O que são tecnologias e porque elas são essenciais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

O que são tecnologias e porque elas são essenciais

  • 13,141 views
Uploaded on

KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias também servem para informar e comunicar. In: Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas,SP: Papirus, 2007, pag. 15-26.

KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias também servem para informar e comunicar. In: Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas,SP: Papirus, 2007, pag. 15-26.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
13,141
On Slideshare
13,103
From Embeds
38
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
92
Comments
0
Likes
0

Embeds 38

http://ticreflexoes.blogspot.com.br 26
http://ticreflexoes.blogspot.com 11
http://www.ticreflexoes.blogspot.com 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. O QUE SÃO TECNOLOGIAS E PORQUE ELAS SÃO ESSENCIAIS
    KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias também servem para informar e comunicar. In: Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas,SP: Papirus, 2007, pag. 15-26.
  • 2. Parte 1:
    Tecnologias : Isso serve para fazer a guerra.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. Tecnologia É poder
  • 7. Inovações tecnológicas  meio para a ampliação dos domínios e acumulação de riquezas.
    Grandes potências – países e corporações – destinam vultosos orçamentos para P&D  manter a supremacia – manter o “status quo”.
    “A empresa que não inova não se sustenta no tempo”.
    P&D em armamentos e equipamentos militares  usos doméstico.
  • 8. Guerra fria: impulsionou, por 50 anos, a ciência e a tecnologia de forma intensa, sem precedentes anteriores.
    Algumas inovações surgidas a partir de pesquisas desenvolvidas no bojo da “corrida espacial”: isopor, forno de microondas, relógio digital, computador.
  • 9. De acordo com o jornalista Fábio Reynol (2004)
     Aparelhos caseiros de medir pressão – desenvolvidos inicialmente para astronautas.
    Válvulas de coração artificial – inspirada em uma bomba de combustível para foguetes.
    Monitoramento de marca passos – tecnologia análoga a utilizada em satélites.
    Macacões antichamas dos pilotos de fórmula 1 – trajes espaciais.
  • 10. De acordo com o jornalista Fábio Reynol (2004)
    Detectores de fumaça e de vazamento de gás usados nas construções – oriundos das pesquisas de equipamentos para veículos espaciais.
    Nitinol – arames dos aparelhos ortodônticos liga maleável e resistente utilizada na fabricação de satélites.
    Asa-delta – inventada pelo projetista da NASA para guiar espaçonaves que reentram na terra.
  • 11. Parte 2:
    Conhecimento, poder e tecnologia.
    São vínculos que estão presentes em todas as épocas, em todos os tipos de relações sociais.
    Notícias e informações não esgotam nunca um tema e não podem ser consideradas totalmente isentas ou imparciais. Estão à mercê do posicionamento de quem as apresentam. Ideologia.
  • 12. Parte 2: Conhecimento, poder e tecnologia.
  • 13. Neoliberalismo – ênfase no estado mínimo X social democracia – ênfase no estado provedor dos serviços básicos garantidos constitucionalmente a população.
  • 14. Multinacionais  influencia o futuro dos povos do mundo  poderes (tecnologia, capital financeiro, mercados, distribuição) maiores que os poderes políticos dos países.
    Mundo desenvolvido e rico  dominam as novas tecnologias e determinam seus desdobramentos na economia, na cultura, na sociedade.
    Mundo subdesenvolvido  não tem a senha de acesso ao mundo desenvolvido.
  • 15. A nova geografia: não importa o lugar em que se esteja, mas sim a possibilidade de acessar as novas realidades tecnológicas, reforçando o contorno dos dois grupos existentes em todos os países: incluídos e excluídos.
    Segundo o filósofo francês Lyotard: “o grande desafio da espécie humana na atualidade é a tecnologia”.
    Para acompanhar o movimento do mundo o homem tem que adaptar-se a complexidade que os avanços tecnológicos impõem a todos.
  • 16. Esse é também o desafio da educação:
    adaptar-se aos avanços tecnológicos,
    orientando para que se possa ter domínio e apropriação crítica desses novos meios.
  • 17. Parte 3:
    Educação, poder e tecnologia.
    Definição da identidade social da criança através do meio em que vive (família, escola, etc.) e onde adquire conhecimentos, hábitos, atitudes, habilidades e valores.

    Educação: mecanismo poderoso de articulação das relações entre poder, conhecimento e tecnologias.
    Família  poder educacional  influencia na expressão oral, no vestir, na alimentação, no comportamento.
  • 18. Parte 3:
    Educação, poder e tecnologia.
    Escola + poder governamental poder em relação a conhecimentos e uso das tecnologias entre alunos e professores e os conteúdos a serem aprendidos.
    Escola  espaço de formação de todos.
     meio para garantir formação que possibilite o domínio dos conhecimentos e uma melhor qualidade de vida.
  • 19. Parte 3:
    Educação, poder e tecnologia.
    Definição dos currículos dos cursos é uma forma de poder em relação à informação e aos conhecimentos válidos para o exercício de uma função na sociedade.
    Ação do professor na sala de aula: define as relações entre o conhecimento a ser ensinado, o poder do professor e forma de exploração das tecnologias  melhor aprendizagem pelos alunos.
  • 20. Parte 4:
    Evolução das tecnologias.
    Tecnologia invade a vida do homem moderno e, apesar de garantir novas possibilidades de bem estar, fragilizam as capacidades naturais do homem.
  • 21. Parte 4:
    Evolução das tecnologias.
    “A evolução social do homem confunde-se com as tecnologias desenvolvidas e empregadas em cada época.
    Ex.: Idade da pedra, do ferro do ouro: momento histórico-social marcado pela utilização desses recursos na promoção da melhoria da qualidade de vida.
  • 22. Parte 4:
    Evolução das tecnologias.
    A evolução tecnológica, quando apropriada, transforma o comportamento de todo grupo social.
    As tecnologias transformam a forma de pensar, de agir, de sentir.
    Umberto Eco (2003): “Cada inovação tecnológica, cada passo em direção ao progresso, sempre produziu desemprego e essa história começou com os tecelões do séc. 18...”.
  • 23. Parte 4:
    Tecnologias não são só máquinas.
    ...”é a totalidade de coisas que a engenhosidade do cérebro humano conseguiu criar em todas as épocas, suas formas de uso, suas aplicações.”
    Ex.: óculos, dentaduras, medicamentos, linguagem.
  • 24. Parte 4:
    Tecnologias não são só máquinas.
    Linguagem:
    “...tipo específico de tecnologia...”
    “... construção criada pela inteligência humana para possibilitar a comunicação ....”
  • 25. Parte 5:
    Relação entre tecnologias, técnicas e equipamentos.
    Visão literário e redutora das tecnologias nos filmes de ficção científica: algo negativo, ameaçador e perigoso.
    Mas...
    A tecnologia está em todo os lugares: cadernos, lápis., canetas, livros, etc.
  • 26. Parte 5:
    Relação entre tecnologias, técnicas e equipamentos.
    E o que é tecnologia?
    “... produtos e equipamentos resultantes de estudos, planejamentos e construções específicas , na busca de melhores formas de viver.”
  • 27. Parte 5:
    Relação entre tecnologias, técnicas e equipamentos.
    E o que é tecnologia?
    “ Conjunto de conhecimentos e princípios científicos que se aplicam ao planejamento, à construção e à utilização de um equipamento em um determinado tipo de atividade.”
  • 28. Parte 5:
    Relação entre tecnologias, técnicas e equipamentos.
    E o que é técnica?
    “ As maneiras, jeitos ou habilidades especiais de lidar com cada tipo de tecnologia, para executar ou fazer algo.”
    São transmitidas de geração em geração;
    Se incorporam aos costumes e hábitos sociais de um determinado grupo de pessoas.
  • 29. Parte 5:
    Relação entre tecnologias, técnicas e equipamentos.
    Dicionário de filosofia – Nicola Abbagnano(1982).
    “é o estudo dos processos técnicos de um determinado ramo de produção industrial ou de mais ramos.” – Tecnologia
    “compreende todo conjunto de regras aptas a dirigir eficazmente uma atividade qualquer.” - Técnica
  • 30. Parte 5:
    Relação entre tecnologias, técnicas e equipamentos.
    Novas tecnologias: conceito variável e contextual.
    Velocidade do desenvolvimento tecnológico – o que é “novo”?.
    “processos e produtos relacionados com os conhecimentos provenientes da eletrônica, da microeletrônica e das telecomunicações, principalmente”.
    São evolutivas, tem base imaterial (não é máquina nem equipamento), espaço de ação é virtual e a informação é sua matéria-prima.
  • 31. Ponto de destaque:
  • 32. Ponto de destaque:
    QUEM DEFINE ATÉ QUE PONTO AS TECNOLOGIAS SÃO BENÉFICAS OU NÃO SÃO OS PRÓPRIOS HOMENS – RELAÇÃO CUSTO-BENEFÍCIO
    VAIDADES, AMBIÇÕES, ETC.
  • 33. INOVAÇÃO
    Bebendo na fonte...
    JOSEPH ALOIS SCHUMPETER
    (1883 — 1950)
    Um dos mais importantes economistas do século XX.
  • 34. INOVAÇÃO
    Schumpeter:
    A razão, para que a economia saia de um estado de equilíbrio e entre em um processo de expansão é o surgimento de alguma inovação.
    O capitalismo é, pela própria natureza, um sistema de mudança econômica.
  • 35. INOVAÇÃO
    Schumpeter :
    O impulso fundamental que inicia e mantém o movimento da máquina capitalista decorre dos novos bens de consumo, dos novos métodos de produção ou transporte, dos novos mercados, das novas formas de organização industrial que a empresa capitalista cria.
  • 36. INOVAÇÃO
    Schumpeter :
    O mesmo processo de mutação industrial que incessantemente revoluciona a estrutura econômica a partir de dentro, incessantemente destruindo a velha, incessantemente criando uma nova. Esse processo de Destruição Criativa é o fato essencial acerca do capitalismo.
  • 37. INOVAÇÃO
    a inovação é definida como sendo a introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou serviços.
    Lei brasileira de inovação
    ( Lei nº 10.973, de 02/12/2004).