Your SlideShare is downloading. ×
0
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Aula Unesp -Pos TV Digital
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Aula Unesp -Pos TV Digital

635

Published on

Esta apresentação fala sobre os principais requisitos do sistema ISDBT-B.

Esta apresentação fala sobre os principais requisitos do sistema ISDBT-B.

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
635
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
31
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • A digitalização das transmissões terrestres, devem proporcionar meios de oferecer serviços interativos. Muito mais do que Jogos e E-mail. A TVDigital pode contribuir com a oferta de utilidades publicas como: Acesso a saldos do FGTS Marcação de Consultas (SUS) Pagamentos de Impostos Requisição de Certidões Isso dará maior proximidade e transparência ao governo e uma melhora dos serviços prestados aos cidadãos. Ainda mais em um país como o nosso, cujo os níveis de renda e escolaridade são baixos. É necessário um estudo prévio e sério da usabilidade dos serviços interativos, interfaces e menus, que permitam o fácil manuseio dessas mídias por pessoas de qualquer nível de escolaridade,como agente fomentador não só do sucesso comercial para o produto,mas também de integração social. Se para o usuário final a digitalização dos sinais lhe proporcionará uma forma de diminuir o abismo social, para o mercado Brasileiro essa mesma digitalização acena com a redefinição de um modelo de negócios em TV aberta, e uma alavancada da industria de eletroeletrônicos que terá novas oportunidades de negócios, haja visto que o Brasil foi o primeiro pais no mundo a testar comparativamente os 3 padrões de transmissão digital (DVB –ISDB- ATSC),tornando-se uma refer ê ncia na área e tirando de uma vez por todas o estigma de que somos um pais subdesenvolvido para tecnologia e desenvolvimento cientifico. Acredito que atendidas essas premissas ,um grande passo terá sido dado para tornar o Brasil realmente em um P aís D e T odos.
  • PRBS=PSEUDO RANDON BITE SEQUENCE
  • O conceito de “Caixa Digital” ,ou Unidade Receptora Decodificadora (URD),ou simplesmente Set Top Box (STB) nasceu como uma plataforma para aplicações multimídias para redes de TV por assinatura. Com a chegada da TV Digital, esses aparelhos acumularam funções mais complexas do que converter os sinais digitais em sinais analógicos, oferecendo serviços interativos como: Consultas a grade de programação através de EPG (Eletronic Program Guide), Video OnDemand (VOD), jogos, Personal Video Recorde (PVR) etc... Os STB são constituídos por hardware e software(API-Application Programming Interface-Algumas vezes chamado de middleware em algumas literaturas).São responsáveis pela recepção em HDTV,SDTV e permitem que aparelhos analógicos possam receber imagens digitais transmitidas por diferentes meios como: cabo, satélite ou terrestre. Sendo que cada meio de transmissão possui um tipo de modulação diferente (QAM-Cabo; QPSK-Satélite;OFDM-Terrestre),e que deve estar presente na arquitetura padrão da URD.
  • Os sintonizadores podem ser divididos em 3 categorias: 1º )Sintonizador In-Band (IB): Responsável por isolar o canal fisico e convertelo em um canal unico (banda base),extraido apartir de um sinal de banda larga, que nada mais é que um fluxo de multiplos canais. 2º)Sintonizador Out-of -Band (OOB): Presente nos STB, das TV’s por assinatura (Cabo-MMDS); atua como facilitador da transferência de dados entre o head-end e as caixas digitais presente nos assinantes. 3º)Sintonizador do Canal de Retorno: O canal de retorno será tratado com maior profundidade no capitulo sobre interatividade, por enquanto basta sabermos que o sintonizador presente na caixa tem a função de ativar esse canal, para fornecer inform açõ es de volta ao fornecedor de serviços interativos.
  • O Decreto Presidencial 4.901, de 26 de novembro de 2003, instituiu o Projeto do Sistema Brasileiro de Televisão Digital – SBTVD com o objetivo principal de democratização da informação por meio do acesso à tecnologia digital. Neste sentido, o Sistema Brasileiro almeja se estabelecer como a porta de entrada para o mundo da informação para uma parte significativa da população brasileira, ainda sem acesso às facilidades da informática e da Internet, portanto enquanto agente de inclusões digital e social. Para cumprir este papel será fundamental a garantia de interatividade entre usuários e um sistema de sustentação de serviços e aplicações. Isto representará o estabelecimento de um sistema onde cada usuário, individualmente, poderá interagir, encaminhando ou recebendo informações e solicitações às emissoras/programadoras. Denomina-se Canal de Interatividade a este sistema que será constituído através da conexão entre as redes de televisão com as redes de telecomunicações. A comunicação das emissoras/programadoras para os usuários será estabelecida no Canal de Descida, constituído pelos canais de radiodifusão, podendo se dar enquanto uma comunicação Broadcast (Ponto-Multiponto) - aberta e disponível a todos os usuários ou ainda em Unicast (Ponto a Ponto) – individualizada. Para que cada usuário possa retornar informações às emissoras/programadoras, será necessário um meio de comunicação denominado Canal de Retorno, a ser constituído por qualquer tecnologia ou meio que permita a comunicação entre usuários do SBTVD (indivíduos, grupos de interesse ou coletividade) com as emissoras ou outro provedor de informações e serviços – através das redes de telecomunicações. A figura 1 mostra uma representação esquemática do Canal de Interatividade.
  • Dentro dessa óptica os receptores, sejam eles fixos, móveis ou portáteis terão um papel fundamental na evolução dos serviços de convergência, graças as tecnologias que podem ser incorporadas a eles, que vão desde Armazenamento, processamento de imagens ,sons e vídeos ,oferecendo todo um novo universo de como capturar imagens, apresentar e compartilhar informações tornando-se uma via ilimitada de compartilhar informações. Os set top box podem criar a base das comunicações, tornando-se verdadeiros Gateways residenciais a medida que possam conversar com outros dispositivos dentro da residência e porque não também ser a porta de acesso para Celulares, PDA´s e Hand´s .Permitindo por exemplo que a televisão se integre a outros dispositivos da residência ou fora dela e com isso seja possível por exemplo programar a gravação do seu programa favorito pelo Celular .
  • Apesar de todas as vantagens trazidas com a TVDigital entre elas Imagem de DVD SOM de CD Muitos ainda podem se perguntar interatividade pra que ? Temos conteúdo para a tão falada interatividade, será que não estamos querendo transformar a TV em PC ? Não se enganem TV não é PC , os recurso interativos devem ser tão inteligentes e amigáveis o quanto possível para atrair novos clientes e fidelizar os que estão na base. A simples bandeira de interatividade sem um real propósito e mais ainda sem uma bom modelo de negócio atrelado a ela, não resultara em receita instantânea mas sim na fuga dela O usa racional e criativo da interatividade é que tornará o diferencial estratégico entre as empresas ; mostrando que a união entre usabilidade e interface gráficas amigáveis começam muito antes do usuário apertar o botão “ power” do SET TOP BOX .
  • Na figura temos os 3 níveis de interatividade A digitalização das transmissões devem proporcionar meios de oferecer serviços interativos. Muito mais do que Jogos e E-mail. IPTV deve ser compreendida como um modelo para todos e não só para esse ou aquele segmento. A TVDigital pode contribuir com a oferta de utilidades publicas como: Acesso a saldos do FGTS Marcação de Consultas (SUS) Pagamentos de Impostos Requisição de Certidões Isso dará maior proximidade e transparência alem de uma melhora dos serviços prestados aos usuários. O que todo companhia quer é a fidelização de seus assinantes, pois eu lhes digo que, serei fiel e pagarei sem pestanejar a qual quer empresa que facilite a vide de meus pais ,de minha família e a minha própria Um outro ponto importante é o nascimento de um novo conceito. Até hoje o conceito de telespectador é o de um sujeito passivo diante da programação. Através dos recursos interativos, da possibilidade de personalização da grade de programação , de gerar conteúdo e do chamado TCommerce , que permite comprar o vestido da mocinha da novela das oito, entre outras coisas com um simples toque no controle remoto, por tudo isso, nasce o TELEPARTICIPANTE , que vem para quebrar o paradigma da grade de programação com horários pré-definidos ,esse Tele participante ,que é o usuário da TV Interativa é o novo conceito de publico que passaremos a lidar.
  • E quem pode fazer esses serviços acontecerem ? A IPTV que já nasce em um ambiente bidirecional! Se olharmos para o gráfico, veremos que os melhores serviços estão atrelados ao canal de retorno dedicado. Porem não se esqueçam da importância da USABILIDADE!
  • Em um país como o nosso, cujo os níveis de renda e escolaridade são baixos. É necessário um estudo prévio e sério da usabilidade dos serviços interativos, interfaces e menus, que permitam o fácil manuseio dessas mídias por pessoas de qualquer nível de escolaridade,como agente fomentador não só do sucesso comercial para o produto,mas também de integração social
  • Transcript

    • 1. Soluções Inovadoras para Transmissão do Sinal Digital • INTRODUÇÃO A ISDBT-B • TOM JONES MOREIRA
    • 2. • Tom Jones Moreira • Especialista em Sist.deTransmissãoDigital • Formado em Proc.deDados • Formado em Gestão de Processos • MBA em Gestão de Projetos • Membro Consultor do Forum SBTVD • Membro da Diretoria de Ensino da SET (Sociedade de Eng.de Televisão) • Membro do IPV6 TaskForce Brazil
    • 3. INTRODUÇÃO O CAMINHO QUE PERCORREMOS PARA CHEGAR ATÉ AQUI !
    • 4. A TV MUDOU
    • 5. Decreto Presidencial 4901, de 26 de novembro de 2003
    • 6. Robustez sistema deve possuir características de robustez na recepção, uma vez que considerável parcela da população brasileira recebe sinais de televisão com o auxílio de antena interna, mobilidade é atraente. Flexibilidade sistema deve ser flexível o bastante para permitir que as emissoras escolham esquemas de programação e modelos de negócio de acordo com a sua estratégia,evolução e implantação gradual Interatividade e inclusão digital O sistema deve privilegiar o desenvolvimento de novas aplicações, especialmente aquelas baseadas na interatividade, de modo que proporcionem não só entretenimento, mas também um ambiente propício à educação, cultura e cidadania, contribuindo para a formação de uma sociedade adequada à altura dos desafios contemporâneos.
    • 7. Comitê de Desenvolvimento: fixar critérios e condições para a escolha das pesquisas e dos projetos a serem realizados para o desenvolvimento do Sistema TV Digital, bem como de seus participantes (Min.Com/Min.da Educ/Casa Civel, etc) Comitê Consultivo: O Comitê Consultivo tem por finalidade propor as ações e as diretrizes fundamentais relativas ao Sistema TV Digital é integrado por: SET - Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão e Telecomunicações; IDEC - Instituto de Defesa do Consumidor; SBC - Sociedade Brasileira de Computação;etc Grupo Gestor: Direciona as ações de pesquisa e desenvolvimento a serem executadas pelas entidades participantes do projeto. É integrado por: Agência Nacional de Telecomunicações – (ANATEL) Ministério da Cultura Casa Civil da Presidência da República Ministério das Comunicações CPqD - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações & FINEP
    • 8. Atendendo aos pressupostos:“políticas governamentais, universalização,interoperabilidade, usabilidade, e uso social da inovação tecnológica” Fase I: Apoio à Decisão (projeto- Dez 2005) Escolha baseada nos ambientes: Social, Econômico, Cultural, Político,Técnico e Regulatório. Fase II: Desenvolvimento Fase III: Implantação (Dez 2008)
    • 9. Missão recebida pelo Comitê de Desenvolvimento : Decreto 4.901 e Exposição de motivos Decreto 4.733 (Inclusão digital) b) Apresentar um Modelo de Referência a ser adotado como um modelo para a implantação da televisão digital no Brasil c) Realizar estudos técnico-econômicos de viabilidade para as tecnologias e soluções consideradas no Modelo de Referência. d) Subsidiar o Ministério das Comunicações e o Governo Federal nas suas decisões a respeito da questão “TVD terrestre”. e) Disponibilizar o conhecimento gerado no decorrer do projeto para os diversos agentes envolvidos – Governo, emissoras, indústrias, empresas de software e de serviços.
    • 10. 1. Aspectos Tecnológicos : Especificações Técnicas do Sistema de TVD Terrestre, Serviços e Aplicações 2. Aspectos Econômicos: Cadeia de Valor, Modelos de Negócio... 3. Aspectos Sociais: Cultura Digital, fruição dos serviços interativos, necessidades de formação de recursos... 4. Aspectos Regulatórios: Leis, Decretos, Política de outorgas e modelo de transição, regulamentos, canalização... 5. Aspectos Industriais: Custos, prazos, impactos, roteiros de implementação... Abrange 5 aspectos:
    • 11. A digitalização das transmissões terrestres, devem proporcionar meios de oferecer serviços interativos. Muito mais do que Jogos e E-mail. Necessidade de um estudo prévio e sério da usabilidade dos serviços interativos, interfaces e menus. Novo Modelo de Negógio e Alavancada da Industria de Eletroeletronicos Tirar o estigma de que somos um pais subdesenvolvido para tecnologia e desenvolvimento cientifico.
    • 12. EXISTEM 3 PADRÕES DE TRANSMISSAO DIGITAL ATSC-Advanced Television System Committee DVB -Digital Video Broadcasting ISDB -Integrated Services Digital Broadcasting Cada um desses padrões pode ser Transmitido por: Cabo – ATSC-C /DVB-C /ISDB-C AR –ATSC-T/DVB-T/ISDB-T (chamado de Terristerial) Satélite-ATSC/S-DVB-S/ISDB-S
    • 13. Comparação entre ATSC, DVB, ISDB   ATSCATSC DVBDVB ISDBISDB Codificação vídeo MPEG – 2 Vídeo áudio Dolby AC-3 MPEG – 2 Áudio (Dolby AC-3 opcional) MPEG-2 AAC Multiplexação de sinais MPEG Transmissão terrestre 8-VSB COFDM BST-OFDM cabo 64 QAM QAM (16,32,64,128 e 256) 64 QAM satélite QPSK QPSK 8-PSK  
    • 14. ACESSO AOACESSO AO SERVIÇOSERVIÇO ACESSO AOACESSO AO SERVIÇOSERVIÇO MODULAÇÃO :MODULAÇÃO : FUNDAMENTALFUNDAMENTAL MODULAÇÃO :MODULAÇÃO : FUNDAMENTALFUNDAMENTAL Como recebe?Como recebe?Como recebe?Como recebe? Onde recebe?Onde recebe?Onde recebe?Onde recebe? O que recebe?O que recebe?O que recebe?O que recebe? Quem recebe?Quem recebe?Quem recebe?Quem recebe? ATSC - 8VSBATSC - 8VSBATSC - 8VSBATSC - 8VSB DVB - COFDMDVB - COFDMDVB - COFDMDVB - COFDM ISDB–BST-OFDMISDB–BST-OFDMISDB–BST-OFDMISDB–BST-OFDM TESTES COMPARATIVOSTESTES COMPARATIVOSTESTES COMPARATIVOSTESTES COMPARATIVOS
    • 15. • ATSCATSC • DVB-TDVB-T • ISDB-TISDB-T
    • 16. Um sistema de T.V. Digital é um conjunto de padrões que provê: • Codificação dos sinais fonte de áudio e vídeo (MPEG) • Multiplexação dos sinais de áudio, vídeo e dados para formar um fluxo de Programa (Program Stream) (MPEG). • Multiplexação de diversos fluxos de Programa para formar o fluxo de Transporte (Transport Stream) (MPEG). • Modulação do sinal digital para as diferentes formas de transmissão (radiodifusão, cabo, satélite).
    • 17. Encoder 9090 SH RE-MUX 9600-RMX MODULADOR ISDB-9500 PROCESSADOR ISDB-TS9090 IRD ISDB-TS9200 Encoder HD Encoder 1Seg Transmissor ISDB-T UHF IF 44MHZ BTSTS ASI
    • 18. Valor agregado: o sistema deve ser capaz de oferecer muito mais que som e imagem de alta definição.A TVD pode contribuir com a oferta de diversos serviços e negócios: utilidades publicas , internet , e-gov, tcommerce e etc. Baixo Custo: Um produto de baixo custo de aquisição e manutenção tera alta penetração em um parque de 56 milhões de TV instaladas, permitindo Inclusão Digital. Fácil Manuseio: Em um pais onde somente 25% da população (de 15 a 64 anos) é realmente alfabetizada, enquanto 65% são analfabetos funcionais (com menos de 4 anos de estudo).Um produto de inclusão digital tem obrigação de fornecer alta usabilidade através de interfaces amigáveis , ergonomia e sistemas inteligentes. Estratégia p/o Consumidor: Visa suprir as necessidades iniciais do consumidor, com os recursos vindo a partir da demanda do mercado, através da busca de produtos e serviços gerando investimento no setor com possibilidades de exportação de um produto nacional.
    • 19. LDTV- 4:3 e 230x 320
    • 20. Canal de 6 Mhz
    • 21. TRANSMISSÃO DIGITAL: DIGITAL STB SDTV DIGITAL: 640X480 VIA ENTRADA VÍDEO COMPOSTO TV ANALÓGICA STB HDTV DIGITAL: 1920X1080i VIA ENTRADA VÍDEO COMPONENTE TV DIGITAL READY CANAL DE INTERATIVIDADE TV DIGITAL DIGITAL: 1920X1080i VIA ANTENA DIGITAL CANAL DE INTERATIVIDADE
    • 22. TRANSMISSÃO SIMULCASTING POSSIBILIDADES DE RECEPÇÃO: ANALÓGICA DIGITAL ANALÓGICA: 400X400 VIA ENTRADA ANTENA STB SDTV DIGITAL: 640X480 VIA ENTRADA VÍDEO COMPOSTO TV ANALÓGICA ANALÓGICA: 400X400 VIA ENTRADA ANTENA STB HDTV DIGITAL: 1920X1080i VIA ENTRADA VÍDEO COMPONENTE TV DIGITAL READY CANAL DE INTERATIVIDADE ANALÓGICA: 400X400 VIA ENTRADA ANTENA TV DIGITAL DIGITAL: 1920X1080i VIA ANTENA DIGITAL CANAL DE INTERATIVIDADE
    • 23. SIMULCAST E TRANSMISSÃO DIGITAL 2 4 5 7 9 11 13 54 60 66 72 76 82 17488 108 •ANALOGICO: 216 FREQ (MHz) 2 4 5 7 9 11 13 54 60 66 72 76 82 17488 108 1210863 216 FREQ (MHz) •DIGITAL: FREQ (MHz) 2 4 5 7 9 11 13 54 60 66 72 76 82 17488 108 1210863 216 •SIMULCASTING: CANAIS DIGITAIS
    • 24. •O principio OFDM é “quebrar” um unico pacote de dados em pacotes menores para que flua em muitos fluxos de dados de taxa paralelas. •OFDM utiliza para isso subportadoras. •Cada Subportadora individual, pode ser modulada em QAM ou QPSK (Dependendo da taxa de bits e robustez que se quer transmitir). Assim temos blocos de portadoras moduladas com simbolos ou Tempo Util (TU) Com a informação de cada TU, o sistema gera um “ intervalo de guarda”(IG) IG- Protége o sinal transmitido de qualquer reflexão (atraso) sofrida pelo canal De transmissão.
    • 25. IG= KxTu, Sendo k um fator programavel entre :1/4 ,1/8,1/16 ou 1/32
    • 26. Afigura nos mostra um sinal que foi transmitido no modo 2K e portanto possui Tu = 298 ys e como trata-se de um ambiente com alto nivel de multipercurso o fator K foi configurado para 1/32 . Assim temos que : Dt = K * Tu Dt = 1/32 * 296,64 = 9,27 ys O Intervalo de Guarda protegera o sinal para qualquer atraso de longa duração até 9,27 ys. Tradicionalmente ecos de longa duração para TV analógica são convencionados em atrasos da ordem de 1,5ys. No exemplo da figura estabelecemos um atraso com o dobro de duração ( 3ys), demonstrando o quanto o sistema é robusto a essas interferências . 3ysK=1/32
    • 27. 34dB MER 23dB MER 22,5dB MER 22dB MER A imagem DIGITAL como esta vinculada a pacotes de dados que passam por corretores de erros a medida que diminuímos o MER (que equivale a reduzir C/N em sistemas analógicos), não temos variação da qualidade de imagem, até o ponto em que os erros gerados sejam tantos que o sistema entre em colapso. Os sinais de que isso esta para acontecer é o surgimento de mosaicos na imagem ou o chamado “Efeito MACROBLOCO”, especialmente em imagens com muito dinamismo.
    • 28. MODO DE OPERAÇÃOPARAMETROS 2k 4k 8k Numero de Portadoras 1405 2809 5617 Portadoras por Segmento 108 216 432 Espaçamento entre as portadoras (FX) 3.968Khz 1.984 Khz 0.992 Comprimento do símbolo(Tu) 252 ys 504 ys 1008 ys Intervalo de Guarda (∆t) 7,8 a 63 ys 15,75 a 126 ys 31,5 a 252 ys Clock do Sistema em 6Mhz 8.127 Mhz 8.127 Mhz 8.127 Mhz PARAMETROS DA MODULAÇÃO COFDM P/ SISTEMA DVB-T MODO 2K MODO 8K Número de Portadoras 1.705 6.817 Espaçamento entre as portadoras (FX) 3.348Khz 0.837Khz Intervalo de Guarda (∆t ) 9 a 74 ys 37 a 298 ys Comprimento do Simbolo (Tu) 298ys 1.194 ys Clock Principal em 6Mhz 6.85Mhz 6.85Mhz
    • 29. •Transmissão que possibilita diversos tipos de receptores Serem atingidos por um unico sinal O ISDB-T é composto por 13 segmentos,que podem ser configurados Em 3 diferentes grupos ou camadas: Camada 1: É composta por um unico segmento e destinada a recpção portatil (Utiliza modulação QPSK) Camada 2:É composta por 3 segmentos destinada a recepção móvel (Utiliza modulação 16-QAM) Camada 3: Composta de 9 a 13segmentos, é destinada a recepção fixa e por isso utiliza modulação 64-QAM para transmitir o maior numero possivel de dados
    • 30. 204,188204,188 PRBSPRBS 0011= 0101 0011= 0101 1%2 2%3 3%4 5%6 7%8 1%2 2%3 3%4 5%6 7%8
    • 31. 1%4 1%8 1%16 1%32 1%4 1%8 1%16 1%32
    • 32. Uma das características importantes da modulação OFDM é a possibilidade de operar no esquema de transmissão rede de freqüência única (SFN). Para adequar a distância entre as estações SFN e robustez ao efeito doppler durante a recepção móvel, foram estabelecidos três diferentes espaçamento entre as freqüências portadoras, denominados modos. Esses espaçamentos são de 3.968 Hz para modo 1, 1984 Hz para modo 2 e 992 Hz para modo 3. Esses espaçamentos resultam em 108 portadoras para cada segmento OFDM No modo 1, 216 portadoras Para o modo 2 e 432 portadoras para o modo 3.
    • 33. Parâmetros ISDB-T Agora é possível conhecer o Intervalo de Guarda(IG) Modo de Transmissão E os Layers utilizados (A,B,C)na transmissão
    • 34. O Serviço HD No Layer B O Serviço 1Seg No Layer A
    • 35. RE-MUX: como o padrão ISDB-T suporta 3 programações simultâneas, é necessário multiplexar estas programações antes de inseri-las no Outer Coder Além de agrupar as 3 programações, o RE-MUX também pode inserir informações de controle do modulador (TMCC) O pacote resultante terá 204 bytes, dos quais 188 são os mesmos entregues pelo Multiplexador MPEG-4 e os 16 bytes restantes podem ser da informação TMCC ou bytes nulos O importante é que o pacote fique agora com 204 bytes e sua taxa de geração seja quatro vezes maior que a frequência da IFFT, para garantir a montagem dos quadros OFDM A prox. figura abaixo ilustra as operações de multiplexagem e re-multiplexagem, com a inserção de informações de controle (TMCC) via RE-MUX estas informações servirão para configurar o modulador e também para tornar possível a recepção do sinal, informando ao receptor todas as configurações utilizadas na transmissão
    • 36. BTS
    • 37. O BTS é um fluxo de dados que possui uma taxa de 32,508 Mbps. E formado por pacotes de 204 bytes resultantes da adição de 16 bytes a cada pacote do TS como pode ser visualizado na Figura abaixo. Destes 16 bytes, 8 são de informações do sistema, como por exemplo indicação da camada hierárquica que o pacote deve ser transmitido, e os demais são bytes de paridade opcionais para correção de erros. Na formação do BTS, deve ser acrescido ao fluxo um pacote especial que transporta todas as configuracoes do transmissor: Numero de portadoras, tempo de guarda (IG) e especifica para cada camada, o numero de segmentos, taxa de código, modulação e profundidade do entrelaçador temporal. Portanto, este pacote, denominado de IIP (ISDB-T Information Packet),transporta dados que são utilizados pelo transmissor para sua configuracao e serao consequentemente transmitidos nas portadoras TMCC (Transmission and Multiplexing Configuration Control).
    • 38. Compressor BTS Compressão de sinais BTS (Broadcast Transport Stream) para transmissão em Links Digitais Uma solução que inumeras emissoras tem adotado é a utilização de compressores BTS para levar o sinal ISDB-Tb até suas repetidoras com baixo custo. O principio do Compressor BTS é capturar o sinal BTS com 204 Bytes,através de um Módulo denominado BTS TX fragmenta-lo em transportes de 188 bytes, comprimindo os nulos, para transmissão em um PID único (ie:PID 1000). Ao receber esses transportes de 188 bytes, o Módulo denominado BTS RX ira recuperar o TS de 204 bytes original. A figura abaixo ilustra o encapsulamento do sinal 204 em 188bytes.
    • 39. É importante notar que a saida do Transmissor BTS , utiliza um sinal ASI (Asynchronous Serial Interface ), dessa forma o meio de transmissão para o PID que encapsula o fluxo a ser transmitido pode ser desde uma fibra optica, quanto um link de microondas ou um sinal modulado em QPSK, 8PSK, etc.
    • 40. BTS 9600 ISDBT COMPRESSOR BTS 9600 ISDBT DECOMPRESSOR
    • 41. Um outra funcionalidade importante é a possibilidade de alteração dos parâmetros da NIT do transport Strem recebido, que permite por exemplo que seja alterado o canal virtual, Estado,Micro Região e informação do Canal UHF .Isso possibilita por exemplo que ,um BTS enviado de uma região que utilize o canal virtual 46,Canal UHF60, possa ser alterado para os parâmetros da retransmissora(por exemplo Canal Virtual 40,Canal UHF 69, sem a necessidade de um re-mux para “desmontar” o sinal e remontá-lo novamente. Para se ter uma idéia de como isso ocorre, vamos conceituar o Canal Virtual,segundo a norma NBR 15604, (Receptores Digitais),as informações sobre o numero do Canal Virtual devem estar contidas no campo “remote_control_key_id” descrito na tabela NIT. Os 8 bits deste campo indicam o numero do canal Virtual ao qual deve ser aplicado o TS associado.
    • 42. O trabalho do Decompressor é reescrever a Tabela NIT e salvar as novas configurações no fluxo BTS , que será entregue para o transmissor ISDBT-B.
    • 43. Analise da Tabela NIT Descriptor Tag 0XFA Trás as informações de: Area Code Freqüência IG Modo de Transmissão Podem ser visualizados facilmente! Analise da Tabela NIT O valor da freqüência é alcançado utilizando a seguinte formula: Freq:(473+6x(CH-14)+1/7)x7= Sendo CH=numero do canal UHF configurado
    • 44. Como funcionalidades do Set Top Box podemos enumerar: Ø Decodificação do sinal digital recebido; Ø Suporte a HDTV; Ø Saida de som Surround Ø Verificação dos direitos de acesso e niveis de segurança (Acesso Condicional (AC) e criptografia); Ø Processa e executa os principais elementos para a TV Interativa ; Ø Suporte a comunicação de dados bidirecionais; Ø Suporte a aplicações multimidia (VOD, Jogos e etc); Ø Aplicações PVR (Personal Video Recorde); Ø Suporte a processamento de Programas Interativos.
    • 45. Sintonizador In- Band (IB) Sintonizador Out- of -Band (OOB) Sintonizador do Canal de Retorno O TAC- procura seguir a mesma arquitetura de um PC. Ele utiliza chips das familias x86. (Intel);STMicro eletronics, MIPS (Philips e NEC) etc DRAM :Utilizada para aplicações Interativas SRAM: Processamento de Video
    • 46. CONTR Portal – Acessa a home page Mosaico – Acessa o portal de mosaicos Menu – Acessa configurações do STB Ajuda – Acessa a página de produtos E funcionalidades da TVDigital PVR– Acessa o menu de Config.De Gravação Música: Acessa a página de músicas Teclas de Multifunções-Variam de acordo com a função do EPG Ou Jogos Interativos Acessa o Guia Eletronico de Programação (EPG) Botão- Liga/Desliga
    • 47. Podemos definir o middleware como : uma camada de software que faz a interface entre o hadware da caixa digital e as aplicações da Tv Interativa.
    • 48. Sistema Operacional & Protocolos Hardware Infra-Estrutura Distribuição Serviços Comuns Serviços Específicos Hardware Enlace Rede Transporte SistemaOperacional Middleware Aplicação Servidor Aplicação Aplicação
    • 49. • A arquitetura do sistema deve buscar a melhor adequação que forneça requisitos básicos e escalonaveis que ao longo do tempo possam ir evoluindo conforme a necessidade do consumidor.
    • 50. ØMHP -Multimidia Home Platform. Essa especificação desenvolvida pelo grupo DVB foi intitulada de DVB-MHP. Teve seu lançamento em junho de 2000, e sua base esta apoiada ,sobre uma Java Virtua Machine-JVM (Uma “maquina virtual” é capaz de provër as aplicações um ambiente de execução padronizado e uniforme ,como se estivesse em um computador virtual ,ou maquina virtua,tornando a JVM um ambiente multi-plataforma ) ,e da suporte a HTML. O ACAP -Advanced Common Application Plataform- É derivado da especificação OCAP (Opem Cable Appicantion Plataform) ,que é o padrão de middleware utilizado nas rede a cabo ,definido pelo CableLabs.Em conjunto com o ACAP, o ATSC lançou o A/96, que são protocolos de canal de interação do ATSC, que definem um conjunto central de protocolos que permitem interatividade real nos ambientes de televisão digital. ØARIB -Association Of Radio Industries and BusinessesO JAPÃO lançou em 2002 uma plataforma padronizado pelo ARIB para sua camada de middleware. Essa plataforma é constituida por várias especificações ARIB STD-B24: Codificação de dados e Transmissão Digital de Broadcanting ARIB STD-B23: Application Execution Engine Platform . Essa especificação tem sua base desenvolvida sobre o DVB-MHP e representa um esforço do ARIB em se tornar compativel com outros middleware como o MHP e o ACAP. GEM (Globally Executable MHP) DVB-SI/DVB-SUB
    • 51. Ø Enhanced Brodcast Profile: Este é o perfil mais básico do MHP, os STB implementados com ele apresentão limitadas funcionalidades como :Limitado suporte a canal de retorno para envio de informaçõesm, dando suporte apenas a interatividade local. Como o uso do guia eletronico de programação , consulta a serviços de metereologia e jogos locaise. Ø Interactive Broadcast Profile:Os STB implementados com este perfil, apresentão funções mais avançadas se comparados com o anterior. Neste perfil estão incorporados o suporte a comunicação bidirecional, possibilitando com isso downloads pelo canal de retorno, aplicações com feedback do usuário e melhor suporte a interatividade Ø Internet Access Profile: Esse é o perfil mais sofisticados e que igualmente exige maior processamento e memória por parte dos STB implementados com ele, alem da presença de um navegador (browser) e um cliente de e-mail ,como parte integrante do software residente ,para dar suporte a funções como: Canal de retorno dedicado, acesso a internet, e-mail e aplicações com contéudo hipermidia. Existem duas versões do MHP que juntas cobrem esses perfis chamadas de : MHP 1.0 - Enhanced ,Interactive Broadcast Profiles MHP 1.1 - Enhanced ,Interactive & Internet Access Profile A maioria dos STB atuais são implementados com MHP 1.0 sobre o perfil “Interactive Broadcast”, sendo raro ainda STB implementados com o perfil mais avançado (Internet
    • 52. Vídeo Áudio Dado s Modulação Codificaçã o Usuário Canal de Retorno Emissora
    • 53. Níveis de Interatividade na T.V. Digital Nível 1 – Interatividade Local: A emissora transmite vários programas ou opções adicionais e o usuário pode escolher entre uma programação e outra ou habilitar/desabilitar as opções. Nível 2 – Retorno solicitado pelo provedor: Neste nível de interatividade o usuário apenas “responder” aos aplicativos enviados pelo provedor. Nível 3 – Acesso livre a internet: O usuário pode navegar pela internet e ter acesso a seus recursos.
    • 54. Interatividade R eal Interatividade Local
    • 55. Exemplos Música Desenho Reality Show Games PropagandaNotícias e-mailsChat BancoEsporte Metereologia Entrevista EPG Pizza Jornalismo
    • 56.  
    • 57.     Programa de esportes sem interação ativada Agora com Interatividade ativada
    • 58. Consumidores Provedores de ultima milha Operadoras Carrier Class 1 Geradores de conteúdo • Home •Office Convergência e o futuro •Emissoras •PSI Broandband 3G Mobile IP Multicast Core Network Encoder Acquisition Server VOD Server Distribution Server Subscription Server
    • 59. Arquitetura do sistema A arquitetura do sistema deve buscar a melhor adequação que forneça requisitos básicos e escalonáveis que ao longo do tempo possam ir evoluindo conforme a necessidade do consumidor. Aplicativos TV Interetiva API-MIDDLEWARE- TVI DEC-Bibli dec MPEG-2/4 S.O -Drivers Rede Saidas A/V-Interface de Rede Plataformas STB Modelo TCP/IP Física Transporte Rede Aplicação
    • 60. Interface de conectividade 1-Interface Smart Card 2-Interface USB 3- Interface Ethernet – RJ45 4- Interface MAFE- RJ11 5-Saída para Monitor PC-VGA 6-Saídas de Vídeo :1H/2H 7-Saída de Áudio : Surround 8-Entrada de RF C/ LoopTrough 7 6 4 52 3 1 8
    • 61. Portal – Acessa a home page Mosaico – Acessa o portal de mosaicos Ajuda – Acessa a página de produtos e funcionalidades da TVDigital PVR– Acessa o menu de gravação Teclas de Multifunções - Variam de acordo com a função do EPG ou jogos Interativos Acessa o Guia Eletrônico de Programação (EPG) Controle Remoto
    • 62. Interatividade,para que? • Será que não queremos transformar a televisão em computador ? – Não se enganem, televisão não é computador! – Os recurso interativos devem ser tão inteligentes e amigáveis o quanto possível para atrair novos clientes e fidelizar os que estão na base • O uso racional e criativo da interatividade é que tornará o diferencial estratégico entre as empresas • A união entre usabilidade e interface gráfica amigáveis, começam muito antes do usuário apertar o botão “power” do SET TOP BOX • A simples bandeira de Interatividade sem um real propósito ou modelo de negócio atrelado a ela, não resultará em receita instantânea, mas sim na fuga dela
    • 63. TV Digital e Interatividade TV Serviços TV Navegação TV Expandida Nível 2 – Retorno solicitado pelo provedor: Neste nível de interatividade o usuário apenas “responde” aos aplicativos enviados pelo provedor Nível 3 – Acesso livre a internet: O usuário pode navegar pela internet e ter acesso a seus recursos Níveis de Interatividade na TV Digital Nível 1 – Interatividade Local: A emissora transmite vários programas ou opções adicionais e o usuário pode escolher entre uma programação e outra ou habilitar/desabilitar as opções
    • 64. Interatividade Personalização do consumo Instantaneidade do retorno TV TERRESTRE CATV IPTV •Múltiplas câmaras •Jogos residentes •Programas com mais informação Interatividade local Interatividade plena •Internet aberta •Jogos em tempo real (entre pares) •Mensagens instantâneas • Consulta FGTS • SUS ETCCanal interativo intermitente Canal interativo permanente •JOGOS •PPV •Votações Sem canal de retorno Com canal de retorno e-gov Teleparticipante TV ABERTA TV A CABO IPTV
    • 65. FALTA De Padronização • Falta de padrão – Dispositivo de interação ( Controle Remoto) – Mecanismos de navegação – Interfaces acessadas pelo usuário • Paradigma de uso do computador
    • 66. ACABEI DE VER VOCÊ NA TV!!
    • 67. Interface Gráfica  Usando o modelo HAVi-UI, é possível o software de navegação ter 3 camadas de apresentação: background, vídeo e gráfica.  A camada de background pode ser pintada de uma cor sólida ou receber uma figura.  A camada de vídeo pode ter seu vídeo redimensionado e posicionada em qualquer ponto da televisão.  A camada gráfica é onde os elementos gráficos (botões, figuras, textos etc.) são colocados.
    • 68. Exemplo das 3 Camadas de Apresentação Camada de background Camada de vídeo Camada gráfica
    • 69. Composição final das 3 Camadas
    • 70. Legenda Over scan area Safe title area Safe action area 6% 6% 540 px 720 px Usabilidade das Telas
    • 71. Gráficos e Textos na Tela da TV Uma boa regra é permitir gráficos e textos dentro de 80-90% da área de imagem, conhecida como área de título segura (safe title área)
    • 72. Esquema geral Numeração 0.0.0a* GrupoNível N de telas do grupo *Letras são sempre usadas para indicar que, apesar de mudança de tela, não houve aprofundamento em níveis do menu. Legenda EPG EPG Exibir Programação 1.1.3 Detalhes 2.1.3 3.1.3
    • 73. EPG Legenda Over scan area Safe title area Safe action area 6% 6% Usabilidade da Tela – 0.0.1 540 px 720 px
    • 74. EPG Cursor Legenda Over scan area Safe title area Safe action area 6% 6% EPG – 6.1.13 OBS.: O grau de transparência da camada será definida na hora dos testes. 540 px 720 px OKRetorna Para TV Retorna Para TV OK Botão OK Imagem da TV Botão Retornar Para TV Data Hora Caixa de Texto não editável Serviço 1 Serviço 2 Lista de serviços
    • 75. EPG Cursor Legenda Over scan area Safe title area Safe action area Exibir Programação – 2.1.3 Voltar Botão Voltar Retorna Para TV OK Botão OK Imagem da TV Detalhes Botão Detalhes Botão Retornar Para TV Caixa de Texto não editável Lista de serviços 6% 6% OBS.: O grau de transparência da camada será definida na hora dos testes. 540 px 720 px OKRetorna Para TVDetalhes Data Hora Now bla bla bla Next bla bla bla Voltar
    • 76. EPG Cursor Legenda Over scan area Safe title area Safe action area Detalhes – 3.1.3 Voltar Botão Voltar Retorna Para TV Imagem da TV Botão Retornar Para TV Caixa de Texto não editável 6% 6% OBS.: O grau de transparência da camada será definida na hora dos testes. 540 px 720 px Retorna Para TV Data Hora Bla bla bla bla bla bla bla bla Voltar
    • 77. GINGA
    • 78. GINGA
    • 79. GINGA
    • 80. PERGUNTAS
    • 81. Ponto Importante: O Descritor oxCD, que traz o campo “Remote Control Key ID” é o responsável pela Informação do Canal Virtual Pode ser visualizado facilmente!
    • 82. Analise da TOT Descritor 0x58, que traz os campos: Country Region ID

    ×