MANUAL DE METODOLOGIA CIENTIFICA 2008

8,109 views
7,901 views

Published on

Published in: Education, Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
8,109
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

MANUAL DE METODOLOGIA CIENTIFICA 2008

  1. 1. METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO: UMA INTRODUÇÃO À ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE GRAU (Conforme normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT)
  2. 2. 2 SUMÁRIO Por que e como estudar.............................................................................................................6 As condições para estudar.................................................................................................................................6 Instrumentos de estudo e pesquisa............................................................................................7 Leitura...............................................................................................................................................................7 O(a) bom(boa) leitor(a).................................................................................................................................7 Os passos de uma leitura proveitosa.............................................................................................................7 a)examinando o material antes de iniciar a leitura................................................................................7 b)delimitando a unidade de leitura........................................................................................................8 c)lendo tudo...........................................................................................................................................8 d)identificando a idéia principal............................................................................................................8 e)extraindo os detalhes importantes......................................................................................................9 f)sublinhando.........................................................................................................................................9 g)usando o dicionário............................................................................................................................9 h)avaliando o que se lê........................................................................................................................10 i)tomando notas...................................................................................................................................10 Durante a leitura (apontamentos)....................................................................................................10 após a leitura (fichamentos)............................................................................................................11 O que ler......................................................................................................................................................11 Textos básicos.................................................................................................................................11 Revistas especializadas...................................................................................................................11 Dicionários especializados..............................................................................................................11 Repertórios bibliográficos...............................................................................................................11 Documentação.................................................................................................................................................12 Biblioteca........................................................................................................................................................12 Internet............................................................................................................................................................13 Histórico da Rede........................................................................................................................................13 Como funciona a Internet............................................................................................................................14 Usando a Rede em pesquisas......................................................................................................................14 Participação em eventos..................................................................................................................................15 Metodologia Científica............................................................................................................16 Ciência.............................................................................................................................................16 Ciência pura.........................................................................................................................................16 Ciência aplicada..................................................................................................................................16 Conhecimento científico.................................................................................................................16 Processos do método do conhecimento...........................................................................................................16 Observação..........................................................................................................................................16 Experimentação...................................................................................................................................16 Definições metodológicas................................................................................................................17 Metodologia....................................................................................................................................................17 Método............................................................................................................................................................17 Técnica............................................................................................................................................................17 Procedimento...................................................................................................................................................17 Metodologia de Pesquisa.........................................................................................................18 Pesquisa científica...........................................................................................................................18 As etapas da pesquisa.....................................................................................................................18 Etapa 1 - delimitando o tema...........................................................................................................................18 Definindo o problema..................................................................................................................................19 Formulando hipóteses.................................................................................................................................19 Etapa 2 - planejando a investigação (anteprojeto)..........................................................................................20 O anteprojeto deve conter:..................................................................................................................20 Etapa 3 - coletando e armazenando informações............................................................................................20
  3. 3. 3 Levantando a bibliografia............................................................................................................................20 Tipos de fontes............................................................................................................................................21 1 - fontes primárias (diretas)...................................................................................................................21 2 - fontes secundárias (indiretas).............................................................................................................21 3 - fontes terciárias..................................................................................................................................21 Coletando e registrando dados....................................................................................................................22 1 - dados de fontes primárias...................................................................................................................22 1.1 - dados de documentos originais...................................................................................................22 1.2 - dados colhidos pelo(a) pesquisador(a) diretamente da realidade...............................................22 1.2.1 - entrevista..............................................................................................................................23 1.2.2 - observação............................................................................................................................24 2 - dados de fontes secundárias...............................................................................................................24 Etapa 4 - analisando resultados e tirando conclusões.....................................................................................25 Etapa 5 - divulgando os resultados..................................................................................................................25 Metodologia do Trabalho Científico.......................................................................................26 Passos para elaboração do trabalho..............................................................................................26 Normas gerais para publicação......................................................................................................26 1 – Estrutura de apresentação..........................................................................................................................26 2 - Formatação gráfica geral............................................................................................................................27 3 - Configuração de página.............................................................................................................................27 4 - Paginação...................................................................................................................................................27 especificações para paginação.................................................................................................................28 Capa.................................................................................................................................................................29 especificações para formatação...............................................................................................................29 nome do(a) autor(a).............................................................................................................................29 título do trabalho.................................................................................................................................29 local e ano............................................................................................................................................30 Folha de rosto..................................................................................................................................................32 especificações para formatação...............................................................................................................32 nome do(a) autor(a).............................................................................................................................32 título do trabalho.................................................................................................................................32 explanação referente ao trabalho.........................................................................................................33 nome do(a) orientador(a).....................................................................................................................33 local e ano............................................................................................................................................33 Ficha catalográfica..........................................................................................................................................36 Errata...............................................................................................................................................................36 Folha de aprovação..........................................................................................................................................38 especificações para formatação...............................................................................................................38 nome do(a) autor(a).............................................................................................................................38 título do trabalho.................................................................................................................................38 local e data de aprovação....................................................................................................................39 nome, instituição e assinatura do(a) orientador(a)..............................................................................39 nome, instituição e assinatura da banca examinadora.........................................................................39 Dedicatória......................................................................................................................................................42 especificações para formatação...............................................................................................................42 Agradecimentos...............................................................................................................................................44 especificações para formatação...............................................................................................................44 para o termo agradecimento................................................................................................................44 para as menções de agradecimento.....................................................................................................44 Epígrafe...........................................................................................................................................................46 especificações para formatação...............................................................................................................46 citação..................................................................................................................................................46 autoria..................................................................................................................................................46 Resumo em língua portuguesa........................................................................................................................48 especificações para formatação...............................................................................................................48 para o termo Resumo...........................................................................................................................48 para o corpo do texto...........................................................................................................................48 Resumo em língua estrangeira........................................................................................................................49
  4. 4. 4 especificações para formatação...............................................................................................................49 para o termo Abstract, Resumen, Résumé..........................................................................................49 para o corpo do texto...........................................................................................................................50 Sumário...........................................................................................................................................................51 especificações para inserir o sumário......................................................................................................51 Lista de ilustrações .........................................................................................................................................56 Lista de abreviaturas e siglas...........................................................................................................................56 Lista de símbolos.............................................................................................................................................56 Introdução........................................................................................................................................................58 Desenvolvimento.............................................................................................................................................58 Conclusão........................................................................................................................................................58 Passos para elaboração da conclusão..........................................................................................................59 especificações para formatação...............................................................................................................59 Corpo de texto.....................................................................................................................................59 Título...................................................................................................................................................59 Subtítulos.............................................................................................................................................60 Subtítulo de nível 1 - título 1...........................................................................................................60 Subtítulo de nível 2 - título 2...........................................................................................................60 Subtítulo de nível 3 - título 3...........................................................................................................61 Subtítulo de nível 4 - título 4...........................................................................................................61 Subtítulo de nível 5 - título 5...........................................................................................................61 Subtítulo de nível 6 - título 6...........................................................................................................62 Citações...........................................................................................................................................................63 Normas gerais para apresentação de citações.............................................................................................63 especificações para formatação de citações com mais de três linhas......................................................63 Sistemas de chamada...................................................................................................................................65 1 - sistema autor-data..............................................................................................................................65 Regras gerais de elaboração................................................................................................................65 2 - sistema numérico...............................................................................................................................66 Notas de rodapé.......................................................................................................................................66 Tipos de notas de rodapé.....................................................................................................................66 1 – notas de referência.....................................................................................................................66 2 – notas explicativas......................................................................................................................68 procedimentos para inserção de notas de rodapé....................................................................................68 especificações para formatação de notas de rodapé................................................................................68 Ilustrações........................................................................................................................................................69 Normas gerais para apresentação de ilustrações.........................................................................................69 especificações para formatação...............................................................................................................69 Referências bibliográficas...............................................................................................................................70 Normas gerais para elaboração de referências bibliográficas e bibliografia ..............................................70 Ordenação das referências bibliográficas................................................................................................70 Obras consideradas no todo.....................................................................................................................70 1 - obras de pessoas físicas..................................................................................................................71 1.1 - um(a) autor(a).........................................................................................................................71 1.2 - dois(duas) ou três autores(as)..................................................................................................71 1.3 - mais de três autores(as)...........................................................................................................71 1.4 - autor(a) desconhecido(a).........................................................................................................71 1.5 - organizadores, compiladores, editores, adaptadores, etc........................................................72 2 - obras de entidade coletiva (associações, empresas, instituições)..................................................72 3 - obras com entrada pelo título.........................................................................................................72 4 - orgãos governamentais...................................................................................................................72 5 - referências legislativas...................................................................................................................73 5.1- constituições.............................................................................................................................73 5.2- leis e decretos...........................................................................................................................73 6 - dissertações e teses.........................................................................................................................74 Obras consideradas em parte.......................................................................................................................74 1 - o(a) autor(a) do texto é o(a) autor(a) da obra.....................................................................................74 2 - o(a) autor(a) do texto não é o(a) autor(a) da obra..............................................................................75 Artigos de periódicos..................................................................................................................................75 1 - artigos de revistas...............................................................................................................................75
  5. 5. 5 1.1 - com autoria declarada................................................................................................................76 1.2 - sem autoria declarada.................................................................................................................76 2 - artigos de jornais................................................................................................................................76 2.1 - com autoria declarada................................................................................................................77 2.2 - sem autoria declarada.................................................................................................................77 Documentos eletrônicos..............................................................................................................................77 1 - disquete, cd-rom ou zipdrive..............................................................................................................77 2 - e-mail.................................................................................................................................................78 3 - textos completos de pesquisas eletrônicas.........................................................................................78 3.1 - monografias.................................................................................................................................78 3.2 - artigos de periódicos on-line.......................................................................................................78 3.3 - artigos de jornais on-line.............................................................................................................79 3.4 - homepage....................................................................................................................................79 Especificações para formatação de bibliografia......................................................................................80 Apêndices........................................................................................................................................................81 Anexos.............................................................................................................................................................81 Normas gerais para apresentação de apêndices e anexos............................................................................81 especificações para formatação...............................................................................................................81 Glossário..........................................................................................................................................................81 Referências Bibliográficas......................................................................................................82
  6. 6. 6 POR QUE E COMO ESTUDAR Estudar é uma tarefa de caráter pessoal e que exige método, paciência, dedicação e vontade. É preciso sentir atração pelo saber, e encontrar onde buscá-lo. É necessário iniciar este trabalho com determinação e perseverar nele; o crescimento cultural tem crises como o crescimento físico; quem não sente apetite não deve deixar de alimentar-se; comprometeria sua saúde. (RUIZ, 1996, p. 35) Para estudar, é necessário elaborar um plano de trabalho individual apoiado em instrumentos específicos, que podem e devem ser adaptados ao estilo pessoal e às condições de cada um. AS CONDIÇÕES PARA ESTUDAR1 Nem sempre é possível ter um bom escritório para estudar, mas vão algumas dicas simples podem garantir um estudo bastante produtivo:  defina um horário fixo, preferencialmente duas horas seguidas, para garantir a continuidade do estudo;  procure um ambiente bem arejado e iluminado (ao utilizar luz artificial, esta deve ser difusa e estar direcionada para o lado oposto ao qual você escreve);  utilize uma mesa e estude sentado (em pé ou deitado, você favorece a desconcentração);  tenha por perto um bom dicionário, caneta, lápis, caneta marca-texto e papel para anotações;  o ambiente deve ser silencioso e garantir um clima de concentração; Além dos elementos que garantem as condições materiais para tornar o estudo uma atividade prazerosa, é importante também, examinar o assunto a ser estudado para ter uma visão geral dele, assim é possível tomar decisões mais rápidas e inteligentes sobre como proceder em relação ao objeto de estudo. Não se julgue impossibilitado de estudar por não ter as condições ideais. Com disciplina e vontade é possível estudar em qualquer lugar, basta querer. 1 Elaborado com base no estudo de MORGAN, Clifford T. e DEESE, J. Como estudar. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1980. p. 35-42.
  7. 7. 7 INSTRUMENTOS DE ESTUDO E PESQUISA LEITURA2 “A compreensão do texto [...] implica a percepção das relações entre o texto e o contexto” [...] A memorização mecânica da descrição do objeto não se constitui em conhecimento do objeto.” Paulo Freire A finalidade básica da leitura para fins de estudo é procurar, captar, reter, ampliar, integrar, criticar e construir conhecimentos. A partir dela é possível abrir cada vez mais os horizontes do saber, enriquecendo o vocabulário, facilitando a comunicação, “disciplinando a mente e alargando a consciência pelo contato com formas e ângulos diferentes sob os quais o mesmo problema pode ser considerado.” (RUIZ, 1996, p. 35) O(A) BOM(BOA) LEITOR(A) O(a) bom(boa) leitor(a) é aquele(a) que:  lê unidades de pensamento, lê idéias e não apenas palavras;  hierarquiza as idéias de um texto enquanto lê;  produz seus próprios resumos, buscando acompanhar a montagem, o encadeamento e a articulação das idéias do(a) autor(a);  exercita-se cotidianamente e, com isso, aumenta a sua velocidade de leitura sem prejuízo da compreensão do que lê;  lê sempre com um objetivo claro: responder às perguntas/desafios formulados por si mesmo(a) ou por outros(as);  desafia-se para ter certeza de que está compreendendo o que lê. OS PASSOS DE UMA LEITURA PROVEITOSA A) EXAMINANDO O MATERIAL ANTES DE INICIAR A LEITURA Ao entrar em contato com um material a ser estudado, é importante conhecê- lo melhor antes de iniciar a leitura:  o índice fornece uma idéia do material que se tem em mãos, pois a lista de capítulos que oferece torna mais clara a organização do material e o modo como os diferentes tópicos estão relacionados; 2 Elaborado com base nos estudos de MORGAN & DEESE, op. cit. RUIZ, op. cit e SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 22.ed. São Paulo: Cortez, 2002.
  8. 8. 8  capas, contracapas e orelhas irão ajudar a saber do que trata o livro e como o(a) autor(a) analisa os temas;  o prefácio, a apresentação e a introdução dão uma boa idéia da razão pela qual o texto foi escrito, o que se tentou demonstrar a partir dele, que tipo de texto é, a quem se dirige e que tipo de conhecimentos são necessários para lê-lo. B) DELIMITANDO A UNIDADE DE LEITURA Após examinar o material e tomada a decisão de lê-lo, a primeira medida é estabelecer a unidade de leitura que é “um setor do texto que forma uma totalidade de sentido [...] pode-se considerar [para este fim,] um capítulo, uma seção ou qualquer outra subdivisão [que forme uma unidade. Isto significa que] a leitura de um texto, quando feita para fins de estudo, deve ser feita por etapas, ou seja, apenas terminada a análise de uma unidade é que se passará à seguinte.” (SEVERINO, 2002, p51) C) LENDO TUDO Ilustrações, gráficos e mapas estão no texto com um propósito claro, em muitos casos, estes recursos constituem-se num tipo de informação que não pode ser expressa facilmente em palavras, por isso, é fundamental estar atento(a) a estes elementos do texto. D) IDENTIFICANDO A IDÉIA PRINCIPAL Quem lê deve perguntar-se:  A respeito do que o(a) autor(a) está falando? Qual é o assunto do texto?  Como o assunto é problematizado?  Qual problema o(a) autor(a) quer explicitar? O que está em questão? Estas perguntas orientam o caminho para a idéia principal do conjunto do texto. Cada texto, cada seção, cada capítulo, cada parágrafo tem uma idéia principal, uma palavra-chave, um conceito fundamental. Acompanhar o raciocínio e os argumentos do(a) autor(a) possibilita localizar e entender integralmente o que ele(a) diz.  O que o(a) autor(a) fala sobre o tema?  Como responde ao problema ou dificuldade levantados?  Que posição ele(a) assume?  O que pretende demonstrar? A resposta a essas perguntas fornece a idéia central defendida pelo(a) autor(a).
  9. 9. 9 Ter maior ou menor facilidade para localizar a idéia principal daquilo que se lê é questão de treino (como nadar, andar de bicicleta, digitar...). Criando o hábito de encontrar a idéia principal em cada frase lida e habituando-se a ler tudo (jornais, revistas, bibliografia consultada para trabalhos acadêmicos e/ou profissionais, etc). Com este propósito, é possível desenvolver maior habilidade e rapidez. E) EXTRAINDO OS DETALHES IMPORTANTES Os detalhes são a base da idéia central, são posições defendidas ou assumidas pelo(a) autor(a) e representam um reforço das justificativas apresentadas, completando o seu raciocínio. F) SUBLINHANDO Sublinhar ajuda a destacar as idéias centrais, as palavras-chaves e os detalhes importantes. Quem sublinha com disciplina permanece atento(a), concentrado(a) e crítico(a) ao que lê durante todo o tempo dedicado à leitura, além de conseguir diferenciar o principal do secundário. Além disso, o hábito de sublinhar facilita futuras revisões, possibilitando reler o texto com a exata noção do que foi feito anteriormente, permitindo, assim, a comparação com os novos conhecimentos acumulados desde então. DICAS PARA SUBLINHAR COM EFICIÊNCIA:  cada um(a) deve adotar seus próprios códigos para sublinhar e fazer anotações em textos, mas estes códigos devem ter um significado bem definido que possa ser facilmente compreendido no futuro;  deve-se sublinhar apenas as idéias principais e os detalhes importantes;  o que foi sublinhado deve corresponder a uma unidade de pensamento que faça sentido posteriormente;  deve-se evitar sublinhar mais de uma vez a mesma idéia, mesmo que ela apareça em pontos diferentes do texto;  deve-se sempre assinalar, na margem do texto3 as passagens mais significativas, as dúvidas e as questões das quais se discorda4; G) USANDO O DICIONÁRIO A linguagem é um domínio fundamental do conhecimento. Vocabulário e leitura estão intimamente ligados. É por isso que, em geral, quem lê mal não tem bom vocabulário e quem não tem bom vocabulário lê mal. Quanto maior o domínio 3 Os sinais utilizados devem ser definidos pelo(a) próprio(a) leitor(a) para que sejam compreensíveis no futuro. 4 Podem ser assinaladas discordâncias com as posições do(a) autor(a), incoerências, interpretações tendenciosas de fontes ou ainda colocações julgadas insustentáveis pelo que foi exposto no material.
  10. 10. 10 do vocabulário, maior a nossa possibilidade de compreender o que lemos, e o melhor recurso para aumentar o vocabulário é, sem dúvida, a leitura. Mas o que fazer ao deparar-se com um termo novo ou desconhecido? Primeiramente tentar compreender o sentido do termo a partir do próprio texto. Caso isso não seja possível, pode-se:  anotar a palavra desconhecida em um papel avulso e ao final de sua unidade de leitura procurá-la no dicionário, ou  interromper a leitura e procurá-la imediatamente no dicionário. Definir qual a melhor opção é uma questão de gosto pessoal. H) AVALIANDO O QUE SE LÊ Para aprofundar o processo de compreensão e memorização, deve-se interromper periodicamente a leitura para reconstituir e refletir sobre as principais idéias do texto, analisar os pontos destacados como divergências e construir argumentos sobre eles, tentar esclarecer as dúvidas assinaladas e avaliar o que se leu. Isso nos mantém alertas, possibilitando que a construção do conhecimento se dê de modo seletivo, aumentando a habilidade para dissecar os argumentos e fortalecendo-nos intelectualmente. Por outro lado, é preciso precaver-se para não tomar as afirmações dos livros como verdades absolutas, prontas e acabadas. É fundamental, ter um permanente cuidado em avivar o senso crítico. I) TOMANDO NOTAS Esta é a melhor técnica para reter e organizar as informações de um texto. As anotações ocorrem em dois momentos distintos: durante e após a leitura. DURANTE A LEITURA (APONTAMENTOS) As anotações devem ser sintéticas e claras, com uma visão conjunta e estruturada do texto. Devem conter as idéias principais, os argumentos do(a) autor(a), os nomes, datas e detalhes importantes. É fundamental anotar dúvidas e opiniões pessoais sobre o que foi exposto. Estas anotações podem ser feitas no próprio texto e/ou em fichas:  NO TEXTO: ao encontrar idéias centrais devemos identificá-las, com vocabulário próprio, ao lado do parágrafo em que se encontram;
  11. 11. 11  EM FICHAS: nelas é possível esquematizar e resumir o que se leu. Podem ser feitas em papel ou diretamente no computador. APÓS A LEITURA (FICHAMENTOS) Para facilitar as consultas futuras e possibilitar a identificação do conteúdo de um material sem precisar lê-lo novamente, deve-se elaborar o fichamento. Este deve conter dados bibliográficos (autor(a), texto, época, título da obra, etc.), um resumo das idéias principais (com vocabulário próprio), comentários e avaliação pessoal. A técnica de fichamento permite, entre outras coisas, assegurar a integridade e correção da referência para uso posterior no trabalho; sumarizar o material e registrar elementos que permitam sua seleção e fácil localização quando necessário. O QUE LER Aqui vale uma observação inicial: as disciplinas não se isolam, por isso é importante familiarizar-se com o material relativo a áreas afins à que se está estudando. Para manter um bom nível de informação e de reflexão sobre a área profissional e/ou de estudo na qual se está inserido, deve-se ler/conhecer: TEXTOS BÁSICOS  oferecem um referencial geral, é o caso dos manuais e compêndios; REVISTAS ESPECIALIZADAS5  mantêm atualizada a informação sobre as pesquisas e a bibliografia da área, permitindo acompanhar o desenvolvimento destas e das áreas afins, fornecendo informações bibliográficas, resenhas e outros dados sobre a vida científica e cultural; DICIONÁRIOS ESPECIALIZADOS  permitem a familiarização com o vocabulário próprio da área; REPERTÓRIOS BIBLIOGRÁFICOS  mantêm atualizada a informação sobre a bibliografia da área, pois são publicações que fazem levantamentos sistemáticos sobre todos os documentos publicados (livros, artigos, etc.) 5 Neste aspecto, é de grande ajuda o estudo de SEVERINO, op. cit. que tem feito - em suas diferentes edições - um esforço no sentido de atualizar o repertório de Revistas Científicas Brasileiras.
  12. 12. 12 DOCUMENTAÇÃO A documentação é a maneira mais adequada e sistemática de organizar o material de forma a localizá-lo facilmente no futuro. É fundamental habituar-se a armazenar e documentar informações, arquivando materiais da área de interesse acadêmico e/ou profissional, de áreas afins e outros de diferentes origens. Entretanto, os materiais e informações obtidas ao longo de pesquisas e leituras devem ser armazenados de forma ordenada e criteriosa, possibilitando a sua utilização em qualquer momento da vida profissional e/ou de estudos. A forma de proceder a documentação é pessoal e cada um(a) deve encontrar a que melhor se adapte ao seu estilo de estudo e pesquisa.6 Qualquer tipo de material pode ser documentado e uma mesma fonte pode, ao longo do tempo, receber novas abordagens e informações através de novos apontamentos e anotações que devem ser elaborados a partir da técnica de fichamento. BIBLIOTECA Este é um recurso fundamental para todo(a) aquele(a) que vai desenvolver uma pesquisa. É importante para a vida profissional e acadêmica ter uma pequena biblioteca pessoal que se possa consultar para questões cotidianas7. É fundamental também, recorrer às bibliotecas públicas para obter bibliografia sobre aquilo que devemos/queremos estudar. Todo material que chega a uma biblioteca é registrado, classificado, agrupado segundo o assunto de que trata e incluído no catálogo para ser disponibilizado ao público. É importante informar-se sobre as bibliotecas especializadas da área de interesse acadêmico e/ou profissional e consultar catálogos virtuais disponíveis na Internet. 6 Para obter mais informações sobre métodos e técnicas de documentação recorrer as obras de CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia Científica. 4.ed. São Paulo: Makron Books, 1996; SALOMON, Delcio V. Como fazer uma monografia. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997 e SEVERINO, op. cit. 7 Um bom dicionário de língua portuguesa, um dicionário e manuais da área de interesse acadêmico e/ou profissional, livros específicos sobre temas de maior relevância, são os primeiros elementos de uma biblioteca pessoal que deve ir crescendo de forma lenta e ponderada à medida que se tem um maior conhecimento da área.
  13. 13. 13 INTERNET HISTÓRICO DA REDE8 A história da rede começou em 1969 quando o DARPA (Defence Advanced Research Projects Agency), uma agência do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, desenvolveu um sistema para a trocar de informações sobre pesquisas militares entre pesquisadores(as) de diferentes locais. O sistema consistia em uma rede com quatro computadores que ficou conhecida como DARPANET. Por volta de 1972 o sistema já era composto por 37 computadores (ou nodes), que agora passava a ser conhecida como ARPANET (por conta de uma mudança no nome da agência responsável pela rede). Com o crescimento da rede ocorreram mudanças: ela deixou de ser apenas um veículo de troca de informações entre pesquisadores(as), agora seus(suas) usuários(as) podiam conversar através de caixas de correio eletrônico privadas. A ARPANET cresceu de tal forma e seus(suas) usuários(as) diversificaram-se tanto que, em 1983, foi criada a MILNET, uma rede independente para permitir que as pesquisas militares e as trocas de informações entre pesquisadores(as) continuassem, sem colocar em risco a segurança nacional A Internet, concebida em 1969, só foi realmente consolidada em 1984, quando a National Science Foundation criou a NSFNET, que estabeleceu cinco centros dotados de supercomputadores para possibilitar o acesso às facilidades educacionais para quem quer que precisasse. Estes centros de acesso acadêmico eram muito dispendiosos e, em 1987 a NSF deu um salto: passou a utilizar linhas telefônicas especiais (com alta velocidade de transmissão de dados e novos computadores) e a abranger as áreas de pesquisa, governamental e de organizações internacionais aliadas dos Estados Unidos da América. Em 1990, a rede ou Internet (como ficou oficialmente conhecida), passou a ser acessível a qualquer um(a) que tivesse um computador e uma linha telefônica. 8 Elaborado com base no estudo OLIVEIRA, Silvio Luiz. Tratado de metodologia científica. 3.reimpr. 2.ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001. p. 8-9.
  14. 14. 14 COMO FUNCIONA A INTERNET A Internet constitui-se em uma rede mundial de computadores interligados (por isso a sigla WWW - World Wide Web que quer dizer rede mundial de computadores), que é acessada através do HTTP (protocolo de transporte de hipertexto), técnica utilizada pelos servidores para transmitirem informações aos programas de navegação (os web browsers). Esta rede mundial permite o acesso de milhões de pessoas às mais variadas informações, armazenadas nos Web Sites. “Permite ainda aos pesquisadores de todo o planeta trocar mensagens e informações, com rapidez estonteante, eliminando assim barreiras de tempo e de espaço.” (SEVERINO, 2002, p. 133-4) Para acessar a rede, além de uma linha telefônica e um computador equipado com os recursos e programas necessários para o acesso, é preciso ser assinante de um provedor9. USANDO A REDE EM PESQUISAS A Internet [...] tornou-se uma indispensável fonte de pesquisa para os diversos campos de conhecimento. Isso porque representa hoje um extraordinário acervo de dados que está colocado à disposição de todos os interessados, e que pode ser acessado com extrema facilidade por todos eles, graças a sofisticações dos atuais recursos informacionais e comunicacionais acessíveis no mundo inteiro. (SEVERINO, 2002, p. 133) O uso da Internet para acessar informações constitui mais uma opção para consultas e pesquisas, que podem ser realizadas através de:  mecanismos de busca - instrumentos genéricos que permitem procurar por um tema em um universo mais amplo. A busca pode ser feita por assuntos, nomes, datas ou qualquer outro tipo de referência que se tenha sobre um tema;  catálogos e sites bibliográficos - são, em geral, organizados por áreas. Para consultá-los é importante ter alguma referência prévia sobre este tipo de sites para não perder tempo com buscas frustradas.  Correio eletrônico (e-mail) - através dele é possível receber e transmitir informações variadas, que podem ser utilizadas nos trabalhos científicos e acadêmicos. Cumpre ressaltar, no entanto, que as exigências de rigor científico devem ser respeitadas para os dados obtidos através deste instrumento: 9 Segundo Severino, os provedores são “grandes centros que articulam as redes de computadores, aos quais se articulam, por sua vez, os ‘servidores’, bem como os computadores pessoais dos usuários.” Op. cit., p.134.
  15. 15. 15  só serão considerados válidos aqueles dados que, além da informação propriamente dita, contenham uma indicação bibliográfica precisa;  as informações obtidas virtualmente devem ter sua validade e credibilidade testadas pelo uso e estudo realizados, tal como ocorre com quaisquer outras fontes. PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS Participar de Simpósios, Congressos, Encontros, Semanas e eventos em geral, relativos a área de interesse acadêmico e/ou profissional, é um poderoso instrumento para adquirir informações atualizadas sobre o que está ocorrendo, além de possibilitar uma rica troca de experiências com pessoas da área.
  16. 16. 16 METODOLOGIA CIENTÍFICA10 CIÊNCIA Segundo o Aurélio ciência é o “conjunto organizado de conhecimentos relativos a um determinado objeto, especialmente os obtidos mediante a observação, a experiência dos fatos e um método próprio”. A ciência abrange praticamente todos os campos do conhecimento. É através dela que ocorrem as descobertas e invenções e, por seu intermédio, a natureza é descrita através de “modelos”, que podem ser quantitativos ou qualitativos. Deve utilizar-se de métodos objetivos e considerados confiáveis para chegar a uma afirmação que possa ser considerada verdadeira, mesmo que esta afirmação não possa ser tida como absoluta e/ou final, podendo sempre ser modificada ou substituída. CIÊNCIA PURA Não possui finalidade de utilização prática. Ex.: Filosofia e Matemática. CIÊNCIA APLICADA Visa uma aplicação prática. Ex.: Física Nuclear e Sociologia. CONHECIMENTO CIENTÍFICO O principal objetivo do conhecimento científico é estudar as causas reais dos fenômenos e descobrir as leis pelas quais eles se regem. PROCESSOS DO MÉTODO DO CONHECIMENTO OBSERVAÇÃO Forma de aquisição do conhecimento em que o(a) pesquisador(a) não interfere no objeto do estudo (exemplo: astronomia, comportamento animal). EXPERIMENTAÇÃO 10 Elaborado com base nos estudos de RUIZ, op. cit. e SEVERINO, op. cit.
  17. 17. 17 Forma de aquisição de conhecimento em que o(a) pesquisador(a) fixa, manipula e introduz variáveis no objeto do estudo (exemplo: química, física, biologia). DEFINIÇÕES METODOLÓGICAS METODOLOGIA Do grego método (meta = ao longo de; hodos = via, caminho) a metodologia é o estudo dos meios ou métodos de investigação e organização do pensamento, é a articulação coerente dos objetivos que se visa alcançar com os métodos, técnicas e procedimentos adotados. MÉTODO É o caminho para atingir um determinado objetivo. Consiste em um conjunto de abordagens, técnicas e procedimentos, utilizados à luz da metodologia adotada, para estudar e resolver, de forma sistemática, os problemas colocados. TÉCNICA É a ferramenta que dá suporte ao método no processo de construção do conhecimento. PROCEDIMENTO É a forma de utilização da ferramenta.
  18. 18. 18 METODOLOGIA DE PESQUISA PESQUISA CIENTÍFICA Quando procuramos por uma rua buscamos esta informação das mais variadas formas: perguntamos, olhamos o guia, etc., isto é pesquisa, pois estamos buscando um conhecimento que não possuímos e do qual necessitamos. Pesquisar é sinônimo de busca, de investigação, de indagação. A pesquisa procura respostas e pode encontrá-las ou não. As chances de sucesso certamente aumentam na medida em que a pesquisa é vista como um processo e não como uma simples coleta de dados. Pesquisar cientificamente significa buscar conhecimentos apoiando-se em procedimentos capazes de dar confiabilidade aos resultados. A natureza da questão que dá origem ao processo de pesquisa varia, podendo surgir de uma dificuldade sentida na prática profissional, de um fato para o qual não se conseguem explicações, da consciência de que se conhece mal alguma situação ou do interesse em criar condições de prever determinados fenômenos. Mas de que conhecimento estamos falando quando tratamos da pesquisa científica? Falamos do conhecimento historicamente acumulado, que é um processo social e coletivo. De um conhecimento que provém da prática. Daquele conhecimento que é um caminho para a compreensão da realidade (mas não é a realidade), permitindo, a partir de seu domínio, pensá-la globalmente e analisá-la com rigor e crítica. Por tudo isso, aprender a pesquisar é construir o seu próprio caminho para o conhecimento, é uma forma de capacitar-se para pensar. AS ETAPAS DA PESQUISA11 ETAPA 1 - DELIMITANDO O TEMA O tema é a especificação de um assunto e delimita o contexto e o ângulo em que este será de pesquisado. Deve estar inserido em um assunto e pode surgir de 11 Elaborado com base nos estudos de RUIZ, op. cit. e SEVERINO, op. cit.
  19. 19. 19 um conhecimento ou interesse particulares e/ou profissional; de algum estudo ou leitura anteriores; de idéias dadas pelo(a) orientador(a), professores(as) ou colegas ou de idéias totalmente originais (insight) e devem corresponder ao gosto do(a) pesquisador(a), para não comprometer a eficiência e a eficácia da pesquisa. Gostar da área a ser investigada, sentir que possui qualidades ou algum grau de conhecimento ou experiência sobre o assunto e verificar se há uma certa variedade de fontes e condições de acesso a elas são, pois, requisitos indispensáveis para a elaboração de um bom trabalho. DEFININDO O PROBLEMA O problema delimita a pesquisa, facilita a investigação e é uma pergunta cuja resposta ou explicação só será possível através de pesquisa e experimentação, cujo bom andamento dependerá da adequação do método e das técnicas utilizadas ao problema proposto. Definir o problema da pesquisa é explicitar - de forma clara, objetiva, compreensível e operacional - qual a pergunta que se pretende responder dentro de um certo campo teórico e prático. Ao formular um problema é fundamental estabelecer os seus limites, pois não é possível tratar de todos os aspectos que envolvem um tema. O problema possibilita uma reflexão sobre o tema; ajuda a precisar a resposta a ser procurada; fixa parâmetros para o levantamento bibliográfico; auxilia a organização da documentação e permite discriminar com precisão as anotações a serem feitas (as que servem para responder ao problema). FORMULANDO HIPÓTESES Hipótese é uma suposição que se faz a respeito das possíveis explicações de um problema. Esta suposição deve ser testada e comprovada (ou não) no decorrer da pesquisa. Um único problema pode levantar várias hipóteses e cabe ao(à) pesquisador(a) definir quais orientarão o seu trabalho. Por tratar-se de uma explicação, a hipótese é enunciada como uma afirmação e é o indicador do método e dos procedimentos a adotar. A hipótese tem um importante papel no processo de pesquisa pois é a partir dela que o(a)
  20. 20. 20 pesquisador(a) identifica as informações que lhe são necessárias, evita a dispersão, delimita o campo de observação, seleciona os dados, etc. Entretanto, é preciso muito cuidado para que a hipótese não se transforme em um fim em si mesma, cuja comprovação esteja acima do rigor científico. Constatando-se que uma hipótese não é comprovável, automaticamente outra hipótese poderá/deverá ser criada. A inspiração para elaborar boas hipóteses é diretamente proporcional ao grau de familiaridade do(a) pesquisador(a) com o assunto pesquisado. ETAPA 2 - PLANEJANDO A INVESTIGAÇÃO (ANTEPROJETO) Com o assunto, o tema, o problema e as hipóteses definidos, elabora-se um plano de trabalho (anteprojeto) que servirá de guia para a pesquisa. Este plano permite construir e visualizar os passos a serem dados para se chegar a uma resposta segura sobre o problema que originou a pesquisa. O anteprojeto é um esboço da pesquisa e tem caráter provisório. Deve considerar a necessidade e disponibilidade de informações, de tempo para realizar a pesquisa e de recursos materiais e humanos. O ANTEPROJETO DEVE CONTER:  Assunto, tema, problema e hipótese(s) da pesquisa;  Justificativa da escolha do tema e sua importância na área de conhecimento em que se situa com os objetivos finais e parciais da pesquisa;  Tipos de dados a serem utilizados: dados primários (como serão obtidos?), dados secundários (que tipo de documentação comporá o trabalho?) e como se dará a análise destes dados;  Listagem das obras de referência já consultadas nesta fase do trabalho;  Métodos, técnicas e procedimentos a serem utilizados;  Sumário preliminar do trabalho;  Em havendo outros pesquisadores(as) e técnicos, quem são e quais suas atribuições;  Cronograma de desenvolvimento do trabalho. ETAPA 3 - COLETANDO E ARMAZENANDO INFORMAÇÕES LEVANTANDO A BIBLIOGRAFIA
  21. 21. 21 É o momento de desencadear o processo de localização de documentos que interessem à resposta do problema formulado e de comparar as primeiras impressões do(a) pesquisador(a) com opiniões alheias e/ou com fatos objetivos, amadurecendo posições. O levantamento bibliográfico é mais amplo que a pesquisa documental (abrange apenas as fontes primárias) e deve ser iniciado por obras mais gerais (enciclopédias, dicionários especializados, manuais) e identificar, progressivamente, as mais específicas (periódicos especializados, notas bibliográficas, etc.). TIPOS DE FONTES 1 - FONTES PRIMÁRIAS (DIRETAS) São as fontes originais, contemporâneas aos fatos que estão sendo estudados e diretamente ligadas ao objeto de estudo. Recebem este nome por conter informações de "primeira-mão", ou seja, informações que não se encontravam registradas em nenhum documento anterior. As fontes primárias podem ser os próprios documentos originais (Carta de Pêro Vaz de Caminha ao Rei de Portugal) ou as produzidas diretamente pelo(a) pesquisador(a). São fontes primárias: teses universitárias, relatórios técnicos, artigos em revistas científicas, anais de congressos, testemunhas dos fatos, cartas, documentação pessoal (diários, memoriais, autobiografias), arquivos oficiais e particulares, etc. 2 - FONTES SECUNDÁRIAS (INDIRETAS) São as que trazem informações colhidas em fontes primárias, remontam a épocas posteriores aos fatos estudados. Há fontes secundárias que, por não dispormos de documentos originais, possuem o mesmo valor de uma fonte primária. São fontes secundárias: livros, tratados, enciclopédias, jornais, revistas, informes de pessoas que conversaram com testemunhas dos fatos. 3 - FONTES TERCIÁRIAS São as que contêm índices de fontes primárias e secundárias.
  22. 22. 22 São fontes terciárias: bases de dados bibliográficos, índices e listas bibliográficas. COLETANDO E REGISTRANDO DADOS Dados são informações que podem ser utilizadas pelo(a) pesquisador(a) em seu trabalho, sem as quais não há pesquisa pois permitem: escolher o tema; delimitar o problema; elaborar as hipóteses e verificar a sua validade. Os dados podem ser primários ou secundários (de acordo com o tipo de fonte) e são igualmente utilizáveis em uma pesquisa. Sua escolha deve ser criteriosa, por isso, antes de decidir qual material deve ser recolhido, usado e documentado, é fundamental verificar sua adequação aos propósitos do trabalho. De posse do material e após a leitura, organiza-se o registro dos dados, cujas técnicas e procedimentos variam de acordo com os utilizados na fase da coleta. É necessário um tratamento adequado que agrupe, sintetize e ordene de forma lógica os dados para que possam fornecer respostas claras e objetivas. Na medida em que surgem elementos importantes é necessário documentá-los, tornando-os permanentemente disponíveis. 1 - DADOS DE FONTES PRIMÁRIAS 1.1 - DADOS DE DOCUMENTOS ORIGINAIS Após a localização do documento e constatada a sua autenticidade, os dados são coletados através da leitura e registrados através do fichamento. 1.2 - DADOS COLHIDOS PELO(A) PESQUISADOR(A) DIRETAMENTE DA REALIDADE12 Existem técnicas específicas para este tipo de coleta: são as entrevistas e observações. Em ambas, é fundamental determinar quem será o(a) informante a fim de obter dados adequados à pesquisa. Neste tipo de coleta, deve-se estabelecer o universo a ser pesquisado e, sendo impossível obter informações deste universo, recorrer ao trabalho com amostragens no qual se reduz os(as) pesquisados(as) a uma parcela representativa do grupo, ou seja, que apresente a mesma estrutura do conjunto do grupo. 12 Para informações mais detalhadas ver RUIZ, op. cit.
  23. 23. 23 O registro destes dados pode ser realizado de várias formas: anotações, gravações e suas respectivas transcrições, filmagens e fotografias, etc. O(a) pesquisador(a) deve dispor de tempo, logo após a entrevista ou observação, para preencher eventuais lacunas. Deixar passar o tempo certamente contribuirá para a perda de aspectos importantes da entrevista ou da observação. 1.2.1 - ENTREVISTA Por permitir correções, esclarecimentos e adaptações em seu transcurso, esta é uma técnica eficiente e eficaz para a obtenção das informações desejadas mas é indispensável ter muito cuidado na preparação do roteiro da entrevista. O registro é realizado através da tabulação dos dados (contagem das respostas) com o objetivo de facilitar a leitura e a análise dos resultados. Atualmente, o emprego dos recursos da informática na tabulação de dados quantificáveis reduz, a níveis mínimos, as margens de erro. Existem três tipos básicos de entrevistas:  Padronizada ou estruturada (questionário) - possibilita obter resultados uniformes entre os(as) entrevistados(as) permitindo uma comparação imediata mediante tratamento estatístico.  Semi-estruturada (com roteiro) - desenvolvida a partir de um roteiro, permite que o(a) entrevistador(a) faça as adaptações que julgar necessárias durante o processo.  Não-padronizada ou não-estruturada - é muito flexível, uma conversa informal entre entrevistador(a) e entrevistado(a) na qual pode-se apreender as opiniões, preferências, etc. Ao coletar dados a partir de entrevistas devemos ter alguns cuidados:  Respeito pelo(a) entrevistado(a), por seus valores e cultura;  Respeito e adequação de vocabulário;  Garantia de sigilo e anonimato ao(à) entrevistado(a);  Garantia de um clima de confiança;  Capacidade de ouvir o(a) entrevistado(a);  Estar atento(a) às respostas verbais e a toda a gama de sinais não-verbais (gestos, expressões, entonações, hesitações, alterações de ritmo, etc.), cuja captação ajuda a compreender e validar o que foi dito.
  24. 24. 24 1.2.2 - OBSERVAÇÃO Por possibilitar um contato estreito entre o(a) pesquisador(a) e o objeto pesquisado, a observação pode ser bastante útil na coleta de dados. Entretanto, é fundamental (re)conhecer que sua utilização apresenta restrições que vão da eventual falta de objetividade do(a) observador(a) à dificuldade em estabelecer o tempo adequado para a observação de um determinado fenômeno, passando pela dificuldade em avaliar de forma precisa a sua duração. Para garantir a cientificidade da observação é preciso que esta seja:  adequada a um objeto pré-estabelecido de pesquisa;  planejada com rigor;  registrada de forma sistemática, descrevendo detalhadamente aquilo que ocorre em campo;  plenamente verificável quanto à precisão (para isso pode-se utilizar mecanismos como o confronto do registro de vários(as) observadores(as) e meios tecnológicos de observação e registro). Para realizar uma observação eficaz, é fundamental que o(a) pesquisador(a) treine sua:  Capacidade de concentração para centrar-se nos aspectos relevantes;  Objetividade;  Capacidade de realizar registros descritivos de forma organizada;  Capacidade de avaliar a duração do objeto de estudo e o tempo adequado para observá-lo. O registro deverá ser feito de forma minuciosa e no momento da observação. Caso isso não seja possível, deverá ser feito o mais breve, evitando confiar muito na memória. Ao iniciar cada registro, deve-se indicar dia, hora, local e período de duração da observação, além de distinguir, claramente, as informações descritivas das observações pessoais do(a) pesquisador(a). O resultado final das observações realizadas deve ser sintetizado sob a forma de um relato escrito, que deverá ressaltar os aspectos considerados relevantes para a resposta ao problema. 2 - DADOS DE FONTES SECUNDÁRIAS Após a triagem do material recolhido na pesquisa bibliográfica, os dados secundários são coletados, assim como nas fontes primárias, através da leitura.
  25. 25. 25 No processo de coleta faz-se uma seleção dos dados necessários à solução do problema, separando-se apenas aquilo que se relaciona diretamente àquele e que pode comprovar as hipóteses levantadas. Após o registro - realizado através do fichamento - o material é organizado, o que vai levando a uma ordenação (ainda provisória) das partes do trabalho, bem como a um método para a sua elaboração. ETAPA 4 - ANALISANDO RESULTADOS E TIRANDO CONCLUSÕES O objetivo da etapa de análise e interpretação é responder, à luz dos dados de que se dispõe, ao problema formulado e verificar a validade das hipóteses levantadas. Aqui se deve eliminar, definitivamente, o material supérfluo, acrescentar dados que possam preencher lacunas, decidir quais as referências bibliográficas a serem utilizadas e reunir todos os materiais que servirão de base para a redação final do trabalho (livros, revistas, anotações, figuras, diagramas, quadros, tabelas, etc.). ETAPA 5 - DIVULGANDO OS RESULTADOS Nesta etapa os resultados obtidos são redigidos, transformando-se em uma produção acadêmico-científica com vistas à divulgação.
  26. 26. 26 METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO PASSOS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO 1. Dê um título (ainda que provisório) ao trabalho; 2. Elabore a estrutura hierárquica dos capítulos e tópicos; 3. Decida se e quais ilustrações serão utilizadas; 4. Coloque os materiais na ordem em que aparecerão no trabalho e revise-os; 5. Escreva o trabalho, sem muitos detalhes, na seqüência de capítulos e tópicos; 6. Revise e corrija todo o trabalho, adicione e/ou retire detalhes e aprofunde os tópicos desenvolvidos; 7. Engavete o trabalho por pelo menos uma semana; 8. Depois desse período, revise-o e altere o que achar necessário; 9. Altere o título (se julgar necessário); 10. Verifique se as referências bibliográficas estão citadas corretamente; 11. Verifique se o trabalho está de acordo com normas e formato exigidos pela instituição; 12. Faça uma última revisão do trabalho e tire o número de cópias necessárias; 13. Prepare a apresentação e a defesa do trabalho (quando esta for exigida). NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO13 1 – ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO A estrutura de apresentação de trabalhos científico-acadêmicos compreende: 1. elementos pré-textuais – são as partes que antecedem o texto com informações que ajudam na identificação e utilização posterior do trabalho. 1.1.Capa (obrigatório) 1.2.Folha de Rosto (obrigatório) 1.3.Errata (opcional) 1.4.Folha de Aprovação (obrigatório quando se tratar de trabalho de grau) 1.5.Dedicatória (opcional) 1.6.Agradecimentos (opcional) 1.7.Epígrafe (opcional) 1.8.Resumo (obrigatório) 1.9.Abstract (obrigatório) 1.10.Sumário (obrigatório) 1.11.Lista de ilustrações (opcional) 1.12.Lista de abreviaturas e siglas (opcional) 1.13.Lista de símbolos (opcional) 2. elementos textuais – são as partes do trabalho nas quais o conteúdo é exposto. 13 Conforme as normas da ABNT (6023:2000; 6027:1989; 10520:200; 14724:2001). As especificações técnicas tomaram por base o processador de textos Word.
  27. 27. 27 2.1.Introdução 2.2.Desenvolvimento 2.3.Conclusão 3. elementos pós-textuais – são as partes que complementam o trabalho. 3.1.Referências bibliográficas (obrigatório) 3.2.Apêndices (opcional) 3.3.Anexos (opcional) 3.4.Glossário (opcional) 2 - FORMATAÇÃO GRÁFICA GERAL Utilizar papel branco, formato A4 (210mm x 297mm) e tinta preta para a impressão do trabalho. A encadernação do material (quando necessária) deverá seguir os padrões estabelecidos pela Instituição que o receberá. 3 - CONFIGURAÇÃO DE PÁGINA Na guia Arquivo, clique em Configurar página... e use os seguintes parâmetros: Na aba Margens Superior: 2,0 cm Inferior: 2,0 cm Esquerda: 3,0 cm Direita: 3,0 cm Medianiz: 0 cm A partir da margem Cabeçalho: 1,25 cm Rodapé: 1,25 cm Aplicar: No documento inteiro Na aba Tamanho do papel Tamanho do papel: A4 (21cm x 29,7cm) Orientação Retrato Aplicar: No documento inteiro Clique em OK. 4 - PAGINAÇÃO Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto, devem ser contadas seqüencialmente, mas não numeradas. A numeração é colocada, a partir da primeira folha da parte textual, em algarismos arábicos. No caso de o trabalho ser constituído de mais de um volume, deve ser mantida uma única seqüência de numeração das folhas, do primeiro ao último volume. Havendo apêndice e anexo, as suas folhas devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve dar seguimento à do texto original.” (ABNT, NBR 14724, p. 5)
  28. 28. 28 Cada novo capítulo deve ser iniciado em uma nova página. A primeira página de cada capítulo não deve conter numeração impressa e, quando o trabalho for impresso em frente e verso, esta deve ser ímpar. ESPECIFICAÇÕES PARA PAGINAÇÃO Na guia Inserir, clique em Números de páginas... e use os seguintes parâmetros: Posição: Início da página (cabeçalho) Alinhamento: Direita Desabilite a opção Mostrar nº na primeira página. Clique em OK.
  29. 29. 29 CAPA A capa deve conter: nome do(a) autor(a); título; subtítulo (se houver deve ser precedido de dois pontos [:]); número do volume (quando houver mais de um, constar em cada exemplar o número do respectivo volume); local (cidade da instituição onde o trabalho será apresentado) e ano (da entrega). ESPECIFICAÇÕES PARA FORMATAÇÃO NOME DO(A) AUTOR(A) Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman em maiúsculas Estilo da fonte: Negrito Tamanho: 18 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: Caixa alta Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros:: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Centralizado Recuo Esquerdo: 0 Direito: 0 Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 50 pt Depois: 0 pt Entre linhas: simples Clique em OK. TÍTULO DO TRABALHO Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Negrito Tamanho: 36 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: Caixa alta Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Centralizado Recuo Esquerdo: 0 Direito: 0 Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: (somente na primeira linha) 160 pt (títulos com 4 linhas); 180 pt (títulos com 3 linhas); 200 pt (títulos com 2 linhas) e 220 pt (títulos com 1 linha) Depois: 0 pt Entre linhas: simples
  30. 30. 30 Na aba Quebra de linha e de página Paginação Habilite a opção Controle de linhas órfãs/viúvas. Habilite a opção Não hifenizar. Clique em OK. LOCAL E ANO Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Negrito Tamanho: 14 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: desabilitar todas as opções Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Centralizado Recuo Esquerdo: 0 Direito: 0 Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: (somente na primeira linha) 270 pt (títulos com 4 linhas); 290 pt (títulos com 3 linhas); 310 pt (títulos com 2 linhas) e 330 pt (títulos com 1 linha) Depois: 0 pt Entre linhas: simples Clique em OK.
  31. 31. 31 LUIZ BRITSCHGI MACARTHISMO, FICÇÃO CIENTÍFICA E INDÚSTRIA DE ARMAS: OS EFEITOS DE UMA ÍNTIMA RELAÇÃO São Paulo 1994
  32. 32. 32 FOLHA DE ROSTO A folha de rosto deve conter: nome do(a) autor(a); título; subtítulo; número do volume; explanação referente ao trabalho contendo a natureza (tese, dissertação, trabalho de conclusão de curso e outros), o objetivo acadêmico (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros), o nome da instituição a que é submetido e a área de concentração; nome do(a) orientador(a) e, se houver, do co-orientador(a); local e ano. ESPECIFICAÇÕES PARA FORMATAÇÃO NOME DO(A) AUTOR(A) Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman em maiúsculas Estilo da fonte: Negrito Tamanho: 16 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: Caixa alta Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Centralizado Recuo Esquerdo: 0 Direito: 0 Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 30 pt Depois: 0 pt Entre linhas: simples Clique em OK. TÍTULO DO TRABALHO Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Negrito Tamanho: 30 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: Caixa alta Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Centralizado Recuo Esquerdo: 0 Direito: 0 Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: (somente na primeira linha) 110 pt (títulos com 4 linhas); 130 pt (títulos com 3 linhas); 150 pt (títulos com 2 linhas) e 170 pt (títulos com 1 linha) Depois: 0 pt Entre linhas: simples Na aba Quebra de linha e de página Paginação Habilite a opção Controle de linhas órfãs/viúvas.
  33. 33. 33 Habilite a opção Não hifenizar. Clique em OK. EXPLANAÇÃO REFERENTE AO TRABALHO Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Normal Tamanho: 14 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: desabilitar todas as opções Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Esquerdo Recuo Esquerdo: 5 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 80 pt Depois: 0 pt Entre linhas: simples Clique em OK. NOME DO(A) ORIENTADOR(A) Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Normal Tamanho: 14 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: desabilitar todas as opções Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Justificado Recuo Esquerdo: 4 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 40 pt Depois: 0 pt Entre linhas: simples Clique em OK. LOCAL E ANO Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Normal Tamanho: 12 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: desabilitar todas as opções Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Centralizado Recuo Esquerdo: 0 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: (somente na primeira linha) 140 pt (títulos com 4 linhas); 150 pt (títulos com 3 linhas); 170 pt (títulos com 2 linhas) e 190 pt (títulos com 1 linha) Depois: 0 pt
  34. 34. 34 Entre linhas: simples Clique em OK.
  35. 35. 35 VITORIA CANCELLI MACARTHISMO, FICÇÃO CIENTÍFICA E INDÚSTRIA DE ARMAS: OS EFEITOS DE UMA ÍNTIMA RELAÇÃO Tese apresentada como exigência para a obtenção do grau de Doutor em História Econômica da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Orientador: Prof. Dr. Emanuel Soares da Veiga Garcia São Paulo 1994
  36. 36. 36 FICHA CATALOGRÁFICA No verso da folha de rosto deve constar a ficha catalográfica (medindo 7,5 cm x 12,5cm) elaborada de acordo com o Código de Catalogação Anglo-Americano (CCAA2). CANCELLI, VITORIA Macarthismo, ficção científica e indústria de armas: os efeitos de uma íntima relação / Vitoria Cancelli. – São Paulo, 1994. 198 f. Tese apresentada à Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo para obtenção do grau de doutor em História Econômica. Orientador: Prof. Dr. Emanuel Soares da Veiga Garcia. 1. História Econômica. CDU ERRATA A errata é opcional e, quando inserida no trabalho, deve oferecer todas as condições pra que o(a) leitor(a) identifique rapidamente as correções. ERRATA Folha Parágrafo Linha Onde se Lê Leia-se 8 3 5 Matar Mattar 14 4 2 1989 1999 23 2 3 Discrição Descrição 33 1 6 Co-autor Autor
  37. 37. 37 55 4 4 Suscinto Sucinto
  38. 38. 38 FOLHA DE APROVAÇÃO A folha de aprovação só é colocada quando se tratarem de trabalhos para obtenção de grau e deve conter: nome do(a) autor(a); título; subtítulo; local e data de aprovação do trabalho; nome, instituição e assinatura do(a) orientador(a) e nome, instituição e assinatura dos membros da banca examinadora (quando necessário). ESPECIFICAÇÕES PARA FORMATAÇÃO NOME DO(A) AUTOR(A) Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman em maiúsculas Estilo da fonte: Negrito Tamanho: 16 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: Caixa alta Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Centralizado Recuo Esquerdo: 0 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 20 pt (se for necessário espaço para banca); 40 pt (se o espaço não for necessário) Depois: 0 pt Entre linhas: simples Clique em OK. TÍTULO DO TRABALHO Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Negrito Tamanho: 26 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: Caixa alta Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Centralizado Recuo Esquerdo: 0 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 60 pt (se for necessário espaço para banca); 180 pt (se o espaço não for necessário) Depois: 0 pt Entre linhas: simples Clique em OK.
  39. 39. 39 LOCAL E DATA DE APROVAÇÃO Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Normal Tamanho: 12 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: desabilitar todas as opções Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Centralizado Recuo Esquerdo: 0 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 70 pt (se for necessário espaço para banca); 140 pt (se não for necessário espaço para banca) Depois: 0 pt Entre linhas: simples Clique em OK. NOME, INSTITUIÇÃO E ASSINATURA DO(A) ORIENTADOR(A) Colocar uma linha para assinatura do(a) orientador(a). Abaixo da linha são colocados o nome e a instituição da qual o(a) professor(a) orientador(a) faz parte. Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Normal Tamanho: 12 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: desabilitar todas as opções Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Direito Recuo Esquerdo: 0 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: Antes: 60 pt Depois: 0 pt Entre linhas: simples Clique em OK. NOME, INSTITUIÇÃO E ASSINATURA DA BANCA EXAMINADORA Colocar linhas para assinatura dos membros da banca. Abaixo de cada linha são colocados o nome e a instituição da qual o(a) professor(a) faz parte. Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Normal Tamanho: 12 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: desabilitar todas as opções Clique em OK.
  40. 40. 40 Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Direito Recuo Esquerdo: 0 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 25 pt Depois: 0 pt Entre linhas: simples Clique em OK.
  41. 41. 41 VITORIA CANCELLI MACARTHISMO, FICÇÃO CIENTÍFICA E INDÚSTRIA DE ARMAS: OS EFEITOS DE UMA ÍNTIMA RELAÇÃO São Paulo, _____/_______________ de 1994. __________________________________________________ Prof. Dr. Emanuel Soares da Veiga Garcia – Orientador Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo __________________________________________________ Prof. Livre-Docente Eduardo Leone Faculdade de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo __________________________________________________ Prof. Dr. Marcos Antônio Silva Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo __________________________________________________ Prof. Dr. Osvaldo José Angel Coggiola Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo __________________________________________________ Prof. Dr. Ricardo Antunes Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de Campinas
  42. 42. 42 DEDICATÓRIA Folha na qual o(a) autor(a) presta homenagem ou dedica o seu trabalho. ESPECIFICAÇÕES PARA FORMATAÇÃO Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Itálico Tamanho: 14 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: desabilitar todas as opções Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Esquerdo Recuo Esquerdo: 8 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 500 pt (somente na primeira linha) Depois: 0 pt Entre linhas: 1,5 linha Na aba Quebra de linha e de página Paginação Habilite a opção Não hifenizar Clique em OK.
  43. 43. 43 Aos meus pais, sem os quais nada teria sido possível. Ao Gustavo, companheiro na luta e na vida, sempre.
  44. 44. 44 AGRADECIMENTOS Folha na qual o(a) autor(a) agradece, de modo sucinto, àqueles(as) que colaboraram de forma relevante para a elaboração do trabalho. ESPECIFICAÇÕES PARA FORMATAÇÃO PARA O TERMO AGRADECIMENTO Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Normal Tamanho: 14 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: Caixa alta Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Esquerdo Recuo Esquerdo: 3 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 100 pt Depois: 0 pt Entre linhas: simples Clique em OK. PARA AS MENÇÕES DE AGRADECIMENTO Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Normal Tamanho: 14 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: desabilitar todas as opções Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Esquerdo Recuo Esquerdo: 6 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 20 pt Depois: 0 pt Entre linhas: 1,5 linha Na aba Quebra de linha e de página Paginação Habilite a opção Não hifenizar Clique em OK.
  45. 45. 45 AGRADECIMENTOS Meus agradecimentos aos professores Marcos Antônio Silva e Osvaldo José Angel Coggiola por sua participação em meu exame de qualificação. Suas valiosas contribuições foram um importante apoio para a continuidade deste trabalho.
  46. 46. 46 EPÍGRAFE Folha na qual o(a) autor(a) apresenta uma citação pertinente ao conteúdo tratado no trabalho informando, em seguida, a indicação da autoria. As aberturas de cada capítulo também podem ter uma epígrafe própria (formatada como citação). ESPECIFICAÇÕES PARA FORMATAÇÃO CITAÇÃO Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Itálico Tamanho: 14 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: desabilitar todas as opções Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Esquerdo Recuo Esquerdo: 4 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 400 pt (somente na primeira linha - a medida pode ser alterada no caso de citações com mais de 10 linhas) Depois: 0 pt Entre linhas: 1,5 linha Na aba Quebra de linha e de página Paginação Habilite a opção Não hifenizar Clique em OK. AUTORIA Na guia Formatar, clique em Fonte... e use os seguintes parâmetros: Fonte: Arial ou Times New Roman Estilo da fonte: Itálico Tamanho: 14 Sublinhado: (nenhum) Cor: Automática Efeitos: desabilitar todas as opções Clique em OK. Na guia Formatar, clique em Parágrafo... e use os seguintes parâmetros: Na aba Recuos e espaçamento Alinhamento: Direito Recuo Esquerdo: 6 cm Direito: 0 cm Especial: (nenhum) Espaçamento Antes: 20 pt (somente na primeira linha) Depois: 0 pt Entre linhas: 1,5 linha Na aba Quebra de linha e de página Paginação Habilite a opção Não hifenizar Clique em OK.
  47. 47. 47 Os homens [e mulheres] fazem sua própria história, mas não a fazem como querem; não a fazem sob circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas pelo passado. O Dezoito Brumário de Luiz Bonaparte Karl Marx

×