Conferências internacionais e devastação

1,919 views
1,716 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,919
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,018
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Conferências internacionais e devastação

  1. 1. Meio ambiente: conferências internacionaisBiodiversidade e devastação: vegetação geocontexto.blogspot.com
  2. 2. Após a II Guerra Mundial ocorreu um considerávelcrescimento econômico em quase todo o planeta.Um dos motores desse crescimento foi a atividade industrial,que crescendo de forma desenfreada trouxe uma série deproblemas ambientais para regiões tradicionalmente maisprodutivas como Europa, Estados Unidos e Japão.
  3. 3. A consciência ecológica e o reconhecimento da esgotabilidadedos recursos naturais começaram a despertar mais atençãona década de 1960O surgimento das primeiras organizações nãogovernamentais (ONGs), que tinham como objetivo a luta pelapreservação ambiental
  4. 4. Conferência de Estocolmo (1972)113 países e 250 ONGsResultou a Declaração sobre o Ambiente Humano, alertasobre a preservação do meio ambiente e a responsabilidadedos países em preservá-loCriado o programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente(PNUMA)
  5. 5. Clube de Roma alertou o mundo para os problemasambientaisDivulgando um relatório que ficou conhecido como “Os limites docrescimento”, elaborado pelo MITFoi proposto o congelamento do crescimento econômico comoúnica saída para evitar o aumento da degradação ambiental
  6. 6. 1982, Conferência de NairóbiAvaliar o desenvolvimento de programas ambientais eestabelecer prioridades para a preservação ambiental, taiscomo a criação de unidades de conservação e a recuperaçãodas áreas degradadas
  7. 7. ECO -92170 países, 108 governantes, 10 mil jornalistas, 16 mil ONGsRealizada pela ONU, II Conferência Mundial para o Meio Ambiente eDesenvolvimentoFormulação de documentos importantes
  8. 8. Agenda 21Assinado por 170 paísesConsiderada a proposta mais consistente quanto aodesenvolvimento sustentávelApresenta um planejamento para o futuro com ações de curto,médio e longo prazos
  9. 9. Documento final é dividido em 4 partes I. Dimensões sociais e econômicas combate à miséria, mudanças dos padrões de consumo, melhoria da qualidade de vida II. Conservação e gestão dos recursos para o desenvolvimento uso da água, do solo, da energia e do controle de resíduos e das substâncias tóxicas III. O papel da sociedade educação e participação de todos os setores da sociedade IV. Meios de implementação dos programas de desenvolvimento sustentável instrumentos financeiros e legais para a implementação de projetos e de programas ambientais
  10. 10. A Cúpula do Clima e Aquecimento Global (1997), em Kyoto,foi o encontro mais importante para o debate do tema após aECO-92Protocolo de Kyoto, que estabelece prazos para a redução dospatamares de emissão de gases poluentes
  11. 11. O documento prevê que, entre 2008 e 2012, os paísesdesenvolvidos reduzam suas emissões em 5,2% emrelação aos níveis medidos em 1990. O tratado foiestabelecido em 1997 em Kyoto, Japão, e assinado por 84países. Destes, cerca de 30 já o transformaram em lei. Opacto entrará em vigor depois que isso acontecer em pelomenos 55 países
  12. 12. Rio +10JohanesburgoDiscutir e avaliar os acertos e as falhas nas ações relativas aomeio ambiente em escala mundialTemas debatidos:Acesso a energia limpa e renovável, efeito estufa,conservação da biodiversidade, proteção e o uso dasfontes de água, acesso à água potável, saneamento e ocontrole de substâncias químicas nocivasEstabelecidas metas para os próximos 10 anos
  13. 13. Algumas discussões:Clima e Energia – foi estabelecido o uso de energias limpasSubsídio Agrícola – a superficialidade do texto fortalece a OMCcontrolada pelos países ricos, e esvazia o papel da ONUKyoto – nada mudou, pois os países que não haviam assinado atéentão apenas prometeram que estudariam o casoBiodiversidade – decidiu-se reduzir o ritmo de desaparecimento dasespécie em extinção e repassar os recursos obtidos a seus locais deorigem
  14. 14. Água e Saneamento – foi decidido que deve aumentar o número depessoas com acesso a água potávelTransgênicos – foram objeto de grande polêmica, pois asorganizações supranacionais recomendam que regiões com fome crônicaadotem esses alimentosPesca e Oceano – prevê a criação de áreas de proteção marinha e aabolição imediata de qualquer subsídio à atividade pesqueira irregular
  15. 15. Copenhague (COP – 15)20097 e 18 de DezembroNegociar, redigir e aprovar os termos da segunda parte do protocolo deKyotoFocado na diminuição das emissões de gases causadores do efeitoestufa, sobretudo o dióxido de carbono, preveem redução de 25 a 40%até 2020
  16. 16. 13 e 22 de junho de 2012A declaração final da Rio+20 (Conferência das Nações Unidas sobreDesenvolvimento Sustentável), é um texto de 53 páginas, com boasintenções e o lançamento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.
  17. 17. Os 25 temas particularmente abordados incluem erradicaçãoda pobreza, segurança alimentar, água, energia, saúde,emprego, oceanos, mudanças climáticas, consumo eprodução sustentáveis.
  18. 18. Objetivos do Desenvolvimento Sustentável(ODS): Substituirão os Objetivos deDesenvolvimento do Milênio (ODM), em 2015.Grupo de Trabalho com 30 pessoas que se reuniráem setembro próximo para trabalhar na construçãodas novas metas
  19. 19. Fórum Político de Alto-Nível para o DesenvolvimentoSustentável: Criado na Rio+20, substituirá a ineficaz Comissão para oDesenvolvimento Sustentável criada após a Rio92. O prazo para suainstalação é setembro de 2013, na 68ª Assembleia Geral da ONU
  20. 20. Adoção de programa de dez anos para produção econsumo sustentávelPolíticas de economia verde, uma das ferramentas importantespara avançar rumo ao desenvolvimento sustentável.
  21. 21. Fortalecimento do Pnuma (Programa das Nações Unidaspara o Desenvolvimento) : Será definido por uma resolução daAssembleia Geral da ONU a partir deste ano. Há claras mudanças emseu papel
  22. 22. Os países megadiversosPaíses mais ricos em biodiversidade do mundo. O número de plantasendêmicas, é o critério principal para que um país seja consideradomegadiverso. Outros critérios são o número de espécies endêmicas emgeral e o número total de mamíferos, pássaros, répteis e anfíbios
  23. 23. Brasil12% de toda a vida do planetaConcentra 55 mil espécies de plantassuperiores (22% de todas as queexistem no mundo), muitas endêmicas,524 espécies de mamíferos, mais de 3mil espécies de peixes de água doce,entre 10 e 15 milhões de insetos, e maisde 70 espécies de psitacídeos: araras,papagaios e periquitos
  24. 24. A exploração da biodiversidade responda por cerca de 5% do PIB dopaís, com 4% vindos da exploração florestal e 1% dosetor pesqueiro
  25. 25. CerradoAté meados do século XX, o Cerradofoi considerado uma área improdutivaA partir da década de 1970desenvolveu-se o processo decalagemAtividades agrícolas, garimpo,construção de rodovias e de cidades,intensificadas com a transferência dacapital federal para o Distrito federal
  26. 26. Reduzido a 2 milhões deKm² para menos de 800 milkm²
  27. 27. PantanalAgropecuária, garimpo e a construção de rodovias e dehidrovias são responsáveis pela enorme degradaçãoCaatingaPossui hoje metade da cobertura vegetal original, atingidospela agricultura irrigada e pelo pastoreio, que contribuem paraa desertificação
  28. 28. Mata AtlânticaÁrea de maior adensamento populacional, maisdegradadoIndustrialização, urbanização, agricultura comercial, criaçãode gado e a exploração da madeira5% de sua cobertura original
  29. 29. Mata das araucáriasRetirada da madeira para a indústria moveleira, celulose e a expansão daagriculturaMenos de 5% de sua cobertura originalFormações litorâneasUrbanização, turismo desordenadoCamposCriação de gado, pisoteio, queimadas para limpeza do terrenoMatas ciliaresUso do solo para agricultura, pecuária, loteamentos econstrução de hidrelétricas
  30. 30. América do norte de Central – 74,6% de suas florestas originaisOceania – 64,3%Europa – 58,5%África – 33,8%Ásia – 28,5%64 milhões de km² só sobrevivematualmente 33,4 milhões

×