Seminario de Mediunidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Seminario de Mediunidade

on

  • 992 views

Seminário de Mediunidade - promovido pela USE Jabaquara

Seminário de Mediunidade - promovido pela USE Jabaquara

Statistics

Views

Total Views
992
Views on SlideShare
991
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
22
Comments
0

1 Embed 1

https://twitter.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Seminario de Mediunidade Seminario de Mediunidade Presentation Transcript

  • A Mediunidade em um mundo em transição; O papel de cada um.Acolher,Consolar,Esclarecer.
  • Acolher – o que significa?Oferecer ou obter refúgio,Proteção ou conforto físico;Proteger(-se), abrigar(-se),Amparar(-se) dar ou receberhospitalidade;Hospedar(-se), alojar(-se), recolher(-se)
  • As bases do bom acolhimento...Amor;Discrição;Segurança;Generosidade;Compaixão;Indulgência!
  • Jesus foi o exemplo superior deacolher, por excelência. Não carregou ofardo das pessoas, e jamais as julgou outeve impaciência, porém, ensinou-as aconduzir os próprios grilhões a que seprendem voluntariamente.
  • Consola os seres que se te apresentamdesencarnados e extremamentesofridos, pois já estiveste em situaçãode penúria muito maior, e fosteconsolado com muita ternura.
  • Como consolar um Espírito raivoso ?“Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei .”Mateus – 11:28-301. Console-o mostrando-lhe que as emoções criam mentalmente miasmas ou benesses;2. Que ninguém tirará dele as razões de ter agido assim;3. Dizendo-lhe que existe outro caminho. Que ódio e amor estão distantes e juntos.
  • Como consolar um Espírito que não fala ?“Bem-aventurados os que choram, pois que serão consolados.”O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec – Cap. V1. Console-o fazendo sentir o seu amor por ele;2. Dizendo que ele poderá pensar o que quer dizer, e assim será feita a comunicação dele.
  • Como consolar um Espírito orgulhoso ?“Na balança divina, são iguais todos os homens: só as virtudes os distinguem aos olhos de Deus.”O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec – Cap. VII1. Console-o mostrando-se humilde.2. Dizendo que os que nós conhecemos (humildes) serão os nossos instrutores.3. Dizendo que a humildade é que elevou os mais próximos a ele na Espiritualidade.
  • Como consolar um Espírito vingador ?“Não julgueis a fim de não seres julgados.”Mateus 7:1--21. Console-o fazendo sentir vibrações fraternas por ele;2. Dizendo que a vingança irá gerar nova onda de coisas nefastas, e que isto está destruindo o seu ser.
  • “Somos o nosso próprio passado. Dormem soterradas nos tenebrosos porões do inconsciente as razões das nossas angústias de hoje ... ”Diálogo com as Sombras – Hermínio C. Miranda
  • BIBLIOGRAFIA:Diálogo com as Sombras – Hermínio C. MirandaO Livro dos Espíritos – Allan KardecSeara dos Médiuns – Chico Xavier - EmmanuelEvangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec
  • Esclarecedo r Dialogador
  • ESCLARECER
  • Dialogar é ter a oportunidade dedissipar as trevas, promovendo a luz. Wilson Ferreira de Mello Psicografia Emmanuel Cristiano
  • 1- Definição 2- Qualidades do esclarecedor 3- Condições necessárias4- Ação dos Arquitetos Espirituais 5- Cooperação mental 6- Interferência do Benfeitor 7- Conclusão 8- Bibliografia
  • 1- Definição Esclarecer , na reunião mediúnica é explicar, tornar claro, orientar e encaminhar as entidades comunicantesem suas várias dificuldades e necessidades.
  • 2- Qualidades necessárias ao Esclarecedor - Dialogador- Conhecimento Doutrinário Espírita – para saber entender e atender cadacomunicante dentro do seu grau de evolução e necessidade no momento.- Autoridade Moral – que se adquire pela boa conduta, dentro do melhor quesabemos e podemos.- Fé – que é a convicção quanto as realidades espirituais pelo conhecimento eexperiência sobre elas.- Amor pelos semelhantes - sem o que não se conseguirá alcançá-lo no campo dossentimentos.- Paciência, sensibilidade e tato – para ouvir e procurar entender o comunicante- Humildade – para não se colocar acima do comunicante, nem se alterar ante suaseventuais acusações e agressividade.
  • 3- Condições necessárias1- Não basta ter boa vontade, é preciso ter conhecimento, vivênciae bom senso2- Saber ouvir para depois orientar.3- Falar de forma objetiva e fraterna sem excessos.4- Ser breve, simples e gentil combinando sentimento e razão5- Evitar revelações precipitadas6- Buscar sempre o diálogo, evitando-se discussões estéreis
  • 7- Buscar detalhes na comunicação que identifiquem o perfilmasculino ou feminino8- Diferenciar os vários tipos de espíritos comunicantes e suasnecessidades – ex.sofredores, agressores, céticos, religiosos, homicidas, suicidas, viciados e os que se apresentam sob formas de zoantropias.9- Oferecer a cada um, esclarecimento e orientação específicas.10- Combinar energia e serenidade para quando necessáriocoibir excessos do comunicante11- Imperioso observar que todos são carecedores decompreensão e tratamento adequados, cada qual na dor ou noproblema em que se exprimem, exigindopaciência, entendimento, socorro e devotamento fraternais. (Desobssessão – André Luiz – cap. 36)
  • 4- Ação dos Arquitetos EspirituaisQuando as palavras não são suficientes na ajuda ao comunicanteos benfeitores espirituais por si mesmos ou à pedido do dirigenteelaboram quadros mentais numa autentica regressão de memóriacom a finalidade de sensibilizar o espírito, facilitando oesclarecimento e entendimento.
  • Regressãodememória
  • 5- Cooperação mentalTanto o amigo que orienta o irmão infortunado quantoos companheiros que o escutam abrigarão na alma asimpatia e a solidariedade, como se estivessemsocorrendo um parente dos mais queridos, para que onecessitado encontre apoio real no socorro que lheseja ministrado. (Desobsessão – André Luiz cap. 38)
  • 6- Interferência do BenfeitorEm casos de desencarnado em absoluto empedernimento, omentor espiritual se considerar oportuno, ocuparáespontaneamente outro médium e partilhará o serviço doesclarecimento, dirigindo-se ao comunicante ou ao médiumque o expõe, ficando por outro lado, o dirigente com apossibilidade de recorrer à intervenção do orientadorreferido, se julgar necessário. ( Desobsessão – André Luiz cap. 41)
  • Interferência dobenfeitor através de Benfeitoroutro médium Dirigente Médium comunicante
  • Se o comunicante perturbado procura fixar-se no braseiro darevolta ou na sombra da queixa, indiferente ou recalcitrante, odiretor solicitará a cooperação dos benfeitores espirituais para queo necessitado rebelde seja confiado à assistência de organizaçõesadequadas a isso.Nesse caso a hipnose benéfica será utilizada a fim de que omagnetismo balsamizante asserene o companheiroperturbado, amparando-se-lhe o afastamento da cela mediúnica, àmaneira do enfermo desesperado da Terra a quem se administra adose calmante para que se ponha mais facilmente sob tratamentopreciso. (Desobsessão – André Luiz cap. 37)
  • Comunicante rebeldeou recalcitrante
  • 7- ConclusãoO atendimento espiritual aosdesencarnados não se realiza sem aluz do raciocínio, mas não atinge osfins a que se propõe, sem as fontesprofundas do sentimento (Desobsessão – André Luiz – cap. 36)
  • 8- Bibliografia1- O Livro dos Médiuns – Allan Kardec.Natureza das comunicações e identidade dos Espíritos2- Desobsessão – André Luiz3- Qualidade na Prática Mediúnica – Projeto ManuelPhilomeno de Miranda4- Diálogo com as sombras – Hermínio Miranda5- Conversando com os Espíritos na Reunião Mediúnica –Terezinha de Oliveira
  • Elaboração de textos e montagem Paulo Ribeiro pauloribeiro36@uol.com.br Abril 2012
  • Departamento de Estudo e Educação da Mediunidade eem@usesp.org.br