Your SlideShare is downloading. ×
Palácio de Queluz_MARIAH HASSAN
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Palácio de Queluz_MARIAH HASSAN

575
views

Published on

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
575
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O Palácio Real de Queluz (também chamado de Palácio Nacional) é umpalácio do século XVIII localizado na cidade de Queluz no concelho de Sintra,distrito de Lisboa. Um dos últimos grandes edifícios em estilo rococó erguidos naEuropa, o palácio foi construído como um recanto de verão para D. Pedro deBragança, que viria a ser mais tarde marido e rei consorte de sua sobrinha, a rainhaD. Maria I de Portugal.Serviu como um discreto lugar de encarceramento para a rainha Maria I enquantosua loucura continuou a piorar após a morte de D. Pedro em 1786. Após o incêndioque atingiu o Palácio da Ajuda em 1794, o Palácio de Queluz tornou-se aresidência oficial do príncipe regente português, o futuro D. João VI, e de suafamília. Permaneceu assim até a fuga da família real para o Brasil em 1807, devidoà invasão francesa em Portugal.A construção do Palácio iniciou-se em 1747, tendo como arquiteto Mateus Vicentede Oliveira. Apesar de ser muito menor, é chamado frequentemente de "oVersalhes português". A partir de 1826, o palácio lentamente deixou de ser opredileto pelos soberanos portugueses. Em 1908, tornou-se propriedade doEstado. Após um grave incêndio em 1934, o qual destruiu o seu interior, o Paláciofoi extensivamente restaurado e, hoje, está aberto ao público como um pontoturístico.
  • 2. Deve-se a D. Pedro III a iniciativa da construção, do século XVII, em quetrabalharam os arquitectos portugueses Mateus Vicente de Oliveira e ManuelCaetano de Sousa, e o arquitecto-escultor francês João Baptista Robillon. As obrascomeçaram em 1755. No teatro real deste palácio interveio o arquitecto I. deOliveira Benevides, vindo essa sala a ser inaugurada em 17 de Dezembro de 1778 (1ºaniversário da coroação da Rainha).Destaca-se, para além do valor arquitectónico e patrimonial, a beleza dos jardins elarga extensão de mata que o cerca.Foi residência sazonal real e hoje tem vocação turístico-cultural. Os traçosarquitectónicos salientam os estilos barroco, rococó e neoclássico. A plantaapresenta-se complexa, pois corresponde à aglutinação de vários núcleos e a fasesdistintas de construção. Porém, pode-se dizer que o palácio se organizagenericamente em L, enquadrando os jardins por meio de várias alas.Do lado externo, o palácio abre dois braços curvos. No lado dos jardins, é visível aarticulação das várias fachadas de aparato, nomeadamente a que enquadra oJardim de Neptuno ou Jardim Grande. No piso térreo, merece destaque o corpocentral de dois andares, firmado por portas e janelas de sacada. A fachada decerimónia virada ao Jardim dos Azereiros ou Jardim de Malta, é constituída portrês corpos.
  • 3. O Palácio de Queluz é o espelho da sociedade barroca de setecentos. É aimagem marcante de uma época em que imperava a teatralidade, a aparência ea necessidade de espaços amplos.Muitas vezes comparado ao palácio de Versalhes, este palácio é, no entanto,uma construção bem portuguesa, nas escalas e no próprio espírito artístico.
  • 4. Algumas das salas do Palácio DeQueluz Sala dos embaixadores No tempo de D. Pedro III, concertos e noites de gala eram organizados e realizados nesta sala. Lá fora, no Jardim Suspenso, por vezes eram organizadas óperas, num teatro mandado construir por D. João VI, usado em recepções aos corpos diplomáticos de diferentes países.
  • 5. Sala da músicaEsta sala foi planeada pelo arquitectoMateus Vicente, e foi terminada em 1759. Noentanto a decoração original foi alterada porRobillion, para estar de acordo com adecoração da sala do trono.. O formatointeressante desta sala permite uma grandeproximidade entre os músicos e osespectadores. Era aqui que a orquestra deCâmara de D. Maria I tocava, e antes dainauguração do teatro Real de Queluz, erausada como casa de ópera.
  • 6. Os aposentos de D. Maria FranciscaBenedita, princesa do Brasil, irmã de D.Maria I, foram construídos entre 1747 e 1758.Esta suite era composta por um quarto deestar, quarto de dormir e um quarto devestir.Estes aposentos foram redecorados no finaldo século XVIII, quando a corte se mudoupara Queluz.Quarto da Rainha
  • 7. CapelaA capela foi construída em 1752, e foidesenhada por Mateus Vicente de Oliveira.A capela foi decorada com talha dourada,num estilo caracteristicamente português. Arainha D. Maria I, e as suas irmãs, tambémparticiparam na decoração de quatro painéisnas paredes, por baixo da cúpula.
  • 8. Lenda de QueluzDurante muitos anos, contou-se de pai para filho , a velha lendados caçadores que andando nas vastas matas então existentes , seperderam no intenso arvoredo e em dado momento avistaramuma luz e para ela se encaminharam , interrogando:“-Que luz é aquela?!”“-Que luz?”Segundo a lenda foi assim que nasceu o nome de Queluz.

×