• Like
  • Save
Debatendo o uso de drogas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Debatendo o uso de drogas

on

  • 7,497 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,497
Views on SlideShare
7,168
Embed Views
329

Actions

Likes
4
Downloads
150
Comments
0

1 Embed 329

http://blog.uniamerica.br 329

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Debatendo o uso de drogas Debatendo o uso de drogas Presentation Transcript

    • Curso: Serviço Social 5º Período Disciplina: Política de Atenção à Família e Segmentos Vulneráveis Professora: Caroline Santana Ribeiro Acadêmicas: Clarinda Ferreira de Oliveira Elisângela Glaner Euni Rodrigues Ivete Tesche Selma da Silva Souza Foz do Iguaçu, 07 de Junho de 2011
    • FONTES DE REFERÊNCIAS
      • http://cinema.cineclick.uol.com.br/noticia
      • http://portal.saude.gov.br/portal/saude
      • AQUIVO DE ARTIGOS http://arquivoetc.blogspot.com/2008/11/crack
      • http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm
      • “ Drogas” - Substância Psicoativas
      “ Substância que, quando administrada ou consumida por um ser vivo modifica uma ou mais de duas funções, com exceção daquelas substâncias necessárias para a manutenção da saúde normal”. Embora essa definição seja deliberadamente ampla é aceita, pela organização mundial de saúde (OMS), utilizada e compreendida internacionalmente (Ghodse, 1995). (apud LEITE E ANDRADE, 1999)
    • O debate acerca do uso de drogas não é recente. Sua ocorrência é freqüente ao longo da história e, em geral, marcada por forte ênfase no aspecto moral. As abordagens predominantes, acerca do uso de drogas não fazem, em geral distinção entre a prática, o usuário e as substância.
      • DROGAS LÍCITAS
      • - Nicotina (cigarro)
      • - Álcool
      • - Medicamentos sem prescrição medica
      • - Anorexígeno
      • - Cafeína
      • - Anabolizantes
      • Drogas Ilícitas
      • - Maconha
      • - Cocaína
      • - Êxtase
      • - Lança Perfume
      • - LSD (Dietilamina do Ácido Lisérgico)
      • - CRACK
      • Crack
      • A história do crack está diretamente relacionada com a da cocaína , droga que surgiu nos anos 60 e que, na época, era grandemente consumida por grupos de amigos, em um contexto recreativo. No entanto, a cocaína era uma droga cara, apelidada de “a droga dos ricos”. Esse foi o principal motivo para a criação de uma “ cocaína ” mais acessível.
      • O crack é uma droga obtida a partir da planta de coca. Na verdade, podemos o definir como um subproduto da cocaína . Entre seus efeitos, podemos citar a sensação de euforia, empolgação e aumento da auto-estima do indivíduo.
      • O nome “crack” é uma referência ao barulho que a droga emite quando é consumida.
      • O crack é uma droga extremamente perigosa, uma vez pode causar infartos, derrames, problemas respiratórios e problemas mentais sérios.
      • O crack bloqueia a absorção natural da dopamina, o neurotransmissor que dispara no cérebro a sensação de prazer.
      • Com excesso da substância entre os neurônios, surge uma sensação imensa de euforia e onipotência.
      • Quando o efeito passa, vem a depressão – e, com o uso freqüente, as reações paranóicas.
      • Como a dopamina é o principal regulador do sistema de prazer e recompensa, o crack vicia rapidamente.
      • Outro fator que aumenta ainda mais o perigo desta droga é a dependência que ela gera.
      • Como a sensação de euforia é relativamente rápida, o usuário é levado a consumir novas doses cada vez maiores.
      • Os traficantes misturam a droga ( cocaína ) com outras substâncias, como o bicarbonato de sódio.
      • "Para aumentarem o volume, adicionam também cal e anestésicos como a lidocaína", informa o delegado Luiz Carlos Magno, do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) de São Paulo.
      • A mistura é fervida e depois filtrada, transformando-se em pequenas pedras brancas do tamanho de uma pipoca .
    • LEI DE DROGAS (11.343/06)
      • "Quem adquirir, guardar, tiver em depósito, transportar ou trouxer consigo, para consumo pessoal, drogas sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar será submetido às seguintes penas:
      • I-advertência sobre os efeitos das drogas;
      • II - prestação de serviços à comunidade;
      • III- medida educativa de comparecimento a programa ou curso educativo."
    • TIPIFICAÇÃO DO TRÁFICO DE DROGAS
      • Art. 33 – “Importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar”
      • No Brasil, está em discussão desde 2009 um projeto do deputado Paulo Ferreira (PT) que pretende reformar a Lei Antidrogas. Atualmente, existem cerca de dez coletivos estaduais com mínima força social que propõem a descriminalização da maconha e uma política efetiva de redução de danos aos viciados.
    • LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
      • No Brasil, as principais discussões em torno da política de drogas acontecem no Conad (Conselho Nacional de Políticas Sobre Drogas).
      • Atualmente, o usuário que é pego com pequena quantidade de droga não pode ser preso, mas mesmo assim terá sua ficha suja,
      • porém,
      • a lei não define a quantidade de droga que diferencia usuário ou traficante, cabendo ou ao policial ou ao juiz a tipificação.
    • LEI DE DROGAS (11.343/06)
      • Art. 23.  As redes dos serviços de saúde da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios desenvolverão programas de atenção ao usuário e ao dependente de drogas, respeitadas as diretrizes do Ministério da Saúde e os princípios explicitados no art. 22 desta Lei, obrigatória a previsão orçamentária adequada.
      •   Repasse de recursos financeiros para aquisição de material permanente para CAPS
      • Em acordo com Plano Emergencial de Ampliação do Acesso ao Tratamento e Prevenção em Álcool e outras Drogas no Sistema Único de Saúde – PEAD, instituído em 04 de junho de 2009 pela Portaria 1.190/GM
      • Com o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas, Decreto Presidencial n° 7.179, de 20 de maio de 2010, e com o objetivo de consolidar a rede de atenção à saúde mental e a rede de atenção integral ao crack, álcool e outras drogas.
      • O Ministério da Saúde libera recursos financeiros para compra de equipamentos permanentes para os CAPS aperfeiçoarem suas atividades terapêuticas, informatizarem suas instalações e/ou realizarem oficinas (de culinária, informática, marcenaria, papel e outras).
      • O Ministério da Saúde, e agora intensificado pelo Plano Integrado de Enfrentamento do Crack, tem buscado, em conjunto com outras políticas sociais, intervir nas causas e efeitos do consumo de álcool e outras drogas, em especial do crack, oferecendo cuidados de atenção com base na perspectiva da redução de danos sociais e à saúde.
      • No sentido de promover uma Política de Redução de Danos em serviços de saúde, em âmbito nacional, e contribuir para maior visibilidade e fortalecimento da Redução de Danos enquanto diretriz de trabalho, além de construir mecanismos que assegurem a continuidade e o desenvolvimento dessas ações, de forma complexa, sistêmica e integral
      • A Campanha Nacional de Alerta e Prevenção do Uso de Crack, lançada pelo Ministério da Saúde, tem como objetivo alertar sobre os riscos e conseqüências causados pelo consumo da droga.
      • Trata-se de uma iniciativa inédita para prevenir o consumo da droga, que é derivada da cocaína e possui alto grau de dependência.
      • Em Foz do Iguaçu, uma das possibilidades de tratamento às pessoas com dependência química em Crack e demais drogas é o Centro de Atendimento Psicossocial – CAPS AD.
      • Trata-se de aparelho social público, que faz parte da Política de Saúde do Ministério da Saúde
      • O Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps-ad) O Caps ad está localizado na Rua Vereador Moacir Pereira, 900-Vila Yolanda. Tem como objetivo promover integração e permitir que os produtos, feitos nas oficinas de ressocialização, possam também ser reconhecidos pelo público. "As oficinas de artesanato compreendem uma série de atividades e funcionam como terapia ocupacional".
      • O CAPS-ad é destinado a acolher e cuidar de pessoas com dificuldades decorrentes do uso prejudicial de álcool e/ou outras drogas. O trabalho busca reintegrar o indivíduo à sociedade de forma produtiva e participativa a ambientes sociais e culturais, onde se desenvolve a vida cotidiana e familiar.
      • Para acompanhamento, uma equipe multidisciplinar é preparada para o atendimento de adolescentes e adultos dependentes químicos e alcoolistas, de segunda a sexta-feira. Um dos principais objetivos do programa é prestar atendimento individual, em grupos e atividades comunitárias, enfocando a integração do paciente na comunidade e sua inserção familiar e social. Além disso, visa promover mediante diversas ações, a reinserção dos mesmos.