Your SlideShare is downloading. ×
Os Novos Jornais em Portugal by OberCom
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Os Novos Jornais em Portugal by OberCom

1,627
views

Published on

Os Novos Jornais em Portugal by OberCom: 10 ideias para os “novos jornais”, Os múltiplos percursos de mudança,Consumidores,Editores, Anunciantes e Inovações

Os Novos Jornais em Portugal by OberCom: 10 ideias para os “novos jornais”, Os múltiplos percursos de mudança,Consumidores,Editores, Anunciantes e Inovações

Published in: Entertainment & Humor

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,627
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
21
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Tendências e prospectivas. Os “novos” jornais. Índice Ficha Técnica .................................................................................. 1! Objectivos ....................................................................................... 2! 10 ideias para os “novos jornais”................................................. 3! Introdução ....................................................................................... 6! Os múltiplos percursos de mudança............................................ 7! Consumidores............................................................................... 12! Editores ......................................................................................... 16! Anunciantes .................................................................................. 32! Inovações ...................................................................................... 35! Conclusão ..................................................................................... 39! Fontes ............................................................................................ 42! Referências bibliográficas ........................................................... 43! Referências electrónicas ............................................................. 44! Ficha Técnica Autores: Gustavo Cardoso, Jorge Vieira e Sandro Mendonça Design da Capa: Jorge Urbano Imagem da Capa: Edição do Jornal "Democrata" de 1908 1
  • 2. Objectivos Os objectivos deste relatório passam por: • Descrever o panorama conceptual e estratégico do momento, através de uma compilação extensa de fontes complementares nacionais e internacionais, das mais institucionais e provenientes do interior do sector às mais chegadas à perspectiva de analistas e de líderes de opinião em matéria de media; • Localizar tendências emergentes e identificar sinais ainda ténues de novas direcções para o futuro dos jornais; • Tentar apontar os campos críticos da mudança que podem apontar por onde passarão os caminhos dos jornais portugueses; • Avançar com um mapeamento de possíveis modelo(s) de negócio(s) futuro(s) tendo em conta o actual conjuntura de incerteza e a complexidade dos fenómenos emergentes; • Propor um portefólio de sugestões, princípios e ideias gerais que consideramos serem necessárias para assegurar a navegação numa trajectória de continuidade, crescimento e desenvolvimento futuro da imprensa escrita. 2
  • 3. 10 ideias para os “novos jornais” 1. Na sociedade de informação os leitores fazem parte do jornal. O jornal não é só feito por jornalistas. O jornal espelha o ar do seu tempo, um tempo onde o número de protagonistas que relatam a realidade aumenta. É neste contexto cada vez mais aberto de participação, e num ciclo de vida cada vez mais curto da informação, que os jornalistas (editores, directores e comentadores) se situam. 2. Se algo não for facilmente acessível ao leitor ele encontrará forma de o obter em qualquer outro lado e de qualquer outro modo. Por um lado, o custo de oportunidade do tempo tende a aumentar, assim como aumentam as pressões sobre a atenção individual. Por outro lado, com a Internet, aumenta também a facilidade de aceder a outras fontes de notícia. Imaginar novos modelos de negócio viáveis significa, também, ter de gerir estas restrições – experimentando, e alternando, pagamento e gratuitidade baseada na publicidade. 3. Os jornais não são de papel – nem apenas de palavras escritas. Os jornais são feitos de todos os materiais e suportes tecnológicos que possam transportar signos e projectar o seu valor informacional. A articulação entre palavra escrita e fotografia, infografia, vídeo ou som tem sido acelerada pelo elemento digital. Um “jornal” é um descodificador de um mundo dinâmico e interactivo do qual também faz parte. O “jornal” torna-se uma plataforma de mistura (e remistura) multimédia onde o texto continua central mas não já não é elemento absolutamente predominante. 4. Os jornais sobreviventes e renovados serão as novas agências noticiosas do século XXI. A descoberta de e a ligação a fontes originais é uma característica distintiva do jornalismo de imprensa. É essa a sua marca histórica. Aos jornais tradicionais do final do século XX sucedem “marcas” de jornais, ou seja, jornais desdobrados em múltiplos suportes com vários ciclos 3
  • 4. de processamento e distribuição. Os jornais não produzem para uma só audiência estática no espaço e imutável. Um segmento crescente da audiência habita simultaneamente vários contextos físicos e virtuais (redes sociais e blogues), é móvel no espaço (movimenta-se, viaja) e evolui com as tendências (é crítica, aprende). É para a soma das “velhas” e “novas” audiência(s) que se produzem e distribuem conteúdos dos “jornais”. 5. Os jornais são organizações que servem propósitos económicos e éticos. A imprensa assenta a sua filosofia na informação objectiva e no sucesso empresarial. A dimensão crítica do seu modelo de negócio resulta da capacidade de conseguir criar um diferencial sustentável (de longo prazo) entre os custos e as receitas. Estas duas componentes da equação, de longo prazo, são influenciadas por forças externas que no curto prazo exercem variados graus de pressão normalmente contraditórios. 6. Os jornais trabalham num território situado entre os dados brutos e o conhecimento refinado. A sua existência num quadro constitucional de imprensa livre é, também, uma condição-base geradora de dinamismo e evolução. O público de um jornal é, também, um (potencial) intérprete do posicionamento do jornal no mundo. Esse público não procura apenas um ideal de objectividade mas, igualmente, a transparência de linhas ideológicas, de olhares sobre o mundo. Essas duas dimensões são pontos de referência para o desenvolvimento de valores como a confiança e a credibilidade nas sociedades contemporâneas. 7. A “marca” de um jornal tem vida para além das páginas. A marca de um jornal não termina na publicação e distribuição de informação. Porque o jornal está presente no nosso quotidiano alimenta também eventos e expectativas. Os jornais são espelhos de muitas outras dimensões do dia-a-dia do seu público, desde interesses e política, a entretenimento e desporto, até emoções e negócio. Novas áreas de negócio, que não a informação distribuída, podem ser imaginadas fazendo evoluir a identidade da “marca” (associações e conotações) de um jornal com novos produtos e serviços que não 100% informação. 4
  • 5. 8. O jornal foi uma rede social antes das redes sociais. No entanto, hoje as redes sociais são um ambiente com mais seguidores do que qualquer jornal. O jornal será obrigado a ser proactivo em relação a este fenómeno e não poderá esperar que os seus amigos nas redes sociais o escolham. O jornal, tal como escolhe ouvir fontes, tem também oportunidade de escolher os seus amigos nas redes sociais. É possível que este tipo de micro-segmentação venha a funcionar melhor que uma estratégia de micro-pagamentos. Um caminho que pode traduzir as aspirações de um jornal em aumentar a sua procura por anunciantes e de aumentar as suas redes de “correspondentes”. Em cada leitor poderá haver um potencial correspondente. 9. Num jornal e no jornalismo há novas profissões a emergir. Estão a emergir novas profissões no mundo dos jornais. Aos editores e jornalistas juntam-se agora os moderadores. Os moderadores são aqueles jornalistas cuja função é interagir com o público, quer seja na resposta a emails, comentários ou entradas em blogues, na validação de posts no Facebook e de notícias enviadas pelos leitores, ou ainda, na criação de eventos em espaços públicos para mobilizar ou desenvolver o grau de fidelização por parte das audiências de um jornal. 10. O jornal de hoje pode bem ter de ser diferente do de ontem. O modelo de negócio do jornal contemporâneo é o de estar a todo o momento comprometido com os públicos que já o seguem mas, também, com os públicos que ainda não imaginou. Sobrevivência e crescimento dependem de manter os públicos já existentes, ganhar o interesse dos que surgirem e “prospectivar” os que irão surgir. O jornal é um produto informacional (um bem físico feito de papel) em transformação para um processo comunicacional (um serviço feito de ligações). Inovação constante de formatos e conteúdos informativos terá de ser o lema dos novos jornais, os quais serão mais do que nunca "jornais em rede". 5
  • 6. Introdução Antes de ler qualquer outra página deste relatório, propomos que faça um exercício. Pesquise as seguintes expressões no Google: “Fim da imprensa” ou “Morte dos Jornais” “End of press" ou "Death of Newspapers" Encontrará milhares de entradas discutindo o futuro da imprensa escrita nesta nova era digital em rede. Mas até aqui, nada de novo. Já em 1845, o jornal New York Herald anunciava o fim da imprensa motivado pela invenção do telégrafo1. No início da década de 80 a chegada da Internet, ainda que em fase primitiva, levou a que logo se falasse da chegada do jornalismo electrónico e das suas potenciais consequências sobre o jornalismo tradicional2. Ora, quais as lições a retirar desta pesquisa? O The Economist em artigo recente avançava que o telégrafo, inicialmente equacionado como uma ameaça à imprensa escrita foi posteriormente “co-adaptado e transformado em vantagem”3. Qual a grelha de leitura gera que estas observações sugerem? No presente relatório a inovação nos mercados de bens e serviços será vista como oscilando sempre entre dois pólos: o da “Destruição Criativa” (como argumentava Joseph Schumpeter, 1943) e o da “Acumulação Criativa” (como argumentava Keith Pavitt, 1999). A dificuldade é prever qual das forças efectivamente dominará cada fase específica de evolução de um determinado sistema técnico e de negócio. É certo que a indústria da imprensa atravessa um período instável e se caracteriza por uma velocidade de mudança sem paralelo nos últimos cem anos. Estas transformações fundam-se na revolução digital, uma autêntica revolução (pós-)industrial assente na transição de uma sociedade assente numa base de comunicação em massa para uma moldada pela comunicação em rede (Castells, 2000; Cardoso, 2007, 2008; Freeman, 2001). Existem no ar muitas ameaças aos modelos de negócio que provaram o seu valor no 1 http://www.economist.com/businessfinance/displaystory.cfm?story_id=15108618 2 Veja o vídeo da notícia datada de 1981 em http://www.youtube.com/watch?v=5WCTn4FljUQ 3 http://www.economist.com/businessfinance/displaystory.cfm?story_id=15108618 6
  • 7. passado. No entanto, a história ensina-nos que estas transformações terão o potencial de ser, a dado ponto, usadas a favor dos próprios jornais. É claro que essa adaptação envolve um elevado sentido de inovação e adaptação, engenho e criatividade, e é para esses territórios de debate que este relatório procura trazer o leitor, indiciando tendências e sugerindo hipóteses e métodos para a transformação da oferta informacional e dos modelos de negócio dos jornais em Portugal. Os múltiplos percursos de mudança Com o intuito de clarificar a análise optámos por desdobrar as principais tendências desta revolução na imprensa e por descrever as suas consequências para editores, consumidores e anunciantes. Do lado dos empresas de media a revolução digital baixou as barreiras à entrada de novos concorrentes e de novos produtos e ampliou o raio de acção da imprensa online, contribuindo simultaneamente para uma maior concorrência e um crescimento do mercado como um todo. Se, por um lado, esta nova amplitude de mercado global amplifica a concorrência, permite, por outro lado também, a exploração de segmentos impossíveis de alcançar na tradicional imprensa escrita em papel. Por exemplo, pela compressão da distância o mundo da lusofonia poderá assim ser explorado por jornais portugueses online. Mas, complementarmente, os meios de produção digitais permitem, também, distribuir em tempo real conteúdos fazendo-os surgir em versões e papel – como demonstra o recente lançamento do Sol e da Exame em Angola. Assistimos a um período de reflexão profunda por parte dos operadores de imprensa, caracterizado pela procura de adaptação à volatilidade da mudança num período de procura de soluções para monetarizar, quer no formato papel, quer no formato online. No entanto, devemos ter sempre presente que os dados da consultora PricewaterhouseCoopers revelam que, na maioria dos casos, a principal fonte de receitas provêm ainda do papel4 - e previsivelmente o continuará a ser, pelo menos, no espaço de uma década em Portugal. 4 “Moving into multiple business models. Outlook for Newspaper Publishing in the Digital Age” Disponível em http://www.wan-press.org/IMG/pdf/NewsPaperOutlook2009.pdf 7
  • 8. Do lado dos consumidores, assistimos à ascensão do seu poder negocial com a emergência da figura do prosumidor5. Para além de leitor o consumidor é agora também, activamente, comentador, revisor, mediador, distribuidor e ocasional cidadão-repórter. Com a chegada da esfera digital o comentário do leitor deixou de ficar restrito aos que o acompanham no pequeno-almoço, à volta de uma mesa, para chegar a todos os que lerem a mesma notícia na Internet. Este novo paradigma comunicacional e relacional complexifica e altera os hábitos de consumo de informação. As vendas de jornais estão a cair em certas zonas geográficas do mundo, sobretudo nos países desenvolvidos. Por seu turno, noutros contextos as vendas ascendem como o caso do Brasil6. E em Portugal? Segundo dados da Marktest, no primeiro período auditado, 2004, as publicações de “Informação Geral7” recolhiam, uma audiência média de 34,1% e os “Jornais Diários8” atingiam uma audiência média de 27,5%. Nos anos seguintes, depois de uma queda da audiência média dos “Jornais Diários” (25,8%) e de “Informação Geral” (33%) em 2006, os valores subiram aos 33,7% nos “Jornais Diários” e 40% em 2008 (Figura 1). 5 Termo cunhado por Alvin Tofler, Contracção de Produtor com Consumidor 6 http://www.guardian.co.uk/media/2009/oct/12/brazil-newspapers-circulation 7 Informação Geral: Comporta os periódicos generalistas auditados: Jornais Diários (Correio da Manhã, Jornal de Notícias, Metro, Destak, Global Notícias, Público, Diário de Notícias, 24 horas, Meia Hora); Jornais Semanais (Expresso, Sol); Revistas Semanais (Visão, Sábado Focus); Revistas Mensais (Courrier Internacional). 8 Jornais Diários (Correio da Manhã, Jornal de Notícias, Metro, Destak, Global Notícias, Público, Diário de Notícias, 24 horas, Meia Hora) 8
  • 9. Figura 1 - Evolução Anual da Audiência Média de Publicações (%), 2004 a 2008 Fonte: Marktest - Bareme Imprensa. Edição Obercom. Poder-se-á dizer de uma forma geral que, por um lado, se perdem leitores pelo envelhecimento populacional que já não são substituídos. Por outro, as audiências que emergem já não partilham das mesmas práticas mediáticas. Os seus hábitos de informação são diferentes. E é preciso conhecer de perto os diferentes perfis de clientes e aprender a pensar como “eles” para poder oferecer-lhes algo que seja apelativo para as suas preferências, gostos e hábitos. Observando os anunciantes, vemos que em fase negativa dos ciclos económicos, os investimentos publicitários estão entre os primeiros a ser afectados. Os anunciantes pretendem investir com métricas que indiquem de forma minimamente fiável a eficácia do seu investimento publicitário. Embora havendo mais dúvidas do que certezas sobre a alteração do ROI (Retorno sobre investimento) associado à inserção de publicidade na imprensa escrita é um facto que a dúvida surgiu e com ela o repensar por parte dos anunciantes das possíveis estratégias publicitárias. No presente relatório iremos incidir na análise nos jornais. No entanto importa desde já alertar que esta distinção por media, não assenta numa perspectiva suport-centric mas sim num paradigma media(s) audience(s)-centric. Ou seja, 9
  • 10. a cada tipo diferenciado de audiência corresponderão diferentes dietas mediáticas9 e, consequentemente, soluções diferenciadas. Ou seja, a compartimentalização em jornais, que dá nome a este relatório, é meramente analítica, sugerindo que devemos considerar uma estratégia platform agnostic10 em que o que está em causa são as notícias e combinações de caminhos possíveis que os públicos escolhem para o seu acesso e não o tipo de media usado para as fornecer. Feita esta introdução importa ainda lembrar que hoje, tal como no passado, quando se fala de “modelos” não se pode pensar que a solução para o futuro dos jornais passe apenas pelo suporte, pelo grafismo ou pelo modelo de pagamento, pois a questão continua a ser: como contar histórias? E como inovar nesse processo acompanhando o tempo presente. Como tal, essa tarefa de contar algo a alguém terá necessariamente de mudar e adaptar-se aos novos suportes, aos novos leitores e aos novos estilos de vida contemporâneos. Assim se quisermos vislumbrar respostas devemos redireccionar a questão colocada. Equacionar não apenas a imprensa escrita, mas sim os conteúdos noticiosos como um todo integrado. Do ponto de vista organizativo, as empresas de notícias, sobretudo ao nível das redacções, sentir-se-ão pressionadas a transformarem-se em verdadeiras agências noticiosas, em jornais em rede: centrais integradas de produção, sistematização e edição de conteúdos noticiosos. Sendo estes tratados de forma diferenciada, não só para cada suporte/media, mas também para cada grupo de consumidores no mercado e como tal potencialmente monetarizável em vendas grossistas e de retalho. Este é um caminho que envolve a transformação das empresas de jornais em empresas de comunicação em rede com produtos que combinam, texto, imagem em movimento e som em conjunto com marcas já reconhecidas, ou marcas ainda não instituídas. O objectivo subjacente a esta estratégia é a obtenção de um cabaz de receitas de diferentes origens. Neste processo a dimensão crítica de sucesso passa pela capacidade de manter uma forte identidade organizacional, capaz de fidelizar audiências 9 Dietas mediáticas e a designação dada às escolhas de consumo de media que caracterizam um dado indivíduo ou grupo de indivíduos (exemplo: canais de Televisão, Canais de Rádio, Internet, Jornais, etc) 10 http://www.observer.com/2008/media/new-media-religion-platform-agnostic 10
  • 11. numerosas e diversificadas. Essa capacidade depende, por sua vez, da capacidade de jornalistas e gestores apre(e)nderem a forma de pesquisar, procurar e comunicar informação dos, e para os, seus diferentes públicos. Com o objectivo de segmentar e agregar públicos para segmentos de dimensão rentável e adequar os meios a esses. Ou seja, equipas ajustáveis de gestão e jornalistas. Adoptar modelos de pequenas equipas (taskforces) para novos produtos a par do modelo tradicional para outros segmentos de públicos. O percurso a seguir terá de levar em linha de conta a importância do jornalismo de qualidade, percebendo que há hoje múltiplas faces de qualidade e já não apenas uma. Para além dessa percepção de qualidade há que pensar a integração dos conteúdos com o mundo online, da televisão em rede na Internet aos leitores de ePaper. Os jornais já não se cingem ao papel, são cada vez mais, autênticas agências de notícias, que ao invés de servirem outros media servem inúmeros segmentos de leitores, que por vezes são também audiências de televisão e/ou de rádio. E neste percurso de inovação os jornais em rede precisam de ousar experimentar, tal como afirma o economista-chefe da Google, e Professor de Economia na Universidade de Berkeley, Hal Varian11: “...the best thing that newspapers can do now is experiment, experiment, experiment.” 11 http://googlepublicpolicy.blogspot.com/2010/03/newspaper-economics-online-and-offline.htm 11
  • 12. Consumidores Consumidores e Imprensa escrita Dados recentes referenciados pela revista The Economist12 revelam que a grande maioria dos jornais norte-americanos assiste a um decréscimo das suas vendas físicas em papel. A circulação diária no período auditado13 caiu 10,1% em relação ao período homólogo em 2008. E esta queda afectou a totalidade dos 20 maiores players, exceptuando o The Wall Street Journal. Ainda do lado das receitas, os dados indicam um desinvestimento por parte dos anunciantes. Segundo a Newspaper Association Of America14, a indústria perdeu no ano de 2008 cerca de 17% de receitas no que concerne à imprensa escrita e 1,8% em relação ao segmento online15. Os dados revelam assim a imagem global de uma indústria de notícias em papel em crise. O mercado online também não tem escapado às flutuações da conjuntura. Propensão para pagar conteúdos online Dados publicados no The New York Times16, através de um estudo17 da consultora Boston Consulting Group18, indicam que cerca de metade dos internautas norte-americanos (48%) estariam dispostos a pagar uma taxa mensal por conteúdos noticiosos relevantes distribuídos em rede (via computador pessoal e dispositivos móveis). O resultado apresentado pela BCG para os EUA é dos mais baixos entre os nove países19, lado a lado com o Reino Unido, onde a consultora desencadeou a pesquisa. Nos restantes países europeus a BCG observou uma disponibilidade para pagar desagregada da seguinte forma: Finlândia (66%), Alemanha (63%), Itália (62%), Noruega (60%), Espanha (56%) e França (54%). A análise destes não 12 A 27 de Outubro de 2009. Disponível em http://www.economist.com/daily/chartgallery/displayStory.cfm?story_id=14739939&source=features_box4 13 Seis meses até o final de Setembro de 2009. 14 http://www.naa.org 15 http://www.naa.org/TrendsandNumbers/Advertising-Expenditures.aspx 16 A 15 de Novembro de 2009, disponível em: http://www.nytimes.com/2009/11/16/business/media/16paywall.html?_r=1&scp=1&sq=pay%2048%&st=cse 17 Inquérito online a um total de 5000 indivíduos distribuídos por 9 países. 18 http://www.bcg.com/media/PressReleaseDetails.aspx?id=tcm:12-35297 19 Estados Unidos (1.006 inquiridos), Alemanha (1.006), Austrália (529), França (510), o Reino Unido (506), Espanha (505), Itália (504), Noruega (259) e Finlândia (258). 12
  • 13. parece indicar a existência de uma qualquer relação entre alta taxa Internet e alta propensão a pagar – dois países com elevado uso de Internet, Finlândia e EUA têm diferentes propensões ao pagamento online. No entanto, o hipotético preço a pagar pelos consumos mensais seria baixo. O intervalo aceite é balizado por uma média de cerca de 2 euros mês nos Estados Unidos e Austrália a cerca de 4,7 euros por mês em Itália. Ou seja, há potenciais clientes dispostos a pagar, mas a um preço relativamente baixo. Sendo claro que nem toda a informação tem o mesmo preço aos olhos dos consumidores. Para além desse desdobramento nacional/cultural, o estudo da BCG observa também que os conteúdos mais valorizados são os conteúdos definidos como de qualidade e relevantes: notícias únicas, tais como as locais/regionais ou especializadas e continuamente disponibilizáveis – exemplo dos alertas em tempo real. O estudo revela ainda que os consumidores estarão potencialmente mais dispostos a pagar por conteúdos provindos de jornais do que outro tipo de media tais como a televisão. Para além destas especificidades, segundo o mesmo estudo, os conteúdos terão de estar disponíveis em todas as plataformas nas quais o consumidor se move, do telemóvel ao portátil passando pelas tablets PC e Mac. Isto é, um único pagamento para acessos em multi-plataforma digital. No entanto, a propensão a pagar (para além de o ser a uma tarifa plana baixa) está directamente associada à inexistência de alternativa gratuita ou próxima do valor zero. Ao existirem formas alternativas e grátis o modelo de negócio pode ser empurrado para um “curto-circuito” – os mesmos estudos apontam para esse perigo. Isto é, a presença de concorrência grátis ou mais barata e com uma qualidade “good enough”20, poderá levar ao cancelamento do modelo de subscrição por parte do consumidor. Para além disso tende a existir uma distância entre o discurso (o que se diz) e a prática (o que realmente se faz). E a separação entre essas duas extensões poderá ser ainda maior quando se apela à capacidade projectiva do inquirido 20 Para uma introdução à teoria Good Enough: http://www.wired.com/gadgets/miscellaneous/magazine/17- 09/ff_goodenough 13
  • 14. neste estudo da BCG - ou seja uma acção hipotética e no futuro, daí a reserva com que devemos encarar este tipo de leituras. Desta forma, tal como sugere a leitura de um estudo da Forrester21 publicado no dia seguinte também no The New York Times22, este número poderá estar algo inflacionado. Segundo este relatório da Forrester, cerca de 80% dos utilizadores norte-americanos e canadianos afirmaram não estarem dispostos a pagar para aceder a websites de jornais ou revistas. Sendo que os 20% de interessados estariam mais inclinados a optar por modelos de subscrições do que por micro-pagamentos. Estes dois estudos, tornados públicos quase simultaneamente, e defendendo dados contraditórios, demonstram bem a dificuldade na operacionalização, inquirição e medição das actuais dietas mediáticas dos consumidores - informação indispensável nas tomadas de decisão de gestão. A resposta à pergunta, “Estarão as pessoas preparadas para pagar por notícias?”23, tal como foi articulada numa peça publicada na BBC em Fevereiro de 2010, dependerá de aceitarmos que em diferentes suportes haverá a lugar a pagamentos e noutros não? Há alguns dados que nos podem fazer pensar assim, como o recente24 inquérito25 conduzido pela Harris Interactive26. Entre os mais de 2.000 adultos inquiridos pela Harris: 77 por cento disseram que não pagariam para ler notícias de um jornal na Internet. E entre aqueles que estão dispostos a pagar subscrições mensais, o valor variava entre 1 a 10 dólares por mês (19%) e apenas 5% preveria desembolsar mais de 10 dólares por mês. Outro relatório da WAN27, ajuda a perceber que os consumidores atribuem diferentes valores a diferentes tipos de notícias e suportes. Os consumidores preferem “breaking news” em suportes móveis e o desenvolvimento das mesmas em papel ou sites. Segundo o mesmo relatório, os consumidores atribuem um elevado valor às análises profundas dos jornalistas quando comparadas com “notícias de última hora”. Os consumidores percepcionam as 21 http://blogs.forrester.com/consumer_product_strategy/2009/11/new-forrester-report-consumers-weigh-in-on-paying- for-content.html 22 http://www.nytimes.com/external/readwriteweb/2009/11/16/16readwriteweb-80-of-us-consumers-wont-pay-for-online- cont-76026.html 23 http://news.bbc.co.uk/2/hi/programmes/click_online/8537519.stm 24 Recolha realizada de 14 a 16 de Dezembro de 2009 25 http://news.cnet.com/8301-1023_3-10433893-93.html 26 http://www.harrisinteractive.com/ 27 Disponível em: http://www.wan-press.org/IMG/pdf/NewsPaperOutlook2009.pdf 14
  • 15. “notícias de última hora” e as notícias generalistas como mercadorias indiferenciadas (commodities), mas haverá sempre um mercado para conteúdos especializados. As pesquisas demonstram que há consumidores dispostos a pagar por este tipo de informação. No entanto, estas análises não apontam às empresas de media quais as estratégias a desenvolver mais adequadas à monetarização destes conteúdos. O que se poderá deduzir destes estudos é a ideia comum de que a propensão a pagar será mais elevada para os suportes impressos e para jornalismo de fundo e/ou especializado – e que portanto se equacione a importância crescente dos nichos especializados de notícias sem descurar produtos de oferta generalista. Os relatórios reflectem também uma tendência emergente, a participação crescente dos consumidores. Um conjunto dos consumidores, ainda que minoritários, quer fazer parte do jornal que lê, quer através de comentários, quer através da produção de conteúdos. Mark Briggs cunhou o termo de Journalism 2.0 em 2005. Esta vontade de participar, a figura do cidadão jornalista, pode ser encarada como um fenómeno com potencial comercial. Por exemplo o Youtube, da Google, lançou recentemente um canal dedicado aos consumidores-produtores que queiram publicar conteúdos noticiosos, o Citizen Tube28. Dietas mediáticas em transformação Da leitura deste conjunto de informação podemos concluir que a proliferação de novos medias fragmentou o tempo dispendido por media. As dietas mediáticas dos consumidores estão, assim, a mudar e, com elas, também os hábitos de procura e consulta de informação. Cada vez mais o consumidor tem liberdade e também quer decidir sobre: quando consumir? Onde consumir? O que consumir? Os jornalistas e gestores devem, assim, interiorizar esses princípios na sua cultura profissional e organizacional e transpor os mesmos para as suas práticas de produção e gestão. 28 http://www.youtube.com/user/citizentube 15
  • 16. Editores A leitura dos dados globais publicados mostra-nos um mundo onde as empresas de media se encontram mediante um desafio estrutural: dar resposta ao actual, ou previsível, declínio da circulação paga de jornais e à diminuição de receitas publicitárias - quer pela mudança dos anunciantes para outras plataformas, quer pela retracção do investimento global em tempos de recessão económica. E no caso português? Será idêntico a esta tendência global? Segundo a Marktest, o investimento em publicidade, a preços de tabela, tem crescido nos últimos anos. Se em 2002 o investimento publicitário em imprensa, a preços de tabela, ascendia aos 449.815 milhares de euros já em 2008 tinha quase que duplicado, alcançado os 835.223 milhares de euros. As inserções subiram também, mas a um ritmo mais lento, passaram de 253.104 para 292.088, o que indicia um preço médio de tabela por inserção mais elevado. Figura 2 – Investimentos Publicitário em Imprensa Fonte: Marktest. Nota: Investimento em Milhares de Euros e a Preços de Tabela A taxa de variação anual, apesar de positiva durante o período, demonstra uma performance inferior na passagem de 2007 para 2008 de apenas 2,3%. Ou seja, a preços de tabela, parece haver um abrandamento no ritmo dos investimentos publicitários. 16
  • 17. Quadro 1 - Taxa de Variação Percentual Anual dos Investimentos por Meio de 2002 a 2008 Var. 2002/03 Var. 2003/4 Var. 2004/05 Var. 2005/06 Var. 2006/7 Var. 2007/8 Imprensa 31,73 13,99 3,72 4,75 11,26 2,3 Fonte: Marktest, MediaMonitor. Nota: Investimento a Preços de Tabela. Imprensa escrita, Web 2.0, Fair Use e Copyright Quais as ligações da imprensa escrita com o pano de fundo mais abrangente de mudanças online a que se chama de Web 2.0? Procura de sinergias ou corte de relações? As questões dos direitos autorais, do Fair Use de conteúdos online, são cada vez mais centrais no mundo em rede no qual vivemos, levando a que inclusive o dia 12 de Janeiro de 2010 fosse considerado como o World Fair Use Day29, com a promoção de um encontro internacional e inúmeras palestras e discussões. Google News e serviços de agregadores no centro de polémica. Um estudo recente, patrocinado pelo Fair Syndication Consortium, e intitulado “How US newspapers content is reused and monetized online”30, defendeu que, num espaço de 30 dias, mais de 75.000 sites reutilizaram pelo menos um conteúdo noticioso provindo de um jornal norte-americano. Nesses sites foram detectadas cerca de 18% de cópias quase-perfeitas. Ainda segundo este estudo, a Google e a Yahoo foram responsáveis por cerca de três quartos da utilização não licenciada de conteúdo (53% e 19% respectivamente). Por um lado temos a posição da NewsCorp de Rupert Murdoch contra a agregação grátis de notícias31 por terceiros, com especial atenção no Google, defendendo que se tal não deixar de acontecer a “morte dos jornais” será um dado iminente. Para Rupert Murdoch o conteúdo terá de ser pago, por exemplo, quando descarregado em tablets32. Mas será essa posição uma solução ou uma arma negocial da Newscorp na procura de parcerias futuras com a Google? E até que ponto a própria 29 http://worldsfairuseday.org 30 http://fairsyndication.org/guidelines/USnewspapercontentreusestudy.pdf 31 http://www.guardian.co.uk/media/2009/nov/09/murdoch-google 32 http://www.techcrunch.com/2009/11/17/murdoch-tablets-newspapers 17
  • 18. Newscorp não é também espaço de contradições sobre o Fair-Use quando a Fox News, de Murdoch, acaba de ser processada por violação de direitos autorais33? Por outro lado, importa perceber a visão oficial da Google. A postura da Google passa por, segundo os próprios; “não estamos aqui para acabar com a imprensa, mas sim para trabalhar num novo modelo de negócio”34. Assim, o Google (tal como o telégrafo) seria um parceiro e não uma ameaça. Eric Schmidt, chairman e CEO da Google Inc. afirma: “Google is a great source of promotion. We send online news publishers a billion clicks a month from Google News and more than three billion extra visits from our other services, such as Web Search and iGoogle. That is 100,000 opportunities a minute to win loyal readers and generate revenue - for free.” Por exemplo, observamos players importantes como o The New York Times e o Washington Post a firmarem parcerias com a Google, com o intuito de adaptarem a forma de contarem narrativas à Web 2.0, neste caso específico sobre a forma do Living Stories35. Mas os casos de sinergias não se esgotam aqui, veja-se ainda o Fast Flip36, que conta com cada vez mais parceiros37, do Los Angeles Times à Reuters. E que pretende dar ao consumidor um grande leque de informação num formato user-friendly. Mas não é apenas a Newscorp a referir a necessidade de terminar com a gratuidade de acesso aos conteúdos. A editora Springer, que publica o maior diário na Europa, o tablóide Bild, bem como outros jornais na Alemanha e na Europa Oriental, afirma que os editores devem ser pagos pelo seu trabalho online, numa altura em que a representação hegemónica é da gratuidade das notícias online38. Christoph Keese, director das relações públicas e estratega da estratégia online da Springer defende uma solução integrada, estandardizada e partilhada 33 http://techdirt.com/articles/20100108/1446417680.shtml 34 http://online.wsj.com/article/SB10001424052748704107104574569570797550520.html 35 http://livingstories.googlelabs.com 36 http://fastflip.googlelabs.com 37 http://mashable.com/2009/12/16/google-fast-flip-additions 38 http://www.nytimes.com/2009/12/07/business/media/07iht-springer07.html?_r=2&ref=media 18
  • 19. por todos os publishers - “one-click marketplace solution” – para os conteúdos online. Ou seja, Keese percebe que avançar para um modelo pago implica que a grande maioria dos produtores adira em simultâneo a essa nova forma de estar online pois, caso esta aderência não seja total, os produtos podem “barricar-se” vendo os consumidores online mudarem-se para quem se mantiver sem pagamentos. Neste sistema proposto pela Springer, a Google ou outros agregadores e motores de busca exibiriam links para artigos de jornais, vídeos e outros conteúdos de uma variedade de provedores, mas também uma etiqueta de preço. Os leitores poderiam também adquirir pacotes de conteúdos de várias origens através de uma tarifa plana de acesso. Pensemos num exemplo. É mais provável um gestor pagar uma quantia “x” para receber informação sobre o mercado bolsista. Haverá ainda uma probabilidade superior de pagar um pouco mais se essa informação for sobre as acções em que investiu (customizável pelo consumidor) e de pagar mais ainda se tal for mediado em tempo real e acessível no dispositivo móvel que escolher. Do lado dos anunciantes, é mais provável que um anunciante pague mais por uma introdução de publicidade relevante a esse gestor – a publicidade semântica na web. Logo caberá às agências, negociar cachos de notícias costumizadas a cada grupo de clientes – ou ao limite a cada cliente. Ou seja, anunciante negociará “y” espaço a ser introduzido adequadamente consoante a adequabilidade semântica da notícia e do consumidor. Mas é, também, claro que esse hipotético gestor só pagará se não conseguir encontrar essa informação de forma grátis e expedita. Ou seja, é impossível concorrer com um conteúdo good enough gratuito. O paradigma do good enough não implica conteúdos de fraca qualidade. É importante perceber que “content is (still) king”. É claro do lado do consumidor comum, essa informação específica sobre bolsas terá pouco ou nenhum valor. Esta lógica de relação entre editor, anunciante e leitor implicaria também uma total alteração das lógicas de produção e inserção publicitária actuais. Daqui se pode concluir que a monetarização de conteúdos depende tanto da mudança desencadeada pelos jornais quanto por parte dos publicitários e anunciantes. Há um interesse comum que tem de ser transposto 19
  • 20. para colaborações conjuntas no transformar da paisagem da imprensa escrita, tanto entre os grandes editores como entre os grandes anunciantes e os grandes editores com o objectivo de criação de massa crítica para impulsionar uma mudança do modelo de negócio, seja no sentido de aumentar a gratuitidade através de novos modelos publicitários ou de novos modelos de pagamento. Algumas estratégias Esta nova era digital acarreta implicações para a transformação de paradigma da cultura organizacional, de produção e de gestão mediática. Os jornais têm de se conceptualizar como agências noticiosas e, como tal efectuar as devidas mudanças na cultura organizacional, rotinas produtivas e objectivos. Conhecer o(s) público(s) • Os diferentes públicos a quem se dirigem. Para assim segmentarem as notícias por diferentes necessidades de informação e por tipo de suportes. Diferentes públicos alvos terão diferentes hábitos e necessidades de informação. • A quem não tem se dirigido no passado e àqueles que não existiam enquanto segmento de público à menos de uma década mas que hoje podem ser pensados como tal – porque aderiram ao uso de novas tecnologias ou porque as novas tecnologias permitem atingir públicos pré-existentes de forma diferente. Receitas. Receber menos de mais Do lado das receitas importa compreender que a cadeia de valor é agora outra. Será necessário perceber que se terá de “receber menos de mais” (micro- pagamentos e micro-margens de outros suportes), depender menos da publicidade em certos produtos e mantê-la, e mesmo aumentar, noutros. Gestão das organizações de media. O mote será produzir mais e com qualidade. Como tal o futuro não passa, como tem sido tendência até agora, pela redução de custos, mas sim por (re)utilizar os conteúdos com vantagens. Desta forma as redacções terão de se 20
  • 21. tornar em autênticas centrais de produção e distribuição de conteúdos, produzindo peças noticiosas passíveis de serem (re)utilizados por múltiplos suportes para múltiplos destinatários (Figura 3). Por exemplo, o uso de vídeo permite uma experiência mais próxima da televisão, o que permite aos jornais manter e mesmo expandir a sua audiência original do jornal impresso, igual lógica, se pode argumentar do uso do som de rádio nos jornais. O mote terá de ser segmentar as redacções em duas camadas sobrepostas, uma tradicional, “temática”, e a outra nova por “produtos/suportes/marcas” dependente dos diferentes segmentos de audiências a que a redacção se dirigir. Figura 3 – (Re)utilização da informação Fonte: Elaboração própria Integração das redacções – multiplataformas para multiaudiências As divisões nas organizações/redacções deverão procurar soluções mais verticais – para um maior valor aportado ao longo de toda a cadeia – e não tanto por suporte (tais como: Imprensa, Rádio, etc.). As redacções recebem já hoje sinais para se adaptar à mudança tecnológica e social – se bem que tal tarefa seja problemática sobretudo nos jornalistas e editores integrados e 21
  • 22. habituados há mais tempo a velhas rotinas. Esses sinais de mudança social e tecnológica implicam o cultivar, não somente novas competências técnicas, mas também novas representações sobre os conteúdos noticiosos e sobre os seus públicos, os que procuram cada vez mais multimédia e interactividade e os outros. O lema dos novos jornais terá de ser que se “não há dois leitores iguais”, também “não há forma de fazer as mesmas notícias para todos”. A segmentação introduzida em todas as esferas da actividade económica no final do século XX terá de chegar finalmente às redacções de jornais. Exploração de outros produtos complementares Os jornais iniciaram novos segmentos de receitas no último quarto do século XX com introdução no seu canal de distribuição de vendas de merchandising ou de associação a outras empresas com vista a estimular parcerias para venda de livros, DVD’s, CD’s etc. Mas o jornal não possui apenas um canal de distribuição ele é também uma forma de olhar o mundo de criar identidades e transmitir estilos de vida. Partindo dessa perspectiva, é possível ao jornal prestar outros serviços e franchisings como bares, cafés, livrarias, espaços de arte, espaços de desporto, isto é, locais de espaços de porta aberta em zonas de passagem de multidões. Essa estratégia de remuneração a partir de estilos de vida corresponde a uma lógica de recriação de redes sociais com as suas audiências. Os jornais podem fazer uso assim, tanto no mundo online como offline, das suas redes sociais de suporte a sua existência (i.e. as suas audiências), fazendo o jornal assumir um papel de referência indelével no dia- a-dia das nossas rotinas. Ao contrário da rotina ter origem na compra na banca ou na visita ao site o jornal, a rotina de proximidade com o Jornal pode ter origem na sua omnipresença quotidiana da “marca” e pela proximidade que conferimos às suas posições e sugestões para o nosso dia-a-dia e visão do mundo que nos rodeia. Dessa proximidade há um espaço de monetarização passível de criar novas fontes de receita no universo jornal, mas para tal há que também procurar novos gestores para novas áreas de negócio que combinem o conhecimento do mundo do jornalismo com outras áreas de negócio. 22
  • 23. Modelos de negócio Tendo em consideração as mudanças identificadas quais as direcções que se estão a abrir? Quais os modelos de negócios emergentes no espaço digital para o consumo de informação? Pagar tudo Uma das opções mais radicais será a de erigir pay walls para todo o tipo de conteúdos. Quebrando assim com a cultura instituída, há cerca de uma década atrás, com o aparecimento da Internet e com a decisão de manter os sites noticiosos com acesso relativamente aberto. Freemium vs Premium O modelo freemium39 consiste, genericamente em permitir a uma audiência vasta a experimentação do produto, criando um hábito – um modelo já bastante presente em várias áreas de negócio. Este modelo oferece aos consumidores os serviços básicos de forma gratuita, cobrando apenas por conteúdos premium. Permite alcançar um conjunto de consumidores vasto, criando assim a necessária massa crítica publicitária. A distinção entre conteúdo pago terá de ser devidamente enquadrada através da quantificação do seu valor. Pagar apenas conteúdo antigo? Pagar apenas conteúdo recente? Algumas propostas têm sido experimentadas, como por exemplo pagar apenas se o leitor lê mais do que um determinado número de artigos por mês. No caso do Financial Times online, a consulta de mais de 10 artigos por mês implica que seja levantada ao leitor uma pay wall40. Ou seja, não é exactamente uma parede de pagamentos “dura”, podendo ser considerada um compromisso entre o acesso gratuito e a mediação pelo preço. Seguindo as pisadas do The New York Times e do Le Monde as versões online dos jornais franceses Le Figaro e a revista L'Express41 e, ainda, os jornais alemães da Axel Springer, o Berliner Morgenpost e Hamburger Abendblatt, divulgaram também recentemente que irão incorporar alguns conteúdos 39 Termo cunhado por Fred Wilson. 40 Ver The Economist, edição de Agosto de 2009, artigo “Now Pay Up. Charging for newspapers online”. Disponível em http://www.economist.com/businessfinance/displaystory.cfm?story_id=14327327 41 http://www.sfnblog.com/financials/2010/01/french_newssites_offer_paywall.php 23
  • 24. noticiosos pagos nas suas páginas online. Por seu turno, o Times Online anunciou pay walls previstas para a primavera deste ano42. Figura 4 – Pay wall do Financial Times Fonte: Financial Times A possibilidade de um cada vez melhor data-mining pelo uso do online permite um melhor monitorização dos comportamentos dos consumidores e, como tal, perceber melhor, não só o que oferecer a cada perfil, mas também o valor que um dado cliente poderá atribuir a conteúdos noticiosos diferenciados. Figura 5 – Pirâmide receitas Fonte: Elaboração própria Por exemplo, um dado utilizador que pesquise quotidianamente um jornal, atribuirá valor a esse jornal. É preciso claro saber como monetarizar esse valor 42 http://www.guardian.co.uk/media/pda/2010/feb/08/european-newspapers-paywalls 24
  • 25. e não afastar o cliente com ofertas que não lhe sejam interessantes. Há no campo da imprensa a clara necessidade de aproximar a relação com o leitor através do princípio “cada leitor é um caso”. No entanto, tal implica que os jornais sejam capazes de ter um leque tão vasto de opções de pagamento (do grátis ao premium) para os leitores, tal como os operadores de telemóveis desenvolveram. Ou seja, tarifários diferenciados para os mesmos produtos – o que um leitor paga por algo pode ser diferente do que outro paga. Pay walls. Prós e Contras O levantamento de pay walls poderá introduzir receitas consideráveis. Não obstante uma opção destas poderá ter trade offs não negligenciáveis, tal como nos alerta, entre outros, o recente relatório “Media Predictions 2010”43 da consultora Delloite: “The biggest challenge of pay walls is to ensure, before the walls are put in place, that the number of subscribers gained and print customers retained is of greater economic value than the drop in traffic that will almost certainly accompany the mode to a paid model.” (pp: 11) Scott Rosenberg, ex-Editor Manager do sítio Salon.com, reflecte no The Guardian44 sobre as consequências (não desejadas) deste tipo de muralhas: “Pay walls are psychological as much as navigational, and it's a lot easier to put them up than to take them down. Once web users get it in their head that your site is "closed" to them, if you ever change your mind and want them to come back, it's extremely difficult to get that word out.” Rosenberg avança ainda dizendo que tal aposta será bem sucedida apenas se os produtos por detrás da muralha forem escassos – i.e. informação especializada. Mas numa economia da abundância45 é bastante provável haver uma alternativa grátis (legal ou não). Logo, se houver alternativa há uma fuga de consumidores. Há também de ter presente que no mundo actual há um 43 http://www.deloitte.com/assets/Dcom-Global/Local Assets/Documents/TMT/Predictions 2010 PDFs/Media_predictions_2010.pdf 44 http://www.guardian.co.uk/media/2009/dec/03/memories-paywall-pioneer 45 http://www.youtube.com/watch?v=VuxMJ8lnYA4 25
  • 26. “padrão” que tende a reger os comportamentos: “se algo existir e não estiver facilmente acessível, por preço ou por disponibilidade, alguém o facultará a todos de forma “legal” ou “ilegal””. Esta predisposição de actuação comportamental é algo que deve ser levado em conta por gestores de produtos editoriais e jornalísticos na definição das suas estratégias comerciais. O que está por detrás deste comportamento prende-se com a questão da partilha em rede. Uma das tendências centrais da sociedade em rede passa pela partilha (viral). Tal como avança o site especializado Techdirt: “people today want to "spread the news" and "share the news" more than they just want to receive the news”46. A impossibilidade de partilha, como consequência da protecção dos conteúdos poderá levar ao abandono do serviço e, logo a menos tráfego, implicando também menores receitas publicitárias, visto que a publicidade só estará online onde estiverem as multidões ou as “pequenas” multidões dos segmentos mais elevados de rendimentos. Clay Shirky, num artigo para a consultora McKinsey47 defende que os consumidores pagarão por conteúdo online apenas se este for: necessário, insubstituível, e não compartilhável. Shirky continua afirmando que: 1) A maioria dos conteúdos não é necessária. É opcional. 2) A substituibilidade está nos olhos de quem lê, não de quem produz. 3) Os consumidores gostam de partilhar conteúdos, por norma. Ou seja, para Shirky num mundo digital de pós-escassez, cobrar pelo acesso leva quase sempre ao êxodo e decréscimo de leitores. Por outro lado, Steven Brill, outro guru do espaço digital, responde a Shirky com a ideia de que dois modelos de receitas são melhores do que apenas um, defendendo que se deve cobrar aos leitores mais regulares – que serão à partida, os mais ávidos por informação. Ou, por exemplo cobrar apenas certos conteúdos tidos como contendo mais valor. Desta forma Brill sustenta a aposta paralela nos dois modelos de negócio. Parece assim ser evidente que 46 http://www.techdirt.com/articles/20041011/1749243.shtml 47 “The high price of charging for content” Disponível em http://whatmatters.mckinseydigital.com/the_debate_zone/will- people-pay-for-content-online 26
  • 27. estratégias que só privilegiem um só modelo de acesso (só pago ou só grátis), têm maior probabilidade de falhar do que modelos híbridos. O distribuidor regional Tindle, com 220 títulos em toda a Inglaterra, caracterizou a sua experiência de cobrança online como um sucesso e, como tal, planeia alargar o sistema para cerca de 100 dos seus jornais. A experiência consistiu em monitorizar seis dos seus títulos, numa comparação entre três gratuitos e três pagos via subscrição através do software PageSuite, e permitiu observar resultados muito para além das expectativas. Por usa vez, um estudo publicado pela City University de Londres em Abril de 2009, intitulado, “Taking the Paper Out of News”48 sugere que os jornais têm mais a perder do que a ganhar se optarem pela publicação exclusiva online em detrimento da versão impressa. O estudo focou-se no exemplo do jornal de negócios finlandês Taloussanomat que extinguiu a sua versão em papel passando a mediar conteúdos apenas online em Dezembro de 2007. A decisão ocorreu após perdas substantivas, não obstante, tal solução não foi bem sucedida. Os custos baixaram para metade mas, por sua vez, a audiência baixou em 22% e as receitas declinaram também em mais de 75%. Neil Thurman um dos autores do estudo, baseando-se neste caso particular, defende que a passagem exclusiva para o digital se torna viável apenas se as receitas forem, pelo menos, superiores aos custos em 31%. Na verdade, trata-se de uma opção complexa. Vejamos o exemplo de um dos grandes players mundiais, o The New York Times. Arthur Sulzberger Jr., CEO do respective jornal, afirmou recentemente estar preparado para levantar pay walls49 no The New York Times. Após um ano de discussão entre prós e contras (e num site que chega a ter um tráfego de 20 milhões de utilizadores únicos) a discussão acabou por pender para o lado da subscrição – sendo que tal anuncio anúncio motivou reacções críticas50 junto de analistas importantes que acham que este poderá ser um passo em falso. Vejamos, por exemplo, casos de insucesso, tal como o do jornal generalista Newsday da CableVision que após três meses de pay walls consegui acumular 35 subscritores apenas51. Tal fracasso pode ser explicado pela falta de valor acrescentado do jornal em 48 Thurman, N. and Myllylahti, M. (2009) Taking the Paper out of News. A case study of Taloussanomat, Europe’s first online-only newspaper. Journalism Studies. Disponível em: http://www.city.ac.uk/journalism/dps/thurman_myllylahti.pdf 49 http://nymag.com/daily/intel/2010/01/new_york_times_set_to_mimic_ws.html 50 http://www.editorsweblog.org/newspaper/2010/01/reactions_to_rumours_that_the_new_york_t.php 51 http://techdirt.com/articles/20100126/1515217905.shtml 27
  • 28. relação aos inúmeros concorrentes gratuitos que existem online que cobra um preço (elevado) de 5 dólares por semana. É certo que o The New York Times poderá capitalizar as suas mais valias. Num interessante artigo Robert Wright, no mesmo jornal52, explana os desafios do Times, categorizando os diferentes tipos de consumidores. Um primeiro desdobramento terá de ser realizado entre “leitores comprometidos” que lêem e procuram um elevado conjunto de informação de qualidade e estarão à partida, dispostos a pagar por tal acesso e um segundo grupo de “leitores menos regulares”. Esse segundo grupo de leitores pode ser dividido em leitores que chegam através de pesquisa e aqueles que chegam ao site do jornal através de links em blogues e ainda outro tipo de sites. Este último grupo, apesar de menor, é crucial. Se, por causa da pay wall, os bloguers deixassem de “linkar” para conteúdos do The New York Times isso iria baixar em muito as audiências, e, como tal os ganhos em publicidade e notoriedade. Ora o The New York Times está ciente deste facto. A pay wall do The New York Times será assim relativamente porosa, permitindo o acesso sempre que tal seja mediado por links de páginas online externas. Ou seja, apenas consultas directas ao sítio do NYT ou em motores de pesquisa seriam pagas, links a partir de terceiros não. Mas tal estratégia de negócio, num panorama mediático em que cada vez mais a informação é mediada em segunda mão, ou seja, onde o consumidor não parte directamente da fonte, poderá não ser uma solução killer application mas sim mais um contributo para a construção de um modelo de negócio complexo. Num artigo do The Guardian53 que explora um relatório da Pew54, revela como são incertas as formas de monetarizar que as organizações de media uma audiência crescente no espaço online. O artigo segue citando o livro Public Opinion de Walter Lippmann de 1922: "He will pay a nominal price when it suits him, will stop paying whenever it suits him, will turn to another paper when that suits him. Somebody has said quite aptly that the newspaper editor has to be re-elected every day." 52 http://opinionator.blogs.nytimes.com/2010/01/26/how-to-make-readers-pay-happily 53 http://www.guardian.co.uk/media/2010/mar/15/pew-paywalls 54 The economics of online news. http://www.pewinternet.org/Reports/2010/The-economics-of-online-news.aspx?r=1 28
  • 29. Micro-comércio e micro-pagamentos Outra estratégia emergente passa pelos micro-pagamentos que funcionam em economia de escala e terão de ser hassle-free, ou seja de forma descomplicada e user-friendly - tal como acontece com o sucesso do iTunes, da Apple App Store e da Amazon. A revista The Economist55 e o relatório ”56 da consultora Delloite “Media Predictions 2010”, apontam para essa tendência como via a seguir no mundo dos jornais. Da vontade de compra à compra efectiva dista apenas um clique. Trata-se de uma transformação do comportamento de compra. O baixo preço leva ao impulso imediatamente convertido em monetarização, que terá de se cultivado e prescrito na relação entre jornal e leitor de uma forma indutiva de parceria e não de imposição. No entanto, tal poderá querer dizer que tal como no caso da música a Apple se tornou um mediador (e portanto recebedor de percentagem da venda) também os jornais poderão ter de aceitar partilhar parte da receita de vendas online com as entidades de comércio electrónico de sucesso – como a Apple e Amazon – as quais detêm já o registo das contas de cartão de crédito e Paypal dos seus utilizadores. E, tal como nota, Daniel Roth na revista Wired no artigo "The Future of Money: It’s Flexible, Frictionless and (Almost) Free57" há que ter em linha de conta a emergência de novas formas de pagamento, tais como o Twitpay, Zong, Square, GetGiving e Hub Culture. Um estudo da consultora Javelin Strategy and Research, citado neste mesmo artigo, defende que cerca de 20 por cento de todas as transações on-line processam-se mediante sistemas alternativos de pagamento, segundo a empresa de consultoria. A previsão de crescimento é que esta atinga os 30 por cento em apenas três anos. Ora estes sistemas de pagamento alternativos têm vindo a ser desenvolvidos através da abertura da arquitectura por detrás de sistemas como o Paypal, a programadores dispostos a inovar os formatos de pagamento. Segundo Daniel Roth: “As money becomes completely digitized, infinitely transferable, and friction-free, it will again revolutionize how we think about our economy.” 55 Edição de 29 de Agosto de 2009. 56 http://www.deloitte.com/assets/Dcom-Global/Local Assets/Documents/TMT/Predictions 2010 PDFs/Media_predictions_2010.pdf 57 http://www.wired.com/magazine/2010/02/ff_futureofmoney/ 29
  • 30. Mercado móvel Nesta análise é também preciso não descurar o mercado móvel, pois o telemóvel apresenta-se como o único dispositivo que tende a estar permanentemente ao lado do consumidor e que possui uma taxa de penetração bem superior ao dos computadores pessoais. O telemóvel, na sociedade portuguesa, tende a ser visto como uma necessidade e não um luxo. A evolução da Internet e da tecnologia móvel criou um mercado para suportes móveis – com especial peso da chamada “geração Internet”58. Muito embora estes suportes sejam preferidos para as “notícias de última hora” em que a questão do imediatismo ganha relevo, também perdem relevância quando se tratam de notícias de fundo – por óbvias contingências tecnológicas que tornam a experiência de ler textos extensos num ecrã pequeno pouco aprazível. Aplicações móveis e Apps Stores O mercado das aplicações para dispositivos móveis também não deve ser descurado na estratégia empresarial. Números recentes da Apple avançam para 3 biliões de aplicações vendidas em 18 meses59 pela sua Apple App Store - uma taxa de crescimento impressionante num suporte recente - 500 milhões no ano transacto em período homólogo60. No que toca ao plano nacional, segundo o Diário Económico61 a loja de aplicações associada à Optimus - 3ª maior companhia móvel em quota de mercado - tinha já ultrapassado um tráfego de 'downloads' superior a 250 mil aplicações, associadas sobretudo a serviços de messaging, redes sociais, browsing e pesquisa. Ora, estas plataformas agregam a facilidade dos micro- pagamentos do iTunes à portabilidade dos iPhones e iPod Touch, sendo que as aplicações tendem em si a gerar e perpetuar mais receitas – seja pela sua compra ou pelo facto de serem outro mercado para a inserção publicitária. Como tal, também os jornais entram neste mercado. O The Guardian, na sua 58 Cardoso, Gustavo; Espanha, Rita e Lapa, Tiago (2010) Do Quarto de Dormir para o Mundo. Jovens e Media em Portugal, Lisboa, Ancora 59 http://www.apple.com/pr/library/2010/01/05appstore.html 60 http://www.ilounge.com/index.php/news/comments/app-store-500-million-downloads-15000-apps/ 61 Dia 6 de Novembro de 2009 30
  • 31. linha de inovação, lançou uma versão para o iPhone62 tal como a gigante Condé Nast63, para a revista GQ, sendo que essa decisão surgiu pelo conhecimento do tipo de público dessa publicação – masculino, urbano e apreciador de gadgets. Em Portugal também há já exemplos desse desenvolvimento, como no caso do Jornal Público. Por sua vez, as agências noticiosas também embarcaram neste segmento. Veja-se, por exemplo, a Agence France-Presse (AFP) que lançou a sua aplicação para o iPhone. De facto, segundo um inquérito64 levado a cabo a 21 de Setembro pelo Audit Bureau of Circulations, 52% dos editores em papel distribuem já conteúdos em dispositivos móveis e outros 56% planeiam desenvolver aplicações para smartphones nos próximos dois anos com o intuito de aproveitar a crescente popularidade desta plataforma. No entanto a rentabilidade nestes segmentos assenta na maioria das vezes na publicidade e não na compra da aplicação. Os jornais lideram o caminho, nesta transformação, com quase 58% a utilizarem formatação dos sites que permite a visualização via dispositivo móvel. Seguem-se as revistas de negócios (45%) e revistas de consumo (42%). Os jornais tomam a dianteira também no desenvolvimento de aplicações para smartphones, pois 36% desenvolveram já aplicações para este segmento, seguido por 22% das revistas de consumidores. O mercado móvel, segundo os entrevistados desse estudo, introduziu já dividendos para os editores, 44% disseram que os dispositivos móveis aumentaram as visitas para os respectivos sites até 10%, prevendo ainda que cerca de metade do tráfego para os seus sites móveis irá aumentar entre 5 a 25 por cento nos próximos dois anos. Todo este movimento permite tornar mais apelativa a monetarização do número de visitantes juntos dos anunciantes e do seu leque publicitário. Segundo o mesmo inquérito a Apple é a fabricante de hardware preferida, com 65% a considerá-la um líder no mercado móvel de imprensa, seguida pela Amazon com o seu Kindle (62%) e, por último a Sony (25 %) com o seu leitor. Os editores procuram ainda as oportunidades de anúncios em dispositivos móveis em formatos como patrocínios, pesquisa, vídeo e banners. 62 http://eu.techcrunch.com/2009/12/14/the-guardian-newspaper-gets-spotify-ed-launches-iphone-app-with-off-line- browsing/ 63 http://www.foliomag.com/2009/cond-nast-launches-reader-iphone 64 http://www.editorandpublisher.com/eandp/news/article_display.jsp?vnu_content_id=1004014433 31
  • 32. Anunciantes O mercado publicitário, em contexto de crise, encontra-se em retracção. Para além desta conjuntura económica a fragmentação por vários suportes dispersa os investimentos publicitários. É este o contexto onde as decisões estratégicas dos jornais têm de ser desenvolvidas. Logo as empresas de media precisam de revolucionar a maneira de vender, apostando em soluções de comunicação integradas. Ou seja, através de comunidades de valor em torno da marca. Nem todos os dados são negativos para a imprensa, dados recentes de uma investigação patrocinada pela Microsoft defendem que a publicidade na imprensa é duas vezes mais eficaz que na televisão65. Segundo a mesma notícia a consultora Deloitte prevê ainda que a quota global de publicidade online cresça dos actuais 10 por cento para 15 por cento até 2012. De acordo com a WAN66 num seu recente relatório de 200967, os anunciantes têm como objectivo actual procurar a melhor forma de potenciar o retorno sobre o seu investimento e, ao mesmo tempo, melhorar o diálogo com os clientes. Logo apostar em várias plataformas é, e continuará a ser por enquanto, uma tendência marcante. No entanto, ainda segundo a WAN, a televisão continua a ser o media preferidos dos anunciantes. As crises económicas tendem a acelera a mudança de investimentos publicitários para os medias entendidos como mais seguros e mais facilmente mensuráveis - a accountability e o retorno sobre o investimento são parâmetros intensamente procurados. Ou seja, as estratégias de comunicação são normalmente escolhidas de acordo com os targets, e no balanço entre investimento e retorno (mais ou menos mensurável), os comerciantes preferem plataformas que consigam medir eficazmente a sua eficácia. Desta forma, os jornais terão de inovar e oferecer os melhores pacotes (impresso e online) mas revestidos com a mais-valia do online. Isto é, jogar na eficácia do online pelo uso de context-based advertising. Ou seja, a introdução de conteúdo publicitário tido como relevante e não intrusivo – direccionado 65 http://business.timesonline.co.uk/tol/business/industry_sectors/media/article6969081.ece 66 World Association of Newspapers and News Publishers 67 http://www.pwc.com/en_GX/gx/entertainment.../NewsPaperOutlook2009.pdf 32
  • 33. através de data-mining. As palavras de ordem são hoje o uso de anúncios em contexto temático de acordo com as notícias e a sua orquestração sob o lema: “a minha publicidade é diferente da tua!”. Isto é, o “meu” perfil de leitura de um jornal produz contexto publicitário diferente daquele que será visto por qualquer outra pessoa que tenha consumos de informação diferenciados dos meus. No entanto, os jornais terão ainda de continuar, durante muitos anos, a desenvolver pacotes de publicidade combinando offline com o online, procurando assim defender a sua marca e manter a confiança junto das audiências como a melhor forma de projectar as marcas dos anunciantes. Tal como refere Penny Stevens, presidente da agência Media Experts, ao Financial Post: "It's that whole notion of trust, integrity and reliability. I don't trust my flyer. There is that wonderful halo effect, one hopes, as an advertiser, that the integrity and credibility of the content will somehow be seen to be rubbing 68 off on the advertiser." Muitos jornais conseguiram ganhar e manter a lealdade e confiança dos leitores por décadas – a denominada stickiness – e, em momentos mais recentes, conseguiram mesmo migrar clientes do impresso para o online. Tanto o anunciante como as agências publicitárias são actores fundamentais no processo de transformação do modelo de negócio dos jornais. Neste contexto histórico é tão importante atrair consumidores para as versões online dos jornais, pagos e não pagos em papel, quanto é mudar as atitudes dos anunciantes e publicitários, obrigando-os a quebrarem as suas rotinas de alocação de meios no seu plano publicitário – fazendo-os também pensar que dos 16 aos 86 anos há audiências de todos os tipos dispostas a serem “leitores” de jornais. No lado das agências de meios e de publicidade há a tendência de tipificar os consumos em perfis demasiadamente estereotipados (por exemplo: até aos 35 anos, urbano, classe média alta) esquecendo muitos sectores sócio- demográficos. Por outro lado, será que os anunciantes não se esquecem que cerca de 40% da população69 portuguesa já utiliza a Internet e que parte 68 http://www.financialpost.com/story.html?id=1537950 69 Acima dos 15 anos inclusive. Dados de 2008, através do Inquérito Sociedade em Rede do OberCom 33
  • 34. substancial visita sites de jornais? E que a tendência é de crescimento tanto absoluto como percentual ? 34
  • 35. Inovações Para além de media e tecnologias já bem implantados no quotidiano há uma série de inovações recentes ou em fase de lançamento que importa reter para pensar o futuro dos jornais, sendo estas desdobradas em inovações de produtos e de conteúdos. Inovação e produtos Leitores digitais Para além dos editores também os criadores de hardware tentam adaptar-se à mudança, procurando inovar as formas de digitalizar o conteúdo e de se apresentarem às audiências, apostando sobretudo numa user-experience agradável que possa igualar ou superar o folhear de páginas de papel. A segunda versão Kindle70, Kindle DX, da Amazon já permite uma actualização partilhada com computadores pessoais. E o iPad da Apple acaba de ser apresentado, tal como o seu concorrente da Google71. A interface de tipo ecrã táctil parece estar a instalar-se como um standard – basta ver a sua forte presença no Consumer Electronics Show72 em Las Vegas o maior tradeshow internacional de tecnologia. E os produtores de conteúdos em parceria com os de hardware promovem novas versões das suas publicações em parceria. Tomemos como exemplo o da Sports Illustrated73 ou a Wired74 da editora Condé Nast. iPad e a imprensa Não querendo entrar em discussão de especificações técnicas, sobretudo daquelas que apontam críticas ao iPad – desde a falta de possibilidade de multitasking à câmara, e de ser bastante fechado em termos de conectividade e arquitectura operativa, não possuir a tecnologia Flash e GPS nos modelos de versão Wi-Fi - importa sim pensar nos potenciais impactos do iPad, e seus similares, no paradigma da indústria de conteúdos contemporânea. 70 Que permite o acesso gratuito (allways on) via 3G a conteúdos online. 71 http://dev.chromium.org/chromium-os/user-experience/form-factors/tablet 72 http://www.cesweb.org 73 Veja o vídeo em: http://www.youtube.com/watch?v=ntyXvLnxyXk 74 http://mediamemo.allthingsd.com/20091118/conde-nasts-offering-for-apples-mystery-tablet-wired-magazine/ 35
  • 36. As ligações entre as duas indústrias não são espúrias. Na apresentação oficial, Steve Jobs convidou mesmo Martin Nisenholtz do The New York Times para uma apresentação do seu jornal numa versão adaptada ao iPad. A visualização, sem constrangimentos com o uso total de cor, conjugada com a facilidade de integração de vídeo parece prometer uma redefinição dos standards do jornalismo digital, tal como o conhecemos nestes últimos anos. Será que a Apple conseguirá fazer jus à expectativa sobre a redefinição da imprensa com uma nova forma de consumo digital? Conseguirá introduzir uma revolução na imprensa digital, tal como o fez com o iPod e o iTunes em relação ao campo musical? E qual a estrutura de receitas associadas ao iPad que reverterá para a Apple? Embora só o tempo o possa dizer, o que se pode afirmar é que só a experimentação activa por parte dos jornais nestes novos tipos de hardware permitirá chegar a conclusões. Do que se sabe sobre a experimentação do iPad, o uso do ponto de vista do utilizador parece ser agradável e revolucionário, através de um interface simples e de mãos dadas com um ecrã táctil. Mas sabemos que para além das potencialidades tecnológicas interessam sobretudo os seus usos sociais e, é claro, a sua aceitação generalizada. Ou seja, importa perceber ainda a potencial taxa de adopção do produto. Poderá atingir uma massa crítica suficiente para uma economia de escala? A integração completa do iPad com a App Store e a iBook Store é um passo importante para o enraizamento de modelos de monetarização mais fluidos e menos obstrutivos. O primeiro passo já foi dado, resta monitorizar com atenção a evolução deste segmento de mercado em expansão ao longo de 2010-11. Augmented reality e inteligência geo-espacial O conceito de “Realidade Aumentada” (Augmented Reality) que visa sobrepor informação virtual à realidade em articulação com SemaCodes e códigos de barras 2D em crescente expansão começa a ser explorado também pelos produtores de conteúdos noticiosos, veja-se o número de Dezembro de 2009 da versão americana da Esquire75. Ou o jornal belga La Derniere Heure76 a lançar uma edição em versão 3D. 75 http://www.esquire.com/the-side/augmented-reality e notícia no Wall Street Journal em: http://online.wsj.com/article/SB10001424052748704222704574501122991439500.html?mod=WSJ_hpp_MIDDLENextt oWhatsNewsTop 36
  • 37. A integração de conteúdo informativo cruzada com a localização GPS, presente na maioria dos novos produtos, surge também como importante mais- valia – a chamada inteligência geo-espacial. Os produtores de conteúdos, bem como os anunciantes, podem assim fornecer soluções em tempo real e adequadas à localização do consumidor. Os jornais precisam assim de em conjunto com os anunciantes e criativos publicitários começar a explorar a monetarização da publicidade associada ao GPS e à localização do “leitor” de jornal. Situação em que apenas quando o “leitor” consome algo a partir do uso de “cupões electrónicos” em lojas específicas há lugar a partilha de receitas entre jornal e anunciante, etc. Inovação conteúdos Smart Content O conteúdo também pode ser potenciado na era digital. Poder-se-á falar de conteúdo inteligente, conteúdo 2.0 ou individuated news77 adaptado por um lado, ao gosto do consumidor e, por outro, capaz de perceber em que suportes irá ser mediado. Tal como descreve Nick Bilton78, um sistema inteligente que alterna e actualiza automaticamente os conteúdos de acordo com os suportes com os quais interagimos. Ou, tal como projecta o CEO da Google, Eric Schmidt: “It's the year 2015. The compact device in my hand delivers me the world, one news story at a time. I flip through my favorite papers and magazines, the images as crisp as in print, without a maddening wait for each page to load. Even better, the device knows who I am, what I like, and what I have already read. So while I get all the news and comment, I also see stories tailored for my interests. Some of these stories are part of a monthly subscription package. Some, where the free preview sucks me in, cost a few pennies billed to my account. Others are available at no charge, paid for by advertising. But these ads are not static pitches for products I'd never use. Like the news I am reading, the ads are tailored just for me. Advertisers are willing to shell out a lot of money for this targeting.” 76 http://news.bbc.co.uk/2/hi/europe/8559038.stm 77 http://www.individuatednews.com 78 http://www.editorsweblog.org/multimedia/2009/03/nick_bilton_describes_emerging_nyt_techn.php 37
  • 38. O panorama mediático tem vindo a fragmentar-se, como tal as mensagens terão de estar acessíveis em todas as plataformas que o consumidor desejar - o cross-screen será o modelo de jornal do futuro. Inovação na mediação Web-to-Print. A customização impressa Emergem também no mercado soluções que pretendem juntar a mais-valia do online e do papel. O consumidor selecciona, previamente a informação que deseja receber impressa. Uma espécie de unbundling com posterior bundle configurado de acordo com a vontade do leitor. Veja-se, por exemplo, o “Niiu” jornal individualizado pelo próprio consumidor79, entregue impresso em papel ao domicílio ou qualquer outro local definido pelo consumidor, a 1,2! após selecção do cliente ou ainda o “The Printed Blog”80 e o “Zinepal”81. 79 http://forum4editors.com/2009/10/a-brand-niuu-day-for-the-printed-newspapers-is-coming/ e http://www.dw-world.de/dw/article/0,,4899459,00.html 80 http://www.theprintedblog.com 81 http://www.zinepal.com 38
  • 39. Conclusão A revolução digital e distribuição em rede tem como principal impacto o baixar as barreiras à entrada, quer na produção quer na distribuição, e o esboroar das fronteiras entre tipos de media, aumentando assim a concorrência. A fragmentação e atomização de media é assim crescente, mas este ritmo de crescimento não é acompanhado sincronicamente pelos consumidores. Ou seja, há um tecto máximo para consumo diário de media e assistimos a um overload de oferta de informação82. Essa sobrecarga essa que precisa de ser gerida, sistematizada e transformada em conhecimento. Por cada abundância de produto mais procura será gerada sobre outra escassez. Como por exemplo com uma quantidade volumosa, no limite infinita, e grátis de informação: tempo, atenção e acessibilidade são um bem escasso numa economia da abundância, numa economia da pós-escassez83. Assim uma importante mais valia competitiva será produzir conteúdos com valor acrescentado, nomeadamente, informação disponível a tempo, com análise, interpretação, prospectiva mas também dotada de selecção, sistematização e resumo. Ou seja uma selecção e sistematização da informação. Mas acima de tudo é preciso conhecer os vários tipos de clientes e adaptar os conteúdos a cada cluster de clientes e a cada suporte e as combinações possíveis entre online e papel. É também necessário monitorizar essa evolução constantemente, e sempre que preciso, (re)introduzir mudanças. É assim determinante possuir e estimular uma grande adaptabilidade à mudança. E para tal é preciso perceber as tendências emergentes e distinguir entre sinais fracos (antecipadores) de mudança e sinais fortes (confirmadores de mudança já ocorrida). Mas mesmo com essa informação é cada vez mais difícil fazer previsões a médio prazo. Isto porque a velocidade da mudança é cada vez mais implacável, como sugere o Twitter do influente Clay Shirky84: 82 Veja-se http://www.nickbilton.com/98/ para uma representação visual dessa catadupa crescente de hyperlinks 83 Veja um interessante vídeo em http://www.youtube.com/watch?v=VuxMJ8lnYA4 84 http://twitter.com/cshirky/statuses/4945196958 39
  • 40. “Why I ignore all "5 year plans": 5 years ago, YouTube and Twitter didn't exist, and Facebook was only for college kids”. Shirky sintetiza uma ideia a ter em consideração: o ritmo e imprevisibilidade da mudança são cada vez mais difíceis de gerir. Ou seja, é preciso monitorizar e perceber os hábitos e usos sociais dos utilizadores em tempo real e ser flexível para adaptar/refinar estratégias constantemente. A hipótese de Wolfgang Riepl de 1913 que defendia que os media existentes nunca serão totalmente substituídos ou tornados obsoletos pelos medias emergentes continua válida. Mas, os media terão de se adaptar à mudança e co-existirem num ambiente mediático volátil e multi-plataforma. Ou seja, importa ultrapassar perspectivas dicotómicas do problema (velhos media vs novos media) para englobar os media tradicionais com os novos media. Poder-se-ia invocar um provérbio chinês: “Quando os ventos da mudança sopram alguns constroem abrigos, outros constroem moinhos de vento." Interessa perceber reflexivamente como capitalizar as possibilidades da tecnologia. Para tal será preciso nomeadamente pensar nas mudanças que ocorrem no consumidor, e como tal, introduzir mais elementos de social media. De facto a rede social mais populosa, o Facebook, ultrapassou já os 400 milhões de utilizadores85 arrastada por uma taxa de crescimento vertiginosa e continua com altas receitas publicitárias86 - por exemplo, os seus jogos foram uma agradável surpresa na rentabilização do negócio. Os jornais não poderão ignorar este paradigma, através de comentários, possibilidade de partilha dos conteúdos com terceiros e interactividade, porque tal se traduz em lealdade do consumidor ao serviço e à marca. Isto é, em querer voltar ao site no dia a seguinte – criar uma relação empática. E um estudo recente da PEW mostra que a lealdade é um conceito relativo entre os consumidores de informação online, a saber, quase dois terços utiliza intensamento vários fontes para recolher a sua informação87. 85 http://blog.facebook.com/blog.php?post=287542162130 86 http://mashable.com/2009/07/08/social-media-marketing-growth/ e http://mashable.com/2009/12/07/facebook-2010- revenue 87 http://www.pewinternet.org/Reports/2010/The-economics-of-online-news.aspx?r=1 40
  • 41. Passando para a relação entre os jornais e anunciantes, os jornais deverão pensar em preços dinâmicos variáveis de acordo com as inserções contextuais no meio online, as quais por se apresentarem como menos disruptivas porque relevantes, são potencialmente interessantes. John Carlin num artigo de fundo para o periódico El País88 relembra que os tempos que correm são revestidos de uma grande ambivalência. Afirma que nunca houve um melhor momento para a prática jornalística, mas, que ao mesmo tempo atravessamos um período onde nunca foi tão difícil fazê-lo. Ou seja, o que está em causa é o “modelo de jornais” e não o “jornalismo”. E neste processo de experimentação continua, de procura criativa e reformulação inovadora das formas de investigar e apresentar narrativas, o consumidor de conteúdos sai a ganhar. No final de contas, o consumidor será sempre a variável mais importante da equação. Tal como afirma Adam Broitman no TrendsSpottings 201089, numa declaração baseada no modo de funcionamento do Facebook e que poderá ser adaptada aos jornais: "Consumers will un-friend all brands that don't add value." Os jornais necessitam de usar as inovações que estão já à sua disposição e adaptá-las através do conhecimento acumulado pelas suas experiências ao longo dos anos, monetarizando essa experiência. Mas, para além disso, necessitam de mudar a cultura que os impede de pensar o público como “1000” indivíduos diferentes ao invés de “1000” indivíduos com muito em comum. Ambas as tarefas são necessárias sem esquecer que acima de tudo o que faz o “leitor” buscar os “jornais” são os dois valores fundamentais da comunicação social: o profissionalismo e a credibilidade. Há que olhar públicos, jornalistas, anunciantes, publicitários e a todos dar razão para serem friends dos jornais e não efectuarem nunca um un-friend dos jornais. 88 http://www.elpais.com/articulo/reportajes/momento/crucial/elpepusocdmg/20090510elpdmgrep_1/Tes 89 http://www.slideshare.net/TrendsSpotting/trendsspottings-2010-consumer-trends-influencers-predictions-in-140- characters 41
  • 42. Fontes As fontes de documentação e informação aqui analisadas foram inúmeras e complementares. • Publicações especializadas em Economia, Gestão e Tecnologias de Comunicação e Informação Financial Times, The New York Times, Courier International, Wired, Monocle, The Guardian, The Wall Street Journal, etc • Serviços de agregação de apresentações: Slideshare, Ted, etc • Relatórios de Consultoras Prycewatercooperhouse, Ernst & Young, Boston Consulting Group, Delloite, Forrester, etc • Portais/blogues Techdirt, Techcrunch, Socialmedia, Slashdot, Mashable, Newspaperinovation, Editorsweblog, Ars Technica ,Etc • Publicações especializadas em gestão de media Journal of Media Business Studies. • Produtores de informação estatística INE, APCT, Marktest, OberCom 42
  • 43. Referências bibliográficas Cardoso, Gustavo (2007) A mídia na sociedade em rede: filtros, vitrines, notícias, Lisboa, Editora FGV Cardoso, Gustavo (2008) “From Mass to Networked Communication: Communicational models and the Informational Society” in International Journal of Communication, Vol 2. Disponível em: http://ijoc.org/ojs/index.php/ijoc/article/view/19/178 Cardoso, Gustavo; Espanha, Rita e Lapa, Tiago (2010) Do Quarto de Dormir para o Mundo. Jovens e Media em Portugal, Lisboa, Ancora Castells, Manuel (2000, 2ª edição), The Information Age: Economy, Society and Culture vol 1: The Rise of the Network Society, Cambridge, MA, Blackwell Freeman, C. e F. Louçã (2001), As Time Goes By: From the Industrial Revolutions to the Information Revolution, Oxford: Oxford University Press. Pavitt, Keith (1999), Technology, Management and Systems of Innovation, Chelthenham: Edward Elgar. Schumpeter, J. (1943), Capitalism, Socialism and Democracy, London: George Allen & Unwin 43
  • 44. Referências electrónicas Autor Titulo URL Ano The Future of Abram, Newspapers http://stephenslighthouse.sirsidynix.com/archives/20 2009 Stephen and Libraries 09/06/the_future_of_n.htm The Future of http://dilbertblog.typepad.com/the_dilbert_blog/2007/ Adams, Scott 2007 Newspapers 10/the-future-of-n.html Venda de Agência jornais diários 2009 financeira desce este http://www.agenciafinanceira.iol.pt/noticia.php?id=10 ano 60942&div_id=1730 Venda de Agência jornais diários 2009 financeira desce este http://www.agenciafinanceira.iol.pt/noticia.php?id=10 ano 60942&div_id=1730 The enduring newspaper: Akin, David Black and 2009 white and still read all over http://www.financialpost.com/story.html?id=1530669 The enduring newspaper: Akin, David Advertisers 2009 still bullish on print http://www.financialpost.com/story.html?id=1537950 Alexander, Ian; Predicate | Bromberg, The Elements 2009 Craig e of Editorial Geraghty, Strategy http://www.slideshare.net/Predicate/predicate-csnyc- Matt talk-090827 Amorim, A vaga das http://camorim.wordpress.com/2009/07/08/a-vaga- 2009 Cláudia App Stores das-app-stores/ Newspapers Anderson, need to find http://www.guardian.co.uk/media/pda/2009/jun/30/ch 2009 Chris the 'pet for risanderson-wired-longtail-freemium-newspapers- their penguin' businessmodels 44
  • 45. Anderson, Newspapers Kevin e need to find http://www.guardian.co.uk/media/pda/2009/jun/30/ch 2009 Anderson, the 'pet for risanderson-wired-longtail-freemium-newspapers- Chris their penguin' businessmodels Going Mobile: How Audit Bureau Publishers Are of Preparing for 2009 Circulations the Burgeoning Digital Market http://www.accessabc.com/pdfs/mobile.pdf Statistics on http://informationized.com/2009/07/01/statistics-on- Baker, Phillip 2009 Retweet retweet Newspaper innovation. Bakker, Piet 2009 Austrian Heute http://www.newspaperinnovation.com/index.php/200 expands 9/07/06/austrian-heute-expands/ Belgian newspaper La BBC Derniere 2010 Heure issues '3D edition' http://news.bbc.co.uk/2/hi/europe/8559038.stm Clay Shirky: Let a thousand flowers bloom to replace Benton, newspapers; 2009 Joshua don’t build a paywall http://www.niemanlab.org/2009/09/clay-shirky-let-a- around a thousand-flowers-bloom-to-replace-newspapers- public good dont-build-a-paywall-around-a-public-good/ Nick Bilton Keynote Bilton, Nick O’Reilly Tools 2009 of Change http://blog.metaprinter.com/2009/03/nick-bilton- 2009 keynote-oreilly-tools-of-change-2009/ # of Links on Bilton, Nick e the Homepage Sandhaus, 2009 of 98 Top Eva Websites http://www.nickbilton.com/98/ 45
  • 46. The prospects for graphic Boston paper. The Consulting impact of 2009 Group substitution, the outlook for demand http://www.bcg.com/documents/file15093.pdf Future of newspapers is Breitbart 2009 digital: http://www.breitbart.com/article.php?id=CNG.9e659a Murdoch 195c9672b4d97891bdc87f1fa6.8f1&show_article=1 Forum: the Caplan, Future of http://www.time.com/time/business/article/0,8599,15 2006 Jeremy Newspapers 66014,00.html Os conflitos entre jornalistas de Casotti, João 2009 impresso e da Web em http://www.nosdacomunicacao.com/panorama_inter debate na.asp?panorama=224&tipo=R The Conover, newspaper http://xark.typepad.com/my_weblog/2009/06/the- 2009 Dan suicide pact newspaper-suicide-pact.html Chronicle http://www.sfgate.com/cgi- Coté, John presses roll for bin/article.cgi?f=/c/a/2009/07/04/BAQS18ICCT.DTL& 2009 the last time tsp=1 What Newspapers Crosbie, Vin and Their Web 2004 Sites Must Do to Survive http://www.ojr.org/ojr/business/1078349998.php What Newspapers Crosbie, Vin and Their Web 2009 Sites Must Do to Survive http://www.ojr.org/ojr/business/1078349998.php Media http://www.deloitte.com/assets/Dcom- Delloite Predictions Global/Local%20Assets/Documents/TMT/Predictions 2010 2010 %202010%20PDFs/Media_predictions_2010.pdf 46
  • 47. Are Democracy Newspapers http://www.democracynow.org/features/the_death_of 2009 Now Dying? _newspapers_and_the_future_o The Debate: Deragon, Jay Free vs. Paid http://www.newmediahire.com/profiles/blogs/the- 2009 Content debate-free-vs-paid Downie Jr., The Leonard e Reconstruction 2009 Schudson, of American http://www.cjr.org/reconstruction/the_reconstruction_ Michael Journalism of_american.php?page=all outlook for newspapers in the digital age: Drum, Kevin Moving into 2009 multiple business http://tbmdb.blogspot.com/2009/05/outlook-for- models, newspaper-publishing-moving.html 15 Years to http://www.motherjones.com/kevin-drum/2009/10/15- Drum, Kevin 2009 Go years-go Edgecliffe- Call to Johnson, subsidise local http://www.ft.com/cms/s/0/a27402ac-bd10-11de- 2009 Andrew news reporting a7ec-00144feab49a.html Edgecliffe- News groups http://www.ft.com/cms/s/0/50dbe576-de09-11de- Johnson, open new 2009 Andrew e b8e2- online front Kenneth L 00144feabdc0.html?ftcamp=rss&nclick_check=1 A Portuguese success story: Emma Heald could i be the 2009 future of http://www.editorsweblog.org/analysis/2009/11/a_por newspapers? tuguese_success_story_could_i_be_th.php The Newspaper Genie Can’t Evans, Mark 2009 Be Stuffed Back in the http://www.markevanstech.com/2009/05/11/the- Bottle newspaper-genie-cant-be-stuffed-back-in-the-bottle/ Fair How U.S. http://fairsyndication.org/guidelines/USnewspaperco 2009 Syndication newspaper ntentreusestudy.pdf 47
  • 48. Consortium content is reused and monetized online Economist Group's Profit Fell, Jason 2009 Jumps 26 http://www.foliomag.com/2009/economist-group-s- Percent profit-jumps-26-percent U.S. bill seeks Ferraro, to rescue 2009 Thomas faltering http://www.reuters.com/article/politicsNews/idUSTRE newspapers 52N67F20090324 U.S. bill seeks Ferraro, to rescue 2009 Thomas faltering http://www.reuters.com/article/politicsNews/idUSTRE newspapers 52N67F20090324 Conteúdos http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Media/Interior.aspx?co Gaspar, Ana 2009 são o futuro ntent_id=1290385 Gaudeul, Alexia; Blogs and the Peroni, Economics of 2009 Chiara e Reciprocal Mathieu, Attention Laurence http://ideas.repec.org/p/pra/mprapa/11298.html Saving Newspapers Gillmor, Dan Part MMIX: 2009 Collude and http://www.boingboing.net/2009/03/09/saving- Conspire newspapers-pa.html "I" the new portuguese Giner, Juan quality national 2009 newspaper (4): http://www.innovationsinnewspapers.com/index.php/ the facts 2009/05/05 Strategic Gold, James Transformatio http://factiva.com/contentcomm/panpa/Wed_Gold_St 2009 n rategic_Transformation.pdf Harper, Kerry aims to http://www.washingtontimes.com/news/2009/apr/22/ 2009 Jennifer rescue kerry-aims-to-rescue-newspaper-industry 48
  • 49. newspapers All The News Harris, Jacob That's Fit To http://nimblecode.com/2006/11/29/all-the-news- 2006 Serve thats-fit-to-serve/ Advertising the Harris, Jacob future http://nimblecode.com/2006/12/13/advertising-the- 2006 newspaper future-newspaper/ Advertising set for mild Holton, Kate 2009 2010 recovery- http://www.guardian.co.uk/business/feedarticle/8593 forecast 115 Citizen Huffington, journalists: 2009 Arianna Online Paul http://whatmatters.mckinseydigital.com/internet/citize Reveres n-journalists-online-paul-reveres How to Save Isaacson, Your http://www.time.com/time/business/article/0,8599,18 2009 Walter Newspaper 77191,00.html How to Save Isaacson, Your http://www.time.com/time/business/article/0,8599,18 2009 Walter Newspaper 77191,00.html Alan Rusbridger on Ivan, Robert 2009 the Future of http://blog.metaprinter.com/2009/04/alan-rusbridger- Journalism on-the-future-of-journalism/ Internet newspaper job Jackson, adverts fall 2009 Allison 51pc on http://www.theaustralian.news.com.au/business/stor annual basis y/02812425739107-64300.html The future of newspapers is Jespers, now: New http://www.webkitchen.be/2009/05/11/the-future-of- 2009 Serge York Times Reader v2 newspapers-is-now-new-york-times-reader-v2- released released/ Financial http://www.freemedia.at/index.php?id=78&tx_ttnews[ Jotman Crisis: Did the tt_news]=4431&tx_ttnews[backPid]=70&cHash=809 2009 Media Get it d31f2e7 49
  • 50. Right? Grupos de comunicação social formam JRS. Lusa cooperativa 2009 para gerir direitos de http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&f autor okey=ex.stories/534793 Condé Nast’s Offering for Apple’s Kafka, Peter http://mediamemo.allthingsd.com/20091118/conde- 2009 Mystery Tablet: Wired nasts-offering-for-apples-mystery-tablet-wired- Magazine magazine/ Could Augmented Kennedy, Reality Be the 2009 Eoin Answer To Newspaper Woes http://eoinkennedy.ie/blog/?p=191 Twitter Passes Kirkpatrick, NYT WSJ in 2009 Marshall Unique http://www.readwriteweb.com/archives/twitter_passe Visitors s_nyt_wsj_in_unique_visitors.php Newspapers Shifting Coverage Kirkpatrick, Local As 2008 Marshall Online Challenge http://www.readwriteweb.com/archives/newspapers_ Grows shifting_coverage.php The New Koblin, John Media e Religion: 2008 McGeveran, 'Platform http://www.observer.com/2008/media/new-media- Tom Agnostic' religion-platform-agnostic The Evolution Lapham, of the 1995 Chris Newspaper of http://www.ibiblio.org/cmc/mag/1995/jul/lapham.html 50
  • 51. the Future 80% of US Lardinois, Consumers http://www.nytimes.com/external/readwriteweb/2009/ 2009 Frederic Won't Pay For 11/16/16readwriteweb-80-of-us-consumers-wont- Online Content pay-for-online-cont-76026.html The Future of http://www.centernetworks.com/how-to-save- Lewis, Dan 2009 Newspapers newspapers Rival Dublin freesheets Luft, Oliver Herald AM and 2009 Metro Ireland http://www.guardian.co.uk/media/2009/jul/02/herald- to merge am-and-metro-ireland-merge John Kerry to hold Senate hearings on Luft, Oliver 2009 future of US newspaper http://www.guardian.co.uk/media/2009/apr/21/john- industry kerry-senate-us-newspapers Google alia-se ao "New York Lusa Times" e ao 2009 "Washington http://aeiou.expresso.pt/google-alia-se-ao-new-york- Post" times-e-ao-washington-post=f552178 Survey finds Lush, 55% won't pay 2009 Jennifer for online http://www.editorsweblog.org/newspaper/2009/10/su content rvey_finds_55_wont_pay_for_online_cont.php Free vs. paid Macmillan, online news 2009 Robert debate returns http://www.financialpost.com/story.html?id=1396182 Small and Mid- http://www.marketingcharts.com/print/small-and-mid- Size Marketing size-newspapers-ripe-for-picking- Newspapers 2009 Charts Ripe for 9605/?utm_campaign=newsletter&utm_source=mc& Picking utm_medium=textlink The Masnick, Economics of 2009 Mike Abundance http://www.youtube.com/watch?v=VuxMJ8lnYA4 Masnick, The Debate Is http://techdirt.com/articles/20091019/0113066577.sh 2009 51
  • 52. Mike Not Free vs. tml Paid Massive Disconnect: Paywall Analysis Masnick, Claims It's 2010 Mike Reasonable To Expect 66% Of Readers To http://www.techdirt.com/articles/20100127/20592979 Pay 51.shtml After Three Months, Newsday's Masnick, Grand Paywall 2010 Mike Experiment Has 35 Paying Customers. http://techdirt.com/articles/20100126/1515217905.sh Yes, 35. tml Why McMaken, journalists 2009 Ryan deserve low pay http://blog.mises.org/archives/009983.asp Conteúdo pago dá início Mendes, a ritual de 2009 Ricardo suicídio dos jornais http://www.convergemagazine.com.br/?p=3670 Mercedes http://www.guardian.co.uk/media/2010/mar/15/pew- 2010 Bunz paywalls Condé Nast Launches Mickey, Bill 2009 Reader for the http://www.foliomag.com/2009/cond-nast-launches- iPhone reader-iphone John Kerry: Newspapers Miga, Resemble 2009 Andrew Endangered http://www.editorandpublisher.com/eandp/news/articl Species e_display.jsp?vnu_content_id=1003969724 52
  • 53. Personal daily: brand Niiu day Miller, Marek 2009 for the printed http://forum4editors.com/2009/10/a-brand-niuu-day- press for-the-printed-newspapers-is-coming/ Customized 'Niiu' Nealy, Brett 2009 newspaper http://www.dw- launched world.de/dw/article/0,,4899459,00.html The State of Newspaper the news http://www.stateofthemedia.org/2009/narrative_yeari 2009 Content media nthenews_newspapers.php?media=2&cat=1 Adolescente analisa Pereira, João http://www.publico.pt/Tecnologia/adolescente- consumo de 2009 Pedro media por analisa-consumo-de-media-por- adolescentes adolescentes_1391577 Editors and Pérez-Peña, Publishers in a 2009 Richard Revolving http://www.nytimes.com/2009/01/19/business/media/ Door 19paper.html?_r=1&8dpc About Half in Pérez-Peña, U.S. Would http://www.nytimes.com/2009/11/16/business/media/ 2009 Richard Pay for Online 16paywall.html?_r=1&scp=1&sq=pay%2048%&st=c News, se Publisher Lays Out Plan to Pfanner, Eric 2009 Save http://www.nytimes.com/2009/12/07/business/media/ Newspapers 07iht-springer07.html?_r=2&ref=media French Papers Aim at Pfanner, Eric 2009 Younger http://www.nytimes.com/2009/10/28/business/media/ Readers 28papers.html?_r=1&pagewanted=print Academe and Plunkert, the Decline of http://chronicle.com/article/Academethe-Decline- 2009 Dave News Media of/49120/ Internet an Pointe, Kirk 2009 opportunity http://www.financialpost.com/story.html?id=1547385 Pontin, How to Save 2009 Jason Media http://www.technologyreview.com/blog/pontin/23489/ 53
  • 54. Posner, The Future of http://www.becker-posner- 2009 Richard Newspapers blog.com/archives/2009/06/the_future_of_n.html A brand new era: managing in a downturn, Pricewaterho positioning for 2009 useCoopers an upturn in the media http://www.pwc.co.uk/eng/publications/a_brand_new sector _era.html Moving into multiple business Pricewaterho models* 2009 useCoopers Outlook for Newspaper Publishing in http://www.wan- the Digital Age press.org/IMG/pdf/NewsPaperOutlook2009.pdf Project for Excellence in Annual report Journalism e on american 2009 Rick journalism http://www.stateofthemedia.org/2008/narrative_news Edmonds papers_intro.php?cat=0&media=4 Blogs, wikis Quiggin, and creative 2009 John innovation http://ideas.repec.org/p/rsm/pubpol/p06_1.html Rosenberg, Memories of a 2009 Scott paywall http://www.guardian.co.uk/media/2009/dec/03/memo pioneer ries-paywall-pioneer The Future of Money: It’s Flexible, Roth, Daniel 2010 Frictionless and (Almost) http://www.wired.com/magazine/2010/02/ff_futureof Free money/ Aumento de vendas de Sá, Sónia http://jpn.icicom.up.pt/2009/06/14/aumento_de_vend jornais prova 2009 Silva que público as_de_jornais_prova_que_publico_volta_a_confiar_ "volta a confiar na_imprensa.html 54
  • 55. na imprensa" How To Save The Schonfeld, Newspapers. 2009 Erick Vol. XII: http://www.techcrunch.com/2009/06/28/how-to-save- Outlaw Linking the-newspapers-vol-xii-outlaw-linking/ Google To Newspaper Schonfeld, Industry: Don't 2009 Erick Shoot The Gift Horse That http://www.techcrunch.com/2009/12/03/google- Feeds You newspaper-industry-dont-shoot-gift-horse/ Newspaper Seward, execs treading 2009 Zachary carefully on http://www.niemanlab.org/2009/05/newspaper- antitrust laws execs-treading-carefully-on-antitrust-laws/ New York Times Ready Sherman, to Charge 2009 Gabriel Online http://nymag.com/daily/intel/2010/01/new_york_time Readers s_set_to_mimic_ws.html The Newspaper Shirky, Clay Industry and 2008 the Arrival of http://www.boingboing.net/2008/12/08/the- the Glaciers newspaper-indust.html Newspapers and Thinking Shirky, Clay 2009 the http://www.shirky.com/weblog/2009/03/newspapers- Unthinkable and-thinking-the-unthinkable/ The Debate Shirky, Clay Zone: Will e Brill, people pay for 2009 Steven content http://whatmatters.mckinseydigital.com/the_debate_ online? zone/will-people-pay-for-content-online 10 obvious things about http://ryansholin.com/2007/06/02/10-obvious-things- Sholin, Ryan 2007 the future of about-the-future-of-newspapers-you-need-to-get- newspapers through-your-head/ 55
  • 56. you need to get through your head 10 obvious Sholin, Ryan things one http://ryansholin.com/2008/06/04/10-obvious-things- 2008 year later one-year-later/ What's Black And White And Red All Over? Siegler, MG Top 2009 Newspaper http://www.techcrunch.com/2009/10/26/whats-black- Circulation and-white-and-red-all-over-top-newspaper- Numbers. circulation-numbers/ Times Techie Envisions the Singel, Ryan 2009 Future of http://www.wired.com/epicenter/2009/03/the-future- News of-n/ Newspapers Slavin, Ed. e look like an 2009 Kerry, John endangered http://cleanupcityofstaugustine.blogspot.com/2009/0 species 5/ap-john-kerry-newspapers-look-like.html Newspapers: Sonderman, 180 Years of 2009 Jeff not charging http://www.newsfuturist.com/2009/07/newspapers- for content 180-years-of-not-charging.html Investigative Steiger, Paul reporting in the http://whatmatters.mckinseydigital.com/internet/inves 2009 Web era tigative-reporting-in-the-web-era The State of Stephey, MJ. the Media: Not http://www.time.com/time/arts/article/0,8599,188534 2009 Good 9,00.html Mobile Phones with Augmented Reality http://www.poynter.org/column.asp?id=31&aid=1663 Sullivan, Will 2009 Applications 70 Could Change News Experience 56
  • 57. SFN: Reports and 'Future Taylor, Sara and Change' http://www.sfnblog.com/circulation_and_readership/2 2009 survey 009/12/sfn_reports_and_future_and_change_survey analysis .php The Who killed the http://www.economist.com/displaystory.cfm?story_id 2006 Economist newspaper? =7830218 The circulation of America's The http://www.economist.com/daily/chartgallery/display biggest 2009 Economist newspapers is Story.cfm?story_id=14739939&source=features_box falling 4 Network effects. How a new communicatio The ns technology 2009 Economist disrupted America’s newspaper industry—in http://www.economist.com/businessfinance/displayst 1845 ory.cfm?story_id=15108618 The Project The State of for the News 2009 Excellence in http://www.stateofthemedia.org/2008/narrative_news Media 2008 Journalism papers_intro.php?cat=0&media=4 The Trend Socialnomics 2009 Watch http://www.youtube.com/watch?v=MdhxgJ7ZNy4 The Wall Pressure on Street http://online.wsj.com/public/resources/documents/NE 2009 the Presses Journal WSPAPERS0903.html Taking the Paper out of News. A case study of Thurman, Taloussanomt, 2009 Neil Europe’s first online-only newspaper. http://www.city.ac.uk/journalism/dps/thurman_myllyla Journalism hti.pdf 57
  • 58. Studies Can design Utko, Jacek save the http://blog.metaprinter.com/2009/04/jacek-utko-can- 2009 newspaper? design-save-the-newspaper/ VA Zenith http://www.zenithoptimedia.com/ TrendsSpottin g's 2010 Social Media Influencers - VA 2009 Trend Predictions in http://www.slideshare.net/TrendsSpotting/2010- 140 social-media-influencers-trend-predictions-in-140- Characters characters Trend VA 2009 Watching http://trendwatching.com/briefing/ VA Toccon http://toccon.blip.tv/ The State of VA the News 2009 Media 2009 http://www.stateofthemedia.org/2009/index.htm The Nieman VA Journalism 2009 Lab http://www.niemanlab.org/ State of The VA 2009 Media http://www.stateofthemedia.org/2009/index.htm VA Press Gazette http://www.pressgazette.co.uk/ Newspaper circulation (per VA capita) (most 2009 recent) by http://www.nationmaster.com/graph/med_new_cir_p country ercap-media-newspaper-circulation-per-capita Manifesto Internet. Como o jornalismo VA 2009 funciona hoje. 17 constatações. http://manifesto-internet.org/ VA Living Stories http://livingstories.googlelabs.com/ 2009 58
  • 59. http://www.epceurope.org/presscentre/archive/Intern Hamburg VA ational_publishers_demand_new_intellectual_proper 2009 Declaration ty_rights.shtml Forum 4 VA 2009 Editors http://forum4editors.com/ Fifty years in Media: VA 2009 Changes in Journalism http://athome.harvard.edu/programs/fym/ VA Fast Flip http://fastflip.googlelabs.com/ 2009 Editor and publisher. Information VA Authority for 2009 the Newspaper Industry http://www.editorandpublisher.com/eandp/index.jsp Chronicling the Decline of Newspapers VA 2009 and the Rebirth of Journalism http://www.newspaperdeathwatch.com Boston VA Consoulting http://www.bcg.com/media/PressReleaseDetails.asp 2009 Group x?id=tcm:12-35297 Blogs VA Journalism http://blogs.journalism.co.uk/ Blog: WAN VA Congress 2009 2009 http://www.ifra.net/blogs/wan-congress-2009 Audit Bureau VA 2009 of Circulations http://www.accessabc.com/ The Changing VA 2008 Newsroom http://www.journalism.org/node/11961 Editos Web VA 2009 Blog http://www.editorsweblog.org/ The http://www.pewinternet.org/Reports/2010/The- VA 2010 economics of economics-of-online-news.aspx?r=1 59
  • 60. online news Google’s News Van Grove, Experiment 2009 Jennifer Gets 24 More http://mashable.com/2009/12/16/google-fast-flip- Publishers additions/ Newspaper economics: Varian, Hal 2010 online and http://googlepublicpolicy.blogspot.com/2010/03/news offline paper-economics-online-and-offline.html US Senate Vaznis, panel to look http://www.boston.com/business/articles/2009/04/20/ 2009 James at future of us_senate_panel_to_look_at_future_of_newspapers newspapers / Can Computer Villano, Matt Nerds Save http://www.time.com/time/business/article/01902202 2009 Journalism? 00.html Two suitors for Weisman, Globe join Robert e 2009 forces to http://www.boston.com/business/articles/2009/07/03/ Beth, Healy submit bid two_suitors_for_globe_join_forces_to_submit_bid/ Poll: Most won't pay to Whitney, read 2010 Lance newspapers http://news.cnet.com/8301-1023_3-10433893- online 93.html Resolved: Newspapers Windsor, Tim could die. Now 2009 what? A panel http://www.niemanlab.org/2009/05/resolved- in Baltimore newspapers-are-dying-now-what/ Salvation (for Wright, Newspapers) http://opinionator.blogs.nytimes.com/2010/01/26/how 2010 Robert Is at Hand -to-make-readers-pay-happily/?hp Yelvington, Should this be 2009 Steve illegal? http://www.yelvington.com/blog/yelvington?page=2 60
  • 61. OberCom - Observatório da Comunicação Palácio Foz - Praça dos Restauradores 1250-187 Lisboa PORTUGAL e-mail: obercom@obercom.pt tel.: +351 213221319 fax: +351 213221320 http://www.obercom.pt Este trabalho está licenciado para Creative Commons Attribution-NonCommercial 2.5 61