Your SlideShare is downloading. ×
0
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
PME Lecture 3: Portuguese
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

PME Lecture 3: Portuguese

330

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
330
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Metas Nacionais de Segurança de Pacientes 2013 Meta 7 - Reduzir o risco de infecções associadas aos cuidados de saúde• A. Cumprir as diretrizes de higiene das mãos• B. Prevenção de infecções por organismos resistentes a diversos medicamentos• C. Prevenção de infecções de corrente sanguínea associadas ao catéter venoso central• D. Prevenção de infecções de locais cirúrgicos
  • 2. Relatório do Centers for Disease Control (CDC)• Infecções associadas a cuidados de saúde (IACS) compõem parte substancial das condições adquiridas através de cuidados de saúde que afetam pacientes que recebem atendimento médico. Quase um em cada 20 pacientes internados nos Estados Unidos a cada ano adquire uma IACS. Infecções de corrente sanguínea associadas ao catéter venoso central (CLABSIs) estão entre os tipos mais mortais de IACS, com um índice de mortalidade de 12% a 25%.http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/mm6008a4.htm?s_cid=mm6008a4_w
  • 3. TESTE SEU CONHECIMENTOQual é a infecção Quais destes são fatores denosocomial de risco para o desenvolvimentoocorrência mais de infecções nosocomiais? A: Idadefrequente? B: Cateter urinário >24 horasA: Infecção do trato urinário C. Ventilação mecânicaB: Pneumonia D. Doença subjacente severaC. Relacionada a catéter vascular E. Internação prolongada em instalações provedoras de cuidados para condições agudas ou crônicas Respostas no próximo slide
  • 4. Outras considerações incluem:• Uso excessivo de produtos antimicrobianos• Equipamentos-instrumentos contaminados• Maus hábitos de LAVAGEM DAS MÃOS• A adesão às diretrizes de lavagem das mãos do CDC é essencial Infecções do trato urinário, todos são fatores de risco
  • 5. Definições-CDC• Higiene das mãos – Lavagem das mãos, antisséptico para a lavagem das mãos, loção de higienização das mãos à base de álcool, higiene das mãos/antissepsia cirúrgica• Lavagem das mãos – Lavar as mãos com sabão comum e água• Lavagem das mãos com solução antisséptica – Lavar as mãos com água e sabão ou outros detergentes que contêm agente antisséptico• Loção de higienização das mãos à base de álcool – Esfregar as mãos com um preparado contendo álcool• Higiene das mãos/antissepsia cirúrgica – Lavagem das mãos por pessoal cirúrgico ou uso de uma loção à base de álcool antes de operações Guideline for Hand Hygiene in Health-care Settings. MMWR 2002; vol. 51, no. RR-16.
  • 6. Indicações para ahigienização das mãos-CDC Quando as mãos estiverem visivelmente sujas ou contaminadas, lave-as com sabão não-antimicrobiano ou antimicrobiano e água. Se as mãos não estiverem visivelmente sujas, utilize uma loção para a lavagem das mãos à base de álcool que é utilizada rotineiramente para a descontaminação.Guideline for Hand Hygiene in Health-care Settings. MMWR 2002; vol. 51, no. RR-16.
  • 7. Indicações específicas para higienização das mãos• Antes de: – Contatos com o paciente – Calçar as luvas ao inserir um catéter central – Inserir catéteres urinários, catéteres vasculares periféricos ou outros dispositivos invasivos que não requerem cirurgia• Depois de: – Ter contato com a pele de um paciente – Ter contato com fluidos ou excreções corporais, pele não-intacta, curativos – Remover as luvasGuideline for Hand Hygiene in Health-care Settings. MMWR 2002; vol. 51, no. RR-16.
  • 8. Técnica recomendada para a higiene das mãos• Loção para a higienização das mãos – Aplicar na palma de uma mão e esfregar as mãos, cobrindo todas as superfícies até secar – Quantidade: depende do fabricante• Lavagem das mãos – Molhar as mãos com água, aplicar sabonete, esfregar as mãos por pelo menos 15 segundos – Enxaguar e secar com toalha descartável – Utilizar a toalha para fechar a torneiraGuideline for Hand Hygiene in Health-care Settings. MMWR 2002; vol. 51, no. RR-16.
  • 9. Metas de Segurança do Paciente 2013:A organização identifica os riscos de segurançainerentes em sua população de pacientes.Enfermeiros devem identificar os indivíduos queestão em risco maior de lesões e implementarintervenções de segurança.
  • 10. Populações de pacientes em alto risco• Idosos• Pediátricos• Barreiras linguísticas• Deficiência visual
  • 11. Estudo de CasoUm paciente deficiente visual idoso foihospitalizado para o tratamento de umatrombose venosa profunda (coágulo).Seus medicamentos de alta incluíam injeçõesde um anticoagulante. Um enfermeiro e umfarmacêutico forneceram ao pacienteinformações por escrito em folhas e orientaçãosobre a auto administração dos seusmedicamentos. Nenhum dos dois percebeuque o paciente era deficiente visual. Referência: http://www.ahrq.gov
  • 12. Estudo de CasoVários dias após sua alta, o paciente ligoupara o consultório e disse à enfermeira quetinha um saco cheio de medicamentos,incluindo injeções, mas que ele não tinhatomado nenhum deles, pois não conseguialer as instruções. O paciente teve que serinternado novamente para continuar aterapia anticoagulante.
  • 13. O que aconteceu?• Suposições falsas a respeito da acuidade visual do paciente• Treinamento inadequado de alta. Informações por escrito não bastam.• Eles não solicitaram que o paciente retornasse a demonstração do procedimento de injeção.• Mais de 1 milhão pessoas que vivem nos EUA são legalmente cegos. A avaliação adequada é essencial para a educação do paciente.
  • 14. Intervenções para pacientes de alto risco• Treinamento/competência com a medicação• Utilização de intérprete• Materiais educativos disponíveis para os pacientes• Letras grandes• Recursos externos disponíveis
  • 15. Estudo de CasoApós uma overdose, uma mulher de26 anos de idade foi internada paraobservação com uma internaçãoinvoluntária de psiquiatria de 72 horas. Umacompanhante 24 horas foi designado paraacompanhar a paciente. A paciente precisavatirar um raio x, mas pediu para ir ao banheiroprimeiro. Ela foi deixada no banheiro sozinha.O acompahante e o transportador começarama conversar. Referência: http://www.ahrq.gov
  • 16. Estudo de CasoAo retornar ao quarto da paciente, oenfermeiro ficou preocupado e a encontroucom seu avental amarrado em seu pescoço,em péem cima da lata de lixo, que havia sido viradade cabeça para baixo. Ela estava a segundosde pular da lata e se enforcar.Felizmente, a paciente nada sofreu. NUNCA DEIXE O PACIENTE SOZINHO
  • 17. Pacientes psiquiátricos• Uma revisão de 76 casos determinou que apenas 40% dos pacientes que cometeram suicídio foram internados por ideação suicida.• Estratégias de prevenção - Avaliação, ambientes seguros, uso de um acompanhante individual, Nunca deixe o paciente sozinho
  • 18. Meta de Segurança do Paciente 2013 -Realizar uma verificação de pré-procedimentoProcesso – As diretrizes WHO da OMS incluem• Verificação inicial do paciente, procedimento e do local de procedimento pretendido;• Marcar o local pretendido com uma caneta estéril, quando aplicável; e• Um "tempo" final imediatamente antes de iniciar o procedimento no qual os membros da equipe médica verificam ativamente cada elemento listado acima.•
  • 19. Outras preocupações de segurançaReduzir o potencial de lesões do paciente decorrentes de quedas
  • 20. Quedas de idosos• As quedas são uma das principais causas de morte de pessoas de 65 anos ou mais de idade.• Aproximadamente 50% das pessoas que caem sofrem lesões que reduzem a mobilidade e a independência. Um terço daqueles que sofrem fraturas de quadril necessitam de acomodação em casas de repouso• 10% das quedas fatais de adultos mais velhos ocorrem em hospitais.
  • 21. Fatores de Risco de Queda• >65 anos de idade • Deficiência visual ou• Incapacidade de de mobilidade compreender ou • Marcha instável seguir instruções • Tonturas/desmaios• Confusão • História recente de• Alteração do nível de consciência/delírio quedas• Incapacidade de utilização da luz de chamada
  • 22. Fatores de Risco de Queda• Terapia medicamentosa • Procedimento• Hx de cirúrgico urgência/noturna/ • Hipotensão ou frequência em hipertensão ortostática eliminação • Crianças em berços• Hx de convulsões • Utilização de dispositivos de auxílio
  • 23. Medicamentos que exigem alerta de queda• Antidepressivos tricíclicos• Antipsicóticos• Sedativos-Hipnóticos• Anti-hipertensivos• Anti-histamínico/Anticolinérgicos• Agentes hipoglicêmicos• Diuréticos/Laxantes• Anticonvulsivos• Relaxantes Musculares• Analgésicos Narcóticos
  • 24. Avaliação de Queda-Alto Risco • Identificar pacientes em alto risco e comunicar à equipe - Escala de Queda Morse • Colocar pulseira de identificação de queda amarela nos pulsos dos pacientes • Observar os pacientes identificados como estando em risco de queda a cada 2 horas • Revisar diariamente os medicamentos do paciente que podem aumentar seu risco de quedas.
  • 25. Intervenções - Iniciar Medidas de Segurança• Balançar os pés na cama • Livrar o ambiente de antes de objetos acumulados sentar/deambulação • Revisar os medicamentos• Auxiliar na deambulação • Considerar uma consulta• Colocar pulseira de ID de interdisciplinar alerta de queda • Documentar a avaliação,• Colocar a cama/cadeira as intervenções e a em posição baixa resposta• Assegurar o uso correto • Educar os pacientes e da menor contenção pessoas próximas
  • 26. Outras preocupações de segurançaEvitar a pressão associada aos cuidados de saúdeÚlceras• Avaliar pacientes em alto risco• Virar a cada 2 horas• Manter o paciente limpo e seco• Promover boa nutrição
  • 27. Considerações de segurança do pacienteIncentivar o envolvimento ativo dos pacientes em seus próprios cuidados como estratégia de segurança do paciente.Melhorar o reconhecimento e resposta à mudança na condição do paciente. Muitos hospitais instituíram equipes de resposta rápida que, de modo geral, consistem de um enfermeiro, terapeuta respiratório e outros membros da equipe de cuidados de saúde que respondem a um paciente com necessidades.
  • 28. Paciente/família Pacientes e familiares podem fazer verificações adicionais de segurança. Estimular os pacientes e familiares a fazer perguntas. Informar os pacientes sobre seus direitos. Educar os pacientes e familiares sobre todos os aspectos de seus cuidados. Fornecer material escrito e verbal.
  • 29. Recursos disponíveis paraeducação de pacientes incluem• Institute for Safe Medication Practices acesse www.ismp.org• Agency for Healthcare Research & Quality - acesse www.ahrq.govhttp://www.ihi.org/IHI/• Acesso ao Institute for Healthcare Improvement (Instituto de Melhoria dos Cuidados de Saúde) http://www.ihi.org/IHI/
  • 30. TRABALHO EM EQUIPE É A CHAVE

×