Centro Hospitalar Lisboa Norte
                               Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




 Guia par...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Sumário


Introdução -----------------...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Introdução



A educação para a saúde ...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




como a motricidade, o discurso, as emo...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Como cuidar da pessoa após o AVC?


O ...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




      para as mãos e antebraços;
     ...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Deve rolar para o lado não afectado co...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




      Ambos os ombros devem ser estabi...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




      A perna afectada com o joelho li...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Mobilização da Mão


      É errado da...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Exercícios com a boca e face


A final...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Pelo lado afectado


      Rolar para ...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




      Os braços bem estendidos para a ...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




     Quando a pessoa recuperar a força...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




      Pergunte várias vezes se tem von...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




palavra;
    Reforçar e valorizar tod...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Poderá ser necessário a colocação de u...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




    Os alimentos devem ser moles, adm...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Preparação da alimentação


      Trit...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Pessoas com AVC e com necessidade alga...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Conclusão


Quando alguém sofre um AVC...
Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia




Notas:




                           ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Guia para familiares e cuidadores informais avc

75,228

Published on

Published in: Education
1 Comment
23 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
75,228
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
1,833
Comments
1
Likes
23
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Guia para familiares e cuidadores informais avc

  1. 1. Centro Hospitalar Lisboa Norte Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Guia para a Família e Cuidadores Informais Cuidar da Pessoa após Acidente Vascular Cerebral Enfermeira de Reabilitação Orientadora: ELABORADO POR: Enfermeira Fernanda Realista Diamantino da Cruz Veríssimo Docente Responsável: (Aluno nº 2571 do 5º Curso Pós-Licenciatura de Especialidade em Enfermagem de Reabilitação) Professora Cristina Saraiva LISBOA, MARÇO de 2010
  2. 2. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Sumário Introdução --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 3 O que é o AVC --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 3 Manifestações clínicas de um Acidente Vascular Cerebral (AVC)---------------------------------------------- 4 Como cuidar da pessoa após o AVC? --------------------------------------------------------------------------------- 5 O que é o padrão espástico típico num doente com AVC? ------------------------------------------------------ 5 Disposição do quarto ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 5 Movimentação na cama --------------------------------------------------------------------------------------------------- 6 Posicionamentos ------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 7 Alguns exercícios que pode fazer em sua casa --------------------------------------------------------------------- 9 Levante / transferências --------------------------------------------------------------------------------------------------- 11 Sentado na cadeira/cadeirão ------------------------------------------------------------------------------------------- 12 Marcha ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 13 Prevenção de quedas ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 14 Comunicação ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 15 Alimentação ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 16 Pessoas com AVC e com necessidade de alimentação por Sonda Nasogástrica (SNG) ---------------- 18 Pessoas com AVC e com necessidade de algaliação ------------------------------------------------------------- 20 Bibliografia -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 22 Serviço de Enfermagem Página 2 de 22
  3. 3. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Introdução A educação para a saúde constitui uma das actividades principais da equipa de enfermagem do nosso serviço. É da responsabilidade do enfermeiro ajudar e apoiar utentes e familiares nas vivências de adaptação a situações de doença ou incapacidade, procurando minimizar os seus efeitos negativos e potenciando capacidades de reabilitação / recuperação. Este guia tem como principal propósito ajudar a pessoa com AVC e a sua família/ cuidador aquando do seu regresso a casa, proporcionando um suporte informativo escrito, que integra um programa de educação para a saúde personalizado. A reabilitação da pessoa após um AVC exige bastante tempo e disponibilidade. É através da persistência e motivação que se poderão obter melhorias. Por vezes, estas melhorias podem parecer pequenas aos olhos dos outros mas para a pessoa com AVC poderão significar pequenas grandes vitórias e aumentar a sua qualidade de vida. A preparação da alta (regresso a casa) deve, assim, ser iniciada precocemente e continuada durante o internamento, com a pessoa com AVC e a sua família/cuidador. A pessoa com AVC deve ser estimulada e encorajada para a realização do maior número de actividades possíveis (auto cuidado). O que é o AVC O Acidente Vascular Cerebral (AVC), é uma doença vulgarmente conhecida como “trombose”. Inicia-se subitamente e caracteriza-se pela falta de irrigação sanguínea num determinado território cerebral. Pode ser secundário à oclusão de alguma artéria (isquémico) ou a um sangramento (hemorrágico). As consequências do AVC variam, mas são frequentemente devastadoras para os doentes e as suas famílias, podendo afectar inúmeros aspectos da vida quotidiana, Serviço de Enfermagem Página 3 de 22
  4. 4. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia como a motricidade, o discurso, as emoções ou a memória. O prognóstico depende do tipo de AVC, da área cerebral afectada, e da extensão das lesões. Os principais factores de risco para ocorrência de AVC são: Tensão arterial elevada (Hipertensão Arterial – HTA); Maus hábitos alimentares; Elevados níveis de gordura no sangue; Diabetes; Tabagismo; Consumo de bebidas alcoólicas; Excesso de peso; Falta de actividade física; Stress. Manifestações clínicas de um AVC Como é o cérebro que controla o funcionamento de todo o corpo, as manifestações de um AVC são muito variadas. Podem ocorrer perturbações dos movimentos, da orientação no espaço, perturbações da visão, do equilíbrio, da memória, da fala, deglutição, entre outras. Estas perturbações dependem da localização das lesões. De uma forma genérica podemos dizer que quando a lesão ocorre na metade esquerda do cérebro, ocorre com frequência paralisia ou parésia (paralisia parcial) do lado direito do corpo e dificuldades de comunicação. Se a lesão ocorrer na metade direita do cérebro, o AVC manifesta-se muitas vezes por paralisia ou parésia do lado esquerdo do corpo, dificuldades de concentração e desorientação no tempo e no espaço. Serviço de Enfermagem Página 4 de 22
  5. 5. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Como cuidar da pessoa após o AVC? O AVC surge como uma mudança na vida da pessoa e de quem o acompanha. É importante começar a planear a alta logo no momento inicial / pós AVC. Não hesite em pedir apoio/informação à equipa de enfermagem do serviço de neurologia, poderá necessitar de um programa de educação para a saúde individualizado, que o poderá ajudar a cuidar da pessoa com AVC. Existem enfermeiros com a especialidade de reabilitação que orientaram o processo. As indicações que se seguem são gerais, pelo que o seu enfermeiro irá adaptá-las ao seu caso particular. O que é o padrão espástico típico num doente com AVC? Após um AVC há tendência para se instalar, progressivamente, um padrão de espasticidade (contracção muscular exagerada) típico do lado afectado, caracterizado por rotação da cabeça para o lado são e inclinação para o lado afectado, ombro descaído; membro superior dobrado e encostado ao corpo e membro inferior esticado, habitualmente rodado para fora. A pessoa com AVC deve adoptar um padrão anti-espástico (que contrarie o padrão espástico), quer esteja sentado, deitado ou a caminhar. Esta noção é importante para que compreenda alguns dos nossos conselhos. Os nossos conselhos: Disposição do quarto A altura da cama deve permitir que uma pessoa possa sentar-se nela, com os pés bem assentes no chão; As cadeiras devem ser sólidas, com encosto e apoio Serviço de Enfermagem Página 5 de 22
  6. 6. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia para as mãos e antebraços; O lado afectado necessita de constante estimulação, pelo que a mesa-de- cabeceira, cadeira, e outros elementos do seu ambiente próximo, devem ser colocados desse lado; A pessoa com AVC deve receber o máximo de estímulos no lado afectado; Qualquer objecto que a pessoa queira alcançar, fá-lo-á de forma a favorecer a consciencialização do lado afectado; O quarto deve estar disposto de maneira que todas as actividades passem pelo lado afectado. Movimentação na cama Os exercícios seguintes são úteis para as mudanças de posição, tornando a pessoa com AVC mais autónoma. Durante o internamento terá oportunidade de treinar estes exercícios com a ajuda do enfermeiro. Rolar para o lado afectado: Com a pessoa deitada de costas, pede-se que dobre a perna não afectada, ajudando-a a dobrar a perna afectada. De seguida tenta deslocar a bacia para a beira da cama do lado não afectado. Com as pernas dobradas, braços esticados, dedos entrelaçados, pedir para se virar para o lado afectado, rolando o corpo e impulsionando-o com a ajuda dos braços esticados. Rolar para o lado não afectado: Peça para dobrar as pernas e deslocar a bacia para a beira da cama do lado afectado, após o qual desloca também os ombros. Serviço de Enfermagem Página 6 de 22
  7. 7. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Deve rolar para o lado não afectado com os braços esticados, mãos entrelaçadas e pernas dobradas, dando um impulso. Se necessário, dar ajuda com uma mão nas mãos do seu familiar e outra nos joelhos. Posicionamentos O posicionamento correcto do doente no leito deve ser uma preocupação e a posição deve ter lugar ao longo das 24 horas do dia. A roupa da cama deve-se manter limpa e sem rugas. Os posicionamentos são importantes para: Promover a estimulação sensorial com o lado afectado; Prevenir problemas de pele, nomeadamente úlceras de pressão (feridas difíceis de cicatrizar); Prevenir complicações musculares e articulares; Dar conforto; Evitar o aumento exagerado do tónus muscular (espasticidade). A massagem surge como um complemento dos posicionamentos. Permite activar e estimular a circulação sanguínea e ajuda a integrar na imagem corporal o hemicorpo afectado. Deve ser efectuada com suavidade, não imprimindo força ou movimentos bruscos. Os posicionamentos mais adequados à pessoa com AVC são: Decúbito dorsal, decúbito lateral para o lado são e para o lado afectado. A frequência / horário dos posicionamentos deve ser decidido tendo em conta as características específicas da pessoa com AVC – fale com o seu enfermeiro. Decúbito dorsal A cabeça fica sobre uma almofada não muito alta; Serviço de Enfermagem Página 7 de 22
  8. 8. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Ambos os ombros devem ser estabilizados por almofadas (evitar a “queda” do ombro para trás, frequente no lado afectado); O braço afectado fica ligeiramente afastado do tronco sobre uma almofada; Cotovelo e punho bem estendidos, assim como os dedos estendidos e afastados; A anca afectada fica estendida e estabilizada por uma almofada. (evitar a “queda” da anca – ficar para trás). Decúbito lateral para o lado não afectado A cabeça confortavelmente estabilizada e alinhada com o tronco; O tronco ligeiramente inclinado para a frente; O ombro afectado bem para a frente; Colocar o braço e a mão afectada sobre uma almofada alta (ou utilizar mais do que uma almofada); A perna afectada com a anca flectida ligeiramente. A perna e o pé devem estar estabilizados com uma almofada; O braço não afectado numa posição confortável para a pessoa com AVC; Anca e joelho não afectados ficam estendidos. Deitado sobre o lado afectado A cabeça confortavelmente estabilizada; O tronco ligeiramente rodado para trás, estabilizado com uma almofada atrás; O ombro afectado colocado para a frente e rodado para fora; O braço afectado colocado em extensão e suportado numa mesa próxima da cama (se necessário); O cotovelo deve ficar esticado e a palma da mão virada para cima; Serviço de Enfermagem Página 8 de 22
  9. 9. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia A perna afectada com o joelho ligeiramente dobrado; A perna não afectada e o pé ficam apoiados sobre uma almofada, com joelho e anca ligeiramente flectidos; O braço não afectado fica deitado sobre o tronco (se tiver mobilidade) ou sobre uma almofada. Alguns exercícios que pode fazer em sua casa: Auto-mobilização do membro superior e tronco Quando deitado: Entrelaçar as mãos com as palmas a tocarem-se; Colocar o polegar não afectado sob o afectado, com braços estendidos; Focar um ponto de referência mediano (se deitado, no tecto), na direcção da qual deve elevar as mãos; Elevar as mãos acima da cabeça em direcção ao ponto de referência; Incentivar a pessoa a acompanhar com o olhar o movimento das mãos; Na fase inicial, a pessoa com AVC requer ajuda para manter o braço estendido e as palmas das mãos juntas. Pode ajudá-lo no início, mas procurando que consiga fazer sozinho progressivamente; Este exercício pode ser executado da mesma forma, com a variante de os membros superiores serem movimentados de um lado para o outro. Quando sentado: Com os pés bem apoiados no chão e as mãos estendidas sobre a cama, o corpo balança-se para um lado e outro. Estes exercícios ajudam o doente a manter-se sentado. Serviço de Enfermagem Página 9 de 22
  10. 10. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Mobilização da Mão É errado dar-se à pessoa com AVC uma bola para fazer exercícios com a mão afectada; Correcto é abrir as mãos e os dedos, contrariando o padrão espástico. Mobilização dos membros inferiores Balançar dos Joelhos Com os joelhos flectidos, e os pés e as mãos apoiadas na cama, deve balançar os joelhos para ambos os lados, sem os separar. Poderá utilizar um livro, ou outro objecto que o ajudará na realização deste exercício. Exercício manobra da ponte O cuidador coloca-se do lado afectado do doente; Coloca-se a pessoa de costas (em decúbito dorsal); Pede-se para dobrar os joelhos; Pode colocar-se material anti-derrapante sob a superfície plantar (planta dos pés); Colocar os braços estendidos ao longo do corpo e ligeiramente afastados; As palmas das mãos apoiam-se na cama; O cuidador coloca uma mão ao nível do joelho do lado afectado, auxiliando a manter os joelhos unidos; Estabilizar com a outra mão os pés, de forma a não escorregar; Pedir para fazer elevação da bacia. Serviço de Enfermagem Página 10 de 22
  11. 11. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Exercícios com a boca e face A finalidade é recuperar a função dos músculos faciais e linguais, o que favorece, posteriormente, a linguagem / comunicação, assim como a mastigação e a deglutição. Alguns exemplos: franzir a testa, abrir e fechar a boca, esticar e franzir os lábios, pôr a língua para fora repetidas vezes, assobiar e beber por uma palhinha. Levante / transferências Poderá ser feito pelo lado afectado (para aumentar a estimulação sensorial e incentivar a mobilização) ou pelo lado não afectado, simplesmente para facilitar a colaboração da pessoa com AVC – este aspecto deve ser discutido e treinado durante o internamento, com o seu enfermeiro. Aspectos Importantes: A pessoa deve utilizar calçado anti derrapante, a cadeira deve estar sempre travada e colocada com um ângulo de cerca de 30 graus em relação à cama, deve-se explicar sempre o que se vai fazer, pedindo a sua colaboração e deve-se pedir ajuda se necessário. É importante aprender a trancar o joelho do membro afectado, pois diminui a probabilidade de queda e aumenta a colaboração da pessoa com AVC. Pelo lado não afectado Pedir para colocar a perna boa debaixo da perna afectada e trazer as pernas para fora da cama; Em seguida, deve fazer força com a mão na beira da cama, ficando sentado; Assentar os pés no chão. Serviço de Enfermagem Página 11 de 22
  12. 12. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Pelo lado afectado Rolar para o lado afectado; Sentar-se na beira da cama; Transferir da cama para a cadeira. Para cuidar do cuidador (proteger a sua saúde) são necessários alguns princípios, resumidos na figura seguinte (princípio básicos de mecânica corporal): Sentado na cadeira/cadeirão Os braços devem estar apoiados lateralmente ao corpo; Pés apoiados sobre uma base, ou sobre o chão que deve ser liso, ou assentes num banco, nunca pendurados (prevendo o pé equino); O braço afectado ligeiramente afastado do corpo, com punho e dedos estendidos e abertos; Sempre que possível colocar uma superfície plana em frente do doente; Serviço de Enfermagem Página 12 de 22
  13. 13. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Os braços bem estendidos para a frente e os cotovelos, se possível, apoiados numa almofada, tendo em atenção para a correcta posição da mão; Deve mudar-se com frequência a posição do braço afectado do doente; Colocar uma almofada atrás das costas do doente para as manter direitas, se necessário. Marcha / deambulação Após o levante para o cadeirão, e quando possuir estabilidade física, a pessoa com AVC pode iniciar-se o treino de marcha durante períodos curtos e frequentes; O cuidador deve sempre abordar o indivíduo e oferecer-lhe toda a assistência a partir do lado afectado; Inicialmente o doente deve caminhar com o apoio do cuidador, amparando-o lateralmente; O cuidador segura a mão lesada do doente com a sua do mesmo lado, exercendo pressão para elevar o ombro lesado; O braço em rotação externa (virado para fora) e com o cotovelo, punho e dedos estendidos; A bacia deverá permanecer direita; O tronco e a cabeça devem permanecer erguidos; Não se deve puxar o braço afectado, virando-o para dentro, assim como flectir o cotovelo do doente; Outra forma de apoiar a marcha da pessoa com AVC, realiza-se com o cuidador à frente e com apoio do braço afectado. Esta versão poderá transmitir mais segurança para a pessoa com AVC. Poderá ser realizado por dois cuidadores colocando-se o segundo no lado afectado ou por detrás da pessoa com AVC (apenas para apoiar, se necessário); Serviço de Enfermagem Página 13 de 22
  14. 14. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Quando a pessoa recuperar a força e a confiança, pode começar a deslocar-se com o auxílio de uma pirâmide com 3 ou 4 pés; Posteriormente poderá caminhar apenas com uma bengala simples (quando adquirir um equilíbrio completo do seu corpo), não devendo nunca usar canadianas; A utilização da cadeira de rodas poderá ser feita no período de transição entre a marcha vigiada para a marcha com auxílio de bengala ou em situações de uso permanente. A mobilidade em cadeira de rodas permite uma maior independência na realização das actividades de vida diárias. Existem disponíveis no mercado cadeiras de rodas de condução unilateral; A cadeira mais prática é a de condução unilateral, com travões de mão, estrutura dobrável, permitindo a manipulação autónoma da pessoa com AVC. Ao deslocar-se em cadeira de rodas, o braço afectado deve ficar sobre o seu colo, de forma a não ser esquecido. Os produtos de apoio / ajudas técnicas referidas só devem ser adquiridas após discussão do seu benefício / utilização com a equipa de saúde, pois estes podem ter efeitos negativos, se mal utilizados ou incorrectamente seleccionados. Prevenção de quedas É aconselhável vigilância próxima durante as actividades diárias; Se tem pouco equilíbrio sentado ou apresenta períodos de agitação ou confusão, use uma faixa de segurança para que não caia ou escorregue da cadeira. Essa faixa pode ser um lençol dobrado, apertado atrás; Atenção aos tapetes sem anti-derrapante que podem deslizar e provocar quedas. O calçado deve ser estável, não usar chinelos; Para superar a dificuldade de subir escadas, pode instalar uma rampa de acesso. O corrimão também facilita a subida do indivíduo que se desloca pelo seu pé; Serviço de Enfermagem Página 14 de 22
  15. 15. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Pergunte várias vezes se tem vontade de ir à casa de banho (muitas quedas ocorrem na tentativa de se deslocarem sozinhos ao WC); Tenha especial atenção aos fios espalhados no chão e à má iluminação. Comunicação Determinadas lesões cerebrais provocam défices na comunicação, que se podem traduzir (por exemplo) por dificuldade em expressar-se (falar), em compreender, em ver correctamente e em ouvir. Algumas sugestões para lidar com a pessoa com estas alterações  Proporcionar um ambiente tranquilo, isento de ruídos, pois a pessoa com AVC está muito susceptível à fadiga e à distracção;  Falar de forma clara, calma, pausadamente e com frases curtas, olhando-o nos olhos e certificando-se que a mensagem é compreendida;  Ouvir com calma e esperar as suas tentativas para comunicar, pois a pessoa com AVC muitas vezes não consegue concentrar-se em várias coisas ao mesmo tempo, como por exemplo levantar-se ou andar e falar ao mesmo tempo;  Pedir que acene com a cabeça quando compreendeu uma pergunta ou mensagem;  Tentar fazer perguntas que possam ser respondidas com um “sim” ou “não” e evitar assuntos controversos, emotivos, abstractos ou longos;  Evitar acabar frases, e esperar cerca de 30 segundos antes de dizer a palavra que a pessoa procura, não o forçando a corrigir os seus erros, pois tal aumenta os sentimentos de frustração;  Repetir alto a mensagem da pessoa para a validar, nunca fingindo compreendê-la quando tal não acontece;  Encorajar a pessoa a falar devagar, com frases curtas, e a pronunciar claramente cada Serviço de Enfermagem Página 15 de 22
  16. 16. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia palavra;  Reforçar e valorizar toda a resposta correcta;  Evitar que fale mais do que uma pessoa de cada vez;  Evitar discutir a situação da pessoa com AVC ou ter conversas na sua presença sem o incluir;  Reduzir os sentimentos de pânico, que podem ocorrer quando a pessoa se apercebe que não pode comunicar como anteriormente;  Se necessário pode pedir que escreva a mensagem se for capaz, ou que faça desenhos se apenas a comunicação verbal estiver afectada;  Os familiares da pessoa com AVC devem ter a noção de que são comuns as flutuações de humor: labilidade emocional (manifestando-se pelo desencadear fácil de episódios de choro ou riso, de forma exagerada), confusão, irritabilidade de desencadeamento e desaparecimento brusco.  Nem sempre as emoções expressas correspondem verdadeiramente ao que a pessoa está a sentir;  Os familiares devem agir de forma natural e sincera, tratando a pessoa com AVC como anteriormente, assumindo uma atitude encorajadora, incluindo-o na tomada de decisões, permitindo que este retome algumas das actividades anteriores e que participe em eventos sociais. Alimentação As dificuldades na alimentação podem dever-se a alterações de consciência do doente e/ou a problemas neurológicos/motores que são consequentes do AVC. A dificuldade de deglutição é designada por disfagia. A sonolência, a parésia facial, os desvios da língua, a dificuldade em articular as palavras fazem prever disfagia. Temos no nosso serviço uma terapeuta da fala, especialmente dedicada à área da deglutição que o poderá ajudar / aconselhar. Serviço de Enfermagem Página 16 de 22
  17. 17. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Poderá ser necessário a colocação de uma sonda nasogástrica para alimentação, normalmente transitória. Se o seu familiar tiver uma sonda nasogástrica, poderá encontrar algumas informações na página 25 deste guia. Algumas sugestões: Será avaliado durante o internamento a capacidade de deglutição da pessoa com AVC, pelo que a pessoa irá para o seu domicílio, se tolerar, a alimentar-se oralmente. Será importante, contudo, estar atento a alguns aspectos que poderão antever alterações ao nível da deglutição e que deverão ser detectadas atempadamente, para evitar complicações, nomeadamente a aspiração de alimentos para as vias aéreas inferiores. Assim deverá ter em consideração os seguintes aspectos, comunicando qualquer alteração aos profissionais de saúde envolvidos:  Vigiar se mantém a posição da cabeça na posição de sentado, a simetria da face e dos lábios, a capacidade de fechar os lábios firmemente (as alterações ao padrão habitual podem sugerir “agravamento” /repetição do AVC, pelo que deve suspender imediatamente a alimentação e ligar para o 112);  Observação do estado geral dos dentes e eventual colocação de prótese dentária;  Se tiver indicação para adicionar espessante aos líquidos, este deve ser adicionado segundo a dose recomendada;  Colocar a cabeceira do doente a 90º para alimentação, de preferência com a cabeça levemente inclinada para a frente, evitando a regurgitação e a aspiração;  Avaliar se tem uma boa adaptação dos lábios ao copo, pedindo-lhe para beber água;  Perceber se mantém o reflexo da tosse e quanto tempo demora a deglutir a água;  Ter em consideração a força dos membros superiores, a capacidade para segurar os talheres, os tremores involuntários, as dificuldades em cortar os alimentos e a capacidade visual;  Avaliar o cansaço durante a alimentação, se está deprimido, os seus receios e angústias; Serviço de Enfermagem Página 17 de 22
  18. 18. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia  Os alimentos devem ser moles, administrados em refeições frequentes, e em pequenas quantidades. Alternar a administração de líquidos com os alimentos de consistência semi-sólida, não os misturando em simultâneo na boca;  Sentar-se para alimentar a pessoa com AVC, de preferência do lado afectado (estimulação sensorial);  Estimular o paladar através de alimentos saborosos e da sua preferência, tendo em conta os seus hábitos alimentares;  Colocar os alimentos na boca do lado não afectado;  Estimular a pessoa a alimentar-se pela sua mão;  Encorajá-lo a comer lentamente, dando tempo para que este mastigue e degluta os alimentos convenientemente;  Estimulá-lo a concentrar-se na coordenação de mastigar, respirar e deglutir;  Incentivá-lo a deglutir várias vezes de forma a permitir uma deglutição completa;  Utilizar ajudas técnicas: o Chávenas e copos de configuração especial, que permitem ao doente incliná-las mais, não inclinando a cabeça, de modo a facilitar a ingestão de líquidos ou semi-líquidos; o Talheres modificados (cabos de maior diâmetro – engrossadores de cabos), que facilitam a preensão, corte e ingestão dos alimentos; o Pratos côncavos ou com protecção lateral (rebordo de prato), são um apoio para o doente conseguir encher a colher sem os alimentos saírem do prato.  Prestar cuidados de higiene oral após cada refeição. Pessoas com AVC e com necessidade de alimentação por Sonda Nasogástrica (SNG) Se o seu familiar foi para o domicílio com uma SNG para alimentação, foi informada dos procedimentos correctos pelo seu enfermeiro e teve oportunidade de praticar com supervisão, encontrará de seguida os aspectos mais importantes: Serviço de Enfermagem Página 18 de 22
  19. 19. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Preparação da alimentação Triturar com a varinha mágica, até a alimentação ficar bem fina, quase líquida; Depois de triturados, os alimentos podem ser passados por um coador para eliminar qualquer resíduo sólido que possa obstruir a SNG; Limpar as narinas e ter o cuidado de não pressionar a narina ao fixar o tubo, causando feridas; Verificar se a sonda está no sítio – vigiar marcas; Cuidados de manutenção e administração da alimentação Deve-se mobilizar (rodar) a SNG diariamente para evitar aderências e mudar os adesivos para prevenir a ulceração da asa do nariz; Limpar as narinas e tomar cuidado para não pressionar a narina ao fixar o tubo, causando feridas; Verificar se a sonda está no sítio – vigiar marcas da sonda; Dar água após as refeições de modo a lavar a SNG e evitar que entupa; Manter a pessoa hidratada com um aporte de 1,5 a 2 litros de água dia, se não existir contra indicação; Dar uma dieta polifraccionada (6 a 8 vezes ao dia), de acordo com as indicações dadas antes da alta; Antes de administrar a alimentação, aspira-se o conteúdo gástrico. Se for inferior a 50% da dose administrada anteriormente, reintroduz-se o conteúdo aspirado e administra-se a refeição, se for superior reintroduz-se o conteúdo e retarda-se duas horas a administração da refeição. Se mantiver estase gástrica, não se administra a refeição e comunica-se ao enfermeiro do Centro de Saúde; Contactar o Enfermeiro do Centro de Saúde para mudar a sonda na data marcada. Serviço de Enfermagem Página 19 de 22
  20. 20. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Pessoas com AVC e com necessidade algaliação A algaliação consiste na introdução de um cateter (tubo) na bexiga através da uretra, de modo a escoar a urina. A utilização da algaliação deve ser limitada a necessidades clínicas que não podem ser resolvidas de outro modo. As algálias devem permanecer apenas o tempo estritamente necessário, não devem ser consideradas um tratamento para a incontinência). Para o efeito deve ser feita uma revisão periódica da necessidade de manter a algaliação. A algália é um tubo de borracha flexível com duas pontas, uma das quais é introduzida na bexiga e a outra fica ligada a um saco, no qual se vai depositar a urina e que está marcado com uma escala, de modo a facilitar a medição da diurese (quantidade de urina diária produzida pelo rim). Se o seu familiar foi para o domicílio com uma algália, foi informada dos procedimentos correctos pelo seu enfermeiro e teve oportunidade de praticar com a sua supervisão, encontrará de seguida os aspectos mais importantes: Vigiar a cor da urina (se estiver escura dar mais líquidos); Colocar o saco da urina de modo a não repuxar a algália; Manter o saco colector abaixo do nível da bexiga (suporte próprio); Despejar o saco regularmente através do saco colector, anotando o volume de urina drenado; Mudar o saco colector quando necessário (quando estiver visivelmente sujo, por exemplo com muito sedimento na tubuladura ou no saco), tendo em atenção que deve lavar bem as mãos antes e depois de executar a tarefa e não tocar na extremidade não protegida do tubo do saco colector que liga à algália; Contactar o Enfermeiro do Centro de Saúde para mudar a algália na data marcada ou em caso de dúvida. Serviço de Enfermagem Página 20 de 22
  21. 21. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Conclusão Quando alguém sofre um AVC, todos nós (utente, família, amigos e equipa de saúde) devemos estar unidos e motivados para um processo de reabilitação eficaz. Este guia não pretende substituir as informações / orientações dos profissionais de saúde, é apenas mais um recurso, permitindo uma leitura calma e atenta, no sentido de rever alguns aspectos mais importantes e / ou esclarecer eventuais dúvidas. Não se iniba de recorrer ao seu Enfermeiro do Centro de Saúde sempre que necessitar, ele é o seu elo de ligação com a restante equipa de saúde. Porque esta situação não acontece só aos outros, aqui ficam algumas regras para todos:  Consultar um médico assistente regularmente e realizar os exames / avaliações de rotina indicadas;  Controlar a Tensão Arterial;  Implementar um regime alimentar saudável, com pouco sal e gorduras saturadas;  Praticar exercício físico com regularidade / evitar ter uma vida sedentária;  Evitar excesso de peso;  Em suma ter um estilo de vida saudável. Esteja à vontade para colocar todas as suas dúvidas à equipa de saúde! Serviço de Enfermagem Página 21 de 22
  22. 22. Centro Hospitalar Lisboa Norte – Hospital de Santa Maria: Serviço de Neurologia Notas: BIBLIOGRAFIA HOEMAN, Shirley – Enfermagem de Reabilitação: aplicação e processo. 2ª.edição. Lisboa: Lusociência, 2000. ISBN: 972-8383-13-4. CANTERA,I., DOMINGO, P.– Guias práticos de enfermagem – Geriatria. Rio de Janeiro:Mcgraw-Hil, 1996. ISBN: 85-86804-10-X http://www.differentstrokes.co.uk/download/InfoPack/10.lifeafterstroke.pdf. Acedido em 2010/04/13 http://www.stroke.org/site/PageServer?pagename=REHABT. Acedido em 2010/04/13 KOTTKE, Frederic J., STILLWELL, G. Keith, LEHMANN, Justus F. - Krusen: tratado de medicina física e reabilitação. São Paulo: editora Manole, 1986 ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE – Promovendo a qualidade de vida após acidente vascular cerebral – um guia para fisioterapeutas e profissionais de atenção primária à saúde. São Paulo: Artmed Editora. 2003. PORUGAL. Direcção-Geral de Saúde – Acidente Vascular Cerebral – Itinerários Clínicos. 2010. Lisboa. Lidel, edições técnicas, Lda. ISBN 978-972-757-661-6 QUEIRÓS, P.J.P. [et a]l - Manual de sinais vitais. Técnicas de reabilitação I. Coimbra: Edições Formasau, 2002. Serviço de Enfermagem Página 22 de 22

×