Sistema nervoso

21,170 views
20,716 views

Published on

1 Comment
15 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
21,170
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
270
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
15
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sistema nervoso

  1. 1. CN9Prof.ª Tânia Reis
  2. 2.  Os diferentes órgãos que constituem o corpo humano não são independentes, comunicam entre si. Esta comunicação é assegurada por dois sistemas:  Sistema Nervoso Sistema Neuro- Hormonal  Sistema Hormonal
  3. 3.  Página 87 Estímulo – agente físico, sensorial ou químico que ativa um recetor sensorial e provoca uma resposta. Recetores sensoriais – estruturas do Sistema Nervoso (SN) que se localizam nos órgãos internos (ex: estômago, intestinos, etc.) e externos (ex: pele, ouvidos, olhos, nariz, etc.).
  4. 4.  Os estímulos constantemente captados pelos recetores sensoriais são convertidos em informação, que é transmitida e processada, desencadeando respostas. O Sistema Nervoso efetua estas operações – é o principal coordenador do equilíbrio do organismo. Interpreta pág. 87
  5. 5. 1. A – Dor da picada (pionés); D – som (telemóvel).2. Na situação C, o indivíduo sentiu a dor resultante da queimadura, retirando imediatamente a mão do objeto quente e gritando de dor.3. Respostas de caráter involuntário: A, B e C.4. A insegurança sentida por antes e/ou depois de ter uma avaliação ou a atração sexual provocam alguns desequilíbrios nos sistemas do corpo. As manifestações podem ser diversas, como tremuras, suores frios, dores no corpo, envolvendo os sistemas nervoso e endócrino.
  6. 6.  São fatores que obrigam o nosso organismo a reagir, como, por exemplo, a luz, o medo ou a fome. Os estímulos também podem ser internos ou externos.
  7. 7. Condução de informações entre órgão receptores de Processamento e estímulos, o SNC e órgãos Integração de efetores (músculos, por informações Sistema Nervoso ex.) Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Periférico Medula Recetores Encéfalo Nervos Gânglios Espinal sensoriais BolboCérebro Cerebelo Raquidiano
  8. 8. Encontra-se envolvido por membranas – meninges.  Encéfalo  Cérebro; Protegido pela caixa craniana  Cerebelo;  Bolbo raquidiano;  Espinal-medula Protegida pelacoluna vertebral
  9. 9. meninges
  10. 10. circunvoluções 2hemisférios
  11. 11. EncéfaloHipotálamo Hipófise Cerebelo Bolbo Tronco cerebral Raquidiano
  12. 12.  Alojada na coluna vertebral, no interior do canal raquidiano formado pelas vértebras. Funciona como meio de comunicação entre o encéfalo e o SNP.
  13. 13.  Questões de aula pág. 88 e 89 Legendar a imagem 1 2 3 6 4 5
  14. 14.  P. 88 1 – O SN é constituído pelo SNC (encéfalo e espinal medula) e pelo SNP (nervos, gânglios e recetores sensoriais) P.89 1 – O SNC localiza-se no interior da caixa craniana (encéfalo) e no interior do canal raquidiano formado pelas vértebras da coluna (espinal medula).
  15. 15.  P.89 2 – O encéfalo tem 4 partes: cérebro, cerebelo, tronco cerebral (bolbo raquidiano) e diencéfalo (tálamo e hipotálamo). A medula espinal estabelece a comunicação entre o encéfalo e o SNP. É o centro da maioria dos reflexos.
  16. 16. 1 2 Encéfalo: 3 1. Tálamo 2. Circunvoluções 3. Cérebro 4. Cerebelo 5. Bolbo raquidiano6 6. Hipotálamo 4 5
  17. 17. Sistema Nervoso Periférico Divide-se em Sistema Nervoso Sistema Nervoso Somático Autónomo Coordena as funções que Coordena as funções denos relacionam com o meio vida autónoma (digestão e externo (movimentos respiração, por ex.) voluntários, por ex.)
  18. 18.  Gânglios – aglomerações onde se encontram os corpos celulares das células nervosas; Nervos – Conjuntos de fibras nervosas que ligam o SNC aos recetores sensoriais;  cranianos (partem do encéfalo para diferentes partes da cabeça);  raquidianos (partem da espinal medula para todo o corpo); Recetores sensoriais – terminações das células nervosas ou células isoladas que detetam estímulos.
  19. 19. Nervos cranianosNervos raquidianos
  20. 20.  Interpreta página 90
  21. 21.  1.1. Termorrecetor. 1.2. Fotorrecetor. 1.3. Nocirrecetor. 1.4. Quimiorrecetor. 1.5. Mecanorrecetor. 1.6. Quimiorrecetor. 2. Os gerais têm recetores distribuídos por uma grande parte do corpo, enquanto que os especiais localizam-se em partes específicas. 3. É através dos sentidos que o SNC perceciona as alterações do meio interno e externo, permitindo-lhe reagir e repor o equilíbrio do sistema.
  22. 22.  Neurónio – célula altamente especializada na transmissão de informação. São os neurónios que recebem, analisam, coordenam e transmitem informação no interior do organismo.
  23. 23. Neurónio constituído porCorpo celular Dendrites Axónio Prolongamento celular de diâmetro mais ouRecebe mensagens de Prolongamentos menos constante, com outros neurónios, celulares muito uma arborizaçãotrata-as e emite novas ramificados que terminal, quemensagens. Contém o recebem informações transmite mensagensnúcleo e a maior parte provenientes de do neurónio a quedo citoplasma celular. outros neurónios. pertence para outros neurónios.
  24. 24. Dendrites Arborização terminal Núcleo Citoplasma Corpo celular Axónio
  25. 25. Neurónios classificam-se, quanto à sua função, em Conetores ou Sensitivos Motores de AssociaçãoConduzem os impulsos nervosos das células Ligam os neurónios Conduzem os impulsos recetoras para os sensitivos aos nervosos para os centros nervosos neurónios motores. órgão efetores. (encéfalo ou espinal- medula)
  26. 26. Alguns axónios encontram-se envolvidos por células de Schwann que produzem bainhas de proteção, as bainhas de mielina.A mielina é uma substância lipídica que é um excelenteisolante, sendo responsável pela cor branca caraterística dos nervos.
  27. 27.  Análise da figura 7 – página 91 Questões de aula – pág. 91 Legendar a imagem
  28. 28.  1 – Neurónio. 2 - É constituído por dendrites, corpo celular e axónio. Legenda: 1. Dendrites 2. Axónio 3. Corpo celular 4. Arborização Terminal
  29. 29.  A transmissão ocorre através do impulso nervoso, que consiste na transmissão de um sinal elétrico pela superfície do neurónio.
  30. 30.  Nas sinapses – contactos entre duas células nervosas – o Sinapse impulso nervoso desencadeia a libertação de neurotransmissores - substâncias químicas que vão estimular o neurónio seguinte.
  31. 31. NEURÓNIO SENSORIAL CORPO CELULAR CORPO CELULAR Direção da condução AXÔNIO NEURÓNIO ASSOCIATIVODENDRITOS AXÔNIO CORPO CELULAR AXÔNIO NEURÓNIO MOTOR DENDRITOS
  32. 32. Terminação do axónioNeurotransmissoresDendrites do neurónioseguinte Moléculas que permitem a passagem do impulso nervoso nas sinapses.
  33. 33. O conjunto formadopelos axónios e pelas bainhas de mielina que o envolvem, quando existem, denomina-se fibra nervosa. As fibrasnervosas reúnem-seformando os nervos.
  34. 34. O cérebro humano é Existem mais neurónios constituído por maisno nosso cérebro do que de 100 milhões de estrelas na Via Láctea. milhões de neurónios.Há fortes evidências que demonstram que, quanto mais seestimula uma fibra nervosa, mais rapidamente se processa a mielinização. Assim, o sistema nervoso de um bebé rodeado de paisagens, sons e pessoas interessantes amadurecerá mais rapidamente que um bebé que fica a olhar, por exemplo, para um teto branco todo o dia.
  35. 35. Fibra nervosa Fibra nervosa sensitiva motoraRecetor Cérebro EfetorEstímulo Resposta
  36. 36.  O nosso organismo reage a fatores internos e externos através de estímulos, como por ex. a luz. Os estímulos são recebidos por recetores (terminações nervosas especializadas na sua deteção). A informação é analisada ao nível do centro nervoso (cérebro ou espinal medula), sendo elaborada uma resposta. As estruturas ou órgãos capazes de darem resposta aos estímulos detetados pelos recetores designam-se efetores.
  37. 37. Área sensitiva Área motora Recebe informações Envia mensagens aos diretamente dosmúsculos envolvidos em recetores sensoriais damovimentos voluntários pele. A porção superficial do cérebro é denominada córtex cerebral. O córtex divide-se em várias áreas de acordo com as suas funções.
  38. 38.  Página 94 Conforme o uso que é dado a determinadas partes do corpo, a representação se torna proporcionalmente maior ou menor
  39. 39. Ato Voluntário:é a resposta a umestímulo que resulta deuma tomada de decisãopensada e refletida –depende da nossavontade (por ex. escreverou levar os alimentos àboca).
  40. 40. 1. O influxo nervoso origina-se nos recetores e transmite- se até ao cérebro por via sensitiva.2. No cérebro a informação é interpretada, sendo enviado o influxo nervoso até ao(s) efetor(es).
  41. 41.  Ato involuntário: é a resposta automática e inconsciente do organismo a um dado estímulo – não depende da nossa vontade (ex. afastar a mão de uma chama ou levantar a perna quando se bate com um martelo na rótula).
  42. 42.  O recetor sensorial capta o estímulo que é conduzido ao longo de fibras sensitivas, até à espinal medula. O influxo nervoso é conduzido pelas fibras motoras até ao músculo efetor.
  43. 43.  Igualmente chamados Atos reflexos, também podem ser classificados em:  Reflexos Inatos - aqueles que nascem connosco (Ex.: a sucção, tirar a mão quando tocamos num objeto quente…)  Reflexos Condicionados ou adquiridos - aqueles que se adquirem pela aprendizagem (Ex.: travar um veículo numa situação de emergência…)
  44. 44. 1. A picada é detetada pelos recetores sensoriais que possuímos no dedo;2. Este estímulo mecânico provoca um impulso nervoso que é transmitido do recetor a vias sensitivas;3. As vias sensitivas conduzem a mensagem à medula espinal;4. Aqui a mensagem é analisada rapidamente e é processada uma resposta. É necessário afastar a mão da agulha;5. O impulso nervoso resultante é enviado através dos neurónios motores até aos órgãos efetores, neste caso os músculos do braço;6. Os músculos reagem e ao contraírem-se, a mão é afastada pondo-se, assim, fim ao perigo.
  45. 45.  Trajeto seguido pelos impulsos nervosos que permitem a execução de um ato reflexo.
  46. 46.  Este trajeto percorrido pelo impulso nervoso, desde a receção do estímulo, até ao órgão efetor da reação é designado arco reflexo. Nestes casos, apesar da resposta ser desencadeada pela medula espinal, a situação também é memorizada pelo encéfalo, de modo a prevenir situações idênticas no futuro.
  47. 47. 1. 1 – C, 2 – B, 3 – F, 4 – D, 5 – A, 6 – E.2.1. Dor2.2. Pele2.3. Músculo3. Na medula espinal.4. O neurónio representado pela letra Z queleva a informação da medula espinal para oencéfalo.
  48. 48. As formas de atuação do sistema nervoso periférico permitem dividi-lo em: sistema nervoso somático que é responsável pelos atos ou movimentos voluntários. sistema nervoso autónomo que regula os movimentos involuntários.
  49. 49. Sistema nervoso autónomoEstabelece a relação com Sistema nervoso somático órgãos cuja atividade é involuntária Estabelece a relação com órgãos cuja atividade depende da nossa vontade
  50. 50.  Funciona independentemente de nossa vontade. Contém fibras nervosas que conduzem impulsos do sistema nervoso central aos músculos lisos das vísceras e à musculatura do coração.
  51. 51.  Tem função de regular o ambiente interno do corpo. Controla a actividade dos sistemas digestivo, cardiovascular, excretor e endócrino.
  52. 52.  A sua função é reagir a estímulos provenientes do ambiente externo. É constituído por fibras motoras que conduzem impulsos do sistema nervoso central aos músculos esqueléticos.
  53. 53. Sistema Nervoso PeriféricoSistema nervoso somático Sistema nervoso autónomo ou voluntário ou involuntário Parassimpático Simpático
  54. 54.  Estes dois sistemas têm funções contrárias. Um corrige os excessos do outro. Se o sistema simpático acelera o trabalho do estômago e dos intestinos, o parassimpático entra em ação para diminuir as contrações desses órgãos.
  55. 55.  O SNP autónomo simpático, estimula ações que mobilizam energia, permitindo ao organismo responder a situações de stress.
  56. 56.  O SNP autónomo simpático, é responsável pela aceleração dos batimentos cardíacos, pelo aumento da pressão arterial pelo aumento da concentração de açúcar no sangue…
  57. 57.  O SNP autónomo parassimpático estimula principalmente actividades relaxantes, como as reduções do ritmo cardíaco e da pressão arterial.

×