Your SlideShare is downloading. ×
O realismo na literatura oitocentista
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

O realismo na literatura oitocentista

707
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
707
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA O Realismo na literatura oitocentista 1 Por Albertina Maria Seroido Branco Lima – N.º 1 – TAV – 1º Ano - Disciplina CLC.7 A LITERATURA REALISTA A Europa do século XIX sofre profundas alterações a todos os níveis, nomeadamente com as grandes revoluções científicas, técnicas e industriais, sendo estas acompanhadas por uma enorme agitação social, fruto da segunda fase da Revolução Industrial. O idealismo romântico, em vez de solucionar os problemas, tinha-os agravado, pelo que em 1857, surge, em França, Madame Bovary, de Gustave Flaubert, considerado o primeiro romance realista da literatura universal. Outros autores importantes:  O russo Fiódor Dostoiévski (1821-1881), cuja obra-prima é Os Irmãos Karamazov;  O português Eça de Queirós (1845-1900), que escreve Os Maias;  O russo Leon Tolstói (1828-1910), criador de Anna Karenina e Guerra e Paz;  Os ingleses Charles Dickens (1812-1870), autor de Oliver Twist, e Thomas Hardy (1840-1928), de Judas, o Obscuro. A tendência desenvolve-se também no conto, destacando-se entre os mais importantes autores o russo Tchekhov (1860-1904) e o francês Guy de Maupassant (1850-1893). O TEATRO REALISTA No Teatro, os palcos são ocupados com os problemas do cotidiano. O herói romântico é substituído por personagens do dia a dia e a linguagem torna-se familiar. O primeiro grande dramaturgo realista é o francês Alexandre Dumas Filho (1824-1895), autor da primeira peça realista, A Dama das Camélias (1852), que trata da prostituição. Fora da França, um dos expoentes é o norueguês Henrik Ibsen (1828-1906), onde em Casa de Bonecas, por exemplo, trata da situação social da mulher. São importantes também os dramaturgos e escritores Gorki (1868-1936), russo, autor de Ralé e Os Pequenos Burgueses, e o alemão Gerhart Hauptmann (1862-1946), autor de Os Tecelões.
  • 2. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA O Realismo na literatura oitocentista 2 1. Como se verifica o interesse pela realidade social no trecho de Flaubert? No trecho de Flaubert é retratada, com uma linguagem clara e direta, parte da sociedade da época, sendo mencionadas as suas roupas festivas, assim como os variados meios de transporte utilizados. 2. Como define Eça de Queirós o realismo? Eça de Queirós define realismo como uma base filosófica para todas as criações do espirito, considerando-o um roteiro do pensamento humano. Eça de Queirós, na 4.ª Conferência do Casino Lisbonense afirma que:  O Realismo é uma reação contra o Romantismo;  O Romantismo era a apoteose do sentimento;  O Realismo é a anatomia do carácter.  É a crítica do homem.  É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos - para nos conhecermos, para que saibamos se somos verdadeiros ou falsos, para condenar o que houver de mau na nossa sociedade. José Maria Eça de Queirós (1845- 1900), é considerado o mais importante nome do Realismo português, manifestando-se a sua obra na crítica da sociedade lisboeta e dos seus costumes, utilizando a ironia subtil e os recursos descritivos.
  • 3. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA O Realismo na literatura oitocentista 3 Na obra Os Maias, assim como noutras, Eça de Queirós, através da comédia de costumes, observa diversos quadros sociais, denunciando a corrupção, a frivolidade, a superficialidade, a ignorância e as mentalidades retrógradas. As obras de Eça:  O mistério da estrada de Sintra (1870)  O Crime do Padre Amaro (1875)  A Tragédia da Rua das Flores (1877-78)  O Primo Basílio (1878)  O Mandarim (1880)  As Minas de Salomão (1885)  A Relíquia (1887)  Os Maias (1888)  Uma Campanha Alegre (1890-91)  O Tesouro (1893)  A Aia (1894)  Adão e Eva no paraíso (1897)  Correspondência de Fradique Mendes (1900)  A Ilustre Casa de Ramires (1900)  A Cidade e as Serras (1901, póstumo)  Contos (1902, póstumo)  Prosas bárbaras (1903, póstumo)  Cartas de Inglaterra (1905, póstumo)  Ecos de Paris (1905, póstumo)  Cartas familiares e bilhetes de Paris (1907, póstumo)  Notas contemporâneas (1909, póstumo)  Últimas páginas (1912, póstumo)  A Capital (1925, póstumo)  O conde de Abranhos (1925, póstumo)  Alves & Companhia (1925, póstumo)  Correspondência (1925, póstumo)  O Egipto (1926, póstumo)  Cartas inéditas de Fradique Mendes (1929, póstumo)  Eça de Queirós entre os seus - Cartas íntimas (1949, póstumo).
  • 4. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA O Realismo na literatura oitocentista 4 3. Que outros escritores portugueses se integram na corrente realista? Escritores realistas portugueses, do século XIX:  Antero de Quental  Teófilo Braga  Oliveira Martins  Guilherme de Azevedo  João de Deus  Guerra Junqueiro  Fialho de Almeida  Abel Botelho  Ramalho Ortigão  Trindade Coelho  Gomes Leal  Machado de Assis (brasileiro)
  • 5. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA O Realismo na literatura oitocentista 5 4. A partir da análise dos documentos e do texto dos autores, mostre como as novas correntes estéticas e literárias se interessaram pela realidade social. O Realismo apresenta-se como uma doutrina filosófica e uma corrente estética e literária que procura a conformação com a realidade, estando as suas características intimamente ligadas ao momento histórico, refletindo as novas descobertas científicas, as evoluções tecnológicas e as ideias sociais, políticas e económicas da época. O Realismo preocupa-se com a verdade dos factos, a realidade concreta, a explicação lógica dos comportamentos, procurando ver a realidade de forma objectiva, surgindo como reação ao idealismo e ao subjetivismo emocional românticos. Este movimento da arte e da literatura, procura representar o mundo exterior de uma forma fidedigna, sem interferência de reflexões inteletuais e preconceitos, voltada para a análise das condições políticas, económicas e sociais. O romance realista procura fazer o retrato de uma época, dando conta dos espaços sociais, fazendo uma análise psicológica da sociedade, criticando-a a partir do comportamento das personagens, nomeadamente das que se consideram das classes dominantes (a burguesia), e procurando captar as condições mais miseráveis da vida real, tornando-se um veículo de crítica à igreja e à burguesia. A escravidão, os preconceitos raciais e a sexualidade são os principais temas, tratados com linguagem clara e direta. http://mariamarcelino.tripod.com/realismo.htm http://www.infoescola.com/livros/madame-bovary/ http://praelitteras.blogspot.pt/2012/05/gustavo-flaubert-eca-de-queiros.html