Ressurreição e Segunda Vinda

1,033 views
946 views

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,033
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
399
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ressurreição e Segunda Vinda

  1. 1. Ressurreição e segunda vinda <ul><li>Baseado em: Lloyd-Jones, D. Martyn. Grandes Doutrinas Bíblicas , volume 3: A Igreja e as Últimas Coisas. Trad. Valter Graciano Martins. São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1998. </li></ul>
  2. 2. Segunda vinda Introdução geral <ul><li>Importância do tema da segunda vinda. </li></ul><ul><li>Motivos para negligência: letargia, falsos pontos de vista, dogmatizar o que não é dogma. </li></ul><ul><li>Respondendo aos motivos: despertar (I Tess 5), mostrar falhas dos falsos pontos de vista, método de aprendizado (equilíbrio). </li></ul><ul><li> </li></ul>
  3. 3. Segunda vinda Introdução geral <ul><li>Importância do tema: </li></ul><ul><li>1) muitas referências (Mt 24,24; Lc 21; Mc 13; I e II Ts; Apocalipse); </li></ul><ul><li>2) conforto para a igreja (perseguições, martírio); </li></ul><ul><li>3) incentivo ao viver santo (tensão escatológica). </li></ul><ul><li>Falsos pontos de vista: </li></ul><ul><li>1) vinda de Cristo como morte; </li></ul><ul><li>2) vinda de Cristo como vinda de E.S. em pentecostes; </li></ul><ul><li>3) vinda de Cristo como destruição de Jerusalém em 70 d.C. </li></ul>
  4. 4. Segunda vinda Introdução geral <ul><li>Dogmatizar: existem muitos pontos relacionados à segunda vinda sobre os quais não se pode ter certeza. Dogmatizar sobre estes pontos não se justifica. </li></ul><ul><li>Termos do tema (se referem a segunda vinda enfatizando diferentes aspectos desta - segunda vinda como pessoal): </li></ul><ul><li>1) apocalipse: revelação (véu); </li></ul><ul><li>2) parrousia: presença; </li></ul><ul><li>3) epifania: comparecimento, aparição; </li></ul><ul><li>4) dia de Deus, dia do Senhor, dia de Jesus, o dia, dia da ira, etc. </li></ul>
  5. 5. Segunda vinda Introdução geral <ul><li>Respondendo aos motivos: </li></ul><ul><li>- Letargia: I Tess 5 </li></ul><ul><li>- Modo da segunda vinda (contra falsas vindas): </li></ul><ul><li>1) pessoal (referência dos termos – 3 primeiros); </li></ul><ul><li>2) física (At 1.10,11); </li></ul><ul><li>3) visível (Ap 1.7); </li></ul><ul><li>4) súbita (Mt 24,27); </li></ul><ul><li>5) gloriosa (Tito 2.13). </li></ul><ul><li>- Testar método de estudo (resposta à dogmatização): humilha, não ensoberbece; modifica maneira de viver, não especulativo; devocional, não acadêmico. </li></ul>
  6. 6. O tempo de sua vinda Os sinais <ul><li>Apóstolos não se enganaram com relação a este ensino, logo suas palavras continuam tendo autoridade. </li></ul><ul><li>Sem data definida (I Tess 5.1; Mc 13.32). </li></ul><ul><li>Sinais: plenitude dos gentios, plenitude dos judeus, anticristo. </li></ul><ul><li>Ênfase no que é certo: virá; vinda será pessoal, física, visível, súbita e gloriosa. </li></ul>
  7. 7. O tempo de sua vinda Os sinais <ul><li>Princípios para estudar versículos referentes à segunda vinda (ajuda na interpretação dos escritos apostólicos): </li></ul><ul><li>1) Ponto de vista de Deus: 1000 anos = 1 dia (II Pe 3.8); </li></ul><ul><li>2) Últimos tempos/dias = era neotestamentária (entre primeira e segunda vinda); </li></ul><ul><li>3) Perspectiva profética: “mistura” de juízo em 70d.C. e juízo final (análogo à mistura entre 1ª e 2ª vinda no AT). </li></ul>
  8. 8. O tempo de sua vinda Os sinais <ul><li>Entendimento de Mt 24,25; Mc 13 e Lc 21 (discípulos perguntam sobre sinais e tempo de sua vinda – perspectiva profética): </li></ul><ul><li>3 temas: 1) Quando templo e Jerusalém serão destruídos; </li></ul><ul><li> 2) Quais sinais de sua vinda; </li></ul><ul><li> 3) Fim do mundo, juízo final. </li></ul><ul><li>3 escolas: </li></ul><ul><li>1) Senhor só trata de destruição em 70 d.C. e divulgação do evangelho; </li></ul><ul><li>2) Trata de 70 d.C. como figura do final dos tempos e divulgação do evangelho; </li></ul><ul><li>3) Trata das duas coisas: relato literal de 70 d.C.e do final dos tempos (Lloyd Jones recomenda este entendimento – sinais dos últimos tempos (muito confusão vinda de confusão entre juízo final e juízo em 70 d.C.): Jesus fala de Jerusalém e depois de algo bem mais vultoso. </li></ul>
  9. 9. O tempo de sua vinda Os sinais <ul><li>Pontos a se considerar: </li></ul><ul><li>1)Apóstolos criam que vinda se daria em seus dias? Parece que sim, mas eles não ensinaram isso (retornar aos princípios considerados); </li></ul><ul><li>2)Volta ocorrerá a qualquer momento ou podemos esperar acontecimentos antes da volta? Há sinais: </li></ul><ul><li>1) Vocação dos gentios: Mt 24.14; Mc 13.10; Rm 11.25; </li></ul><ul><li>2) Plenitude de Israel: Rm 11. 25-29; II Cor. 3.15,16; </li></ul><ul><li>3) O anticristo: II Tess 2:3 (apostasia); I Jo 2:18, I Jo 2:22. </li></ul><ul><li>Conversão e restauração de Israel: </li></ul><ul><li>Conversão nacional e rest. nacional : Lc 21.24; Rm 11.26; </li></ul><ul><li>Contra conversão e rest. nacional: Mt 21;Mt 22.1-14;Lc 13.6-9; </li></ul><ul><li>I Pe 2.9; Ex. 19.6. </li></ul><ul><li> </li></ul>
  10. 10. O tempo de sua vinda Os sinais <ul><li>Evidência dos dois lados. O que quer dizer “e todo o Israel será salvo?” (Rm 11.26) 3 linhas: </li></ul><ul><li>1) Todo Israel = igreja; </li></ul><ul><li>2) T. I.= Israel como nação (Cl 3.11 – nem judeu nem gentio); </li></ul><ul><li>3) T.I.= número total de judeus eleitos (plenitude dos judeus; Israel espiritual – “nem todos os que são de Israel são de fato israelitas” (Lloyd Jones). </li></ul>
  11. 11. O tempo de sua vinda Os sinais <ul><li>Anticristo: </li></ul><ul><li>1) Apostasia e rejeição judaica de Cristo; </li></ul><ul><li>2) pessoa que se exaltará no templo de Jerusalém e perseguirá santos; </li></ul><ul><li>3) papado (reformadores). </li></ul><ul><li>Conclusão: poder que já atua desde os tempos de Paulo e se intensificará pouco antes do juízo final. O autor acredita que sua manifestação final será na forma de uma pessoa. </li></ul>
  12. 12. O sofrimento e a segurança dos remidos <ul><li>Mensagem geral, método de interpretação, primeira e segunda seções (das 7 seções). </li></ul><ul><li>Mensagem: vitória de Cristo e nossa (dá ânimo no presente). Livro prático (consolo, instrução e advertência). </li></ul><ul><li>Método: paralelismo e subdivisões (mesma história por diferentes ângulos ) </li></ul><ul><li>Prova do paralelismo: 1260 dias (Ap. 11.2,12.6,12.14); </li></ul><ul><ul><ul><li> a grande batalha (Ap. 16.14, 19.19, 20.8); </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li> as taças e as trombetas; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li> os 144000. </li></ul></ul></ul><ul><li>Subdivisão em 7 (1-3; 4-7; 8-11; 12-14; 15-16; 17-19; 20-22) ou 2 (1-11; 12-22) seções. </li></ul>
  13. 13. O sofrimento e a segurança dos remidos <ul><li>Diferença entre 1ª e 2ª seções: quadro terreno (luta contra povo incrédulo) e celestial (luta contra satanás) respectivamente. </li></ul><ul><li>1ª seção (1-3): estado da igreja entre as vindas de Cristo; sete igrejas sempre presentes. </li></ul><ul><li>2ª seção (4-7): sete selos: Cristo dá sentido, completa e é Senhor da história humana. </li></ul>
  14. 14. O sofrimento e a segurança dos remidos <ul><li>Selos: </li></ul><ul><li>1ª: primeira vinda de Cristo; </li></ul><ul><li>2ª: perseguição aos santos; </li></ul><ul><li>3ª: pobreza que vem de perseguição; </li></ul><ul><li>4ª: guerras em que cristãos estão envolvidos (guerras religiosas conflitos da fé); </li></ul><ul><li>5ª: súplica por justiça; </li></ul><ul><li>6ª: juízo final sobre incrédulos. </li></ul><ul><li>Cap. 7: remissão dos santos: </li></ul><ul><li>144000 = 12*12 (NT e VT)*1000(=10*3). </li></ul>
  15. 15. As trombetas <ul><li>Terceira seção: cap. 8 a 11 – vem da abertura do sétimo selo. </li></ul><ul><li>Seis trombetas: castigo parcial (contra males causados à igreja – primeiros selos são sofrimentos da igreja, trombetas são sofrimento dos incrédulos), aviso: </li></ul><ul><li>1ª, 2ª, e 3ª: calamidades no mar, terra e rios; </li></ul><ul><li>4ª: calamidades no céu; </li></ul><ul><li>5ª: depravação moral: Deus entrega homens a seus sentimentos depravados (Rm 1) (homem buscando construir paraíso sem Deus); </li></ul><ul><li>6ª: terrível guerra, ligada à falta de restrição. </li></ul>
  16. 16. As trombetas <ul><li>Igreja no interregno (caps. 10 e 11): </li></ul><ul><li>1) livro comido por João: doçura e amargura do evangelho; </li></ul><ul><li>2) sofrimento mais especificado: morte das duas </li></ul><ul><li>testemunhas (evangelhos); </li></ul><ul><li>3) fim do mundo. </li></ul><ul><li>Sétima trombeta: fim dos tempos (fim da 1ª grande seção). </li></ul><ul><li>O lado espiritual (cap. 12 em diante): principais antagonistas: </li></ul><ul><li>1) dragão: diabo; </li></ul><ul><li>2) besta do mar (Daniel): poder secular que se opõe a Cristo; </li></ul><ul><li>3) besta da terra: falsa religião; </li></ul><ul><li>4) babilônia, a grande meretriz: poder sedutor do mundo; </li></ul><ul><li>5) pessoas com marca da besta: opositores. </li></ul>
  17. 17. O juízo final <ul><li>Segunda metade do livro (12-14; 15-16; 17-19; 20-22). </li></ul><ul><li>Antagonistas e vitória certa de Cristo: </li></ul><ul><li>1) Diabo: persegue Cristo e a igreja por meio de agências: </li></ul><ul><li>1.a) Besta do mar: poder secular; </li></ul><ul><li>1.b) Besta da terra: falsa religião; </li></ul><ul><li>1.c) Seguidores da besta (marca da besta); </li></ul><ul><li>1.d) Babilônia. </li></ul><ul><li>Apresentação dos antagonistas e juízo final (cap. 12, 13 e 14). </li></ul>
  18. 18. O juízo final <ul><li>Cap. 15: segurança dos santos antes do fim (não sofremos as 7 taças (destruição total, não parcial). </li></ul><ul><li>Cap. 15 a 20: julgamento dos antagonistas; </li></ul><ul><li>Cap. 16: 7 taças (julgamento dos que têm a marca da besta); </li></ul><ul><li>Cap. 17: juízo contra babilônia; </li></ul><ul><li>Cap. 18: continuação de juízo contra babilônia; </li></ul><ul><li>Cap. 19: juízo contra 2 bestas; </li></ul><ul><li>Cap. 20: juízo contra diabo (lembrar que no cap. 20 começa outra seção); </li></ul><ul><li>Cap. 21 e 22: novo céu e nova terra. </li></ul>
  19. 19. A ressurreição do corpo <ul><li>Evidências da doutrina da ressurreição do corpo (VT e NT): </li></ul><ul><li>VT) Jó 19.25-27; Sl 16.10; Sl 17.15; Dn. 12.1-3; </li></ul><ul><li>NT) Mt 22.23-32; Lc 14.12-14; At 17.18; At 24.15; I Cor 15; Fp 3.20-21 – doutrina mais nítida no NT. </li></ul><ul><li>Ressurreição é do corpo, não apenas espiritual: Lc 24; Jo 20. 25, 27; I Cor 15*. </li></ul><ul><li>Diferença entre ressurreição espiritual (Jo 5.25) e literal (Jo 5.28). </li></ul><ul><li>Pecado afetou todo o homem, logo salvação deve restaurar também o corpo. </li></ul><ul><li>Redenção do corpo: Rm 8.11; 22-23; I Cor 15.5. </li></ul>
  20. 20. A ressurreição do corpo <ul><li>Características do novo corpo (ordem dinâmica das partículas – páginas 284, 285): </li></ul><ul><li>1)Continuará sendo reconhecível como o corpo de tal pessoa (Lc 24.39); </li></ul><ul><li>2)Outra constituição: Carne e osso (Lc 24.39) e carne e sangue (ICor 15.50); </li></ul><ul><li>3)Incorruptível (ICor 15.42); </li></ul><ul><li>4)Glorioso (ICor 15.43); </li></ul><ul><li>5)Poderoso(forte) (ICor 15.43); </li></ul><ul><li>6)Corpo espiritual(continua corpo). Não natural/animal (ICor 15.44); </li></ul><ul><li>7)Corpo celeste (ICor 15.48, 49). </li></ul>
  21. 21. O destino definitivo <ul><li>Importância da doutrina: fugir da ira vindoura. </li></ul><ul><li>Razões para falta de atenção à doutrina: </li></ul><ul><li>1) Repugnância à idéia de juízo(universalismo); </li></ul><ul><li>2) Juízo terapêutico; nesta vida (castigo para melhora); </li></ul><ul><li>3) Idéia de que o cristão não passa por juízo (entendimento de que é determinação do destino quando é declaração do destino). </li></ul><ul><li>Ocasião pública do pronunciamento do destino de todos pelo juiz. </li></ul><ul><li>Propósito: estabelecer completamente glória a Deus (destruir a essência do pecado) – glória por salvação e condenação: Sl 96.13; At 17.30-31; Hb 9.27; Ap 20.11. </li></ul><ul><li>Estamos no reino medianeiro do Filho (I Cor 15.28), que pronunciará o juízo. </li></ul>
  22. 22. O destino definitivo <ul><li>Quem será julgado? </li></ul><ul><li>Justos e injustos: Ap 20.12; Ap 20.15; </li></ul><ul><li>Anjos caídos: IIPe 2.4. </li></ul><ul><li>Há outro tipo de juízo? Sim, em termos de galardão e não de salvação (teste das obras) (Lc 12.47,48; ICor 3.13; IICor 5.10). </li></ul><ul><li>Sentido de Apocalipse: animar a viver para Cristo, e não para nós mesmos; nos dar vislumbre da Sua vitória sobre o mundo, o diabo e a carne. </li></ul>

×