Your SlideShare is downloading. ×
Ep155 B
Ep155 B
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
995
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Planejamento das disciplinas EP155B Professor responsável: Anna Regina Lanner de Moura PAD: Vanessa Moreira Crecci – vancrecci@gmail.com Durante o período de duração da disciplina, será desenvolvido um conjunto de práticas culturais buscadas na História da Matemática e da Educação Matemática com o objetivo geral de o aluno, futuro professor, entender a matemática como um conjunto de práticas culturais cambiantes e como permissíveis de novos significados produzidos pelos praticantes e aprendentes dessas práticas em sala de aula. “Entende-se por Práticas Culturais Matemáticas, um conjunto de ações entre pessoas que produzem significados conceituais em busca de realizar determinados objetivos. ”Algumas práticas se referem a campos de atividades humanas nos quais elas acontecem.” (Miguel A. Plano da EL654/2008) Por exemplo: práticas de mensuração, artísticas, de orientação espacial, comerciais etc. Objetivos: Pretende-se que o aluno, ao vivenciar as atividades da disciplina desenvolva a capacidade para: 1. desenvolver estudos investigativos da História da Matemática e da matemática escolar; 2. mobilizar cultura matemática nas práticas escolares; 3. problematizar a cultura matemática na prática escolar; 4. realizar trabalhos compartilhados e socializar os estudos feitos. Práticas culturais matemáticas que serão mobilizadas na disciplina: P1 - Práticas de contagem e registro de quantidades; P2 - Práticas de representação do espaço; P3 - Práticas de mensuração; P4 - Práticas de tratamento da informação; Práticas complementares: A matemática na prática cultural das artes: pintura, música; A matemática na prática monetária; A matemática nas práticas relacionadas às profissões. Desenvolvimento da disciplina; As práticas culturais serão vivenciadas pelo aluno mediante as ações: 1ª Investigar e problematizar as práticas culturais matemáticas produzidas pela história da matemática; 2ª Problematizar para seus futuros alunos, simular aulas sobre os conteúdos das Práticas culturais; 3ª Investigar e problematizar as práticas culturais matemáticas enunciadas nas Propostas Curriculares de Matemática do Estado de São Paulo, nas Propostas Nacionais (PCN), nos Livros Didáticos e Paradidáticos; 4ª Produzir textos sobre as vivências 1, 2 e 3; 5ª Elaborar um portfólio da disciplina que deverá conter: 1. o material produzido em grupo; 2. reflexões individuais sobre o que foi produzido por cada grupo de prática. Avaliação Na avaliação serão considerados: O portfólio, as narrativas, o projeto integrado, a apresentação do projeto integrado, a apresentação dos trabalhos sobre as práticas e a presença em sala de aula.
  • 2. BIBLIOGRAFIA DE REFERÊNCIA CARAÇA, B. J. Conceitos Fundamentais da Matemática. Lisboa, Ed. Brs. Monteiro, 1975. (3-46) CROSBY, A W. A mensuração da realidade: a quantificação e a sociedade ocidental, 1250-1600. São Paulo, Editora Unesp/Cambridge University Press, 1999. (17 – 31, 58 – 79, 81 – 110, 137 – 186) D’AMBROSIO, U. Transdisciplinaridade. São Paulo: Editora Palas Athenas, 1997. DANTZIG, T. Número, a linguagem da ciência. R.J.Zahar, 1970. (15 – 28, 31 – 50) ELKONIN, D. B. Psicologia do jogo. Tradução Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1998. FRAGA, M. L. A. Matemática na Escola Primária: uma observação do cotidiano. EPU-SP, 1988. GRANDO, C. R. O Conhecimento Matemático e o uso de Jogos na sala de aula. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação – Unicamp, Campinas, SP, 2001. IFRAH, G. Os Números, a história de uma grande invenção. RJ, Ed Globo, 1978 KAMII, C. & DECLARCK, G. Reinventando a Aritmética. Campinas. Papirus, 1986. KASNER, E.; NEWMAN, J. Matemática e Imaginação. Londres, Inglatera. ZAHAR, 1968. LIMA, L. C. A Repartição da Terra: a construção da fração, (1998) LOPES, C. A E. Matemática em projetos: uma possibilidade. Campinas, Ed Gráfica FE/Unicamp – Cempem, 2003 LOPES, C. A E. O conhecimento profissional dos professores e suas relações com estatistica e probabilidade na educação infantil. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação – UNICAMP, Campinas, SP, 2003. LOPES, C. A E. e MOURA, A R. L,. As crianças e as idéias de número, espaço, formas, representações gráficas, estimativas e acaso. Coleção Desvendando Mistérios na Educação Infantil. Campinas, Ed Gráfica FE/Unicamp – Cempem, 2003 MARCO, F. F. de. Estudo dos processos de resolução de problema mediante a construção de jogos computacionais de matematica no ensino fundamental. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação – UNICAMP, Campinas, SP, 2004. MIALARET, G. A Aprendizagem de Matemática. Coimbra, Livraria Almedina, 1975. MOURA, A. R. L. A medida e a criança pré-escolar. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação - UNICAMP, Campinas, SP, 1995. MOURA, A R. L. O medir de crianças pré-escolares. In Revista Zetetiké, CEMPEM-FE-UNICAMP, vol. 9, nº 15/16, jan/dez de 2001. MOURA, M. O. A construção do signo numérico na criança. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação - USP, São Paulo, SP, 1992. MOURA, M. O. O Controle da Variação de Quantidades. Atividades de Ensino. SP, USP/FE, 1996. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997. Expectativas de aprendizagem – Matemática: Secretária de Educação do Estado de São Paulo. São Paulo: SEESP, 2008.

×