Marketing de varejo - Origem,  Conceito, Tendências - Aula 1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Marketing de varejo - Origem, Conceito, Tendências - Aula 1

on

  • 160 views

Marketing de varejo - Origem, Conceito, Tendências - Aula 1

Marketing de varejo - Origem, Conceito, Tendências - Aula 1

Statistics

Views

Total Views
160
Views on SlideShare
155
Embed Views
5

Actions

Likes
0
Downloads
16
Comments
0

1 Embed 5

http://www.slideee.com 5

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Marketing de varejo - Origem,  Conceito, Tendências - Aula 1 Marketing de varejo - Origem, Conceito, Tendências - Aula 1 Presentation Transcript

  • Marketing de Varejo Ueliton Leonidio 1
  • Mattar, 2011 Programa da Disciplina 1. O Varejo no Brasil e no Mundo – Origem, Conceito, Funções e Desenvolvimento 2. As Ferramentas do Marketing Ajustada ao Varejo – Classificação do varejo – Administração varejista – Localização, Compras, Análise da Concorrência, Segmentação, Tomada de Decisão – Mix de Marketing – Produtos, Preço, Promoção, Distribuição 3- Perspectivas do Varejo no Brasil – Novas Tecnologias e Tendências 2
  • Mattar, 2011 Avaliação e Bibliografia Casos de Aula (3,0) + Seminários (3,0) + Prova Final (4,0) = Nota Final (10,0) Avaliação Continuada 3 View slide
  • Mattar, 2011 Conceito Varejo consiste nas atividades de negócios envolvidas na venda de qualquer produto ou prestação de qualquer serviço a consumidores finais, para utilização ou consumo pessoal, familiar ou residencial. 4 View slide
  • Mattar, 2011 Conceito Ampliado Engloba um conjunto de atividades de negócios que adiciona valor aos produtos e serviços vendidos e é o último estágio do processo de distribuição. Ou seja, além de agregar valor a produtos e serviços vendidos, engloba venda em diferentes formas: venda direta, porta em porta, por telefone, pela internet, ambulantes... 5
  • Mattar, 2011 História Desde os primórdios o homem buscou formas para suprir suas necessidades básicas; no início, com atividades de caça e pesca e, posteriormente, com a agricultura e a criação de pequenos animais. Consumo próprio. Com a ocorrência da produção de excedentes e a comunicação entre diferentes grupos, iniciou-se o processo de escambo onde os excedentes da produção de um grupo eram trocados pelos de outro. Era o primórdio do comércio. O surgimento da moeda revolucionou a atividade comercial facilitando os processos de trocas, como “produto” (moeda) que tinha valor e era do interesse de qualquer grupo na realização de trocas 6
  • Mattar, 2011 História • O abastecimento nas pequenas cidades era realizado por lojas gerais, onde podia ser encontrado qualquer tipo de produto, desde alimentos e roupas até implementos agrícolas. 1700 • Nos EUA, se iniciou a divisão de funções no comércio com o surgimento de atacadistas, com papel e atuação diversos dos varejistas que também passaram a se especializar vendendo para os seus clientes (consumidores finais). • 1852 – 1º varejista de venda em massa – Le Bom Marche – Paris – França • 1870 – Rowland Macy – Grande Loja de Departamentos – Nova Iorque - EUA 1850 • A expansão das estradas de ferro, dos correios e telégrafos nos Estados Unidos, no final do século XIX, possibilitaram o surgimento e a grande expansão das vendas por catálogo. Montgomery Ward – 540 páginas e 24 mil artigos 1887 7
  • Mattar, 2011 História • Surgiu a primeira construção com características assemelhadas às dos atuais shopping centers. Edward H. Boston construiu um prédio com uniformidade arquitetônica para abrigar diversas lojas independentes, mas que operava com administração centralizada e contava com estacionamento para carruagens. Mas o “boom” dos shoppings se deu a partir da Segunda Guerra Mundial (1950). 1907 • Autosserviço - Mercearia Great Atlantic and Pacific Tea Company - Califórnia – EUA – Produtos com preços predeterminados, os próprios consumidores percorrem a loja sem intervenção de funcionários. 1912 • Hugh Prather construiu em Dallas um prédio que abrigava um complexo de lojas com as características dos atuais shopping centers, com controle administrativo centralizado e estacionamento para automóveis. 1931 • Loja de Conveniência – com o objetivo de atender compras emergenciais. Localizadas em bairros, com horários de funcionamento mais dilatados - EUA 1940 8
  • Mattar, 2011 História • Os Shopping Centers se verticalizaram, ganhando múltiplos níveis e um vazio central que permitia a visão dos diferentes níveis. 1973 • Os shopping Centers passaram a ser opções de lazer, comércio, como polos de atrações. 1980 9 Isfahan bazaar Irã – Séc. X Oxford Covered Market Inglaterra - 1774 South China Mall China – 2005
  • Mattar, 2011 Maiores Shoppings do Mundo 10
  • Mattar, 2011 Maiores Varejistas da América Latina 11
  • Mattar, 2011 Maiores Varejistas do Mundo 12
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Até a segunda metade do século XIX não se podia falar da existência de lojas de varejo no Brasil e o comércio era exercido, exclusivamente, por mascates. 13 Varejo brasileiro foi implementado copiando as experiências bem- sucedidas no exterior
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Marcos: – 1947 - – 1949 – Sears no Brasil – 1953 – Primeiros Supermercados – 1960 – Shopping Centers – 1970 - expansão orgânica de diversos setores do varejo, em particular de lojas de eletrodomésticos (Casas Bahia, Arapuã, Ponto Frio), de supermercados (Pão de Açúcar, Sé e Bom Preço), de lojas de variedades (Lojas Americanas e Lojas Brasileiras), e de lojas de departamento (Mesbla e C&A). – 1980 - Carrefour introduziu o formato de hipermercados.Surgimento e grande expansão das franquias. Segmentação do mercado. 14 Frigorífico Wilson do Brasil S. A. - escritório santista - e o Presunto Wilson Tender Made Publicado no jornal santista A Tribuna, em 11 de maio de 1947, página 5
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • A partir de 1990, houve um Redimensionamento no varejo e surgimento de novos formatos e expansão do home shopping, tais como marketing direto, venda direto, máquinas de venda e varejo virtual. • Além disso, grandes varejistas ingressaram no mercado brasileiro. 15
  • Mattar, 2011 Varejo do Brasil 16 Nota: Construído pelo autor. Fontes: Deloitte; Touche; Tohmatsu. Análise setorial varejo – Um setor em grande transformação. A partir de dados consolidados do Forrester Group, 2008:16; Souza, Antônio F. et al. Estratégias de crescimento no varejo supermercadista brasileiro: uma análise do desempenho das seis maiores redes. Varejo Competitivo, v. 9, 2004:201-224; Ghisi, Flávia Angeli. Estratégias de crescimento das redes supermercadistas brasileiras. Varejo Competitivo, v. 9, p. 301-327, 2008; Souza, Marcos Gouvêa; Serrentino, Alberto. Multivarejo na próxima economia. São Paulo: Makron, 2002:108-110; <www.carrefour.com.br>. Acessado em: 28 jun. 2009; SuperHiper Panorama. Revista da ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, p. 60-68, São Paulo, 2010.
  • Mattar, 2011 Varejo do Brasil 17 Nota: Construído pelo autor. Fontes: Deloitte; Touche; Tohmatsu. Análise setorial varejo – Um setor em grande transformação. A partir de dados consolidados do Forrester Group, 2008:16; Souza, Antônio F. et al. Estratégias de crescimento no varejo supermercadista brasileiro: uma análise do desempenho das seis maiores redes. Varejo Competitivo, v. 9, 2004:201-224; Ghisi, Flávia Angeli. Estratégias de crescimento das redes supermercadistas brasileiras. Varejo Competitivo, v. 9, p. 301-327, 2008; Souza, Marcos Gouvêa; Serrentino, Alberto. Multivarejo na próxima economia. São Paulo: Makron, 2002:108-110; <www.carrefour.com.br>. Acessado em: 28 jun. 2009; SuperHiper Panorama. Revista da ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, p. 60-68, São Paulo, 2010.
  • Mattar, 2011 Varejo do Brasil 18 Nota: Construído pelo autor. Fontes: Deloitte; Touche; Tohmatsu. Análise setorial varejo – Um setor em grande transformação. A partir de dados consolidados do Forrester Group, 2008:16; Souza, Antônio F. et al. Estratégias de crescimento no varejo supermercadista brasileiro: uma análise do desempenho das seis maiores redes. Varejo Competitivo, v. 9, 2004:201-224; Ghisi, Flávia Angeli. Estratégias de crescimento das redes supermercadistas brasileiras. Varejo Competitivo, v. 9, p. 301-327, 2008; Souza, Marcos Gouvêa; Serrentino, Alberto. Multivarejo na próxima economia. São Paulo: Makron, 2002:108-110; <www.carrefour.com.br>. Acessado em: 28 jun. 2009; SuperHiper Panorama. Revista da ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, p. 60-68, São Paulo, 2010.
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Grandes Varejistas 19 • Grandes Franquias Fonte: Souza, Marcos Gouvêa; Serrentino, Alberto. Multivarejo na próxima economia. São Paulo: Makron, 2002:108-110; complementada e atualizada pelo autor. Fonte: Souza, Marcos Gouvêa; Serrentino, Alberto. Multivarejo na próxima economia. São Paulo: Makron, 2002:108-110.
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Representatividade por setor 20 Fonte: Deloitte; Touche; Tohmatsu. Análise setorial varejo – Um setor em grande transformação. A partir de dados consolidados do Forrester Group, 2008:5.
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Formatos de varejo - Evolução 21 (*) Refere-se ao total de vendas no varejo e não à soma da coluna. Há superposições entre alguns dos formatos. Fontes: (1) Superhiper. Ranking ABRAS. Revista da ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, edições 2003-2009, São Paulo; (2) ABRASCE – Associação Brasileira de Shopping Centers; (3) ABF – Associação Brasileira de Franchising; (4) ABEVD – Associação Brasileira de Vendas Diretas; (5) E-BIT – Compilação <www.e-commerce.org.br>; (6) IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censos do Comércio, 2003 a 2006.
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Autosserviço 22 Fonte: Censo ACNielsen; In: Superhiper Panorama. Revista da ABRAS – Associação Brasileira de Supermercados, p. 38, São Paulo, 2010
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Distribuição de alimentos e farmacosméticos no Brasil em 2008 23
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Shopping Centers • Primeiros: Méier – 1963 (RJ) e Iguatemi – 1966 (SP) • Novos Formatos: • Open malls (luz natural e lojas abertas para ruas e jardins). • Shoppings especializados em móveis e decorações (D & D e Lar Center). • Shoppings de luxo (Daslu e Cidade Jardim). 24
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Shopping Centers 25
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Evolução dos shopping centers no Brasil no período de 2005 a 2010 26 Fonte: Shopping Centers Brasil 2009. Disponível em:<http://www.portaldoshopping.com.br/sobreosetor.asp?codAreaMae=10&codArea=51&codConteudo=1>. Acessado em: 8 mar. 2010.
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil 27Fonte: ABRASCE
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Franquias – EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE REDES DE FRANQUIAS DO SETOR DE FRANCHISING BRASILEIRO 28 http://www.portaldofranchising.com.br/numeros-do-franchising/evolucao-do-setor-de-franchising
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Franquias – EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE UNIDADES FRANQUEADAS DO SETOR DE FRANCHISING BRASILEIRO 29 http://www.portaldofranchising.com.br/numeros-do-franchising/evolucao-do-setor-de-franchising
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Franquias 30 FATURAMENTO DO SETOR DE FRANCHISING BRASILEIRO (valor em bilhões de R$) http://www.portaldofranchising.com.br/numeros-do-franchising/evolucao-do-setor-de-franchising
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil Class Rede Segmento Total de Unidades 1ª CORREIOS Negócios, Serviços e Conveniência 7440 2ª O BOTICÁRIO Cosméticos e Perfumaria 3635 3ª COLCHÕES ORTOBOM Móveis, Decoração e Presentes 1828 4ª MCDONALD´S Alimentação 1756 5ª CACAU SHOW Bebidas, Cafés, Doces, Salgados e Sorvetes 1613 6ª KUMON Educação e Treinamento 1593 7ª AM PM MINI MARKET Negócios, Serviços e Conveniência 1565 8ª SUBWAY Alimentação 1538 9ª WIZARD IDIOMAS Escolas de Idiomas 1264 10ª JET OIL Serviços Automotivos 1235 31http://www.portaldofranchising.com.br/numeros-do-franchising/relacao-de-franquias-por-numero-de-unidades
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil Class Rede Segmento Total de Unidades 11ª BOB´S Alimentação 1058 12ª ESCOLAS FISK Escolas de Idiomas 1002 13ª HOKEN Beleza, Saúde, Farmácias e Produtos Naturais 896 14ª BR MANIA Negócios, Serviços e Conveniência 867 15ª CVC BRASIL Hotelaria e Turismo 832 16ª DIA% Negócios, Serviços e Conveniência 713 17ª ÓTICAS DINIZ Bijuterias, Joias e Óculos 711 18ª CCAA Escolas de Idiomas 696 19ª ÓTICAS CAROL Bijuterias, Joias e Óculos 650 20ª CHILLI BEANS Acessórios Pessoais, Calçados e Tênis 636 32http://www.portaldofranchising.com.br/numeros-do-franchising/relacao-de-franquias-por-numero-de-unidades
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Distribuição das unidades franqueadas por Região - 2013 33Fonte: ABF
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Venda Direta - Histórico 34 Fonte: ABEVD – Associação Brasileira de Vendas Diretas. Disponível em: <www.abevd.org.br>. Acessado em: 19 maio 2009.
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil 35 • Venda Direta • Lingerie • Bijuterias • Alimentos • Beleza • Cuidados Pessoais • 2 milhões de representantes http://www.abevd.org.br/
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Varejo Eletrônico 36
  • Mattar, 2011 Varejo no Brasil • Varejo Eletrônico 37
  • Mattar, 2011 Inovações e Tendências no Varejo • Franquia: • Tradução do termo francês franchise cujos significados são: Imunidade, Privilégio, Franqueza, Sinceridade, Lealdade, Direito de asilo. • Acredita-se que surgiu na Inglaterra, na Idade Média, quando o rei concedeu licenças aos participantes da corte para explorarem terras sob comando do rei. • Fato Marcante: Isaac Singer – Máquinas de Costura • E-tail – Varejo eletrônico • Varejo Multicanal ... Multichanel, omnichanel... 38 1854
  • Mattar, 2011 Varejo Multicanal 39 http://www.slideshare.net/ecommerceclass/varejo- multicanal-novo-consumidor-e-a-facebook-store Fernando Mansano, 2012