• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
105 dinamica
 

105 dinamica

on

  • 7,433 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,433
Views on SlideShare
7,433
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
147
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    105 dinamica 105 dinamica Document Transcript

    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 1 UNESP 3b) Observando-se o movimento de gravidade, durante um determinado intervalo de um carrinho de 0,4 kg ao longo de uma de tempo, é fazer um desses aviões trajetória retilínea, verificou-se que sua a) voar em círculos, num plano vertical, velocidade variou linearmente com o tempo de com velocidade escalar constante. acordo com os dados da tabela. b) voar em círculos, num plano horizontal, com velocidade escalar constante. c) voar verticalmente para cima, com aceleração igual a  .g d) voar horizontalmente, em qualquer No intervalo de tempo considerado, a direção, com aceleração igual a  .g intensidade da força resultante que atuou no e) cair verticalmente de grande altura, em carrinho foi, em newtons, igual a queda livre. (A) 0,4. (B) 0,8. UNESP 37c) Certas cargas transportadas (C) 1,0. por caminhões devem ser muito bem amarradas (D) 2,0. na carroceria, para evitar acidentes ou, mesmo, (E) 5,0. para proteger a vida do motorista, quando precisar frear bruscamente o seu veículo. Esta UNESP 38d) Uma moeda está deitada, em precaução pode ser explicada pela cima de uma folha de papel, que está em cima a) lei das malhas de Kirchhoff. de uma mesa horizontal. Alguém lhe diz que, se b) lei de Lenz. você puxar a folha de papel, a moeda vai c) lei da inércia (primeira lei de Newton). escorregar e ficar sobre a mesa. Pode-se afirmar d) lei das áreas (segunda lei de Kepler). que isso e) lei da gravitação universal de Newton. a) sempre acontece porque, de acordo com o princípio da inércia, a moeda tende a manter- UNESP 38d) Um observador, num se na mesma posição em relação a um referencial inercial, observa o corpo I referencial fixo na mesa. descrevendo uma trajetória circular com b) sempre acontece porque a força velocidade de módulo v constante, o corpo II aplicada à moeda, transmitida pelo atrito com a descrevendo uma trajetória retilínea sobre um folha de papel, é sempre menor que a força plano horizontal com aceleração a constante e o aplicada à folha de papel. corpo III descrevendo uma trajetória retilínea c) só acontece se o módulo da força de com velocidade v contante, descendo um plano atrito estático máxima entre a moeda e o papel inclinado. for maior que o produto da massa da moeda pela aceleração do papel. d) só acontece se o módulo da força de atrito estático máxima entre a moeda e o papel for menor que o produto da massa da moeda pela aceleração do papel. e) só acontece se o coeficiente de atrito estático entre a folha de papel e a moeda for Nestas condições, podemos afirmar que o menor que o coeficiente de atrito estático entre a módulo da resultante das forças atuando em folha de papel e a mesa. cada corpo é diferente de zero a) no corpo I, somente. UNESP 39e) Turistas que visitam Moscou b) no corpo II, somente. podem experimentar a ausência de gravidade c) no corpo III, somente. voando em aviões de treinamento de d) nos corpos I e II, somente. cosmonautas. Uma das maneiras de dar aos e) nos corpos I e III, somente. passageiros desses vôos a sensação de ausência
    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 2 UNESP 41b) Na figura, o bloco A, de a) determine a razão mA /mB para que os volume V, encontra-se totalmente imerso num blocos A e B permaneçam em equilíbrio estático. líquido de massa específica d, e o bloco B, de b) determine a razão mA /mB para que o volume (3/2)V, totalmente imerso num líquido bloco A desça o plano com aceleração g/4. de massa específica (2/3)d. Esses blocos estão a) mA/mB = 2 em repouso, sem tocar o fundo do recipiente, b) mA/MB = 5 ou mA/mB = 1 presos por um fio de massa desprezível, que passa por polias que podem girar sem atrito. UNESP 37e) A unidade da força resultante F, experimentada por uma partícula de massa m quando tem uma aceleração a, é dada em Newtons. A forma explícita dessa unidade, em unidades de base do SI, é a) kg.m/s b) m/(s.kg) c) kg.s/m d) m/(s2.kg) e) kg.m/s2 UNESP 39a) Dois blocos, A e B, de massas m e 2m, respectivamente, ligados por um fio inextensível e de massa desprezível, estão inicialmente em repouso sobre um plano Se mA e mB forem, respectivamente, as horizontal sem atrito. Quando o conjunto é massas de A e B, ter-se-á: puxado para a direita pela força horizontal  F a) mB/mA = 2/3 aplicada em B, como mostra a figura, o fio fica b) mB/mA = 1 sujeito à tração T1. Quando puxado para a c) mB/mA = 6/5 esquerda por uma força de mesma intensidade d) mB/mA = 3/2 que a anterior, mas agindo em sentido contrário, e) mB/mA = 2 o fio fica sujeito à tração T2. UNESP 13) Considere dois blocos A e B, com massas mA e mB respectivamente, em um plano inclinado, como apresentado na figura. Nessas condições, pode-se afirmar que T2 é igual a a) 2T1 b)  2⋅T 1 Desprezando forças de atrito, c) T1 representando a aceleração da gravidade por g e d) utilizando dados da tabela T1 e) 2 UNESP 12) Um bloco de massa 2,0 kg repousa sobre outro de massa 3,0 kg, que pode deslizar sem atrito sobre uma superfície plana e
    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 3 horizontal. Quando uma força de intensidade 2,0 N, agindo na direção horizontal, é aplicada ao bloco inferior, como mostra a figura, o conjunto passa a se movimentar sem que o bloco superior escorregue sobre o inferior. b) A resultante tem módulo m g sen θ, direção paralela ao plano e sentido para baixo. UNESP 38d) Dois blocos idênticos, A e B, se deslocam sobre uma mesa plana sob ação de Nessas condições, determine uma força de 10N, aplicada em A, conforme a) a aceleração do conjunto. ilustrado na figura. b) a intensidade da força de atrito entre os dois blocos. a) a aceleração tem módulo 0,40m/s2, direção horizontal e sentido para a direita b) 0,80N Se o movimento é uniformemente acelerado, e considerando que o coeficiente de atrito cinético entre os blocos e a mesa é µ = 0,5, UNESP 13) A figura mostra um bloco de a força que A exerce sobre B é: massa m subindo uma rampa sem atrito, a) 20N. inclinada de um ângulo θ, depois de ter sido b) 15N. lançado com uma certa velocidade inicial. c) 10N. d) 5N. e) 2,5N. UNESP 46c) Uma gotícula de óleo com massa m e carga elétrica q atravessa, sem sofrer qualquer deflexão, toda a região entre as placas paralelas e horizontais de um capacitor polarizado, como mostra a figura. Desprezando a resistência do ar, a) faça um diagrama vetorial das forças que atuam no bloco e especifique a natureza de cada uma delas. b) determine o módulo da força resultante Se a distância entre as placas é L, a no bloco, em termos da massa m, da aceleração diferença de potencial entre as placas é V e a g da gravidade e do ângulo θ. Dê a direção e o aceleração da gravidade é g, é necessário que sentido dessa força. q/m seja dada por a) Peso: natureza gravitacional a) gV/L Reação normal de apoio: natureza b) VL/g eletromagnética c) gL/V d) V/gL e) L/gV
    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 4 UNESP 14) A figura ilustra um bloco A, sobre o corpo, o valor estimado da força de de massa mA = 2,0 kg, atado a um bloco B, de atrito é (se necessário, usar cos 30º = 0,9 e massa mB = 1,0 kg, por um fio inextensível de sen30º = 0,5) massa desprezível. O coeficiente de atrito (A) 20 N. cinético entre cada bloco e a mesa é µc. Uma (B) 10 N. força F = 18,0 N é aplicada ao bloco B, fazendo (C) 5,0 N. com que ambos se desloquem com velocidade (D) 3,0 N. constante. (E) 1,0 N. UNESP 21) O campo elétrico entre duas placas paralelas, carregadas com a mesma quantidade de cargas, mas com sinais contrários, colocadas no vácuo, pode ser considerado Considerando g = 10,0 m/s2, calcule constante e perpendicular às placas. Uma a) o coeficiente de atrito µc. partícula alfa, composta de dois prótons e dois b) a tração T no fio. nêutrons, é colocada entre as placas, próxima à a) 0,60 placa positiva. Nessas condições, considerando b) 12,0N que a massa da partícula alfa é de, aproximadamente, 6,4.10–27 kg e que sua carga UNESP 39A) Um bloco de massa mA vale 3,2.10–19 C, que a distância entre as placas é desliza no solo horizontal, sem atrito, sob ação de 16cm e o campo entre elas vale 0,010N/C, de uma força constante, quando um bloco de determinar: massa mB é depositado sobre ele. Após a união, a) o módulo da aceleração da partícula a força aplicada continua sendo a mesma, porém alfa; a aceleração dos dois blocos fica reduzida à b) o valor da velocidade da partícula alfa quarta parte da aceleração que o bloco A ao atingir a placa negativa. possuía. Pode-se afirmar que a razão entre as a) 5,0 . 105m/s2 massas, mA / mB, é b) 4,0 . 102m/s a) 1/3. b) 4/3. UNESP 47a) Um dispositivo para medir a c) 3/2. carga elétrica de uma gota de óleo é constituído d) 1. de um capacitor polarizado no interior de um e) 2. recipiente convenientemente vedado, como ilustrado na figura. UNESP 39c) Sobre um avião voando em linha reta com velocidade constante, pode-se afirmar que a força (A) de resistência do ar é nula. (B) de sustentação das asas é maior que a força peso. (C) resultante é nula. (D) de resistência do ar é o dobro da força de sustentação das asas. (E) da gravidade pode ser desprezada. UNESP 42c) Um corpo de massa 1,0 kg A gota de óleo, com massa m, é desliza com velocidade constante sobre um abandonada a partir do repouso no interior do plano inclinado de 30º em relação à horizontal. capacitor, onde existe um campo elétrico Considerando g = 10 m/s2 e que somente as uniforme E. Sob ação da gravidade e do campo forças peso, normal e de atrito estejam agindo elétrico, a gota inicia um movimento de queda
    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 5 com aceleração 0,2 g, onde g é a aceleração da à ação de três forças, conforme indica o gravidade. O valor absoluto (módulo) da carga esquema. pode ser calculado através da expressão A força  é a que uma pessoa exerce F1 a) Q = 0,8 mg/E. empurrando a caixa ao longo da mesa;  é a P b) Q = 1,2 E/mg. força peso da caixa e  é a resultante das F2 c) Q = 1,2 m/gE. forças: de reação da mesa sobre a caixa e de d) Q = 1,2 mg/E. atrito que a mesa exerce sobre a caixa. Dos e) Q = 0,8 E/mg. esquemas indicados, o que representa corretamente a soma vetorial das forças é: UNESP 12) Uma das modalidades esportivas em que nossos atletas têm sido premiados em competições olímpicas é a de barco a vela. Considere uma situação em que um barco de 100 kg, conduzido por um velejador com massa de 60 kg, partindo do repouso, se desloca sob a ação do vento em movimento uniformemente acelerado, até atingir a velocidade de 18 km/h. A partir desse instante, passa a navegar com velocidade constante. Se o barco navegou 25 m em movimento uniformemente acelerado, qual é o valor da força aplicada sobre o barco? Despreze resistências ao movimento do barco. 80N UNESP 11) Um rebocador puxa duas barcaças pelas águas de um lago tranqüilo. A primeira delas tem massa de 30 toneladas e a segunda, 20 toneladas. Por uma questão de economia, o cabo de aço I que conecta o rebocador à primeira barcaça suporta, no máximo, 6×105N, e o cabo II, 8×104N. UNESP 40e) Uma bola de pequeno diâmetro deve ser elevada, lentamente e com velocidade constante, à altura h. Considere duas opções: erguê-la mediante o uso de uma corda e Desprezando o efeito de forças resistivas, uma polia ideais (esquema I) ou empurrá-la ao calcule a aceleração máxima do conjunto, a fim longo do plano inclinado (esquema II). de evitar o rompimento de um dos cabos. Γmáx = 4m/s2 UNESP 37a) Uma caixa apoiada sobre uma mesa horizontal movimenta-se com velocidade constante, submetida exclusivamente Se desprezarmos o atrito, a bola é erguida com a aplicação da menor força, quando
    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 6 (A) se eleva a bola na vertical, utilizando a módulo aproximado da aceleração do avião e polia. melhor representa a inclinação do pêndulo? (B) se eleva a bola utilizando qualquer uma das opções sugeridas. (C) se empurra a bola ao longo do plano inclinado com ângulo α igual a 60º. (D) se empurra a bola ao longo do plano inclinado com o ângulo α igual a 45º. (E) se empurra a bola ao longo do plano inclinado com o ângulo α igual a 30º. UNESP 76A) Num jato que se desloca sobre uma pista horizontal, em movimento retilíneo uniformemente acelerado, um passageiro decide estimar a aceleração do avião. Para isto, improvisa um pêndulo que, quando suspenso, seu fio fica aproximadamente estável, UNESP 16) Algumas montanhas-russas formando um ângulo θ = 25º com a vertical e em possuem inversões, sendo uma delas repouso em relação ao avião. Considere que o denominada loop, na qual o carro, após uma valor da aceleração da gravidade no local vale descida íngreme, faz uma volta completa na 10 m/s2, e que sen 25º ≅ 0,42; cos 25º ≅ 0,90; tan vertical. Nesses brinquedos, os carros são 25º ≅ 0,47. Das alternativas, qual fornece o erguidos e soltos no topo da montanha mais alta para adquirirem velocidade. Parte da energia potencial se transforma em energia cinética, permitindo que os carros completem o percurso, ou parte dele. Parte da energia cinética é novamente transformada em energia potencial enquanto o carro se move novamente para o segundo pico e assim sucessivamente. Numa montanha-russa hipotética, cujo perfil é apresentado, o carro (com os passageiros), com massa total de 1000 kg, é solto de uma altura H = 30 m (topo da montanha mais alta) acima da base de um loop circular com diâmetro d = 20 m. Supondo que o atrito entre o carro e os trilhos é desprezível, determine a aceleração do carro e a força vertical que o trilho exerce sobre o carro quando este passa pelo ponto mais alto do loop. Considere g = 10 m/s2. a = 20m/s2 FB = 1,0 . 104N
    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 7 UNIFESP 50d. Durante o campeonato mundial de futebol, exibiu-se uma propaganda em que um grupo de torcedores assistia a um jogo pela TV e, num certo lance, um jogador da seleção brasileira chutava a bola e esta parava, para desespero dos torcedores, exatamente sobre a linha do gol. Um deles rapidamente vai até a TV e inclina o aparelho, e a cena seguinte mostra a bola rolando para dentro do gol, como conseqüência dessa inclinação. As figuras mostram as situações descritas. Supondo que a ação do espectador sobre a TV pudesse produzir um efeito real no estádio, indique a alternativa que melhor representaria as forças que agiriam sobre a bola nas duas situações, respectivamente. UNIFESP 48b. Em um salto de pára- quedismo, identificam-se duas fases no movimento de queda do pára-quedista. Nos primeiros instantes do movimento, ele é acelerado. Mas devido à força de resistência do ar, o seu movimento passa rapidamente a ser uniforme com velocidade v1, com o pára-quedas ainda fechado. A segunda fase tem início no momento em que o pára-quedas é aberto. Rapidamente, ele entra novamente em um regime de movimento uniforme, com velocidade v2. Supondo que a densidade do ar é constante, a força de resistência do ar sobre um corpo é proporcional à área sobre a qual atua a força e ao quadrado de sua velocidade. Se a área efetiva aumenta 100 vezes no momento em que o pára- quedas se abre, pode-se afirmar que (A) v2/v1=0,08. (B) v2/v1=0,1. (C) v2/v1=0,15. (D) v2/v1=0,21. (E) v2/v1=0,3.
    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 8 UNIFESP 14. É comum vermos, durante UNIFESP 48a. A figura representa um uma partida de voleibol, a bola tomar bloco B de massa mB apoiado sobre um plano repentinamente trajetórias inesperadas logo horizontal e um bloco A de massa mA a ele depois que o jogador efetua um saque. A bola pendurado. O conjunto não se movimenta por pode cair antes do esperado, assim como pode causa do atrito entre o bloco B e o plano, cujo ter sua trajetória prolongada, um efeito coeficiente de atrito estático é µB. inesperado para a baixa velocidade com que a bola se locomove. Quando uma bola se desloca no ar com uma velocidade v e girando com velocidade angular ω em torno de um eixo que passa pelo seu centro, ela fica sujeita a uma força Fmagnus = k.v.ω. Essa força é perpendicular à trajetória e ao eixo de rotação da bola, e o seu sentido depende do sentido da rotação da bola, Não leve em conta a massa do fio, como ilustrado na figura. O parâmetro k é uma considerado inextensível, nem o atrito no eixo constante que depende das características da da roldana. Sendo g o módulo da aceleração da bola e da densidade do ar. gravidade local, pode-se afirmar que o módulo da força de atrito estático entre o bloco B e o plano (A) é igual ao módulo do peso do bloco A. (B) não tem relação alguma com o módulo do peso do bloco A. (C) é igual ao produto mB·g·µB, mesmo que esse valor seja maior que o módulo do peso de A. (D) é igual ao produto mB·g·µB, desde Esse fenômeno é conhecido como efeito que esse valor seja menor que o módulo do peso Magnus. Represente a aceleração da gravidade de A. por g e despreze a força de resistência do ar ao (E) é igual ao módulo do peso do bloco B. movimento de translação da bola. a) Considere o caso em que o saque é UNIFESP 48B. Na representação da efetuado na direção horizontal e de uma altura figura, o bloco A desce verticalmente e traciona maior que a altura do jogador. A bola de massa o bloco B, que se movimenta em um plano M segue por uma trajetória retilínea e horizontal horizontal por meio de um fio inextensível. com uma velocidade constante v, atravessando Considere desprezíveis as massas do fio e da toda a extensão da quadra. Qual deve ser o roldana e todas as forças de resistência ao sentido e a velocidade angular de rotação ω a ser movimento. imprimida à bola no momento do saque? b) Considere o caso em que o saque é efetuado na direção horizontal, de uma altura h, com a mesma velocidade inicial v, mas sem imprimir rotação na bola. Calcule o alcance horizontal D da bola. a) Com o vento soprando para a esquerda, o sentido de rotação da bola deve ser anti- horário. Fmagnus = P ; ω=Mg/kv Suponha que, no instante representado na b) D=v  2h g figura, o fio se quebre. Pode-se afirmar que, a partir desse instante,
    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 9 (A) o bloco A adquire aceleração igual à repentinamente e, por inércia, a cabeça do da gravidade; o bloco B pára. motorista tende a permanecer com a velocidade (B) o bloco A adquire aceleração igual à da que possuía, sendo projetada para trás em gravidade; o bloco B passa a se mover com relação ao veículo e recebendo do banco uma velocidade constante. força para frente que resulta em um impacto (C) o bloco A adquire aceleração igual à da contra o “protetor” de cabeça. A lei física é o gravidade; o bloco B reduz sua velocidade e Princípio da Inércia ou 1ª Lei de Newton. tende a parar. b) demonstração a cargo do estudante (D) os dois blocos passam a se mover com velocidade constante. UNIFESP 47C. Na figura está (E) os dois blocos passam a se mover com representado um lustre pendurado no teto de a mesma aceleração. uma sala. UNIFESP 11) Na divulgação de um novo modelo, uma fábrica de automóveis destaca duas inovações em relação à prevenção de acidentes decorrentes de colisões traseiras: protetores móveis de cabeça e luzes intermitentes de freio. Em caso de colisão traseira, “os protetores de cabeça, controlados por sensores, são movidos Nessa situação, considere as seguintes para a frente para proporcionar proteção para a forças: cabeça do motorista e do passageiro dianteiro I. O peso do lustre, exercido pela Terra, dentro de milisegundos. Os protetores [...] aplicado no centro de gravidade do lustre. previnem que a coluna vertebral se dobre, em II. A tração que sustenta o lustre, aplicada caso de acidente, reduzindo o risco de no ponto em que o lustre se prende ao fio. ferimentos devido ao efeito chicote [a cabeça é III. A tração exercida pelo fio no teto da forçada para trás e, em seguida, volta rápido sala, aplicada no ponto em que o fio se prende para a frente].” As “luzes intermitentes de freio ao teto. […] alertam os motoristas que estão atrás com IV. A força que o teto exerce no fio, maior eficiência em relação às luzes de freio aplicada no ponto em que o fio se prende ao convencionais quando existe o risco de acidente. teto. Testes [...] mostram que o tempo de reação de Dessas forças, quais configuram um par frenagem dos motoristas pode ser encurtado em ação-reação, de acordo com a Terceira Lei de média de até 0,20 segundo se uma luz de aviso Newton? piscante for utilizada durante uma frenagem de (A) I e II. emergência. Como resultado, a distância de (B) II e III. frenagem pode ser reduzida em 5,5 metros (C) III e IV. [aproximadamente, quando o carro estiver] a (D) I e III. uma velocidade de 100 km/h.” (E) II e IV. (www.daimlerchrysler.com.br/noticias/Agosto/N ova_ClasseE_2006/ popexpande.htm) UNIFESP 13. Um dos brinquedos prediletos de crianças no verão é o toboágua. A a) Qual lei da física explica a razão de a emoção do brinquedo está associada à grande cabeça do motorista ser forçada para trás quando velocidade atingida durante a descida, uma vez o seu carro sofre uma colisão traseira, dando que o atrito pode ser desprezado devido à origem ao “efeito chicote”? Justifique. presença da água em todo o percurso do b) Mostre como foi calculada a redução na brinquedo, bem como à existência das curvas distância de frenagem. fechadas na horizontal, de forma que a criança a) Quando o carro sofre uma colisão percorra esses trechos encostada na parede traseira, a velocidade do carro aumenta lateral (vertical) do toboágua.
    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 10 Fuvest 59c) Uma esfera de massa m está pendurada por um fio, ligado em sua outra extremidade a um caixote, de massa M=3m, sobre uma mesa horizontal. Quando o fio entre eles permanece não esticado e a esfera é largada, após percorrer uma distância H, ela atingirá uma velocidade V, sem que o caixote se mova. Na situação em que o fio entre eles estiver esticado, a esfera, puxando o caixote, após percorrer a mesma distância H, atingirá uma velocidade V igual a Sabendo que a criança de 36 kg parte do repouso, de uma altura de 6,0 m acima da base do toboágua, colocado à beira de uma piscina, calcule: Dado: g = 10,0 m/s2 a) A força normal, na horizontal, exercida sobre a criança pela parede lateral do toboágua, no ponto indicado na figura (curva do toboágua situada a 2,0 m da sua base) onde o raio de curvatura é igual a 80 cm. b) A força dissipativa média exercida pela a) 1/4V água da piscina, necessária para fazer a criança b) 1/3V parar ao atingir 1,5 m de profundidade, c) 1/2V considerando que a criança entra na água da d) 2V piscina com velocidade, na vertical, e) 3V aproximadamente igual a 10,9 m/s, desprezando-se, neste cálculo, a perda de Fuvest 2) Uma pessoa pendurou um fio de energia mecânica no impacto da criança com a prumo no interior de um vagão de trem e água da piscina. percebeu, quando o trem partiu do repouso, que a) 3,6kN o fio se inclinou em relação à vertical. Com b) Fdissipativa = 1,4kN, Ftotal água = 1,8kN auxílio de um transferidor, a pessoa determinou que o ângulo máximo de inclinação, na partida Unicamp 3) Ao se usar um saca-rolhas, a do trem, foi 14o. Nessas condições, força mínima que deve ser aplicada para que a a) represente, na figura da página de rolha de uma garrafa comece a sair é igual a resposta, as forças que agem na massa presa ao 360N. fio. a) Sendo µe=0,2 o coeficiente de atrito b) indique, na figura da página de resposta, estático entre a rolha e o bocal da garrafa, o sentido de movimento do trem. encontre a força normal que a rolha exerce no c) determine a aceleração máxima do trem. bocal da garrafa. Despreze o peso da rolha. b) Calcule a pressão da rolha sobre o bocal da garrafa. Considere o raio interno do bocal da garrafa igual a 0,75cm e o comprimento da rolha igual a 4,0cm. a) 1,8x103N b) 1,0x106Pa
    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 11 NOTE E ADOTE: junto com a roda. A alavanca é acionada pela tg14o=0,25. força F e o pino no ponto C é fixo. O coeficiente aceleração da gravidade na Terra, de atrito cinético entre a peça de borracha e o g=10m/s2. tambor é µC=0,40. Verifique se o diagrama foi impresso no a) Qual é o módulo da força normal que a espaço reservado para resposta. borracha B exerce sobre o tambor quando Indique a resolução da questão. Não é F=750N?Despreze a massa da alavanca. suficiente apenas escrever as respostas. b) Qual é o módulo da força de atrito b) Se o pêndulo se inclina para a entre a borracha e o tambor? esquerda, a aceleração é dirigida para a direita e, como o trem parte do repouso, o sentido do movimento é para a direita (oposto ao do deslocamento do fio). c) amáx=2,5m/s2 UNIFESP 49d. A figura representa um caixote transportado por uma esteira horizontal. Ambos têm velocidade de módulo v, constante, suficientemente pequeno para que a resistência c) Qual é o módulo da força aplicada do ar sobre o caixote possa ser considerada pelo pino sobre a alavanca no ponto C? desprezível. a) 2,5x103N ou 2,5kN b) 1,0x103N ou 1,0 kN Pode-se afirmar que sobre esse caixote, c) ≅ 2,0x103N ou ≅ 2,0 kN na situação da figura, (A) atuam quatro forças: o seu peso, a Unicamp 2) O aperfeiçoamento de reação normal da esteira, a força de atrito entre a aeronaves que se deslocam em altas velocidades esteira e o caixote e a força motora que a esteira exigiu o entendimento das forças que atuam exerce sobre o caixote. sobre um corpo em movimento num fluido. Para (B) atuam três forças: o seu peso, a isso, projetistas realizam testes aerodinâmicos reação normal da esteira e a força de atrito entre com protótipos em túneis de vento. Para que o o caixote e a esteira, no sentido oposto ao do resultado dos testes corresponda à situação real movimento. das aeronaves em vôo, é preciso que ambos (C) atuam três forças: o seu peso, a sejam caracterizados por valores similares de reação normal da esteira e a força de atrito entre uma quantidade conhecida como número de o caixote e a esteira, no sentido do movimento. Reynolds R . Esse número é definido como (D) atuam duas forças: o seu peso e a R=VL/b, onde V é uma velocidade típica do reação normal da esteira. movimento, L é um comprimento característico (E) não atua força nenhuma, pois ele tem do corpo que se move e b é uma constante que movimento retilíneo uniforme. depende do fluido. a) Faça uma estimativa do comprimento total das asas e da velocidade de um avião e calcule o seu número de Reynolds. Para o ar, bar≅1,5x10–5m2/s. b) Uma situação de importância biotecnológica é o movimento de um micro- organismo num meio aquoso, que determina seu Unicamp 4) Um freio a tambor funciona gasto energético e sua capa cidade de encontrar de acordo com o esquema da figura abaixo. A alimento. O valor típico do número de Reynolds peça de borracha B é pressionada por uma nesse caso é de cerca de 1,0 x10–5, bastante alavanca sobre um tambor cilíndrico que gira diferente daquele referente ao movimento de um
    • vicenteventura2112@yahoo.com.br - Lista 105: Dinâmica - vicenteventura.blogspot.com 12 avião no ar. Sabendo que uma bactéria de 2,0µm a) 5,0x108 de comprimento tem massa de 6,0x10 –16kg, b) 7,5x10–27J encontre a sua energia cinética média. Para a água, bágua≅1,0x10–6m2/s.