Rota 1 - Setúbal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Rota 1 - Setúbal

  • 498 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
498
On Slideshare
498
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Curso Profissional: Técnico de Agência de Viagens e Transportes Disciplina: Turismo Um Passeio pela Natureza
  • 2. MAPA Trabalho Realizado Por: Albertina Lima, nº1 Ana Martins, nº 3 Elígia Ribeiro, nº8 Núria Cepeda, nº25
  • 3. rota 2 rota 1 D A B C E José Maria Da Fonseca Quinta de Alcube Parque Natural Da Serra da Arrábida Cabo Espichel Fortaleza De S. Filipe
  • 4. • Rota 1 • Cidade de Setúbal • Igreja de Jesus • Forte de S. Filipe • Parque Natural da Arrábida • Portinho da Arrábida • Museu de Oceanografia • Convento da Arrábida • Cabo Espichel • Santuário de Nossa Senhora do Cabo • Pegadas e rastos de cauda de dinossauros • José Maria da Fonseca • Quinta de Alcube
  • 5. Setúbal – A Cidade do Rio Azul
  • 6. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Cidade portuguesa • Sede de concelho (atualmente com 8 freguesias)
  • 7. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Capital de distrito • Situada junto da foz e na margem direita do Rio Sado. • Com cerca de 121.185 habitantes (dados dos Censos 2011)
  • 8. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Constituída por muitos bairros tradicionais (habitados por grande parte da comunidade de pescadores, sendo ainda hoje visíveis alguns traços dessa época) – Bairro de Troino – Fontainhas – Bairro Santos Nicolau – Fonte Nova O Bairro Salgado por sua vez, era o bairro onde habitava a burguesia (séc. XIX).
  • 9. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • No passado… – Importante centro da indústria conserveira (conservas de peixe) – Um dos portos mais ativos do país, estando o seu desenvolvimento sempre ligado às atividades marítimas favorecidas pela sua localização na foz do Rio Sado – Outros produtos também se destacaram desde o século XIV, nomeadamente as uvas, vinhos e laranjas – Ainda hoje, os vinhos produzidos na região têm fama, nomeadamente vinhos de mesa e o moscatel conhecido como de Setúbal
  • 10. Setúbal – A Cidade do Rio Azul Setúbal está ainda referenciada como o berço de vultos da cultura portuguesa, entre os quais se destaca: – Bocage (poeta do séc. XIX, conhecido pelo tom irónico e a crítica social que inseria em tudo o que escrevia)
  • 11. Setúbal – A Cidade do Rio Azul – Luísa Todi (importante cantora lírica)
  • 12. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Cidade com um centro histórico de volume, compreendido entre duas muralhas, agrupando um conjunto de monumentos e edifícios civis, com vários estilos (do gótico ao barroco), oferecendo variados pontos de interesse, nomeadamente, entre muitos:
  • 13. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Aqueduto dos Arcos (séc. XV) - Algodeia
  • 14. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Casa de Bocage - Rua Edmond Bartissol, nº12
  • 15. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Casa do Corpo da Guarda - Praça Bocage
  • 16. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Casa do Corpo Santo - Localizado perto da Sé (séc. XVI)
  • 17. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Chafariz do Sapal - Praça Teófilo Braga
  • 18. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Cruzeiro de Setúbal - Praça Miguel Bombarda (Largo de Jesus)
  • 19. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Porta de S. Sebastião - Largo dos Defensores da Pátria
  • 20. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Salga Romana com 14 tanques (Cetária) - Travessa Frei Gaspar, 10 (séc. I) no subsolo do edifício onde se encontravam os serviços da Região de Turismo Costa Azul
  • 21. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Quinta dos Bonecos - (séc. XIX) – Localizada na periferia da cidade, em zona contígua ao Parque Natural da Arrábida
  • 22. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Igreja e Convento de Jesus - Com cerca de cinco séculos, é o marco inicial do Manuelino
  • 23. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Museu do Trabalho Michel Giacometti – Largo Defensores da República
  • 24. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Estátua de Bocage - Situa-se na praça com o mesmo nome
  • 25. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Nos arredores da cidade, existem espaços naturais de grande beleza, destacando-se: – Reserva Natural do Estuário do Sado – onde se podem observar golfinhos em liberdade, sapais, aves, etc – Parque Natural da Arrábida – de características únicas, que falaremos mais à frente
  • 26. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Destacam-se ainda excelentes praias: – Figueirinha – Galapos – Portinho da Arrábida – Tróia – embora pertença a outro concelho, Setúbal oferece acesso fácil a esta praia que se situa na margem oposta do Rio Sado, com cerca de 18 kms de praias e atrativos turísticos
  • 27. Setúbal – A Cidade do Rio Azul • Setúbal oferece ainda uma grande variedade de escolha a nível gastronómico, existindo muitos restaurantes com as especialidades da terra, destacando-se: – Peixe Assado – Caldeirada – Choco frito – Marisco • Nos últimos anos, a cidade foi palco de variadas requalificações, sobretudo na zona ribeirinha, tendo sido criados diversos espaços públicos de grande interesse turístico, que associado ao excelente clima e magníficas paisagens, torna Setúbal um grande atrativo para quem a queira visitar.
  • 28. Igreja de Jesus • Um dos pontos de interesse da cidade de Setúbal • Considerado um dos tesouros da região • Um dos principais marcos do estilo Manuelino em Portugal, classificado como Monumento Nacional • Fundado em 1490 pela ama do rei D. Manuel I, Justa Rodrigues Pereira • Quatro anos mais tarde, o Rei D. João II mandou ampliar o projeto e em 1496 foi ocupado pelas Freiras Clarissas
  • 29. Igreja de Jesus • Estilo gótico • Igreja com um interior de grande aparato, com as suas belas janelas, arcos e colunas torsas (torcidas) feitas em brecha (pedra típica da Serra da Arrábida), que sustentam as abóbadas, exibindo um teto com nervuras espiraladas. • Capela-mor revestida por azulejos de caixilho (quatro azulejos compõem uma imagem), tendo sido instalado um retábulo de pintura entre 1520 – 1530, que atualmente se encontra na galeria de Pintura Renascentista anexa à Igreja.
  • 30. Igreja de Jesus • Por ter atingido um estado elevado de degradação, este Monumento Nacional tem sido nos últimos anos, alvo de um projeto de recuperação e restauro, embora com muitas contrariedades, nomeadamente devido a cortes orçamentais. • No Convento funciona também o Museu de Setúbal, recolhendo coleções na área da arte, história, arqueologia, numismática (moedas e medalhas) e arte contemporânea.
  • 31. Forte de S. Filipe de Setúbal • Outro ponto de interesse da cidade de Setúbal, também conhecido como Castelo de São Filipe • Localizado numa posição dominante, numa colina frente ao litoral da cidade, dominando a margem esquerda da foz do Rio Sado e o oceano Atlântico • De arquitetura militar maneirista (estilo e movimento artístico que se desenvolveu na Europa aproximadamente entre 1515 e 1600) • Mandado construir durante o reinado de D. João III (1521-1557), com o objetivo de defesa desta zona do litoral português
  • 32. Forte de S. Filipe de Setúbal • Devido a dificuldades financeiras os trabalhos de construção sofreram vários atrasos, ocorrendo o lançamento da pedra fundamental da nova fortificação apenas em 1582 e a sua conclusão em 1600 • No reinado de D. João IV (1640-1656), no contexto da Restauração da Independência, o Governador das Armas de Setúbal – João de Saldanha – executou a ampliação desta defesa, adicionando bateria baixa (plataforma para dispor bocas de fogo numa fortificação), entre 1649 e 1655, estrutura que veio colmatar a deficiência da artilharia em cobrir o acesso fluvial ao porto.
  • 33. Forte de S. Filipe de Setúbal • A partir de 1940 passou a ser objeto de obras de conservação e restauro, a cargo da Direcão Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais • Em 1964 foi criado o projeto de adaptação da estrutura, às funções da atual pousada, admitida na rede Pousadas de Portugal. • Com o sismo de 1969, sofreu novos danos, tendo a recuperação sido concluída no ano seguinte. • Atualmente a Pousada encontra-se em funcionamento, oferecendo aos turistas a paisagem deslumbrante sobre o Rio Sado, proporcionando- lhes o desfrutar dos arredores naturais, com caminhadas pela Serra da Arrábida ou atividades no rio.
  • 34. Parque Natural da Arrábida • Estende-se por uma área de 10.800 hectares, abrangendo as áreas concelhias de Setúbal, Palmela e Sesimbra • De características naturais de grande beleza e originalidade • A “cadeia Arrábida”, é um conjunto de relevos constituídos por: – Serra de S. Luís – Gaiteiros – S. Francisco – Louro – Serra da Arrábida - mais elevado expoente , de constituição calcária, local onde se verifica o contacto com o mar
  • 35. Parque Natural da Arrábida • O Parque Natural da Arrábida - PNA - foi criado com a intenção de promover a preservação: – Dos valores naturais – Dos valores históricos • O PNA apresenta-se ainda como uma área de revitalização dos espaços rurais e atividades tradicionais, promovendo também a economia local, através de: – Fabrico artesanal do queijo de Azeitão – Fabrico de variadíssimos vinhos de mesa, bem conhecidos quer a nível nacional quer a nível internacional (vários já premiados), das regiões de Setúbal, Azeitão e Palmela.
  • 36. Parque Natural da Arrábida • Esta serra apresenta-se como uma relíquia única contendo vegetação natural de importância, não só nacional, como internacional. • Dos vários estudos efetuados, registaram-se até hoje 1450 espécies e subespécies na região designada por setor arrabidense, no qual sobressaem as espécies de origem mediterrânica em algumas áreas
  • 37. Parque Natural da Arrábida • No Parque Natural da Arrábida, existem diversos relevos de grande interesse geológico: – Afloramentos rochosos – Calcários brancos do Sul – Calcários cinzentos do Norte – Brecha da Arrábida • A existência de diversos recursos naturais como as mangas de calcários, dolomíticos e siliciosos faz deste local um grande centro de extração de materiais de construção e cimento.
  • 38. Parque Natural da Arrábida • No passado e durante muitos anos, foi uma importante coutada de caça, onde existiu uma fauna diversificada que incluía, entre outras espécies, lobos, javalis, e veados, estes últimos extintos nesta zona já no século XX (1901). • Atualmente, embora menos rica, a fauna da Arrábida apresenta ainda grande diversidade que importa salvaguardar. Nos mamíferos destacam-se: – O gato-bravo – O geneto – O saca-rabos, – O texugo – A raposa – A lebre – O coelho – E ainda a existência de colónias de morcegos
  • 39. Parque Natural da Arrábida • A serra da Arrábida constitui um extraordinário componente natural com uma rara beleza e um enorme valor paisagístico, onde se regista a presença Humana. • Ao longo dos séculos usufruíram desta beleza natural, poetas e pensadores contemplativos, estudiosos e eremitas, e não é por acaso que ali se ergue o Convento da Arrábida, com uma importante biblioteca franciscana.
  • 40. Portinho da Arrábida • Pequena aldeia, pertencente à freguesia de São Lourenço, concelho e distrito de Setúbal • Localização: – Rodeada a Norte pela Serra da Arrábida, – A Oeste de Setúbal (cerca de 13 km) – A Este de Sesimbra cerca de 21 km) – A Sul o Oceano Atlântico, junto à foz do rio Sado • Um dos acessos, vindo de Setúbal, faz-se por terra, pelo interior da serra, através de uma estrada montanhosa, estreita e com um pavimento já desgastado pelo tempo. • A dificuldade do caminho é superada pela beleza das paisagens que acompanham o percurso. • Chegados ao sopé da serra, deparamo-nos então com a praia do Portinho da Arrábida, considerada uma das mais bonitas de toda a costa portuguesa.
  • 41. Portinho da Arrábida • Em frente, pode-se encontrar o Parque Marinho Professor Luís Saldanha, o qual apresenta uma área com elevadíssima biodiversidade, registando um portefólio de mais de mil espécies de fauna e flora marinhas, e cuja riqueza é reconhecida como importantíssima, tanto a nível nacional como europeu • De salientar ainda a célebre Pedra da Anixa, um afloramento rochoso, a cerca de 100 metros da praia, conhecida por ser uma reserva zoológica do Parque Natural da Arrábida e por ser um local de caça submarina.
  • 42. Museu Oceanográfico • Localiza-se no Forte de Santa Maria da Arrábida e possui uma coleção de fauna e flora da Arrábida, fundada pelo naturalista setubalense Luís Gonzaga do Nascimento. • Em 1978, a fortaleza foi entregue ao Parque Natural da Arrábida, uma vez que se situa na zona do Parque e é considerado imóvel de Interesse Público. • Desde então, foram efetuadas largas obras de recuperação do imóvel e instalado o Museu Oceanográfico em 1991.
  • 43.  Está meio escondido entre as árvores da vertente sul da Serra de Arrábida, virada para o mar, em Setúbal.  Pertence à Fundação Oriente, uma fundação portuguesa constituída em 18 de Março de 1988 e criada pela Sociedade de Turismo e Diversões de Macau.  Uma das contrapartidas impostas pela Administração de Macau foi à concessão em regime exclusivo da exploração do jogo naquele território até 31 de Dezembro de 2001.  A fundação está sedeada na Rua do Salitre em Lisboa, sendo responsável pelo Museu do Oriente em Alcântara.  O Convento Velho, situa-se na parte mais elevada da serra, o Convento Novo, localiza-se a meia encosta o Jardim e o Santuário do Bom Jesus e ainda, junto ao convento mas autónomos, os aposentos do Duque de Aveiro e as casas onde eram alojados os peregrinos. Convento da Arrábida
  • 44.  O Cabo Espichel está localizado a ocidente da vila de Sesimbra em Setúbal.  É delimitado a sul e oeste pelo oceano Atlântico e a norte pela estrada nacional 379 e Ribeira dos Caixeiros.  O Cabo Espichel é um dos locais mais notáveis da Costa Portuguesa  Início da imensidão do mar  Local de culto religiosos onde o Santuário de Nª Senhora do Cabo atraía romarias dos mais diversos locais  Local do maior interesse do ponto de vista botânico e do ponto de vista ornitológico  É também para programas de Observação da fauna, da flora e da paisagem. Cabo Espichel
  • 45. O Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel, também é conhecido por Santuário de Nossa Senhora da Pedra Mua Da flora destaca-se, plantas extremamente raras que existem apenas nos afloramentos calcários e nas arribas costeiras tais como: arrabidenses, a Corriola do Espichel e o Trovisco do Espichel. Cabo Espichel Santuário da Nossa Senhora do Cabo
  • 46. • Há mais de 600 anos, em meados do século XIV, foi construída uma ermida para guardar uma imagem da Virgem, venerada há muito em cima do rochedo onde foi encontrada. • De planta quadrangular e paredes pouco elevadas, o templo é coroado por uma invulgar cúpula contracurva, em forma de bolbo, terminada por um pináculo boleado (mas cuja bola terminal desapareceu nos anos 90 do século passado). • O templo, de origem medieval, foi construído precisamente no local onde, segundo reza a tradição, terá sido achada a imagem de Nossa Senhora, no século XIII. O local foi muito popular junto dos peregrinos, depois de um homem ter tido uma visão de uma grande luz que brilhava sobre o Cabo. Lá chegado, teria visto Nossa Senhora subindo no dorso de uma mula pela rocha acima. Cabo Espichel Ermida da Memória
  • 47.  A Casa dos Círios (ou Hospedarias) situa-se no Cabo Espichel.  As Hospedarias são constituídas por duas alas de edifícios de rés-do-chão e primeiro andar, sobre arcadas de pedra, que ladeiam a Igreja de Nossa Senhora do Cabo. Trata-se de construções típicas da arquitectura popular saloia, que assim contrastam com o carácter erudito da igreja barroca.  À igreja afluíam antigamente vários e numerosos grupos de círios (grandes grupos de peregrinos).  Foi ao designado "círio saloio", integrando romeiros das redondezas da capital, que coube o incentivo da construção do santuário e de algumas das hospedarias, conforme se pode ler numa lápide: "Casas de N. Sra. de Cabo feitas por conta do Sírio dos Saloios no ano de 1757 p. acomodação dos mordomos que vierem dar bodo". Cabo Espichel Casa dos Círios
  • 48.  Foi construída em 1770, por iniciativa do rei D. José I, que nesse ano ali se deslocou em romaria.  Tem forma hexagonal, coberta por cúpula em meia-laranja rematada por lanternim, cimalha envolvente, cunhais apilastrados marcando as seis faces. É antecedida por escadaria de vários lanços.  No interior, uma fonte "rocaille" em mármore, com motivos escultóricos ao gosto Berniniano, bancos de pedra ao longo das paredes, restos de um silhar de azulejo (Fábrica de Belém) com cenas de caça e cenas alusivas aos círios.  A Casa da Água recebia a água trazida por (aqueduto) desde a (Azóia), a aldeia mais próxima, por uma extensão de aproximadamente 2,5 quilómetros. Possuía um poço e dois tanques para dar de beber aos animais. A Casa da Água
  • 49.  Há notícias que já em 1430 a irmandade de N.S.ª do Cabo tinha instalado um farolim predecessor do actual farol.  A torre actual foi inaugurada em 1790, em 1865 era alimentado por (azeite), mudando para (combustível) em 1886, quando a sua (luz) passou a ser alimentada por incandescência de (vapor) de (petróleo) e, muito mais tarde em 1926 por (electricidade).  Em 1983 este farol tinha instalado um aparelho iluminante chamado de primeira ordem que emitia luz em grupos de quatro clarões brancos, em vez do antigo sistema de luz fixa. Com este novo sistema passou a ter um alcance luminoso de vinte e oito milhas náuticas (quarenta e cinco quilómetros).  A estrutura de apoio ao farol foi aumentada para os lados por volta de 1900.  Em 1947 entrou numa nova era no que diz respeito à iluminação. Foi montado um aparelho óptico aeromarítimo, que já tinha estado ao serviço do Farol do Cabo da Roca. Cabo Espichel Farol
  • 50. Pegadas e Rastos De Cauda de Dinossauros
  • 51. Em Portugal, podem-se encontrar diversas jazidas com pegadas de dinossauros. Como exemplo disso temos, as pegadas de saurópodes que se encontram na Pedreira do Galinha, no Parque Natural de Serras d’Aire e Candeeiros, com cerca de vinte pistas distintas, inclusive duas das vinte são consideradas das mais longas do mundo. Cabo Espichel Sintra
  • 52. Esta prova fez com que a lenda caísse em desuso, passando assim, a serem as ditas pegadas, finalmente reconhecidas como pegadas de dinossauros. Contudo, de acordo com investigadores, Portugal está entre os países mais ricos em espécies de dinossauros, seguidamente dos países, Estados Unidos, a Argentina, Canadá, Mongólia e China. Sendo um país rico em ossos de dinossauros, ovos, e pegadas, numa área em que também tem um dos melhores registos mundiais. Nas camadas de calcário que limitam a sul a baia dos Lagosteiros, foram encontrados rastos deixados por uma mula gigante que teria outrora transportado a Nossa Senhora, desde o mar até ao topo da arriba, originando, a lenda da Nossa Senhora da Pedra da Mua, ficando assim, esta região conhecida e identificada por tal lenda, desde o século XIII até ao século XX, quando foram analisadas e identificadas como rastos de dinossauros.
  • 53. História Produtos Vinhos Localização Loja e Visitas Contactos
  • 54. História:  Na Quinta de Alcube, encontra-se a sua capela renovada, que faz parte da história da povoação que habitou o local há mais de sete mil anos atrás, com fragmentos descobertos pela Universidade de Belas Artes de Lisboa.  Capela essa que foi considerada como um monumento Nacional.
  • 55. PRODUTOS: Para além do vinho, os produtos exclusivos, são também o mel, os ovos e os patos, as laranjas e os queijos de ovelhas de raça Saloia.
  • 56. O vinho da Península de Setúbal é um dos produtos que mais se destaca, nas diversas atividades praticadas, na quinta. Contudo, os géneros utilizados que mais se destacam são:  Castelão;  Trincadeira; Cabernet Sauvignon; Syhra; Aragonês e Alicante Bouchet, nas tintas; Fernão Pires; Moscatel de Setúbal, nas Brancas. Vinhos:
  • 57. CASTELÃO, 2004 (Tinto) Região: Regional Península de Setúbal Castas: Castelão Produtor: Quinta de Alcube Álcool: 14% Enólogo: Jaime Quendera Nota de Prova: Boa cor onde se destaca a sua concentração, os aromas iniciais são marcados pela fruta madura e alguma tosta que juntamente com a baunilha confere intensidade ao conjunto, evoluem para uma complexidade que impressiona durante a prova, na boca é estruturado, suave e bem agradável, a fruta continua bem presente e as especiarias aparecem de quando em vez, o final é prolongado. Classificação Pessoal: 16 Análise/ Estudo feito em: 2007
  • 58. TRINCADEIRA, 2004 (Tinto) Região: Regional Península de Setúbal Castas: Trincadeira Produtor: Quinta de Alcube Álcool: 14% Enólogo: Jaime Quendera Notas de Prova: Cor bem rubi, cheia de intensidade, no nariz é percetível a madeira que acompanha a fruta madura durante toda a prova, leves notas vegetais e herbáceas, denota ainda alguma juventude, na boca tem estrutura e alguma complexidade, as especiarias formam um conjunto interessante com a fruta, taninos presentes, boa acidez e final de persistência média. Classificação Pessoal: 15.5 Análise/ Estudo feito em: 2007
  • 59. Região: Regional Península de Setúbal Castas: Cabernet Sauvignon, Trincadeira e Syrah Produtor: Quinta de Alcube Álcool: 14% Enólogo: Jaime Quendera Nota de Prova: Nariz complexo mas que já mostra alguma fruta madura e fruta em passa, especiarias dominantes num conjunto ainda um pouco tostado, algum fumado, na boca é volumoso, com boa presença e taninos cheios de garra, a evolução em garrafa foi positiva pois amaciou a tosta e enalteceu a fruta, o final revela uma persistência assinalável e um grande equilíbrio. Classificação Pessoal: 16.5 Análise/ Estudo feito em: 2007 TRINCADEIRA, Reserva 2003 (Tinto)
  • 60. Zona Agrícola Zona Produtiva Materiais Galeria de Fotos:
  • 61. Material de Reprodução de Vinho
  • 62. LOCALIZAÇÃO: A Quinta de Alcube, encontra-se na zona de Azeitão, mais propriamente, no Parque Natural da Arrábida, entre as Serras de São Francisco e São Luís, estendendo-se assim, por 200 hectares de espaço rural, onde ainda se conseguem ouvir os sons da Natureza, pelo fato de encontrar-se em perservação. LOJA E VISITAS: Venda ao Público, Provas de Vinho e Visitas Guiadas Horário de Loja: Seg a Sexta: 10h ás 13h e 14h30 ás 18h Sábados/Domingos/Feriados:10h ás 13h e 15h ás 18h.
  • 63. CONTACTOS : Telf/Fax:212191566 quintadealcube@gmail.com
  • 64. História Marcas e Fatos Vinhos Localização Loja Visitas Contactos
  • 65.  José Maria da Fonseca, nasceu na região do Dão, Nelas, a 31 de maio de 1804.  Formando-se bacharel em matemática na Universidade de Coimbra, iniciando assim, em Vila Nogueira de Azeitão, onde funda a empresa com o seu nome em 1834, até ao seu falecimento em 1884.  Cria e lança diversas marcas, como o Moscatel de Setúbal (1849), Periquita (1850), e Palmela Superior (1866).  Em 1857, ganha elogios e méritos, inclusive, pelo rei D. Pedro V, que lhe confere a Ordem da Torre e Espada de Valor, Lealdade e Mérito.  Na mesma altura, o Brasil, torna-se o principal destino dos vinhos da JMF.  Em 1945 é lançado o primeiro vinho branco no mercado nacional, Branco Seco Especial (BSE).  Em 1959, é lançada a marca Terras Altas com vinhos do Dão. Os vinhos "Pasmados", primeiramente conhecidos como Branco Velho e Tinto Velho, marcam a sua diferença também em 1959. História:
  • 66.  Nos anos 80, são feitos novos investimentos: aquisição de vinha (Casa Agrícola José de Sousa Rosado Fernandes, em Reguengos e da Vinha Grande de Algeruz, em Setúbal) e modernização de todo o processo de vinificação, estágio e envelhecimento dos vinhos.  Em 1996, o irmão de José Fonseca, Domingos Franco, conhecido como vice- presidente e responsável pela enologia, assume o comando da JMF.  josé Maria da Fonseca detém, neste final de século, 600 hectares de vinha, 500 dos quais na Península de Setúbal e os restantes no Alentejo. A estes devem juntar-se 150 hectares de gestão por conta de terceiros.
  • 67.  Marca Faísca – 1937  Marcas Lancers – 1944  Marcas Piriquita Clássica, Premium e Coleção Privada DSF. - 1997  Compra da Quinta das Faias. – 1997  Construção do Centro de Vinificação Frenando Soares Franco - 1999  Criação da JMF E Van Zeller SA e compra da propriedade Vale da Mina (douro). – 2000  Introdução da nova garrafa do Lancers e campanha de relançamento nacional e internacional. – 2004  Nova campanha publicitária do Periquita e nova imagem institucional JMF. – 2006  Volume de negócios: 24 milhões de euros.  Exporta 75% da produção. Marcas e Factos:
  • 68.  Os destinos correspondentes às principais exportações de produção são, a Suécia o Brasil, Itália, EUA, e Holanda.  Os vinhos da JMF estão presentes em 50 países, com 33 marcas distribuídas por vinhos de mesa, e licores.  A Periquita é a maior marca, seguidamente os Lancers, Moscatel de Setúbal JMF e BSE ( Branco Seco Especial).
  • 69. LOJA E VISITAS: Visitas disponíveis em: Português, Inglês, Francês e Espanhol. Outros idiomas: traduzidos pelo guia do grupo. Horários: Entre as 10h e as 12h. Entre as 14:30h e as 17:30h. De Segunda a Domingo, incluído feriados. Para Marcação de Visitas: enoturismo@jmfonseca.pt tel:+351212198940 fax:+351212198942
  • 70. Casa Museu Permite que os interessados visitantes, possam fazer um percurso na história da JMF, numa visita às suas instalações, onde a arte de fazer vinho se destaca. Loja de Vinho Integrada na Casa Museu, a José Maria da Fonseca, dispõem de uma loja onde pode adquirir os vinhos da Empresa. Horário de Loja: De Segunda a Domingo, incluindo feriados, das 10h às 13h e das 14h às 18:30h. Morada: Rua José Augusto Coelho, nº11-13 2925-942 Azeitão Tel: +3512121198959
  • 71. • Após o termo do presente trabalho, concluímos que a Península de Setúbal é um destino turístico bastante atrativo e dotado de bastante diversidade. • É uma região que engloba os 10 Produtos Turísticos, sendo Setúbal sem dúvida, um mundo a descobrir, privilegiada pelo seu clima, pela sua localização e por todas as suas qualidades e valores patrimoniais, ambientais e culturais que possui. • Passou a pertencer ao Clube das Mais Belas Baías do Mundo, em 14 de novembro de 2002. • Haveria muito mais a dizer, muito mais a registar, contudo pensamos que deixámos referenciados os principais pontos dos temas propostos. Conclusão
  • 72. http://www.ine.pt/scripts/flex_provisorios/Main.html http://vfc.no.sapo.pt/setubal/index.html#descricao http://pt.wikipedia.org/wiki/Set%C3%BAbal#Demografia http://setubalense.planetaclix.pt/temas/setubal.htm http://www.mun-setubal.pt/pt/categoria/historia/1 http://pt.wikipedia.org/wiki/Set%C3%BAbal http://www.guiadacidade.pt/pt/poi-igreja-convento-de-jesus-de-setubal-17285 http://pt.wikipedia.org/wiki/Forte_de_S%C3%A3o_Filipe_de_Set%C3%BAbal http://pt.wikipedia.org/wiki/Parque_Natural_da_Arr%C3%A1bida http://www.azeitao.net/arrabida/pna/ http://www.mun-setubal.pt/ http://manuelinoemportugal.tumblr.com/ http://escape.sapo.pt/viagens/roteiro-descoberta-portinho-arrabida-27736 http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=616051 http://www.foriente.pt/68/visitas-e-contactos.htm http://dinossauros.weebly.com/pegadas-dinossauros.html~ http://www.cm-palmela.pt/pt/conteudos/turismo/o+que+beber/adegas/Quinta+de+Alcube/ http://www.jmf.pt/landing.html http://www.enoteca.pt http://www.jmf.pt/default.html Webgrafia