. 8. FORGEP Objecto (Charles Peice) (Saussure) Referente (Ogden & Richards) “Idéia” Percebida Cada sinal de comunicação inclui o que vemos e ouvimos (o Significante) e aquilo que nos aparece ou significa para nós (o Significado) Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 8
  9. 9. FORGEP Os “olhos” da nossa cultura Cultura Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 9
  10. 10. FORGEP O equilíbrio perceptivo do Cérebro Lado Lado Esquerdo Direito Lógica Rítmo Raciocínio Música Linguagem Imaginação Númerologia Imagens Análise Côr Linearidade Formas Digitalidade Fantasias Abstracção Criatividade Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 10
  11. 11. Um Organograma FORGEP não é uma Organização Imagem real ralica o Púbtion c Admin t inistraçã is Publi Adm Imagem formal Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal Tulsa, Okla
  12. 12. FORGEP Produção da Imagem Coeficiente de acesso Penetração psicológica Imagem Audiência Nível de esquecimento Tempo Mensagens voluntárias Mensagens não voluntárias Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 12
  13. 13. FORGEP Produção da Imagem Organização Audiência O que se diz Outros Eu que se faz Organização O que realmente se faz Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 13
  14. 14. FORGEP Várias imagens duma organização Imagem Imagem Objectiva Prospectiva O que é O que deseja Imagem Global Imagem Imagem Subjectiva Pública Como é percebida Generalizada a um grupo social Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 14
  15. 15. FORGEP Várias imagens duma organização Imagem Transmitida Imagem Imagem Desejada Percebida Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 15
  16. 16. FORGEP Imagem – Conceito de... A representação mental na memória colectiva de um estereotipo ou de um conjunto significativo de atributos, capazes de influenciar os nossos comportamentos e modificá-los Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 16
  17. 17. Não há nada na mente FORGEP que não tenha estado nos sentidos • Visão • Audição • Tacto • Olfacto • Gosto Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 17
  18. 18. FORGEP Geralmente lembramo-nos: • 10% do que lemos • 20% do que ouvimos • 30% do que vemos • 50% do que vemos e ouvimos • 70% do que dizemos quando falamos • 90% do que dizemos quando fazemos algo TREICHER, D.G. Are You Missing the Boat in Training Aids? Film and AV Communications, 1, 14-16, 1967 Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 18
  19. 19. FORGEP Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 19 Luís Vidigal
  20. 20. FORGEP Imagem e Comportamento Organizacional Ambiente Múltiplas e diversas mensagens •Explícitas •Subjacentes •Conscientes Organização •Inconscientes •Emocionais •Racionais Associação Comportamento Dissociação Selectividade Quadro Imagem de Significado Referências Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 20
  21. 21. FORGEP Filtragem Purificação Condensação Organização Informação Análise Dados Apresentação em bruto Recolha Conhecimento Conhecimento Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 21
  22. 22. FORGEP Objectivo da imagem organizacional Acumular uma imagem positiva, exclusiva e perdurável, que reforce todas as actividades da organização, mediante a obtenção de um consenso público e de uma personalidade própria Uma sociedade consumidora de produtos é uma sociedade consumidora de imagens Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 22
  23. 23. FORGEP Relações administração / cidadão Informação Administração Cidadãos Pública Consulta Administração Cidadãos Pública Participação activa Administração Cidadãos Pública Parceria governativa Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 23
  24. 24. FORGEP Princípios para envolver os cidadãos na política governativa 1. Empenhamento dos políticos, dirigentes e funcionários 2. Direitos de acesso e opinião 3. Clareza nos objectivos e limites 4. Tempo desde o início e em todas as fases 5. Objectividade rigor, acessibilidade e equidade 6. Recursos para apoiar o relacionamento com os cidadãos 7. Coordenação e coerência, evitando a “fadiga da consulta” 8. Contabilização dos contributos dos cidadãos 9. Avaliação dos resultados produzidos 10. Aumentando a Cidadania Activa Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 24
  25. 25. FORGEP Cidadania activa e Governança O Cidadão como parte interessada Cidadania Activa O Governo decide O Cidadão decide O Cidadão monitoriza O Governo monitoriza Governança O Governo como parte interessada Luis Vidigal25 Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal
  26. 26. Manter a legitimidade FORGEP e a confiança social Aumentar o relacionamento Aumentar o relacionamento Efi c entre os órgãos da AP Ra iênc entre os órgãos da AP pid i ez a / E eE f co icá no cia mi a Confiança Confiança dos Cidadãos dos Cidadãos ncia rê spa ilidade an Tr essib Fortalecer a relação Ac Fortalecer a relação entre os cidadãos e a AP entre os cidadãos e a AP Cidadania activa Democracia Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 26
  27. 27. FORGEP Simplicidade na Wikipédia Simplicidade é a ausência de artifícios, extravagâncias e excessos de ordem material, social ou psicológica; é viver do que há na sua essência. Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 27
  28. 28. FORGEP Usabilidade O caso específico da Web Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 28
  29. 29. FORGEP Usabilidade É a eficácia, eficiência É um atributo de É a eficácia, eficiência É um atributo de e satisfação com qualidade usado e satisfação com qualidade usado que um conjunto para aferir a que um conjunto para aferir a específico de facilidade de facilidade de específico de utilizadores utilização de utilização de utilizadores consegue cumprir interfaces entre interfaces entre consegue cumprir um conjunto sistemas sistemas um conjunto concreto de tarefas informáticos e informáticos e concreto de tarefas num determinado utilizadores utilizadores num determinado ambiente ambiente ISO (International Standard Organization) Jakob Nielsen (Usability, 2003) Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 29
  30. 30. FORGEP Corolários da Usabilidade • Fácil de aprender • Difícil de esquecer • Minimizar o peso do trabalho • Reduzir a carga de trabalho • Encorajar e premiar a experimentação • Antecipar e perdoar erros • Proporcionar sempre feedback • Satisfatório e se possível agradável Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 30
  31. 31. FORGEP Benefícios da Usabilidade • Reduzir o nível de experiência inicial necessária dos utilizadores para dominar o sistema • Reduzir os custos de formação • Melhorar a performance geral do sistema • Reduzir os erros • Aumentar a satisfação no trabalho • Reduzir custos gerais • Menos solicitações ao serviço de apoio (help desk) Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 31
  32. 32. FORGEP Estágios da Concepção Centrada no Utilizador • Pesquisa e Planeamento: Estabelecimento da direcção do projecto, objectivos, valores de brand e necessidades dos utilizadores. • Conceptualização: Criação de modelos detalhados de tarefas correntes e futuras (eventualmente, reconceptualizadas) e organização de tarefas e conteúdos. • Concepção da Navegação: Definição do modelo navegacional para todas as páginas, e concepção básica (criação de templates) das páginas mais importantes. • Desenho Detalhado de “Páginas”: Integra os aspectos relacionados com a apresentação, conteúdos e interacção em diversos tipos de página. (e durante todo este processo, TESTAR sempre!) Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 32
  33. 33. FORGEP Concepção e design de sistemas As Quatro Dimensões • Navegação efectiva – Os utilizadores encontram facilmente os serviços propostos? • Concepção dos conteúdos – O que está disponível é o que os utilizadores querem? • Design Gráfico atractivo – A apresentação visual pode reforçar o valor da experiência de utilização e facilitar a compreensão dos conteúdos? • Interacção eficiente – Os utilizadores podem agir sobre os conteúdos e funcionalidades com facilidade? Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 33
  34. 34. Factores (objectivos) de FORGEP Avaliação de Usabilidade • Facilidade de Aprendizagem • Eficiência de Uso • Memorabilidade • Frequência e Severidade dos Erros • Satisfação Subjectiva Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 34
  35. 35. FORGEP Navegabilidade •Onde estou? •Onde posso ir? •Como vou? • Como regresso? Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 35
  36. 36. FORGEP Será que é fácil tornar o texto inteligível? As antigas propostas / fórmulas • Um vocabulário comum – regulado pelo critério de extensão da palavra • Uma estrutura simples – medida pelo critério do tamanho da frase A proposta básica era de que os conceitos complexos poderiam ser explicados através de: • Linguagem simples • Vocabulário comum • Frases curtas • Voz ativa do verbo Inteligibilidade de um texto (Leffa, 1996, Dale, Chall, 1948; Flesch, 1951; Fry, 1968) Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 36
  37. 37. FORGEP A importância das vírgulas... Se os homens soubessem o valor que têm as mulheres, ficariam de joelhos aos seus pés. Se os homens soubessem o valor que têm, as mulheres ficariam de joelhos aos seus pés. Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 37
  38. 38. FORGEP Escrever para educar • Nas suas produções, o autor estará, muitas vezes a – Reescrever teorias – Simplificar materiais – Elaborar novas idéias teórico-práticas e a compartilhá-las com o leitor – Recapitular em poucos anos uma evolução de muitos séculos de conhecimento acumulado de geração em geração • É uma tarefa gigantesca da educação. Corral Íñigo (2002) Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 38
  39. 39. FORGEP Fases da Comunicação (Wilson, 2001) • Concepção da ideia – o emissor decide o que quer transmitir. • Codificação – antes da ideia ser emitida tem que ser codificada com uma linguagem adequada (palavra falada, escrita, linguagem corporal, etc.). • Escolha do canal – o meio ou medium escolhido. • Descodificação – passo em que começa a intervir o receptor e em que este procura acertar no código que o emissor usou, para codificar a mensagem. • Interpretação da mensagem • Resposta (feedback) – informar o emissor que a mensagem foi recebida, que foi ou está para ser compreendida, que foi interpretada e que o receptor está preparado para a próxima porção de mensagem. Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 39
  40. 40. FORGEP Linguagem simplificada (inglês simplificado) Três das regras da AECMA (Associação Europeia da Indústria Aeroespacial; www.aecma.org) relativas ao “inglês simplificado”: • As frases com instruções não podem ter mais de 20 palavras • É proibido omitir os artigos em frases onde o substantivo é predominante • Passos sequenciais devem ser expressos em frases separadas Em consequência, este conjunto de regras: • Reduz a ambiguidade • Acelera a leitura • Melhora dramaticamente a compreensão por parte das pessoas cuja primeira língua não é o inglês • Torna a tradução mais barata, mais fácil e melhora a qualidade da tradução automática • Mantém o texto (excelentemente) legível para as pessoas cuja língua nativa é o inglês. Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 40
  41. 41. FORGEP Aspectos fundamentais A Pirâmide Invertida Ou a escrita jornalística. Pormenores O que os jornalista aprendem sobre a redacção de notícias para jornais tem todo o cabimento e utilidade no contexto da Web: • Começar com as conclusões (que é tudo o que vai ser lido, se chegar a ser, pela maior parte das pessoas) • Acabar nos detalhes (cuja leitura seja menos relevante) Vantagens: • Os leitores são imediatamente recompensados; • Os leitores percebem o essencial sem terem de investir (ou desperdiçar) tempo. Para reforçar o estilo, a página deve incluir em cima o equivalente a um índice das matérias tratadas (em alguns casos, em que os artigos sejam mais compridos, mais vale incluir um índice real). Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 41
  42. 42. FORGEP A Pirâmide Invertida “For any given thousand words, it's hard to come up with a picture.” - Yuri Englehart Aspectos fundamentais Pormenores http://www.msnbc.msn.com Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 42
  43. 43. FORGEP Documentos compridos: assumir o scroll O que há a fazer é essencialmente: • Junto ao princípio, incluir um índice com links internos para os conteúdos na própria página; • De ecrã e meio a 2 ecrãs, incluir links de retorno ao índice; • No fim, incluir as opções de navegação geral mais relevantes; • Organizar o conteúdo com bastantes subtítulos e uma organização visual tão despojada e clara quanto possível. Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 43
  44. 44. Princípios gerais da FORGEP “boa escrita” para a Web • Fazer tudo para redigir texto: • Objectivo • Correcto • Activo • Interessante • Tentar em cada linha reduzir o rácio sinal/ruído: A profusão de erros e adjectivos mascara o “sinal” (ou mensagem ou conteúdos) com “ruído” que só serve para distrair. Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 44
  45. 45. FORGEP Usar palavras curtas e simples Em vez de usar Considerar adquirir obter conclusão fim duplicado cópia elementar simples evidente claro é sintomático de mostra Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 45
  46. 46. FORGEP Escrita Promocional Caracterizado pelo recurso a linguagem de marketing • O Douro, Património da Humanidade reconhecido pela UNESCO, é uma das mais belas paisagens trabalhadas pelo homem que se pode apreciar em todo o mundo e uma das regiões mais memoráveis de Portugal e da Europa. As montanhas em terraços, plantadas com as vinhas do néctar mais sublime que se conhece no mundo, são uma imagem que permanece para sempre na memória de quem um dia, no correr do rio, ao fim de uma tarde num cruzeiro fluvial ou numa das quintas que aceitam hóspedes, tem o privilégio de experimentar um pôr-do-sol sem comparação. Percebe-se finalmente, com a clareza das certezas, porque motivo a palavra usada na língua portuguesa para descrever os lugares com vista é quot;miradouroquot;. Entre a Régua e o Tua, é ainda possível viajar num comboio a vapor, como em tempos mais elegantes e apreciar os impressionantes panoramas das montanhas de Trás-os-Montes. No alto, enquanto o comboio negoceia a montanha e apita, consegue-se perceber um grupo a saudar a vida com champanhe, num voo de balão. E à noite, numa das Pousadas do Douro, o jantar termina com uma sobremesa conventual e um copo de Vintage, na companhia do seu criador. Paraíso? Sim, em Portugal, a oriente do Porto e a ocidente de Castela. Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 46
  47. 47. FORGEP Texto Conciso Caracterizado por uma redução do texto para cerca de metade do tamanho • A região do Douro, no norte de Portugal, foi reconhecida pela Unesco como Património da Humanidade. A região é dominada por montanhas em terraços, plantadas com as vinhas que estão na origem do Vinho do Porto e dos vinhos do Douro, e que proporcionam imagens e experiências memoráveis. A visita ao Douro pode ser feita por carro ou por cruzeiro, havendo diversas opções quer de percursos automóveis quer de navios e programas. Outras experiências possíveis são os passeios no antigo comboio da linha do Tua e os voos de balão. As alternativas de alojamento incluem quintas que aceitam hóspedes, hotéis de charme e Pousadas regionais e históricas. Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 47
  48. 48. FORGEP Uso de Listas Adequado para apreensão imediata (“scannable layout”) A região do Douro, no norte de Portugal, é reconhecida pela Unesco como Património da Humanidade, pela sua beleza agreste e impressionante que deve muito ao trabalho do homem. Para o viajante, a região oferece: • Memórias perenes de vistas impressionantes • Cruzeiros fluviais de um a seis dias • Passeios de carro ao longo do Douro, por quintas e montes • Viagens no comboio da linha do Tua • Voos de balão • Hospedagem em quintas, hotéis de charme e Pousadas • Provas de vinhos do Douro e de Vinho do Porto • E muito mais... Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 48
  49. 49. Escrita Objectiva FORGEP Usando uma abordagem neutra em vez de subjectiva, elogiosa ou exagerada (fora isso, igual à primeira) • A região do Douro, no norte de Portugal, encontra-se classificada como Património da Humanidade pela Unesco. A região é caracterizada por montanhas em terraços com plantações de vinha que sobem desde o rio Douro. Este é hoje navegável em toda a sua extensão em Portugal e até Espanha e pode ser percorrido em diversos cruzeiros fluviais de duração variável. São ainda possíveis passeios de automóvel, de comboio a vapor ou em voos de balão. As alternativas de alojamento incluem quintas, hotéis de charme e Pousadas. Muitas quintas estão abertas ao público, no quadro da “Rota do Vinho do Porto”, e proporcionam provas de vinhos do Douro e de Vinho do Porto. Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 49
  50. 50. FORGEP Versão Combinada Recorre simultaneamente à concisão, apreensão, objectividade O Douro é Património da Humanidade. Para conhecer a região, cujas vistas estão na origem do termo “miradouro”, pode explorar as seguintes alternativas: • Cruzeiros fluviais de um a seis dias • Passeios de carro ao longo do Douro • Viagens de comboio entre a Régua e o Tua • Voos de balão • Hospedagem em quintas, hotéis e pousadas • Provas de vinhos do Douro e de Vinho do Porto Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 50
  51. 51. FORGEP Factores possíveis para avaliação da Qualidade dos sítios na Internet Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 51
  52. 52. FORGEP Conteúdos 1. Adequado às expectativas dos clientes? 2. Actualizado e rigoroso? 3. Estimulante? 4. Layout e estrutura são fáceis de entender e usar? 5. Exaustivo? 6. Escrita clara e de fácil compreensão? 7. Uso adequado de elementos multimédia? 8. As imagens disponíveis comunicam claramente e acrescentam valor? 9. O conteúdo foi concebido especificamente para a Web? Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 52
  53. 53. FORGEP Funcionalidade 1. Os serviços nucleares da organização são prestados online? 2. O valor do sítio justifica o seu uso? 3. As 5 necessidades principais dos clientes são resolvidas através do uso do sistema de informação em causa? O sítio é personalizável? 4. Adapta-se a necessidades específicas de clientes? 5. As funções disponíveis online estão integradas com o sistema de informação da organização? 6. O sítio está estrututurado à volta das necessidades dos clientes ou da organização interna da organização? 7. Os clientes recebem respostas atempadas (ie, rápidas)? 8. Existe um processo para os clientes avaliarem o andamento dos seus assuntos (UPS, etc.)? 9. O sítio encoraja os clientes a aprofundar assuntos e a enriquecer a interacção? Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 53
  54. 54. FORGEP Branding (Marca) • O impacto visual é consistente com a imagem da organização? • O utilizador reconhece no sistema de informação ou sítio o valor que atribui à marca/organização? • A forma como a marca é tratada é consistente em todas as secções e níveis do sistema de informação? • Está concebido de modo a permitir construir uma relação entre o cliente e a marca, ao longo do tempo? • “Alavanca” as capacidades específicas da Internet para melhorar e reforçar a imagem de marca? • Comunica explicitamente objectivos relativos aos clientes e intenções da organização? • Reflecte a qualidade dos produtos e serviços oferecidos pela organização? • A imagem global da organização evolui “interactivamente” para se adequar melhor à Web? Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 54
  55. 55. FORGEP Usabilidade 1. O sítio ou a aplicação permite aos utilizadores saberem sempre onde se encontram e onde podem/devem ir a seguir? 2. O tipo de linguagem utilizado está de acordo com a audiência identificada? 3. O sítio ou aplicação permite ao utilizador sentir que está a controlar os acontecimentos e que é livre? 4. Visualmente, editorialmente, estruturalmente, funcionalmente, etc.: 5. Há coerência? Há standards? 6. O sítio ou aplicação está feito de maneira a impedir que o utilizador cometa erros? E se ele cometer um erro, ajuda-o? 7. O utilizador pode navegar rapidamente pelas diversas secções do sítio ou funções da aplicação? 8. O sítio comunica, pela forma como se apresenta, a estrutura de informação que o define? 9. A aplicação ajuda os utilizadores a cumprirem as tarefas a que se propõem? Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 55
  56. 56. FORGEP Perigos da não usabilidade “na Web, a usabilidade é uma condição de sobrevivência. Se um sítio é difícil, as pessoas vão-se embora. Se a homepage falha em transmitir claramente o que a empresa faz e oferece através do sítio, as pessoas abandonam. Se os utilizadores se perdem num sítio, vão dar uma volta a outro lado. Se a informação num sítio é difícil de ler ou não responde às perguntas dos utilizadores, estes desaparecem. O que não falta são sítio webs, em qualquer tipo de mercado. Ir para outra é a primeira linha de defesa dos utilizadores quando enfrentam dificuldades. E de qualquer modo, no caso do comércio electrónico, as pessoas não podem comprar se não descobrirem os produtos” Jakob Nielsen (Usability 101, 2003) Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 56
  57. 57. FORGEP Grelha com as recomendações por grupo Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 57
  58. 58. FORGEP Grelha com as recomendações por grupo (cont.) Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 58
  59. 59. FORGEP Apresentação eficaz em PowerPoint Adaptado de Victor Chen Erau http://www.vetmed.iastate.edu/vetzone/pdfanddocs/Effective_presentation.ppt Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 59
  60. 60. FORGEP Para uma apresentação eficaz Tamanho Progressão Simplicidade Consistência Clareza Sumário Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 60
  61. 61. FORGEP Grande Escreva em Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 61
  62. 62. FORGEP Escreva em Grande (Texto) • Isto é Arial 12 Demasiado Pequeno • Isto é Arial 18 • Isto é Arial 24 • Isto é Arial 32 • Isto é Arial 36 • Isto é Arial 44 Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 62
  63. 63. FORGEP Escreva em Grande (Como Calcular) • Olhe a uma distância de 2 metros 2m Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 63
  64. 64. FORGEP Mantenha a Simplicidade Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 64
  65. 65. FORGEP Mantenha a Simplicidade (Texto) • Demasiadas cores • Demasiados Tipos de Letra e Estilos • A regra 6 x 7: –Até 6 linhas por diapositivo –Até 7 palavras por linha Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 65
  66. 66. FORGEP Mantenha a Simplicidade (Texto) Tecnologia Institucional: Um complexo processo integrado envolvendo pessoas, procedimentos, idéias, equipamentos, e organização, para analisar problemas, dividindo, implementando, avaliando e gerindo soluções para queles problemas e situações em que a aprendizagem é propositada e controlada Demasiado detalhe ! Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal
  67. 67. FORGEP Mantenha a Simplicidade (Texto) Tecnologia Institucional : Um processo envolvendo pessoas, procedimentos e ferramentas para soluções para problemas de aprendizagem Muito mais Simples Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 67
  68. 68. FORGEP Queda de folhas observada Christchurch Dunedin Wellington January 11,532,234 14,123,654 3,034,564 February 1,078,456 12,345,567 16,128,234 March 17,234,778 6,567,123 16,034,786 April 16,098,897 10,870,954 7,940,096 May 8,036,897 10,345,394 14,856,456 June 16,184,345 678,095 4,123,656 July 8,890,345 15,347,934 18,885,786 August 8,674,234 18,107,110 17,230,095 4,032,045 18,923,239 9,950,498 September Demasiado October 2,608,096 9,945,890 5,596,096 November 5,864,034 478,023 6,678,125 detalhe ! December 12,234,123 9,532,111 3,045,654 Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 68
  69. 69. FORGEP Queda de folhas observada (em milhões) In 106 Christchurch Dunedin Wellington January 11 14 3 February 1 12 16 March 17 6 16 April 16 10 7 May 8 10 14 June 16 0 4 July 8 15 18 August 8 18 17 18 9 September 4 Muito mais October 2 9 5 November 5 0 6 simples December 12 9 3 Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 69
  70. 70. FORGEP Queda de Folhas 50 Wellington 45 Dunedin 40 Christchurch 35 30 25 20 15 10 Demasiado 5 detalhe ! 0January February March April May June July August September October November December Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 70
  71. 71. FORGEP Queda de Folhas 50 Wellington Dunedin Christchurch 40 30 20 10 Muito mais 0 Simples January March May July September November Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 71
  72. 72. FORGEP Mantenha a Simplicidade (Imagens) • Demasiadas imagens podem distrair • As imagens não substituem o conteúdo Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 72
  73. 73. FORGEP Mantenha a Simplicidade (Som) • Efeitos sonoros podem ter efeitos distractivos • Utilize som, apenas quando é absolutamente necessário Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 73
  74. 74. FORGEP Mantenha a Simplicidade (Transição) • Este tipo de transição não valoriza a mensagem • quot;Aparecerquot; e quot;Desaparecerquot; é mais aconselhável Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 74
  75. 75. FORGEP Mantenha a Simplicidade (Animação) 2m Demasiado Distractivo ! Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 75
  76. 76. FORGEP Mantenha a Simplicidade (Animação) 2m Simples e objectiva Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 76
  77. 77. FORGEP Mantenha a Clareza Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 77
  78. 78. FORGEP Mantenha a Clareza (Maiúsculas) • O USO EXCLUSIVO DE LETRAS MAIÚSCULAS DIFICULTA A LEITURA • É aconselhável a utilização de letras maiúsculas e minúsculas Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 78
  79. 79. FORGEP Mantenha a Clareza (Tipos de Letra) Z Z Mais complexa Simples clara confusa Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 79
  80. 80. FORGEP Mantenha a Clareza (Tipos de Letra) • As fontes com “serifas” dificultam a leitura no monitor • Um tipo de letra de traço mais simples (sem serifas) facilita a leitura • É difícil ler em Itálico, a partir do monitor • Normal ou negrito facilitam a leitura • Sublinhados podem confundir-se com links • Use cor para dar ênfase Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 80
  81. 81. FORGEP Mantenha a Clareza (Numeração) Use números em listas com sequências específicas. Por exemplo: Como se põe um elefante dentro do frigorífico? 1. Abre-se a porta do frigorífico 2. Põe-se o elefante lá dentro 3. Fecha-se a porta Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 81
  82. 82. FORGEP Mantenha a Clareza (Marcas) Use marcas em listas sem • Prioridades • Sequências • Hierarquias, ….. Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 82
  83. 83. FORGEP Mantenha a Clareza (Cores) • Use cores contrastantes • Claro sobre escuro e escuro sobre claro • Use combinações adequadas de cores Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 83
  84. 84. FORGEP Mantenha a Clareza (Contraste) • Use cores contrastantes • Claro sobre escuro e escuro sobre claro muito contraste • Use combinações adequadas de cores pouco contraste Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 84
  85. 85. FORGEP Mantenha a Clareza (Contraste) • Use cores contrastantes • Claro sobre escuro e escuro sobre claro • Use combinações adequadas de cores Claro sobre Escuro Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 85
  86. 86. FORGEP MantenhaaaClareza (Contraste) Clareza (Contraste) Mantenha • Use cores contrastantes • Claro sobre escuro e escuro sobre claro • Use combinações adequadas de cores Escuro sobre Claro Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 86
  87. 87. FORGEP Mantenha a Clareza (Cores) • Use cores contrastantes • Claro sobre escuro e escuro sobre claro • Use combinações adequadas de cores Estas combinações de cores não são adequadas Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 87
  88. 88. FORGEP Mantenha a Clareza (Cores) • Use cores contrastantes • Claro sobre escuro e escuro sobre claro • Use combinações adequadas de cores Estas combinações de cores são adequadas Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 88
  89. 89. FORGEP Mantenha a Clareza (Tamanho) O tamanho traduz importância Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 89
  90. 90. FORGEP Mantenha a Clareza (Tamanho) O Tamanho traduz Importância Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 90
  91. 91. FORGEP Apresentação Progressiva Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 91
  92. 92. FORGEP Os Códigos governam os Sinais que, juntos, convertem-se em Textos Roland Barths Factos realidade Paradígmas Evento1 Evento2 Evento3 Evento4 Evento5 Evento6 opções X X X Código do Mediador Cultura (convenções , julgamentos) Notícias textos, símbolos, metáforas Demasiada Evento Evento Evento Evento 1 3 6 novo Sintágomas escolhas X informação num Código da Audiência Cultura só clique! (convenções , julgamentos) Factos Audiência Eventonovo Evento3 Evento6 Eventonovo Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 92
  93. 93. FORGEP Os Códigos governam os Sinais que, juntos, convertem-se em Textos Roland Barths Factos realidade Paradígmas Evento1 Evento2 Evento3 Evento4 Evento5 Evento6 opções X X X Código do Mediador Cultura (convenções , julgamentos) Notícias textos, símbolos, metáforas Evento1 Evento3 Evento6 Eventonovo Sintágomas escolhas X Código da Audiência Cultura (convenções , julgamentos) Factos Audiência Eventonovo Evento3 Evento6 Eventonovo Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 93
  94. 94. FORGEP Consistência Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 94
  95. 95. FORGEP Consistência • As diferenças atraem a atenção • As diferenças realçam a importância • Use os efeitos para atrair e não para distrair Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 95
  96. 96. FORGEP Consistência As diferenças atraem a atenção • As diferenças realçam a importância • Use os efeitos para atrair e não para distrair Este “tick” atrai a atenção Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 96
  97. 97. FORGEP Consistência As diferenças atraem a atenção As diferenças realçam a importância Use os efeitos para atrair e não para distrair Muitas diferenças causam distracção! Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 97
  98. 98. FORGEP Consistência • As diferenças atraem a atenção • As diferenças realçam a importância • Use os efeitos para atrair e não para distrair Este efeito realça a importância Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 98
  99. 99. FORGEP Consistência • As diferenças atraem a atenção • As diferenças realçam a importância • Use os efeitos para atrair e não para distrair Assim torna-se confuso! Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 99
  100. 100. FORGEP Consistência • As diferenças atraem a atenção • As diferenças realçam a importância • Use os efeitos para atrair e não para distrair Este efeito atrai a atenção Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 100
  101. 101. FORGEP Consistência • As diferenças atraem a atenção • As diferenças realçam a importância • Use os efeitos para atrair e não para distrair Assim têm um efeito distractivo! Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 101
  102. 102. FORGEP Sumário • Tamanho • Simplicidade • Clareza • Progressão • Consistência Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 102
  103. 103. FORGEP Boas apresentações devem ter • A comunicação sempre presente • Texto para apoiar a comunicação • Imagens para simplificar conceitos complexos • Animações para simplificar a transmissão de relações complexas • O visual como apoio, não como um distractivo • Som, apenas quando absolutamente necessário Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 103
  104. 104. FORGEP S. Exª o Papel Paradoxo da (in)Produtividade Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 104
  105. 105. FORGEP Colaboração digital Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 105
  106. 106. FORGEP Um Princípio desde os anos 60 (Programa Apollo) art ple mm nd S ai S rt and ho S Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 106
  107. 107. FORGEP Uma prioridade para a a Administração Pública Cultura de Simplificação Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 107
  108. 108. FORGEP Níveis de Simolificação do SIMPLEX • SIMPLIFICAÇÃO PREVENTIVA (ex-ante) – Teste Simplex (PCM) • SIMPLIFICAÇÃO CORRECTIVA (ex-post) – 333 Medidas em 2006 (UCMA) – 235 Medidas em 2007 (UCMA) – 189 Medidas em 2008 (SEMA) Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 108
  109. 109. FORGEP SIMPLIFICAÇÃO PREVENTIVA (ex-ante) Teste Simplex (PCM) • Caracterização da iniciativa • Encargos administrativos • Compatibilidade com a AP Electrónica • Consolidação normativa e avaliação Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 109
  110. 110. FORGEP Caracterização da iniciativa • A Iniciativa deriva de Imperativo constitucional Concretização de lei-quadro / lei de bases Transposição de directiva comunitária ou decisão-quadro Programa do Governo Outro imperativo legal Razões de oportunidade • Forma do acto • Objecto Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 110
  111. 111. FORGEP A iniciativa comporta encargos administrativos? • Não Os destinatários das normas não estão obrigados a suportar encargos administrativos As obrigações constantes da iniciativa não devem ser consideradas encargos administrativos para este efeito • Sim Mantém encargos administrativos anteriores Cria novos encargos administrativos ou cargas complementares Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 111
  112. 112. FORGEP Mais questões sobre Encargos administrativos • Quais são os encargos administrativos que a iniciativa legislativa ou regulamentar cria, mantém ou agrava? • Foram estudados e avaliados cenários alternativos, envolvendo a eliminação ou a redução dos encargos administrativos? • Foi considerada a adopção de medidas facilitadoras do cumprimento dos encargos administrativos? • Foram considerados os meios administrativos e os custos burocráticos e de contexto, inerentes à criação ou à manutenção dos encargos administrativos? Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 112
  113. 113. FORGEP Avaliação dos Encargos administrativos • Qual a dimensão do grupo obrigado ao cumprimento dos encargos administrativos? • Qual a periodicidade do cumprimento dos encargos administrativos? • Quanto tempo gasta, em média, cada um dos destinatários para cumprir os encargos administrativos? • Qual é a expressão monetária dos encargos administrativos? • Quais os custos administrativos e burocráticos para a Administração Pública? • Qual é a relação custo/benefício? Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 113
  114. 114. FORGEP T x C x Q = EA • T – Tempo gasto pelos destinatários • C – Custo de cumprimento das obrigações – Função de nível reduzido = 30 Euro/hora – Função de nível médio = 45 Euro/hora – Função de nível elevado = 60 Euro/hora – Contratação externa = 100 Euro/hora • Q é o produto do número previsto de destinatários abrangidos pelo encargo (N) pela frequência com que têm de cumprir essa obrigação (F) Q=NxF. Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 114
  115. 115. FORGEP Custos administrativos e burocráticos para a AP • Utilização de bases de dados, redes ou suportes físicos pré-existentes • Criação de bases de dados, redes ou suportes físicos • Criação ou manutenção de serviços de apoio • Campanhas de divulgação, sensibilização • Funcionários afectos à actividade • Funcionamento e manutenção de estruturas administrativas de aplicação • Outros Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 115
  116. 116. Compatibilidade com a FORGEP AP Electrónica • Foi prevista a possibilidade de utilização de formulários electrónicos? • De que tipo? Simples Interactivos, com dispensa de envio/confirmação pelo correio e com entrega electrónica de recibo de recepção com validade plena Inteligentes, com pré-preenchimento de campos • Foi feita a avaliação prévia da pertinência e actualidade dos dados pedidos nos formulários? Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 116
  117. 117. FORGEP Compatibilidade com a AP Electrónica • Qual a via ou vias de comunicação previstas para o cumprimento dos encargos administrativos? Internet Transferência de ficheiros E-mail Fax Telefone Correio normal Carta registada Entrega no local • Há previsão de pontos únicos de recolha e de acesso à informação? Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 117
  118. 118. FORGEP Consolidação normativa e avaliação • Foi feita a análise de alternativas à legislação agora proposta? Auto-regulação Co-regulação. Contratualização Código de conduta • Qual o grau de dispersão das normas jurídicas, com vigência real ou aparente, relativas à matéria constante da iniciativa legislativa ou regulamentar? Entre 0 a 2 diplomas Entre 2 a 4 diplomas. Mais de 4 diplomas (Nesta caso, justificar a razão pela qual não se procede à consolidação normativa, caso não esteja prevista) Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 118
  119. 119. FORGEP Consolidação normativa e avaliação • Qual a extensão das alterações introduzidas na versão originária do acto normativo? Afectam, no seu conjunto, menos de 1/3 Afectam, no seu conjunto, mais de 1/3. Neste caso, justificar a razão pela qual não se procede à republicação integral consolidada, caso não esteja prevista • Foram identificados todos os actos normativos com vigência real ou aparente, relacionados com a matéria constante da iniciativa? Actualização e harmonização normativas Eliminação das normas obsoletas e inúteis Revogação expressa • Está prevista a avaliação sucessiva do diploma? Avaliar o grau de execução (eficácia/eficiência/efectividade). Avaliar os custos/benefícios da aplicação e as repercussões económicas e financeiras. Ponderar índices de aceitação/resistência/conflitualidade Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 119
  120. 120. FORGEP Objectivos SIMPLEX SIMPLIFICAÇÃO CORRECTIVA • Resposta pronta e eficaz às necessidades dos cidadãos e das empresas • Aumentar a confiança dos cidadãos • Permitir às empresas obter mais rapidamente licenças e autorizações e cumprir outras formalidades • Facilitar a racionalização e a eficiência da própria Administração Pública • Favorecer a competitividade de Portugal Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 120
  121. 121. FORGEP Os Princípios da Simplificação • Deixar o cidadão escolher entre pagar uma segurança acrescida ou utilizar formas mais simples e mais baratas • Fazer com que as exigências burocráticas sejam proporcionais ao risco • Não solicitar informação desnecessária • Partilhar informação disponível na AP Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 121
  122. 122. FORGEP Um exemplo de partilha INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA • Novo modelo de prestação de informação e contas que permite às empresas a sua apresentação por via informática, num único ponto e de uma só vez. • Neste processo incluem-se declarações obrigatórias, designadamente no âmbito das Finanças, do Trabalho e da Segurança Social, mas também a recolha de informação para fins estatísticos, com a consequente eliminação de um conjunto de inquéritos feitos, entre outros, pelo Banco de Portugal e pelo Instituto Nacional de Estatística. Arranque em 2006 para enviada em 2007 Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 122
  123. 123. FORGEP Compromissos SIMPLEX 2007 com o Cidadão 149 medidas 1. ESTUDAR E APRENDER 2. 2. INVESTIGAR E ENSINAR 3. CULTURA E CONHECIMENTO 4. EMPREGAR E TRABALHAR 5. CONSULTA E CIRURGIA A TEMPO E HORAS 6. PRESTAÇÕES SOCIAIS 7. ORDENAR O TERRITÓRIO E PRESERVAR O AMBIENTE 8. SIMPLIFICAR O REGISTO E MELHORAR O ATENDIMENTO 9. GARANTIR A SEGURANÇA 10. GARANTIR E FACILITAR O ACESSO À PROPRIEDADE 11. IMIGRAR E EMIGRAR 12. VIAJAR EM TRANSPORTES COLECTIVOS 13. CONDUZIR AUTOMÓVEL 14. PARTILHAR E FACILITAR O ACESSO À INFORMAÇÃO 15. PROMOVER A TRANSPARÊNCIA 16. FACILITAR OS PAGAMENTOS E COBRANÇAS 17. ÓRGÃOS DE SOBERANIA Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 123
  124. 124. FORGEP Compromissos SIMPLEX 2007 com a Empresa 86 medidas 1. LICENÇAS 2. AGRICULTURA E FLORESTA 3. TURISMO 4. PORTOS E PLATAFORMAS LOGÍSTICAS 5. CONSTRUÇÃO E IMOBILIÁRIO 6. ENERGIA 7. CRIAR E GERIR EMPRESAS 8. ACELERAR PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E JUDICIAIS 9. EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO 10. AERONÁUTICA 11. COMUNICAÇÕES 12. REDE VIÁRIA E CIRCULAÇÃO RODOVIÁRIA 13. PROPRIEDADE INDUSTRIAL 14. FORNECIMENTOS AO ESTADO 15. PESSOAS COLECTIVAS DE UTILIDADE PÚBLICA Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 124
  125. 125. FORGEP As 20 medidas mais emblemáticas do SIMPLEX 2007 1. REGISTO CENTRALIZADO DE LICENÇAS E AUTORIZAÇÕES PRÉVIAS 2. BALCÃO “PERDI A CARTEIRA” 3. ELIMINAÇÃO DE CERTIDÕES PARA SERVIÇOS PÚBLI-COS 4. PROCEDIMENTO LEGISLATIVO ELECTRÓNICO 5. QUEIXAS ELECTRÓNICAS ÀS FORÇAS DE SEGURANÇA 6. SISTEMA DE LOCALIZAÇÃO DE CIDADÃOS PORTUGUESES EM TERRITÓRIO ESTRANGEIRO 7. APOSENTAÇÃO ON-LINE 8. POSTO PÚBLICO ON-LINE NOS SERVIÇOS DE FINANÇAS 9. CASA PRONTA 10. BALCÃO INTEGRADO “SUCESSÃO E HERANÇA“ 11. REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL 12. INSTALAÇÕES DE GÁS E DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS – INSPECÇÃO 13. FILEIRA VITIVINÍCOLA ON-LINE 14. JANELA ÚNICA LOGÍSTICA 15. BOLETIM DE TRABALHO E EMPREGO 16. quot;CONSULTA A TEMPO E HORASquot; 17. CARTÃO ELECTRÓNICO DE ALUNO 18. SIMPLIFICAR E DESBUROCRATIZAR OS MECANISMOS DE MOBILIDADE NACIONAL E INTERNACIONAL DE ESTUDANTES E DIPLOMADOS DO ENSINO SUPERIOR 19. PORTAL DA CULTURA 20. RECENSEAMENTO MILITAR Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 125
  126. 126. FORGEP Uma Visão Agregadora • A simplificação não pode ficar reduzida a um qualquer somatório de medidas pontuais de eliminação de licenças e autorizações ou de modificação de procedimentos. • Importa transformar o estádio inicial de um programa constituído por medidas avulsas e aparentemente sem ligação entre si num conjunto harmónico e agregado de medidas, visando um objectivo final quantificável. • Só uma visão visão agregadora permitirá que os cidadãos e as empresas comecem a associar o resultado dos esforços de simplificação à melhoria da qualidade na prestação de serviços públicos. 2008 Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 126
  127. 127. Acções permanentes de FORGEP Simplificação • A simplificação não se decreta. A simplificação deve ser entendida como uma estratégia geral assente em acções permanentes de avaliação, correcção e compensação das normas e das práticas administrativas. • A simplificação é uma tarefa sempre inacabada. As medidas de simplificação dadas como concluídas num determinado momento devem continuar sobre o escrutínio crítico da permanente avaliação dos resultados. 2008 Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 127
  128. 128. FORGEP AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DA SIMPLIFICAÇÃO • Aqueles a quem a simplificação não aproveita • O fantasma da insegurança • A ameaça do caos e fraude generalizada • A ausência de cultura de simplificação na administração e na produção legislativa • Uma tradição de gestão da AP com uma lógica assente nas prioridades da oferta Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 128
  129. 129. EMPRESA NA HORA: FORGEP Caso premiado na Europa Permite a criação de empresas numa só deslocação a um único balcão - uma Conservatória de Registo Comercial ou CFE – tendo como pressupostos fundamentais: • Circulação da informação entre os serviços públicos envolvidos. • Criação de uma bolsa de nomes de firmas pré-reservado a favor do Estado. Mais rápida – 49min Mais simples – numa única deslocação Mais barata - 360/300€ versus 500€ Mais segura – toda a Administração pública fica logo a conhecer a empresa desde que é criada Desde Julho 2005: Mais de 35 000 empresas «Em 2005/06, Portugal foi o maior reformador do processo de constituição de empresas» (Banco Mundial, Doing Business 2007, p. 8) Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 129
  130. 130. FORGEP Uma estratégia conjugada Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 130
  131. 131. FORGEP Balcão Único Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 131
  132. 132. FORGEP Do e-Government ao e-Inclusion Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 132
  133. 133. FORGEP Acesso à Informação e a Serviços Electrónicos Todos os cidadãos A qualquer Hora Lugar Em qualquer Segurança Com Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 133
  134. 134. FORGEP O que se espera do e-Government Democracia Transparência Eficiência Confiança Eficácia Usabilidade e-Gov Poupança Disponibilidade Rapidez Mobilidade Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 134
  135. 135. FORGEP A solução está numa caixa? Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 135
  136. 136. FORGEP Dimensões (clientes) do e-Gov e-Government Excelência ? 36 os An Funcionários Eficiência Operacional Tecnologias 4 3 os es An es Políticos M Notoriedade Clientes 70os An Cidadãos Serviço Público Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 136
  137. 137. FORGEP É preciso apostar também em quot;corridas de fundo“ e acreditar nos Funcionários Públicos Corrida de Corrida de Fundo Velocidade 6? 4 3s os An o An Políticos Funcionários Notoriedade Serviço Público Simplicidade na Comunicação e nos Processos Administrativos / | Luís Vidigal 137

×