Your SlideShare is downloading. ×
0
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
I NfâNcia2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

I NfâNcia2

2,003

Published on

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,003
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Oh, Que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tardes fagueiras, À sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjais! Como são belos os dias Do despontar da existência! - Respira a alma inocência Como perfumes a flor; O mar é – lago sereno, O céu – um manto azulado, O mundo – um sonho dourado, A vida – um hino d´amor Que auroras, que sol, que vida, Que noites de melodia Naquela doce alegria, Naquele ingênuo folgar! O céu bordado d´estrelas, A terra de aromas cheia, As ondas beijando a areia E a lua beijando o mar! Oh! Dias da minha infância! Oh! Meu céu de primavera! Que doce a vida não era Nessa risonha manhã! Em vez das mágoas de agora, Eu tinha nessas delícias De minha mãe as carícias E beijos de minha irmã! Livre filho das montanhas, Eu ia bem satisfeito, Da camisa aberta o peito, - Pés descalços, braços nus – correndo pelas Campinas à roda das cachoeiras, atrás das asas ligeiras das borboletas azuis! (...) Casimiro de Abreu , Meus oito anos, In:Laurito Ilka. Casimiro de Abreu: seleção de textos, notas, estudos biográficos, histórico e crítico e exercícios. São Paulo: Abril Educação, 1982. p. 16 – 7. (Literatura Comentada) MEUS OITO ANOS
  • 2. Eu nasci naquela terra ensolarada E por mim amada E pelo mar banhada Lá sempre que estava só Podia contar com os abraços de minha avó E nas manhãs clareadas, Eu acordava depressa Para ouvir o bem-te-vi Cantar na janela aberta Nas tardes quentes de sábado Caminhava eu na praia com os pés na areia olhando o sol se pôr no horizonte alaranjado Saí eu do Rio de Janeiro Fui para São Paulo morar Mas nunca esqueci O que lá eu vivi Eu vivo acompanhada Do melhor que eu tenho: Minhas lembranças, Das minhas andanças, Pela minha terra amada! Luiza Queiroz 6º ano E Minhas Lembranças
  • 3. Oh! Que saudades que tenho Dos tempos passados, antigos Da minha infância querida Que se foi devagar. Dos dias ensolarados Das tardes alaranjadas Das noites de céu estrelado Em que eu dormia tranqüila Debaixo da doce luz do luar Dos doces sonhos que tinha Da leve vida que vivia Brincando no meu jardim Correndo detrás dos jasmins Do belo canto dos pássaros Da beleza do sabiá Que me davam imensa alegria Ao ouvir e olhar. Dos jogos, das brincadeiras Dos sonhos e das magias Da minha imensa alegria Ao passar do dia. Fernanda Sampaio 6ºE DOCES SONHOS
  • 4. Tenho falta Sinto falta Da minha Criança Porque brincava De dança De ir ao parquinho Sem estar arrumadinho Comia no “ Mc Donald’s” E ia ao cinema Sem problemas Achar um tanque de areia Uma piscina Com inocência Sem clemência Tenho saudade De ter um sorriso Branco de paz, Mas... Não é o caso Pois, a partir do momento Que envelhecemos Só perdemos a infância Cada vez mais! Luiz Filipe G. Slikta- 6º E Saudades da Infância
  • 5. Como eram felizes aqueles dias Cheios de alegria Com a agilidade Da eletricidade Sexta-feira, o melhor dia Porque a minha mãe não dizia: “ Tá na hora de dormir, vá pra cama” Ficava no sofá assistindo Rama ½ E, no domingão Eu via um filmão Sem nenhuma preocupação De fazer lição Adorava pega-pega Agora é só tecnologia Que cada vez mais me contagia E também assistia às coisas de que eu ria, como ria... Rodrigo Missumi A MINHA INFÂNCIA
  • 6. Oh, que saudades que tenho, Daqueles tempos em que eu, Pulava corda e jogava bola Como eram belos os dias, Em que corria pelo quintal Da minha tia Como era gostoso brincar De amarelinha e escolinha, Cavar um buraco na areia Encher bexigas para Depois estourá-las Sinto falta dos meus amiguinhos Brincando na piscininha e No campinho de areia Bom mesmo era O jardim da infância, Que sempre tinha Jogos, brincadeiras, músicas e desenhos. Agora já estou crescida, Mas nunca me esqueço Da minha infância tão divertida! Gabriella Fernanda Costa - 6°E Infância Querida
  • 7. Oh, que lembranças eu tenho, De minha doce infância! Como eram lindos Os carinhos e as carícias Que minha mãe fazia Em meu belo rostinho! Muitos afagos Nos meus cabelos. E, as brincadeiras com minha amiga querida, Isabella, nas manhãs ensolaradas?... Cantarolava o passarinho suaves melodias, Juntas dávamos risadas, e a felicidade Batia na porta! O destino não tinha direção, Não sabia Aonde ia; Também fazíamos viagens Aventuras sem igual , Pegávamos as bagagens E assim, Seguíamos em frente pela estrada afora! Tinham doces de goiaba com canela E, até sanduíches de mortadela! Jessyca Cristhyne Moura Mendes-6°E Bela Infância
  • 8. Oh, que saudades que tenho De minha bela infância. Que os dias jamais irão voltar! Do jogo de tabuleiro E da praia com caranguejo Como são belos os dias, Que vivo da minha vida. Com amigos e inimigos Comidas e corridas Amor e Rancor Que maravilhas, que sol, Que vida! Noites lindas de melodia, Com música e alegria Vivendo os dias Com amor e harmonia! Oh! Dias da minha infância! Como pude ter tanta implicância Tive muitas aventuras Não tanto como minhas desculpas Hoje em dia, Já estou vivendo muito bem Com alegria e muita simpatia! Natan Yoshida Minha Infância
  • 9. Hoje em dia, deito na cama. Lembrando de quando eu era criança Velhos tempos, onde ser responsável importante não era Quando me irritavam, Ficava uma fera! Era pequeno e não tinha noção Aventurava-me em coisas sem pé nem mão. Ainda lembro-me da pintura a dedo Pintava sem dó nem medo! Infância velha não volta Bons tempos quando tudo parecia torta Adorava brincar Cantar e pular Minha infância se resume a isso: Cantar, pular, brincar Sem medo de me machucar Levando a vida sem a modificar Quando eu era criança PEDRO LEITE
  • 10. A minha infância Foi uma festança Gostava de dança Eu era criança Fui em um sítio Para me divertir Subi no cavalo E do cavalo cai! Fui jogar futebol Para não fazer mal Joguei com meu pai E me dei mal A visita no sítio Era muito legal Levava meus amigos E era animal. MINHA INFÂNCIA Rodrigo Godinho
  • 11. Minha infância eu adorei Pois brincava sem parar Muitos amigos eu tive e nós amávamos aprontar! Vários animais eu tive Mas um eu amava de montão: Era meu cachorrão! Futebol era meu esporte Atacante era a minha posição Fazia muito gol E dava muito driblão! Minha família eu amava Pai,mãe e irmão Eles todos juntos Estavam em meu coração! Ricardo 6°E Infância
  • 12. Como eu era feliz Naquela época em que Só pensava em Jogar futebol Eu me lembro quando Jogava basquete No clube e saía De joelho ralado Eu me lembro Como se fosse hoje Que eu levava Meus amigos em casa Para jogar videogame Eu me lembro Quando depois do futebol Nós parávamos apenas Para conversar, Sobre filmes, Jogos, brincadeiras... Ah, tempo bom! Pedro Dini Infância
  • 13. Que saudades daquele tempo Quando eu pulava corda e jogava bola Eu me lembro do dia que meu irmão veio me ver na natação Também lembro Daquelas férias Onde não vi ninguém Da minha idade Tinham pessoas Mais velhas e sérias Gostava dos meus amiguinhos Eram bem engraçadinhos Aqueles menininhos Pareciam maluquinhos Lembro das menininhas Bem dengosinhas Que gostavam de brincar De lousinha e de amarelinha Infância PEDRO MOLARI
  • 14. Oh, que saudades que tenho Da minha viagem à praia Dos castelos que fiz, Vestindo minhas saias No domingo tinha churrasco Sem dó, eu comia Delicioso, até demais Almoçava com meus primos Tudo na maior folia! Brincar no prédio, eu amava! Aquela areia, entre os meus dedos, Subia e descia não me cansava Infelizmente, minha mãe Me mandava Dormir cedo... Animais: minha paixão! Minha vovó e suas gatas Em fazendas, adorava ir E a mais linda gata Era a mulata. Como eu Queria, voltar no tempo! BEATRIZ GOMES BUSSOTTI

×