Your SlideShare is downloading. ×
0
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Gestão da qualidade do ar   gestão ambiental - victoria e daniel
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Gestão da qualidade do ar gestão ambiental - victoria e daniel

2,220

Published on

O documento apresenta o histórico da poluição atmosférica mundial, seus poluentes, características, formas de monitoramento e gestão e seus problemas à saúde e ao meio ambiente.

O documento apresenta o histórico da poluição atmosférica mundial, seus poluentes, características, formas de monitoramento e gestão e seus problemas à saúde e ao meio ambiente.

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,220
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
113
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. * Daniel Renaud Camargo Victoria Martins ClaroUniversidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO Gestão Ambiental
  • 2. *
  • 3. *De acordo com o Ministério do Meio Ambiente (MMA) “A poluição atmosférica pode ser definida como qualquer forma de matéria ou energia com intensidade, concentração, tempo ou características que possam tornar o ar impróprio, nocivo ou ofensivo à saúde, inconveniente ao bem-estar público, danoso aos materiais, à fauna e à flora ou prejudicial à segurança, ao uso e gozo da propriedade e à qualidade de vida da comunidade.”.*Com o desenvolvimento industrial, aumento do número de veículos, a exploração descontrolada dos combustíveis fósseis, queimadas constantes em áreas de florestas e outros fatores, a poluição do ar tornou-se uma questão preocupante, sobretudo para a saúde e para o meio ambiente. Neste contexto surgiu a necessidade da criação de medidas de controle e manutenção da qualidade do ar.
  • 4. * Pode-se definir gestão de qualidade do ar como sendo uma estratégia comum que deve definir e estabelecer objetivos e padrões de qualidade do ar, de modo a evitar, reduzir ou prevenir danos à saúde da sociedade e do meio ambiente. Além disso, deve estabelecer os métodos de avaliação e monitoramento das condições ambientais bem como desenvolver planos de ação para o caso de emergências. Resumindo, de modo geral quando falamos em gestão da qualidade do ar devemos ter em mente um objetivo principal, que seria manter ou melhorar a qualidade do ar de determinada região. *
  • 5. * Os fatores que induzem a preocupação ambiental podem ser de cunho social (quando a preocupação central é a qualidade de vida e saúde da população a curto, médio e longo prazo); ambiental (relativo a desastres ambientais, necessidade de preservar recurso natural essencial etc.) econômico (devido, sobretudo a três conceitos, o primeiro relativo a uma produção mais limpa como sinônimo de uma produção mais eficiente, o segundo, relativo às exigências do mercado (ex.: selos de certificação ambiental como a ISO 14000) e o terceiro se relaciona aos prejuízos econômicos causados por danos ambientais). *
  • 6. * Esta necessidade se tornou mais visível, sobretudo a partir de grandes crises ambientais que geraram na população um sentimento de revolta contra as então inexistentes leis e medidas de proteção ambiental. Como exemplo pode-se citar o histórico caso do Grande Nevoeiro de Londres em 1952 (também conhecido como The Great Smog ou Big Smoke). Neste caso os poluentes da combustão de carvão com alto teor de enxofre associado a uma inversão térmica provocou a morte de cerca de 4.000 pessoas.* Inversão Térmica é um fenômeno atmosférico que ocorre quando uma camada de ar quente se sobrepõe a uma camada de ar frio, impedindo a movimentação natural do ar, estagnando o ar, reduzindo a circulação do ar e retendo os poluentes e contaminantes atmosféricos em um nível próximo à superfície.
  • 7. *Outros fatos preocupantes associados à poluição atmosférica e que apresentaram grande repercussão entre as mídias são o buraco da camada de ozônio e o aquecimento global causado pelo famoso Efeito Estufa. No primeiro caso, a emissão do gás CFC (cloro-fluor-carbono) liberado por aerossóis e aparelhos de refrigeração foi responsável pela destruição de parte da camada de Ozônio (camada esta responsável por proteger a vida terrestre da ação nociva dos raios ultravioletas). No segundo caso, a emissão de gases de efeito estufa (GEE) resulta em um aumento da temperatura global através do aprisionamento do calor proveniente do Sol. Em ambos os casos, presenciamos fatos capazes de produzir dramáticos impactos na vida do planeta, não apenas se limitando a uma escala local, mas sim global.
  • 8. * Em relação à destruição da camada de ozônio, em 1987, visando evitar esse desastre, foi assinado o Protocolo de Montreal, que passou a vigorar em 1989. Esse Protocolo, assinado por 47 países tem por objetivo reduzir a emissão de substâncias nocivas à camada de ozônio, mas cientistas acreditam que pode ser insuficiente para proteger a camada de ozônio. Atualmente temos definido pela CONAMA que para o ozônio, o limite de emissões para evitar danos ao meio ambiente é de 160µg/m3 em monitoramento continuo por uma hora.* Fonte:http://clictempo.clicrbs.com.br/mclimaticasrbs/poluicao/
  • 9. *No caso dos gases efeito estufa temos o famoso Protocolo de Quioto (resultado de eventos iniciados a partir da Toronto Conference on the Changing Atmosphere (Canadá, 1988), pelo IPCCs First Assessment Report (Suécia, 1990) tendo seu ponto alto na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática na ECO-92 no Rio de Janeiro (Brasil, 1992)), os gases enquadrados pelo acordo são: dióxido de carbono, gás metano, óxido nitroso, hidrocarbonetos fluorados, hidrocarbonetos perfluorados e hexafluoreto de enxofre.*O protocolo de Quioto foi criado por autoridades de mais de 160 países como um tratado internacional que visa incentivar a redução da emissão de gases do efeito estufa bem como estimular o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis. Este protocolo definia metas para cada país, de modo que enquanto países desenvolvidos tinham metas de reduzir suas emissões, os países em desenvolvimento teriam o direito e emitir estes gases em nome de seu desenvolvimento.
  • 10. * Outro fator relacionado à poluição atmosférica que vem reduzindo a qualidade de vida, sobretudo em grandes centros urbanos, é o fenômeno conhecido como Ilhas de Calor (Hot Spot). Áreas asfaltadas (impermeabilizadas) absorvem o calor, com isso o ar tende a subir, ao encontrar uma região fria, forma- se uma turbulência que aprisiona o calor na área (este fenômeno é intensificado pela rugosidade (obstáculos podem formar barreira aprisionando o calor)). Nestes casos é altamente aconselhável a recuperação de áreas verdes, pelo menos ao redor da região afetada, pois, embora não resolva a solução por completo, favorece a umidade e a brisa aliviando um pouco a sensação térmica. Fonte:http://geoconceicao.blogspot.com.br/2012/03/1-origem-das-ilhas-de-calor-os-grandes.html
  • 11. * A poluição do ar não se limita a ambientes externos, de modo que se popularizou pelo mundo o termo síndrome dos edifícios doentes. Este termo indica a má qualidade do ar de ambientes internos (em geral climatizados) de forma que se torna possível atribuir sintomas adversos a determinado edifício. A síndrome dos edifícios doentes pode ser gerada por problemas na conservação de dutos, aparelhos instalados em locais inapropriados, presença de contaminantes no ambiente e outros fatores, sendo dividida em dois grupos de acordo com sua origem: os poluentes de biológicos (ex.: fungos, bactérias, vírus, ácaros, pólen, etc.) ou químicos (gases provenientes da volatização de produtos químicos de limpeza, vernizes, tintas etc.).* Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS/ WHO, 2000), o número estimado de mortes causadas por problemas decorrentes da poluição atmosférica no mundo é de cerca de três milhões por ano, para a OMS, de todas as formas de poluição, a poluição do ar representa o maior risco ambiental e à saúde (até porque vivemos imersos na Atmosfera). As populações mais vulneráveis são as crianças, os idosos, imunodeprimidos e as pessoas que já apresentam doenças respiratórias. Além das mortes, os impactos sobre a biodiversidade, mudanças na composição da Atmosfera, perturbações em ecossistemas, alterações na paisagem entre outros fatores tornam urgente o comprometimento das autoridades na conservação da qualidade do ar.
  • 12. * Além dos enormes danos à saúde, à qualidade de vida das populações e ao meio ambiente, existe um grande impacto econômico. Isso fica claro quando observamos os relativos aumentos no número de atendimentos e internações hospitalares, pelo aumento no absenteísmo (causa de enormes prejuízos devido à perda de produtividade), bem como pelo aumento do uso de medicamentos relacionados às afecções respiratórias e problemas resultantes da exposição a poluentes atmosféricos, gastos estes que poderiam ser evitados com a melhoria da qualidade do ar das grandes cidades além de regiões afetadas pela poluição (como por exemplo, regiões próximas a fábricas, regiões próximas a locais de incidência de queimadas, etc.). A poluição do ar ainda pode afetar a qualidade de materiais (a partir do efeito corrosivo), do solo e das águas (acidificação através, por exemplo, de chuvas ácidas) e afetar a visibilidade (smog).* De modo geral, a qualidade do ar é resultado da interação de diversos fatores, para a gestão da qualidade do ar, três fatores merecem especial destaque em vista à sua influência nas condições atmosféricas, são eles a magnitude das emissões (que representa a concentração de poluentes na atmosfera), a topografia (montanhas podem aprisionar poluentes em uma região bem como regiões costeiras tendem a apresentar maior dispersão por conta da brisa marinha) as condições meteorológicas da região, favoráveis ou não à dispersão dos poluentes (regime de ventos (velocidade e direção), umidade relativa, precipitação, temperatura etc.). De forma que deve-se planejar o empreendimento de modo que sua ação negativa sobre o meio ambiente e populações próximas seja minimizada pelo controle dos poluentes (considerando os três fatores destacados acima, que juntos indicarão o potencial de auto-depuração do local).* São definidos diferentes padrões de tempo de amostragem dependendo do poluente, devido aos diferentes modos de dispersão, deposição e transformação (reação com outros poluentes ou mesmo componentes da Atmosfera) e emissão (ex.: variação na concentração de CO² ao longo do dia por conta da atividade antrópica – como horários de tráfego intenso e horário de inatividade de indústrias).
  • 13. * A camada de ozônio nos oferece * O oxigênio necessário para a respiração de maior parte dos proteção contra os gases UV organismos terrestres está emitidos pelo sol. presente na atmosfera, esta* Os raios solares que atravessam a atuando como fonte de oxigênio. atmosfera e a força dos ventos * A combustão, fonte de energia de podem ser fontes de energia diversos processos, inclusive limpa. industriais, só ocorre na presença* O efeito estufa mantém a do oxigênio. temperatura na Terra estável, * A atmosfera atua como receptora mantendo a água em estado e através de seus ventos como líquido e possibilitando a vida. transportadora de poluentes.* A atmosfera transporta * A atmosfera também oferece substâncias através do ar. Além lazer como pular de paraquedas, disso também transporta aviões, asa delta até a apreciação do ar dirigíveis, helicópteros etc. fresco do campo.* Oferece o potencial fotossintético * Oferece meio para comunicação, na produção de biomassa. ondas de rádio, por exemplo. *
  • 14. * Hidrocarbonetos (HC)* Monóxido de carbono (CO)* Óxidos de enxofre (SOx)* Óxidos de nitrogênio (NOx)* Partículas *
  • 15. São gases e vapores resultantes da queima incompleta e evaporação de combustíveis e de outros produtos orgânicos voláteis. Diversos hidrocarbonetos como o benzeno são cancerígenos e mutagênicos, não havendo uma concentração ambiente totalmente segura. Participam ativamente das reações de formação da “névoa fotoquímica”. Fonte:http://www.cetesb.sp.gov.br/ar/Informa??es-B?sicas/21- Poluentes#hidro * Composto formado pela mistura de * Também chamado de álcool etílico. hidrocarbonetos que variam de quatro a dez átomos de carbono, é * No Brasil é obtido através da cana derivada do petróleo. de açúcar (fermentação). * Altamente volátil e possui poder * Muito utilizado como combustível antidetonante. para automóveis.Sob condições ideais, o combustível é transformado em energia mecânica restando apenas o dióxido de carbono (CO2),água(H2O) e nitrogênio (N2) do processo de combustão.Porém, na realidade, 1% do que é expelido pelo escapamentocorresponde a gases tóxicos que se formam devido à combustão incompleta ou às altas temperaturas da câmara de combustão.Além disso, os combustíveis, na maioria das vezes, não são puros, contendo inúmeras substâncias tóxicas e/ou poluentes quesão liberadas no momento da combustão. *
  • 16. * É um produto da combustão incompleta da gasolina.* É um gás incolor e inodoro.* Quando inalado, pode provocar graves danos ao organismo, devido à sua tendência em combinar-se com a hemoglobina presente nos glóbulos vermelhos do sangue.* Desse modo, quando uma pessoa inspira ar contendo monóxido de carbono, a quantidade de hemoglobina disponível para o transporte de Fonte: oxigênio diminui. http://serbioefundamental.files.wordpress.com/2009/ Consequentemente, menos 10/fumaa2.jpg oxigênio chega às células, provocando vários problemas graves e podendo, inclusive, * levar à morte.
  • 17. * É liberado pela queima do óleo * É a forma oxidada do diesel de ônibus e caminhões e está presente em grandes dióxido de enxofre. quantidades na fumaça de fábricas e também é produzido na combustão do carvão.* É um gás incolor, tóxico e de odor extremamente forte.* Este era utilizado em refrigeradores comerciais e domésticos mas, atualmente é produzido para oxidação posterior na fabricação de ácido sulfúrico. Ambos quando presentes na atmosfera se combinam com as partículas de água nas nuvens e caem na forma de chuva ácida. *
  • 18. * O SO2 bloqueia a fotossíntese * O SO2 é utilizado como por destruição da clorofila. conservante,principalmente No interior das células o SO2 em bebidas alcóolicas, sendo reage com a água formando o admitidos 0,002%. Você pode H2SO3, podendo atingir uma acidez bastante elevada que saber se sua bebida contém provoca o bloqueio da enzima este conservante procurando ribulose difosfato no rótulo pelo código P.V. carboxidismutase, fundamental para a fixação do CO2, e que também estimula a respiração. Os íons SO3 podem combinar-se com uma série de proteínas e com as membranas das células, perturbando não só o equilíbrio hídrico como o metabolismo das células; isto leva à alterações fisiológicas como a morte ou destruição de grupos de células. http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/ Fonte: Química Nova, julho de 714e61760b546f0606e5c37e1ec4da16.jpg 1990, volume 13 número 3 *Você sabia?
  • 19. Tabela: efeitos sobre a saúde* Também chamado de mg/L Efeitos monóxido de nitrogênio, é um gás incolor e inodoro. 3 Concentração mínima* Reage facilmente com o detectada pelo olfato; oxigênio, através de 13 Irritação no nariz, na descargas e radiação ultravioleta na atmosfera. garganta e nos olhos; Também é produzido nos 25 Congestão e doenças motores dos automóveis. pulmonares;* Assim como os óxidos de 1000 Grande possibilidade de enxofre contribui para a formação da chuva ácida. ser fatal; *
  • 20. *
  • 21. *
  • 22. * Podem ser definidas de * Podem ser definidas de maneira simplificada como maneira simplificada como aquelas cujo diâmetro aquelas cujo diâmetro aerodinâmico é menor que 50 aerodinâmico é menor que 10 µm. Uma parte destas µm. As partículas inaláveis partículas é inalável e pode podem ainda ser classificadas causar problemas à saúde, como partículas inaláveis outra parte pode afetar finas – MP2,5 (<2,5µm) e desfavoravelmente a partículas inaláveis grossas qualidade de vida da (2,5 a 10µm). As partículas população, interferindo nas finas, devido ao seu tamanho condições estéticas do diminuto, podem atingir os ambiente e prejudicando as alvéolos pulmonares, já as atividades normais da grossas ficam retidas na parte comunidade. superior do sistema respiratório.Fonte:http://www.cetesb.sp.gov.br/ar/Informa??es-B?sicas/21-Poluentes#hidro *
  • 23. * Está associada ao material particulado suspenso na atmosfera proveniente dos processos de combustão. O método de determinação da fumaça é baseado na medida de refletância da luz que incide na poeira (coletada em um filtro), o que confere a este parâmetro a característica de estar diretamente relacionado ao teor de fuligem na atmosfera. Fonte:http://www.cetesb.sp.gov.br/ar/Informa??es- B?sicas/21-Poluentes#hidro *
  • 24. * Aerossóis* Fumos* Gases* Nevoas *
  • 25. * O aerossol atmosférico consiste nas * Essas partículas têm merecido muitos estudos, partículas sólidas e líquidas em já que são muito importantes tanto do ponto de suspensão na atmosfera que têm vista do clima quanto da saúde. No clima, as partículas estão relacionadas com o balanço tamanhos que podem variar de radiativo e com a formação das nuvens e, nanômetros (nm, 10-9m) até micra (μm, portanto, são agentes nas mudanças globais. 10-6m).* Isto é, são extremamente pequenas. Para se ter uma ideia, um fio de cabelo tem a espessura aproximada de 40 μm. Assim, muitas partículas caberiam na espessura de um fio de cabelo. Fonte:http://web.ccead.puc- rio.br/condigital/mvsl/Sala%20de%20Leitura/conteu dos/SL_poluicao_atmosferica.pdf *
  • 26. * São partículas resultantes da condensação ou sublimação de gases, geralmente após volatilização de metais fundidos.* Estes floculam e as vezes coalescem. *
  • 27. * É a forma gasosa de substâncias normalmente sólidas ou líquidas, * Normalmente fluidos sem que podem voltar a estes estados forma que ocupam o espaço ou por aumento de pressão ou por que o contém e que só diminuição de temperatura; liquefazem ou solidificam sob* São difusíveis e possuem tamanho ação combinada de pressão e molecular temperatura.* São exemplos? vapores de água, gasolina, mercúrio, benzeno, * O cloro e o ozônio são entre outros. exemplos. *
  • 28. * São partículas líquidas em suspensão, produzidas pela condensação de gases ou pela passagem de um líquido a estado de dispersão, por respingo, formação de espumas e atomização. *
  • 29. 1. De acordo com sua origem2. De acordo com o seu estado3. De acordo com sua composição química *
  • 30. * São aqueles * São aqueles formados na emitidos diretamente atmosfera através da reação pelas fontes química entre poluentes de emissão. primários e componentes naturais da atmosfera. Fonte: http://www.cetesb.sp.gov. br/ar/Informa??es- B?sicas/21-Poluentes *
  • 31. * Como poeiras, * Fumos, * Névoas e * Fumaças.Fonte:http://www.brasilescola.com/upload/e/poluentes%20atmosf%20-%20B.E..jpg *
  • 32. * Poluição relativa à * Poluição relativa à ambientes internos. ambientes externos. *
  • 33. * Como hidrocarbonetos, * Como SO2,* Álcoois, * SO3,* Aldeídos, * NO* Cetonas e, * NO2* Ácidos orgânicos * NH3, Entre outros Entre outros *
  • 34. * Efeitos tóxicos sobre o meio biótico. Fon te:h * Poluição visual, maus odores, etc. ttp: //w * Efeitos sobre o meio abiótico. ww. gru * Efeitos sobre as propriedades da poe scol atmosfera. ar.c om * Efeitos socioeconômicos. /a/ b/2 6C1 8.jp gOs efeitos são dependentes da concentração do poluentepresente na atmosfera, do tempo de exposição e dasensibilidade de cada um. *
  • 35. * De acordo com sua ação no organismo, os poluentes são divididos em: irritantes (produzem inflamações no tecido afetado); asfixiantes (reduz concentração de oxigênio no ar); narcóticos (ação depressiva sobre sistema nervoso central); intoxicantes sistêmicos (intoxicação aguda ou crônica). Com relação a ação sobre os materiais são divididos em: abrasivos; deposição/remoção; ataque químico direto; ataque químico indireto e corrosão eletroquímica. *
  • 36. * O primeiro caso, emissão, representa aquilo que é emitido para a atmosfera enquanto que imissão representa simplesmente uma vigilância ou monitoramento da qualidade do ar de determinada região, onde não necessariamente existe emissão. *
  • 37. * Monitorar o ar é observar continuamente as concentrações na atmosfera de quaisquer poluentes que afetam a qualidade do ar. Nesse sentido, o objetivo da rede de monitoramento da qualidade do ar é avaliar continuamente as características que tornam o ar um ambiente propício ao ser humano e ao meio ambiente em geral, possibilitando observação das emissões relativas às fontes fixas e móveis. Fonte:http://www.inema.ba.gov.br/servicos/m onitoramento/qualidade-do-ar-direciona-para- a-pagina-da-cetrel* Com relação aos métodos de monitoramento, estes podem ser classificados em cinco classes, são elas: métodos ativos; métodos passivos; métodos automáticos; sensores remotos; bioindicadores. *
  • 38. * Para verificar os níveis de * Para determinar as concentração de poluentes condições meteorológicas e no ar, e compará-los com os diagnosticar tendências de padrões de qualidade. elevação e redução da qualidade do ar, além de fornecer dados para o estudo da região.*
  • 39. * Temperatura elevada: * Altas pressões * É negativa do ponto de maior dispersão dos atmosféricas dificultam poluentes. vista da presença de a dispersão dos poluentes fotoquímicos* Temperatura baixa: o poluentes. podendo gerar O3 na ar fica mais denso e pesado o que dificulta baixa atmosfera, sendo a dispersão dos este gás tóxico ao ser poluentes. humano. *
  • 40. * O aumento da * É positiva visto que * Sua diminuição velocidade dos ventos “lava” a atmosfera. favorece a incidência melhora a dispersão * Mas negativa porque de doenças dos poluentes gasosos dependendo do respiratórias. na atmosfera, porém, poluente secundário, propicia o arraste de pode gerar chuva ácida e a contaminação do material particulado. solo e água. *
  • 41. * Com relação ao Brasil, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) criou em 1989 o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar, o PRONAR, com o objetivo de trazer mais segurança ao desenvolvimento econômico e social do país de modo a respeitar os limites do meio ambiente, limitando os níveis de emissão de poluentes atmosféricos. O PRONAR foi o responsável por estabelecer novos padrões de qualidade do ar além de aplicar o licenciamento ambiental para controle de emissões fixas. A RESOLUÇÃO CONAMA nº 3, de 28 de junho de 1990 (“Dispõe sobre padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR”), estabelece o índice de qualidade do ar (IQAr), que é basicamente, uma escala informativa das concentrações dos poluentes.* No Brasil, para limites de emissão, temos a RESOLUÇÃO CONAMA nº 8, de 6 de dezembro de 1990 (“Dispõe sobre o estabelecimento de limites máximos de emissão de poluentes no ar para processos de combustão externa de fontes fixas de poluição.”), que foi revisto pela RESOLUÇÃO CONAMA no 382, de 26 de dezembro de 2006 (“Estabelece os limites máximos de emissão de poluentes atmosféricos para fontes fixas”). Foram criados, o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (PROCONVE), e o Programa de Controle da Poluição do Ar por Motocicletas (PROMOT), com o objetivo de reduzir a poluição gerada pelo tráfego de veículos (Fontes Móveis).
  • 42. * http://www.cetesb.sp.gov.br/* http://web.ccead.puc-rio.br/SISTEMA/site/index.jsp* http://www.inema.ba.gov.br/servicos/monitoramento/qualidade-do-ar-direciona-para-a-pagina-da-cetrel* http://www.iq.ufrgs.br/aeq/html/publicacoes/matdid/livros/pdf/poluicao.pdf* http://www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis/qualidade-do-ar* http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/protocolo-de-kyoto/protocolo-de-kyoto.php* http://europa.eu/legislation_summaries/other/l28031a_pt.htm* http://www.ppe.ufrj.br/ppe/production/tesis/paulina_maria.pdf* http://www.energiaeambiente.org.br/index.php/conteudo/14* http://marsp.cptec.inpe.br/gestar/perguntas.html* http://www.saude.mg.gov.br/atos_normativos/legislacao-sanitaria/estabelecimentos-de-saude/qualidade-do-ar- interior/PORTARIA_3523.pdf* http://www.brasindoor.com.br/pdf/Resolu%C3%A7%C3%A3o%20RE%2009-2003%20ANVISA%20- %20Padr%C3%B5es%20Referenciais.pdf* http://www.mma.gov.br/port/conama/legislacao/CONAMA_RES_CONS_2006_382.pdf* http://www.mpes.gov.br/anexos/centros_apoio/arquivos/10_21451432562872008_Resolu%C3%A7%C3%A3o%20CONAMA%20 N%C2%BA%2008,%20DE%2006%20DE%20DEZEMBRO%20DE%201990%20(Disp%C3%B5e%20sobre%20o%20estabelecimento%20de% 20limites%20m%C3%A1ximos%20de%20emiss%C3%A3o%20de%20poluentes%20no%20ar%20para%20processos%20de%20combust %C3%A3o).pdf* http://variadasevariaveis.blogspot.com.br/2012/11/o-grande-nevoeirolondres-1952.html* Base dos slides e anotações das aulas de Poluição e Ambiente – Professor Fábio Veríssimo *

×