O realismo na literatura oitocentista
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

O realismo na literatura oitocentista

  • 1,092 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,092
On Slideshare
1,092
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
17
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA O Realismo na literatura oitocentista 1 Por Albertina Maria Seroido Branco Lima – N.º 1 – TAV – 1º Ano - Disciplina CLC.7 A LITERATURA REALISTA A Europa do século XIX sofre profundas alterações a todos os níveis, nomeadamente com as grandes revoluções científicas, técnicas e industriais, sendo estas acompanhadas por uma enorme agitação social, fruto da segunda fase da Revolução Industrial. O idealismo romântico, em vez de solucionar os problemas, tinha-os agravado, pelo que em 1857, surge, em França, Madame Bovary, de Gustave Flaubert, considerado o primeiro romance realista da literatura universal. Outros autores importantes:  O russo Fiódor Dostoiévski (1821-1881), cuja obra-prima é Os Irmãos Karamazov;  O português Eça de Queirós (1845-1900), que escreve Os Maias;  O russo Leon Tolstói (1828-1910), criador de Anna Karenina e Guerra e Paz;  Os ingleses Charles Dickens (1812-1870), autor de Oliver Twist, e Thomas Hardy (1840-1928), de Judas, o Obscuro. A tendência desenvolve-se também no conto, destacando-se entre os mais importantes autores o russo Tchekhov (1860-1904) e o francês Guy de Maupassant (1850-1893). O TEATRO REALISTA No Teatro, os palcos são ocupados com os problemas do cotidiano. O herói romântico é substituído por personagens do dia a dia e a linguagem torna-se familiar. O primeiro grande dramaturgo realista é o francês Alexandre Dumas Filho (1824-1895), autor da primeira peça realista, A Dama das Camélias (1852), que trata da prostituição. Fora da França, um dos expoentes é o norueguês Henrik Ibsen (1828-1906), onde em Casa de Bonecas, por exemplo, trata da situação social da mulher. São importantes também os dramaturgos e escritores Gorki (1868-1936), russo, autor de Ralé e Os Pequenos Burgueses, e o alemão Gerhart Hauptmann (1862-1946), autor de Os Tecelões.
  • 2. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA O Realismo na literatura oitocentista 2 1. Como se verifica o interesse pela realidade social no trecho de Flaubert? No trecho de Flaubert é retratada, com uma linguagem clara e direta, parte da sociedade da época, sendo mencionadas as suas roupas festivas, assim como os variados meios de transporte utilizados. 2. Como define Eça de Queirós o realismo? Eça de Queirós define realismo como uma base filosófica para todas as criações do espirito, considerando-o um roteiro do pensamento humano. Eça de Queirós, na 4.ª Conferência do Casino Lisbonense afirma que:  O Realismo é uma reação contra o Romantismo;  O Romantismo era a apoteose do sentimento;  O Realismo é a anatomia do carácter.  É a crítica do homem.  É a arte que nos pinta a nossos próprios olhos - para nos conhecermos, para que saibamos se somos verdadeiros ou falsos, para condenar o que houver de mau na nossa sociedade. José Maria Eça de Queirós (1845- 1900), é considerado o mais importante nome do Realismo português, manifestando-se a sua obra na crítica da sociedade lisboeta e dos seus costumes, utilizando a ironia subtil e os recursos descritivos.
  • 3. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA O Realismo na literatura oitocentista 3 Na obra Os Maias, assim como noutras, Eça de Queirós, através da comédia de costumes, observa diversos quadros sociais, denunciando a corrupção, a frivolidade, a superficialidade, a ignorância e as mentalidades retrógradas. As obras de Eça:  O mistério da estrada de Sintra (1870)  O Crime do Padre Amaro (1875)  A Tragédia da Rua das Flores (1877-78)  O Primo Basílio (1878)  O Mandarim (1880)  As Minas de Salomão (1885)  A Relíquia (1887)  Os Maias (1888)  Uma Campanha Alegre (1890-91)  O Tesouro (1893)  A Aia (1894)  Adão e Eva no paraíso (1897)  Correspondência de Fradique Mendes (1900)  A Ilustre Casa de Ramires (1900)  A Cidade e as Serras (1901, póstumo)  Contos (1902, póstumo)  Prosas bárbaras (1903, póstumo)  Cartas de Inglaterra (1905, póstumo)  Ecos de Paris (1905, póstumo)  Cartas familiares e bilhetes de Paris (1907, póstumo)  Notas contemporâneas (1909, póstumo)  Últimas páginas (1912, póstumo)  A Capital (1925, póstumo)  O conde de Abranhos (1925, póstumo)  Alves & Companhia (1925, póstumo)  Correspondência (1925, póstumo)  O Egipto (1926, póstumo)  Cartas inéditas de Fradique Mendes (1929, póstumo)  Eça de Queirós entre os seus - Cartas íntimas (1949, póstumo).
  • 4. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA O Realismo na literatura oitocentista 4 3. Que outros escritores portugueses se integram na corrente realista? Escritores realistas portugueses, do século XIX:  Antero de Quental  Teófilo Braga  Oliveira Martins  Guilherme de Azevedo  João de Deus  Guerra Junqueiro  Fialho de Almeida  Abel Botelho  Ramalho Ortigão  Trindade Coelho  Gomes Leal  Machado de Assis (brasileiro)
  • 5. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA O Realismo na literatura oitocentista 5 4. A partir da análise dos documentos e do texto dos autores, mostre como as novas correntes estéticas e literárias se interessaram pela realidade social. O Realismo apresenta-se como uma doutrina filosófica e uma corrente estética e literária que procura a conformação com a realidade, estando as suas características intimamente ligadas ao momento histórico, refletindo as novas descobertas científicas, as evoluções tecnológicas e as ideias sociais, políticas e económicas da época. O Realismo preocupa-se com a verdade dos factos, a realidade concreta, a explicação lógica dos comportamentos, procurando ver a realidade de forma objectiva, surgindo como reação ao idealismo e ao subjetivismo emocional românticos. Este movimento da arte e da literatura, procura representar o mundo exterior de uma forma fidedigna, sem interferência de reflexões inteletuais e preconceitos, voltada para a análise das condições políticas, económicas e sociais. O romance realista procura fazer o retrato de uma época, dando conta dos espaços sociais, fazendo uma análise psicológica da sociedade, criticando-a a partir do comportamento das personagens, nomeadamente das que se consideram das classes dominantes (a burguesia), e procurando captar as condições mais miseráveis da vida real, tornando-se um veículo de crítica à igreja e à burguesia. A escravidão, os preconceitos raciais e a sexualidade são os principais temas, tratados com linguagem clara e direta. http://mariamarcelino.tripod.com/realismo.htm http://www.infoescola.com/livros/madame-bovary/ http://praelitteras.blogspot.pt/2012/05/gustavo-flaubert-eca-de-queiros.html