Your SlideShare is downloading. ×
Teologia da educação cristã
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Teologia da educação cristã

9,892
views

Published on


0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
9,892
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
256
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. TEOLOGIA DA EDUCAÇÃO CRISTÃ
  • 2. A PESSOA COMO ALVO DA EDUCAÇÃO
    A Postura Existencial
    Embora não ignoramos as sutilezas das vãs filosofias, não devemos, por isso, descartar a proposta oferecida pelos filósofos existencialistas,
  • 3. principalmente daqueles que se dedicaram a investigar o pensamento bíblico, como é o caso de SörenKierkegaard (1813–1855) e Martim Buber (1878-1965). Entretanto, não podemos desconsiderar a essência do existencialismo.
  • 4. Existencialismo – (Do lat. Existência + ismo) Movimento filosófico que sublima a existência em detrimento da essência. Surgido no período que precedeu a Segunda Guerra Mundial, seus expositores passaram a considerar que, tendo em vista a urgência daqueles tempos e a brevidade da vida, o ser humano não deve preocupar-se com questões metafísicas, mas tirar o máximo proveito da existência. Seu maior expoente foi o escritor francês Jean Paul Sartre.
    Dicionário Teológico
  • 5. Filosofia Existencial da Educação
    Cada escola filosófica desenvolveu a sua própria maneira de encarar o fenômeno educacional. Entretanto, os sistemas ocidentais de filosofia têm algo em comum: a preocupação com a transmissão
  • 6. do conhecimento, através de métodos intelectuais, racionais. As duas exceções é o pragmatismo e o existencialismo. O primeiro nega a validade da metafísica, o conceito de absoluto, afirma que a verdade é medida pelos efeitos
  • 7. práticos que produz, como que querendo dizer que verdadeiro é aquilo que dá certo, que funciona, que é útil. Contudo, sabemos que aquilo que é útil hoje, pode não ser amanhã, um exemplo histórico é a escravidão.
  • 8. O segundo, (existencialismo) não nega a metafísica, mas enfatiza a experiência pessoal. Entretanto para o existencialismo bíblico cristão, o absoluto é essencial, pois o absoluto não é apenas um conceito, é Deus.
  • 9. Deixando de lado a discussão das diversas correntes filosóficas, sobre os fins e objetivos do processo educacional, destacaremos os primeiros objetivos educacionais do existencialismo, principalmente do existencialismo bíblico/cristão.
  • 10.
  • 11. A Educação Cristã somente cumpre o seu papel, quando o educando encontra-se em íntima comunhão com Cristo.
  • 12. A Psicologia Existencial da Educação
    A educação tem sido alavancada pela significativa contribuição das várias escolas pedagógicas, como o comportamentalismo, o gestaltismo e a psicanálise.
  • 13. Focalizando a importância do meio ambiente e do treinamento, durante a primeira infância, o aprendizado da criança, antes da alfabetização, e o papel estratégico da infância na formação e na deformação do adulto.
  • 14. O psicólogo americano Carl Rogers (1902-1987), através das suas obras “Liberdade para Aprender” e “Liberdade de Aprender em nossa Década”, conceitua o ser humano como essencialmente, positivo e construtivo.
  • 15. Aproximando da assertiva bíblica do homem como imagem e semelhança de Deus, Gn 1.26-27, e do desígnio divino de formar no homem, a imagem do seu Filho, Rm 8.29; Hb 1.2.
  • 16.   “A verdade de Deus
    não foi revelada para
    satisfazer nossa curiosidade,
    mas para nos conformar à imagem de Cristo”
  • 17. DOIS OBJETIVOS BÁSICOS NA PSICOLOGIA EXISTENCIAL DA EDUCAÇÃO
  • 18. Educação no Brasil e Educação Cristã
    O processo de ensino e aprendizagem é centrado no professor
  • 19. No decorrer do século passado surgiram outros modelos educacionais:
    Escola Liberal – A ênfase está no indivíduo
    Escola Tecnicista – Formar técnicos competentes para servir à sociedade.
    Escola Nova - Considerava inaceitável a rigidez da punição, como a palmatória e a régua.
    PROCESSO TRANSFERIDO
    PROFESSOR
    ALUNO
  • 20. Mais recentemente surgiu a pedagogia libertadora de Paulo Freire, que viu o aluno não como um ser passivo diante do ensino e de seus professores e colegas, valorizando dessa forma a interação e a participação do aluno.
  • 21. Aluno
    Aluno
    Aluno
    Aluno
    MODELO DA EDUCAÇÃO CRISTÃ ATUAL
    Educação Cristã
    MODELO TRADICIONAL
    PROFESSOR
    Observe o que a respeito escreveram os seguintes autores:
  • 22. “A maioria da educação de hoje é monumentalmente ineficaz. Com muita freqüência damos às pessoas flores colhidas, quando deveríamos lhes ensinar a cultivar plantas. Enchemos suas cabeças com produtos das mais recentes inovações, em vez de lhes ensinar como inovar. Concebemos a mente como um armazém a ser enchido e não como um instrumento a ser usado”
    John Gardner
  • 23. “A verdadeira função do professor é criar condições para que o aluno aprenda sozinho. Ensinar de fato não é passar conhecimento, mas estimular o aluno a buscá-lo. Poderíamos até dizer que ensina melhor quem menos ensina”
    John Milton Gregory
  • 24. Jesus disse:
    “A semente é a Palavra”
    O verdadeiro professor é o que revolve a terra e
    planta a semente.
  • 25. “Tudo que se desenvolve durante os anos da infância terá significativa influência na vida adulta do indivíduo. Compreender como este pensamento se desenvolve nos levará a um maior entendimento do comportamento humano em torno da religião e suas conseqüências”
    Pr. Wander Ferreira Gomes –
    Líder Espiritual da Igreja Batista do Recreio no Rio de Janeiro
  • 26. PARA REFLEXÃO:
    “O rápido processo de informação no mundo de hoje tem provocado um desenvolvimento mais acelerado do pensamento infantil ( TV, Vídeos, Computadores, etc...).
  • 27. Isso está comprometendo diretamente a Escola Dominical, os Cultos infantis e toda a estrutura oferecida pela igreja à criança. Precisamos de classes mais homogêneas, quanto às faixas etárias, melhor preparo dos
  • 28. professores, maior qualidade do material didático e a disponibilidade de recursos tecnológicos que facilitem o processo de educação espiritual para enfrentarmos os recursos avançados que o mundo oferece.
  • 29. A igreja precisa entender que tem que fazer o melhor pela criança, pois esta é a base de sua continuidade”.
    Em razão de tudo que já comentamos, concluímos que o estudo em sala deve ser algo criativo, com participação de
  • 30. todos, sendo o professor o orientador da classe e o facilitador de aprendizagem, não aquele que dita normas. A experiência dominical deve enriquecer a vida dos alunos. O texto bíblico deve ser aplicado com eficiência na vida hodierna dos alunos.
  • 31. Cada fase do desenvolvimento da criança é caracterizado de forma distinta. A cada etapa a criança vê o mundo de forma diferente e sua linguagem vai se modificando à partir da evolução do seu pensamento. Se entendermos cada fase do seu desenvolvimento, e utilizarmos uma linguagem que esteja ajustada à sua compreensão, ela será capaz de compreender a Mensagem de Cristo.
  • 32. FASES DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL
    PRIMEIRA INFÂNCIA
    (2 meses aos 3 anos)
    Essa fase é caracterizada como o início do reconhecimento da realidade que o cerca. Nesta fase são notados os interesses perceptivos, motores e os glóssicos (da linguagem).
  • 33. 8 PRIMEIROS MESES – Percepções visuais, auditivas e táteis vão dando à criança a noção da realidade (brinquedos com movimentos, diferentes sons, cores, formas, etc.)
    9 MESES À 1 ANO – Intensa atividade motora – necessidade de se movimentar, começa a andar.
  • 34. 2 ANOS – Todas as principais reações emocionais (medo, raiva, alegria, ciúme, etc.) já foram aprendidas e é notável o interesse pela comunicação (Contar histórias rápidas com brinquedos, mostrar gravuras, atividades rápidas pois o nível de concentração é quase zero).
  • 35. 3 ANOS – Início do Desenho (Rabisco – Garatuja), já consegue nomear o que desenha (Brincadeiras com massinha de modelar, pintura à dedo, pintura com giz de cera, lápis de cor, jogos com alvo ex. boliche, arremessar bola, músicas com gestos (Imitação), histórias contadas com dramatização e fantoches chamam a atenção da criança nesta fase
  • 36. SEGUNDA INFÂNCIA: (4 À 6 ANOS)
    Fase Egocêntrica e dos interesses Lúdicos – práticos. É a fase em que predominam os interesses lúdicos (do termo latim LUDU = brinquedo, jogo). É a fase do brincar, muitos autores como Jean Piaget, Vygotsky, Henri Wallon, Laurence Frank têm-se pronunciado sobre a
  • 37. importância do ‘brincar” aprender brincando, o por quê das crianças brincarem e a relação direta entre ludicidade (brincadeira) e a aprendizagem, a afetividade e a socialização. Segundo Laurence Frank “O brinquedo faz parte da nossa natureza, todos os animais brincam”.
  • 38. Erickson propõe a teoria de que “jogo da criança é a forma infantil da capacidade humana de experimentar, criando situações – modelo e de dominar a realidade, experimentando e prevendo.”
  • 39. 4 À 5 ANOS – As atividades físicas são as mais preferidas, gosta de: Correr, saltar, rolar, lançar, movimentos de imitação ou repetição, gosta de jogar, desenhar, pintar, ouvir histórias, representar, cantar, dançar, realiza contatos sociais permanente, faz novos amigos, participa mais das atividades variadas, gosta da presença de meninos e meninas, apresenta uma egocentricidade em relação às suas brincadeiras e pertences.
  • 40. 5 À 6 ANOS – Desenvolve a capacidade de controlar a atividade pelo pensamento; Sabe o que é capaz e o que não é capaz; Organiza seus objetos e brinquedos; Gosta de ouvir e contar histórias; Conversa muito e gosta de perguntar e responder; Em suas brincadeiras, cria animais
  • 41. imaginários e com pequenos objetos, representa uma série de atividades que lhe dá prazer, sozinha ou com outras crianças; É mais sociável e gentil; Começa a organizar-se em grupos de colegas; Aparece as regras do brinquedo (respeito a alguma coisa) (saber perder e ganhar), onde ela aprende
  • 42. que não é só sua vontade que domina tudo, mas existe algo a ser respeitado para que a barreira seja vencida; Desenvolvem a dramatização; Existe a colaboração entre grupos; Inicia-se a fase das pequenas brigas ou discussões (é importante que as próprias crianças acertem suas diferenças
  • 43. pessoais, o adulto deve apenas orientar);
    Atividades físicas preferidas:
  • 6 À 6,5 ANOS – Assimilam com facilidade o aprender e o fazer;
    • Inicia-se as competições;
    • 48. A linguagem apresenta um bom nível
    • 49. Facilidade de desenvolvimento intelectual
    • 50. Tem boa capacidade de memorização
    • Tem consciência da bondade e da maldade
    • 51. Gosta de animais caseiros
    • 52. Gosta de conversar muito
    • 53. Forma grupos
    • 54. É sensível ao estado emocional dos pais, amigos, etc.
    • 55. Geralmente não trata bem os irmãos menores (sentido de
  • autoridade), sendo preciso a orientação dos pais e dos professores.
    • Deve aprender a respeitar normas
    • 56. Gosta de ser elogiado (nessa fase o estímulo tem muito mais valor que a censura)
  • ATIVIDADES PREFERIDAS:
    Recortar; pintar; desenhar; ver livros com figuras; jogos; recreação; danças (expressão corporal) dramatizar apresentação; atividades em pequenos grupos; corridas; saltos; levantar várias vezes do lugar; ser prestativo.
  • 57. TERCEIRA INFÂNCIA – (7 À 12 ANOS)
    Esta fase se caracteriza pelo início do processo de socialização e racionalização da realidade.
    7 À 8 ANOS – Domina com facilidade o mecanismo da leitura;
    • Seu pensamento lógico organiza-se em formas concretas que permitem as operações mentais;
    • Predominam interesses por conhecimentos, técnicas, artefatos e padrões de conduta social;
    • 58. A linguagem é o principal fator de aumento de contatos sociais (amizade)
    • 59. É retraída e distraída, principalmente no lar;
    • Insegura para enfrentar problemas diários;
    • 60. Toma atitudes de desafio principalmente com os pais;
    • 61. É impaciente com ela mesma
    • 62. Começa a meditar com o que lhe acontece (devido ao avanço do desenvolvimento mental);
    • Busca a perfeição e mostra-se encolerizada quando erra ou perturbada pelos irmãos menores;
    • 63. Revela vergonha pelos seus erros;
    • 64. É menos egoísta;
    • 65. É prestativa principalmente na escola;
    • Gosta de competir;
    • 66. Chora quando perde uma disputa;
    • 67. Quando há compreensão no lar, a criança de 8 anos é bondosa, companheira e empreendedora.
    9 À 12 ANOS – O pré-adolescente representa um potencial que não deve ser menosprezado no lar, na escola e principalmente na igreja.
  • 68. Essencialmente ativo, o pré-adolescente está vivendo osmelhores e mais produtivos anos do processo evolutivo, está vivendo o que chamamos de “terceira infância” e entrando na puberdade.
     
  • 69. Ele nesta fase, apresenta características bem acentuadas em seu desenvolvimento mental, físico, social e espiritual:
  • 70. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO PRÉ-ADOLESCENTE
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76.
  • 77. “Estudos feitos em pesquisa mostram que uma
    criança desenvolve cerca de 50% de sua inteligência
    aos quatro anos de idade, outros 30% aos oito
    anos e os restantes 20% aos dezessete”
  • 78. ADOLESCENTES
  • 79.
  • 80.
  • 81.
  • 82.
  • 83.
  • 84.
  • 85. JOVENS
  • 86.
  • 87.
  • 88.
  • 89.
  • 90.
  • 91.
  • 92. ADULTOS
  • 93.
  • 94.
  • 95.
  • 96.
  • 97.
  • 98.
  • 99.
  • 100. DEZ RAZÕES PARA FREQÜENTAR A ESCOLA DOMINICAL
    1. Do ponto de vista da santidade:
    Ela ensina a Bíblia, que é a nossa regra de fé e prática, e conduz à Cristo como Salvador e Senhor de cada indivíduo.
  • 101. 2. Do ponto de vista da Educação:
    Treina a mente e o coração em direção à eternidade.
    3. Do ponto de vista da Sociabilidade:
    Habilita aos alunos a gozarem da amizade e companheirismo de cristãos sinceros.
  • 102. 4. Do ponto de vista da Personalidade:
    Ajuda a desenvolver a personalidade cristã, necessária para enfrentar vitoriosamente os problemas da vida.
  • 103. 5. Do ponto de vista do Caráter:
    O principal objetivo da Escola Dominical é ensinar-nos a sermos cristãos exemplares, em palavras e atos.
  • 104. 6. Do ponto de vista do Interesse:
    Apresenta programas interessantes para seu prazer e cultura.
  • 105. 7. Do ponto de vista da Família:
    Existe uma classe para cada idade, e a família toda pode ir e tirar proveito dos ensinos ministrados.
  • 106. 8. Do ponto de vista do Serviço:
    Dá ampla oportunidade para servir a Deus e à igreja, em atividades que não seriam possíveis em qualquer outro lugar.
  • 107. 9. Do ponto de vista da Imortalidade:
    Dirige nossos olhos para o céu e nos faz compreender que devemos nos preparar para uma vida além da sepultura.
  • 108. 10. Do ponto de vista Prático:
    O intervalo de uma hora ou mais que passamos na Escola Dominical, cada Domingo, não poderia ser empregado com maior proveito em qualquer outro lugar.
  • 109.
  • 110. MÉTODOS DE COMUNICAÇÃO