O COMPROMISSO DO EDUCADOR “ Somente um ser que é capaz de sair do seu contexto, de distanciar-se dele para ficar com ele...
<ul><li>CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE ALUNO </li></ul><ul><li>Prof. Dr. Vilmar Aves Pereira </li></ul>MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO...
Caminante, no hay camino, se hace camino al andar  ... (MACHADO A.)
ORGANIZANDO A EXPOSIÇÃO <ul><li>1- Situar as concepções clássicas Clássicas; </li></ul><ul><li>2- Situar a perspectiva da ...
ROMPENDO COM A NEUTRALIDADE PEDAGÓGICA. <ul><li>Todo ato pedagógico não ocorre num vazio e, portanto se constitui num ato ...
<ul><li>e.du.ca. ção   feminino </li></ul><ul><li>a  ação  ou o  processo  de  dar  ou  receber   conhecimentos   gerais ,...
<ul><li>a  ação  ou o  processo  de  dar  ou  receber   conhecimentos  ou  habilidades   específicas , como por exemplo pa...
<ul><li>o  grau ,  nível  ou tipo de  escolaridade   </li></ul><ul><ul><li>a maioria dos funcionários desta empresa não te...
<ul><li>a  ciência  ou  arte  de  ensinar ;  pedagogia   </li></ul><ul><ul><li>eu me formei em pedagogia, sou portanto um ...
<ul><li>Educação  </li></ul><ul><li>Educare : orientar, nutrir, decidir num sentido externo, levando o indivíduo de um pon...
<ul><li>ALUNO&quot; aparece com o significado de &quot;NÃO LUZ&quot; ou &quot;SEM LUZ&quot;. Isso porque estaria formada p...
<ul><li>1. Sentido próprio: CRIANÇA DE PEITO.  2. Em sentido figurado ou metafórico: DISCÍPULO.  </li></ul>
O QUE SIGNIFICA PENSAR A EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS NESSA PERSPECTIVA? <ul><li>QUE  SUJEITOS  QUEREMOS FORMAR? </li></ul>QU...
<ul><li>QUE  SABERES  QUEREMOS DISCUTIR ? </li></ul>
<ul><li>QUE  SOCIEDADE  QUEREMOS PARA VIVER?   </li></ul>
<ul><li>QUE  ESCOLA  QUEREMOS? </li></ul>
<ul><li>QUE  EDUCAÇÃO  QUEREMOS PRIORIZAR? </li></ul>
<ul><li>QUE  AVALIAÇÃO  PRECISAMOS CONSTRUIR? </li></ul>
<ul><li>QUE  CULTURA  QUEREMOS VALORIZAR?  </li></ul>
<ul><li>QUE  CONHECIMENTO  QUEREMOS TRABALHAR?   </li></ul>
<ul><li>QUE  RELAÇÕES DE PODER  QUEREMOS MANTER?    </li></ul>
O CONCEITO DE DUALISMO DE PLATÃO MUNDO IDEAL MUNDO REAL Reminiscências
<ul><li>CIDADE DE DEUS </li></ul>CIDADE DOS HOMENS AS DUAS CIDADES EM AGOSTINHO Mandamentos e Ascese
Outras contribuições <ul><li>Jesuítas; </li></ul><ul><li>Descartes </li></ul><ul><li>John Locke; </li></ul><ul><li>Kant; <...
DECORRÊNCIA DESSAS PERPECTIVAS <ul><li>A fundamentação e legitimação da pedagogia: </li></ul><ul><li>Tradicional; </li></u...
<ul><li>o “aluno como deve ser” e não como ele é; </li></ul><ul><li>A busca da perfeição; </li></ul><ul><li>A aposta na ra...
Professor Aluno Meio Pedagogia Tradicional Diretiva
Aluno Professor Meio Pedagogia Liberal Não-diretiva
<ul><li>A pedagogia essencialista possuía também alguns pontos positivos como:  </li></ul><ul><li>Em certo sentido os prof...
A PERSPECTIVA DA KARL MARX <ul><li>A realidade não é dual; </li></ul><ul><li>Todos os filósofos se preocupam em apenas pen...
DECORRÊNCIAS PARA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL <ul><li>FREIRE, BRANDÃO, FAZENDA, FRIGOTTO et. al. Tomam como r...
Pedagogia Dialética Relacional Educando Meio Educador
O que queremos evitar no em nossas  Práticas Educativas?
<ul><li>Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender  (FREIRE). </li></ul>O PROCESSO DE ENSINO-APRENDI...
<ul><li>NÃO HÁ DOCÊNCIA SEM DISCÊNCIA. </li></ul>
<ul><li>ENSINAR EXIGE ESTÉTICA E ÉTICA. </li></ul>
<ul><li>ENSINAR EXIGE CURIOSIDADE. </li></ul>
<ul><li>ENSINAR EXIGE O RESPEITO AOS SABERES DO EDUCANDO. </li></ul>
<ul><li>ENSINAR EXIGE QUERER BEM AOS EDUCANDOS. </li></ul>
<ul><li>ENSINAR EXIGE COMPROMETIMENTO. </li></ul>
<ul><li>ENSINAR EXIGE A CONVICÇÃO DE QUE A MUDANÇA É POSSÍVEL.  </li></ul>
<ul><li>ENSINAR EXIGE ALEGRIA E ESPERANÇA. </li></ul>
ENSINAR PARA PARTICIPAR SUPERANDO: <ul><li>o autoritarismo, a prepotência, a rigidez hierárquica. </li></ul><ul><li>a arro...
NOSSA OPÇÃO METODOLÓGICA NO PROEJA CEFETBG- TEMA GERADOR <ul><li>“ O tema gerador é entendido como o assunto que centraliz...
TEMAS GERADORES <ul><li>Segundo a pedagogia da autonomia, o processo de escolha desses assuntos, problemas ou temas gerado...
<ul><li>O conhecimento é interdisciplinar </li></ul><ul><li>E aos professores é indispensável reconhecer essa característi...
A SISTEMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES <ul><li>As falas; </li></ul><ul><li>Planejamento das falas (coletivo); </li></ul><ul><li>A...
ENSINAR EXIGE A CONVICÇÃO DE QUE A MUDANÇA É POSSÍVEL.
<ul><li>OBRAS CONSULTADAS </li></ul><ul><li>ADORNO, Theodor W.  Educação e emancipação . Tradução Wolfgang L.M. São Paulo:...
OBRAS CONSULTADAS <ul><li>PEREIRA, Vilmar A.  As inquietações que podem emergir quando a prática pedagógica é colocada à l...
OBRAS CONSULTADAS <ul><li>RAYS, Alonso.  Leituras da educação.  Santa Maria:Palotti, 2000. </li></ul><ul><li>RAYS, Alonso....
<ul><li>OBRIGADO PELA OPORTUNIDADE! </li></ul><ul><li>E-mail:  vilmar1972gmail.com </li></ul>
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Aula

3,849 views
3,751 views

Published on

Published in: Education, Technology, Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,849
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
69
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula

  1. 1. O COMPROMISSO DO EDUCADOR “ Somente um ser que é capaz de sair do seu contexto, de distanciar-se dele para ficar com ele; capaz de admirá-lo para, objetivando-o, transformá-lo e, transformando-o, saber se transformado pela sua própria criação; um ser que é e está sendo no tempo que é o seu, um ser histórico, somente este é capaz, por tudo isto, de comprometer-se”(FREIRE, 2006, p.17).
  2. 2. <ul><li>CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE ALUNO </li></ul><ul><li>Prof. Dr. Vilmar Aves Pereira </li></ul>MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE EDUCAÇÃO – IE – PPGEA-PPGEC
  3. 3. Caminante, no hay camino, se hace camino al andar ... (MACHADO A.)
  4. 4. ORGANIZANDO A EXPOSIÇÃO <ul><li>1- Situar as concepções clássicas Clássicas; </li></ul><ul><li>2- Situar a perspectiva da Educação </li></ul><ul><li>Progressista; </li></ul><ul><li>3- Apresentar alguns desafios a partir da metodologia Progressista. </li></ul>
  5. 5. ROMPENDO COM A NEUTRALIDADE PEDAGÓGICA. <ul><li>Todo ato pedagógico não ocorre num vazio e, portanto se constitui num ato político que possui uma teoria que embasa o meu jeito de ser professor ou educador. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>e.du.ca. ção feminino </li></ul><ul><li>a ação ou o processo de dar ou receber conhecimentos gerais , de modo a desenvolver o poder de raciocínio e julgamento e, geralmente, preparar intelectualmente a si mesmo ou aos outros para a vida adulta . </li></ul>
  7. 7. <ul><li>a ação ou o processo de dar ou receber conhecimentos ou habilidades específicas , como por exemplo para o exercício de uma profissão . </li></ul>
  8. 8. <ul><li>o grau , nível ou tipo de escolaridade </li></ul><ul><ul><li>a maioria dos funcionários desta empresa não tem mais do que a educação fundamental. </li></ul></ul>
  9. 9. <ul><li>a ciência ou arte de ensinar ; pedagogia </li></ul><ul><ul><li>eu me formei em pedagogia, sou portanto um especialista em educação. </li></ul></ul>
  10. 10. <ul><li>Educação </li></ul><ul><li>Educare : orientar, nutrir, decidir num sentido externo, levando o indivíduo de um ponto onde ele se encontra para outro que se deseja alcançar; </li></ul><ul><li>Educere: se refere a promover o surgimento de dentro para fora das potencialidades que o individuo possui. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>ALUNO&quot; aparece com o significado de &quot;NÃO LUZ&quot; ou &quot;SEM LUZ&quot;. Isso porque estaria formada pelo prefixo A-, que significa negação, e pelo elemento LUN-, da palavra latina LUMEN, que significa luz. Em conseqüência ALUNO teria um sentido pejorativo: seria &quot;AUSÊNCIA DE LUZ&quot;. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>1. Sentido próprio: CRIANÇA DE PEITO. 2. Em sentido figurado ou metafórico: DISCÍPULO. </li></ul>
  13. 13. O QUE SIGNIFICA PENSAR A EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS NESSA PERSPECTIVA? <ul><li>QUE SUJEITOS QUEREMOS FORMAR? </li></ul>QUESTÕES QUE NORTEADORAS PARA REFLETIRMOS SOBRE NOSSA PRÁTICA.
  14. 14. <ul><li>QUE SABERES QUEREMOS DISCUTIR ? </li></ul>
  15. 15. <ul><li>QUE SOCIEDADE QUEREMOS PARA VIVER? </li></ul>
  16. 16. <ul><li>QUE ESCOLA QUEREMOS? </li></ul>
  17. 17. <ul><li>QUE EDUCAÇÃO QUEREMOS PRIORIZAR? </li></ul>
  18. 18. <ul><li>QUE AVALIAÇÃO PRECISAMOS CONSTRUIR? </li></ul>
  19. 19. <ul><li>QUE CULTURA QUEREMOS VALORIZAR? </li></ul>
  20. 20. <ul><li>QUE CONHECIMENTO QUEREMOS TRABALHAR? </li></ul>
  21. 21. <ul><li>QUE RELAÇÕES DE PODER QUEREMOS MANTER?  </li></ul>
  22. 22. O CONCEITO DE DUALISMO DE PLATÃO MUNDO IDEAL MUNDO REAL Reminiscências
  23. 23. <ul><li>CIDADE DE DEUS </li></ul>CIDADE DOS HOMENS AS DUAS CIDADES EM AGOSTINHO Mandamentos e Ascese
  24. 24. Outras contribuições <ul><li>Jesuítas; </li></ul><ul><li>Descartes </li></ul><ul><li>John Locke; </li></ul><ul><li>Kant; </li></ul><ul><li>Rousseau e Pestalozzi. </li></ul>ALGUMAS REAFIRMAÇÕES DESSA MATRIZ EPISTEMOLÓGICA
  25. 25. DECORRÊNCIA DESSAS PERPECTIVAS <ul><li>A fundamentação e legitimação da pedagogia: </li></ul><ul><li>Tradicional; </li></ul><ul><li>Conservadora; </li></ul><ul><li>Essencialista; </li></ul><ul><li>Positivista; </li></ul><ul><li>Bancária </li></ul>DECORRÊNCIAS DESSE PARADIGMA
  26. 26. <ul><li>o “aluno como deve ser” e não como ele é; </li></ul><ul><li>A busca da perfeição; </li></ul><ul><li>A aposta na razão; </li></ul><ul><li>Nega os aspectos da sensibilidade: </li></ul><ul><li>A idéia de castigo. </li></ul><ul><li>DECORRÊNCIAS PEDAGÓGICAS DESSE PARADIGMA </li></ul>DECORRÊNCIAS PEDAGÓGICAS DESSE PARADIGMA
  27. 27. Professor Aluno Meio Pedagogia Tradicional Diretiva
  28. 28. Aluno Professor Meio Pedagogia Liberal Não-diretiva
  29. 29. <ul><li>A pedagogia essencialista possuía também alguns pontos positivos como: </li></ul><ul><li>Em certo sentido os professores eram competentes; </li></ul><ul><li>Dominavam os conteúdos e conseguiam ministrar suas aulas com disciplina. </li></ul><ul><li>Os alunos assimilavam os conteúdos. </li></ul>ALGUNS PONTOS POSITIVOS
  30. 30. A PERSPECTIVA DA KARL MARX <ul><li>A realidade não é dual; </li></ul><ul><li>Todos os filósofos se preocupam em apenas pensar sobre o mundo é necessário transformar o mundo; </li></ul><ul><li>A realidade é dialética e portanto processual. </li></ul><ul><li>O homem é um sujeito histórico. </li></ul>A PERSPECTIVA MARXIANA
  31. 31. DECORRÊNCIAS PARA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL <ul><li>FREIRE, BRANDÃO, FAZENDA, FRIGOTTO et. al. Tomam como referência a perspectiva dialética renomeando-a como: </li></ul><ul><li>Progressista; </li></ul><ul><li>Histórico-crítica; </li></ul><ul><li>Popular </li></ul>LEGADOS E APROVEITAMENTO DESSA EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL
  32. 32. Pedagogia Dialética Relacional Educando Meio Educador
  33. 33. O que queremos evitar no em nossas Práticas Educativas?
  34. 34. <ul><li>Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender (FREIRE). </li></ul>O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA DIALÉTICA FRERIANA
  35. 35. <ul><li>NÃO HÁ DOCÊNCIA SEM DISCÊNCIA. </li></ul>
  36. 36. <ul><li>ENSINAR EXIGE ESTÉTICA E ÉTICA. </li></ul>
  37. 37. <ul><li>ENSINAR EXIGE CURIOSIDADE. </li></ul>
  38. 38. <ul><li>ENSINAR EXIGE O RESPEITO AOS SABERES DO EDUCANDO. </li></ul>
  39. 39. <ul><li>ENSINAR EXIGE QUERER BEM AOS EDUCANDOS. </li></ul>
  40. 40. <ul><li>ENSINAR EXIGE COMPROMETIMENTO. </li></ul>
  41. 41. <ul><li>ENSINAR EXIGE A CONVICÇÃO DE QUE A MUDANÇA É POSSÍVEL. </li></ul>
  42. 42. <ul><li>ENSINAR EXIGE ALEGRIA E ESPERANÇA. </li></ul>
  43. 43. ENSINAR PARA PARTICIPAR SUPERANDO: <ul><li>o autoritarismo, a prepotência, a rigidez hierárquica. </li></ul><ul><li>a arrogância, a indiferença </li></ul><ul><li>o individualismo, o comodismo </li></ul><ul><li>as relações clientelistas, os privilégios </li></ul><ul><li>a resistência, a forma de pensamento único </li></ul><ul><li>a fragmentação, a divisão do trabalho </li></ul><ul><li>enfoque apenas nos resultados acusações que buscam “o culpado” </li></ul><ul><li>desconfiança, a tristeza, a imobilidade (Mello) </li></ul>ENSINAR PARA VENCER O QUE?
  44. 44. NOSSA OPÇÃO METODOLÓGICA NO PROEJA CEFETBG- TEMA GERADOR <ul><li>“ O tema gerador é entendido como o assunto que centraliza o processo de ensino-aprendizagem, sobre o qual acontecem os estudos, pesquisas,análises, Reflexões,Discussões e conclusões” (FREIRE, 1996). </li></ul>METODOLOGIA DE ENSINO POR TEMAS GERADORES.
  45. 45. TEMAS GERADORES <ul><li>Segundo a pedagogia da autonomia, o processo de escolha desses assuntos, problemas ou temas geradores é fruto de uma mediação entre as responsabilidades dos educadores e os interesses dos educandos. </li></ul>
  46. 46. <ul><li>O conhecimento é interdisciplinar </li></ul><ul><li>E aos professores é indispensável reconhecer essa característica da ação inteligente. </li></ul>DESAFIOS PARA CONSTRUIR UMA PROPOSTA POR TEMAS GERADORES.
  47. 47. A SISTEMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES <ul><li>As falas; </li></ul><ul><li>Planejamento das falas (coletivo); </li></ul><ul><li>A rede temática; </li></ul><ul><li>O tema gerador; </li></ul><ul><li>O objetivo da discussão; </li></ul><ul><li>A construção da rede. </li></ul>
  48. 48. ENSINAR EXIGE A CONVICÇÃO DE QUE A MUDANÇA É POSSÍVEL.
  49. 49. <ul><li>OBRAS CONSULTADAS </li></ul><ul><li>ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação . Tradução Wolfgang L.M. São Paulo: Paz e Terra. 1995. </li></ul><ul><li>DALBOSCO, Claudio A. (Org.). Filosofia Prática e Pedagogia. Passo Fundo Ed da: UPF, 2003. </li></ul><ul><li>FREIRE, P . Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. 22 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006. </li></ul><ul><li>GADOTTI, M. História das idéias pedagógicas. 8. ed. São Paulo: Ática, 2002. 319 p. </li></ul><ul><li>MACHADO, N. José. Epistemologia e didática : as concepções de conhecimento e a prática docente. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2000. </li></ul>
  50. 50. OBRAS CONSULTADAS <ul><li>PEREIRA, Vilmar A. As inquietações que podem emergir quando a prática pedagógica é colocada à luz da reflexão . In: Claudemir de Quadros; Guacira de Azambuja. (Org.). Formação de professores em serviço: a experiência da Unifra. Santa Maria: Gráfica Editora Pallotti, 2002, v.l, p. 76-80. </li></ul><ul><li>PEREIRA, Vilmar A. A importância das teorias da Educação na formação do Educador . In: Corina Michelon Dotti. (Org.). Educação: reflexões, vivências e pesquisa. 1. ed. Caxias do Sul: Editora da Universidade de Caxias do Sul, 2002, v. 01, p. 55-61. </li></ul><ul><li>VEIGA, Ilma Passos A. Projeto Político Pedagógico da Escola : uma construção possível. Campinas SP: Papirus, 1995. </li></ul>
  51. 51. OBRAS CONSULTADAS <ul><li>RAYS, Alonso. Leituras da educação. Santa Maria:Palotti, 2000. </li></ul><ul><li>RAYS, Alonso. O planejamento da ação pedagógica. IN: Espaço Pedadógico. Passo Fundo: Ediupf,2003 . </li></ul><ul><li>SANTOS, S. Boaventura.Em busca da cidadania global . Disponivel em: http://www.veraz.com.br . 2003 . </li></ul>
  52. 52. <ul><li>OBRIGADO PELA OPORTUNIDADE! </li></ul><ul><li>E-mail: vilmar1972gmail.com </li></ul>

×