Ilustrações 1

3,270
-1

Published on

Ilustrações para pregações

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,270
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
69
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ilustrações 1

  1. 1. Ilustrações do Site www.ejesus.com.br1. A Aula de Filosofia2. A Bíblia funciona3. A bomba dágua4. A Boneca e a Rosa Branca5. A Caixa do Correio6. A Carta7. A Casa Queimada8. A Cidade dos Resmungos9. A Conduta10. A Corrida dos Sapinhos11. A Criança e o Trem12. A Cura de um Menino que tinha 26 Enfermidades13. A Diferença que faz diferença14. A Fita Rosa15. A Goiabeira e o Mamoeiro16. A História de Abraham Lincoln17. A ingenuidade da astúcia18. A Libélula e a Tartaruga19. A Lição da Borboleta20. A Marca de Cristo21. A melhor máquina de voar do mundo22. A Natureza Pecaminosa23. A Parte da Cada Um24. A Páscoa e o Ovo de Galinha25. A Perfeição de Deus26. A Pesca27. A preguiça28. A que reino você pertence?29. A Verdade30. A Vingança Contra os Inocentes31. A visita de Jesus32. Água nos vales e nas montanhas33. Amor Não Correspondido34. Amor que tanto nos busca35. Ansiedade36. Apenas Passe Adiante37. As Marcas do Pecado38. As Pegadas do Senhor39. As Peneiras da Sabedoria40. As Três Cartas de César41. As Três Peneiras42. As Três Perguntas de Carlos Magno43. Assembléia na carpintaria44. Boa ou Má Sorte?45. Bondade Invisível46. Cachorro Ignorante47. Camisa Branca e o Carvão48. Carinhoso Salvador49. Carta recebida por Jesus
  2. 2. 50. Castelo na Areia51. Cobra52. Com Você53. Como o Carvalho54. Como você vê a vida?55. Corte a corda56. Crer para Receber57. Criança tem cada uma58. Crítica59. Cuida do mais importante!60. Depoimento antes da Morte61. Deus está no controle de tudo!!!62. Deus não mente63. Deus Nunca Erra!64. Dois Amigos Árabes65. Dois Meninos No Presépio66. É uma espada67. Ela funciona68. Errando mas Dando Fruto69. Escolhas Econômicas - Spurgeon70. Eu posso fazer mais que isso!71. Eu sei... Eu sei...72. Eu sou Forte73. Fábula Árabe74. Falsa Segurança75. Fiel a Deus, Fiel a Mim76. Força de um cavalo77. Futuros Frutos78. Gratidão79. Jovens Perfeitos80. Leitura da Bíblia81. Lenda Judaica82. Levantando da Cama83. Meu Querido Bambu84. Mosca Tenaz85. Mudar o Mundo86. Não Agüento Mais...87. Não Existe Meia Fé88. Não Tenho Tempo para o Mal89. Não Tinha Mais Jeito90. Negligência91. Nota de Falecimento92. Nunca Deixe de Sonhar93. Avô e o Lobo94. Barbeiro95. Bicho e a Bíblia96. Bosque97. Capitão e o Menino98. Cavalo e o Capim99. Cultivador de Pérolas100. Ferreiro101. Filho102. Homem Cheio do Fogo103. Homem e o Carro104. Homem pode ser o seu próprio inimigo105. Jardim da Igreja de Cristo106. Livro de Deus107. Navio no Estaleiro
  3. 3. 108. Pastor no Brasil109. Pecado Acariciado110. perigo de condescender com o pecado111. Poder da Oração112. Poder Destrutivo do Pecado113. Prego114. Quadro115. Quarto116. remédio117. Sonho118. Testamento do Irmão Mais Velho119. Vaso Rachado120. Velho Carpinteiro121. Obelisco ou Oásis?122. Oi Amigo!123. Olhos fixos124. Olimpíadas Especial125. Onde está Deus?126. Órfã de conhecimento, não de Deus127. Os Pássaros Brancos128. Os três Crivos129. Parecia Impossível!130. Pastel, Guaraná e Deus131. Pegadas na Areia132. Pense bem133. Pequenos Milagres da Vida134. Perpétua Fidelidade135. Presente no Tempo Certo136. Presos ao Pecado137. Prova Convincente138. Quando nos Importamos139. Quanto valemos para Deus?140. Quanto você ganha?141. Quem sabe como funciona142. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça...143. Racismo144. Rápido Demais145. Refletir a Luz de Cristo146. Respeitando-se para Vencer147. Sacudindo o Entulho148. Salvo pela graça149. Sê tu uma bênção150. Semeando Alegria151. Sempre Estarei ao Seu Lado152. Serpentes em Nossos Lares153. Sincero Interesse Pelas Almas154. Tenha fé ou seja surdo!155. Todo o meu sangue156. Totalmente Pago!157. Trabalhador Morre e Ninguém Nota158. Traduções159. Três Conselhos160. Três Pequenas Árvores161. Três Visitantes162. Um Encontro Maravilhoso163. Um lapidador talentoso164. Um Milagre165. Uma História de Amor
  4. 4. 166. Uma Lenda Judaica167. Uma vida de comunhão168. Uma Vila de 100 Pessoas169. Vejam que interessante!!!170. Vendo as Circunstâncias de Outro Forma171. Vida Eterna172. Você Aprende...173. Você me Ama?174. Vocês conseguem compreender o amor de Deus?Novos175. A Crise176. Amor Divino que não muda177. Não posso dizimar178. A Força do Perdão179. A Verdadeira Identidade180. Touro e a força181. Descrição Fantasiosa da Criação182. Coisas importantes a aprender com a Arca de Noé183. A Formiga e a Cigarra184. Pneu Furado185. Nunca perdoei ninguém186. Se eu fosse norte-americano187. Obedecendo à Lei188. Errando, mas dando frutos189. Semeando com Alegria190. Amizade191. Tigres de dentes de sabre192. Apenas Push!193. A Glória do Burrinho194. A Reunião195. Panquecas196. Culpado ou Inocente197. Milho de Pipoca198. Ore até alguma coisa acontecer199. Paganini200. Alento201. Algumas lições importantes que a vida ensina...202. A importância da pontuação1- A AULA DE FILOSOFIA Numa aula de filosofia, o professor queria demonstrar um conceito aos seus alunos. Para tanto,ele pegou um vaso de boca larga e dentro colocou, primeiramente, algumas pedras grandes. Entãoperguntou à classe:- Está cheio? Pelo que viam o vaso estava repleto, por isso, os alunos unanimemente responderam:- Sim! Então o professor pegou uma lata de pedregulhos e virou dentro do vaso. Os pequenospedregulhos se alojaram entre os espaços das pedras grandes. Então ele perguntou aos alunos:- E agora, está cheio? Desta vez, alguns estavam hesitantes, mas a maioria respondeu:- Sim! Continuando, o professor levantou uma lata de areia e começou a derramar areia dentro dovaso.
  5. 5. A areia preencheu os espaços entre as pedras e os pedregulhos. E, pela terceira vez, oprofessor perguntou:- Então, está cheio? Agora a maioria dos alunos estava receosa, mas novamente muitos responderam:- Sim! Finalmente, o professor pegou um jarro com água e despejou o líquido dentro do vaso. A águaencharcou e saturou a areia. Neste ponto o professor perguntou para a classe:- Qual é o motivo desta demonstração? Um jovem e brilhante aluno levantou a mão e respondeu:- Não importa o quanto a agenda da vida de alguém esteja cheia, ele sempre conseguirá espremerdentro, mais coisas!- Não exatamente, respondeu o professor. O ponto é o seguinte: a menos que você, em primeiro lugarcoloque as pedras grandes dentro do vaso, nunca mais você conseguirá colocar as pequenas lá dentro.Vamos, experimente, disse o professor ao aluno, entregando-lhe outro vaso igual ao primeiro com amesma quantidade de pedras grandes, de pedregulhos, de areia e de água. O aluno, começou aexperiência colocando a água, depois a areia, depois os pedregulhos e por último, tentou colocar aspedras grandes. Verificou surpreso, que elas não couberam no vaso. Ele já estava repleto com ascoisa menores. Então, o professor explicou para o rapaz: • As pedras grandes são as coisas realmente importantes da sua vida: seu crescimento pessoal e espiritual. Quando você dá prioridade a isso e mantém-se aberto para o novo, as demais coisas se ajustarão por si só: seus relacionamentos: (família, amigos), suas obrigações (profissão, afazeres), seus bens e direitos materiais e todas as demais coisas menores que completam a vida. Mas, se você preencher sua vida somente com as coisas pequenas, aquelas que são realmente importantes nunca terão espaço em sua vida. Recomece. É uma boa sugestão. Esvazie seus vasos (mental e emocional) e comece a preenche-lo com as pedras grandes. "Ainda há tempo e ainda é tempo". Sempre é tempo de mudar as coisas. cesardeaguiar@bol.com.br2- A BÍBLIA FUNCIONA Um medico cristão estava lendo sua Bíblia assentado num banco da praça, quando um senhorse aproximou e reconhecendo o médico disse:- Não posso crer que o senhor, com sua cultura, consiga ler e acreditar num livro como esse!- Por quê? Perguntou o médico.- Por que nem sabemos quem escreveu este livro. Eu não acredito numa coisa que nem sequer saibaquem escreveu. O medico olhou fixamente para o homem e perguntou-lhe:- O senhor acredita e usa a tabuada?- Sim. uso-a freqüentemente. O senhor sabe quem escreveu a tabuada?- Não, não sei, respondeu o incrédulo.- Como é então que o senhor acredita e usa algo que o senhor nem sequer sabe quem escreveu?Perguntou-lhe o médico. O homem embaraçado teve uma idéia brilhante e respondeu:- É que a tabuada funciona, e tudo mundo sabe disto.- Meu amigo, disse o médico, a Bíblia também funciona muito bem. E eu poderia mostrar centenas de pessoas que tiveram suas vidas modificadas pela Palavra deDeus. Seus ensinos são vida para quem os coloca no coração.3- A BOMBA DÁGUA Contam que um certo homem estava perdido no deserto, prestes a morrer de sede. Foi quandoele chegou a uma casinha velha – uma cabana desmoronando - sem janelas, sem teto, batida pelo
  6. 6. tempo. O homem perambulou por ali e encontrou uma pequena sombra onde se acomodou, fugindo docalor do sol desértico. Olhando ao redor, viu uma bomba a alguns metros de distância, bem velha e enferrujada. Elese arrastou até ali, agarrou a manivela, e começou a bombear sem parar. Nada aconteceu.Desapontado, caiu prostrado para trás e notou que ao lado da bomba havia uma garrafa. Olhou-a,limpou-a, removendo a sujeira e o pó, e leu o seguinte recado: "Você precisa primeiro preparar abomba com toda a água desta garrafa, meu amigo. PS.: Faça o favor de encher a garrafa outra vezantes de partir." O homem arrancou a rolha da garrafa e, de fato, lá estava a água. A garrafa estava quase cheiade água! De repente, ele se viu em um dilema: Se bebesse aquela água poderia sobreviver, mas sedespejasse toda a água na velha bomba enferrujada, talvez obtivesse água fresca, bem fria, lá no fundodo poço, toda a água que quisesse e poderia deixar a garrafa cheia para a próxima pessoa... mas talvezisso não desse certo. Que deveria fazer? Despejar a água na velha bomba e esperar a água fresca e fria ou beber aágua velha e salvar sua vida? Deveria perder toda a água que tinha na esperança daquelas instruçõespouco confiáveis, escritas não se sabia quando? Com relutância, o homem despejou toda a água na bomba. Em seguida, agarrou a manivela ecomeçou a bombear... e a bomba começou a chiar. E nada aconteceu! E a bomba foi rangendo e chiando. Então surgiu um fiozinho de água; depois um pequenofluxo, e finalmente a água jorrou com abundância! A bomba velha e enferrujada fez jorrar muita, masmuita água fresca e cristalina. Ele encheu a garrafa e bebeu dela até se fartar. Encheu-a outra vez parao próximo que por ali poderia passar, arrolhou-a e acrescentou uma pequena nota ao bilhete presonela: "Creia-me, funciona! Você precisa dar toda a água antes de poder obtê-la de volta!" Podemos aprender coisas importantes a partir dessa breve história:1. Nenhum esforço que você faça será valido, se ele for feito da forma errada. Você pode passar suavida toda tentando bombear algo quando alguém já tem reservado a solução para você. Preste atençãoa sua volta! Deus está sempre pronto a suprir sua necessidade!2. Ouça atentamente o que Deus tem a te dizer através da Bíblia e confie. Como esse homem, nóstemos as instruções por escrito à nossa disposição. Basta usar.3. Saiba olhar adiante e compartilhar! Aquele homem poderia ter se fartado e ter se esquecido de queoutras pessoas que precisassem da água pudessem passar por ali. Ele não se esqueceu de encher agarrafa e ainda por cima soube dar uma palavra de incentivo. Se preocupe com quem está próximo devocê, lembre-se: você só poderá obter água se a der antes. Cultive seus relacionamentos, dê o melhorde si!4- A BONECA E A ROSA BRANCA (ver em Ilustrações pastoronline)5- A CAIXA DO CORREIO Na África do Sul um homem recebeu um aviso do correio. Era um pacote. Tinha que pagarU$4,00 para retirá-lo. Pegou o pacote, examinou-o, mas não conseguiu identificar o que tinha dentro. Não quis pagaros U$4,00. O pacote ficou 15 anos no correio. A caixa era levada de um lugar para outro dentro da agência do correio. Muitas vezes erausada para apoiar os pés. Até que um dia o dono da caixa morreu. A caixa foi então leiloada, mas ninguém queria darnada por ela. Até que alguém resolveu dar um lance de U$0,50. Ao abrir o pacote… Surpresa!!! Tinha dentro dele 15 mil dólares. O que aconteceu com aquela caixa freqüentemente acontece com a Bíblia. A Bíblia é rejeitadacomo algo sem valor. Mas há dentro dela uma riqueza de valor infinito: Jesus Cristo - A Vida Eterna.6- A CARTA
  7. 7. Era uma vez um rapaz que ia muito na escola. Suas notas e o comportamento eram umadecepção para seus pais que, como bons cristãos, sonhavam em vê-lo formado e bem sucedido. UM BELO DIA, O BOM PAI LHE PROPÔS UM ACORDO:- Se você, meu filho, mudar o comportamento, se dedicar aos estudos e conseguir ser aprovado novestibular para a Faculdade de Medicina, lhe darei então um carro de presente. Por causa de carro, orapaz mudou da água para o vinho. Passou a estudar como nunca e a ter um comportamento exemplar.O pai estava feliz, mas tinha uma preocupação. Sabia que a mudança do Rapaz não era fruto de umaconversão sincera, mas apenas do interesse em obter o automóvel. Isso era mau ! O rapaz seguia os estudos e aguardava o resultado de seus esforços. Assim, o grande diachegou ! Fora aprovado para o curso de Medicina. Como havia prometido, o pai convidou a família eos amigos para uma festa de comemoração. O rapaz tinha por certo que na festa o pai lhe daria oautomóvel. Quando pediu a palavra, o pai elogiou o resultado obtido pelo filho e lhe passou às mãos umacaixa de presente, Crendo que ali estavam as chaves do carro, o rapaz abriu emocionado o pacote. Parasua surpresa era uma BÍBLIA. O rapaz ficou visivelmente decepcionado e nada disse. A partir daquele dia, o silencio e distancia separavam pai e filho. O jovem se sentia traído e,agora, lutava para ser independente. Deixou a casa dos pais e foi morar no Campus da Universidade.Raramente mandava notícias à família. O tempo passou, ele se formou conseguiu um emprego em umbom hospital e se esqueceu completamente do pai. Todas as tentativas do pai para reatar os laçosforam em vão. Até que um dia o velho, muito triste com a situação, adoeceu e não resistiu.FALECEU... No enterro, a mãe entregou ao filho, indiferente, a BÍBLIA que tinha sido o último presente dopai e que havia sido deixada para trás. De volta à sua casa, o rapaz, que nunca perdoara o pai, quandocolocou o livro numa estante, notou que havia um envelope dentro Dele. Ao abri-lo, encontrou umacarta e um cheque. A CARTA DIZIA:"Meu querido filho, sei o quanto você deseja ter um carro Eu prometi e aqui está o cheque para quevocê escolha aquele que mais lhe agradar. No entanto, fiz questão de lhe dar um presente aindamelhor: A BÍBLIA SAGRADA. Nela aprenderás o AMOR A DEUS e a fazer o bem, não pelo prazerda recompensa, mas pela gratidão e pelo dever de consciência". Corroído de remorso, o filho caiu em profundo pranto. E A CARTA FINALIZAVA ASSIM:"Como é triste a vida dos que não sabem perdoar. Isso leva a erros terríveis e a um fim ainda pior.Antes que seja tarde, perdoe aquele a quem você pensa ter lhe feito mal. Talvez se olhar com cuidado,vai ver que há também um cheque escondido". I Corintios 13 "Eu poderia falar todas as línguas que são faladas na terra e até no céu, mas, senão tivesse amor, as minhas palavras seriam como o som de um gongo ou como o barulho de um sino.Poderia ter o dom de anunciar mensagens de Deus, ter todo o conhecimento, entender todos ossegredos e ter tanta fé, que até poderia tirar as montanhas dos seus lugares, mas, se não tivesse amor,eu não seria nada. Poderia dar tudo o que tenho e até mesmo entregar o meu corpo para ser queimado,mas, se eu não tivesse amor, isso não me adiantaria nada. Quem ama é paciente e bondoso. Quem amanão é ciumento, nem orgulhoso, nem vaidoso. Quem ama não é grosseiro nem egoísta; não ficairritado, nem guarda mágoas. Quem ama não fica alegre quando alguém faz uma coisa errada, mas sealegra quando alguém faz o que é certo. Quem ama nunca desiste, porém suporta tudo com fé,esperança e paciência. O amor é eterno. Existem mensagens espirituais, porém elas durarão pouco.Existe o dom de falar em línguas estranhas, mas acabará logo. Existe o conhecimento, mas tambémterminará. Pois os nossos dons de conhecimento e as nossas mensagens espirituais são imperfeitos.Mas, quando vier o que é perfeito, então o que é imperfeito desaparecerá. Quando eu era criança,falava como criança, sentia como criança e pensava como criança. Agora que sou adulto, parei de agircomo criança. O que agora vemos é como uma imagem imperfeita num espelho embaçado, mas depoisveremos face a face. Agora o meu conhecimento é imperfeito, mas depois conhecerei perfeitamente,assim como sou conhecido por Deus. Portanto, agora existem estas três coisas: a fé, a esperança e oamor. Porém a maior delas é o amor."
  8. 8. 7- A CASA QUEIMADA – (VER.ILUSTRAÇÕES PASTORONLINE)8- A CIDADE DOS RESMUNGOS Era uma vez um lugar chamado Cidade dos Resmungos, onde todos resmungavam,resmungavam, resmungavam. No verão, resmungavam que estava muito quente. No inverno, que estava muito frio. Quandochovia, as crianças choramingavam porque não podiam sair. Quando fazia sol, reclamavam que nãotinham o que fazer. Os vizinhos queixavam-se uns dos outros, os pais queixavam-se dos filhos, osirmãos das irmãs. Todos tinham um problema, e todos reclamavam que alguém deveria fazer algumacoisa.Um dia chegou à cidade um mascate carregando um enorme cesto às costas. Ao perceber toda aquela inquietação e choradeira, pôs o cesto no chão e gritou:-Ó cidadãos deste belo lugar! Os campos estão abarrotados de trigo, os pomares carregados de frutas.As cordilheiras são cobertas de florestas espessas, e os vales banhados por rios profundos. Jamais vium lugar abençoado por tantas conveniências e tamanha abundância. Por que tanta insatisfação?Aproximem-se, e eu lhes mostrarei o caminho da felicidade. Ora, a camisa do mascate estava rasgada e puída. Havia remendos nas calças e buracos nossapatos. As pessoas riram ao pensar que alguém como ele pudesse mostrar-lhes como ser feliz. Masenquanto riam, ele puxou uma corda comprida do cesto e a esticou entre dois postes na praça dacidade.Então, segurando o cesto diante de si, gritou:- Povo desta cidade! Aqueles que estiverem insatisfeitos escrevam seus problemas num pedaço depapel e ponham dentro deste cesto. Trocarei seus problemas por felicidade! A multidão se aglomerou ao seu redor. Ninguém hesitou diante da chance de se livrar dosproblemas. Todo homem, mulher e criança da vila rabiscou sua queixa num pedaço de papel e jogouno cesto. Eles observaram o mascate pegar cada problema e pendura-lo na corda. Quando ele terminou, havia problemas tremulando em cada polegada da corda, de um extremoa outro. Então ele disse:- Agora cada um de vocês deve retirar desta linha mágica o menor problema que puder encontrar. Todos correram para examinar os problemas. Procuraram, manusearam os pedaços de papel e ponderaram, cada qual tentando escolher o menor problema. Depois de algum tempo a corda estava vazia. Eis que cada um segurava o mesmíssimo problema que havia colocado no cesto. Cada pessoa havia escolhido o seu próprio problema, julgando ser ele o menor na corda. Daí por diante, o povo daquela cidade deixou de resmungar o tempo todo. E sempre que alguém sentia o desejo de resmungar ou reclamar, pensava no mascate e na suacorda. Em vez de reclamar, clame ao Senhor...pois reclamar de nada valerá....mas o clamor traz aresposta de Deus.... "A ti clamaram, e foram salvos; em ti confiaram, e não foram confundidos".www.ejesus.com.br9- A CONDUTA "A conduta é um espelho no qual todos exibem a sua imagem."Johann Wolfgang von Goethe Certo dia, um casal ao chegar do trabalho encontrou algumas pessoas dentro de sua casa.Achando que eram ladrões, marido e mulher ficaram assustados,mas um homem forte e saudável, comcorpo de halterofilista disse:- Calma pessoal, nós somos velhos conhecidos e estamos em toda parte do mundo.- Mas quem são vocês? - pergunta a mulher.- Eu sou a Preguiça - responde o homem másculo.
  9. 9. - Estamos aqui para que vocês escolham um de nós para sair definitivamente da vida de vocês.- Como pode você ser a preguiça se tem um corpo de atleta que vive malhando e praticando esportes?- indagou a mulher.- A preguiça é forte como um touro e pesa toneladas nos ombros dos preguiçosos, com ela ninguémpode chegar a ser um vencedor. Uma mulher velha curvada, com a pele muito enrugada, que mais parecia uma bruxa diz:- Eu, meus filhos, sou a Luxúria.Não é possível! - diz o homem- Você não pode atrair ninguém com essa feiúra.- Não há feiúra para a luxúria, queridos. Sou velha porque existo há muito tempo entre os homens; sou capaz de destruir famíliasinteiras,perverter crianças e trazer doenças para todos até a morte. Sou astuta e posso me disfarçar na mais bela mulher. E um mau-cheiroso homem, vestindo roupas maltrapilhas, que mais parecia um mendigo, diz:- Eu sou a Cobiça, por mim muitos já mataram, por mim muitos abandonaram famílias e pátria; soutão antigo quanto a Luxúria, mas eu não dependo dela para existir.- E eu, sou a Gula. Diz uma lindíssima mulher com um corpo escultural e cintura finíssima. Seus contornos eram perfeitos e tudo no corpo dela tinha harmonia de forma e movimentos. Assustam-se os donos da casa, e a mulher diz:- Sempre imaginei que a gula seria gorda.- Isso é o que vocês pensam! - responde ela.- Sou bela e atraente, porque se assim não fosse seria muito fácil livrarem-se de mim. Minha natureza é delicada, normalmente sou discreta, quem tem a mim não se apercebe,mostro-me sempre disposta a ajudar na busca da luxúria. Sentado em uma cadeira num canto da casa, um senhor, também velho, mas com o semblantebastante sereno, com voz doce e movimentos suaves, diz:- Eu sou a Ira. Alguns me conhecem como cólera. Tenho muitos milênios também. Não sou homem, nem mulher, assim como meus companheiros que estão aqui.- Ira? Parece mais o vovô que todos gostariam de ter! - diz a dona da casa.- E a grande maioria me tem! - responde o vovô.- Matam com crueldade, provocam brigas horríveis e destroem cidades quando me aproximo. Sou capaz de eliminar qualquer sentimento diferente de mim, posso estar em qualquer lugar epenetrar nas mais protegidas casas. Mostro-me calmo e sereno para mostrar-lhes que a Ira pode estar no aparentemente manso. Posso também ficar contido no íntimo das pessoas sem me manifestar, provocando úlceras,câncer e as mais temíveis doenças.- Eu sou a Inveja. Faço parte da história do homem desde a sua criação, diz uma jovem que ostentavauma coroa de ouro cravada de diamantes, usava braceletes de brilhantes e roupas de fino pano,assemelhando-se a uma princesa rica e poderosa.- Como inveja, se é rica e bonita e parece ter tudo o que deseja? Diz a mulher da casa.- Há os que são ricos, os que são poderosos, os que são famosos e os que não são nada disso, mas euestou entre todos. A inveja surge pelo que não se tem e o que não se tem é a felicidade. Felicidade depende de amor, e isso é o que de mais carece a humanidade... Onde eu estou, esta também a Tristeza. Enquanto os invasores se explicavam, um garoto, que aparentava cerca de cinco a seis anos,brincava pela casa. Sorridente e de aparência inocente, característica das crianças, sua face de delicados traçosmostravam a plenitude da jovialidade, olhos vívidos...
  10. 10. E você, garoto, o que faz junto a esses que parecem ser a personificação do mal? O garoto responde com um sorriso largo e olhar profundo:- Eu sou o Orgulho.- Orgulho? Mas você é apenas uma criança? Tão inocente como todas as outras. O semblante do garoto tomou um ar de seriedade que assustou o casal, e ele então diz:- O orgulho é como uma criança mesmo, mostra-se inocente e inofensivo, mas não se enganem, sou tão destrutível quanto todos aqui, quer brincar comigo? A Preguiça interrompe a conversa e diz:- Vocês devem escolher quem de nós sairá definitivamente de suas vidas. Queremos uma resposta. O homem da casa responde:- Por favor, dêem dez minutos para que possamos pensar. O casal se dirige para seu quarto e lá fazem várias considerações. Dez minutos depoisretornam.- E então? - pergunta a Gula.- Queremos que o Orgulho saia de nossas vidas. O garoto olha com um olhar fulminante para o casal, pois queria continuar ali. Porém, respeitando a decisão dirige-se para a saída. Os outros, em silêncio, iam acompanhando o garoto quando o homem da casa pergunta:- Ei! Vocês vão embora também? O Menino, agora com ar severo e com a voz forte de um orador experiente,diz:- Escolheram que o Orgulho saísse de suas vidas e fizeram a melhor escolha, Porque onde não há orgurlho não há Preguiça pois os preguiçosos são aqueles que seorgulham de nada fazer para viver, não percebendo que na verdade vegetam. Onde não há orgulho não há luxúria pois os luxuriosos têm orgulho de seus corpos e julgam-semerecedores. Onde não há orgulho, não há cobiça pois os cobiçosos têm orgulho das migalhas que possuem,juntando tesouros na terra e invejando a felicidade alheia, não percebendo que na verdade sãoinstrumentos do dinheiro. Onde não há orguho não há gula pois os gulosos se orgulham de suas condição e jamaisadmitem que o são, arrumam desculpas para justificar a gula, não percebendo que na verdade sãomarionetes dos desejos. Onde não há orgulho, não há ira, pois os irosos com facilidade destroem aqueles que,segundo o próprio julgamento, não são perfeitos, não percebendo que na verdade sua ira é resultado desuas próprias imperfeições. Onde não há orgulho não há inveja, pois os invejosos sentem o orgulho ferido ao verem osucesso alheio seja ele qual for; precisam constantemente superar os demais nas conquistas, nãopercebendo que na verdade são ferramentas da insegurança. Saíram todos sem olhar para trás, e, ao baterem a porta, um fulminante raio de luz invadiu o recinto. "Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida." I João 5.12Pastor Francisco de Souza10- A CORRIDA DOS SAPINHOS Era uma vez, uma corrida de sapinhos. O objetivo era atingir o alto de uma grande torre. Havia no local uma grande multidão assistindo. Muita gente para vibrar e torcer por eles. Começou a competição. Mas como a multidão não acreditava que os sapinhos pudessem alcançar o alto daquela torre, o que mais se ouvia era:
  11. 11. "Que pena!!! Esses sapinhos não vão conseguir. Não vão conseguir." E os sapinhos começaram a desistir. Mas havia um que persistia e continuava a corrida, em busca do topo. A multidão continuava gritando: Pena!!! "Vocês não vão conseguir". E os sapinhos estavam mesmo desistindo um por um, menos aquele sapinho que continuava tranqüilo, embora arfante. Ao final da competição, todos desistiram, menos ele. A curiosidade tomou conta de todos. Queriam saber o que tinha acontecido. E assim, quando foram perguntar ao sapinho como ele havia conseguido concluir a prova, descobriram que ele era surdo... Não permita que pessoas com o péssimo hábito de serem negativas, derrubem as melhores e mais sábias esperanças de seu coração. Lembre-se sempre: Há poder em nossas palavras e em tudo o que pensamos! Seja positivo!!! cesardeaguiar@bol.com.br11- A Criança e o TremUma criança que viajava de trem pela primeira vez ouviu que teria que cruzar vários. Quando pensavana água se sentia perturbada e tinha medo.Porém, cada vez que o trem se aproximava de um rio, sempre havia uma ponte que permitia cruzarcom toda segurança.Depois de passar sem problemas por vários rios e correntezas, a menina se recostou em seu assentodando um suspiro de alívio.Então se dirigiu a sua mãe e disse: " Já não estou preocupada alguém colocou ponte em todo ocaminho."Quando nos encontramos em águas profundas de tristeza nós também descobriremos que Deus, emsua graça, "nos tem colocado pontes em nosso caminho.Assim, não temos que nos abismos dos desesperos e da ansiedade.De maneiras encantadoras, porém, muitas vezes inescrutáveis, Ele vai prover para nós e nos ajudará a"passar" por todas as nossas dificuldades até chegar ao outro lado.Ainda que não entendamos como vai suprir as nossas necessidades, podemos estar seguros de que vaiproporcionar os meios.Os que têm entregue suas circusntâncias a Deus podem com o salmista; "Justo é o Senhor em todos osseus caminhos, e misericordioso em todas as suas obras. O Senhor guarda a todos os que o amam.(Salmo 145. 17,20)12- A Cura de um Menino que tinha 26 EnfermidadesUma senhora levou seu filho numa cruzada no estado do Alabama.Seu filho nasceu com 26 enfermidades.Eis algumas delas abaixo:1) Nasceu cego;2) Sua língua era fora da sua boca e pregada no seu queixo, nunca tinhaficado dentro da sua boca;3) Seus dois braços eram ligados um no outro e agarrados no corpo;4) Suas duas pernas eram paralíticas e deformadas;
  12. 12. 5) Nasceu sem pés;6) Seus joelhos tocavam seus cotovelos e ele vivia numa fetal posição;7) Nasceu sem os órgãos genitais;8) Tinha pulmões defeituosos;9) Rins defeituosos;10) Coração defeituoso, e11) Outros problemas internos, somando 26 enfermidades.Tinha 4 anos de idade. Aquela irmã tinha na última noite, num total de 7dias de cruzada, tinha de resto $20,00 - $5,00 era para a gasolina,$15,00 para o doutor na segunda feira.Na última noite o preletor subiu na plataforma ao ser-lhe dada a palavra edisse: Eu quero tirar a oferta de um modo especial porque acredito queDeus irá fazer algo grandioso. Esta noite eu quero que você dê a Deus umaoferta de fé. Se você não sabe o que eu quero dizer dar a Deus algo quevocê não pode pagar para dar. Se você pode dá-lo não há fé nisto.Naquele momento a mulher deixou a criança com outra irmã e correu edepositou no recipiente para as ofertas, a nota de $20,00. Após ter sidorecolhida a oferta O homem de Deus começou a pregar. Após 20 minutos em sua mensagem ele disse:"Estou sendo transportado no Espírito. Há umgrande prédio branco, eu estou vindo para dentro dele. Oh! estou dentro.É um hospital. Eu estou escutando crianças chorando. É uma sala de parto.Uma pequena criança acaba de nascer. A criança nasceu com 12, 14, 26maiores enfermidades. Os doutores, eu os ouço conversando, eles disseram que o bebê não viverá paraseu primeiro aniversário. Mas eles estavam errados. A criança esta viva. Eu vejo a mãe fazendo apequena mala, a criança esta num bacinete, ha outras senhoras com ela. Eles estão vindo numaviagem, eles estão entrando num velho Ford, eu vejo a divisa do Tenesse/Alabama, o carro estaestacionando: Senhora, você esta aqui nesta noite, traga-me sua criança agora e Deus vai lhe dar 26milagres."Havia 2.500 a 3.000 pessoas no Culto. A mulher saiu correndo o corredorafora com a criança nos braços e colocou-a nos braços do pregador. Elecomeçou a orar pela criança então: Imediatamente sua língua desgrudou do seu queixo e voltou paradentro de sua boca pela primeira vez, voltou como um elástico, seus braços despregaram um do outroe do corpo voltando ao lugar, suas pernas reagiram simultaneamente, o mesmo acontecendo com suasmãos e braços. Naquele instante foram criados belos olhos castanhos , seus ouvidos foram abertos, ospezinhos foram criados, brotando ali. Deus criou ali também os seus órgãos genitais. O pregador ocolocou no chão.Ele correu para sua mãe abraçando a ela, e sua primeira palavra foi.."MAMA". Havia ao lado da plataforma 12 cadeiras de roda. Nas cadeiras,pessoas que estavam paralisadas do pescoço para baixo sem nenhuma esperança.Quando Deus curou o menino, como um sargento mestre dando um comando, todos ficaram de pés ecaminharam totalmente curados pelo poder de Cristo.Seis pessoas totalmente cegas foram curadas e vieram a frente. Cerca de 24 pessoas usando aparelhospara audição, foram curados. Mais tarde aquela mulher testemunhou que antes de sair daquele prédioque as pessoas se juntaram em torno dela para cumprimentá-la, e a primeira pessoa que lhe apertou asmãos lhe deixou $20,00 seguindo-se muitas outras ofertas.A irmã terminou dizendo: Não há nada e nem ninguém como JESUS, Elepermitiu-me ficar num hotel uma semana, comer três refeições por dia numrestaurante, ir em três Cultos por dia, e ser espiritualmente abençoada,e ir para casa com um FILHO SARADO PELO PODER DE DEUS.13- A DIFERENÇA QUE FAZ DIFERENÇA
  13. 13. Os desejos primários de todas as pessoas são: serem felizes, progredir e ganhar mais dinheiro. Umaforma efetiva de alcançar estes anseios é, serem ricos e prósperos.Assim como há pessoas pobres e pessoas ricas há países pobres e países ricos. A diferença entre ospaíses pobres e os ricos não é a Antigüidade do país. Fica demonstrado pelos casos de países comoÍndia e Egito, que tem milhares de anos de civilização e são pobres. Ao contrário, Austrália e NovaZelândia, que há pouco mais de 100 anos, eram quase desconhecidos, hoje são, todavia, paísesdesenvolvidos e ricos.A diferença entre países pobres e ricos também não está nos recursos naturais de que dispõem, pois oJapão tem um território muito pequeno e 80% dele é montanhoso, ruim para a agricultura e criação degado, porém é a segunda potencia econômica mundial: seu território é como uma imensa fabricaflutuante que recebe matérias-primas de todo o mundo e os exporta transformados, também a todo omundo, acumulando sua riqueza.Por outro lado, temos uma Suíça sem oceano, que tem uma das maiores frotas náuticas do mundo; nãotem cacau, mas tem o melhor chocolate do mundo; em seus poucos quilômetros quadrados, criaovelhas e cultiva o solo quatro meses por ano já que o resto é inverno, mas tem os produtos lácteos demelhor qualidade de toda a Europa. Igualmente ao Japão, não tem recursos naturais, mas dá e exportaserviços, com qualidade muito dificilmente superável; é um país pequeno que passa uma imagem desegurança, ordem e trabalho, que o converteu no caixa forte do Mundo.Também não é a inteligência das pessoas a tal diferença, como o demonstram estudantes de paísespobres que emigram aos países ricos e conseguem resultados excelentes em sua educação; outroexemplo: os executivos de países ricos que visitam nossas fábricas e ao falar com eles nos damosconta de que não há diferença intelectual.Finalmente, não podemos dizer que a raça faz a diferença, pois nos países centro-europeus ou nórdicosvemos como os chamados ociosos da América Latina (nós!) ou da África, demonstram ser a forçaprodutiva desses países.O que é então que faz a diferença?A ATITUDE DAS PESSOAS FAZ A DIFERENÇA.Ao estudar a conduta das pessoas nos países ricos se descobre que a maior parte da população cumpreas seguintes regras, cuja ordem pode ser discutida:1. A moral como principio básico;2. A ordem e a limpeza;3. A integridade;4. A pontualidade;5. A responsabilidade;6. O desejo de superação;7. O respeito às leis e aos regulamentos;8. O respeito pelo direito dos demais;9. Seu amor ao trabalho;10. Seu esforço pela economia e investimento.Necessitamos de mais leis? Não seria suficiente cumprir e fazer cumprir estas 10 simples regras?Nos países pobres, só uma mínima (quase nenhuma) parte da população segue estas regras em suavida diária.Não somos pobres porque ao nosso país faltem riquezas naturais, ou porque a natureza tenha sidocruel conosco, simplesmente por Nossa Atitude. Nos falta caráter para cumprir estas premissas básicasde funcionamento das sociedades.Se esperarmos que o governo solucione nossos problemas, ficaremos toda a vida esperando.Quanto mais empenho colocarmos em nossos atos e mudarmos nossa atitude, isto poderá significar aentrada do nosso país na senda do progresso e bem-estar...14- A Fita Rosa
  14. 14. O que os homens tem a ver com o câncer de mama ?Um elegante homem de meia-idade entrou calmamente em um café e sentou-se.Antes de fazer seu pedido, ele pode perceber que um grupo de rapazes, sentados a uma mesa próxima,estavam rindo dele. Ele logo deduziu que o motivo era uma pequena faixa rosa na lapela de seu terno.Muito incomodado com a situação, ele mostrou a faixa aos rapazes e perguntou:- E isto?Todos gargalharam. Um deles disse: - Desculpe-me cara, mas nos estávamos apenas comentandocomo esta pequena faixa fica bonita no seu terno azul.O homem, então, tranqüilamente, convidou-o para sentar-se com ele.O rapaz, apesar de constrangido,concordou.Educadamente, o homem lhe explicou que estava usando a faixa para alertar as pessoas sobre o câncerde seio.E concluiu: - Eu uso isto em honra da minha mãe.O dialogo prosseguiu:- Oh, lamento amigo. Ela morreu de câncer nos seios...- Não. Ela esta viva e passa bem. Entretanto, seus seios alimentaram-me na infância, e confortaram-mequando estava assustado, ou sentia-me solitário.Eu sou muito grato pelos seios de minha mãe e por suasaúde.- Hummm, retrucou o rapaz - sei...- E eu uso esta faixa em honra de minha esposa também.- E ela também esta ok?- Oh, sim. Ela esta ótima. Seus seios tem sido uma grande fonte de amor e prazer para nos dois; e comeles, ela nutriu e alimentou a nossa linda filha ha 23 anos. Eu sou agradecido pelos seus seios e por suasaúde também.- Humm. E eu suponho que você use isto em honra de sua filha também?- Não. E muito tarde para honrar a minha filha, usando isto agora.Minha filha morreu de câncer nos seios ha um mês. Ela pensou que ela era muito jovem para ter estadoença; e quando, acidentalmente, notou um pequeno inchaço nos seios, ela ignorou-o. Ela pensou queestava tudo bem, uma vez que não sentia dores; e que não havia motivos para preocupar-se.Chocado e envergonhado, o soberbo rapaz disse:- Oh, cara, eu lamento muito.- Então, em memória de minha filha, eu, orgulhosamente, também uso esta pequena faixa rosa.Através dela, tenho tido oportunidades de elucidar as pessoas. Agora, vá para casa e converse com suaesposa e suas filhas, sua mãe e seus amigos.E o homem, então, deu ao rapaz uma faixa para que ele também a usasse.O rapaz ergueu a cabeça, vagarosamente, e pediu:- Você me ajuda a coloca-la?III João 1:2 "Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como e prospera atua alma."Este e o mes da mulher e devemos nos conscientizar sobre o câncer de mama.Se você e mulher, faca auto-exames regularmente e, anualmente, mamografias.Seja você mulher ou homem, encoraje as mulheres que você ama a fazerem o mesmo."Porque gastar dinheiro com guerras, guerrilhas inúteis, foguetes espaciais, ao invés de gastar com acura do câncer, aids, a fome...?""Este é um verdadeiro holocausto!"
  15. 15. Fonte: Palavra Divina15- A GOIABEIRA E O MAMOEIRO.Outro dia, numa desses finais de tardes de verão, otempo se fechou, tudo se escureceu e o vento inundou oquintal, bem como o quarto, onde eu deitado, apreciavaaquela cena pela janela.No quintal havia duas árvores: um mamoeiro e umagoiabeira. Eu observava com atenção o quanto o ventobalançava de forma diferente estas árvores,especialmente porque numa das pontas dos galhos dagoiabeira, uma rolinha tinha feito o seu ninho, e agoraestava ela ali, apesar de toda aquela ventania, onde osgalhos se dobravam em todas as direções com incrívelforça, ela "descansava", firme naquilo que haviaconstruído.No mamoeiro, apenas as suas folhas, balançavam, pois oseu caule grosso, permanecia ereto, rijo, talvezorgulhoso por não se dobrar diante da força do vento.Quando acordei no dia seguinte, manhã de sol bonita queDeus havia me dado, o mamoeiro estava no chão, o seucaule apesar de grosso, se rompeu e quebrou-se. Agoiabeira estava lá, intacta, abrigando a rolinha quesabiamente havia construído o seu ninho em sua ramagem.Irmãos ... pude tirar algumas lições deste quadro, quecom certeza, são as maravilhas da natureza, mostrando aglória, a sabedoria e a vontade de Deus em nossas vidas.(Sl 19- 2 a 4 ).Nunca vi quaisquer aves fazer ninho em pé de mamão...(Lucas 7-25) . Deus fez as aves, que sem entendimento,edificam sempre em lugares seguros. Onde está sendoconstruída a sua casa? Na Rocha ou na Areia?Davi, no Salmo 138 declara que " Deus atenta para ohumilde, mas o soberbo Ele o conhece de longe". Quantasvezes temos sido mamoeiros ... como??? Irredutíveis em nossas posições. Não reconhecendo os nossos erros. Não sabendo pedir desculpas e perdão. Permanecendo no pecado que nos agrada, mesmo tendoconvicção dele.Em outras palavras ... não temos nos dobrado quando nãoreconhecemos nossos erros para com o próximo, sendoentão altivos e orgulhosos, ou mesmo estando certos,não procuramos o nosso próximo para pedir perdão e
  16. 16. reconciliarmos. Fil 2-3.Não temos nos dobrado, quando não reconhecemos, quandonão aceitamos e quando não buscamos a soberana eperfeita vontade de Deus, como princípio básico para onosso viver ... Deleito-me em fazer a tua vontade -Salmo 40-8.Conheçamos e prossigamos em conhecer aoSenhor ... para que experimentemos qual seja a boa,agradável e perfeita vontade de Deus ... Os 6-3, Rm 12-2.JOEL GONÇALVES DE SOUZAJogons@bol.com.br16- A HISTÓRIA DE ABRAHAM LINCOLNQuando Abraham Lincoln foi eleito presidente dos EstadosUnidos, houve um forte constrangimento entre as classesdominantes. Afinal, ele era filho de sapateiro e iriadirigir pessoas de famílias tradicionais.Ao fazer seu primeiro discurso no senado, um políticomuito arrogante aproximou-se e disse: "Antes do Senhorcomeçar, eu gostaria de lembra-lo que o Senhor é filhode sapateiro". E todos riram imediatamente. No fundo,todos queriam humilha-lo, já que derrota-lo não haviasido possível. Mas um homem como Lincoln é difícil deser derrubado. Ele, então, respondeu:"Obrigado por lembrar-me do meu pai neste momento. Euprocurarei ser um bom presidente tão bom quanto osapateiro que ele foi. Eu me lembro que meu pai semprefez os sapatos de sua família, se os seus sapatosapresentarem algum problema, você pode traze-los e eu osconsertarei. Desde cedo aprendi a consertar sapatos eagora que meu pai é morto posso cuidar dos seus. Aliás,se algum de vocês, tiver um sapato feito pelo meu paique esteja precisando de conserto pode trazer para mim.Mas de uma coisa estejam certos: eu não sou tão bomquanto ele", e seus olhos se encheram de lágrimas aolembrar-se do pai.Seja qual for a circunstância, o campeão sempre mantém oorgulho de si mesmo, de sua família e de seu trabalho.Ele sabe que as árvores Mais altas têm as raízes maisprofundas, que as dificuldades moldam os campeões; porisso, não somente aos obstáculos, mas a todos quepavimentaram o seu caminho...Seja sempre você, aprenda com os outros tudo que puder,mas nunca abandone a sua essência. É ela que vai criar asua marca registrada...
  17. 17. cesardeaguiar@bol.com.br17- A ingenuidade da astúciaOLAVO DE CARVALHOOséculo XX julgou-se muito astuto porque descobriu, com Marx, Freud e Nietzsche, que as mais altasqualidades humanas podiam encobrir preconceitos de classe, desejos recalcados e a busca decompensações para o ressentimento.À luz dessas revelações, a imagem dos grandes homens que os séculos anteriores haviam exaltadofragmentou-se numa poeira de pequenas misérias, a tal ponto que se tornou necessário explicar seusfeitos e obras notáveis como projeções imaginárias do meio cultural.Pelo fim do século, virou moda nos círculos universitários a produção de biografias pejorativas,empenhadas em ressaltar pecados, defeitos e pontos cegos nas almas dos indivíduos melhores, demodo a sugerir à multidão de leitores que nesses personagens nada havia de especial que não tivessesido depositado lá pelos acasos da fama, por uma bem orquestrada campanha de publicidade ou porum concurso de arranjos convenientes aos interesses da classe dominante.Tendo assim levado a conseqüências extremas a propensão moderna de deleitar-se na autocorrosãomasoquista, o século XX parecia não ter maior motivo de orgulho do que a inflexível suspicácia quefizera dele, depois de tantos séculos de sonhos e desvarios, o primeiro a não se deixar enganar.Essa estranha soberba de olhar frio, que se compraz na visão da própria miséria porque ela investe seuportador do poder soberano de desfazer com uma frase lacônica os mais altos valores e esperanças, é aperfeita inversão da humildade cristã, que só vasculha com idêntico rigor os próprios pecados paraenaltecer através deles a glória da cura divina.Enquanto o cristão se humilha para que Deus o exalte, o homem moderno se humilha para humilhar osoutros. Deus nos amedronta porque conserva em Suas mãos, em vez das nossas, o segredo dasalvação; o discurso da modernidade nos amedronta porque nos persuade de que possui o segredoúltimo de que não há salvação.O modelo supremo de sabedoria a que aspira a inteligência moderna é, indiscutivelmente, o demônio.Ele não pode nos salvar; mas pode justificar de maneira cada vez mais científica a nossa danação. Essaascese demoníaca tornou-se tão disseminada e obrigatória nos meios acadêmicos, que praticamentechegou a se identificar com a imagem do saber científico em geral, ao ponto de, quando se fala em fé ecaridade hoje em dia, ser quase sempre no tom de uma concessão paternal que o rigor intelectual fazàs necessidades pueris de consolo e de ilusão, incontornáveis naquela parcela majoritária da espéciehumana que ainda não alcançou os patamares mais altos de consciência reservados aos acadêmicos deolhar frio e sorriso desdenhoso.Foi numa avançada etapa desse desenvolvimento que surgiu a idéia de esfarelar, depois das imagensdivinas, as próprias qualidades humanas que as manifestavam. A atração que as biografias pejorativase os diagnósticos insultuosos da psique dos grandes homens exercem sobre a massa dos leitores"médios" explica-se facilmente pelo mecanismo de sedução. "Sedução" vem de "sub ducere", conduzirou atrair por baixo: dominar a mente de um sujeito apelando às suas piores qualidades, às suasfraquezas, aos seus temores.Sobretudo à sua inveja. Inveja é um sentimento de inferioridade que encontra alívio na contemplaçãodas inferioridades reais ou imaginárias dos outros. Incapaz de superar suas fraquezas, o invejosoconsola-se com o pensamento de que todos as têm em dose igual. É a democracia dos complexos.Esse tipo de literatura acadêmica visa a despertar no leitor aquilo que John Le Carré chamou "a típicapercepção corrosiva dos fracos". Tê-la disseminado entre as classes letradas fez o século XX sentir-seespecialmente astuto.Mas o que parecerá supremamente ingênuo aos futuros historiadores é que tão vastas porções dasclasses letradas de uma época acreditassem na possibilidade de apreender a personalidade e o gênio deum Goethe, de um Shakespeare -- isto para não mencionar os santos e os profetas --a partir do examedas deficiências e pecados que eles tinham em comum com o restante da humanidade, sem ter emconta o que tinham de diferente. Porque, justamente, se suas fraquezas são iguais às de todo mundo,
  18. 18. resta explicar por que nem todo mundo consegue escrever o "Fausto" ou o "Hamlet" - e muito menosoperar curas milagrosas ou fazer profecias confirmadas pelo tempo.Para aliviar a incomodidade dessa questão, a engenharia acadêmica concebeu teorias como odesconstrucionismo e a estética da recepção, que, desviando a atenção dos leitores da unidadeestrutural na qual se apreende o sentido superior das grandes obras, dispersam sua inteligência nacontemplação da infinidade de elementos soltos que as compõem ou da variedade inesgotável dereações que os públicos de várias épocas e lugares tiveram ante essas obras.Invariavelmente, da dispersão da inteligência segue-se o esfarelamento do seu objeto: no fim o que énegado é a própria integridade das obras, o que é o mesmo que dizer: sua existência.Com isto fica definitivamente sanada a incomodidade acima referida, pois ninguém se senteinferiorizado diante do que não existe.Que milhares de invejosos em todo o mundo cedessem tão facilmente à tentação desse alívio barato echegassem a acreditar piamente nos truques intelectuais pueris concebidos para obtê-lo, eis o que farádo século XX, na visão dos tempos vindouros, o mais ingênuo século da História.OLAVO DE CARVALHO é filósofo.Extraído do Jornal o Globo23/09/0018- A LIBÉLULA E A TARTARUGAA libélula recém nascida, que pairava as suas leves asas sobre a água transparente do ribeirão, viuimóvel sobre uma pedra, uma tartaruga que tomava banho de sol. Espantada diante de uma criatura tãofeia, pousou sobre uma folha de capim a fim de ver melhor. A tartaruga, achando que a libélula aestava admirando, começou a falar:- Olá - disse ela.A libélula levou um susto.- Pensei que você estivesse morta, de tão parada.- Já fui como você, minha criança, muito agitada, mas aprendi que é perigoso vier assim. Em vocêtudo é esbanjamento: asas vibrando, ir e vir nas costas do vento, voar sem cessar. Mas tudo isso fazmal. Quem se mexe muito morre logo. A vida é como a vela: há de se economizar para durar mais.Minha filosofia é simples: nunca ficar de pé, quando posso ficar deitada. Para simplificar, fico sempredeitada...A libélula espantada de que alguém pudesse viver assim, ia perguntar se a vida vale a pena. Mas nãodeu tempo porque a tartaruga continuou a falar:- Você ainda não aprendeu a lição do peso. Para se voar é preciso ser leve. Mas tudo o que é leve éfrágil. As crianças gostam de empinar papagaios. Mas para subir no vento, eles têm de ser feitos comvaretas finas de bambu e papel de seda. Por isso, acabam quase sempre enroscados em algum galho deárvore. Mas você nunca viu uma tartaruga enroscada num galho de árvore. Estão fora dos enroscosporque não se metem a voar, porque são muito pesadas e por isso ficam sempre junto ao chão. Somosprudentes. Voar é perigoso, exige leveza e fragilidade. Isso é coisa que fascina as crianças, mas não osadultos. Os adultos são graves. E grave é aquilo que respeita a lei da gravidade e gosta de ir parabaixo. Como eu. Os adultos quando querem elogiar alguém dizem que ele é uma pessoa de peso. Ocontrário de peso? Leveza, bexiga solta no espaço. Quando se diz que alguém é leviano, isso não é umelogio, é uma ofensa. Leviano é quem não leva as coisas a sério, como as crianças. Quanto maisadultas, mais parecidas comigo.A libélula ia dizer que ser leve é coisa muito gostosa, porque dá sempre uma enorme vontade de rir,mas se calou, com medo de ser acusada de leviana. A tartaruga não entenderia.- E há também a necessidade de defesas - continuou a tartaruga - Veja o seu corpo, fino como umpalito. O bico de qualquer pássaro pode cortá-lo ao meio. E suas asas? Lindas e fracas. Veja agora aminha carapaça. Nem martelo consegue quebrá-la. Você é mole, eu sou dura. Mole são as crianças, ospalhaços, os poetas, os artistas. Duros são os generais, os banqueiros, os policiais, as pessoasimportantes. Quando as crianças deixam de ser uma libélula para se tornarem uma tartaruga, osadultos dizem que elas ficaram maduras. Na verdade o que querem dizem é que ficaram armaduras.
  19. 19. Coisa madura é coisa mole, gostosa, boa de se comer e se descuidar apodrece e acaba. Já a armadura écoisa que vara os séculos. Como eu, impenetrável, constante, sempre a mesma. Digna de confiança.Serei amanhã o que sou hoje. Quanto a você, não sei onde estará. As coisas leves passam. As duraspermanecem. Ninguém diz que Deus é vento ou nuvem.Mas dizem que é rocha e fortaleza. Claro que as armaduras criam certos problemas. Fica difícil parabrincar, pular, abraçar... Mas é o preço da sobrevivência.19- A Lição da BorboletaUm dia, uma pequena abertura apareceu no casulo, e o homem sentou e observou a borboleta porvárias horas, conforme ela se esforçava para fazer com que seu corpo passasse através daquelepequeno buraco.Então ela parou de fazer qualquer progresso. Parecia que ela já avançara o mais que podia, e nãoconseguia ir mais longe. O homem decidiu ajudar a borboleta: pegou uma tesoura e cortou o restantedo casulo.A borboleta saiu facilmente, mas seu corpo estava murcho, era pequeno e tinha as asas amassadas. Ohomem continuou a observar a borboleta porque ele esperava que, a qualquer momento, as asas dela seabrissem e esticassem para serem capazes de suportar o corpo que iria se afirmar com o tempo.Mas nada aconteceu, a borboleta passou o resto da sua vida rastejando com um corpo murcho e asasencolhidas. Ela nunca foi capaz de voar. O que o homem, em sua gentileza e vontade de ajudar nãocompreendia, era que o casulo apertado, e o esforço necessário a borboleta para passar através dapequena abertura, eram o modo com que Deus fazia com que o fluído do corpo da borboleta fosse paraas suas asas tornando-a pronta para voar uma vez que estivesse livre do casulo...Algumas vezes, o esforço é justamente o que precisamos em nossa vida. Se Deus nos permitisse passaratravés de nossas vidas sem quaisquer obstáculos, ele nos deixaria aleijados. Nós não seríamos tãofortes como poderíamos ter sido. Nós nunca poderíamos voar.Eu pedi Força.... e Deus me deu Dificuldades para me fazer forte.Eu pedi Sabedoria... e Deus me deu Problemas para resolver.Eu pedi Prosperidade... e Deus me deu Cérebro e Músculos para trabalhar.Eu pedi Coragem... e Deus me deu Perigo para superar.Eu pedi Amor... e Deus me deu pessoas com Problemas para ajudar.Eu pedi Favores... e Deus me deu oportunidades.Eu não recebi nada que pedi... Mas eu recebi tudo de que precisava.20- A Marca de Cristo..."cada arvore é conhecida pelo seu próprio fruto. Porque nem se colhem figos de espinheiros, nemdos abrolhos se vindimam uvas" Lucas 6.44 Cristo nos libertou do peso da Lei e nos colocou debaixode uma Lei incomparavelmente superior, a Lei do Amor, a Lei do Seu Amor! Devemos nos submeterà essa Lei por obediência e gratidão. Não para que ela nos leve à Salvação, pois de fato, como crentes,já temos entendido que fomos salvos bem antes de termos nascidos, é assim que a Bíblia nos diz.Também não devemos pensar que a obediência à essa Lei nos manterá salvos, pois, a mesma Bíbliatambém nos diz que quem nos mantém salvos, é Cristo Jesus que nos retêm em Suas mãos. Assim, deSuas mãos ninguém nos tira, e nem saímos. Mesmo que em algum momento cheguemos a pensar em"desistir" de Jesus, Ele nos restaura o ânimo, direciona nossa visão, e nos apruma os passos, tudo fazpela ação do nosso Consolador, o Espírito Santo. Este é sem dúvida, o segredo da nossa permanênciaincondicional em Suas mãos. Isso tudo tem um nome: Graça Irresistível!A Graça precede ao Amor, agora falamos! Ninguém tem o Amor de Cristo se não houver sidoalcançada por essa Graça! É a Graça que primeiro nos resgata das garras da morte para nos colocar nasseguras mãos de Cristo, aí sim, o Amor nos é dado como a marca do caráter do nosso Salvador. Servecomo o sinal em nós para o Mundo, que de fato somos dEle em essência! Temos um Dono! Somos
  20. 20. servos dEle! Foi exatamente para que não vivamos um "cristianismo filosófico" e vaguemos no campodas idéias, e sim, vivamos um Cristianismo Genuíno que produza Vida para este Mundo, que Jesusnos disse certa vez, que os Seus seguidores seriam identificados pelo Seu Amor, e que eles seriamliteralmente regidos e sinalizados por esse Amor.A Lei do Amor de Cristo é resumida em amá-Lo na proporção que nos amou, e aos outros, da mesmaforma como Ele os amou. Não é fácil, mas é a nossa Lei !Conseqüentemente, quando alguém que se diz filho de Deus, não anda refletindo uma Vida CristãAmorosa e Frutifica...ou ela não é de Cristo, ou, sendo dEle, está vivendo em desobediência eprofunda ingratidão ! É verdade. Mas, tem conserto. Cristo pode fazer tudo novo! Individualmente, cada um de nós deve questionar que tipo de sinal anda refletindo "do Cristo" que confessa. Sempre devemos reavaliar nossas atitudes, valores, e comportamento, para que em momentos de fraqueza, e diante de uma amorosa exortação como essa,não demoremos tanto para retornar ao Primeiro Amor ! Jesus... "Nisso conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns com os outros. Jo 13.35Pr RicardoIgreja Presbiteriana Memorial21- A melhor máquina de voar do mundoO Criador fez os pássaros para serem as melhores máquinas voadoras. Como um avião, eles têm asas,hélices, trem de pouso e todo o necessário para a decolagem e o pouso que, por sinal, é mais bemexecutado por um pássaro do que por qualquer avião.Em outro artigo observamos o intricado desenho de suas leves penas. A estrutura óssea tambémmostra a sabedoria do Criador. Tudo naquele esqueleto forte e flexível está projetado para evitar oexcesso de peso. Seus ossos tubulares reforçados são ocos, mas fortes. Eles contêm uma redeesponjosa que se enche de ar quando o pássaro respira.Na verdade, todo o sistema respiratório de um pássaro é uma parte importante de sua capacidade depermanecer no ar. Os pulmões são uma série de espaços ao redor dos tubos respiratórios. Estes estãoligados a bolsas de ar adicionais entre os músculos e a carne. Quando expira o ar usado de seuspulmões, o pássaro consegue respirar uma quantidade surpreendente de oxigênio para sua correntesanguínea. A circulação de ar dentro do pássaro também tem um efeito refrigerador. Quanta sabedoriao Senhor demonstrou na criação dessas criaturas de penas.A força para voar da maioria dos pássaros vem dos músculos de seu peito, os quais estão ligados a umosso incrivelmente grande em seu peito. O osso do peito está localizado na parte inferior de seu corpo,de modo que o pássaro não fique com excesso de peso na parte de cima. O pescoço, a parte maisflexível de seu corpo, também ajuda a dar equilíbrio ao pássaro durante o vôo. Ele possui 14 vértebras- o dobro de uma girafa!Quase todos os pássaros são excelentes voadores, mas os mais pesados têm alguma dificuldade paradecolar. Alguns, como os cisnes, precisam de uma pista. Enquanto correm pela pista, batem as asasfuriosamente, para poderem sair voando. Todos eles decolam de frente para o vento, como fazem osaviões. Às vezes, depois de pousarem em lagos ou represas, alguns pássaros aquáticos necessitam deuma boa brisa para poderem ir embora.Outros, sabendo da dificuldade de decolar do chão, preferem pousar em lugares altos. Dali eles podemse beneficiar da força da gravidade para ganharem velocidade de vôo. Mas qualquer que seja asituação, e qualquer que seja o pássaro, Deus lhes deu os meios e habilidades para cuidarem de simesmos de uma forma que nos maravilha.O Salmista, talvez pensando nestas e em outras coisas maravilhosas, escreveu: "Louvem o nome doSenhor, pois mandou, e logo foram criados... Louvai ao Senhor desde a Terra, vós... aves voadoras;reis da Terra e todos os povos... moços e moças, velhos e crianças. Louvem o nome do Senhor, pois sóo Seu nome é exaltado; a Sua glória está sobre a Terra e o céu" (Salmo 148.5-13).
  21. 21. Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Paicelestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas? Mateus 6.2622- A natureza pecaminosa23- A Parte da Cada Um Diz uma lenda amazônica que o tuiuiu, um pássaro do Pantanal, enfrentando um incêndio na floresta, mergulhava no rio, molhava as asas, e, alçando vôo, as sacudia para as gotas de água, delas desprendidas, caíssem sobre o fogo. Incansavelmente, o tuiuiu prosseguia na sua abnegada missão: mergulhava, alçava vôo. Até que um dos animais da floresta gritou: O louco tuiuiu, o que esperas conseguir com essas gotas dágua? O tuiuiu respondeu simplesmente: Bom, eu faço a minha parte. “A resposta do tuiuiu é uma chamada de consciência aos brasileiros, neste momento grave da vida nacional. Que cada um faça a sua parte” (Juíza Federal, Márcia Teresa de A. R. Cárcamo Lobo in A Folha do Estado do Rio, Ano I, Nº 5, ag-set 1993). voltar. www.ejesus.com.br24- A Páscoa e o Ovo de GalinhaPróximo da Páscoa, o professor de Ciências de uma escola inicia a sua aula com a seguinte frase "Ahistoria da Páscoa e um mito". "Jesus não saiu do tumulo," continuou, "mas, primeiramente, não existenenhum Deus no céu que possa permitir que seu filho seja crucificado.""Senhor, eu acredito em Deus", Jimmy protestou. "E eu acredito que ele ressuscitou!""Jimmy, você pode acreditar no que você quiser, e claro," o professor respondeu. "Porem, no mundoreal não existe a possibilidade de tais milagres, como a ressurreição. Ninguém que acredite emmilagres pode respeitar a ciência.""Deus não é limitado pela ciência," Jimmy respondeu. "Ele criou a ciência!"Incomodado com o modo como Jimmy defendia sua fé, o professor propôs um experimento cientifico.Foi ate a geladeira e pegou um ovo de galinha."Eu vou deixar este ovo cair no chão," começou o professor. "A gravidade vai fazer com que ele caiano chão e se despedace. "Olhando fixamente para Jimmy, ele continuou: "Agora, Jimmy, eu quero quevocê faca uma oração e peça ao seu deus para que quando eu soltar este ovo ele não caia no chão e sequebre. E se ele conseguir fazer isto, você terá provado que Deus existe, e eu terei que admitir isso."Apos pensar por um momento sobre o desafio, Jimmy lentamente começou sua oração. "Querido Paiceleste," ele iniciou. "Eu peço que quando o meu professor soltar este ovo ... ele caia no chão e sequebre em uma centena de pedaços! E também, Senhor, eu peço que quando este ovo quebrar, meuprofessor tenha um ataque cardíaco fulminante e morra. Amem."Após os cochichos da classe, veio um silencio fúnebre. Por um momento o professor não fez nada. Epor fim ele olhou para o Jimmy e depois para o ovo. E, sem dar uma palavra, ele cuidadosamentedevolveu o ovo na geladeira. "Classe dispensada" disse o professor enquanto sentava na sua cadeira.O professor aparentemente acreditava mais em Deus do que ele mesmo imaginava. Muitas pessoas são
  22. 22. como este professor,negam que Deus existe, mas correm para ele nos momentos difíceis. Porem questionam, e o atacamtodas as vezes quetem chance. Jimmy sabia que Deus não iria matar o seu professor naquele momento, mas tambémsabia que seu professor não apostaria sua vida por um ovo.Quando sua vida está em jogo a idéia de que Deus existe parece fazer mais sentido.João 10:11 "Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas."Nesta data especial, comemoramos o sacrifício de Cristo na Cruz por nos, deu-nos a chance de termosuma nova vida, remiu todos os nossos pecados, lembre-se sempre da real data da Páscoa, pois Eleesteve na Cruz por mim e por voce, por amor e porque nos quer junto dEle.Obs (Esta mensagem foi recebida da Vida.net)PALAVRA DIVINA o seu portal Cristão.25- A PERFEIÇÃO DE DEUSEm Brooklyn, Nova Iorque, Chush é uma escola que se dedica ao ensino de crianças deficientes.Algumas crianças permanecem em Chush por toda a vida escolar, enquanto outras podem sereducadas em escolas normais.Em um jantar beneficente de Chush, o pai de uma criança fez um discurso de que nunca seriaesquecido pelos que estavam presentes. Depois de elogiar a escola e seu dedicado pessoal, clamou ele,"Onde está a perfeição em meufilho Shaya? Tudo o que Deus faz é feito com perfeição. Mas meu filho não pode entender as coisascomo outras crianças entendem. Meu filho não pode se lembrar de fatos e números como as outrascrianças. Onde está a perfeição de Deus? A audiência estava chocada pela pergunta, sofrida pelaangústia do pai e paralisada pela pergunta crucial. "Eu acredito," o pai respondeu, quequando Deus traz uma criança assim no mundo, a perfeição que ele busca está no modo como aspessoas reagem a esta criança".Ele contou então a seguinte história sobre o seu filho Shaya. Uma tarde Shaya e o seu pai caminhavampor um parque onde alguns meninos que Shaya conhecia estavam jogando beisebol. Shaya perguntou,você acha que eles me deixarão jogar"? O pai de Shaya sabia que o filho dele não era muito atlético eque a maioria dos meninos não o queria no time deles. Mas o pai de Shaya entendeu que se o seu filhofosse escolhido para jogar, isto lhe daria uma confortável sensação de participação. O pai de Shayaaproximou-se de um dos meninos no campo e perguntou se Shaya poderia jogar.O menino deu uma olhada ao redor procurando por aprovação dos seus companheiros de time. Nãoconseguindo nenhuma aprovação, ele assumiu a responsabilidade em suas próprias mãos e disse "Nósestamos perdendo por seis rodadas e o jogo está na oitava rodada. Eu acho que ele pode estar em nossotime e nós tentaremos colocá-lo para bater até a nona rodada".O pai de Shaya ficou exaltado quando Shaya abriu um grande sorriso. Pediram a Shaya para vestir
  23. 23. uma luva e ir ao campo para jogar. No final da oitava rodada, o time de Shaya marcou alguns pontosmas ainda estava perdendo por três. No final da nona rodada, o time de Shaya marcou novamente eagora com dois fora e as bases com potencial para a rodada decisiva, Shaya foi escalado paracontinuar. O time deixaria Shaya de fato bater nesta circunstância e jogar fora a chance de ganhar ojogo?Surpreendentemente, foi dado o bastão a Shaya. Todo o mundo sabia que era quase impossível porqueShaya nem mesmo sabia segurar o bastão. Porém, quando Shaya tomou posição, o lançador se moveualguns passos para arremessar a bola suavemente de maneira que Shaya pudesse ao menos rebater. Foifeito o primeiro arremesso e Shaya balançou desajeitadamente e perdeu.Um dos companheiros do time de Shaya foi até ele e juntos seguraram o bastão e encararam olançador a espera pelo próximo lance. O lançador deu novamente alguns passos para lançar a bolasuavemente para Shaya. Quando veio o lance, Shaya e o seu companheiro de time balançaram o bastãoe junto eles rebateram a lenta bola do lançador. O lançador apanhou a suave bola e poderia tê-lalançado facilmente ao primeiro homem de base. Shaya estaria fora e isso teria terminado o jogo. Aoinvés, o lançador pegou a bola e lançou-a em uma curva longa e alta para o campo, distante do alcancedo primeiro homem de base. Todo o mundo começou a gritar, "Shaya, corra para a primeira. Corrapara a primeira ". Nunca na vida dele ele tinha corrido para a primeira base. Ele saiu em disparadapara a linha de base, com os olhos arregalados e assustado. Até que ele alcançasse a primeira base, ojogador da direita teve a posse da bola. Ele poderia ter lançado a bola ao segundo homem de base quecolocaria Shaya para fora, pois ele ainda estava correndo. Mas o jogador entendeu quais eram asintenções do lançador, assim ele lançou a bola alta e distante, acima da cabeça do terceiro homem debase. Todo o mundo gritou, "Corra para a segunda, corra para a segunda". Shaya correu para asegunda base enquanto os jogadores à frente dele circulavam deliberadamente para a base principal.Quando Shaya alcançou a segunda base, a curta parada adversária, colocou-o na direção de terceirabase e todos gritaram, "Corra para a Terceira". Quando Shaya contornou a terceira base, os meninos deambos os times correram atrás dele gritando, "Shaya corra para a base principal". Shaya correu para abase principal, pisou nela e todos os 18 meninos o ergueram nos ombros fazendo dele o herói, como seele tivesse vencido um "grand slam" e ganho o jogo para o time dele. "Aquele dia," disse o paidocemente com lágrimas caindo sobre sua face, "esses 18 meninos alcançaram o nível da perfeição deDeus".26- A PESCAEm uma aldeia de Terranova, os habitantes, que viviam principalmente da pesca, estavam muitodesanimados. A temporada de pesca já estava quase no final, e os resultados tinham sido péssimos.Além disso, o inverno se aproximava e, se tudo continuasse da mesma maneira, haveria fome emiséria em toda a aldeia. Então uma pequena congregação reuniu-se num culto especial de oração parapedir a ajuda de Deus. Naquela noite o templo ficou lotado. Após a leitura de algumas passagensbíblicas, várias pessoas elevaram sua voz a Deus para falar-lhe da penosa situação que a aldeiaatravessava. A população recobrou o ânimo por um momento, mas na manhã seguinte todos estavamnovamente desalentados.Apenas um dentre aqueles pescadores que haviam assistido à reunião saiu para pescar. Tal homem eraconhecido por sua incredulidade e achava uma loucura orar pela pesca. Ele foi pescar apenas paraprovar que não pegaria nada. Porém, assim que ele e seu ajudante jogaram as redes, estas se encheramde peixes. Duas horas depois retornaram ao porto com a embarcação abarrotada. A notícia se espalhoucom a rapidez do vento; logo o porto encheu de embarcações. Nesse dia todas voltaram carregadas depescado. E isso aconteceu até o fim da temporada de pesca.Esse maravilhoso fato marcou profundamente aquele pescador, cuja incredulidade desmoronou diantede Deus. Ele se transformou num homem novo, fiel seguidor de Jesus Cristo.27- A preguiça
  24. 24. Um garotinho de seis anos chorava a um canto da casa. A mãe foi atendê-lo:— Que aconteceu, meu filho?— Acabei de aprender a amarrar o cadarço.— Então, parabéns. Isso é ótimo!Sendo mãe sábia, ela elogia o menino e comemora a sua vitória:— Você está mesmo crescendo, hein? Mas me diga, por que você ainda está chorando?E lá vem uma resposta reveladora:— É porque agora eu vou ter que fazer isso pelo resto da minha vida.(John Ortberg, Revista Leadership, Summer, 1993, p. 36).www.ejesus.com.br28- A QUE REINO VOCÊ PERTENCE?"Porque fostes comprados por preço; glorificai pois a Deus no vosso corpo" (1 Coríntios 6.20).Guilherme II, imperador alemão, viajando certa ocasião em visita a uma das mais afastadas provínciasdos seus domínios, achou por bem interromper a viagem por algumas horas e visitar os alunos de umapequena escola instalada à beira da estrada, na zona rural. Os alunos o receberam com emoção,respeito e acatamento. No meio de tanto entusiasmo e espontaneidade, até um discurso surgiu deimproviso para saudar tão ilustre visitante. O imperador estava surpreso e feliz.Observando que toda a classe era viva, inteligente e desinibida, sentiu-se muito à vontade no meio dosalunos. Depois de ouvi-los cantar, declamar, discursar, desejou divertir-se também um pouco com ascrianças. Assim, incumbiu o seu secretário de apanhar uma laranja no meio da bagagem. Segurando-anuma das mãos, ele perguntou ao grupo:- Qual de vocês seria capaz de me responder a que reino pertence esta fruta que tenho na mão?- Ao reino vegetal - acudiu imediatamente uma garota risonha, de olhos brilhantes e muitocomunicativa.- Surpreendente! - exclamou o visitante - Bem, já que você respondeu com tanta precisão à perguntaque fiz, vou fazer-lhe uma vantajosa proposta: tenho ainda mais duas perguntas, que desejo tambémrespostas corretas e ¡mediatas. Se me responder com exatidão, sem hesitar, dou-lhe uma medalhacomo prêmio. Aceita o desafio?- Aceito, sim senhor - respondeu a garota, prontamente.Então, metendo a mão no bolso da sua farda, tirou uma moeda e mostrando-a, indagou:- E esta moeda, pertence a que reino? É capaz de responder?- Ao reino mineral - disse a menina.- E eu, a que reino pertenço? - continuou Guilherme II.Houve um rápido momento de silêncio. Os colegas se entreolharam e a garota perdeu o sorriso alegre.Ficou séria e constrangida. É que a pequena teve medo de ofender o imperador, dizendo-lhe pertencerao reino animal... Puxa! - pensou ela. Mas perder a medalha é que não me agrada nem um pouco.Então, de repente, uma resposta lhe veio à mente e o bonito sorriso iluminou seu rostinho. E ela,vitoriosa, respondeu:- O senhor pertence ao reino de Deus!Professora, colegas e toda a comitiva que acompanhava o imperador não sabiam que admirar mais: sea engenhosa e verdadeira resposta cristã que a menina deu, ou se a nobre atitude do Kaiser que,entregando o prêmio com voz embargada, acrescentou profundamente emocionado:- Que seja eu digno desse reino, minha filha!29-A verdade30- A Vingança Contra os InocentesUma notícia tem tirado o sono de muitas pessoas em São Paulo. Um grupo de três homenscontaminados pelo vírus HIV (o da AIDS) estão aproveitando o tumulto do metrô, nos horário demaior movimento, para aplicarem com uma seringa sangue contaminado nos passageiros dos trens.
  25. 25. Segundo a informação vinculada na Internet, 6 pessoas já forma vítimas dos ataques do grupo, quetenta se vingar da sociedade em função de terem ficado doentes. Sem querer entrar no mérito de comoeles foram contagiados pelo vírus, fico me questionando: por que pessoas simples e inocentes tem quepagar pelo problema dos outros? Que culpa tem alguém que nem ao menos conhece essas pessoas parater que pagar pelos seus problemas?Infelizmente, em muitas situações o ser humano age assim com os seus semelhantes. Os filhos muitasvezes pagam pelo mau humor dos pais, que chegam do trabalho cansados e estressados e acabamdescontando a raiva do chefe nelas, crianças inocentes que apenas querem um pouco de carinho eatenção e que são trocadas pela televisão ou por qualquer outra coisa de menor importância. Oscônjuges acabam recebendo a culpa da canseira dos outros, que nunca estão dispostos a compartilharamor e carinho, preferindo dormir ou ver televisão, enquanto o outro sofre sozinho, isolado edesprezado no que tem de mais importante, ou seja, seu amor, que é trocado por qualquer problema detrabalho, finanças ou qualquer outra preocupação. No que diz respeito às ações dos governos, muitosdesviam verbas públicas e quem acaba sofrendo é o povo que fica sem saúde, educação e outras coisasessenciais.Por que sempre os inocentes tem que pagar pelos culpados? Por que sempre o clamor de justiça dosinocentes é abafado pelas injustiças dos culpados?Este era o clamor de um homem do passado chamado Habacuque. Ele viveu em um tempo onde seupovo (Israel) estava sendo oprimido por uma nação pagã. O seu clamor era como o de muitos hoje emdia: "Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! E nãosalvarás? Por que me mostras a iniqüidade e me fazes ver a opressão? Pois a destruição e a violênciaestão diante de mim; há contendas, e o litígio se suscita" (Habucuque 1:2,3). A sua situação era tãoassustadora que ele decide parar de reclamar para ver o que Deus faria: "Pôr-me-ei na minha torre devigia, colocar-me-ei sobre a fortaleza e vigiarei para ver o que Deus me dirá e que resposta eu terei àminha queixa" (Habacuque 2:1). Ele estava desapontado com o próprio Deus, julgando que Ele nãoestava fazendo nada em seu favor.A resposta de Deus a este clamor é a mesma que Ele dá a todos aqueles que sofrem injustamente nasmãos de pessoas que não se importam com elas. Deus diz no Salmo 37: "Não te indignes por causados malfeitores, nem tenhas inveja dos que praticam a iniqüidade. Pois eles dentro em brevedefinharão como a relva e murcharão como a erva verde". E mais, Ele ainda diz: "...não te irrites porcausa do homem que prospera em seu caminho, por causa do que leva a cabo os seus maus desígnios.Porque os malfeitores serão exterminados, mas os que esperam no SENHOR possuirão a terra". Vejaque a promessa de Deus para os que n’Ele confiam é de que serão vitoriosos em meio à toda injustiçae violência que sofrem.Mas você pode estar se perguntando: como conseguir isso? Como ver a verdade triunfar sobre amentira e a justiça sobre a injustiça? O Salmo 37 diz: "Confia no SENHOR e faze o bem; habita naterra e alimenta-te da verdade. Agrada-te do SENHOR, e ele satisfará os desejos do teu coração.Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará. Fará sobressair a tua justiça como aluz e o teu direito, como o sol ao meio-dia. Descansa no SENHOR e espera nele...Deixa a ira,abandona o furor; não te impacientes; certamente, isso acabará mal".Se você duvida que Deus esteja pronto a ajudá-lo a vencer as lutas que enfrenta, lembre-se de que umdia Ele mandou Seu próprio Filho para morrer inocente no lugar de todos os pecadores do mundo. Elefoi vítima da vingança do homem, mas mesmo assim continuou firme no Seu propósito, a fim de nosajudar. E como disse alguém: "O amor de Deus por mim no passado me proíbe de pensar que Ele meabandonará no futuro". Assim, confie em Deus, pois, com certeza, Ele sabe ajudar aqueles que sofreminjustamente, pois Ele já passou por isso e sabe o quanto dói ter que pagar pelos erros dos outros.Paulo Cesar Ramalho – Pastor da Igreja Presbiteriana de Porecatue-mail: pcramalho@onda.com.brProjeto e-mail falando de Jesus31- A VISITA DE JESUS
  26. 26. Esta estória passa-se em uma cidade dos Estados Unidos, durante um dia de inverno com muita neve efrio.Ruth foi à sua caixa de correio em frente de casa, verificar se tinha alguma correspondência e lá haviasomente uma carta. Ela tomou a mesma e olhou para ela antes de abrir.Então, ela verificou que não havia nem selo nem qualquer outro carimbo do correio. Abriu o envelopee leu a carta:"Querida Ruth: Deverei estar na sua vizinhança no sábado à tarde e gostaria de visitá-la.Com amorJesus"Com as mãos trêmulas ela colocou a carta em cima da mesa. "Porque iria Jesus visitar-me? Eu não souninguém especial. Eu não tenho nada para oferecer."Com esse pensamento, Ruth lembrou de suacozinha com armários vazios."Oh meu Deus, eu, realmente, não tenho nada para oferecer. Eu tenho que correr para o supermercadoe comprar alguma coisa para o jantar"Ela procurou em sua bolsa e viu que continha somente cinco dólares e quarenta centavos."Bem, pelo menos eu posso comprar um pouco de pão e alguns frios."Ela vestiu seu sobretudo e correu para as compras.Alguns pães franceses, 250 gramas de peito de peru fatiado e uma caixinha de leite deixaram Ruthcom apenas 12 centavos.Apesar de tudo, ela se sentiu bem voltando para casa com aquela pequena e simples oferenda debaixode seus braços.No caminho, uma voz: "Ei senhora, você pode nos ajudar?"Ruth estava tão absorvida em seus planos para o jantar que nem notou duas figuras aconchegadas umaà outra na alameda. Um homem e uma mulher, ambos vestidos em não mais que uns farrapos."Olhe senhora, eu estou desempregado, sabe, e minha mulher e eu estamos vivendo ao relento, e otempo está tornando-se muito frio e estamos sentindo muita fome e se a senhora pudesse nos ajudarnós ficaríamos realmente felizes."Ruth olhou para os dois. Eles estavam sujos e cheiravam mau e, francamente, ela estava certa que elespoderiam conseguir algum tipo de trabalho se eles, realmente, quisessem."Senhor, eu gostaria de ajudá-los nas eu sou uma pobre mulher. Tudo o que eu tenho é um pouco defrios fatiados e um pouco de pão, e eu tenho uma visita muito importante para o jantar esta noite, eestava planejando servir isto para Ele.""Sim. Está certo senhora, eu compreendo. De qualquer forma muito obrigado."O homem colocou suas mãos nos ombros da companheira e seguiram em frente.Olhando-os partir, Ruth sentiu uma dor familiar em seu coração:"Espere, senhor"O casal parou e virou para ela, que corria para eles."Olhe, por que você não fica com este alimento? Eu arranjo outra coisa para servir meu convidado."Ela deu ao homem sua sacola de supermercado."Obrigado senhora. Muito obrigado.""Sim, muito obrigado" disse a esposa. Ruth percebeu que ela estava tiritando de frio."Sabe, eu tenho outro sobretudo em casa. Aqui está este para você."Desabotoou o casaco e jogou-o sobre os ombros da mulher.Então, sorrindo, voltou-se e foi embora alameda abaixo, sem seu casaco e sem os alimentos para servirseu convidado."Obrigado senhora, muito obrigado mesmo"Ruth estava enregelada sem seu casaco e muito preocupada.O Senhor estava chegando para visitá-la e ela não tinha nada para lhe oferecer.Ela remexeu em sua bolsa para achar a chave de casa, quando percebeu que havia outro envelope emsua caixa de correio."Isto é estranho. O carteiro não costuma vir duas vezes no mesmo dia"Ela pegou o envelope e abriu-o.
  27. 27. "Querida Ruth:Foi tão bom vê-la novamente. Obrigado pela adorável comida. E obrigado, também, pelo maravilhosocasaco.Com amor, sempre.Jesus"O ar estava ainda frio, mas mesmo sem casaco, Ruth não notou.32- Água nos vales e nas montanhasHavia um homem que amava muito ao Senhor e O servia dia e noite. Um dia sua esposa morreu,deixando oito crianças. Que grande prova foi essa situação para aquele irmão! Muito jovem, ele sofreue aprendeu bastante com a experiência que passou.Passaram-se anos, e, então, outro irmão, conhecido do primeiro, veio igualmente a perder a esposa,ficando só, com quatro filhos. Ninguém conseguia confortá-lo, tamanha era a depressão em que caíra.Aconteceu, porém, que o primeiro veio visitar o segundo. Ao vê-lo, o que recém perdera a esposafalou: • Irmão, como me sinto confortado! Agora me sinto refrescado. Você perdeu a esposa e ficou só, com oito crianças. Há algo em você que me refresca e conforta.Quanta ajuda levamos aos outros quando desfrutamos Cristo em tempos de dificuldade e teste! EmDeuteronômio 8:7 é dito que na boa terra de Canaã há água fluindo nos vales e nas montanhas. Cristoestá conosco e nos supre, não apenas nas montanhas, nos altos picos de nossa vida. Até mesmo nosmomentos em que nos sentimos num vale, Ele é água viva a fluir! Tal desfrute é um refrigério para osque passam pelas mesmas dificuldades. Não é nos tempos pacíficos ou nos dias felizes, e, sim, nosdias de doença, tristeza e dificuldade que tais águas de alívio são produzidas. Quão abençoadamenteos que beberem dessas águas ajudarão a outros!(Extraido do livro ‘O Cristo Todo-inclusivo33- Amor Não CorrespondidoFazei o bem e emprestai, sem esperar nenhuma paga; será grande o vosso galardão, e sereis filhos doAltíssimo. Pois Ele é benigno até para com os ingratos e maus. S. Lc. 6:35.No dia 8 de setembro de 1860, uma terrível tempestade abateu-se sobre o Lago Michigan e ameaçouafundar o navio de passageiros Lady Elgin. Na praia, observando o desdobramento da tragédia, estavaum grupo de estudantes do Instituto Bíblico Garrett, que ficava perto. Quando o navio começou apartir-se, um dos estudantes, Edward W. Spencer, viu uma senhora agarrada a um dos destroços. Semconseguir ficar apenas observando o naufrágio, Spencer tirou o casaco, jogou-se nas agitadas águas,nadou até ao navio e trouxe aquela senhora em segurança para a praia.Spencer nadou repetidas vezes e trouxe náufragos de volta, até que suas forças falharam e eledesmaiou na praia, exausto. Como resultado de seus esforços, 17 vidas foram salvas, mas o ato heróicoquase lhe custou a vida. Ele nunca recuperou totalmente a saúde.Após a sua morte, alguns anos mais tarde, alguém escreveu à esposa dele perguntando se era verdadeque nenhum dos náufragos salvos havia agradecido o heroísmo de seu marido. Aqui está a respostadela: "A afirmação é verdadeira. Spencer nunca recebeu nenhum agradecimento das pessoas que eleconseguiu salvar, e nenhum reconhecimento por parte de qualquer uma delas." A seguir, numadmirável espírito de magnanimidade, ela colocou a culpa da aparente ausência de gratidão naconfusão geral reinante e na exaustão, tanto dos resgatados quanto do resgatador.Ela encerrou a carta com estas palavras: "Meu marido sempre manteve esse ponto de vista acercadaquele episódio; nunca manifestou qualquer ressentimento, e tenho certeza de que nunca o sentiu.Fez o melhor que pôde, sem esperar recompensas ou apreciação."34- Amor que tanto nos busca
  28. 28. Numa esplêndida noite de céu claro e lua cheia, um barco a vapor descia as correntes do rio Potomac,na América do Norte, com umas poucas pessoas a bordo. Tão calma estava a natureza, que só se ouviao ruído do motorzinho a cortar as águas sob a luz do luar brilhante.Atendendo a pedidos dos passageiros, o senhor Sankey, amigo do evangelista D.L. Moody, tomou aviola e pôs-se a cantar o que sabia: hinos cristãos.De repente, quando entoava o hino "Jesus, Minha Fortaleza", foi o cantor interrompido por um homemde pele bronzeada, que lhe falou, aludindo à Guerra de Secessão recém-acabada naquele país: • Senhor, esteve no exército do Sul? • Sim – foi a resposta. • Esteve no batalhão tal e no regimento tal? • Sim, estive, tornou a aquiescer o cantor. Como você sabe? • Nunca mais me esqueço, senhor - prosseguiu o homem de tez vermelha – da noite enluarada em que o vi só com o rosto descoberto. Logo percebi tratar-se de um soldado inimigo do meu exército, o do norte. Tomei, então, meu fuzil e estava pronto para puxar o gatilho, quando o vi sacar da viola, voltar os olhos para o céu e começar a cantar. O hino cristão que ouvi derreteu meu coração. Pensei com meus botões que esse Jesus a quem o senhor cantava devia ser mesmo muito poderoso, para salvar-lhe a vida na hora exata, quando um fuzil estava a ponto de tirá-la. Senhor, o hino que ouvi naquela noite era o que há pouco cantávamos aqui. Nunca que a lua iluminava seu rosto descoberto precisamente como agora o vejo. Entendo que é grande a misericórdia desse Jesus por ter-me enviado duas vezes o senhor para que eu pudesse conhecê-Lo. Da primeira vez, foi forte a impressão que eu tive; desta, estou decidido a responder a alguém que tanto tem me procurado. Por favor, amigo, ajude-me a encontrar Jesus. "O Filho do homem, veio buscar o perdido" (Lucas 19:10)35- ANSIEDADELargar o Peso TodoLançando sobre Ele toda a vossa ansiedade, porque Ele tem cuidado de vós. I S. Ped. 5:7.A seguinte anedota pode ser fictícia, mas ilustra um fato. De acordo com a história, quando ummontanhês completou seu septuagésimo quinto aniversário, um piloto de avião ofereceu-se para levá-lo a um passeio aéreo e sobrevoar as terras onde ele havia vivido. Apreensivo a princípio, o idososenhor finalmente aceitou o convite. Depois que ele retornou à terra firme, um de seus amigosperguntou:- E daí, o senhor não ficou com medo, Tio Dudley?- Não, não cheguei a ter medo. Sabe, eu não larguei todo o meu peso no banco do avião!Nós sorrimos, mas não é assim que acontece conosco muitas vezes? Não confiamos completamenteem Deus e podemos ser comparados ao homem que se arrastava ao longo de uma estradinhacarregando um pesado fardo às costas. Um fazendeiro passou por ele de carroça e ofereceu-lhe carona.O andarilho aceitou. Depois de algum tempo, o fazendeiro observou que o homem havia erguido o seufardo. Quando o fazendeiro insistiu para que ele o colocasse no chão da carroça, o homem teriarespondido: "Não creio que o pobre cavalo agüente sozinho."36- Apenas Passe AdianteLá estava eu com a minha família, de ferias, num acampamento isolado, com carro enguiçado. Issoaconteceu há 10 anos, mas lembro-me disso como se fosse ontem.- Tentei dar a partida no carro. Nada. Caminhei para fora do acampamento e felizmente meuspalavrões foram abafados pelo barulho do riacho que passava por ali.- Minha mulher e eu concluímos que éramos vitimas de uma bateria descarregada. Sem alternativa,decidi voltar á pé até uma vila mais próxima, a alguns quilômetros de distancia.- Duas horas e um tornozelo torcido, cheguei finalmente a um posto de gasolina. Ao me aproximar do
  29. 29. posto, dei-me conta de que era domingo de manhã. O lugar estava fechado, mas havia um telefonepublico e uma lista telefônica caindo aos pedaços. Telefonei para a única companhia de auto-socorrolocalizado na cidade vizinha, a cerca de 30 km de distancia.- Zé atendeu o telefone e me ouviu enquanto eu explicava meus apuros. Não tem problema - ele dissequando dei minha localização - normalmente estou fechado aos domingos, mas posso chegar aí emmais ou menos meia hora.- Fiquei aliviado que estivesse vindo, mas ao mesmo tempo consciente das implicações financeirasque essa oferta de ajuda significaria. Ele chegou em seu reluzente caminhão-guincho e nos dirigimospara a área de acampamento. Quando saí do caminhão, me virei e observei com espanto o Zé descercom aparelhos na perna e a ajuda de muletas.- Ele era paraplégico! Enquanto ele se movimentava, comecei novamente minha ginástica mental emcalcular o preço da sua boa vontade.- É só uma bateria descarregada, uma pequena carga elétrica e vocês poderão ir embora. O Zé reativoua bateria e enquanto ela recarregava, distraiu meu filho pequeno com truques de mágica. Ele atémesmo tirou uma moeda da orelha e deupara meu filho.- Enquanto ele colocava os cabos de volta no caminhão, perguntei quanto lhe devia.- Oh! nada - respondeu, para minha surpresa.- Tenho que lhe pagar alguma coisa.- Não - ele reiterou. Há muitos anos atrás, alguém me ajudou a sair de uma situação pior do que esta,quando perdi as minhas pernas, e o sujeito me disse apenas para "passar isso adiante". Portanto, vocênão me deve nada.- Apenas lembre-se: Quando tiver uma chance, "passe isso adiante".- Cerca de dez anos após, no meu movimentado consultório onde freqüentemente treino estudantes demedicina, Maria, uma aluna do segundo ano de uma faculdade de outra cidade veio passar um mês nomeu consultório para que pudesse ficar com a mãe, que morava na região. Acabamos de atender a umapaciente cuja vida fora destruída pelas drogas e pelo abuso do álcool e de repente, noto que Maria temseus olhos cheios de lágrimas.- Você não se sente bem por ver este tipo de paciente? - perguntei.- Não - Maria respondeu soluçando - é simplesmente que minha mãe poderia ser esta paciente. Ela temo mesmo problema.Durante o horário de almoço, conversamos sobre a trágica historia da mãe alcoólatra de Maria.Chorosa e angustiada, ela abriu o coração ao contar os nos de ressentimento, vergonha e hostilidadeque haviam marcado a existência de sua família. Dei-lhe a esperança de colocar a mãe sob tratamento.Depois de ser bastante encorajada por um conselheiro treinado que indiquei e por outros membros dafamília, a mãe de Maria consentiu em se submeter a um tratamento. Ficou internada no hospitalespecializado por varias semanas e, quando saiu, era uma outra pessoa. A família de Maria quase tinhasido destruída e pela primeira vez puderam sentir um pouco de esperança.- Como posso lhe agradecer?- perguntou Maria. - Quando me lembrei daquele acampamento distante e do bom samaritanoparaplégico, eu soube que só poderia lhe dar uma resposta: - Apenas passe adianteLucas 10:25-36 "E eis que certo homem, intérprete da Lei, se levantou com o intuito de pôr Jesus àprova e disse-lhe: Mestre, que farei para herdar a vida eterna? Então, Jesus lhe perguntou: Que estáescrito na Lei? Como interpretas? A isto ele respondeu: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teucoração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento; e: Amarás o teu
  30. 30. próximo como a ti mesmo. Então, Jesus lhe disse: Respondeste corretamente; faze isto e viverás. Ele,porém, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: Quem é o meu próximo? Jesus prosseguiu, dizendo:Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e veio a cair em mãos de salteadores, os quais, depois detudo lhe roubarem e lhe causarem muitos ferimentos, retiraram-se, deixando-o semimorto.Casualmente, descia um sacerdote por aquele mesmo caminho e, vendo-o, passou de largo.Semelhantemente, um levita descia por aquele lugar e, vendo-o, também passou de largo. Certosamaritano, que seguia o seu caminho, passou-lhe perto e, vendo-o, compadeceu-se dele. E, chegando-se, pensou-lhe os ferimentos, aplicando-lhes óleo e vinho; e, colocando-o sobre o seu próprio animal,levou-o para uma hospedaria e tratou dele. No dia seguinte, tirou dois denários e os entregou aohospedeiro, dizendo: Cuida deste homem, e, se alguma coisa gastares a mais, eu to indenizarei quandovoltar. Qual destes três te parece ter sido o próximo do homem que caiu nas mãos dos salteadores?Respondeu-lhe o intérprete da Lei: O que usou de misericórdia para com ele. Então, lhe disse: Vai eprocede tu de igual modo."Muitas vezes, nosso temos a oportunidade de ajudar a quem necessita, e por vezes nos recusamos, maspor varias vezes também ajudamos, sigamos o exemplo do Bom Samaritano, passemos isso adiante,sejamos bondosos com os que estão necessitando de nossa ajuda sempre, e que Deus veja não só asobras mas a nossa fé em sua gloria e misericórdia.37- AS MARCAS DO PECADOHavia um homem que tinha um filho ainda jovem, mas, muito desobediente. Até que um dia o paitomou uma resolução, cada vez que o filho desobedecesse, ele colocaria um prego no poste de madeiraem frente à casa. Por outro lado, à medida que ele fosse mudando de atitude os pregos iriam sendotirados. Aquele filho continuou na sua desobediência até que percebeu que no postes já havia muitospregos e ele resolveu mudar de atitude até que um dia todos os pregos foram retirados. Então, o seupai chegou para ele disse para o filho: - Está vendo meu filho, já não há mais nenhum prego, ao que ofilho suspirando respondeu tristemente: - mas as marcas continuam lá.Esta ilustração nos ensina uma verdade da Palavra de Deus: as marcas do pecado nos acompanham!Davi pagou um preço muito alto pelo seus pecados, pois as conseqüências o acompanharam ao longode sua vida.38- As Pegadas Do Senhor"Uma noite tive um sonho...Sonhei que estava andando na praia com o Senhor, e através docéu, passavam-se cenas da minha vida. Para cada cena que sepassava, percebi que eram deixados dois pares de pegadas naareia, um era o meu e o outro era do Senhor. Quando a últimacena da minha vida passou diante de nós, olhei para trás, para aspegadas na areia, e notei que muitas vezes no caminho da minhavida havia apenas um par de pegadas na areia. Notei, também,que isso aconteceu nos momentos mais difíceis e angustiados domeu viver. Isso aborreceu-me muito, e perguntei ao Senhor:"Senhor, Tu me dissestes que, uma vez que eu resolvi Te seguir,Tu andarias sempre comigo, todo o caminho, mas notei quedurante as maiores tribulações do meu viver havia na areia doscaminhos da vida apenas um par de pegadas. Não compreendopor que nas horas que eu mais necessitava de Ti, Tu medeixastes ".O Senhor me respondeu:"Meu precioso filho, Eu te amo e jamais te deixaria nas horas detua prova e do teu sofrimento. Quando vistes na areia apenas um

×