Memórias e diário opinião sobre anne frank
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Memórias e diário opinião sobre anne frank

  • 222 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
222
On Slideshare
222
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA Memórias e diários – Opinião pessoal sobre o sofrimento de Anne Frank 1 Casa onde estiveram escondidos, sendo atualmente um museu Por Albertina Maria Seroido Branco Lima – N.º 1 – TAV – 1º Ano - Disciplina CLC.7 Anne Frank foi uma adolescente alemã de origem judaica, nascida em 1929, vítima do holocausto durante a Segunda Guerra Mundial. Anne Frank passou a maior parte da sua vida na Holanda, na cidade de Amesterdão, tendo a sua família mudado para esse local em 1933, ano em que os nazis subiram ao poder, na Alemanha. Com o início da Segunda Guerra Mundial, em 1942, o território holandês foi ocupado, sendo também o início da perseguição aos judeus, sendo esta perseguição estendida à população judaica residente na Holanda, facto que obrigou Anne Frank e a sua família a esconderem-se numsótão de um estabelecimento comercial. Esta adolescente morreu aos quinze anos, num campo de concentração e tornou-se mundialmente famosa com a publicação póstuma do seu diário – DIÁRIO DE ANNE FRANK, em 1947, no qual escreveu as experiências que viveu com a sua família, enquanto estiveram escondidos, durante dois anos (1942–1944), devido à perseguição aos judeus, até que foram denunciados às autoridades nazis, por um desconhecido que revelou o seu esconderijo. Foram então levados para campos de concentração, tendo apenas sobrevivido o pai de Anne – Otto Frank, que depois da guerra voltou a Amesterdão e teve acesso ao diário da filha. Anne escreveu no seu diário (de 12 de junho de 1942 a 1 de agosto de 1944) as suas intimidades, as situações ocorridas no “anexo”, assim como o quotidiano das pessoas corajosas e dedicadas que viviam ao seu redor e que a protegiam. O holocausto nazi,pôs em prática um plano de genocídio da população judaica, transformando a vida dos judeus, que era normal e estável: iam à escola, brincavam, passeavam, tinham os seus negócios, como qualquer cidadão alemão. Quando Hitler chega ao poder, tudo se modifica! É instalada uma ditadura absoluta alimentada por uma ideologia nazi racista, defendendo a existência de uma raça superior – a raça ariana, composta apenas por pessoas de raça “pura”. Esta raça era constituída por indivíduos altos, fortes, de pele clara e inteligentes, sendo assim uma raça superior às demais, pelo que as outras raças eram para Hitler um fator de perturbação para a sociedade, sendo necessário destrui-las ou submete-las ao serviço da raça superior. Os judeus foram submetidos a um registo e obrigados a usar uma ligadura com a estrela de David amarela no braço, para mais facilmente serem identificados. Este povo passa então a ser perseguido, humilhado e maltratado. Em 1938 dá-se a “Noite de Cristal” onde mais de 200 sinagogas são destruídas, 7.500 lojas fechadas e 30.000 judeus do sexo masculino enviados para campos de concentração, sendo
  • 2. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA Memórias e diários – Opinião pessoal sobre o sofrimento de Anne Frank 2 ainda nesse ano construídos os primeiros ghettos na Alemanha, onde os judeus eram isolados do mundo exterior. Hitler decide então começar a eliminar judeus em maior número, mantando-os a sangue frio, até que em 1941 é encontrada a “Solução Final” (extermínio do povo judeu através do genocídio). Depois de capturados, os judeus eram levados em comboios para os campos de concentração, tendo Auschwitz ficado o mais conhecido. Muitos deles não conseguiam chegar com vida, pois morriam com doenças e fome, uma vez que a viagem era muito longa e sem condições higiénicas, visto que viajavam em vagões para o gado, não existindo água nem alimentos. Os que não morriam não sabiam para onde iam nem o que os esperava, embora lhes tivessem transmitido que iam emigrar para trabalhar no Leste da Europa. Chegados aos campos, homens, mulheres e crianças eram separados por filas. Os que estavam em condições físicas iriam trabalhar, os outros eram imediatamente mortos, nas câmaras de gás, sendo os corpos queimados em crematórios. Foi sem dúvida uma atrocidade, considerado um dos factos mais terríveis da humanidade, em total desrespeito pelos direitos humanos! http://pt.wikipedia.org/wiki/Anne_Frank http://www.eb23-diogo-cao.rcts.pt/Trabalhos/nonio/xx/holoc/holoc.htm