Inserção Internacional do Agronegócio Brasileiro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Inserção Internacional do Agronegócio Brasileiro

on

  • 1,192 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,192
Views on SlideShare
1,192
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
30
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Inserção Internacional do Agronegócio Brasileiro Presentation Transcript

  • 1. Inserção Internacional do Agronegócio Brasileiro (1ª Parte) Prof. MSc Ricardo Cotta Ferreira
  • 2. Sumário • • • • • • • Conceito Agronegócio Ciclos da Agricultura Brasileira – Histórico Dados recentes Comércio Exterior Fontes do dinamismo brasileiro Principais Importadores e Exportadores Perspectivas para o Brasil Principais Problemas
  • 3. Conceito Agronegócio AMBIENTE INSTITUCIONAL CULTURA, TRADIÇÕES, EDUCAÇÃO, COSTUMES INSUMOS T1 AGROPECUÁRIA T2 INDÚSTRIA T3 DISTRIBUIÇÃO ATACADO DISTRIBUIÇÃO VAREJO T4 T5 AMBIENTE ORGANIZACIONAL INFORMAÇÃO, ASSOCIAÇÕES, P&D, FINANÇAS, FIRMAS Fonte: Zylbersztajn & Farina (1997). Estraído de Waacke Terreran (1998, p.87) T=Transações Típicas entre os elos do sistema
  • 4. Fim do ciclo da borracha: mercado e tecnologia Fim do ciclo do café: crack bolsa de NY 1700 Início dos ciclos Minerais: ouro, pedras Agrícola: subsistência e açúcar… 1850 1500 Descobrimento Extração pau brasil 1930 Fim do ciclo cacau: fitosanitário 1945 Ciclos: borracha, cacau e café 1970 Desbravamento do cerrado: Embrapa 2000 Nova ordem geopolítica mundial 2007... Nova ordem econômica, com desenvolvimento do mercado de capitais Internacionalização do Agro
  • 5. Ciclos da Agricultura Brasileira (1500-1950) • Agricultura de Exportação: Madeiras Especiais (Pau Brasil), açúcar, café, cacau, borracha • Agricultura de Subsistência: arroz, feijão, mandioca, carnes. • 1880: 65% das Exportações Brasileiras era café • Brasil 1950: sociedade rural – somente 36% da população vivia nas cidades.
  • 6. Transição da Agricultura Brasileira (1950-1970) • Modelo de Substituição de Importações • Decisão Governamental: Industrialização. • Processo de Urbanização: 1. População Urbana 1950: 36% 2. 1970: 56% • Suprimento de Alimentos para Cidades • Diversificação da Agricultura
  • 7. Agricultura brasileira depois de 1970 Desbravamento do Cerrado • Novos Sistemas de Pesquisa e Extensão – Embrapa e Embrater • Crédito para a produção: Custeio e Investimento • Diversificação das Exportações • Diversificação da Demanda Interna • Conceitos da Revolução Verde, sistemas de Produção e Cadeias • Crédito Subsidiano e Garantia de Preço Mínimo
  • 8. Financiamento Público à Agricultura 140,0 Estima-se que o financiamento oficial compreenda entre 20% a 25% do financiamento total necessário a agricultura Bilhões de Reais 120,0 100,0 80,0 Juros Controlados 60,0 40,0 Juros Livres (23%) 20,0 Pronaf BNDES / 20 08 09 /1 0 05 07 03 20 01 20 99 19 97 19 95 19 93 19 91 19 89 19 87 19 85 19 83 19 81 19 77 79 19 20 20 Fonte: BACEN. 19 75 19 73 19 71 19 19 69 0,0 Outros
  • 9. Valor bruto da produção (quantidade x valor) e crédito
  • 10. Tipos de crédito ao setor rural
  • 11. Dimensão do Agronegócio PIB Brasil 2012 R$ 4,020 trilhões (US$ 2,087 trilhões) PIB Agronegócio 2010 US$ 373 bilhões Agronegócio Agricultura US$ 260 bilhões (71%) (18%) PIB Demais setores (82%) US$ 1714,7 bilhões Exportações totais 2012 Agronegócio Pecuária US$ 113 bilhões (29%) US$ 242,58 bilhões Agronegócio US$ 95,8 bilhões (39,5%) Demais setores US$ 146,8 bilhões (60,5%) Fonte: CEPEA/USP; CNA, MAPA e IPEA. US$ 1 = R$ 1,98 Emprego Agronegócio 37%
  • 12. Balança Comercial Brasileira
  • 13. Participação Agrícola no Comércio Mundial
  • 14. Saldo da Balança Comercial US$ bilhões Agronegócio 50 Outros setores Total 35 20 5 -10 -25 -40 2000 2001 Total Brasil Dem ais Produtos Agronegócio Participação % Fonte: Secex 2002 2003 2004 2005 2006 Exportação (US$ m ilhões) 2011 2012 D% 256.039 242.580 -5,3 161.071 146.766 -8,9 94.968 95.814 0,9 37,1 39,5 - 2007 2008 2009 2010 Janeiro-Dezem bro Im portação (US$ m ilhões) 2011 2012 D% 226.243 223.142 -1,4 208.743 206.736 -1,0 17.500 16.406 -6,2 7,7 7,4 - 2011 2012 Saldo 2011 29.796 -47.672 77.468 - 2012 19.438 -59.970 79.408 - Elabo ração : M A P A /SRI/DP I
  • 15. Pauta de Exportação do Agronegócio 1997 2012 Açúcar e Álcool; 17% Café; 9% Couros e Produtos; 2,7% Exportações 1997 US$ 20,7 bilhões 2012 US$ 95,8 bilhões Fonte: Agrostat/MAPA. Outros; 12,5% Complexo Soja; 25% Produtos Florestais; 10% Fumo e Produtos; 3% Carnes; 16,5% Cereais e Produtos; 4,3%
  • 16. Principais produtos de exportação Principais exportações do agronegócio 2011 Participação 2001 Participação Valor (US$) (%) Valor (US$) (%) COMPLEXO SOJA 24.139 25,42 5.290 22,17 COMPLEXO SUCROALCOOLEIRO 16.180 17,04 2.371 9,94 CARNES 15.639 16,47 2.926 12,26 PRODUTOS FLORESTAIS 9.638 10,15 4.069 17,06 CAFÉ 8.733 9,19 1.417 5,94 FUMO E SEUS PRODUTOS 2.935 3,10 944 3,96 CEREAIS, FARINHAS E PREPARAÇÕES 4.164 4,38 571 2,39 COUROS, PRODUTOS DE COURO E PELETERIA 2.761 2,91 2.328 9,76 SUCOS DE FRUTA 2.566 2,70 880 3,69 FIBRAS E PRODUTOS TÊXTEIS 2.168 2,28 994 4,17 DEMAIS PRODUTOS 6.045 6,36 2.067 8,66 94.968 100% 23.857 100% Total das Exportações do Agronegócio
  • 17. 1997 2012
  • 18. Pauta de Exportação do Agronegócio Quem mais contribuiu com a evolução das exportações do agro brasileiro?
  • 19. Potencial do comércio agrícola brasileiro
  • 20. Potencial do comércio agrícola brasileiro
  • 21. Índice de preços dos alimentos no mundo
  • 22. De onde vem o Dinamismo do Agronegócio Brasileiro? - Façam grupos de 4 colegas e escolham 1 para apresentar os argumentos. - Responda a pergunta acima escolhendo 1 só tema considerado principal. - 10 min para discussão em grupo - 5 min para exposição para o restante da classe.
  • 23. Produção de Grãos (histórico das últimas 22 safras) Milhões de ton e ha Produção Total Soja Total 180 2012/103= 185 milhões de ton 90/2013 Δ = +220% 83,4 Soja 45% do total 90/2011 Δ = +440% Milho 150 Outros Grãos Milho Área Total 120 41% do total 90/2013 Δ = +216% 90 15,4 60 53,0 50,9 38 Área Grãos 53 milhões de ha 90/2013 Δ = +40% 30 0 90/91 92/93 94/95 96/97 98/99 00/01 02/03 04/05 06/07 08/09 10/11 12/13 Fonte: CONAB.
  • 24. Histórico da Produtividade (1990 – 2008) Kg/ha Kg.eq.carc/cabeça 50 Δ = +70% Pecuária de Corte 47,7 3,5 Grãos 45 3 3,038 40 2,5 Δ = +108% 35 2 1,458 30 1,5 28,0 25 1 1990 1992 Fonte: CONAB e CNA 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008*
  • 25. Produção Nacional de Carnes (última década) em mil t.e.c e ton Δ = +149% 12.000 Bovina 11.127 Frango 10.000 Suína 9.180 8.000 Δ = +58% 5.820 6.000 4.000 Δ = +107% 4.461 3.190 2.000 1.540 0 1997 1998 1999 Fonte: CNA, ABEF, ABIPECS 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
  • 26. Evolução da Produção Mundial de Carnes Fonte: USDA
  • 27. Evolução do comércio internacional de carnes Fonte: USDA
  • 28. Produção de Açúcar e Álcool 39 36 Pr od u ct io n (m i ll io n t on an d m ³ ) 33 30 27 24 AÇÚCAR: + 457% 21 18 15 ALCOOL: + 133% 12 9 6 3 0 90/91 92/93 94/95 Fontes: SPAE / MAPA e Conab 96/97 98/99 00/01 02/03 04/05 06/07 08/09 10/11 * Estimativa (3º Levantamento de Cana-de-Açúcar: 2010/2011- Jan/11)
  • 29. Principais produtos de exportação
  • 30. Fatores de Sucesso do Agronegócio • Terra relativamente barata e em grande parte mecanizável; • Disponibilidade de tecnologia tropical; • Clima propício (regularidade pluviométrica e luminosidade); • Gente empreendedora.
  • 31. Subsídio Equivalente ao Produtor (PSE*) 60 50 2004-2006 45,5 2007p 40 25,7 22,5 30 18,4 20 16,9 9,9 10 4,8 5,5 13,6 E.U.A. México 8,4 0,7 0 Nova Zelândia Brasil** Austrália China** Rússia** Canadá OCDE U.E.27 Japão Fonte: OCDE. *PSE é calculado pela OCDE e mede a transferência de renda para os produtores rurais (subsídios diretos), bem como o nível de proteção advindo de política de preços e restrições às importações (subsídios indiretos). ** Dados para Média 2002-2004 *** Dados são para Média 2002-2003.
  • 32. Evolução dos preços reais dos alimentos IGP-DI Base 100 = mai/1970 (1970-2008) 250 Leite Carne 200 Grãos PPP 150 Potência (PPP) 100 50 0 jun/70 jun/73 Fonte: FGV jun/76 jun/79 jun/82 jun/85 jun/88 jun/91 jun/94 jun/97 jun/00 jun/03 jun/06 jun/09
  • 33. Valor Bruto da Produção por setor (em R$ bilhões) +16% Carne de Boi +14% Soja -12% Cana-de-Açúcar -1% Frango -2% Leite +20% Milho +14% Café Beneficiado 0 Fonte: CNA. * Projeção 10 20 2011 30 2010 40 50 60
  • 34. Exportações do agronegócio (em USD bilhões) -1% Complexo Soja +15% Carnes +50% Açúcar e Alcool +28% Produtos Florestais +34% Café 0 Fonte: Balança Comercial/MAPA. 2 4 6 8 2010 10 2009 12 14 16 18 20
  • 35. Perspectivas mundiais para o agro brasileiro, principais drivers de sustentação do crescimento - Façam grupos de 4 colegas e escolham 1 para apresentar os argumentos. - Responda a pergunta acima escolhendo 1 só tema considerado principal. - 10 min para discussão em grupo - 5 min para exposição para o restante da classe.
  • 36. Crescimento médio anual do PIB (PPP) Crescimento Asiático (últimos 10 anos) Importações de Alimentos (China + Índia) China Índia Soja, flv e algodão 50 45,3 39,4 Legumes, vegetais e tubérculos Cereais 34,5 Oleaginosas M Ton 19,1 18,9 1997 1998 29,5 27,9 30 20 8,9% 48,7 frutas e nozes Carnes 40 11,5% 21,6 10 0 Fonte: FMI e FAO 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005
  • 37. Nova demanda por biocombustíveis Milho e Soja Área e Prod. nos EUA 50 Algodão Área e Prod. nos EUA M Ton M Ha +18,8% 350 10,0 M Ha M Ton 6,0 300 40 8,0 -16,4% 5,0 250 4,0 30 200 6,0 3,0 150 20 4,0 - 9,2% 2,0 100 2,0 10 1,0 50 0 0 04/05 05/06 Área Milho Produção Milho 06/07 07/08 08/09* Área Soja Produção Soja 0,0 0,0 04/05 05/06 Área 06/07 07/08 08/09* Produção Fonte: USDA
  • 38. Utilização do milho nos EUA 350 300 Ração Exportação Etanol Outros Usos 36 35 35 (milhões de ton) 250 48 60 35 52 54 46 19% 40 20 25 149 141 41 156 156 30 16% 54 48 34 150 19% 35 35 200 55 35 19% 81 25% 104 31% 54 100 147 142 144 138 2006/2007 2007/2008 2008/2009 50 0 2001/2002 2002/2003 2003/2004 2004/2005 Fonte:USDA (2008a). Elaboração: Embrapa Gado de Leite 2005/2006
  • 39. Crescimento da população entre 2005 X 2050 Pela 1ª vez, a população urbana supera a rural.
  • 40. Crescimento Demográfico (Filme)
  • 41. Fonte: Revista Veja Edição 2143
  • 42. Crescimento no consumo de alimentos no mundo 2003 2004 40000 2005 2006 2007 30000 MTon 2008* 20000 10000 0 North America European Union Fonte: USDA Oceania South Asia Asia South America
  • 43. Consumo per capta por tipos de alimento no mundo (em kg/hab/ano)
  • 44. Distribuição Agrária no Brasil em milhões de ha e % Pastagem e Campos Naturais 172 20,2 Lavouras Temporárias 55 6,4 Lavouras Permanentes 17 2,0 Florestas Cultivadas 5 0,6 Unidades de Conservação Federais e Estaduais 176 20,7 Áreas Indígenas 107 12,6 Áreas de Assentamentos Rurais 77 9,0 Áreas Devolutas e outros usos 171 20,1 Áreas Inexploradas Disponíveis para Agricultura (não considera Floresta Amazônica) 71 8,4 Total 851 100 Fonte: IBGE, MAPA, Conab, ABRAF, INCRA e MMA.
  • 45. Quais são os grandes desafios para o agronegócio brasileiro? - Façam grupos de 4 colegas e escolham 1 para apresentar os argumentos. - Responda a pergunta acima escolhendo 1 só tema considerado principal. - 10 min para discussão em grupo - 5 min para exposição para o restante da classe.
  • 46. Problemas • Melhoria da infra-estrutura: estradas, portos, aeroportos; • Defesa agropecuária: aftosa, influenza aviária; • Desenvolvimento tecnológico (biotecnologia); • Concentração dos mercados; • Protecionismo dos ricos.
  • 47. Desafio da infra-estrutura Novas Rotas de Escoamento – regiões de crescimento rápido Participação dos modais de transporte (%) Rodoviário 60,5 Ferroviário 20,7 Aéreo 0,4 Aquaviário 13,6 Condições das Estradas Péssimo Ótimo 15% 12% Bom 14% Ruim 24% Principais portos Fonte: ANTT e CNA Deficiente Rotas Tradicionais de Escoamento 35%
  • 48. Desafio da infra-estrutura i) Modal Rodoviário • Contingenciamento da aplicação de recursos da CIDE (dos cerca de R$ 7,8 bilhões/ano, 40% não são aplicados em transportes) ii) Modal hidroviário • Cabotagem cara (impostos) e cartelizada • AFRMM (R$ 250 milhões cobrado em 2007 =25 % do frete de imp.) • Portos ineficientes Paranaguá (dragagem) / São Luis (licitação Tegram) iii) Modal Ferroviário • Passagem de nível e invasões em faixa de domínio Ferrovias (reduzem velocidade média para 23 km/h) • Direitos de passagens iv) Modal Aeroviário • Dispensa comentários Carga Transportada (em TKU) 1997 (início das concessões) 138.352 2006 237.003
  • 49. Medidas Gerais • É de fundamental importância a retomada dos investimentos em infra-estrutura. • Ampliar a participação dos modais de transporte mais competitivos, hidroviário e ferroviário. • Reduzir custos de transporte. • Estruturar os corredores estratégicos de transportes (Centro-Oeste). • Desafogar os Portos da Região Sul e ampliar a capacidade escoamento dos Portos de Paranaguá, Santos e Sepetiba.
  • 50. FERROVIAS
  • 51. Atrasos na uso da biotecnologia Dificuldades e impedimentos para liberalização de pesquisa e uso de OGMs pela CTNBio Incremento na renda bruta agrícola com o uso de OGMs (US$Milhões) EUA 12.945 5.168 Brasil 1. Politização das posições (ideologização acima da ciência) 5.389 China Razões: Argentina 1.367 Outros 1.945 Redução do impacto ambiental com uso de OGMs para SojaHT (- pesticidas) 3. Falta de estrutura da Comissão 29% Argentina 21% Paraguai 13% Canadá 2. Guerra judicial EUA 9% África do Sul 7% Brasil 6% Fonte: ISAAA.
  • 52. Concentração de mercados • Alta concentração de mercado nas duas pontas = defesa da concorrência Defensivos = U$ 8 bilhões/ano + Fertilizantes = U$ 18 bilhões/ano 6 empresas de defensivos = 75% do mercado 3 grupos de fertilizantes = + de 95% do mercado de matérias-primas 5 milhões de produtores rurais Concentração cada vez maior na AGROINDÚSTRIA
  • 53. FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL GLOBAL COMPETITIVENESS REPORT • Pesquisa feita há 30 anos visando prover Benchmarking para líderes empresariais e governantes a fim de possibilitar identificar obstáculos para a melhoria da competitividade do país. • Dados Internacionais + Pesquisa de opinião executiva (Executive Opinion Survey) • Abrangeu em 2011 144 países com mais de 13 mil pesquisas onde foram imputadas notas de 1 a 7 em 12 quesitos de competitividade. • O GCI (Global Competitiveness Index) é um índice que considera fundamentos macro e microeconômicos da competitividade nacional. Fonte: Global Competitiveness Report 2012-13 Ranking 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 33 48 País Suíça Singapura Finlândia Suécia Holanda Alemanha Estados Unidos Reino Unido Hong Kong Japão Quatar Dinamarca Taiwan Canada Noruega Austria Bélgica Arábia Saudita Coréia do Sul Austália Chile Brasil GCI 5,72 5,67 5,55 5,53 5,50 5,48 5,47 5,45 5,41 5,40 5,38 5,29 5,28 5,27 5,27 5,22 5,21 5,19 5,12 5,12 4,65 4,40
  • 54. Competitividade mundial
  • 55. Custo país Instituições 7 Inovação 6 infraestrutura Brasil Chile OCDE (4.4) (4.7) (5.1) 5 Ambiente de negócios 4 Estabilidade macroeconômica 3 2 1 Tamanho de mercado 0 Saúde e educação básica Absorção tecnológica Sofisticação do mercado financeiro Educação superior e técnico Eficiência do mercado de bens Eficiência do mercado de trabalho
  • 56. Projeções de crescimento do consumo = crescimento da população + renda (PIB) • A partir do ano 2000 houve descolamento do crescimento dos PED com o resto do mundo, passando a crescer em taxas bem maiores. Esta tende a acentuar ainda mais até 2014. • América Latina puxando crescimento dos PED e mundo para baixo. • Crescimento 2010: Mundo: PD: PED: AL: 3,1% 1,3% 5,1% 2,9%
  • 57. O que mede valor de uma marca
  • 58. O Mercado de consumo em 10 marcas
  • 59. Considerações finais • O Agronegócio brasileiro está totalmente inserido no mercado internacional. • A tendência será rumo à especialização na produção e diversificação nas exportações. • As importações terão pouco peso, concentrando-se em fertilizantes e trigo. • O dinamismo do Agronegócio está no comércio internacional. Disponibilidade de terras, tecnologia tropical e empreendedores impulsionarão o setor. • Dever de casa: melhorar a infra-estrutura e a defesa sanitária.