Linha kine
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Linha kine

on

  • 945 views

 

Statistics

Views

Total Views
945
Views on SlideShare
794
Embed Views
151

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

6 Embeds 151

http://animalinguas.blogspot.com 69
http://animalinguas.blogspot.com.br 39
http://minimidiatecalis.blogspot.com.br 36
http://animatecnicas.blogspot.com 5
http://animalinguas.blogspot.ru 1
http://animalinguas.blogspot.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Linha kine Linha kine Presentation Transcript

  • Universidade de Brasília Licenciatura em Artes VisuaisArqueologia do Cinema de Animação Linha do Tempo por Ana Beatriz Barroso e Raquel Piantino setembro de 2010
  • A idéia de brinquedo é muito antiga e associa-se a umobjeto esquisito, que foge do normal. Quase sempre osbrinquedos são usados nos momentos vagos, quando pre-cisamos de algo para nos entreter, sozinhos ou comamigos. Esses estranhos objetos acabam nos ensinandocoisas curiosas. As brincadeiras são como a linguagem dos brinquedos, éo que a gente faz com eles. Aqui se reúne um conjunto de antigos objetos que podemser vistos como os ancestrais de uma série de tecnologiasda imagem com as quais aprendemos a ver as coisas demodo diferente, a falar sobre o tempo e a interagir comoutras culturas.
  • imagem de movimento Período Paleolítico Habitantes das cavernas Gruta de Altamira, Espanha Desenhos e pinturas rupestres sugerem movimento, como na imagem desse bisão representado com mais patas do que o real, fazendo alusão ao movimento de correr. Também na pré-história, imagens es- táticas produzidas nas grutas do Piauí (Brasil), Altamira (Espanha), Lascaux e Font-de-Gaune (França), parecem se movimentar. À medida que alguém com uma lanterna se locomove a uma determinada velo- cidade, parte das figuras fica na sombra e parte se ilumina proporcionando uma forte impressão de movi- mento. View slide
  • códices Mundo Antigo Astecas, Maias, Egípcios América Central e Norte da ÁfricaManuscritos com desenhos e códigos gravados em cortes retangulares de madeira, pergaminho ou papiro. A palavra(códice ou codex) vem do latim, onde significa livro, bloco de madeira.Os primeiros livros no formato que conhecemos hoje são denominados assim por oposição à forma do rolo, quedevia ser desenrolado por inteiro para se visualizar o manuscrito. O fácil manuseio do códice possibilita, além da lei-tura linear sugerida pela sequência de páginas, o acesso não linear. Muitas vezes, a imagem no manuscrito narra egerencia o texto, tornando-o mais acessível para uma população pouco letrada. Nos códices vemos que as figurasmuitas vezes se assemelham à história em quadrinhos e ao movimento sequencial. View slide
  • câmera escura Século XVI Primeira ilustração publicada da câmera escura e o eclipse solar de 24 de janeiro de 1544. Rainer Gemma-Frisius cientista holandêsCaixa completamente escura por dentro, com um pequeno furo em um dos lados, por onde entram raios luminososque projetam, no lado oposto ao do furo, uma imagem invertida e menor da que se vê do lado de fora. Provavel-mente, o princípio da câmara escura era conhecido desde o século IV a.C e consta que, já no século XI, povosárabes a utilizavam para observar os eclipses solares sem prejudicar os olhos. No ano de 1100 o astrônomo e ópticoárabe Abu-Ali Al Hasan, ou Halhazan, publicou uma primeira explicação do fenômeno da câmara escura. No séculoXVI, Leonardo da Vinci a descreve com mais precisão e clareza em um texto que só chegou a ser publicado em 1797.Em 1558, Giovanni Baptista della Porta, cientista napolitano, faz uma descrição detalhada da câmera escura e seususos no livro Magia Naturalis sive de Miraculis Rerum Naturalium.
  • lanterna mágica Século XVII Athanasius Kircher alquimista e inventor alemãoAparelho constituído de uma fonte de luz gerada por uma chama de querosene e um espelho curvo dentro de umacaixa que projeta em uma tela branca imagens pintadas com cores transparentes em pedaços de vidro. Foi usadainicialmente como instrumento de ensino. As distintas imagens serviam para contar histórias ao público, não se pre-tendia dar ilusão de movimento. Ela realiza, tecnologicamente, a idéia de ampliação ou agigantamento da imagem,como fazem, hoje, os projetores. A lanterma acima é um projetor de slides móveis, desenhado por Johann Zahns,em 1683.
  • fotografia 1826, 1833, 1839 Nicéphore Nièpce inventor e litógrafo francês Hercules Florence desenhista e pesquisador franco-brasileiro Louis Jacques Mandé Daguerre pintor e inventor francêsDesenho feito pela luz quando ela atravessa a câmera fotográfica, que é como uma câmera escura munida de umaparato capaz de fixar a projeção luminosa que entra. A luz passa por um orifício e se projeta dentro da escuridão, for-mando uma imagem menor e invertida daquilo que está diante do orifício. Essa imagem é, então, fixada, ou grafada, porprocessos químicos, sobre películas fotossensíveis (os filmes), ou digitais, em mapas de bits (bitmaps), arquivadoscomo código binário em cartões de memória.
  • persistência retiniana 1829 Joseph Plateau físico e matemático belgaO olho humano retém uma imagem por uma fração de aproximadamente um décimo de segundo e percebeum único movimento ao ver imagens exibidas rapidamente em seqüência. O fato de que o olho retém umaimagem por uma fração de segundos mostra que é necessário ter intervalos negros entre cada imagem. Ateoria da persistência retiniana não explica totalmente a percepção do movimento, mas comprova o fato denão enxergarmos o intervalo negro entre as imagens.
  • taumátropo 1825 John Ayrton Paris, físico e matemático belga Peter Mark Roget siologista e lexicógrafo britânicoBrinquedo extremamente simples, que não sugere movimento, mas exemplifica bem a teoria da persistência retini-ana. Consiste em um disco pequeno, com um desenho na frente e outro, de cabeça para baixo, no verso, presopor duas cordas amarradas nas bordas paralelas. As cordas devem ser torcidas para um lado e depois esticadas.Ao esticar as cordas o disco gira rapidamente e as duas imagens se fundem em uma só.
  • fenaquistocópio 1828 Joseph Plateau físico e matemático belgaBrinquedo composto por um disco com imagens pintadas em sequência em torno do eixo e um outro discocom frestas encaixado paralelo a ele. Os dois discos estão presos a uma haste com um cabo. A pessoasegura a haste com uma mão e gira os discos com outra. Assim, vistas através das frestas, as imagensganham movimento.
  • estroboscópio 1832 Simon Von Stampfer matemático austríacoAprimoramento do fenaquistocópio, este brinquedo consiste em um único disco com fresta abertas entreas imagens. O observador vê as imagens através das frestas com o dispositivo em frente a um espelho.A brincadeira fez bastante sucesso ao longo de todo o século XIX.
  • dædalum 1834 William Horner matemático inglêsDesenhos em sequência, feitos em tiras de papel, são montados dentro de um tambor giratório com frestasabertas na parte de cima. O observador, ao girar o aparelho, pode ver as imagens desenhadas em movi-mento. Este brinquedo também é conhecido como Roda do Diabo, Zootropo e Roda da Vida.
  • kineógrafo 1868 John Barnes Linnet litógrafo inglêsBrinquedo prático, barato e, até hoje, bastante popular, o livro mágico ou flipbook é o conhecido livro defotos ou desenhos em sequência. Passando as páginas rapidamente com a mão, vemos um movimento.
  • praxinoscópio 1877 Charles-Émile Reynaud professor e inventor françês O aparelho é semelhante ao zootropo, mas, em vez das frestas acima da tira das imagens, há no centro uma roda menor, composta por espelhos. Vemos as imagens animadas na roda maior refleti- das nesses espelhos da roda menor e o efeito fica mais agradável.
  • teatro óptico 1882 Charles-Émile Reynaud professor e inventor françêsTambém conhecido como teatro praxinoscópio, o invento é uma junção do praxinoscópio com a lanterna mágica einstaura um espetáculo feito com imagens animadas em tiras transparentes com perfuração lateral para serem tra-cionadas por engrenagem. Os filmes, chamados de pantomines lumineuses (pantomimas luminosas), são coloridos,têm enredo, trilha sonora sincronizada e quinze minutos de duração.
  • fotografia sequencial 1877 Eadward Muybridge fotógrafo inglês Método fotográfico para analisar e decompor o movimento dos seres vivos através de imagens estáticas. Muybridge registrou o movimento de um galope de cavalo do seguinte modo: posicionou 12 câmeras (posteriormente 24) em uma pista de corrida com fios colocados de modo que quando o cavalo esbarrava, os fios esticavam e acionavam os obturadores. Seu experimento comprovou que em determinado momento as quatro patas do cavalo ficam suspensas.
  • fuzil fotográfico 1878 Étienne-Jules Marey cronofotógrafo françês Combinação do mecanismo do revólver com o da câmera fotográfica, permite registrar as sucessivas etapas de um movimento. Marey desenvolve este equipamento a fim de captar momentos do vôo de um pássaro. As imagens em seqüência ficam todas juntas em uma mesma tira fotogáfica e o tempo - Chronos - parece ficar ali grafado.
  • kinetoscópio 1891 Thomas Edison inventor inglêsÉ uma caixa, com um visor individual, através do qual se pode assistir à passagem ininterrupta de umapequena tira de filme com imagens fotográficas em movimento. Os filmes poderiam ser assistidos mediante ainserção de uma moeda. Edison também inventa o kinetógrafo: uma câmera filmadora, ou seja, uma câmerafotográfica que faz várias fotos por segundo, capturando, assim, uma seqüência de imagens em movimento.
  • cinematógrafo 1895 Auguste e Luis Lumière inventores françesesCâmera filmadora e projetor de filmes, essa tecnologia simboliza um marco na história da imagem emmovimento. O cinematógrafo faz uma série de fotos em apenas um segundo e, depois, ao projetar o filme,cria condições para a reconstituição perceptiva do movimento a partir das imagens paradas. O curiosodesse brinquedo é que ele não tem visor, o cinefotógrafo enquadra por aproximação.
  • animaemrede.blogspot.com