Your SlideShare is downloading. ×
0
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A Luz Powerpoint

28,779

Published on

3 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
28,779
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
782
Comments
3
Likes
7
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A Luz
  • 2. A Luz
    • A luz é uma fonte de energia, que tem origem nas fontes luminosas, que se propaga em todas as direcções.
    • 3. A parte da Física que estuda os fenómenos luminosos chama-se Óptica.
    • 4. No entanto existem muitas outras fontes luminosas que se podem distinguir:
    • 5. Fontes Naturais – são aquelas que possuem e emitem luz própria.
    • 6. Fontes Artificiais – são aquelas que não possuem luz própria, mas através de diversos processos, a energia envolvida transforma-se em energia luminosa, o que permite a sua emissão para o exterior
  • Propagação da luz
    • A luz propaga-se, a partir das fontes luminosas, em todas as direcções e sempre em linha recta, num meio homogéneo.
    • 7. Nem todos os materiais se deixam atravessar de igual modo pela luz:
    • 8. Corpos transparentes – são todos aqueles que se deixam atravessar totalmente pela luz
    • 9. Corpos translúcidos – são todos aqueles que se deixam atravessar parcialmente pela luz
    • 10. Corpos opacos - são todos aqueles que não se deixam atravessar pela luz, que é totalmente reenviada
    • 11. A direcção segundo a qual a luz se propaga chama-se raio luminosos, representado por uma linha recta com uma seta, que nos indica o sentido do raio luminoso.
  •                          
     
     
     
     
    • Ao conjunto de raios luminosos provenientes da mesma fonte, que se podem propagar na mesma direcção ou em diferentes direcções, chamamos feixe luminoso.
     
    • Ao conjunto de raios luminosos que mantém a mesma distância entre si designamos por feixe paralelo.                       
     
     
    • O feixe divergente é o conjunto de raios luminosos que partem de um ponto ou de uma fonte luminosa e se afastam entre si.
    • 12. Ao conjunto de raios luminosos que se aproximam uns dos outros e se encontram num ponto designamos por feixe convergente.
  • Velocidade de propagação da luz
     
    • A luz solar atravessa a atmosfera muito rapidamente e sempre em linha recta se for o meio homogéneo.
    • 13. Algumas evidências do nosso quotidiano ajudam a compreender os diferentes comportamentos que a luz pode revelar, pode apresentar uma natureza corpuscular, ou seja formada por um conjunto de partículas que se designam corpúsculos, que permitem interpretar a intersecção da luz coma a matéria, pode também apresentar uma natureza ondulatória, isto é, comporta-se como uma onda electromagnética, o que permite compreender o facto de não necessitar de um meio material para se propagar.
    • 14. A luz propaga-se no vazio a uma velocidade de 300000 km/s ou seja 3 vezes 10 elevado a 8 m/s.
    • 15. Todos os outros meios materiais apresentam diferentes valores de velocidade, uma vez que diferentes meios ópticos, se deixam atravessar de forma diferente pelos raios de luz.
  • Reflexão da luz
    • Os raios luminosos podem ser desviados na mesma direcção ou em direcções diferentes. Este fenómeno pode dar origem a duas situações:
    • 16. Reflexão regular da luz – é a mudança de direcção ou de sentido na mesma direcção, que os raios luminosos sofrem ao incidir numa superfície polida, continuando a sua propagação no mesmo meio óptico (Ex: um espelho plano reflecte regularmente a luz).
    Reflexão irregular da luz ou difusão –é o desvio que os raios luminosos sofrem em diferentes direcções, quando incidem numa superfície rugosa (Ex: uma parede reflecte de forma difusa os raios luminosos nela incidente, é este fenómeno que permite a observação completa de todos os objectos que nos rodeiam).
    Os dois fenómenos anteriores obedecem a regras designadas por Leis da Reflexão:
    • O raio incidente, o raio reflectido e a recta normal ao ponto de incidência está ao mesmo plano.
    • 17. A amplitude do ângulo de incidência é igual á amplitude do ângulo de reflexão.
  • Determinação do ângulo de reflexão
    O ângulo de incidênciaé o ângulo formado pelo raio incidente e pela recta normal á superfície no ponto de incidência.
    O ângulo de reflexão é o ângulo de reflexão é o ângulo formado pelo raio reflectido e pela recta normal á superfície no ponto de incidência.
    Tipos de espelhos
    • Os espelhos são superfícies polidas que reflectem regularmente a luz, originando a formação de imagens.
    • 18. Conforme a superfície é plana ou curta, assim os espelhos se dizem espelhos planos ou espelhos curvos.
    Estes últimos tomam a designação de espelhos côncavos ou convexos.
    • Espelhos côncavos – são aqueles que apresentam a curvatura da superfície polida voltada para dentro (Ex: estes espelhos têm aplicações práticas nas lanternas, focos, faróis dos carros, etc.)
    • 19. Espelhos convexos – são aqueles cuja curvatura da superfície polida se apresenta voltada para fora (Ex: estes espelhos são muito utilizados como ajuda na circulação rodoviária; nos cruzamentos sem visibilidade; nos supermercados, etc.)
  • Características das imagens
    • Nos espelhos planos a imagem é:
    • 20. É virtual (não se consegue projectar no alvo) e parece estar atrás do espelho
    • 21. É do mesmo tamanho do objecto
    • 22. A distância do objecto ao espelho é igual é distância da imagem ao espelho
    • 23. É direita e simétrica
    • 24. Nos espelhos côncavos se o objecto está próximo do espelho a imagem é:
    • 25. È virtual (não se consegue projectar no alvo) e parece estar atrás do espelho
    • 26. É direita e simétrica
    • 27. È maior que o objecto e tanto maior quanto mais próximo do espelho estiver o objecto
    • 28. Nos espelhos côncavos se o objecto está afastado do espelho a imagem é:
    • 29. È real (consegue projectar-se no alvo)
    • 30. É invertida
    • 31. O tamanho da imagem varia conforme a distância do objecto ao espelho
    • 32. Nos espelhos convexos a imagem é:
    • 33. É virtual ( não se consegue projectar num alvo)
    • 34. É direita e simétrica
    • 35. É mais pequena que o objecto e tanto mais pequena quanto mais afastado o objecto estiver do espelho
  • Refracção da luz
    • A reflexão da luz é um fenómeno óptico que ocorre quando os raios luminosos atravessam diferentes meios ópticos, uma vez que se propagam com valores de velocidade diferentes em cada um dos meios, sofrendo diferentes desvios e mudando de direcção, quando atravessam a superfície de separação de meios diferentes.
    • 36. Este fenómeno pode ser observado quando estamos dentro de água e vemos a forma distorcida do nosso corpo ou quando colocamos uma colher num copo de água e temos a sensação que está partida.
    • 37. A refracção da luz também obedece a regras, as chamadas Leis da Reflexão:
    • 38. O raio incidente, o raio refractado e a normal á superfície de separação de dois meios transparentes no ponto de incidência situam-se no mesmo plano – plano de incidência
    • 39. Quando a luz se propaga de um meio óptico para outro, a amplitude do ângulo de incidência é diferente da amplitude do ângulo de refracção
  • Lentes
    Lente –é uma porção de material transparente, geralmente de vidro ou e plástico tratado, limitada por duas faces curtas ou uma face curva e outra plana.
    Tipos de lentes:
    • Lentes concavas ou de bordos espessos – são aquelas cujas calotes esféricas, isto é, as faces curvas da lente
    Na lente concava, os raios refractados divergem, por isso também é designada de lente divergente ou de bordos largos
    • Lentes convexas ou de bordos delgados – são aquelas cujas calotes esféricas se apresentam voltadas para o exterior da lente
    Na lente convexa, os raios refractados juntam-se num ponto chamado foco, chama-se por isso, lente convergente ou de bordos delgados.
  • 40. Características das imagens
    • Lentes convergentes
    • 41. As características das imagens obtidas por uma lente dependem da posição do objecto em relação a ela
    • 42. Se o objecto está entre a lente e o foco, a imagem obtida é:
    • 43. Virtual
    • 44. Direita
    • 45. Maior do que o objecto
    • 46. Se o objecto está entre o foco e o centro da curvatura a imagem obtida é:
    • 47. Real
    • 48. Invertida
    • 49. Maior do que o objecto
    • 50. Se o objecto se situa atrás do centro de curvatura a imagem obtida é:
    • 51. Real
    • 52. Invertida
    • 53. Menor que o objecto
    • 54. Lentes divergentes
    • 55. As imagens obtidas por uma lente divergente são:
    • 56. Virtuais
    • 57. Direitas
    • 58. Menores que o objecto
  • O olho humano e os defeitos de visão
    • O olho humano é o mais complexo órgão responsável pela visão
    No conjunto dos meios transparentes que preenchem o interior do globo ocular destaca-se o cristalino que funciona como uma lente convergente
    • No olho normal, o feixe luminoso de raios paralelos converge na retina, local onde se forma a imagem do objecto que se apresenta:
    • 59. Real
    • 60. Invertida
    • 61. Menor que o objecto
  • Defeitos de visão e modo de os corrigir
    • Sempre que a imagem de um objecto não se forma na retina, a sua observação não se faz nitidamente e é necessário recorrer a alguns meios que permitam melhorar a qualidade de visão.
    Miopia
    • É um defeito de visão que ocorre quando o feixe de raios vindo de um objecto converge á frente da retina, quando atravessa o cristalino
    • 62. Para corrigir este defeito de visão é necessário usar óculos com lentes divergentes adaptadas ao tipo de defeito, para obrigar o feixe de raios luminosos a convergir na retina
  • Hipermetropia
    • Este defeito ocorre quando o feixe de raios luminosos vindo do objecto se cruza para trás da retina, após atravessar o cristalino.
    Para a sua correcção é necessário usar óculos com lentes convergentes, obrigando assim o feixe de raios luminosos a convergir na retina
  • 63. Presbitia
    • É um defeito que surge na visão devido á perda de elasticidade do cristalino e que ocorre com maior incidência numa idade mais avançada
    • 64. A sua correcção faz-se usando óculos com lentes convergentes e habitualmente lentes bifocais, isto é, a parte inferior das lentes é convergente e a parte superior não apresenta vergência, o que permite melhorar a visão ao perto, podem também ser usadas para a correcção deste defeito de visão lentes progressivas, nas quais a vergência varia da parte inferior para a parte superior da lente.
    Antigmatismo
    • Este defeito surge devido a existência de variações na curvatura da córnea ou do cristalino, diminuindo a qualidade da imagem projectada na retina, por este motivo, as pessoas com este defeito de visão não vêem bem nem ao perto nem ao longe.
    • 65. A sua correcção faz-se usando óculos com lentes cilíndricas.
  • Vergência de uma lente
    • Cada tipo de lente apresenta uma distância diferente do centro ao foco da lente: essa distância focal condiciona o poder convergente ou divergente dessa lente.
    • 66. A vergência de uma lente ou potência é a medida do poder convergente ou divergente, exprime-se em M menos 1 e designa-se por dioptria (símbolo D). Esta unidade não pertence ao Sistema Internacional de Unidades.
    A expressão matemática que a traduz é dada por:
    V= 1 sobre f, sendo V= Vergência da lente e f = distância focal
    • A vergência de uma lente convergente chama-se convergência
    • 67. O valor da convergência é positivo
    • 68. A vergência de uma lente divergente chama-se divergência
    • 69. O valor da divergência é negativo
  • Dispersão da luz
    • A luz branca pode separar-se num conjunto de radiações de cores diferentes, que se apresentam sempre com a mesma sequência (vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta)
    • 70. Quando a luz incide na superfície de separação de dois meios ópticos diferentes e sofre um desvio devido á alteração no valor da velocidade de propagação da luz
    • 71. O feixe de luz branca sofre refracção e as diferentes cores das radiações propagam-se no ar em simultâneo, formando o aspectro luminoso.
    • 72. À decomposição da luz branca nas radiações que a constituem
    chama-se dispersão da luz.
  • 73. De que factores depende a cor que um objecto apresenta
    • Os corpos de cor brancos reflectem todas as radiações do espectro luminoso
    • 74. Os corpos de cor pretos absorvem todas as cores constituintes do espectro
    • 75. Os corpos de outras cores absorvem algumas radiações e emitem outras
    • 76. Quando um corpo é iluminado com luz de outra cor parece mudar de cor
    Se nele incidir luz de cor igual ao corpo, observa-se o corpo com a mesma cor
    Se num corpo branco incidir luz de qualquer cor, ele apresenta-se com a cor do feixe de luz que nele incide
    Se num corpo de qualquer cor, incidir um feixe de luz de cor diferente da sua cor natural
  • 77. Aparelhos ópticos
    • Existem vários aparelhos com múltiplas aplicações no nosso dia-a-dia e que muitas vezes são utilizados no sentido de melhorar a nossa qualidade de vida

×