• Like
Região vinhateira do alto douro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Região vinhateira do alto douro

  • 265 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
265
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
22
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Região Vinhateira do Alto Douro Classificado pela UNESCO como Património da Humanidade Disciplina de TURISMO Trabalho realizado por Albertina Lima – N.º 1 – Turma TAV
  • 2. Introdução Este trabalho tem como finalidade referenciar a região vinhateira do Alto Douro, a qual foi classificada como Património da Humanidade, pela Organização das Nações Unidas para a Cultura, Ciência e Educação – UNESCO, tendo esta organização como objetivo identificar e preservar locais de importância cultural ou natural de excelência, classificando-os como património comum da humanidade. Nele serão descritas as diversas regiões demarcadas, onde é produzido o Vinho do Porto, sendo ainda aludido os diversos tipos de vinho e as suas classificações.
  • 3. Património Mundial da Unesco • Região Vinhateira do Alto Douro • Património da Humanidade • Classificado em 14 de dezembro de 2001, pela UNESCO
  • 4. Património Mundial da Unesco • Região com mais de 26 mil hectares; • Também conhecida como Alto Douro Vinhateiro; • Situada a nordeste de Portugal; • Banhada pelo Rio Douro; • Produz vinho há mais de 2.000 anos; • Primeira região vitícola demarcada do mundo, em 1756, por Marquês de Pombal, para promover e preservar a produção do já então célebre Vinho do Porto, tendo sido criada a Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro ou Real Companhia Velha.
  • 5. Património Mundial da Unesco • A Região do Douro foi demarcada inicialmente por 201 marcos de granito e cinco anos depois, em 1761, com mais 134 marcos, perfazendo o total de 335. • Em 10 de maio de 1907 (146 anos depois), a região demarcada estende-se para o Douro Superior, ao abrigo do decreto assinado por João Franco. • Contudo, ao longo do século XX, a Região Demarcada do Douro tem sido objeto de vários modelos de regulação (em 1995 é criada a Comissão Interprofissional da Região Demarcada do Douro - CIRDD), com o objetivo de regulamentar o sistema de distribuição do Benefício (quantidade de mosto autorizado para fazer o vinho do Porto, de acordo com as características e qualidade das videiras).
  • 6. Património Mundial da Unesco • Paisagem de rara beleza; • Caracterizada por atividades associadas à produção do vinho; • Representa um magnífico exemplo de uma tradicional região produtora de vinho da europa, onde socalco a socalco é referenciada uma escultura inédita, criando-se um ecossistema de valor único, preservado da erosão, devido às características de aproveitamento do terreno; • Milhares de hectares de vinha, sendo ainda hoje a viticultura, realizada quase totalmente à mão, devido à natureza do solo que dificulta a utilização de máquinas
  • 7. Concelhos abrangidos pela Unesco • Desta zona distinguida pela UNESCO, fazem parte treze concelhos, os quais se estendem ao longo das encostas do Rio Douro e dos seus afluentes, Varosa, Corgo, Távora, Torto e Pinhão: • Alijó • Armamar • Carrazeda de Ansiães • Lamego • Mesão Frio • Peso da Régua • Sabrosa • Santa Marta de Penaguião • São João da Pesqueira • Tabuaço • Torre de Moncorvo • Vila Nova de Foz Côa • Vila Real
  • 8. Divisão Geográfica A Região Demarcada do Douro divide-se em 3 zonas: • Baixo-Corgo – Representando 51% da área ocupada por vinha, inserida na margem direita do Rio Douro, desde Barqueiros ao Rio Corgo (Régua) e na margem esquerda, desde a freguesia de Barrô até ao Rio Temi-Lobos, nas proximidades da Vila de Armamar; • Cima-Corgo – Com 36 % da área ocupada por vinha da região demarcada, estende-se desde as fronteiras da região Baixo-Corgo e vai até ao meridiano que passa no Cachão da Valeira; • Douro Superior – Representado a área mais pequena, com aproximadamente 13%, desde as fronteiras da região Cima-Corgo, prolongando-se até à fronteira espanhola.
  • 9. Divisão Geográfica
  • 10. Divisão Geográfica Em cada zona da região demarcada, existem quintas que se distinguem pela sua importância, a nível da produção de mostos de grande qualidade, pela sua história, beleza e localização: Baixo-Corgo Quinta do Côtto Quinta do Vale Abraão Quinta da Pacheca
  • 11. Divisão Geográfica Cima-Corgo Quinta do Panascal Quinta do Bom Retiro Quinta das Carvalhas Quinta da Boavista Quinta do Infantado Quinta do Porto Quinta de La Rosa Quinta da Foz Quinta do Noval Quinta da Roeda Quinta dos Malvedos Quinta do Infantado
  • 12. Divisão Geográfica Douro Superior Quinta de Vargellas Quinta Vale do Meão Quinta da Ervamoira Quinta do Vesúvio
  • 13. Tipos de Vinho do Porto • O Vinho do Porto é um vinho licoroso, produzido na Região Demarcada do Douro. • O processo de fabrico, baseado na tradição, inclui: • A paragem da fermentação do mosto pela adição de aguardente vínica – aguardentação (adição de aguardente ao mosto em fermentação); • A lotação de vinhos (elaboração de um lote através da mistura de dois ou mais vinhos); • O envelhecimento (o processo de envelhecimento de um Vinho do Porto pode durar diversas dezenas de anos e é orientado de forma diferente conforme o tipo de vinho que se pretende obter).
  • 14. Tipos de Vinho do Porto
  • 15. Tipos de Vinho do Porto • Devido às suas características particulares, o Vinho do Porto distingue-se dos vinhos comuns; • Apresenta uma enorme diversidade de tipos, com uma riqueza e intensidade de aromas e sabores incomparáveis; • Possui uma vasta gama de doçuras e cores; • Apresenta um teor alcoólico elevado (compreendido entre os 19 e os 22% vol.).
  • 16. Tipos de Vinho do Porto • A identificação dos diferentes tipos de Vinho do Porto, rege-se por um conjunto de qualificações: • A cor que pode variar entre o retinto e o alourado-claro, sendo ainda possíveis todas as tonalidades intermédias (tinto, tinto-alourado, alourado e alourado-claro). Os Vinhos do Porto Branco apresentam tonalidades diversas (branco pálido, branco palha e branco dourado), intimamente relacionadas com a tecnologia de produção. Quando envelhecidos em casco, durante muito anos, os vinhos brancos adquirem, por oxidação natural, uma tonalidade alourada-claro semelhante à dos vinhos tintos muito velhos; • A doçura que pode ser muito doce, doce, meio-seco, ou extra seco. A doçura do vinho constitui uma opção de fabrico, condicionada pelo momento de interrupção da fermentação; • O envelhecimento.
  • 17. Tipos de Vinho do Porto O envelhecimento, pode ainda ser dividido em duas categorias consoante o tipo: Estilo Ruby – Envelhecimento em garrafa. Procuram-se nestes vinhos, suster a evolução da sua cor tinta, mais ou menos intensa, e manter o aroma frutado e vigor dos vinhos jovens. Neste tipo de vinhos, por ordem crescente de qualidade, inserem-se as categorias: Ruby Reserva Late Bottled Vintage (LBV) - Vinho que resulta apenas de colheitas de boas qualidades, passando entre 4 a 6 anos em cascos antes de ser engarrafado Vintage - Nem todas as vindimas os podem gerar, uma vez que são resultado de uma reunião de excecionais condições climáticas, permitindo maturações ideais para a criação máxima das vinhas do Douro Os vinhos das melhores categorias, principalmente o Vintage, e em menor grau o LBV, poderão ser guardados, pois envelhecem bem em garrafa. São especialmente aconselhados os LBV e os Vintage. Chegam ao mercado geralmente com a idade de três anos.
  • 18. Tipos de Vinho do Porto Ou… Estilo Tawny – Envelhecimento em madeira. Adquirido por lotação de vinhos de grau de maturação variável, conduzido através do envelhecimento em cascos ou tonéis. São vinhos em que a cor apresenta evolução, devendo integrar-se nas sub-classes de cor tinto-alourado, alourado ou alourado-claro. Os aromas lembram os frutos secos e a madeira; quanto mais velho é o vinho, mais estas características se acentuam. As categorias existentes são: Tawny Tawny Reserva Tawny com Indicação de Idade (10 anos, 20 anos, 30 anos e 40 anos) Colheita (data da colheita) São vinhos de lotes de vários anos, exceto os Colheita, que se assemelham a um Tawny com Indicação de Idade com o mesmo tempo de envelhecimento. Quando são engarrafados estão prontos para serem consumidos. Aconselham-se os vinhos das categorias Tawny com Indicação de Idade e Colheita. Envelhecem geralmente 5 anos em cascos de carvalho antes de serem engarrafados.
  • 19. Tipos de Vinho do Porto • O Vinho do Porto Branco apresenta-se em variados estilos, associados a períodos de envelhecimento, mais ou menos prolongados, e diferentes graus de doçura (seco, doce ou muito doce), que resultam do modo como é conduzida a sua elaboração. Aos vinhos tradicionais, juntaram-se os vinhos de aroma floral e complexo com um teor alcoólico mínimo de 16,5% (Vinho do Porto Branco Leve Seco) capazes de responder à procura de vinhos menos ricos em álcool. Este vinho chega ao mercado depois de três anos de estágio. • O Vinho do Porto Rosé, é um vinho de cor rosada, obtido por maceração (contacto prolongado do mosto com as partes sólidas da uva com vista à extracção de compostos responsáveis pela cor e aromas) pouco intensa de uvas tintas, não existindo fenómenos de oxidação durante a sua conservação. São vinhos para serem consumidos novos, com boa exuberância aromática, com notas de cereja, framboesa e morango. Na boca são suaves e agradáveis. Devem ser apreciados frescos ou com gelo, podendo ainda ser servidos em diversos cocktails.
  • 20. A Vinha A produção de uvas destinadas ao Vinho do Porto é controlada e definida através de diversos parâmetros: • Altitude • Sub-região • Exposição ao sol • Tipo de terreno, entre outros. Destes parâmetros, resulta uma pontuação e classificação das vinhas por letras, sendo anualmente definida a quantidade de Vinho do Porto a produzir, e quais as letras que são permitidas, assim como o quantitativo máximo por hectare. A esta licença chama-se «benefício» e é controlada pela Casa do Douro.
  • 21. A Vinha • O clima é seco, continental, protegido da influência marítima pela Serra do Marão. • A pluviosidade e a temperatura são muito irregulares, com amplitudes anuais enormes, chegando a atingir 45º no verão e temperaturas negativas nos meses de janeiro e fevereiro, concentrando-se as chuvas nos meses de inverno. • Os solos xistosos são relativamente pobres e ácidos, com alguma retenção da água para ceder às plantas no período quente. • A cultura da vinha evoluiu ao longo dos tempos, passando-se de terraços estreitos com muros de pedra do período pré-filoxérico, para terraços mais largos, em declive, que permitem trabalhar a vinha com animais. • Atualmente os terrenos são armados em patamares de quatro metros de largura, com taludes em terra, permitindo a mecanização da vinha.
  • 22. A Vinha As castas mais importantes usadas no vinho do Porto tinto são: • Touriga Nacional • Touriga Francesa • Tinta Roriz • Tinta Barroca • Tinto Cão • Tinta Amarela Nos brancos, utiliza-se: • Malvasia Fina • Codega • Rabigato
  • 23. Conclusão Com a realização deste trabalho pude constatar a importância, a nível mundial, da Região Demarcada do Douro e a produção do Vinho de Porto, desde a antiguidade e até aos nossos dias. Pude ainda caracterizar a viticultura da região do Douro e avaliar a importância do Vinho do Porto no comércio externo.
  • 24. Webgrafia consultada http://www.douro-turismo.pt/patrimonio-mundial.php http://whc.unesco.org/en/list/1046 http://pt.wikipedia.org/wiki/Patrim%C3%B3nio_Mundial http://www.douroiberico.com/ContentDetail.aspx?contentId=23 D183EA-B53B-4927-831E- A76FCAAD1F18&channelContentId=29C33D6E-0E93-4D76-8AAB- 9379B34B98F3&k4t_AgreementId=&k4t_AgreementTypeId=&pro ductType=&btnMenuTitle= http://www.ivdp.pt/pagina.asp?codPag=64&codSeccao=&idioma =0 http://mariajoaodealmeida.clix.pt/nm_quemsomos.php?id=37