Lagos, o Mar e Sophia
Este trabalho foi realizado, tendo por base o tema aglutinador proposto pelo PlanoNacional de Leitura para este ano: o Mar...
Lagos
Lagos é uma cidade litoral portuguesa do distrito de Faro,situada no barlavento algarvio.A história da cidade de Lagos é a...
O seu nome de origem celta, provém donome primitivo Lacobriga.Esta cidade sempre teve uma grandeproximidade com o mar. Des...
Lagos, encerra em si um passado todo elesustentado pelo mar. Durante séculos a sua baíaviu chegar civilizações ancestrais ...
Lacobrigense, Gil Eanes foi oprimeiro a navegador a navegar paraalém do Cabo Bojador, em 1434partindo do cais da Solaria, ...
Ancorada na marina de Lagos desdejunho de 2001 existe uma replica exatada caravela Boa Esperança, com assuas velas latinas...
O prestígio conquistado pelo papeldeterminante que desempenhou na"descoberta de novos mundos"perdurou através dos tempos, ...
Alvo de cataclismos humanos e naturaiscomo o terramoto de 1755, a cidade volta anascer das ruínas. Um renascimento sujeito...
A marina de Lagos , localizada na suabaía, onde se situam as melhorespraias do Algarve, tem o privilégio deestar situada j...
Sophia de Mello Breyner Andresenpassava férias em Lagos.Gostava das sua gente, das suas ruas,das suas praias, do seu peixe...
“Mas o Algarve tem para mim a grandevantagem do calor, dos dias quentes, de quegosto muito. E ainda me lembro das grutas d...
"Vais pela estrada que é de terra amarela e quase sem nenhuma sombra.(… )Depois encontrarás as figueiras transparentes e e...
LagosLagos onde reinventei o mundo num verão ido,Lagos onde encontrei,Uma nova forma do visível sem memória,Clara como a c...
MarMar, metade da minha alma é feita de maresiaPois é pela mesma inquietação e nostalgia,Que há no vasto clamor da maré ch...
E Sophia continuou a cantar Lagos e o mar …“Em Lagos em Agosto o sol cai a direito e há sítios onde até o chão é caiado. O...
Quando eu morrer voltarei para buscaros instantes que não vivi junto do marSophia de Mello Breyner AndresenQuando eu morre...
Queremos agradecer à nossa diretora de turma, professora Maria NaïrFontes, toda a disponibilidade e ajuda que nos deu, par...
Trabalho realizado pelos alunos do 6º FAno letivo 2012 / 2013
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Lagos, o Mar e Sophia

1,142 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,142
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Lagos, o Mar e Sophia

  1. 1. Lagos, o Mar e Sophia
  2. 2. Este trabalho foi realizado, tendo por base o tema aglutinador proposto pelo PlanoNacional de Leitura para este ano: o Mar.Por sugestão da nossa diretora de turma e, depois de um mar de ideias que foramsurgindo, fizemos o trabalho que a seguir se apresenta.As fontes de pesquisa para a realização do nosso trabalho fomos buscá-las ao CR/BE,utilizando os livros e a internet que esse espaço nos põe à disposição.E porque Portugal continental tem mais de 900 km de costa e sempre foi um paísvoltado para o mar, resolvemos partir de Lagos, de onde “Portugal deu novos mundosao mundo”, e iniciar a nossa epopeia!Assim, estudámos a cidade de Lagos e a sua História e ficámos a conhecer a escritora queficará para sempre ligada ao mar e a Lagos - Sophia de Mello Breyner Andresen.
  3. 3. Lagos
  4. 4. Lagos é uma cidade litoral portuguesa do distrito de Faro,situada no barlavento algarvio.A história da cidade de Lagos é a história da sua ligaçãocom mar, a história de uma cidade marítima.Mapa de Portugal-Lagos
  5. 5. O seu nome de origem celta, provém donome primitivo Lacobriga.Esta cidade sempre teve uma grandeproximidade com o mar. Desde temposmuito distantes, a pesca foi a atividade maisimportante e uma das únicas fontes derendimento da população. Em meados doSéculo XIX, a cidade tornou-se num centrode indústria conserveira, tornando-se o seuprincipal meio de sustentabilidade. A partirda década de 60, a principal atividadeeconómica passou a ser o turismo. Comuma costa única (denominada como costaDOiro, devido à cor quase dourada dasrochas), a sua gastronomia e o seupatrimónio histórico, Lagos é hoje umacidade visitada por inúmeros turistas.Costa D’Oiro
  6. 6. Lagos, encerra em si um passado todo elesustentado pelo mar. Durante séculos a sua baíaviu chegar civilizações ancestrais e mais tarde viupartir as caravelas que o Infante D. Henriquelevou a conquistar o Novo Mundo. "Aqui armou D.Henrique as caravelas que abriram caminho àsgrandes navegações dos Descobrimentos.“,Foi em Lagos que o Infante vem encontrar “asmelhores embarcações para as suas empresasmarítimas – as caravelas, as mais diferenciadas eveleiras de toda a costa lusitana”Conhecida como Cidade dos Descobrimentos,apresenta inúmeros vestígios físicos e culturais,que recordam várias épocas da sua história e osacontecimentos mais marcantes. Entre estesvestígios, podem ser identificados algunsmonumentos importantes, que presenciaram ouforam mesmo palco destes acontecimentos.
  7. 7. Lacobrigense, Gil Eanes foi oprimeiro a navegador a navegar paraalém do Cabo Bojador, em 1434partindo do cais da Solaria, em Lagos.
  8. 8. Ancorada na marina de Lagos desdejunho de 2001 existe uma replica exatada caravela Boa Esperança, com assuas velas latinas, em que Gil Eanesdobrou o Cabo Bojador.No mastro principal, a “ BoaEsperança” levará sempre as armas doInfante D. Henrique.Caravela Boa Esperança
  9. 9. O prestígio conquistado pelo papeldeterminante que desempenhou na"descoberta de novos mundos"perdurou através dos tempos, e fezcom que D. Sebastião elevasse Lagos àcategoria de cidade em 1573, passandoa ser a capital do “Reino do Algarve”,até ao domínio espanhol.Lagos recebeu D. Sebastião pela últimavez em 1578, a caminho da fatídicaBatalha de Alcácer-Quibir.
  10. 10. Alvo de cataclismos humanos e naturaiscomo o terramoto de 1755, a cidade volta anascer das ruínas. Um renascimento sujeitoà lentidão da História, apoiado no comércio,pesca, agricultura e numa indústria aindaincipiente, mas uma cidade sempre voltadapara o mar.Foram precisos séculos, mas a cidade aíestá em toda a sua grandeza. Impulsionadapelo mar, Lagos continua a ser admiradapelas águas límpidas, pelas praias de areiasdouradas, pela sua baía e por uma históriaque apetece descobrir em cada monumentoda cidade.Baía de Lagos
  11. 11. A marina de Lagos , localizada na suabaía, onde se situam as melhorespraias do Algarve, tem o privilégio deestar situada junto ao centro históricoda cidade berço dos DescobrimentosPortugueses, acolhe tripulações dediversas nacionalidades e que são osmelhores embaixadores desta cidade.Marina de Lagos
  12. 12. Sophia de Mello Breyner Andresenpassava férias em Lagos.Gostava das sua gente, das suas ruas,das suas praias, do seu peixe.É na lota de Lagos que os pescadoresentregam o peixe, que vai ser vendidono “Mercado da Avenida” , ondeSophia gostava de ir.Lota de Lagos
  13. 13. “Mas o Algarve tem para mim a grandevantagem do calor, dos dias quentes, de quegosto muito. E ainda me lembro das grutas daPraia de D. Ana onde se ia de barquinho aremos, sem barulho, sem cheiro a gasolina,chegava-se lá e estavam desertas, («o esplendorpairava solene sobre o mar»), das cidadescalmas e maravilhosas. Lagos era uma cidademeticulosamente limpa, cheia de gentehonesta.(…)Muitas vezes eu ia a Lagos a pé, às compras.Outras vezes ia a empregada. Um dia ensinei-lheo caminho e o que havia de comprar, etc., paraela fazer o que eu tinha feito sozinha navéspera. Depois de lhe dizer tudo isso apercebi-me que aquilo era uma espécie de poema eescrevi mais ou menos o que lhe tinha dito.Chamei-lhe «Caminho da Manhã».”Sophia na praia D. Ana, em Lagos
  14. 14. "Vais pela estrada que é de terra amarela e quase sem nenhuma sombra.(… )Depois encontrarás as figueiras transparentes e enroladas; (…)E assim irás sempre emfrente com a pesada mão do Sol pousada nos teus ombros, mas conduzida por uma luzlevíssima e fresca. Até chegares às muralhas antigas da cidade que estão em ruínas.Passa debaixo da porta e vai pelas pequenas ruas estreitas, direitas e brancas,(…) Segueentre as casas e o mar até ao mercado que fica depois de uma alta parede amarela. Aídeves parar e olhar um instante para o largo pois ali o visível se vê até ao fim. E olha bemo branco, o puro branco, o branco de cal onde a luz cai a direito.( … )Entra no mercado e vira à tua direita e ao terceiro homem que encontrares em frente daterceira banca de pedra compra peixes. Os peixes são azuis e brilhantes e escuros commalhas pretas. E o homem há-de pedir-te que vejas como as suas guelras são encarnadase que vejas bem como o seu azul é profundo e como eles cheiram realmente, realmente amar. … “…
  15. 15. LagosLagos onde reinventei o mundo num verão ido,Lagos onde encontrei,Uma nova forma do visível sem memória,Clara como a cal concreta como a cal,Lagos onde aprendi a viver rente,Ao instante mais nítido e recente.Lagos que digo como passado agoraComo verão ido absurdamente ausenteQuase estranho a mim e nunca tidoFoi um país que encontrei de frenteDesde sempre esperado e prometidoO puro dom de ter nascidoE o sol reinava em Lagos transparente”Lagos lição de lucidez e lisoOnde estar vivo se torna mais completo– Como pode meu ser distraídoDe sua luz de prumo e de projecto?”(…)Excerto do poema Lagos,
  16. 16. MarMar, metade da minha alma é feita de maresiaPois é pela mesma inquietação e nostalgia,Que há no vasto clamor da maré cheia,Que nunca nenhum bem me satisfez.E é porque as tuas ondas desfeitas pela areiaMais fortes se levantam outra vez,Que após cada queda caminho para a vida,Por uma nova ilusão entontecida.E se vou dizendo aos astros o meu malÉ porque também tu revoltado e teatralFazes soar a tua dor pelas alturas.E se antes de tudo odeio e fujoO que é impuro, profano e sujo,É só porque as tuas ondas são puras.In, Poesia I
  17. 17. E Sophia continuou a cantar Lagos e o mar …“Em Lagos em Agosto o sol cai a direito e há sítios onde até o chão é caiado. O solé pesado e a luz leve. Caminho no passeio rente ao muro mas não caibo na sombra.A sombra é uma fita estreita.Mergulho a mão na sombra como se a mergulhasse na água.”
  18. 18. Quando eu morrer voltarei para buscaros instantes que não vivi junto do marSophia de Mello Breyner AndresenQuando eu morrer voltarei para buscaros instantes que não vivi junto do mar
  19. 19. Queremos agradecer à nossa diretora de turma, professora Maria NaïrFontes, toda a disponibilidade e ajuda que nos deu, para que este trabalhofosse possível.
  20. 20. Trabalho realizado pelos alunos do 6º FAno letivo 2012 / 2013

×