C:\Fakepath\Historia 2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

C:\Fakepath\Historia 2

on

  • 2,666 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,666
Views on SlideShare
2,662
Embed Views
4

Actions

Likes
0
Downloads
53
Comments
0

1 Embed 4

http://www.slideshare.net 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

C:\Fakepath\Historia 2 C:\Fakepath\Historia 2 Presentation Transcript

  • História
  • Portugal no contexto Europeu do século XVII E XVIII
    • Ascendência do Império Holandês e Inglês;
    • Decadência do Império Português; View slide
    • Crise na sucessão ao trono e perda da independência em Portugal ;
  • A crise do Império português do Oriente
    A partir de finais do século XVI, foi difícil para Portugal manter o monopólio do comércio Oriental. Devia-se a :
    uma deficiente e dispendiosa administração do Império, com falta de recursos militares;
    má aplicação dos luxos obtidos do comércio oriental
    naufrágios de barcos portugueses
    pirataria e corso mais fortes, sendo o último apoiado pela Inglaterra, França e Holanda;
    tentativa ou gradual ocupação dos territórios da Coroa Portuguesa por inimigos de Portugal;
    View slide
  • O Acto de Navegação
    O acto de navegação foi uma politica criada pelo ministro britânico OliverCromwell com o principal objectivo de diminuir o império marítimo Holandês.
    Neste acto, era proibido que os navios holandeses transportassem produtos ingleses e das suas colónias até Inglaterra, os ingleses seriam eles próprios a transportarem esses produtos, os holandeses só poderiam transportar produtos até Inglaterra se estes fossem do respectivo país.
  • Crise na sucessão ao trono
    No final do século XVI , Portugal enfrentou uma grave crise na sucessão do trono. Com a morte precoce de D. Sebastião na batalha de Alcácer - Quibir em 1578.
    O rei não deixou descendentes, por isso, sucedeu-lhe o seu tio-avô D. Henrique que morreu em 1580, sem sucessor.
    O governo de Portugal foi primeiramente entregue
    a uma Junta de governadores que estudaria e proporia a resolução da crise política. Da descendência de D. Manuel I existiam vivos quatro netos e um bisneto, todos eles candidatos ao trono.
    1. Retrato de D. Sebastião , rei de Portugal
    RainâncioFarense, Duque de Parma (neto de D. Duarte (filho de D. Manuel I) através da filha mais velha, Maria) e os seus irmãos mais novos;
    Catarina, Duquesa de Bragança (filha mais nova de D. Duarte) e seus filhos;
    Filipe II de Espanha (filho de D. Isabel, filha de D. Manuel I) e seus filhos, irmã e sobrinhos;
    Emanuel Felisberto, Duque de Sabóia (filho de D. Beatriz, filho de D. Manuel I) e seus filhos
    João I, Duque de Bragança (marido de D. Catarina, bisneto de D. Isabel, irmã de D. Manuel I) e seus filhos
  • D. Filipe I, Rei de Portugal
    D. António não esperou e fez-se aclamar Rei, mas tinha contra si a ilegitimidade do seu nascimento. As tropas de D. Filipe II, comandadas pelo Duque de Alba, invadiram Portugal, sendo o exercito de D. António derrotado na batalha de Alcântara, em Lisboa. D. António fugiu de Portugal mas nunca renunciou à coroa.
    Em 1581, nas cortes reunidas em Tomar, D. Filipe II foi jurado e aclamado Rei de Portugal. Confirmou várias promessas anteriormente feitas o acto de governação
  • Motivos que levaram á restauração da independência:
    A Espanha entrou em crise a partir de 1620, resultando no aumento dos impostos afectando os portugueses;
    Espanha entrou em guerra, obrigando os portugueses a cumprir serviço militar;
    Devido a politica do mare clausum, os holandeses ocuparam parcialmente as colónias Portuguesas ;
    Os sucessores de Filipe I não cumpriram as promessas feitas por este nas cortes de Tomar;
  • Restauração da Independência
    A 1 de Dezembro de 1640, houve uma revolta que pôs fim ao domínio Filipino e que vem a culminar com a instauração da Dinastia Portuguesa da casa de Bragança.
    D. João IV foi aclamado Rei de Portugal.
  • Depois da Restauração
    Depois da Revolução foi preciso :
    construir e reparar fortalezas junto a costa e fronteiras;
    reorganizar o exército;
    fazer tratados com inimigos de Espanha;
    Todos estes gastos contribuíram de certa forma para a crise económica que Portugal atravessou durante a 2ª metade do século XVII.
  • A ascensão económica e colonial da Europa do Norte: Holandeses e Ingleses
    Portugal e Espanha defendiam a politica do mare clausum ( mar fechado). De facto, os países Ibéricos mantiveram o domínio da navegação nos mares recém-descobertos até meados do século XVI.
    A partir desta altura, países como a Holanda, a Inglaterra e a França, que estavam em guerra com Espanha
  • Absolutismo e Mercantilismo numa sociedade de Ordens
  • O que é o Antigo Regime?
  • O Absolutismo
  • Luís XIV, o Rei Sol
    O Absolutismo, não só em França mas em toda a Europa foi marcado pelo monarca Luís XIV.
    Luís XIV era imitado por muitas cortes de toda a Europa, incluindo a de Portugal por D. João V.
    A ele se deve a expressão“L´étatc´est moi”, ou seja “O estado sou eu”.
    Mandou construir o palácio de Versalhes em Paris.
  • Colbert e Mercantilismo
    O mercantilismo foi uma politica criada por Jean- BaptisteColbert, ministro das finanças de Luís XIV, que consistia em fortalecer a riqueza do Estado e o entesouramento de metais preciosos , aumentando as exportações e diminuindo as importações.
  • As medidas mercantilistas
    Estas medidas tinham como objectivo fortalecer a economia nacional, acumulando metais preciosos nos cofres do Estado.
    Para isso, era necessário diminuir as importações, criando leis pragmáticas e taxas alfandegárias, aumentar as exportações , criando companhias de comércio.
  • Mercantilismo em Portugal
    Cerca de 1670
    • criação de manufacturas nomeadamente na Covilhã, Fundão, Guarda e Portalegre;
    • incentivar estrangeiros a instalarem as suas empresas em Portugal;
    • conceder privilégios a grandes manufacturas;
  • O Tratado de Methuen