Your SlideShare is downloading. ×

Cartilha solar

4,917
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
4,917
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ©Greenpeace/Otávio Almeida Cartilha Solar
  • 2. nergia elétrica é essencial para a vida moderna, e é preciso produzi-la em larga escala para atender toda a população de um país. Porém, esse processo de produção de eletricidade pode causar enormes impactos ambientais. É o que acontece com as termelétricas à carvão, que lançam toneladas de CO2 na atmosfera, ou pode acontecer com as grandes hidrelétricas, que alagam grandes porções de terra, desalojando pessoas e animais de seu habitat natural. Frente a isso, o Greenpeace ressalta a importância do investimento em energias renováveis, como a solar. A partir da medida da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), que permite a instalação de microgeradores renováveis em residências, como placas solares, é possível baratear a conta de luz em até 60%. E Além disso, energia solar é sustentável, infinita e se mostra cada vez mais competitiva no mercado mundial. sua e ad cont tual a luz nta (R$) 38,08 s e serviços + 14,01 + 12,26 Descrição 06/13 05/13 160 160 03/13 02/13 160 160 04/13 160 01/13 160 10/12 160 12/12 11/12 160 160 Medidor cador Fator Multipli 12345678 Tensão Nominal 127/220 (BT) 1 V 09/12 08/12 160 160 07/12 06/12 160 160 12345678 e devoluções - R = TOTAL A PAGA 64,35 ento de faturam sse Classe/Subcla Resid/Resid Tensão Mínima 116/201 V 0,15 0,71 13,15 Tributos 41%) PIS/PASEP (0, % COFINS (1,89 ICMS ção icos da instala Dados técn Abatimentos ação Nº da instal 38,08 to Fornecimen do kWh) TUSD (valor Consumo X 0,238 kWh x R$ 160,0 o consum Histórico de Mês/Ano kWh Vencimento 15 JUL 2013 Outros produto Tributos Distribuição + 03 JUL 2013 JUL 2013 sua co Resumo da Fornecimento ão Data de Emiss ea Conta Referent Faturamento Bifásico Tipo de Tarifa B1_RESID Composição Tensão Máxima 133/231 V R$ Energia 38,08 nto do fornecime conta rados nesta e tributos cob utos cargos nsmissão En Distribuição Tra 4,15 2,17 10,09 R TURA A PAGA VALOR DA FA Trib 9,86 R$ 64,35 * Cálculo feito com base no consumo médio de uma família de quatro pessoas em 2013, segundo a Aneel, estipulado em 160 kWh. 02 Cartilha Solar
  • 3. que se paga na O conta de luz? o contrário do que muitos podem pensar, a eletricidade é o nosso menor gasto. Por exemplo, você sabia que o valor da distribuição e transporte de energia equivale à 32,2% da conta de luz? A total, o 100% seu valor conta de luz, send de custos de uma res finais. umido a a composição energia até os cons Esta imagem ilustr rcurso da usina de decorrer de seu pe no TRANSMISSÃO O caminho e os cu stos da energia atE a sua casa 5, %. 7 Conjunto Gerador torres de tran smissão de energia Transformado r ENCARGOS 10 ,9% subestação DISTRIBUIÇÃO TRIBUTOS 25 ,9% 26,5% Linhas de distr ibuição de energia CUSTO DE ENERGIA 31% Segundo dados da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), os impostos também superam o valor gasto com eletricidade, representando 36,8% da conta de luz contra 31% do valor da eletricidade. Essas informações mostram que o problema não está no custo da energia em si, mas em seu longo transporte desde as hidrelétricas até o consumidor final. Este modelo de transmissão e de distribuição é pouco eficiente: 10% da energia se perde no caminho e tem um elevado custo operacional, aumentando o valor da conta de luz. Greenpeace Brasil 03
  • 4. Horizont e solar energia solar no Brasil já é uma realidade, permitindo ao cidadão produzir energia elétrica em sua própria casa. É uma fonte de energia limpa e renovável que se utiliza dos raios do Sol, cujo impacto no meio ambiente é menor do que o de uma usina hidrelétrica, nuclear ou termelétrica. Estas últimas, por exemplo, são responsáveis por grande parte das emissões de CO2 na atmosfera, gás considerado um dos grandes vilões das mudanças climáticas. A Painéis solares em telhados ou quintais permitem a produção local de energia ao captar a luz solar. Esse tipo de energia torna-se uma opção ainda mais valiosa para os brasileiros graças a nova regulamentação da Aneel, que permite a troca da energia produzida pelos paineis por créditos em kWh1 na conta de luz. Além disso, trata-se de uma fonte de energia com grande potencial de produção, que pode atender toda a necessidade de energia do Brasil. Os investimentos começaram a crescer a partir de 2007, e em 2010 bateram recorde, financiando a criação de aproximadamente 980 mil metros quadrados de área de captação de energia solar, o que equivale a mais de cem campos de futebol juntos. 1 - kWh: quilowatt-hora é a medida usada para indicar o consumo elétrico nas contas de luz residenciais 04 Cartilha Solar © Greenpeace / Rogerio Reis/Tyba É uma fonte de energia com grande potencial e que ainda pode ser muito explorada,
  • 5. r ntraliza Desce er opcao et oje, as hidrelétricas compõem a maior parte da matriz energética brasileira, respondendo por 69% da demanda nacional. Essa centralização do fornecimento encarece a conta de luz, uma vez que a energia tem que percorrer grandes distâncias até chegar ao consumidor final. ©Greenpeace/Otávio Almeida H Uma das principais vantagens da instalação de paineis solares em residências é a descentralização da produção de energia no Brasil. Poder produzir eletricidade em seu próprio domicílio representa mais independência para o consumidor, isto é, não depender dos custos de distribuição e nem dos altos encargos do governo. Com isso, o brasileiro passará a entender com mais clareza sua conta de luz e o real valor da energia. Greenpeace Brasil 5
  • 6. PASSO A PASSO TOVOLTAICOS DE GERADORES FO O PARA A INSTALAÇÃ 1. Fazer o pré-dimensionamento com o simulador solar no site http://www.americadosol.org/simulador/ 2. Contratar uma empresa qualificada para projetar, instalar e conectar à rede um sistema fotovoltaico. 5. Solicitar o acesso à rede encaminhando a documentação informada no 3º item e o projeto das instalações de conexão. 3. Fornecer a documentação estipulada pela empresa contratada. 4. Projetar o microgerador a partir do prédimensionamento realizado com o simulador solar. 1 2 3 4 9. Solicitar a vistoria da distribuidora em até 30 dias após o pedido formal, para que o ponto de conexão seja aprovado. 7. Providenciar adequações, caso seja solicitado no Parecer de Acesso, no prazo de 60 dias após a emissão do documento. 8. Instalar e testar o microgerador. 6. Acompanhar junto à distribuidora a aprovação da conexão, que deverá ser enviado a você em até 30 dias após feito o pedido. 5 6 10. Acompanhar a instalação do novo medidor, que deve ser feita dentro do prazo para realização da vistoria. 12. Acompanhar junto à distribuidora a emissão do Relatório de Vistoria, que você deve receber em até 15 dias após a vistoria. 11. Acompanhar a vistoria da distribuidora. 7 8 9 10 11 12 14. Acompanhar junto à distribuidora a aprovação do ponto de conexão, no prazo de até 7 dias após receber o Relatório da Vistoria. 13. Em até 90 dias após a emissão do Parecer de Acesso, solicitar orientação quanto à elaboração e assinatura do Relacionamento Operacional entre você e a distribuidora. 13 15. Caso tenha dificuldades para receber informações da distribuidora sobre os procedimentos para conexão à rede, procure sua ouvidoria. Se mesmo assim não for atendido, entre em contato com a ouvidoria da ANEEL. 14 15
  • 7. Sua nova conta de luz v erde om o sistema de compensação estabelecido pela Aneel em dezembro de 2012, é possível injetar a energia produzida por suas placas solares na rede elétrica pública e ganhar em troca kWh de sua distribuidora de energia. Ou seja, sua nova conta de luz será a seguinte: C e elétrica umo da red Cons ada pelas Energia ger ia na residênc cas solares pla de luz Nova conta É uma maneira de incentivar as energias renováveis uma vez que a compensação é prevista apenas para geração renovável de pequeno porte. Se seu microgerador gerar mais energia que o consumido por você no mês, o excedente será usado para diminuir o custo do consumo nos meses seguintes. É importante dizer que sua conta nunca chegará a zero, pois os consumidores residenciais e de propriedades rurais devem pagar um custo mínimo de disponibilidade. Mas com certeza será um valor muito menor se comparado ao atual. Greenpeace Brasil 07
  • 8. Fornecimento e instalacao or se tratar de um serviço muito recente no Brasil, são poucas as empresas que atendem essa demanda. Por isso é importante escolher com cautela a prestadora de serviço, sempre pesquisando uma segunda opinião. Trata-se de uma escolha importante pois será o técnico desta empresa que auxiliará em todo o processo de projeção, instalação e vistoria das placas solares. P O site América do Sol disponibiliza uma lista de fornecedoras2, que pode servir como um guia preliminar para a escolha do prestador de serviço. No site www.americadosol.org/fornecedores/, é possível selecionar a empresa por região e cidade num mapa interativo. Cabe a o produ tor de ener gia: Solicitar a conexão de suas placas solares à rede elétrica; Comunicar sua distribuidora antes de qualquer intervenção no sistema fotovoltaico; Cumprir os termos do contrato assinado junto à empresa contratada ou com a distribuidora de energia; Pagar os custos de adequação do sistema de medição 2 - A lista de fornecedoras foi desenvolvida pelo Instituto Ideal. Para saber mais, acesse: www.institutoideal.org 08 Cartilha Solar
  • 9. © Greenpeace / Rogerio Reis/Tyba a da aére ar isão ina sol V s iniu lada na e m ta d ins idade do un com Jesus o Bom uari, n Pud zonas. Ama Greenpeace Brasil 9
  • 10. Empregos do futuro renovável criam, em média, empregos verdes. 680 © Greenpeace / Rogerio Reis/Tyba { R$ 1 milhão investidos em energia s empregos verdes são ocupações que ajudam a desenvolver e incentivar tecnologias sustentáveis, que não agridem o planeta. Isso envolve empregos nas áreas de construção civil, fabricação, operação, manutenção e fornecimento de combustível. O Conforme a utilização de fontes renováveis cresce, cada vez mais empregos verdes são criados. No Brasil, a previsão é de que apenas a indústria de energia solar passe de 1,5 mil empregos em 2010 para aproximadamente 40 mil em 2030. Se considerarmos todas as energias renováveis, o Brasil pode criar mais de 500 mil empregos verdes até 2030, aproximadamente dez vezes a mais do que as fontes fósseis. 10 Cartilha Solar
  • 11. no bolso © Greenpeace / Rogerio Reis/Tyba $ Economia $$ gasto médio de energia de uma família brasileira varia entre 150 e 170 kWh por mês e sabe-se que um microgerador tem capacidade de produzir até 100 kWh. Levando em conta o gasto médio de uma família, o uso de placas solares pode reduzir seu gasto energético em até 60%. O No final das contas, produzir sua própria energia utilizando como fonte o sol pode ser muito proveitoso. Você economiza com os gastos de transporte e de distribuição, compreende o real valor da energia e usa energia limpa e sustentável, contribuindo para o meio-ambiente. 60% - gasto $$ $ $ $ Greenpeace Brasil 11
  • 12. ©Greenpeace/Otávio Almeida ASSOCIAÇÃO CIVIL GREENPEACE Conselho diretor Presidente Laura Valente Vice-presidente Leda Machado Conselheiros Marcelo Estravitz Marcos Nisti Oskar Metsavaht  Vera Frascino Diretor-executivo Marcelo Furtado Diretora de campanhas Annette Cotter Diretor de políticas públicas Sérgio Leitão Diretora de mobilização e comunicação Lisa Gunn Diretor de marketing e captação de recursos André Bogsan Diretora do organizacional Karla Battistella CARTILHA Solar É uma publicação do Greenpeace Brasil Editor Editora de fotografia Redator Revisor Designer gráfico Prepress e impressão Leonardo Medeiros (MTb 39511) Danielle Bambace Alan Azevedo Ricardo Baitelo Karen Francis W5 Criação e Design Hawaii Gráfica & Editora Tiragem: ?? mil exemplares ©shutterstock www.greenpeace.org.br

×