Your SlideShare is downloading. ×
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
 María, Filha Predileta_Do_Pai
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

María, Filha Predileta_Do_Pai

1,718

Published on

Congreso Mariano 2010

Congreso Mariano 2010

Published in: Education, Travel, Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,718
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. MARIA, FILHA PREDILETA DO PAI Mãe Aparecida do Povo do Brasil Amor – culto – cultura Prólogo: filha predileta do Pai Esta frase evoca uma verdade fundamental da nossa fé cristã e católica, que é a filiação divina, nem sempre colocada na evidência teológica e mariana em que ela merece estar colocada. Se Maria é a filha predileta do Pai, como bem afirma o oitavo capítulo da Lumen gentium, perguntamos já de saída: - Em que sentido Maria - a mulher do Antigo Testamento que abre o NT - vive esta filiação divina que a faz merecedora do título: filha predileta do Pai? - De que modo se torna ela inspiração para a vivência da nossa filiação divina, no século XXI, da era digital e da globalização extremada? - Qual sua influência nas expressões de amor ao Deus Uno e Trino da nossa fé, manifestadas no amor, no culto e na própria cultura? Introduzindo o assunto Maria é filha predileta. Em primeiro lugar é filha porque recebe de Deus o dom do seu amor que se manifesta na comunhão vital, pessoal e íntima que ela alimenta e vive com seu Deus. Esta intimidade que Maria vive ao longo de sua vida terrenal e ao mesmo tempo alimenta com seu SIM continuado, não é só física, mas uma comunhão de relação amorosa que ela recebe e acolhe de seu Deus e a esta relação se abre, inteiramente, a ponto se tornar uma comunhão histórico-salvífica, mediante a qual Deus a torna participante da história da salvação de todo o seu povo, e por graça da infinita liberalidade do Pai, a toda a humanidade. Esta concepção é a concepção bíblica predileta do Antigo Testamento que condensa a experiência histórico-salvífica do povo escolhido, na Pessoa do Messias que realiza o Projeto do Pai na história e o plenifica com sua morte e ressurreição.
  • 2. 2 Por isso, na base da tradição vétero-testamentária, há a eleição de Israel, pela qual o povo vive uma relação de filiação como um dom especial de Deus, porque o destino desta relação é escatológico, ou melhor, eterno. No Novo Testamento, a concepção de filiação divina que Jesus mesmo pouco utiliza em sua pregação do Reino, passa a ser palavra típica do cristianismo primitivo, que encontra sua raiz no batismo de Jesus: Tu és meu filho querido, eu, hoje, te gerei (Lc 3,22); na oração de agradecimento ao Pai pela missão dos setenta e dois discípulos, na qual repete a invocação Pai, por cinco vezes: Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste essas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado. Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece quem é o Filho se não o Pai, e quem é o Pai se não o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar (Lc 10, 21- 22). A palavra Filho nesta breve perícope, é empregada por três vezes e em relação ao Pai, com quem o Filho entra na intimidade que plenifica a vida temporal e aponta para para a transcendência dos fatos históricos do povo de Israel. Pois, as coisas que o Pai ocultta às pessoas sábias e entendidas, não são facta bruta, mas vêm carregados de sentido e de graça salvadora. A Carta aos Hebreus afirma, estar acima a dos anjos a ação de Jesus na história, porque veio ocupar-se, como Filho dileto, Filho querido da descendência de Abraão, por isso o autor sagrado repete: Tu és o meu Filho dileto, eu hoje te gerei! (Hb 1,5). Jesus se sente Filho, e assim se relaciona com o Pai. É esta consciência que o consola quando se sente abandonado e rejeitado pela humanidade insana. A consciência que Jesus tem desta realidade e que nos dá a conhecer, de que só o Filho conhece, verdadeiramente, o Pai e de que só o Pai, conhece, verdadeiramente, o Filho, nos leva a uma afirmação que tem fundamento na eleição do povo de Israel. Jesus pertence ao povo de Israel, o povo eleito, e Ele é o escolhido dentre o povo eleito para dar a conhecer o mistério do Pai que ficou escondido há séculos e só agora, na pessoa do Filho dileto, é conhecido e anunciado a todas as nações (cf. Rm 16, 25ss). A eleição, a dileção que o Pai tem para com Jesus, é o fato de que Ele, como Filho, se abre de tal forma ao Plano do Pai, que este pode contar com Ele para a realização de seu Plano de Salvação. Jesus, portanto, é o Filho dileto do Pai, é o preferido na estima e na afeição, é querido e especialmente, amado. Na prosa do padre escritor, Manuel Bernardes, presbítero da Congregação do Oratório de São Felipe Néri, em sua obra, Exercícios Espirituais, do século XVIII, utiliza o superlativo da palavra dileto para falar da íntima dileção de Deus Pai para com seu Filho:
  • 3. 3 Já que meu Deus foi tão misericordioso para com os homens, que os quis ensinar pela própria pessoa de seu diletíssimo Filho, ... eu quero, mediante a sua graça, aprender por este exemplar1. Pode-se evidenciar a intensidade da linguagem e a profunda mística que envolve este escritor clássico da prosa portuguesa. Enquanto que a palavra predileção, que também deriva da língua latina e que quer dizer quase a mesma coisa, pode ser explicada, em sua etimologia, da seguinte forma: estar diante da pessoa que se ama. A partícula pre, no latim, denota estar diante de, e dileta, dileção, significa a pessoa preferida na estima, na afeição, querida, especialmente, amada, palavra só dada a Jesus. Por derivação do amor que o Pai devota ao Filho, Maria é a filha pré-dileta do Pai, e é mãe do Filho diletíssimo do Pai, que é Jesus. A perspectiva do Antigo Testamento A linhagem bíblica de Maria de Nazaré, denominada pelos padres do Concílio Ecumênico Vaticano II, filha predileta do Pai (LG 53), por estar unida ao Pai, encontra-se ao mesmo tempo caminhando com a humanidade, filha de Adão e Eva, participando da mesma sorte e do mesmo destino. Este vínculo não se dissolve porque está intimamente, conectado com a missão desta mãe – a de marcar a História da Salvação com seu SIM incondicional e livre. Nesse sentido, Maria está presente e vem da linhagem das Mulheres do Êxodo, que tementes a Deus, pouparam a vida de tantos meninos hebreus, desde o nascimento entre as duas pedras, com a finalidade de manter a presença numerosa dos hebreus em meio a um povo estranho (cf. Êx 1, 15-22). Vem da linhagem da filha do Faraó que arriscou sua nobreza terrena para salvar o Menino tirado das águas, prenúncio de libertação do povo escolhido por Javé (cf. Ex 2, 5-10). Estas mulheres mostram que não querem a vida só para elas, mas têm consciência de que foram criadas para viverem como filhas e filhos do Criador, que é Pai de todos: poupam a vida dos meninos hebreus, porque a vida é um direito que pertence ao Deus Criador que tirou tudo do nada e não aos homens e nem às mulheres. Deus escolhe pessoas que cuidam da vida. E estas pessoas são mulheres de todas as classes sociais. Nesse contexto, encontramos as parteiras Sefra e Fuá e a filha do Faraó, que segundo a historiografia da exegese contemporânea, aparecem com 1 MASSAUD, M., A Língua Portuguesa através dos textos, S. Paulo, Cultrix, 1969.1, 152.
  • 4. 4 nomes incertos, mas são apresentadas como mulheres que defenderam a vida arriscando a própria vida e a condição em que eram colocadas. A filha predileta do Pai, é da estirpe das numerosas filhas de Jerusalém, como narra o mais belo Canto que celebra o amor de um Amante e de uma Amada-amante, que se aproximam e se distanciam, se procuram e se perdem, se buscam e se encontram, mas, se unem no amplexo do amor do meio-dia que não tem sombras, numa interpretação alegórica do amor humano que transcende a terra para chegar ao céu (Gregório de Nissa comentando o Cântico dos Cânticos em Ct 1,5+8,4). A filha predileta do Pai, vem da árvore genealógica da tradição israelítica, em que a figura feminina protagoniza o momento de esplendor e de projeção que aponta para o sentido universal e coletivo da presença de Javé em meio a seu povo. As filhas de Israel são carregadas sobre as ancas para celebrar o retorno do exílio e o esplendor da cidade santa e sagrada pelo povo; é filha que recebe a luz de Javé, trazendo as riquezas da terra e as riquezas da glória e esplendor do Deus que edifica, enaltece e realiza as coisas que promete (cf. Is 60,4). A filha predileta do Pai, é a filha de Sião, membro do povo de Israel a quem é dirigida a profecia com estas palavras: Farei de ti eterno motivo de orgulho, motivo de alegria, de geração em geração (cf. Is 60,14). O profeta acrescenta ainda: Serás chamada Procurada! Cidade habitada! (Is 62,12). A filha predileta do Pai vem de uma aproximação das várias expressões bíblicas do Êxodo e dos Profetas. Com a expressão “filha predileta do Pai”, pode-se deduzir que esta se encontra na figura de Maria, a profetisa, irmã de Moisés, que pega no tamborim e todas as mulheres a seguem com seus tamborins também, para cantar e dançar a libertação de seu povo. Elas estão nas expressões que o autor sagrado tanto repete nesta narrativa: Os filhos de Israel, Israel (cf. Êx 14-15), expressões que têm como desfecho a Maria do tamborin, que toma a iniciativa de proclamar a Javé, vestido de glória pelos seus feitos (cf. Êx 15,21). Nesta narrativa ela não é chamada de filha, mas pertence ao povo de Israel que se organiza com suas filhas e filhos, para dar o golpe no Faraó e marchar em direção à Promessa feita a Abraão, a Isaac e a Jacó. Esta é a filha predileta do Pai que participa, com seu povo e seus chefes, incluindo e dando igualdade de dignidade filial a todos e a todas. A filha predileta do Pai, vem da linhagem profética do espírito de Javé. Aqui, ela não pode deixar de estar na efusão do espírito profético sobre todo o povo de Deus, preanunciado
  • 5. 5 pelo profeta Joel e proclamado por Pedro, em seu primeiro discurso aos povos de tantas proveniências, no dia de Pentecostes (Cf. Jl 3, 1-5 e At 2, 16ss). Joel fala desta nova criação, afirmando que Javé derramará seu espírito sobre vossos filhos, e, dirigindo-se às filhas de Israel, o profeta é claro: ... e vossas filhas profetizarão. Esse espírito da profecia será derramado, igualmente, sobre as escravas (Jl 3, 1-2). Não é esta a filha predileta do Pai que tem a coragem de inaugurar novos tempos de inclusão e igualdade para todos e para todas? É no espírito de Deus que tem origem a filha predileta do Pai. Por isso, ela é uma personalidade coletiva que ultrapassa a própria figura e a própria corporalidade com que foi plasmada pelo Pai, Criador de tudo e de todas as coisas. A filha predileta do Pai, é uma personalidade simbólica, portanto, porque coletiva. Não é uma pessoa privada, mas sua representavidade cobre todo o povo de Israel e se torna uma protagonista ao participar na realização de sua libertação dos opressores. Ela está na arte, na música, na pintura e na ópera que perpassa os tempos e as modas. A ópera de George Frederic Handel (1742), intitulada MESSIAH – O Messias – por exemplo, é apresentada com vigor e majestade, na sua forma narrativa, adaptando as cenas destes textos bíblicos para fazer um espetáculo que perpassa os séculos e continua, todavia, até em nossos dias, enchendo-nos de contemplação e mística, Handel com seu veio musical e seu pendor religioso e genial, nos anuncia que o Reino está no meio de nós, através da sua narrativa que perfila os traços característicos do Filho diletíssimo do Pai, figurado em Isaías; e os traços da filha predileta do Pai, que participa do amor que o Pai dá ao Filho e que caminha conosco pelos caminhos da vida dos nossos povos. Finalmente, a filha predileta do Pai, é celebrada de forma lírica nos momentos da liturgia israelítica, em que povo refresca a memória de sua caminhada histórica feita de eventos e de fatos que marcam, continuamente, a progressiva revelação do Deus da vida e da razão de viver do povo. Esta lírica religiosa nos foi conservada pelos Salmos. Estes falam da filha predileta do Pai, como a filha de Judá, que exulta porque o Senhor está presente com sua justiça em todas as cidades. A filha de Judá é aquela que anuncia a grandeza de Javé desde a montanha sagrada de Sião. Por isso, é a filha de Sião que une e reúne todos os povos no louvor de um único Senhor e Deus (cf. Sl 48,12). A filha predileta do Pai é semelhante às colunas que sustentam o palácio e sua beleza, as quais lembram as cariátides gregas, figuras femininas que amparam a justiça e o direito do rei.
  • 6. 6 Mas esta filha predileta do Pai, ao mesmo tempo que embeleza e guarnece os celeiros do Rei Eterno, com sua participação à vida divina como filha, evoca a prosperidade messiânica para todo o povo de Israel, que apostou em tantos reis terrenos e teve que suportá-los na sua iniqüidade, por tantos séculos e até milênios. Esta filha amada, é a predileta do Pai, porque aponta para a intercessão do Filho junto ao Pai, intercessão da qual participa, trazendo as riquezas messiânicas da liberalidade de Deus Pai para com seus filhos e filhas que somos todos e todas nós. Como tudo isso se atualiza na perspectiva do Novo Testamento Comecemos pela mulher que se destaca pela missão que Deus lhe pediu. A mulher escolhida para ser a mãe do Messias, o Enviado do Pai, o Filho diletíssimo do Pai, não podia deixar de ser a filha predileta deste Pai, que revela suas entranhas de mãe, no dizer dos profetas2, e no dizer da pregação do Reino feita por Jesus. Ele toma o exemplo da mulher que se alegra ao encontrar a moeda perdida, ao fazer o pão que cresce com o fermento, ao admirar-se da fé indevassável da cananéia e da coragem das mulheres da primeira hora na manhã da ressurreição. A todas estas mulheres, na pessoa das últimas – as da manhã da ressurreição – recebem do Ressuscitado a missão de serem anunciadoras da Boa Nova da vida trazida pelo Ressuscitado, que se mostrou por primeiro, às mulheres e a estas deu-lhes a missão de anunciarem aos discípulos, seus irmãos, a Boa Nova da ressurreição do Filho de Deus, o Cristo Senhor que se torna o doador da vida divina. A esperança do povo de Israel começa a se realizar na medida em que as pessoas aderem a esta Grande Novidade. A predileção de Deus com relação a Maria, a humilde serva do Senhor, evoca os primeiríssimos tempos da insurreição do ano 70 d.C., em que sempre se constata a presença do servo entre os hebreus. Como filha predileta do Pai, Maria anuncia a livre iniciativa do Pai com relação a sua vida e a sua missão junto ao povo de Israel ao se proclamar serva do Senhor; e é filha predileta porque grandes coisas fez em mim aquele que é todo poderoso. Maria é filha predileta do Pai porque crê na ação da providência que lhe faz tomar consciência de que o filho que ela gera de suas entranhas é o Filho de Deus. Ela é a predileta 2 Isaías expressa bem esta experiência, quando toma a figura feminina da mulher para assegurar a seu povo, a segurança e a liberdade que o Pai, como Criador e origem de vida, promete a Israel, em todos os tempos: Por acaso uma mulher se esquecerá da sua criancinha de peito?Não se compadecerá ela do filho do seu ventre? Ainda que as mulheres se esquecessem eu não me esqueceria de ti (Is 49,13).
  • 7. 7 porque se encontra sempre presente nas discussões mais aferradas que se estabelecem em torno à origem humana e divina de seu filho, que até na metade do II século, o problema genealógico do Cristo, não estava ainda apagado, na Igreja daquela época. E hoje, a quantas estamos? A filha predileta do Pai, no Novo Testamento, portanto, se encontra no contexto e na história factual da mulher que busca Jesus porque Ele responde às profundas interrogações que ela mesma se coloca diante de seu Deus e de seu jeito de pronunciar e invocar seu nome santíssimo. Nesta busca a mulher – a filha predileta do Pai do tempo de Jesus – entra em relação direta e encontra-se com Jesus, e tem com Ele uma relação que ultrapassa a dimensão humana que a leva a fazer uma experiência de tocar o mistério que transcende a própria relação humana. A imanência manifestada por Jesus é vivida, pela filha predileta do Pai do Novo Testamento, como transcendência que redireciona a vida e a missão desta mulher. A narrativa de Marcos nos fala de uma certa mulher que sofria de um fluxo de sangue há doze anos. É uma mulher doente, é a mulher da clandestinidade, vai além da lei, faz o papel de “penetra”, porque se aproxima de Jesus num momento em que muitas pessoas acorrem ao mesmo tempo à pessoa dele Jesus a chama de minha filha, e a presenteia com a notícia da cura: ... a tua fé te salvou; vai em paz e fique curada desse teu mal (Mc 5, 34.35). Na versão da comunidade de Mateus, encontramos esta expressão: Ânimo, minha filha, tua fé te salvou! (Mt 9,18). Jesus percebe a angústia e a ansiedade com que esta mulher toca a orla de seu manto em meio aos discípulos de João, que um após outro, intervém, incluindo um chefe de sinagoga que implora pela filha já morta, sem contar os curiosos que se aglomeram. Tudo está acontecendo ao mesmo tempo. Em meio a esse tumulto, a mulher apresenta-se sozinha, ninguém a acompanha, e ela tem consciência de como está sendo vista e tratada por todos os que estavam aí: ela é uma pessoa “impura”, que a Lei a exclui por ser “impura”. Mas Jesus une e reúne esta mulher à coletividade que o cercava e a trata com a mesma consideração dada a todas as pessoas que O solicitam, naquele momento. Ela a inclui na sociedade que não quer saber dela. A mulher da doença que a envergonha diante de seus conterrâneos e conterrâneas, sai da exclusão social e religiosa e da exclusão econômica também, pois havia gasto todos os seus bens sem resultado. A cura é atribuída à sua persistência e à sua fé: Ânimo, minha filha, a tua fé te salvou! (Mt 9,22). O encontro desta mulher com a cura definitiva, é fruto de sua invisibilidade,
  • 8. 8 clandestinidade e seu silêncio cheio de fé, três pequenas coisas que roçam, que tocam o manto, de leve, do Messias e guardam dentro de si poderes de infinito. Os pequenos e grandes gestos feitos por Jesus, nos levam a pensar que tais gestos são verdadeiros “sinais” que revelam o “rosto” do Pai que está presente na pessoa do Filho que se aproxima das mulheres. Não seriam estas as filhas prediletas do Pai do tempo de Jesus? A hemorroíssa encontra-se com Jesus às escondidas, daí a frase encorajadora dele: Ânimo, minha filha! E sem querer, nem premeditar, o ato desta mulher vem a público. Em outro contexto descrito por Lucas, Jesus vê uma mulher recurvada de nascimento, fora do templo fazendo sua prece a Javé, porque, segundo a lei de Moisés, não lhe é permitido o acesso ao lugar sagrado pela deficiência com que nasceu. O ensinamento de Jesus dá um novo sentido a esta lei e retoma a fé exemplar de Abraão, e com autoridade, sem rodeios, contrapõe: Esta filha de Abraão, não tem o direito que o boi e o asno do estábulo têm, de beber água em dia de sábado? (cf. Lc 13,14s). Esta mulher nada pede a Jesus. É Ele que se aproxima para tirar-lhe o estigma que a excluía do lugar sagrado, que para o judeu ter contato com o Templo de Jerusalém significava observar, rigidamente, sérias prescrições ditadas pela Torá. Esta filha de Abraão, isto é, filha da herança deste povo fiel a Javé, tem o direito de ser incluída junto com todos os seres humanos que aí se encontram, no templo sagrado e de viver a lei que foi dada para todo o povo, não para estar fora do templo, mas dentro dele e da sua sacralidade. Para chegar a esta inclusão, Jesus não olha para o templo e nem para o tempo considerado, segundo a religião do povo, tempo sagrado. O sagrado foi feito para servir à pessoa humana necessitada e não para submeter esta pessoa ao sagrado. O sábado foi feito para o ser humano e não o ser humano para o sábado (cf. Lc 13,16). Esta filha de Abraão lembra a dignidade humana e o direito, ela pertence à nação eleita, à descendência abraâmica. Ela não é apenas uma descendente da fé abraâmica, mas é da descendência messiânica. Ela é da mesma árvore genealógica, da mesma estirpe de Abraão, mas participa da descendência do Messias esperado pelo. Neste episódio, Jesus percebe, claramente, que a plenitude e o cumprimento da lei, passam também pela transgressão do sagrado, para que haja misericórdia, inclusão, vida e não sacrifício. Este é o espaço sagrado da vida. Em João e sua comunidade, a filha predileta do Pai é um nome coletivo, é a filha de Sião, o povo eleito, o povo da Aliança que recebe seu Rei-Messias montado num jumentinho (cf. Jo 12,15). O autor resgata a memória do povo que deve voltar a retomar a doutrina messiânica que
  • 9. 9 ressurge da casa de Davi. Há uma preocupação em apresentar a humildade do Messias que está para chegar, em vestes simples e atitude pacífica, contrapondo-se aos reis históricos que o povo teve antes. Esta figura é retomada também por Mateus e Marcos em suas narrativas da paixão. A preocupação que o profeta Zacarias mostra com a restauração do culto do templo, transparece também no Messias que vem para celebrar a aliança que o povo deve retomar. Acenos históricos que fundamentam esta Mariologia Para a realidade religiosa e cultural brasileiras, a filha predileta do Pai, na fé do povo, nasceu cultuada com nome de Imaculada Conceição, por influência da colonização portuguesa3. Só mais tarde foi cultuada com o título de Aparecida por ter sido encontrada pelos pescadores no Rio Paraíba do Norte, que dentre os pescadores que acorriam à faina de trazer peixes para a recepção de autoridades despóticas daquela situação política do Estado de São Paulo, três deles ficaram conhecidos: Domingos Martins Garcia, Filipe Pedroso e João Alves. Iniciado o trabalho da pesca sem sucesso em suas canoas, o primeiro Livro do Tombo de 1757, 40 anos depois desta pesca, foi registrado o fato de que esses três pecadores, especificamente, João Alves, havia encontrado o corpo da Senhora sem cabeça. Lançando outra vez a rede, tirou a cabeça da mesma Senhora que a guardou envolta em pano. Depois deste fato, a pesca começou a proliferar com poucos lances feitos com suas redes. A quantidade de peixes era tão grande que ficaram receosos de naufragarem com a quantidade de peixes e suas canoas de pesca. Os pescadores retiraram-se para as suas casas, admirados e pensativos porque perscrutavam o significado do acontecido visível no sucesso da pesca e cheios de respeito e fé pelo achado de uma Senhora que apareceu em suas redes - em dois lances - que trouxe, primeiramente, o corpo da Senhora e em seguida a cabeça da mesma Senhora. 3 Arquivos da Academia Marial de Aparecida: Primeiro Livro do Tombo da Paróquia de Guaratinguetá, 1717. Pesquisa realizada em abril de 2007. Nas Cortes de Lisboa de 1645-1646, em 25 de Março de 1646 declarou El-Rei D. João IV que tomava a Virgem Nossa Senhora da Conceição por padroeira do Reino de Portugal, prometendo-lhe em seu nome, e dos seus sucessores, o tributo anual de 50 cruzados de ouro. Ordenou o mesmo soberano que os estudantes na Universidade de Coimbra, antes de tomarem algum grau, jurassem defender a Imaculada Conceição da Mãe de Deus.
  • 10. 10 A notícia teve logo sua repercussão entre os pobres moradores daquela região, que começaram a cultuá-la como Senhora da Conceição, segundo a tradição, mas era cultuada, sobretudo, porque os pedidos feitos a Deus por sua intercessão, eram logo atendidos. Está documentado também, que um jesuíta compôs o seguinte trocadilho a respeito da Senhora da Conceição: A imagem é de cor negra, mas clara e célebre pelos muitos milagres operados (1750). O mais velho dos pescadores, Filipe Pedroso, tomou sob seus cuidados a imagem partida, colando a cabeça ao corpo com cera de arapuá. Ao fazer o cuidadoso trabalho de artista, foi descobrindo, no rosto e nas expressões da imagem, a ternura e o sorriso compassivo e materno da Mãe de Deus. Colocou-a em seu oratório doméstico ao redor do qual a família se reunia para rezar. Deste modo começou a devoção doméstica àquela imagem pescada nas águas em que os pescadores buscavam o sustento das próprias famílias. Em razão das circunstâncias consideradas miraculosas pelos pobres pescadores, a imagem passou a ser invocada com o título de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. No início do século XVIII, em torno aos anos de 1732, o pescador Filipe Pedroso construiu uma capela junto à estrada que passava pelo Porto de Itaguaçu, lugar em que o culto se tornou cada vez mais intenso por mais de uma década, sobretudo depois do sinal das velas, assim registrado: Certa noite de sábado, o povo se encontrava no oratório, para fazer as orações costumeiras, quando as velas do altar se apagaram sem motivo algum, pois a noite estava serena. Houve espanto e admiração de todos, mas quando Silvana da Rocha se aproximou para acendê-las novamente, elas se reacenderam por si, vendo todos neste fato, um milagre (Primeiro Livro do Tombo da Paróquia de Guaratinguetá). Decorridos 25 anos desde que a imagem foi pescada nas águas do Rio Paraíba, a devoção a Nossa Senhora da Conceição Aparecida, vem conquistando cada vez mais o coração do povo do Brasil de maneira crescente e extraordinária. Várias igrejas a ela dedicadas, foram construídas pelos escravos que ainda serviam aos senhores do poder colonizador e opressor da época. Em 1745 o culto se tornou oficial com a transladação da imagem para a igreja da minúscula cidade de Aparecida no Estado de São Paulo. A partir de então, o nome de Aparecida se tornou o nome próprio dado a mulheres e a homens, a instituições civis e religiosas, tornando-se igualmente, a madroeira de capelas, igrejas e catedrais do Brasil todo.
  • 11. 11 As romarias que tiveram seu início em 1745, continuam cada vez mais intensas e participadas com fé por todas as classes sociais do Brasil. Elas são a expressão mais alta da fé popular que se torna o locus da teologia pé-no-chão feita pelas nossas teólogas e teólogos que caminham a reboque do povo e na aprendizagem que recebem dele. Por mais de duzentos anos, a ladeira do Santuário de Aparecida foi o caminho íngreme e penoso, mas cheio de esperanças; hoje são as rampas do Santuário novo com seu grande e acolhedor Centro de Apoio ao Romeiro e à Romeira de todo o Brasil, que acolhem o povo católico e cristão de várias denominações evangélicas. Em clima da aplicação do Concílio Ecumênico Vaticano II, no Brasil, o Santuário de Aparecida celebra o Ano Jubilar Mariano em 1967, fazendo memória dos 250 anos do achado da Senhora pescada nas águas do Rio Paraíba, que visitou as dioceses do Brasil inteiro. Finalmente, quando João Paulo II visitou o Brasil em 1980, declarando-se carioca como os cariocas, elevou o Santuário à Basílica Menor, resgatando o fundamento teológico da religiosidade popular que havia caído em descrédito depois do Vaticano II. Não podemos esquecer a prioridade dada pelo atual pontífice de escolher Aparecida como sede da última Conferência Episcopal Latino-Americana, conhecida como a CELAM de Aparecida. Nossos bispos afirmam, categoricamente, que a devoção a Nossa Senhora foi um dos fatores que mais contribuíram para que o povo brasileiro conservasse a fé católica. Com a criação da Conferência Nacional dos bispos do Brasil – CNBB – em 1955, o interesse do episcopado cresceu e foi criada a Arquidiocese de Aparecida e a Santa Sé, criou a Comissão Pró-Santuário composta por 5 membros que são: o presidente da CNBB pro tempore e mais três arcebispos eleitos pela Assembléia Geral e mais o arcebispo de Aparecida. A Mariologia que nasce do Santuário de Aparecida Diríamos melhor: a teologia feita no Brasil vem revestida com a veste do feminino de Maria que manifesta o Deus Uno e Trino presente e atuante no povo e na sua religiosidade vivida na fé do Cristo que intercede por seu povo e deixa sua mãe participar desta intercessão. Nesta estrada não estamos sós, mas caminhamos como Igreja de Comunhão e de Serviço ao Reino pregado por Jesus. Tomando o último Documento da V CELAM, encontramos lá a palavra Aparecida referida ao lugar e referente a Maria, sem nenhuma distinção de lugar geográfico e
  • 12. 12 nem de lugar mariano com o nome de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, mulher da História da Salvação e da nossa Evangelização feita há mais de 500 anos, no Brasil. Comecemos levando em conta apenas o último Documento da CELAM, o Documento de Aparecida. A Conferência da V CELAM é aberta pelo papa falando do lugar bem determinado em que esta Conferência está se realizando, ele profere estas palavras: “Com a luz do Senhor ressuscitado e com a força do Espírito Santo, nós bispos da América nos reunimos em Aparecida, Brasil, para celebrar a V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe. ... Maria, Mãe de Jesus Cristo e de seus discípulos, tem estado muito perto de nós, tem- nos acolhido, tem cuidado de nós e de nossos trabalhos, amparando-nos, como a Juan Diego e a nossos povos, na dobra de seu manto, sob sua maternal proteção. Temos pedido a ela como mãe, perfeita discípula e pedagoga da evangelização, que nos ensine a ser filhos em seu Filho e a fazer o que Ele nos disser” (cf. Jo 2,5). (DAp 1). “Sentimo-nos acompanhados pela oração de nosso povo católico, representado, visivelmente, pela companhia do Pastor e dos fiéis da Igreja de Deus em Aparecida, e pela multidão de peregrinos de todo o Brasil e de outros países da América ao Santuário, que nos edificaram e evangelizaram” (DAp 3). “As maiores riquezas de nossos povos são a fé no Deus amor e a tradição católica na vida e na cultura. Manifesta-se na fé madura de muitos batizados e na piedade popular que expressa ... a profunda devoção à Santíssima Virgem de Guadalupe, de Aparecida ou dos diversos títulos nacionais ou locais” (DAp 7). Ao falar do caminho de formação dos discípulos e discípulas missionários, o papa afirma que a partir da V Conferência em Aparecida, é indispensável o conhecimento profundo e vivencial da Palavra de Deus (DAp 247). “Nossos povos se identificam, particularmente, com o Cristo sofredor, ... Com sua religiosidade característica, encontram em Maria a ternura e o amor de Deus ... Agora, em Aparecida, convida-os a lançar as redes ao mundo, para tirar do anonimato aqueles que estão submersos no esquecimento e aproxima-los da luz da fé. Ela, reunindo os filhos, integra nossos povos ao redor de Jesus Cristo” (DAp 265).
  • 13. 13 “O papa veio a Aparecida com viva alegria para nos dizer em primeiro lugar: Permaneçam na escola de Maria. Inspirem-se em seus ensinamentos. Procurem acolher e guardar dentro do coração as luzes que ela, por mandato divino, envia a vocês a partir do alto” Discurso no final do santo rosário: DAp 270). “A V Conferência de Aparecida olha positivamente, e com verdadeira empatia as diferentes formas de cultura presentes em nosso continente” (DAp 477).“A V Conferência em Aparecida expressa sua firme vontade de prosseguir nesse compromisso” : o de retomar as Conferências anteriores . A América Latina e o Caribe não devem ser só o continente da esperança. Além disso, devem também abrir caminhos para a civilização do amor. Assim se expressou o papa no Santuário em Aparecida” (DAp 537). O papa nos indicou este método original em sua homilia em Aparecida: atualizar a experiência da comunidade apostólica primitiva que mostra a natureza da Igreja enquanto mistério de comunhão com Cristo no Espírito Santo (DAp 547). Nossa Senhora da Conceição Aparecida, a Filha predileta do Pai A Filha predileta do Pai é a imagem esplêndida da conformação ao projeto trinitário que se cumpre em Cristo (DAp 141). Esta Filha predileta do Pai participa, com seu filho, da formação do discípulo e da discípula, que tantas vezes só entende e vive da piedade popular, pois esta penetra, delicadamente, a existência de cada fiel, que nos diferentes momentos da luta cotidiana, recorre à imagem querida de Maria, para encontrar o sentido da dor que vive e a alegria singela da transcendência de Deus e da Igreja (DAp 261-262), que na sua fé, proclama: “Jesus Cristo é o rosto humano de Deus e o rosto divino do homem” , que desafia a nossa evangelização e seu processo e desafia também as estruturas eclesiais através das quais falamos (DAp 392). Esta é a fé cristológica que muda o jeito de enfrentar a realidade tão cruel dos nossos povos. Maria é a Filha predileta do Pai porque vive no Verbo a máxima realização da existência humana. Esta realização se cumpre em ser a interlocutora do Pai em seu projeto de enviar seu Verbo ao mundo e ela, com sua fé, chegar a ser o primeiro membro da comunidade dos crentes em Cristo, que se legitima com sua presença, junto com outras mulheres seguidoras de Jesus, no dia de Pentecostes, dia feliz do nascimento da Igreja missionária, imprimindo-lhe um selo
  • 14. 14 mariano que a identifica, profundamente. Levantamos esta hipótese desde a nossa tese de pós- doutorado4, na Gregoriana. Esta Filha predileta do Pai e filha de Abraão como tantas outras mulheres que a precederam (cf. LG, capítulo VIII), não foi isenta de viver o mistério de Deus no Verbo, filho de suas entranhas, na esperança, mas também na dúvida, na sua plenitude temporal, mas também na experiência impactante de se sentir chamada a viver o chamado trinitário no tempo e na história limitada de seu povo. Com ela, chega a plenitude desse tempo (Gl 4,4), que traz o cumprimento da esperança dos pobres e realiza o desejo de salvação da família de Deus, porque em Maria, nos encontramos como irmãos e irmãs com Cristo, com o Pai e com o Espírito Santo (DAp 265-267). Finalmente, com o SIM da Filha predileta do Pai, atraiu multidões à comunhão com Jesus e sua Igreja, como se experimenta nas peregrinações aos inúmeros Santuários do Brasil e do Mundo inteiro, o que fundamenta a maternidade espiritual da Virgem e da Igreja. Esta visão do princípio mariano da Igreja, é o melhor remédio para uma instituição eclesiástica, meramente, funcional e burocrática que necessita de reforma urgente e visível. Ser a Filha predileta do Pai, implica missão histórica e missão Trans-histórica porque missão de fé, na participação do destino do Filho de Deus que se fez Verbo para a salvação de toda a humanidade. Por meio de Maria Deus se fez carne, começou a fazer parte de um povo, constituiu o centro da história. Maria é ponto de união entre o céu e a terra. Sem Maria des- encarna-se o Evangelho, desfigura-se e transforma-se em ideologia, em racionalismo espiritualista (cf. DP 301). A Filha predileta do Pai, torna-se assim, um elemento qualificador e intrínseco da genuína piedade popular que caracteriza nossa cultura, nosso culto e o nosso amor devotado à Mãe Aparecida, madroeira do povo do Brasil Lembretes para a apresentação do Institucional do Santuário em DVD 1.Nossa Senhora da Conceição Aparecida tem seu Santuário localizado em Aparecida do Norte, no atual Estado de São Paulo, e a sua festa é comemorada, anualmente, a 12 de Outubro. Há duas fontes sobre o achado da imagem, que se encontram no Arquivo da Cúria Metropolitana de Aparecida (anterior a 1743 e no Arquivo Romano da Companhia de Jesus, em Roma. A história foi primeiramente registrada pelo Padre José Alves Vilela em 1743 e pelo Padre João de Morais e 4 Cf. BOFF, Lina, Espírito e Missão na obra de Lucas-Atos. Para uma teologia do Espírito Santo, S. Paulo, Paulinas, 2003, segunda edição, pág. 111ss.
  • 15. 15 Aguiar em 1757, registro que se encontra no Primeiro Livro de Tombo da Paróquia de Santo Antônio de Guaratinguetá. 2. A Pescaria Milagrosa e sua história tem o seu início em meados de 1717, quando chegou a Guaratinguetá a notícia de que o conde de Assumar, D. Pedro de Almeida e Portugal, governador da então Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, iria passar pela povoação a caminho de Vila Rica (atual cidade de Ouro Preto), em Minas Gerais. 3. Desejosos de obsequiá-lo com o melhor pescado que obtivessem, os pescadores Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João Alves lançaram as suas redes no rio Paraíba do Sul. Depois de muitas tentativas infrutíferas, descendo o curso do rio chegaram a Porto Itaguaçu, a 12 de outubro. Já sem esperança, João Alves lançou a sua rede nas águas e apanhou o corpo de uma imagem de Nossa Senhora da Conceição sem a cabeça. Em nova tentativa apanhou a cabeça da imagem. Envolveram o achado em um lenço. Daí em diante, os peixes chegaram em abundância para os três humildes pescadores. 4. Início da Devoção: durante quinze anos a imagem permaneceu na residência de Filipe Pedroso, onde as pessoas da vizinhança se reuniam para orar. A devoção foi crescendo entre o povo da região e muitas graças foram alcançadas por aqueles que oravam diante da imagem. A fama dos poderes extraordinários de Nossa Senhora foi se espalhando pelas regiões do Brasil. Diversas vezes as pessoas que à noite faziam diante dela as suas orações, viam luzes de repente apagadas e depois de um pouco reacendidas sem nenhuma intervenção humana. Logo, já não eram somente os pescadores os que vinham rezar diante da imagem, mas também muitas outras pessoas das vizinhanças. A família construiu um oratório no Porto de Itaguaçu, que logo se mostrou pequeno. 5. A primeira Capela foi construída por volta de 1734, pelo vigário de Guaratinguetá, no alto do Morro dos Coqueiros, aberta à visitação pública em 26 de julho de 1745. Nesta capela, Dom Pedro I e sua comitiva, em 20 de abril de 1822, em viagem pelo Vale do Paraíba, rezaram diante da imagem. 6. A primeira Igreja, considerada Basílica Velha, foi inaugurada em 1888, quando a Lei Áurea que libertava os escravos, foi assinada pela Princesa Isabel, que doou uma coroa de ouro cravejada de diamantes e rubís, juntamente, com um manto azul ricamente, adornado.
  • 16. 16 7. Em 1894 chegaram os Missionários Redentoristas para trabalhar no atendimento aos romeiros que acorriam aos pés da imagem para rezar com a Senhora "Aparecida" das águas. Município de Aparecida – SP, deve-se aos romeiros e às romeiras que visitaram o Santuário. Este fato histórico se deu em 1928. Como Rainha e Padroeira do Brasil 8. Nossa Senhora da Conceição Aparecida, foi proclamada Rainha do Brasil e sua Padroeira Oficial em 16 de julho de 1930, por decreto do papa Pio XI, sendo coroada. Pela Lei nº 6.802 de 30 de junho de 1.980, foi decretado oficialmente feriado no dia 12 de outubro, dedicando este dia a devoção. Também nesta Lei, a República Federativa do Brasil reconhece oficialmente Nossa Senhora Aparecida como padroeira do Brasil. Em 1967, ao completar-se 250 anos da devoção, o papa Paulo VI ofereceu ao Santuário a “Rosa de Ouro”, reconhecendo a importância da santa devoção. Em 4 de julho de 1980 o papa João Paulo II, em sua histórica visita ao Brasil, consagrou a Basílica Nova de Nossa Senhora Aparecida, o maior santuário mariano do mundo, em solene missa celebrada, revigorando a devoção à Santa Maria, Mãe de Deus e sagrando solenemente aquele grandioso monumento construído com o carinho e devoção do povo brasileiro. No mês de maio de 2004 ainda o papa João Paulo II, concedeu indulgências aos devotos de Nossa Senhora Aparecida, por ocasião das comemorações do centenário da coroação da imagem e proclamação de Nossa Senhora como Padroeira do Brasil. Após um concurso nacional, devotos e autoridades eclesiais elegeram a Coroa do Centenário, que marcaria as festividades do jubileu de coroação realizado naquele ano. 9. Descrição da imagem
  • 17. 17 A imagem, tal como se encontra no interior da Catedral, é a imagem retirada das águas do rio Paraíba em 1717, é de terracota e mede quarenta centímetros de altura. Em estilo seiscentista, como atestado por diversos especialistas que a analisaram (Dr. Pedro de Oliveira Ribeiro Neto, os monges beneditinos do Mosteiro de São Salvador, na Bahia, Dom Clemente da Silva-Nigra e Dom Paulo Lachenmayer), acredita-se que originalmente apresentaria uma policromia, como era costume à época, embora não haja documentação que o comprove. A argila utilizada para a confecção da imagem é oriunda da região de Santana do Parnaíba, na Grande São Paulo. Quando foi recolhida pelos pescadores, o corpo estava separado da cabeça e, muito provavelmente, sem a policromia original, devido ao período em que esteve submersa nas águas do rio. A cor de canela com que se apresenta hoje deve-se à exposição secular à fuligem produzida pelas chamas das velas, lamparinas e candeeiros, acesas pelos seus devotos. 10. Em 1978, após sofrer um atentado que a reduziu a quase duzentos fragmentos, foi encaminhada ao Prof. Pietro Maria Bardi (à época diretor do Museu de Arte de São Paulo (MASP), que a examinou, juntamente com o dr. João Marinho, colecionador de imagens sacras brasileiras. Foi então totalmente restaurada, no MASP, pelas mãos da artista plástica Maria Helena Chartuni. 11. Embora não seja possível determinar o autor ou a data da confecção da imagem, através de estudos comparativos concluiu-se que ela pode ser atribuída a um discípulo do monge beneditino frei Agostinho da Piedade, ou, segundo Silva-Nigra e Lachenmayer, a um do seu irmão de Ordem, frei Agostinho de Jesus. Apontam para esses mestres as seguintes características: • forma sorridente dos lábios; • queixo encastoado, tendo, ao centro, uma covinha; • penteado e flores nos cabelos em relevo; • broche de três pérolas na testa; e • porte corporal empinado para trás. 12. Primeiros Milagres: Milagre das Velas: Estando a noite serena, repentinamente as duas velas que iluminavam a Santa se apagaram. Houve espanto entre os devotos, e Silvana da Rocha, querendo acendê-las novamente, nem tentou, pois elas acenderam por si mesmas. Este foi o primeiro milagre conhecido de Nossa Senhora, ocorrido mais provavelmente em 1733.
  • 18. 18 Caem as Correntes: Em meados de 1850, um escravo chamado Zacarias, preso por grossas correntes, ao passar pela igreja onde se encontrava a imagem, pede ao feitor permissão para rezar. Recebendo autorização, o escravo se ajoelha diante de Nossa Senhora Aparecida e reza fervorosamente. Durante a oração, as correntes, milagrosamente, soltam-se de seus pulsos deixando Zacarias livre.Para incentivar a sua devoção, na década de 1950, foi inaugurada a Rádio Aparecida, em 1999 foi instituída a Campanha dos Devotos e, no dia 8 de Setembro de 2005, inaugurou-se a TV Aparecida.

×