• Like

Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Capitães de abril

  • 544 views
Uploaded on

 

More in: Travel , Business
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
544
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Capitães de Abril<br />´<br />23431571755Foi o filme de estreia, como realizadora, de Maria de Medeiros. Filmado em 2000, esta obra abordou a temática da Revolução de 25 de abril de 1974, conciliando a realidade histórica com personagens fictícias. O filme é uma glorificação da figura do capitão Salgueiro Maia, tendo o papel sido entregue ao actor italiano Stefano Accorsi, o que motivou alguma controvérsia no meio artístico. A história do filme centra-se nos acontecimentos verificados na noite do dia 24 e manhã do dia 25, com especial incidência para a saída dos revoltosos da Escola Prática de Cavalaria de Santarém e a ocupação da Rádio Clube Português. Maria de Medeiros também ocupa o seu lugar como atriz, personificando o papel de Antónia, uma jovem professora universitária perseguida pela PIDE. Outros atores com desempenhos fortes neste filme foram Joaquim de Almeida, Manuel João Vieira, Marcantónio del Carlo, Canto e Castro e Luís Miguel Cintra. O filme foi um assinalável sucesso de bilheteira a nível nacional e foi exibido em diversos festivais internacionais.<br />O movimento dos Capitães de abril foi desencadeado pelos oficiais das Forças Armadas portuguesas. Apresentava um programa político com a intervenção de Spínola e Costa Gomes e sob a coordenação de Otelo Saraiva de Carvalho, que elaborou o plano das operações militares, envolvendo todas as principais unidades do exército português.Esta grave crise, a terceira a abalar o regime do Estado Novo, foi, no entanto, fatal para o marcelismo, que capitulou na sequência deste movimento militar, que muito rapidamente transformou o movimento conspirativo num assunto político que refletia a crise da sociedade nacional e o descontentamento instalado entre a instituição militar.O movimento revolucionário de abril de 1974 derrubou o Estado Novo e abriu assim caminho a uma nova era da História portuguesa, com a adoção de um regime democrático. Este movimento foi exclusivamente militar, apartidário e independente das forças políticas, sem qualquer tipo de compromisso com civis. Tinha um programa próprio, que contemplava desde o início a entrega do poder às instituições competentes, mediante um sufrágio que as legitimasse.Os objetivos definidos pelos seus mentores eram a mudança da política ultramarina e a transição para uma democracia. Estes pontos angariaram o apoio de muitos oficiais do quadro permanente e dos milicianos que a eles se juntaram, sobretudo após o golpe inconsequente de 16 de março. É preciso dar o realce devido aos problemas internos das Forças Armadas no processo que evoluirá para a revolução. Com a guerra colonial, registou-se um problema de falta de quadros no exército e, para atrair oficiais, foram concedidas facilidades de progressão aos milicianos, sendo claramente prejudicados os oficiais do quadro permanente. As reivindicações destes deram origem a uma série de reuniões mais ou menos clandestinas onde se definiram os pontos básicos de atuação. Aquilo que inicialmente surgia como reivindicação salarial transformar-se-ia num completo programa de reforma da sociedade portuguesa.Contrariamente ao 5 de outubro de 1910, um movimento onde cooperaram civis e militares, sob a orientação do Partido Republicano, e do 28 de maio de 1926, um movimento das forças conservadoras, o 25 de Abril de 1974 resultou de um movimento militar sem intervenção civil, nem uma aproximação ideológica ou partidária, o que não impediu que no programa das Forças Armadas estivessem enunciadas as reivindicações da oposição ao regime.Esta revolução fechou uma página da História da nação portuguesa, iniciada com os Descobrimentos no século XV, e aproximou o país democrático do resto do continente europeu.<br />Relacionamento com a matéria<br />O 25 de Abril foi a revolução necessária para existir democracia em Portugal, a democracia grega e uma democracia mais avançada do que a portuguesa como é óbvio sendo passado cerca de 2 mil anos mas existem grandes semelhanças tais como a votação mas como não seria possível reunir por exemplo 10 milhões de pessoas num só espaço físico por isso só é possível dividindo por várias urnas.<br /> <br /> <br />