Seminário t1 expressões indiciais

525 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
525
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Seminário t1 expressões indiciais

  1. 1. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PEPG – LAEL Pragmática Indicial Teoria da Linguagem I Profª Dra Mara S. Zanotto Alunas: Barbara Szuparits Daniela Aires Mônica Matos Valkíria B Luiz
  2. 2. Pragmática Indicial Para Guimarães (1983), a pragmática indicial: “Subordina o usuário ao problema da referência e seria do tipo que teria como fonte o signo indicial de Pierce e um compromisso com a semântica lógica, ocupando-se, como esta, do problema da referência de proposições, ou seja, do valor de verdade das proposições.” Para compreender melhor a questão do valor de verdade, vejamos a teoria de Bar-Hillel
  3. 3. Yehoshua Bar-Hillel Foi filosofo, matemático e linguísta na Universidade Hebraica de Jerusalém, nasceu em 1915 e faleceu em 1975. Veremos suas contribuições à linguística a partir do capítulo do livro “Fundamentos Metodológicos da Lingüística”, organizado por Dascal, M (1982).
  4. 4. Expressões indiciais  Em Expressões Indiciais Bar-Hillel (1954) avalia o papel do contexto para determinação da referência de uma sentença;  As expressões indiciais possibilitam a determinação da verdade das sentenças pelo interprete;  Pragmática em dois aspectos diferentes: • Pragmática descritiva da linguagem capaz investigar o caráter indicial • Pragmática pura linguísticos indiciais capaz de construir sistemas
  5. 5. Expressões indiciais (1) (2) (3) O gelo flutua. Está chovendo. Estou com fome. Sendo:  (1) Perfeitamente entendida e avaliada. (Asserção). É verdadeira por que corresponde a um estado de mundo. Emparelhada a qualquer contexto – sempre a mesma proposição. Sentença-tipo tem a mesma referência (objeto do discurso).
  6. 6. Expressões indiciais  As ocorrências (2) e (3)  Apresentam problemas quanto à determinação do estado-de-coisas a que se referem.  Os elementos indiciais remetem a significação a uma dependência do contexto.  A ocorrência (3)  depende ainda mais do contexto, tendo em vista que, mesmo produzida por uma única pessoa em duas ocorrências distintas, já não terá a mesma referência por causa da mudança do tempo T¹ para T².
  7. 7. Expressões indiciais  Versão de Tarski,  (1) É verdadeira se, e somente se, o gelo flutua sobre a água.  (2) e (3), entretanto, só poderiam receber um valorverdade a partir de informações quanto ao tempo, ao espaço e produção da sentença.  Bar-Hillel observa que é possível atribuir-se um valorde-verdade a sentenças como (2) e (3), mas sempre levando-se em consideração o par ordenado sentença-ocorrência-contexto. A comunicação eficaz por meio de sentenças indiciais exige que o receptor conheça o contexto pragmático de produção das sentenças-ocorrências indiciais.
  8. 8. Catherine Kerbrat-Orecchioni É Doutora em Linguística e professora pela universidade Lumières - Lyon II e membro do Institut Universitaire de France. No capítulo 3 de seu livro “Análise da conversação: princípios e métodos” (2006), aborda questões relativas ao contexto
  9. 9. O contexto - ingredientes  Para a autora, a situação comunicativa é composta pelos seguintes elementos: ◦ LUGAR ◦ OBJETIVO ◦ PARTICIPANTES QUADRO ESPACIAL QUADRO TEMPORAL GLOBAL PONTUAIS FINALIDADE EXTERNA GRATUITAS NÚMERO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS RELAÇÕES MÚTUAS
  10. 10. O contexto – Quadro participativo emissor / falante Papeis interlocutivos um ou vários receptores / ouvintes Diferentes tipos de receptores Reconhecidos ou destinatários diretos / alocutários indiretos / laterais Espectadores ocasionais espiões
  11. 11. O contexto – Quadro participativo “Tropo comunicacional” Esquema interlocutivo: Aparência X realidade O emissor destina seu discurso aparentemente a X, mas visa, na realidade, atingir Y.
  12. 12. O contexto – Quadro participativo  Papeis interacionais ◦ São relativamente estáveis ao longo da troca ◦ A interação é simétrica ◦ Papel X Estatuto ◦ Contrato de comunicação
  13. 13. O contexto – Balanço  Papel do contexto ◦ ◦ ◦ ◦  Produção Interpretação Contexto pertinente Índices de contextualização Relações entre contexto e texto conversacional ◦ Relação dialética:  Dado X construido  Situação definida X indefinida  Condicionada X transformadora
  14. 14. O contexto – Exemplo Sentença-ocorrência: “Se Messi é crack, Neymar é Oxi” Mc Boy do Charme Elementos indiciais que remetem a significação a uma dependência do contexto:  Messi, argentino, considerado um dos maiores jogadores de futebol do mundo.  Neymar, brasileiro, considerado um novo talento, “craque” do futebol mundial.  Rivalidade brasileiros e argentinos. Ambos jogarão no mesmo time no exterior (Barcelona - Espanha).  Crack é uma das piores drogas.  Oxi é uma droga ainda mais potente que o crack.
  15. 15. Referências DASCAL, M. (org.) Fundamentos Metodológicos da Lingüística. São Paulo: Unicamp,1982. GUIMARÃES, E. R. J. Sobre os caminhos da pragmática. IN: Sobre pragmática, Revista das Faculdades integradas de Uberaba, FIUBE, Série estudos – 9. 1983. KERBRAT-ORECCHIONI, C. Análise da Conversação: princípios e métodos. São Paulo: Parábola, 2006.

×