• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
SISTEMAS DE IMAGEM E COR: Compreendendo o processo.
 

SISTEMAS DE IMAGEM E COR: Compreendendo o processo.

on

  • 1,477 views

SISTEMAS DE IMAGEM E COR: Compreendendo o processo.

SISTEMAS DE IMAGEM E COR: Compreendendo o processo.


Dr. Elton Francisco Nunes Batista

TCBC- ES
2008

Statistics

Views

Total Views
1,477
Views on SlideShare
1,477
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    SISTEMAS DE IMAGEM E COR: Compreendendo o processo. SISTEMAS DE IMAGEM E COR: Compreendendo o processo. Presentation Transcript

    • IX CURSO INTERNACIONAL DECIRURGIAS UROLÓGICAS POR VÍDEO GOIÂNIA - GO SISTEMAS DE IMAGEM E COR Compreendendo o processo.. Elton Francisco Nunes Batista TCBC- ES 2008
    • Cor e Luz.. Sem a adequada e profunda compreensão destes dois fenômenos físicos da natureza, a videocirurgia poderia até não existir !
    • A importância da cor e da luz Monalisa (1503) Elizabetta La Gioconda, esposa de Francesco del Giocondo Técnica do “Claro-escuro” e do “Esfumaçado”
    • Cor, luz e profundidade.. Van Eyck (1432): Adoração do cordeiro
    • Cor , luz, profundidade e contraste.. Van Eyck (1432): Adoração do cordeiro
    • Cor, luz, profundidade, contraste e detalhes Van Eyck (1434) o casamento dos Arnolfini
    • Ordenação das cores
    • Isaac Newton (1660) Demonstrou a luz branca incidindo sobre um prisma e ocorrendo a separação das cores de acordo com o comprimento de onda, como também ocorre no arco-íris
    • Faixas de comprimento de onda da luz
    • James Clerk Maxwell (1861) Importante matemático escocês que, em 1861, descobriu que se poderia obter fotos coloridas utilizando filtros vermelho, verde e azul (RGB) R G B é o acrônimo em língua inglesa de Red, Green e Blue (vermelho, verde e azul)
    • Ordenação das cores
    • Ordenação das cores - LAB
    • Modelo LAB 1931 – a Commision Internationale de L’Eclairage (CIE) definiu o modelo Lab baseado na maneira como o olho humano percebe as cores 1976 – o modelo LAB foi refinado para proporcionar cores mais consistentes Os programas de computador usam o LAB para converter o RGB para CMYK
    • Base de estudo - cores básicas (RGB)
    • O espaço de cores RGB
    • Conjunção de cor e luz - significadoA cor-luz origina-se diretamente decorpos luminosos: sol, estrelas,lâmpadas, monitores de computador ..A fotografia, o cinema, televisão e a arteeletrônica são baseadas na cor-luz e seutiliza do sistema derivado do RGB(cores de captura e reprodução deimagens)
    • Cor e pigmento - significadoA cor-pigmento advém da luzrefletida pelos objetos e as bases dasua construção não são as mesmasque se utilizam em cor-luz. A pinturae as artes plásticas baseiam-se nacor-pigmento que se utiliza dosistema CMYK (cores de impressão)
    • CMYK – cyan/magenta/yellow/black Tem os 3 pigmentos primários e o preto Baseia-se na síntese subtractiva, na qual, a mistura em partes iguais dos três pigmentos primários resulta em preto Funciona pela absorção de luz. As cores vistas vêm da luz que não é absorvida
    • Significado do CMYK Ciano - cor oposta ao vermelho. Atua como um filtro que absorve a cor vermelha (-R +G +B) Magenta – cor oposta ao verde (+R –G +B) Amarelo – é cor oposta ao azul (+R +G -B) - Assim, magenta com amarelo produz vermelho - Magenta com ciano produz azul - Ciano com amarelo produz o verde
    • Cores básicas – RGB (W) e CMY (K)
    • Modelo HSB Hue (matiz) – refere-se ao nome que se dá a uma cor Saturation (ou croma) – é a intensidade da cor Brightness – é o acréscimo ou remoção do branco de uma determinada cor
    • Transformação HSB para RGB
    • Resumindo.. RGB – Cores de captura e reprodução de imagens CMYK – Cores de impressão. Menor espectro HSB – Modelo com variabilidade de cor LAB – Percepçäo humana as cores
    • Luz e imagem A cirurgia tradicional ainda não havia sequer formado completamente a sua base técnica, quando os primeiros passos já estavam sendo dados para a lenta e progressiva caminhada, para o futuro da videocirurgia
    • Desde o início até 1986.. William Thompson Kelvin - Físico escocês do Séc. XIX , mediu os desvios proporcionais da composição da luz branca (mistura das cores básicas presentes no arco-iris). Estabeleceu a Escala Kelvin de Temperatura de Cor 1861 - James Clerk Maxwell > cores na fotografia 1877 – Max Nitze (Berlim) – construção do cistoscópio 1882 – Langembuch – 1ª colecistectomia por laparotomia 1901 – Kelling – 1ª laparoscopia em cão (cistoscópio de Nitze)
    • Desde o início..1910 – Jacobeus (Suécia) – 1ª laparoscopia no Homem1929 – Kalk (Alemanha) – Lentes de visão oblíqua – atlas de laparoscopia após realizar 100 laparoscopiasDécada de 30 – Goetz e depois Janos Veress (1938) – agulha para o pneumoperitônio1952 – Narinder Singh Kanpany (Indiano) – fibras ópticasDécada de 60 – Kurt Semm (Alemanha) – desenvolveu os nós e o aplicador de clipes, criou o insuflador e vários instrumentos e realizou 14.000 laparoscopias
    • 1986..1969 – Willard Boyle e George E. Smith – CCD (chip)1976 – Bryce Bayer estabeleceu um padrão de cores do sistema RGB para a captura de imagens1978 – Hasson – Desenvolveu o trocarte com cone para permitir o pneumoperitônio pelo método abertoAté 1986 – a visão laparoscópica era possível a apenas uma só pessoa À partir de 1986 surgiu a imagem de vídeo
    • Até 1986 a visão laparoscópica era possível a uma só pessoa. Depois, com das imagens de vídeo, a visão ficou acessível a toda a equipeEm 1987, a 1ª colecistectomia videolaparoscópica A partir de então, a história que já conhecemos !
    • A construçao dos chipes.. Willard Boyle e George E. Smith - 1969
    • O registro de imagens nos chipes..
    • O registro de imagens em cores Variações individuais (daltonismo) É um processo complexo Computadores registram até 16 milhões de cores Ainda não está completamente compreendido Envolve estruturas e/ou mecanismos em evolução O registro artificial das imagens busca simular a tradução da visão animal A visão animal tem sido base de pesquisa para a visão artificial
    • Padrão Bayer de cor das imagens
    • Em alguns animais ...
    • ..Há olhos que parecem chipes !
    • ..Chipes altamente complexos !
    • ..E especializados !
    • E enxergam como pixels independentes..
    • O olho artificial..
    • E o olho humano..
    • Diferenciado..
    • A projeção de imagens – Mimetismo ?
    • Aumento da qualidade - Câmera de 3 CCDs (RGB)
    • Compensação de tonalidade das cores O olho humano compensa as diferenças nas temperaturas de cor e a câmera de vídeo não é capaz de compensar e corrigir desvios na temperatura de cor A câmera digital “vê” cores distorcidas e necessita definir o padrão ideal através de um ponto de referência (o branco), daí o termo “white balance” Ajustes sem a cor branca engana o circuito do “white balance” e resulta uma falsa tonalidade
    • “White balance” As cores são obtidas através de micro-janelas coloridas sobre o CCD (câmeras de um chip) ou prismas que desviam luz para os CCDs (câmeras de três chips), sempre nas três cores básicas do sistema RGB. Para haver o equilíbrio, basta analisar a intensidade dos componentes de cor vermelha (R), verde (G) e azul (B), ou seja, o circuito eletrônico da câmera compensa as variações de tonalidade ajustando cada uma dessas três cores, que resulta no processo de balanceamento do branco
    • Sistema de lentes: óptica
    • Fontes de luz fria Equipamento gerador de cor-luz, utilizado na produção de luz “fria e branca”, característica da iluminação que se procura para procedimentos endoscópicos Mas, na verdade, a luz dessas fontes não é fria e nem branca
    • Fontes de luz e temperatura de cor
    • Temperatura de cor
    • Fibras ópticas – Narinder 1952
    • Cabos de luz (fibra óptica)
    • Na prática, a qualidade da imagem depende..• Do tipo e qualidade da câmera, do receptor de imagem e da fonte de luz• Do padrão de cores, da emissão e recepção dos sinais de imagem: RGB Vídeo componente S-vídeo (Y/C) Vídeo composto
    • Padrão de cores e transferência de imagens• Padrão RGB – produzem, transmitem e exibem imagens sem perdas, nas cores básicas• Vídeo componente – RGB compacto e econômico com 3 sinais: Y - luminância (brilho) p/ preto e branco; (B-Y) indicam o azul e (R-Y), o vermelho. O verde não tem sinal separado• S-vídeo (Y/C) – Em 2 sinais separados: (Y) luminância e (C) para a crominância, que combina (B-Y e R-Y)• Vídeo composto – sofre a maior compactação e não há separação de cores. A compressão e descompressão dos sinais resultam em perda de qualidade
    • Sistema de cores e dos receptores de imagens• NTSC (National Television Standards Committee) é o sinal de cores com o sinal de transmissão M de RMA(Radio Manufacturers Association ), sinal de cores americano• PAL (Phase Alternate Lines), sinal de cores alemao• SECAM (SÉquentiel Couleur Avec Mémoire), sinal de cores da França• PAL-M, sistema brasileiro adaptado do sistema PAL com o sinal “M” (daí, a denominação PAL-M)• PAL-N é utilizado na Argentina, Uruguai e Paraguai• Outros sistemas (PAL-*) adaptados em diferentes países variam de acordo com a freqüência de rede elétrica e largura de banda
    • Conectores• São adaptadores para conexão de equipamentos para transmissão de sinais de áudio e vídeo • B N C (para R G B e Video composto) • Y/C • R C A (para R G B e Video composto) • DVI
    • Conectores Recording Y LuminânciaBritish Naval Connector Corporation of C Crominância America
    • A videocirurgia exige um aprendizado contínuo.É por esta razão que aqui estamos !
    • Pela atenção, muito obrigado ! E-mail: eltonmed@yahoo.com.br