• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Leão Magno (400 – 461)
 

Leão Magno (400 – 461)

on

  • 1,206 views

Vida e obra de Leão Magno

Vida e obra de Leão Magno

Statistics

Views

Total Views
1,206
Views on SlideShare
757
Embed Views
449

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

3 Embeds 449

http://ibrvn.com 418
http://jovens.ibrvn.com 30
http://www.google.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Leão Magno (400 – 461) Leão Magno (400 – 461) Presentation Transcript

      • Mateus e Vanessa
      • 15 de Outubro de 2011
      • IBRVN Jovens
      • Discussão sobre divindade/humanidade de Cristo: Ário, Apolinário, Nestório, Êutiques.
      • Decadência do Império Romano: invasões bárbaras (corrupção, falta de escravos) – Hunos/Átila(*452), Visigodos, Vândalos/Genserico(*455), generais e tropas bárbaros (imperadores fracos), Odoacro(476), fim do Império Romano e início da idade média.
      • Manutenção da autoridade de Roma – sucessão apostólica (Mt 16.18) (papa).
      • Provavelmente Italiano (Toscana).
      • Pouco sobre a infância – provavelmente família rica.
      • Bispo de Roma(440), Átila, Genserico, Concílio de Calcedônia(451)*.
      • Morre em Roma (461).
      • Definição da doutrina das duas naturezas de Cristo – convocado por Marciano.
      • Êutiques (monge de Constantinopla);
      • Flaviano (bispo de Constantinopla - recorre a Roma);
      • Dióscoro (bispo de Alexandria – Sínodo de Éfeso/ladrões (449)(tentativa de depor Flaviano).
      • Resposta de Leão (“Tomo a Flaviano”) prepara posição do Concílio de Calcedônia.
      • Duas naturezas;
      • Uma pessoa;
      • Segue comunicação dos atributos;
      • * Obra da redenção requer mediador humano e divino - Atanásio ;
      • Negar humanidade de Cristo (Êutiques/monofisismo) é negar realidade de seus sofrimentos.
      • “ Para obter o débito de nossa condição, a natureza inviolável uniu-se a passível. Assim como um remédio conveniente a nossa cura, um só e mesmo mediador entre Deus e o homem, o homem Jesus Cristo, de um lado podia morrer, e do outro lado, não o podia” (???, apud, Franklin Ferreia, 2006).
      • Fórmula (realidade) – representação (ajuda a compreender fórmula, não é realidade) (C.S. Lewis, “Mero Cristianismo”) – analogia com mistério da redenção.
      • Fiéis aos santos pais, todos nós, perfeitamente unânimes, ensinamos que se deve confessar um só e mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, perfeito quanto à divindade, perfeito quanto à humanidade, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, constando de alma racional e de corpo; consubstancial, segundo a divindade, e consubstancial a nós, segundo a humanidade; em todas as coisas semelhante a nós, excetuando o pecado, gerado segundo a divindade antes dos séculos pelo Pai e, segundo a humanidade, por nós e para nossa salvação, gerado da virgem Maria, mãe de Deus. Um só e mesmo Cristo, Filho, Senhor, Unigênito, que se deve confessar, em duas naturezas, inconfundíveis e imutáveis, inseparáveis e indivisíveis. A distinção de naturezas de modo algum é anulada pela união, mas, pelo contrário, as propriedades de cada natureza permanecem intactas, concorrendo para formar uma só pessoa e subsistência; não dividido ou separado em duas pessoas, mas um só e mesmo Filho Unigênito, Deus Verbo, Jesus Cristo Senhor, conforme os profetas outrora a seu respeito testemunharam, e o mesmo Jesus Cristo nos ensinou e o credo dos pais nos transmitiu. (Credo de Calcedônia)
      • C.S. Lewis (“Mero Cristianismo”):
      • Somente Cristo pôde viver em arrependimento perfeito e morrer perfeitamente. Pôde fazê-lo perfeitamente por ser Deus-homem. Como homem se arrepende e morre, e como Deus o faz perfeitamente.
      • Anselmo de Cantuária (“Por que Deus se fez homem?”):
      • Temos uma dívida para com Deus, e somente Ele tem a habilidade para pagá-la. Nós, entretanto, temos a obrigação de pagar; logo a redenção exige que o Mediador seja o Deus-homem .
      • FRANKLIN, F. Gigantes da Fé: espiritualidade e teologia na igreja cristã. Editora Vida Acadêmica: São Paulo, 2006.
      • Equipe Reader’s Digest. Depois de Jesus: o triunfo do Cristianismo. Editora READER’S DIGEST, 1999.
      • LEWIS. C. S. Mero Cristianismo . Editora Quadrante: São Paulo, 1997.