Marketing de varejo - Origem, Conceito, Tendências - Aula 1

  • 245 views
Uploaded on

Marketing de varejo - Origem, Conceito, Tendências - Aula 1

Marketing de varejo - Origem, Conceito, Tendências - Aula 1

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
245
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
26
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Marketing de Varejo Ueliton Leonidio 1
  • 2. Mattar, 2011 Programa da Disciplina 1. O Varejo no Brasil e no Mundo – Origem, Conceito, Funções e Desenvolvimento 2. As Ferramentas do Marketing Ajustada ao Varejo – Classificação do varejo – Administração varejista – Localização, Compras, Análise da Concorrência, Segmentação, Tomada de Decisão – Mix de Marketing – Produtos, Preço, Promoção, Distribuição 3- Perspectivas do Varejo no Brasil – Novas Tecnologias e Tendências 2
  • 3. Mattar, 2011 Avaliação e Bibliografia Casos de Aula (3,0) + Seminários (3,0) + Prova Final (4,0) = Nota Final (10,0) Avaliação Continuada 3
  • 4. Mattar, 2011 Conceito Varejo consiste nas atividades de negócios envolvidas na venda de qualquer produto ou prestação de qualquer serviço a consumidores finais, para utilização ou consumo pessoal, familiar ou residencial. 4
  • 5. Mattar, 2011 Conceito Ampliado Engloba um conjunto de atividades de negócios que adiciona valor aos produtos e serviços vendidos e é o último estágio do processo de distribuição. Ou seja, além de agregar valor a produtos e serviços vendidos, engloba venda em diferentes formas: venda direta, porta em porta, por telefone, pela internet, ambulantes... 5
  • 6. Mattar, 2011 História Desde os primórdios o homem buscou formas para suprir suas necessidades básicas; no início, com atividades de caça e pesca e, posteriormente, com a agricultura e a criação de pequenos animais. Consumo próprio. Com a ocorrência da produção de excedentes e a comunicação entre diferentes grupos, iniciou-se o processo de escambo onde os excedentes da produção de um grupo eram trocados pelos de outro. Era o primórdio do comércio. O surgimento da moeda revolucionou a atividade comercial facilitando os processos de trocas, como “produto” (moeda) que tinha valor e era do interesse de qualquer grupo na realização de trocas 6
  • 7. Mattar, 2011 História • O abastecimento nas pequenas cidades era realizado por lojas gerais, onde podia ser encontrado qualquer tipo de produto, desde alimentos e roupas até implementos agrícolas. 1700 • Nos EUA, se iniciou a divisão de funções no comércio com o surgimento de atacadistas, com papel e atuação diversos dos varejistas que também passaram a se especializar vendendo para os seus clientes (consumidores finais). • 1852 – 1º varejista de venda em massa – Le Bom Marche – Paris – França • 1870 – Rowland Macy – Grande Loja de Departamentos – Nova Iorque - EUA 1850 • A expansão das estradas de ferro, dos correios e telégrafos nos Estados Unidos, no final do século XIX, possibilitaram o surgimento e a grande expansão das vendas por catálogo. Montgomery Ward – 540 páginas e 24 mil artigos 1887 7
  • 8. Mattar, 2011 História • Surgiu a primeira construção com características assemelhadas às dos atuais shopping centers. Edward H. Boston construiu um prédio com uniformidade arquitetônica para abrigar diversas lojas independentes, mas que operava com administração centralizada e contava com estacionamento para carruagens. Mas o “boom” dos shoppings se deu a partir da Segunda Guerra Mundial (1950). 1907 • Autosserviço - Mercearia Great Atlantic and Pacific Tea Company - Califórnia – EUA – Produtos com preços predeterminados, os próprios consumidores percorrem a loja sem intervenção de funcionários. 1912 • Hugh Prather construiu em Dallas um prédio que abrigava um complexo de lojas com as características dos atuais shopping centers, com controle administrativo centralizado e estacionamento para automóveis. 1931 • Loja de Conveniência – com o objetivo de atender compras emergenciais. Localizadas em bairros, com horários de funcionamento mais dilatados - EUA 1940 8
  • 9. Mattar, 2011 História • Os Shopping Centers se verticalizaram, ganhando múltiplos níveis e um vazio central que permitia a visão dos diferentes níveis. 1973 • Os shopping Centers passaram a ser opções de lazer, comércio, como polos de atrações. 1980 9 Isfahan bazaar Irã – Séc. X Oxford Covered Market Inglaterra - 1774 South China Mall China – 2005
  • 10. Mattar, 2011 Maiores Shoppings do Mundo 10
  • 11. Mattar, 2011 Maiores Varejistas da América Latina 11
  • 12. Mattar, 2011 Maiores Varejistas do Mundo 12
  • 13. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Até a segunda metade do século XIX não se podia falar da existência de lojas de varejo no Brasil e o comércio era exercido, exclusivamente, por mascates. 13 Varejo brasileiro foi implementado copiando as experiências bem- sucedidas no exterior
  • 14. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Marcos: – 1947 - – 1949 – Sears no Brasil – 1953 – Primeiros Supermercados – 1960 – Shopping Centers – 1970 - expansão orgânica de diversos setores do varejo, em particular de lojas de eletrodomésticos (Casas Bahia, Arapuã, Ponto Frio), de supermercados (Pão de Açúcar, Sé e Bom Preço), de lojas de variedades (Lojas Americanas e Lojas Brasileiras), e de lojas de departamento (Mesbla e C&A). – 1980 - Carrefour introduziu o formato de hipermercados.Surgimento e grande expansão das franquias. Segmentação do mercado. 14 Frigorífico Wilson do Brasil S. A. - escritório santista - e o Presunto Wilson Tender Made Publicado no jornal santista A Tribuna, em 11 de maio de 1947, página 5
  • 15. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • A partir de 1990, houve um Redimensionamento no varejo e surgimento de novos formatos e expansão do home shopping, tais como marketing direto, venda direto, máquinas de venda e varejo virtual. • Além disso, grandes varejistas ingressaram no mercado brasileiro. 15
  • 16. Mattar, 2011 Varejo do Brasil 16 Nota: Construído pelo autor. Fontes: Deloitte; Touche; Tohmatsu. Análise setorial varejo – Um setor em grande transformação. A partir de dados consolidados do Forrester Group, 2008:16; Souza, Antônio F. et al. Estratégias de crescimento no varejo supermercadista brasileiro: uma análise do desempenho das seis maiores redes. Varejo Competitivo, v. 9, 2004:201-224; Ghisi, Flávia Angeli. Estratégias de crescimento das redes supermercadistas brasileiras. Varejo Competitivo, v. 9, p. 301-327, 2008; Souza, Marcos Gouvêa; Serrentino, Alberto. Multivarejo na próxima economia. São Paulo: Makron, 2002:108-110; <www.carrefour.com.br>. Acessado em: 28 jun. 2009; SuperHiper Panorama. Revista da ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, p. 60-68, São Paulo, 2010.
  • 17. Mattar, 2011 Varejo do Brasil 17 Nota: Construído pelo autor. Fontes: Deloitte; Touche; Tohmatsu. Análise setorial varejo – Um setor em grande transformação. A partir de dados consolidados do Forrester Group, 2008:16; Souza, Antônio F. et al. Estratégias de crescimento no varejo supermercadista brasileiro: uma análise do desempenho das seis maiores redes. Varejo Competitivo, v. 9, 2004:201-224; Ghisi, Flávia Angeli. Estratégias de crescimento das redes supermercadistas brasileiras. Varejo Competitivo, v. 9, p. 301-327, 2008; Souza, Marcos Gouvêa; Serrentino, Alberto. Multivarejo na próxima economia. São Paulo: Makron, 2002:108-110; <www.carrefour.com.br>. Acessado em: 28 jun. 2009; SuperHiper Panorama. Revista da ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, p. 60-68, São Paulo, 2010.
  • 18. Mattar, 2011 Varejo do Brasil 18 Nota: Construído pelo autor. Fontes: Deloitte; Touche; Tohmatsu. Análise setorial varejo – Um setor em grande transformação. A partir de dados consolidados do Forrester Group, 2008:16; Souza, Antônio F. et al. Estratégias de crescimento no varejo supermercadista brasileiro: uma análise do desempenho das seis maiores redes. Varejo Competitivo, v. 9, 2004:201-224; Ghisi, Flávia Angeli. Estratégias de crescimento das redes supermercadistas brasileiras. Varejo Competitivo, v. 9, p. 301-327, 2008; Souza, Marcos Gouvêa; Serrentino, Alberto. Multivarejo na próxima economia. São Paulo: Makron, 2002:108-110; <www.carrefour.com.br>. Acessado em: 28 jun. 2009; SuperHiper Panorama. Revista da ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, p. 60-68, São Paulo, 2010.
  • 19. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Grandes Varejistas 19 • Grandes Franquias Fonte: Souza, Marcos Gouvêa; Serrentino, Alberto. Multivarejo na próxima economia. São Paulo: Makron, 2002:108-110; complementada e atualizada pelo autor. Fonte: Souza, Marcos Gouvêa; Serrentino, Alberto. Multivarejo na próxima economia. São Paulo: Makron, 2002:108-110.
  • 20. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Representatividade por setor 20 Fonte: Deloitte; Touche; Tohmatsu. Análise setorial varejo – Um setor em grande transformação. A partir de dados consolidados do Forrester Group, 2008:5.
  • 21. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Formatos de varejo - Evolução 21 (*) Refere-se ao total de vendas no varejo e não à soma da coluna. Há superposições entre alguns dos formatos. Fontes: (1) Superhiper. Ranking ABRAS. Revista da ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, edições 2003-2009, São Paulo; (2) ABRASCE – Associação Brasileira de Shopping Centers; (3) ABF – Associação Brasileira de Franchising; (4) ABEVD – Associação Brasileira de Vendas Diretas; (5) E-BIT – Compilação <www.e-commerce.org.br>; (6) IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censos do Comércio, 2003 a 2006.
  • 22. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Autosserviço 22 Fonte: Censo ACNielsen; In: Superhiper Panorama. Revista da ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, p. 38, São Paulo, 2010
  • 23. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Distribuição de alimentos e farmacosméticos no Brasil em 2008 23
  • 24. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Shopping Centers • Primeiros: Méier – 1963 (RJ) e Iguatemi – 1966 (SP) • Novos Formatos: • Open malls (luz natural e lojas abertas para ruas e jardins). • Shoppings especializados em móveis e decorações (D & D e Lar Center). • Shoppings de luxo (Daslu e Cidade Jardim). 24
  • 25. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Shopping Centers 25
  • 26. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Evolução dos shopping centers no Brasil no período de 2005 a 2010 26 Fonte: Shopping Centers Brasil 2009. Disponível em:<http://www.portaldoshopping.com.br/sobreosetor.asp?codAreaMae=10&codArea=51&codConteudo=1>. Acessado em: 8 mar. 2010.
  • 27. Mattar, 2011 Varejo no Brasil 27Fonte: ABRASCE
  • 28. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Franquias – EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE REDES DE FRANQUIAS DO SETOR DE FRANCHISING BRASILEIRO 28 http://www.portaldofranchising.com.br/numeros-do-franchising/evolucao-do-setor-de-franchising
  • 29. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Franquias – EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE UNIDADES FRANQUEADAS DO SETOR DE FRANCHISING BRASILEIRO 29 http://www.portaldofranchising.com.br/numeros-do-franchising/evolucao-do-setor-de-franchising
  • 30. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Franquias 30 FATURAMENTO DO SETOR DE FRANCHISING BRASILEIRO (valor em bilhões de R$) http://www.portaldofranchising.com.br/numeros-do-franchising/evolucao-do-setor-de-franchising
  • 31. Mattar, 2011 Varejo no Brasil Class Rede Segmento Total de Unidades 1ª CORREIOS Negócios, Serviços e Conveniência 7440 2ª O BOTICÁRIO Cosméticos e Perfumaria 3635 3ª COLCHÕES ORTOBOM Móveis, Decoração e Presentes 1828 4ª MCDONALD´S Alimentação 1756 5ª CACAU SHOW Bebidas, Cafés, Doces, Salgados e Sorvetes 1613 6ª KUMON Educação e Treinamento 1593 7ª AM PM MINI MARKET Negócios, Serviços e Conveniência 1565 8ª SUBWAY Alimentação 1538 9ª WIZARD IDIOMAS Escolas de Idiomas 1264 10ª JET OIL Serviços Automotivos 1235 31http://www.portaldofranchising.com.br/numeros-do-franchising/relacao-de-franquias-por-numero-de-unidades
  • 32. Mattar, 2011 Varejo no Brasil Class Rede Segmento Total de Unidades 11ª BOB´S Alimentação 1058 12ª ESCOLAS FISK Escolas de Idiomas 1002 13ª HOKEN Beleza, Saúde, Farmácias e Produtos Naturais 896 14ª BR MANIA Negócios, Serviços e Conveniência 867 15ª CVC BRASIL Hotelaria e Turismo 832 16ª DIA% Negócios, Serviços e Conveniência 713 17ª ÓTICAS DINIZ Bijuterias, Joias e Óculos 711 18ª CCAA Escolas de Idiomas 696 19ª ÓTICAS CAROL Bijuterias, Joias e Óculos 650 20ª CHILLI BEANS Acessórios Pessoais, Calçados e Tênis 636 32http://www.portaldofranchising.com.br/numeros-do-franchising/relacao-de-franquias-por-numero-de-unidades
  • 33. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Distribuição das unidades franqueadas por Região - 2013 33Fonte: ABF
  • 34. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Venda Direta - Histórico 34 Fonte: ABEVD – Associação Brasileira de Vendas Diretas. Disponível em: <www.abevd.org.br>. Acessado em: 19 maio 2009.
  • 35. Mattar, 2011 Varejo no Brasil 35 • Venda Direta • Lingerie • Bijuterias • Alimentos • Beleza • Cuidados Pessoais • 2 milhões de representantes http://www.abevd.org.br/
  • 36. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Varejo Eletrônico 36
  • 37. Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Varejo Eletrônico 37
  • 38. Mattar, 2011 Inovações e Tendências no Varejo • Franquia: • Tradução do termo francês franchise cujos significados são: Imunidade, Privilégio, Franqueza, Sinceridade, Lealdade, Direito de asilo. • Acredita-se que surgiu na Inglaterra, na Idade Média, quando o rei concedeu licenças aos participantes da corte para explorarem terras sob comando do rei. • Fato Marcante: Isaac Singer – Máquinas de Costura • E-tail – Varejo eletrônico • Varejo Multicanal ... Multichanel, omnichanel... 38 1854
  • 39. Mattar, 2011 Varejo Multicanal 39 http://www.slideshare.net/ecommerceclass/varejo- multicanal-novo-consumidor-e-a-facebook-store Fernando Mansano, 2012