• Save
Estrutura interna da terra e dinâmica das placas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Estrutura interna da terra e dinâmica das placas

on

  • 5,370 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,370
Views on SlideShare
4,343
Embed Views
1,027

Actions

Likes
4
Downloads
0
Comments
0

7 Embeds 1,027

http://geocontexto.blogspot.com.br 853
http://www.geocontexto.blogspot.com.br 151
http://geocontexto.blogspot.com 14
http://geocontexto.blogspot.pt 4
http://www.geocontexto.blogspot.pt 2
http://192.168.2.107 2
http://www.geocontexto.blogspot.com.es 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Estrutura interna da terra e dinâmica das placas Presentation Transcript

  • 1. Estrutura interna da terra edinâmica das placas tectônicas FACEBOOK facebook.com/groups/geocontexto BLOG geocontexto.blogspot.com
  • 2. Terremotos e vulcões sãomanifestações da crosta
  • 3. A estrutura interna da terra é representada em modelos baseados em dois critérios Composição Propriedades química físicas
  • 4. Composição química Modelo baseado na composição dos materiais do interior da terra
  • 5. Densidade Composição Composição Profundidade (km) (g/cm³) químicaCrosta 2,7 Granítica Silício e 25 a 70 km Rochas mais alumíniocontinental antigasCrosta 2,9 Basáltica Silício e 6 a 12 km Rochas magnésiooceânica vulcânicas Mais jovemManto 3,3 a 4,3 peridotítica Ferro e 670 km magnésiosuperiorManto inferior 4,6 a 5,7 2900 kmNúcleo 9,4 a 11,5 Metalíca Ferro e 4980 km níquelexternoNúcleo interno 14 a 17 5120 km
  • 6. Composição física (modelo estático) baseado nas propriedades físicas dos materiais, na rigidez dos materiais do interior da terra
  • 7. Estado físico Profundidade (km)Litosfera Sólido 41 km áreas oceânicas 300 km regiões continentaisAstenosfera Parcialmente líquida (rochas 350 km próximas ao estado de fúsão)Mesosfera Sólida (altas pressões 2900 km compensam as altas temperaturas, as rochas são mais resistentes)Endosfera N. Líquido 2270 km externo N. Sólido 1300 km interno
  • 8. Teoria da Deriva ContinentalAlfred Wegener (1915)Terra não é estáticaMassas continentais se ajustam comoum grande quebra-cabeçaSupercontinente
  • 9. Fundamentou sua hipótese em diversos dadosDados paleológicos, geológicos e paleontoclimáticos Ilustração feita pelo geógrafo Antonio Snider-Pellegrini, em 1858, ilustrando a justaposição das margens africana e americana do Oceano Atlântico.
  • 10. Dados paleológicosSemelhanças de faunas e de flora antigas em regiões hoje separadas poroceanosDados geológicosCadeias montanhosas adquirem perfeita continuidade quando se juntam(cadeias na Argentina e na África do Sul)Dados paleontoclimáticosVestígios de glaciares em continentes com clima tropical (sul),possivelmenteestavam mais próximos da Antártida
  • 11. Como Wegener não podia provar como ocorreu o movimentoque provocava o movimento e a fragmentação essa teoria foiesquecida e até ridicularizada "Poucas pessoas podem ter acreditado, e muitas não. Mas essas pessoas não importam. O que importa é que o mundo já se juntou, e daqui a milhões de anos se juntará novamente, formando outra pangeia."
  • 12. Corrente de convecçãoHarry Hess (1962)As temperaturas do manto pode promover a movimentação das placasElevação dos materiais que o constituemAtingem regiões próximas da crosta esfriamDeslizam lateralmente voltando ao mantoCorrentes contínuas
  • 13. Principio da IsostasiaAs áreas continentais flutuam sobreum manto de material mais densoSoerguimento ou subsidência dorelevo superficial causa o efeito inversona base da crosta
  • 14. Teoria da tectônica de placasVerificação do fato de que o assoalho oceânico é jovemAparecimento da hipótese do afastamento do assoalho oceânicoe consequente reciclagem da crosta oceânicaComprovação científica da distribuição de terremotos evulcanismo ao longo de trincheiras oceânicas e cadeias demontes submarinos
  • 15. Tipos básicos de movimentos de placaDivergentes, convergentes e transformantes
  • 16. Divergentesocorre a movimentação das placas em direções opostas, nestasregiões há formação de novas rochas que empurram as antigasOceano são as Dorsais meso-oceânicas pois também formamcadeias montanhosas no fundo dos oceanos.
  • 17. Convergentesas placas movem se uma em direção a outra, provocando choques queoriginam tremoresColisão de duas placas oceânicasUma placa mergulha em plano inclinado sob a outra,provocando uma depressão ou fossa zona de subducção
  • 18. Colisão de uma placa oceânica com uma placa continentalPlaca oceânica menos espessa mergulha sob a placa continentalCria cadeia de montanhas em sua margem
  • 19. Colisão de duas placas continentais (Obducção)Espessura e densidade parecidasMergulho é dificultadoCompressão
  • 20. TransformantesPlacas deslizam horizontalmenteForte atividade sísmicaCrosta não é destruída nem produzida