ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA
Memórias e diários
1
Por Albertina Maria Seroido Branco Lima – N.º 1 – TAV – 1º Ano - ...
ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA
Memórias e diários
2
Namorados e da Amizade, para quem não tem namorado!” Esta minha s...
ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA
Memórias e diários
3
época) e a matéria era transmitida de uma maneira que suscitava i...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Diário

71

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
71
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Diário

  1. 1. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA Memórias e diários 1 Por Albertina Maria Seroido Branco Lima – N.º 1 – TAV – 1º Ano - Disciplina CLC.7 (2) O Texto A descreve um episódio passado no dia 11 de abril de 1944, na vida de Anne Frank, durante o período em que se encontra escondida com a sua família, num sótão de um estabelecimento comercial, durante a ocupação nazi na Holanda. O Texto B descreve as memórias relatadas por uma pessoa que se suicidou, através do seu espirito, relatando o que sente quando se depara com a sua própria morte. O que diferencia o Texto A do Texto B é que o primeiro refere-se a um relato diário, onde é descrita alguma reflexão, enquanto que o segundo relata um acontecimento passado há algum tempo – a morte do suicida – e as emoções sentidas, motivadas pelo acontecimento relatado. 14 de fevereiro de 2013 Querido diário, Hoje foi mais um dia como tantos outros… Acordei às 6:30h com o rádio despertador, o banho, secar o cabelo, o pequeno almoço… tudo cronometrado ao pormenor, para sair de casa uma hora depois, para mais um dia de trabalho. No serviço, o dia decorreu normalmente: às 8:30h reuni com o Sr. Presidente para agendamento de diversos assuntos, às 11:00h reuni com o novo vigilante, onde foi elaborado o planeamento do serviço da próxima semana e o restante dia com os normais telefonemas e solicitações de ajuda. Às 16:00h saí do serviço e dirigi-me a casa dos meus Pais, para a habitual visita diária. Às 17:30 fui buscar a minha sobrinha Carolina à escola, como faço todos os dias. Como sempre ela transmitiu-me o que aprendeu de novo na escola e hoje o tema foi o Dia dos Namorados. Com o seu habitual entusiamo ela disse-me: “Tia! Hoje é o Dia dos
  2. 2. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA Memórias e diários 2 Namorados e da Amizade, para quem não tem namorado!” Esta minha sobrinha é um encanto!... Faz-me lembrar quando eu tinha a idade dela… Às 19:00h fui para a escola, para a aula de PRA e após a aula saí, pois tinha o “meu namorado” à minha espera para me levar a jantar fora. Sei que o Dia dos Namorados é meramente comercial mas foi muito bom! Fomos ao restaurante chinês e divertimo- nos imenso! Estes momentos a sós fazem-me voltar no tempo 30 anos atrás e por instantes esqueço que o tempo passou tão rápido… Já não voltei à escola… fomos para casa! Memórias da minha infância… O meu Professor da escola primária… Vim para Setúbal em 1973, perto do início do ano letivo, tendo ingressado no 2º ano numa escola totalmente desconhecida para mim, onde inclusivamente se iniciou nesse mesmo ano, o ensino misto. Assim, iniciei o 2º ano numa escola onde os rapazes se faziam representar em cerca de 70% e para ajudar a Professora loira de aspeto angélico que me acompanhou no 1º ano, deu lugar a um Professor homem e de barbas! Perante este cenário, o primeiro dia de aulas não correu nada bem… fartei-me de chorar agarrada às saias da minha Mãe! O Professor disse então à minha Mãe que me levasse para casa, me acalmasse e para regressar no dia seguinte. Assim foi, no dia seguinte já aceitei de forma diferente e o tempo decorreu da melhor forma possível, pois o Professor tinha uma maneira de ser bastante diferente dos convencionais professores. Não usava régua (um instrumento bastante habitual na
  3. 3. ESCOLA SECUNDÁRIA SEBASTIÃO DA GAMA Memórias e diários 3 época) e a matéria era transmitida de uma maneira que suscitava interesse nos alunos (ou pelo menos em mim…). Aconteceu o 25 de Abril e então o que já era diferente dos outros métodos de ensino, passou ainda a ser mais! O Professor – Godinho o seu nome – aboliu os livros escolares (livro de leitura, gramática, aritmética) e passámos a ler o jornal diariamente, seguindo os acontecimentos decorrentes da Revolução de Abril, onde treinávamos a leitura, víamos as formas verbais, etc.. Fazíamos teatro, recriando episódios da revolução ou da ditadura e cantávamos cânticos revolucionários, nomeadamente “Grândola Vila Morena”, “Avante Camarada”, entre outros. Os ideais da Revolução foram transmitidos por ele duma forma intensa e vivida (ele próprio viveu algumas amarguras no tempo da ditadura) o que me fez crescer com esses ideais que ainda hoje me acompanham. Obrigado Professor, por ter sido possível viver desta forma, uma época tão marcante!

×