Cibercultura e pensamento contemporâneo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Cibercultura e pensamento contemporâneo

on

  • 1,667 views

Slides da palestra proferida no VI Simpósio Internacional de Bibliotecas Digitais, PUCRS, 17 de maio de 2011. Texto relacionado: http://trasel.com.br/?p=354

Slides da palestra proferida no VI Simpósio Internacional de Bibliotecas Digitais, PUCRS, 17 de maio de 2011. Texto relacionado: http://trasel.com.br/?p=354

Statistics

Views

Total Views
1,667
Views on SlideShare
1,594
Embed Views
73

Actions

Likes
2
Downloads
18
Comments
0

6 Embeds 73

http://bibliotecasemrede.blogspot.com 63
http://bibliotecasemrede.blogspot.com.br 3
http://www.bibliotecasemrede.blogspot.com.br 3
http://www.bibliotecasemrede.blogspot.com 2
http://us-w1.rockmelt.com 1
http://bibliotecasemrede.blogspot.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

CC Attribution-ShareAlike LicenseCC Attribution-ShareAlike License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Cibercultura e pensamento contemporâneo Presentation Transcript

  • 1. Cibercultura e pensamento contemporâneo
    Prof. Me. Marcelo Träsel
    Famecos/PUCRS
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
  • 2. VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    Como a Internet estámudando a maneiracomovocêpensa?
    A revistaEdge fez essapergunta a 172 intelectuaisem 2009.
  • 3. Como a Internet muda o pensar?
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    “Nãoimporta o quevocêsabe,
    mas o quepodedescobrir.”
    Marissa Mayer, VP Google
  • 4. Como a Internet muda o pensar?
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    “Um especialista costumava ser ‘alguém com acesso a informação especial’. Agora, já que muita informação está igualmente disponível para todo mundo, a idéia de ‘especialista’ se torna ‘alguém dotado de melhor capacidade interpretativa’. O julgamento substituiu o acesso.”
    Brian Eno, compositor
  • 5. Como a Internet muda o pensar?
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    “Costumávamos ser construtores de caiaques, coletando todos os fragmentos de informação disponíveis para montar a estrutura que nos mantinha boiando. Agora, temos de aprender a ser construtores de canoas, descartando a informação desnecessária para revelar a forma do conhecimento.”
    George Dyson, historiador
  • 6. Como a Internet muda o pensar?
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    “Pode parecer que estou perdendo infinitos nanossegundos numa série de tweets, e infinitos microssegundos navegando em páginas da Web, ou errando por diferentes canais, e pairando apenas alguns minutos sobre um trecho de livro após o outro; mas, na realidade, estou prestando atenção à Internet dez horas por dia.”
    Kevin Kelly, jornalista
  • 7. Como a Internet muda o pensar?
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    “O conhecimento já foi uma propriedade interna de uma pessoa e o foco numa determinada tarefa podia ser imposto externamente. Com a Internet, o conhecimento pode ser obtido externamente, mas o foco deve ser forçado internamente.”
    David Dalrymple, pesquisador do MIT
  • 8. Como a Internet muda o pensar
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    “Nós incorporamos nossa racionalidade em nossas máquinas e delegamos a elas muitas de nossas decisões. Neste processo, criamos um mundo que está além de nossa própria compreensão.”
    W. Daniel Hillis, cientista da computação
  • 9. Como a Internet muda o pensar?
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    “A recuperação de dados da memória comunal exossomática se tornará incomensuravelmente mais rápida e nós dependeremos menos da memória em nossos crânios. No momento, ainda precisamos de cérebros biológicos para cruzar referências e fazer associações, mas programas mais sofisticados e equipamentos mais rápidos vão cada vez mais usurpar essa função.”
    Richard Dawkins, biólogo
  • 10. Como a Internet muda o pensar?
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    “Numprimeiromomento, penseique o problema era um sintoma de esclerose da meia-idade. Mas meucérebro, percebi, nãoestavaapenasvagando. Eleestavafaminto. Eleestavaexigindoseralimentado da maneiraque a Rede o alimenta– e, quantomais o alimentava, maisfamintoele se tornava. […] Euqueriaestarconectado.”
    Nicholas Carr, jornalista, The Shallows
  • 11. Como a Internet muda o pensar?
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    “Parecequechegamos a umaimportanteencruzilhadaemnossahistória cultural e intelectual, como McLuhan dissequechegaríamos, um momento de transição entre doismodosmuitodiferentes de pensar. […] Calma, focada, atenta, a mente linear estásendosubstituídapor um novo tipo de mente, quequer e precisatomar e distribuirinformaçãoempulsoscurtos, desconjuntados, frequentementesobrepostos– quantomaisrápido, melhor.
    Nicholas Carr, jornalista, The Shallows
  • 12. Como a Internet muda o pensar?
    Na verdade, o modo natural de pensar do serhumanoéhipertextual. A linearidadeéqueprecisaseraprendida.
    A Internet, principalmente a Web, oferece um suportepara a criação de documentosqueespelham o processohipertextual de pensamento.
    Essastecnologiastambémaceleramnossopensamentohipertextual, aooferecer a recuperaçãoimediata de dados e a possibilidade de simplesmenteflanar.
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
  • 13. Como a Internet muda o pensar?
    VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    O que vamos perder e o que vamos ganhar com o predomínio da hipertextualidade sobre a linearidade?
  • 14. VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    Livro
    Internet
    Fonte: pesquisa UCLA
  • 15. VI SIBD - Porto Alegre - PUCRS - 17 de maio de 2011
    Prof. Me. Marcelo Träsel
    www.trasel.com.br
    marcelo@trasel.com.br