•Em 1820 Portugal faz a sua Revolução Liberal e,
embora continue a vigorar um regime monárquico,
o país passa a ter uma co...
•A ideologia republicana desenvolve-se em Portugal
ao longo do século XIX, particularmente após a
Revolução liberal de 182...
O ULTIMATO INGLÊS – O ORGULHO FERIDOO ULTIMATO INGLÊS – O ORGULHO FERIDO
•As pretensões portuguesas em África,
apresentada...
• Perante a cedência do governo e do
rei às imposições inglesas, o País
explodiu em ira. As manifestações de
patriotismo e...
31 DE JANEIRO DE 1891 – A PRIMEIRA REVOLTA REPUBLICANA31 DE JANEIRO DE 1891 – A PRIMEIRA REVOLTA REPUBLICANA
•A questão do...
A CRISE POLÍTICA E A DITADURA DE JOÃOA CRISE POLÍTICA E A DITADURA DE JOÃO
FRANCOFRANCO
•Na última década o século XIX e p...
•No dia 1 de Fevereiro de 1908No dia 1 de Fevereiro de 1908, no
Terreiro do Paço, entre a multidão que
recebia a família r...
•O novo monarca, o jovem D.
Manuel II, demite João Franco e
procura formar um governo de
coligação.
•O seu curto reinado f...
Foi no Congresso Republicano de Setúbal,
realizado nos dias 23, 24 e 25 de Abril de 1909Abril de 1909, no
antigo Teatro Ra...
O período entre o congresso de Setúbal e a eclosão da Revolução foi de grande
instabilidade, com várias ameaças de subleva...
o O apoio da marinha de guerra era fundamental para o
sucesso da revolta. A sublevação dos dois navios de guerradois navio...
O Almirante Cândido dos Reis reúne-se com outros
revolucionários e concluem que o golpe tinha
falhado.
Cândido dos Reis, d...
 Por volta das 5 horas da manhã
permanecem na Rotunda apenas 100
soldados e 50 civis republicanos com 5
canhões e algumas...
• Muitos republicanos,
civis e militares, decidem
juntar-se ao grupo
barricado na Rotunda,
levando consigo armas e
muniçõe...
Durante toda a
noite há tiroteio
cruzado, à
distância, e
ninguém sabia
como a luta ia
acabar.
O navio cruzador
D. Carlos é...
•O embaixador da Alemanha sai à rua com uma bandeira branca a pedir
tréguas para que os cidadãos estrangeiros residentes e...
• A multidão enche a
praça do Município
e aplaude a vitória
republicana.
•Às 9 horas Eusébio Leão, José Relvas e vários ou...
 A família real, acompanhada por alguns nobres e alguns criados, embarca no iate
Amélia, na praia da Ericeira e o navio za...
Síntese de acontecimentos
Do Ultimato ao 28 de Maio de 1926
Mudanças políticas
Da Monarquia à República
1. Crise económica e social
2. Falta de confiança no regime político
vigente
3...
2. Falta de confiança no regime político vigente
 Elevados gastos
pessoais da família real
 Problemas financeiros do
Est...
Da Monarquia à República
2. Falta de confiança no regime político vigente
 Os problemas com
Inglaterra, devido ao
Mapa co...
2. Falta de confiança no regime político vigente
 O Ultimato inglês de 1890 provoca:
○ queda de governos
○ movimento de d...
2. Falta de confiança no regime político vigente
 O ambiente é de
insurreição:
A revolta de 31 de
Janeiro de 1891 foi a
p...
2. Falta de confiança no regime político vigente
 Morte de D.
Carlos e do
príncipe herdeiro
D. Luís.
 Subiu ao trono
Dom...
De Monarquia a República
 Acesso ao Poder do Chefe de Estado
Via Hereditária Escolha
Monarquia
(Rei)
República
(President...
1º Presidente
- 1911 – Manuel de Arriaga é eleito
presidente da República.
- – “A Portuguesa” é adoptada como hino
naciona...
2º Presidente
Teófilo Braga (1915)
Eleito em 1915 e…
As eleições de Novembro de
1925 dão a vitória aos
democratas - o Congresso
elege Bernardino Machado.
Ber...
4º Presidente
 1917 – Participação portuguesa
na Primeira Guerra Mundial
 – Revolta militar e ditadura de
Sidónio Pais
...
5º Presidente
Canto e Castro (1918 - 1919)
6º Presidente
 1919 – António José de
Almeida é eleito presidente
da República.
 1921 – Criação do Partido
Comunista.
 ...
7º Presidente
Manuel Teixeira Gomes (1923-1925)
Figura política: Afonso Costa
 O legislador da 1ª
República
Inovador de
mentalidades
“Mata frades”
Afonso Costa
Estadista.
 O grande legislador da
1ª República. As
grandes mudanças, que
tentou pôr em prática,
fizeram com...
Legislação da 1ª República
 Laicização do Estado
 Protecção Social / Trabalho
○ Lei do direito à greve
○ Descanso semana...
Símbolos e
Principais figuras
da 1ª República
1. A Constituição da República determina, no seu artigo 11º,
nºs. 1 e 2:
• 1 – A Bandeira Nacional, símbolo da soberania d...
A questão dos símbolos nacionais constituiu uma das primeiras prioridades do Governo
Provisório formado na sequência do 5 ...
A Bandeira Nacional está dividida em duas partes por uma linha vertical.
A primeira parte é verde e constitui 2/5 da bande...
A Etiqueta da BandeiraA Etiqueta da Bandeira
1.1. Ao ar livre, a bandeira iça-se ao nascer do sol e deve arriar-se
ao pôr-...
HINO NACIONAL - A PORTUGUESAHINO NACIONAL - A PORTUGUESA
 O Hino Nacional é o outro símbolo nacional definido pelo artigo...
"A PORTUGUESA"
Heróis do mar, nobre Povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as ...
 
Busto da República – Em 1910 realizou-se um concurso promovido pela Câmara
Municipal de Lisboa para a criação de um bust...
OS PRESIDENTES:
Manuel de Arriaga (1911-1915)
Teófilo Braga (1915)
Bernardino Machado (1915-1917)
Sidónio Pais (1917-1918)...
Manuel de Arriaga
(1840-1917)
O 1º Presidente da República eleito
Formou-se em Direito na Universidade de Coimbra e foi pr...
Teófilo Braga
(1843-1923)
Tirou o curso de Direito na Universidade de Coimbra e doutorou-se
em 1868. Foi professor catedrá...
Estudou Filosofia e Matemática na Universidade de Coimbra onde se
doutorou e foi professor.
Filiou-se no Partido Regenerad...
Aderiu aos ideais republicanos nos finais do século XIX e pertenceu, por um
curto período, à Maçonaria.
Com a Implantação ...
Desenvolveu uma brilhante carreira de oficial da Armada
Portuguesa e nunca escondeu a sua simpatia pelos ideais
monárquico...
Licenciou-se em Medicina na Universidade de Coimbra. Ainda estudante
aderiu ao Partido Republicano Português e passou a de...
Frequentou o seminário e o curso de medicina e
relacionou-se com figuras importantes da cultura
literária da época. Colabo...
Afonso Costa
(1871-1937)
O legislador da 1ª República
Foi professor universitário e exerceu advocacia;.
Em 1900, foi pela ...
António Maria Azevedo Machado Santos
(1875-1921)
Fez carreira na Armada. Fez parte do grupo que
organizou a Revolta de 28 ...
José Mascarenhas Relvas
(1858-1929)
Pertencia à aristocracia mas aderiu ao Partido
Republicano Português e dedicou grande ...
Simbologia da República
 Bandeira:
A Bandeira Nacional está dividida em
duas partes por uma linha vertical.
A primeira pa...
Simbologia da República
A Bandeira
As 5 quinasAs 5 quinas Simbolizam os 5 reis mourosSimbolizam os 5 reis mouros
derrotado...
Simbologia da República
O Hino
 Heróis do mar, nobre Povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de P...
O Hino
Autores
Alfredo Keil Henrique Lopes de Mendonça
Evolução desde o Condado Portucalense até à
República
Evolução histórica
 1081 Conde D.Henrique
 1143 Afonso Henriques
 1185 Sancho I
 1248 Afonso III
 1385 João I
 1485 ...
Conde Henrique Afonso
Henriques
Sancho I Afonso III
João I João II
Manuel I Sebastião
João IV Pedro II
João V João VI
Liberalismo República
Bibliografia:
OLIVEIRA MARQUES, António H. de, História de Portugal, vol. III, Lx, 3ª ed., Palas Editores,
1986
SERRÃO, Jo...
1ª república
1ª república
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

1ª república

11,605

Published on

Published in: Education, Travel, Business
1 Comment
4 Likes
Statistics
Notes
  • TANTOS DIA POSITIVOS-XA
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total Views
11,605
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
13
Actions
Shares
0
Downloads
111
Comments
1
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

1ª república

  1. 1. •Em 1820 Portugal faz a sua Revolução Liberal e, embora continue a vigorar um regime monárquico, o país passa a ter uma constituição que consagra a divisão de poderes. De acordo com a Carta Constitucional de 1826 (documento constitucional que vai vigorar com algumas interrupções até 1910) o poder do rei é, nalguns aspectos essenciais, determinante. •Apesar de em meados do século XIX o país iniciar um período de estabilidade política , muitos liberais continuaram a contestar a monarquia e o poder régio. Entre os intelectuais, sobretudo a partir da década de sessenta, a contestação tornou-se mais acentuada. •Na década de setenta, entre os descontentes com a monarquia, surgem o Partido Socialista e o Partido Republicano. O primeiro terá pouco impacto; porém, o Partido RepublicanoPartido Republicano conseguirá fortalecer-se a partir das fragilidades da monarquia.
  2. 2. •A ideologia republicana desenvolve-se em Portugal ao longo do século XIX, particularmente após a Revolução liberal de 1820. •Influenciados pelos ideais de Liberdade, Igualdade e fraternidade que nortearam a Revolução francesa , bem como pelas injustiças da sociedade burguesa, alguns portugueses anseiam por um regime do povo para o povo. •Em Abril de1876, num esforço de organização, foi eleito um Directório Republicano. Nascia o Partido Republicano Português. •Embora os republicanos tivessem conseguido eleger um deputado logo em 1878, só a partir do ultimato inglês o seu crescimento vai incomodar a Monarquia. •Até 1910 o crescimento do Partido Republicano fez- se com elementos de várias origens sociais – operariado, pequena e média burguesia e até elementos da alta burguesia. Os descontentes com a Monarquia são cada vez mais numerosos e activos. Cartaz de propaganda Republicana (1906?) PARTIDO REPUBLICANOPARTIDO REPUBLICANO
  3. 3. O ULTIMATO INGLÊS – O ORGULHO FERIDOO ULTIMATO INGLÊS – O ORGULHO FERIDO •As pretensões portuguesas em África, apresentadas numa conferência que se realizou em Berlim em 1885 e expressas no Mapa cor-de-rosa , impediam a concretização do projecto inglês para aquele continente de ligar por via férrea o Norte ao Sul, ou seja o Cairo ao Cabo. •Como consequência, no dia 11 de Janeiro de 1890, Portugal é confrontado com o ultimato da Grã- Bretanha. Ao abrigo do princípio da ocupação efectiva estabelecido na Conferência de Berlim, os ingleses exigiam que renunciássemos aos territórios que ligam Angola a Moçambique, já que não tínhamos condições para os ocupar de facto. •Esta ameaça vai indignar o país e despoletar uma crise política na qual se insere a primeira tentativa para implantar a República em Portugal , a revolta de 31 de Janeiro de 1891 no Porto Mapa cor-de-rosa – projecto português para o continente africano
  4. 4. • Perante a cedência do governo e do rei às imposições inglesas, o País explodiu em ira. As manifestações de patriotismo e de apelo à guerra sucederam-se por todo o país. • Poucos dias depois do Ultimato o governo caiu e foi empossado um novo ministério presidido por António de Serpa Pimentel, o conselheiro que defendera a resistência à imposição britânica. • Os republicanos não desperdiçaram a ocasião e aproveitaram o clima quase insurreccional que se estabeleceu. • Foi neste clima de exaltação nacionalista que Alfredo Keil e Henrique Lopes de Mendonça compuseram A PortuguesaA Portuguesa que viria a tornar-se o hino nacional quando a República foi implantada. O Ultimato inglês – caricatura de Rafael Bordalo Pinheiro O ULTIMATO INGLÊS – O ORGULHOO ULTIMATO INGLÊS – O ORGULHO FERIDOFERIDO
  5. 5. 31 DE JANEIRO DE 1891 – A PRIMEIRA REVOLTA REPUBLICANA31 DE JANEIRO DE 1891 – A PRIMEIRA REVOLTA REPUBLICANA •A questão do Ultimato Inglês provocou um movimento generalizado contra a Monarquia e o rei. Os republicanos tinham agora mais um argumento de peso para contestar a monarquia e conquistar adeptos . •Em 31 de Janeiro de 1891, na cidade do Porto, os militares daquela guarnição promoveram a primeira revolta republicana. •Sem o apoio das forças políticas, nem da generalidade dos militares, os revoltosos tiveram que capitular perante a superioridade das forças fiéis à monarquia. • Esta revolta pode considerar-se a primeira manifestação de força da oposição ao regime monárquico. A Guarda Municipal ataca os revoltosos entrincheirados no edifício da Câmara Municipal do Porto In: revista universal impressa em Paris, 1891, vol. 8 Gravura de Louis Tynayre
  6. 6. A CRISE POLÍTICA E A DITADURA DE JOÃOA CRISE POLÍTICA E A DITADURA DE JOÃO FRANCOFRANCO •Na última década o século XIX e primeiros anos do século XX, os partidos monárquicos, Progressista eProgressista e Regenerador,Regenerador, enfrentam dissidências e questões pessoais que se manifestam numa vida parlamentar turbulenta e pouco eficaz. As sessões das Cortes (Parlamento) vivem de questões inúteis e querelas pessoais prejudiciais ao sistema político e ao país. •A situação, explorada por todos os que se opunham à monarquia, nomeadamente os republicanos, leva o rei D.leva o rei D. Carlos em 1906 a nomear João Franco para chefiar umCarlos em 1906 a nomear João Franco para chefiar um novo governonovo governo. Face às dificuldades que este enfrenta o rei acaba por dissolver as Cortesdissolver as Cortes em Maio de 1907, permitindo-lhe governar em ditadura. •O seu governo vai então enveredar pela repressão, por vezes violenta, dos opositores ao regime monárquico. A revolta face às medidas tomadas acabam por estar na origem do regicídio de 1908. João Franco
  7. 7. •No dia 1 de Fevereiro de 1908No dia 1 de Fevereiro de 1908, no Terreiro do Paço, entre a multidão que recebia a família real, o rei e o príncipeo rei e o príncipe herdeiro são assassinadosherdeiro são assassinados. •Dois dos regicidas, Manuel Buíça, professor primário expulso do Exército e Alfredo Costa, empregado do comércio e editor de obras de escândalo, são mortos no local. Outros fugiram. •Posteriormente, confirmou-se que o regicídio foi responsabilidade de republicanos extremistas que actuaram à margem da estrutura do partido. •O governo ditatorial de João Franco estimulou toda a oposição, não só a republicana, mas também a monárquica. O Rei, D. Carlos I, tornou-se então no alvo de todas as críticas, afinal era ele o responsável pela escolha de João Franco e pelo encerramento do Parlamento. O clima de tensão era cada vez mais forte. O REGICÍDIOO REGICÍDIO
  8. 8. •O novo monarca, o jovem D. Manuel II, demite João Franco e procura formar um governo de coligação. •O seu curto reinado ficou marcado pela instabilidade política e ministerial – seis governos entre 1908 e 1910. •Procurando pacificar e acalmar o país, permitiu a liberdade política necessária para que os republicanos se afirmassem cada vez mais como a solução para o país. . O ÚLTIMO MONARCAO ÚLTIMO MONARCA D. Manuel II
  9. 9. Foi no Congresso Republicano de Setúbal, realizado nos dias 23, 24 e 25 de Abril de 1909Abril de 1909, no antigo Teatro Rainha D. Amélia – hoje o Fórum Luísa Todi – que se decidiu a via revolucionária/armada para a conquista do poder. A Maçonaria e a Carbonária estiveram representadas neste Congresso de Setúbal, e viriam a desempenhar importante papel na Revolução de 5 de Outubro de 1910. Para as funções logísticas foi criado o comité civil, liderado por Afonso Costa, João Chagas e António José de Almeida, e um comité militar, liderado pelo almirante Cândido dos Reis. Dele resultou a eleição do novo Directório, composto por Teófilo Braga, Basílio Teles, Eusébio Leão, Cupertino Ribeiro e José Relvas, já com um mandato claro para preparar a Revolução.preparar a Revolução.
  10. 10. O período entre o congresso de Setúbal e a eclosão da Revolução foi de grande instabilidade, com várias ameaças de sublevação e grande agitação social. O governo e o rei estavam conscientes de que a ameaça republicana era real e a prevenção das tropas foi activada em vários momentos. Às 8 horas da noite de 3 de Outubro de 1910, José Relvas reuniu-se, com cerca de meia centena de revolucionários militares e civis. Nessa reunião, face à informação de que os navios fundeados no Tejo iriam sair no dia 4 e de que Miguel Bombarda tinha sido assassinato, foi tomada a decisão de dar início à Revolução à 1 hora da1 hora da madrugada de 4 de Outubro.madrugada de 4 de Outubro. Miguel Bombarda – Médico psiquiatra e militante republicano. Considerado o chefe civil do comité revolucionário que implantou a República em Portugal. Não chegou a assistir à vitória dos republicanos por ter sido assassinado por um doente mental em 3 de Outubro de 1910, poucas horas antes do início da revolta.
  11. 11. o O apoio da marinha de guerra era fundamental para o sucesso da revolta. A sublevação dos dois navios de guerradois navios de guerra ancorados no Tejo, “Adamastor” e “S. Rafael”,ancorados no Tejo, “Adamastor” e “S. Rafael”, foi um aspecto decisivo na evolução dos acontecimentos. O navio almirante D. Carlos permanece nas mãos dos monárquico até à tarde desse dia. MADRUGADA DE 4 DE OUTUBROMADRUGADA DE 4 DE OUTUBRO o Na madrugada de 4 de Outubro a Revolução saiu para a rua em Lisboa,Lisboa, em dois pontos distantes do centro da cidade: no Quartel de Marinheiros, em AlcântaraQuartel de Marinheiros, em Alcântara, e no Regimento deRegimento de Infantaria 16, em Campo de OuriqueInfantaria 16, em Campo de Ourique. o O primeiro foi assaltado e ocupado por um grupo de civis e marinheiros, comandado por Ladislau Parreira; o quartel de Campo de Ourique foi assaltado e tomado por civis sob o comando de Machado SantosMachado Santos. Ao sublevado regimento de Infantaria 16, junta-se o Regimento deRegimento de Artilharia 1, de CampolideArtilharia 1, de Campolide.
  12. 12. O Almirante Cândido dos Reis reúne-se com outros revolucionários e concluem que o golpe tinha falhado. Cândido dos Reis, desesperado com o fracasso, suicida-se. A notícia espalha-se lançando a maior consternação entre os republicanos e muitos soldados e civis republicanos decidem abandonar a Rotunda. o Colunas de militares que aderiram à revolução saem dos quartéis para se dirigirem aos pontos-chave que deviam tomar. Avançam por Campo de Ourique e inicia-se uma troca de tiros com uma patrulha da Guarda Municipal fiel à monarquia. o Os revolucionários juntam-se no largo do Rato e dali tentam avançar para o quartel do Carmo, são impedidos pelos monárquicos. Ao perceberem as dificuldades para cumprir o plano decidem concentrar-se na Rotunda onde se barricam. Almirante Cândido dos Reis
  13. 13.  Por volta das 5 horas da manhã permanecem na Rotunda apenas 100 soldados e 50 civis republicanos com 5 canhões e algumas espingardas, comandados por Machado Santos. Tropas monárquicas concentram-se no Rossio. DIA 4 DE OUTUBRODIA 4 DE OUTUBRO • Pelas 11 horas os navios que aderiram à revolução bombardeiam o palácio das Necessidades onde o rei D. Manuel II se encontrava. •O rei foge de Lisboa e dirige-se para o palácio de Mafra. Machado Santos, foi um militar e político português. Conspirador anti- monárquico , teve um papel determinante na Revolução de 5 de Outubro de 1910 Palácio das Necessidades
  14. 14. • Muitos republicanos, civis e militares, decidem juntar-se ao grupo barricado na Rotunda, levando consigo armas e munições. Ao fim da tarde, já eram cerca de 1500 resistentes. • Tropas monárquicas comandadas por Paiva Couceiro, dirigem-se para uma colina acima da Rotunda, e daí abrem fogo sobre os republicanos. Estes retaliam. •Grupos de elementos da Carbonária dinamitam pontes, estradas e a linha- férrea para isolar Lisboa. Rotunda
  15. 15. Durante toda a noite há tiroteio cruzado, à distância, e ninguém sabia como a luta ia acabar. O navio cruzador D. Carlos é tomado pelos republicanos. O cruzador D. Carlos I, pintado por Giovanni Battista Castagneto •O quartel-general monárquico tenta chamar reforços a Lisboa, vindos dos regimentos da província. As colunas militares não conseguem entrar em Lisboa, pois todos os acessos à cidade tinham sido destruídos pelos grupos da Carbonária. O cruzador D. Carlos I pintado por Giovanni Battista Castagneto
  16. 16. •O embaixador da Alemanha sai à rua com uma bandeira branca a pedir tréguas para que os cidadãos estrangeiros residentes em Lisboa pudessem sair da cidade. •Grupos de soldados monárquicos julgam que a bandeira branca significa que os oficiais se tinham rendido e decidem largar armas e confraternizar com os republicanos. Implantação da República -Militares na Praça do Rossio DIA 4/5 DE OUTUBRODIA 4/5 DE OUTUBRO
  17. 17. • A multidão enche a praça do Município e aplaude a vitória republicana. •Às 9 horas Eusébio Leão, José Relvas e vários outros dirigentes republicanos entram na Câmara Municipal de Lisboa, assomam à varanda e dali proclamam a República com discursos inflamados. DIA 5 DE OUTUBRODIA 5 DE OUTUBRO
  18. 18.  A família real, acompanhada por alguns nobres e alguns criados, embarca no iate Amélia, na praia da Ericeira e o navio zarpa em direcção a Gibraltar. DIA 6 DE OUTUBRODIA 6 DE OUTUBRO
  19. 19. Síntese de acontecimentos Do Ultimato ao 28 de Maio de 1926
  20. 20. Mudanças políticas Da Monarquia à República 1. Crise económica e social 2. Falta de confiança no regime político vigente 3. Existência de novas ideias/regimes políticos Factores condicionantes
  21. 21. 2. Falta de confiança no regime político vigente  Elevados gastos pessoais da família real  Problemas financeiros do Estado
  22. 22. Da Monarquia à República 2. Falta de confiança no regime político vigente  Os problemas com Inglaterra, devido ao Mapa cor-de-rosa, acentuaram a imagem negativa do Rei
  23. 23. 2. Falta de confiança no regime político vigente  O Ultimato inglês de 1890 provoca: ○ queda de governos ○ movimento de descontentamento social, implicando directamente a família real ○ Os republicanos ganham com este descontentamento; inicia-se um crescimento do número de apoiantes e alargamento da sua base social de apoio.
  24. 24. 2. Falta de confiança no regime político vigente  O ambiente é de insurreição: A revolta de 31 de Janeiro de 1891 foi a primeira tentativa de implantação do regime republicano em Portugal. Gravura publicada na Illustração: revista universal impressa em Paris, 1891, vol. 8Gravura publicada na Illustração: revista universal impressa em Paris, 1891, vol. 8
  25. 25. 2. Falta de confiança no regime político vigente  Morte de D. Carlos e do príncipe herdeiro D. Luís.  Subiu ao trono Dom Manuel II regicídio 1 de Fevereiro de 1908
  26. 26. De Monarquia a República  Acesso ao Poder do Chefe de Estado Via Hereditária Escolha Monarquia (Rei) República (Presidente) Mudança operada pelos acontecimentos de 5 de Outubro de 1910
  27. 27. 1º Presidente - 1911 – Manuel de Arriaga é eleito presidente da República. - – “A Portuguesa” é adoptada como hino nacional. - – Criação do “escudo” como unidade monetária. - 1913 – Governo de Afonso Costa. Manuel de Arriaga (1911-1915)
  28. 28. 2º Presidente Teófilo Braga (1915)
  29. 29. Eleito em 1915 e… As eleições de Novembro de 1925 dão a vitória aos democratas - o Congresso elege Bernardino Machado. Bernardino Machado (1915 - 1917) e (1925 - 1926)
  30. 30. 4º Presidente  1917 – Participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial  – Revolta militar e ditadura de Sidónio Pais  – Aparições de Fátima.  1918 - Sidónio Pais morre vitimado por um atentado. Sidónio Pais (1917-1918)
  31. 31. 5º Presidente Canto e Castro (1918 - 1919)
  32. 32. 6º Presidente  1919 – António José de Almeida é eleito presidente da República.  1921 – Criação do Partido Comunista.  1922 – Viagem aérea de Gago Coutinho e Sacadura Cabral. António José de Almeida (1919-1923)
  33. 33. 7º Presidente Manuel Teixeira Gomes (1923-1925)
  34. 34. Figura política: Afonso Costa  O legislador da 1ª República Inovador de mentalidades “Mata frades”
  35. 35. Afonso Costa Estadista.  O grande legislador da 1ª República. As grandes mudanças, que tentou pôr em prática, fizeram com que fosse muito criticado
  36. 36. Legislação da 1ª República  Laicização do Estado  Protecção Social / Trabalho ○ Lei do direito à greve ○ Descanso semanal obrigatório. ○ Institui-se o horário das 8 horas de trabalho.  Reforma do Ensino  Separação da Igreja do Estado
  37. 37. Símbolos e Principais figuras da 1ª República
  38. 38. 1. A Constituição da República determina, no seu artigo 11º, nºs. 1 e 2: • 1 – A Bandeira Nacional, símbolo da soberania da República, da independência, da unidade e integridade de Portugal é a adoptada pela República instaurada pela Revolução de 5 de Outubro de 1910. • 2 – O Hino Nacional é A Portuguesa.
  39. 39. A questão dos símbolos nacionais constituiu uma das primeiras prioridades do Governo Provisório formado na sequência do 5 de Outubro de 1910. Por Decreto de 15-10-1910, o Governo nomeou uma comissão, a que foi integrada por personalidades como Columbano Bordalo Pinheiro, Abel Botelho e João Chagas. Poucos dias depois, em 29 de Outubro, a comissão apresenta um primeiro projecto, que correspondia à bandeira hasteada no 5 de Outubro, com a importante diferença de a disposição das cores vir agora invertida em relação àquela, com a cor verde junto à tralha. Quanto às armas, a comissão propôs a esfera armilar, «padrão eterno do nosso génio aventureiro», e o escudo branco com quinas azuis «da fundação da nacionalidade». O projecto final é aprovado pelo Governo em 29 de Novembro de 1910. http://www.presidencia.pt/?idc=44 Bandeira Nacional
  40. 40. A Bandeira Nacional está dividida em duas partes por uma linha vertical. A primeira parte é verde e constitui 2/5 da bandeira. A segunda parte é vermelha e constitui 3/5 da bandeira. No centro da linha vertical encontra-se um escudo com 7 castelos e 5 quinas a azul..  À volta do escudo existe a esfera armilar a amarelo. •A esfera armilar Representa o mundo que os navegadores portugueses descobriram nos séculos XV e XVI e os povos com quem trocaram ideias e comércio. •As 5 quinas •Os 5 pontos brancos dentro de cada quina •Os 7 castelos Simbolizam as localidades fortificadas que D. Afonso Henriques conquistou aos Mouros. Representam as 5 chagas de Cristo. Simbolizam os 5 reis mouros derrotados por D. Afonso Henriques na batalha de Ourique.
  41. 41. A Etiqueta da BandeiraA Etiqueta da Bandeira 1.1. Ao ar livre, a bandeira iça-se ao nascer do sol e deve arriar-se ao pôr-do-sol. 2. Deve ser içada com determinação e arriada com cerimónia. 33. Deve ser içada diariamente, desde que o tempo o permita, e em todos os feriados nacionais e datas comemorativas, nos edifícios públicos e de entidades nacionais - nos próprios edifícios ou perto deles. 44. Se é transportada com outra bandeira em desfiles ou paradas, a bandeira nacional é levada à direita da outra. 55. Se é transportada com outras bandeiras em desfiles ou paradas, a bandeira nacional é levada à frente da linha formada pelas outras bandeiras ou estandartes. 6.6. Nenhuma outra bandeira deve estar mais alta do que a bandeira nacional. 77. Quando é colocada numa janela ou noutro local semelhante, a parte verde deve estar à esquerda do observador. 8.8. Quando for colocada sem mastro junto a um orador deve estar atrás e por cima da sua cabeça. http://www.presidencia.pt/archive/doc/dl15087.pdf http://www.presidencia.pt/?idc=44
  42. 42. HINO NACIONAL - A PORTUGUESAHINO NACIONAL - A PORTUGUESA  O Hino Nacional é o outro símbolo nacional definido pelo artigo 11º da Constituição. Com música da autoria de Alfredo Keil e letra de Henrique Lopes de Mendonça, A Portuguesa foi composta no rescaldo emocional do Ultimatum e tornou-se a marcha dos revoltosos do 31 de Janeiro. Certamente por esse motivo, foi proibida pelo regime monárquico. A revolução de 5 de Outubro acabaria por recuperá-la e, logo em 17 de Novembro (1910), o Ministério da Guerra determinava que, sempre que se executasse o hino A Portuguesa, todos os militares presentes, quando fardados, fizessem continência e, estando à paisana, se descobrissem, conservando-se de pé, em ambos os casos, até ao final da execução.  Contudo, a aprovação da versão oficial só viria a dar-se em 1957, através da resolução do Conselho de Ministros publicada no Diário do Governo, 1ª série, nº 199, de 4-9-1957. Em consequência, foi elaborada a versão para grande orquestra sinfónica, da autoria de Frederico de Freitas, e, a partir desta, a versão para grande banda marcial, pelo major Lourenço Alves Ribeiro, inspector das bandas militares. http://www.presidencia.pt/?idc=43
  43. 43. "A PORTUGUESA" Heróis do mar, nobre Povo, Nação valente, imortal, Levantai hoje de novo O esplendor de Portugal! Entre as brumas da memória, Ó Pátria, sente-se a voz Dos teus egrégios avós, Que há-de guiar-te à vitória! Às armas, às armas! Sobre a terra, sobre o mar, Às armas, às armas! Pela Pátria lutar Contra os canhões marchar, marchar!  Letra de Henrique Lopes de Mendonça. Música de Alfredo Keil.
  44. 44.   Busto da República – Em 1910 realizou-se um concurso promovido pela Câmara Municipal de Lisboa para a criação de um busto da República Portuguesa. Foi vencedora a proposta de Francisco Santos, sendo as propostas de Costa Mota (sobrinho) e de Júlio Vaz premiadas com o 2º e 3ºprémios, respectivamente . Porém, mais tarde este busto acabou por ser preterido pelo de Simões de Almeida (sobrinho), já que este último acabou por ser profusamente difundido em medalhas e moedas da propagandística oficial.   http://www.parlamento.pt/VisitaVirtual/Paginas/PPerdidosBustoRepublica.aspx Busto da República de Simões de AlmeidaBusto da República da autoria de Francisco Santos Busto da República
  45. 45. OS PRESIDENTES: Manuel de Arriaga (1911-1915) Teófilo Braga (1915) Bernardino Machado (1915-1917) Sidónio Pais (1917-1918) Canto e Castro (1918-1919) António José de Almeida (1919-1923) M. Teixeira Gomes (1923-1925) Bernardino Machado (1925-1926)  http://www.centenariorepublica.pt/escolas/personalidade-republica/A OUTRAS PERSONALIDADES: Afonso Costa Machado Santos Brito Camacho José Relvas Cândido dos Reis …
  46. 46. Manuel de Arriaga (1840-1917) O 1º Presidente da República eleito Formou-se em Direito na Universidade de Coimbra e foi professor de Inglês do Ensino Liceal. Filiado no Partido Republicano Português, foi deputado por este partido durante o regime monárquico, distinguindo-se na luta contra as instituições monárquicas e contra a corrupção. Após a implantação da República, foi eleito Presidente da República, tendo tomado posse em Agosto de 1911. O seu mandato foi muito agitado e cheio de dificuldades, destacando- se as divergências entre os diferente partidos republicanos, que entretanto se formaram, e o clima de grande agitação social marcado por greves, tumultos e insegurança. Em Janeiro de 1915, a instabilidade política e social leva Manuel de Arriaga a dissolver o parlamento e a permitir a ditadura de Pimenta de Castro. A oposição a esta situação conduziu a uma revolução em Maio de 1915 que repôs a ordem democrática e o forçou a demitir-se. Ao abandonar a presidência, Manuel de Arriaga dedicou-se à redacção das suas memórias.
  47. 47. Teófilo Braga (1843-1923) Tirou o curso de Direito na Universidade de Coimbra e doutorou-se em 1868. Foi professor catedrático e investigador. A sua obra publicada, cerca 360 trabalhos, constitui uma verdadeira enciclopédia da História da Literatura Portuguesa. Destacado militante do Partido Republicano Português, assumiu, durante a monarquia, os cargos de Vereador da Câmara Municipal de Lisboa e de membro do Directório do Partido Republicano Português (PRP), de que era presidente quando se deu a revolução do 5 de Outubro. Muito respeitado no País e no estrangeiro, foi escolhido para chefe do Governo Provisório, com funções de Presidente da República. Foi o seu governo que adoptou a Bandeira Nacional (29 de Novembro de 1910) e A Portuguesa como hino nacional. A 14 deA 14 de Maio de 1915, foi eleito Presidente da República (2ºMaio de 1915, foi eleito Presidente da República (2º presidente).presidente). Assumiu as funções de Chefe de Estado de formaAssumiu as funções de Chefe de Estado de forma simples e despretensiosa,simples e despretensiosa, retomando as suas actividades deretomando as suas actividades de investigador quando concluiu o mandatoinvestigador quando concluiu o mandato.
  48. 48. Estudou Filosofia e Matemática na Universidade de Coimbra onde se doutorou e foi professor. Filiou-se no Partido Regenerador (monárquico) mas desiludido com a monarquia aderiu à Maçonaria e ao Partido Republicano Português, que pouco depois o elegeu para o seu Directório. Depois da Revolução do 5 de Outubro de 1910, foi ministro dos Negócios Estrangeiros do Governo Provisório, embaixador de Portugal no Brasil e chefe de governo. A 6 de Agosto de 1915 foi eleito Presidente da República. Nessa qualidade enfrentou o golpe de Sidónio Pais a quem se recusou entregar os seus poderes presidenciais. Encarcerado e banido do País só regressou no final de 1919. Voltou a assumir a chefia do Governo em 1921, mas apenas por dois meses. No dia 11 de Dezembro de 1925 foi de novo eleito PresidenteNo dia 11 de Dezembro de 1925 foi de novo eleito Presidente da Repúblicada República.. Desempenhava o cargo de Presidente da RepúblicaDesempenhava o cargo de Presidente da República quando rebentou o Movimento de 28 de Maio de 1926 que implanta aquando rebentou o Movimento de 28 de Maio de 1926 que implanta a ditadura Militar.ditadura Militar. Bernardino MachadoBernardino Machado (1851-1944)(1851-1944)
  49. 49. Aderiu aos ideais republicanos nos finais do século XIX e pertenceu, por um curto período, à Maçonaria. Com a Implantação da República em 1910, foi eleito deputado à Assembleia Nacional Constituinte, ministro do Fomento e ministro das Finanças. A partir de 1916 assume-se como figura principal de contestação ao Governo e encabeça o golpe de estado de 5 de Dezembro de 1917, do qual saiu vitorioso após três dias de duros confrontos. Destituído Bernardino Machado do cargo de Presidente da República, Sidónio Pais toma posse como 1º ministro, acumulando as pastas de Ministro da Guerra e de Ministro dos Negócios Estrangeiros; pouco depois assumiu as funções de Presidente da República. Começou assim um regime ditatorial que os seus apoiantes designaram como República Nova. O país, no entanto, continuou atormentado por todo o tipo de problemas. O desaire da Batalha de La lys, em Abril de 1918, em que morreram tantos militares portugueses agravou o descontentamento. Depois de uma tentativa falhada, foi morto a tiro na Estação do Rossiofoi morto a tiro na Estação do Rossio, por José Júlio da Costa, a 14 de Dezembro de 1918. Sidónio PaisSidónio Pais (1872-1918)(1872-1918)
  50. 50. Desenvolveu uma brilhante carreira de oficial da Armada Portuguesa e nunca escondeu a sua simpatia pelos ideais monárquicos. A sua intervenção na vida política inicia-se durante a ditadura de Sidónio Pais como secretário de estado da Marinha. Após o assassinato deste é eleito Presidente da República Portuguesa na sessão do Congresso de 16 de Dezembro de 1918, segundo os princípios parlamentares estabelecidos pela Constituição de 1911. Durante o período presidencial, Canto e Castro não teve tarefa fácil. A agitação política e social, herdada do sidonismo, não abrandou, muito antes pelo contrário. Após um período de grande agitação das camadas laborais, Canto e Castro tenta renunciar ao seu mandato mas as intervenções de António Maria da Silva, António José de Almeida, Costa Júnior, Jacinto Nunes e Domingos Leite Pereira, fazem-no desistir do seu propósito. Até ao fim do seu mandato, em 5 de Outubro de 1919, merecem realce a visita do Presidente do Brasil, o tratado de paz de Versalhes assinado em 28 de Junho, por Afonso Costa pela parte portuguesa e a criação da Confederação Geral de Trabalhadores em 13 de Setembro. Canto e Castro (1862 - 1934.)
  51. 51. Licenciou-se em Medicina na Universidade de Coimbra. Ainda estudante aderiu ao Partido Republicano Português e passou a defender publicamente os seus ideais, distinguindo-se desde logo como grande orador. Em 1890, publicou no jornal académico O Ultimatum um artigo que ficou famoso e a que deu o título Bragança, o último. Por causa deste texto, considerado pelo tribunal um insulto ao rei, foi condenado a três meses de cadeia. Exerceu medicina em São Tomé e Príncipe até 1904 e quando regressou dedicou-se de corpo e alma à política, como dirigente do Partido Republicano Português. A sua eloquência arrebatava multidões e em 1908 voltou a ser preso por ter participado nos preparativos da revolução que fracassou. Recuperada a liberdade continuou a lutar pela causa da República e veio a ser um dos conspiradores que desencadearam o 5 de Outubro. No novo regime assumiu desde logo o cargo de Ministro do Interior do Governo Provisório e foi por várias vezes ministro e deputado. Em 1911 liderou uma cisão partidária. Fundou o Partido Evolucionista, o mais moderado dos que então surgiram, e o jornal República de que foi director. Em 1919, foi eleito Presidente da República e cumpriu o cargo até ao fim do mandato, que terminou em1923, ao contrário do que aconteceu com todos os outros presidentes da 1ª República. António José de Almeida (1866-1929)
  52. 52. Frequentou o seminário e o curso de medicina e relacionou-se com figuras importantes da cultura literária da época. Colaborou com revistas e jornais, nomeadamente O Primeiro de Janeiro e Folha Nova. Em Abril de 1911 foi nomeado para o cargo de embaixador de Portugal em Inglaterra. Depois de uma breve passagem por Madrid, também como embaixador, e de ter representado o país na Sociedade das Nações, em 1922 regressou a Portugal. No dia 6 de Agosto de 1923 foi eleito Presidente da República, mas o seu mandato só durou 2 anos pois, as permanentes convulsões políticas e sociais levaram-no a demitir-se no dia 11 de Dezembro de 1925. Justificou a demissão alegando que desejava dedicar-se exclusivamente à literatura. Ao longo da sua vida escreveu várias obras literárias entre as quais Cartas sem Moral Nenhuma. Agosto Azul. Sabrina Freire. Desenhos e Anedotas de João de Deus. Gente Singular. Cartas a Columbano. Novelas Eróticas. Regressos. Miscelânea. Maria Adelaide. Carnaval Literário. Manuel Teixeira Gomes (1870-1841)
  53. 53. Afonso Costa (1871-1937) O legislador da 1ª República Foi professor universitário e exerceu advocacia;. Em 1900, foi pela primeira vez eleito deputado pelo Partido Republicano Português. Os seus dotes de orador foram reconhecidos e muitos dos seus discursos ficaram célebres. Em 1908 envolveu-se na tentativa de revolução, tendo sido preso por algum tempo. Com a Implantação da República assumiu o cargo de Ministro daMinistro da JustiçaJustiça tendo sido responsável por um importante conjunto de leis como a da Separação da Igreja do Estado, as Leis da Família e as do Registo Civil. Em 1911 foi o líder de uma cisão do Partido Republicano Português, fundando o Partido Democrático e o jornal O Mundo. Assumiu o cargo de Presidente do Ministério (1º Ministro) em três períodos: Janeiro de 1913 a Fevereiro de 1914; Novembro de 1915 a Março de 1916; Abril de 1917 a Dezembro de 1917. Em 1914 defendeu a participação de Portugal na 1ª Guerra Mundial. Em 1917, durante a ditadura de Sidónio Pais foi preso durante 110 dias. Quando saiu da prisão, exilou-se em Paris onde morreu em 1937
  54. 54. António Maria Azevedo Machado Santos (1875-1921) Fez carreira na Armada. Fez parte do grupo que organizou a Revolta de 28 de Janeiro de 1908 e em Junho do mesmo ano, aderiu à Carbonária, organização secreta de que de tornou destacado dirigente. Na noite de 4 de Outubro de 1910, conseguiu sublevar o regimento de Infantaria 16. Assumiu o comando dos revolucionários que se barricaram na Rotunda em Lisboa. Depois da vitória foi aclamado como fundador da República, promovido a Capitão de Mar-e-Guerra e eleito deputado para a Assembleia Constituinte. Pouco depois da instauração da República, incompatibilizou-se com os governantes e as acções que desenvolveu conduziram ao seu assassinato em 1921. Manuel de Brito Camacho (1862-1934) Licenciou-se em medicina e ingressou no Exército Português onde fez uma carreira como médico militar que o levaria a Coronel. Em 1902 abandonou a medicina e dedicou-se exclusivamente ao jornalismo e à política. Fundou em 1906 o periódico A Lucta, que se tornou no mais influente jornal republicano. Nas eleições realizadas depois do regicídio foi eleito deputado pelos republicanos e teve um papel muito importante na preparação do 5 de Outubro de 1910 sendo o elo de ligação entre republicanos e militares, dada a sua ligação ao exército. Foi um dos protagonistas da cisão do Partido Republicano Português liderando a facção mais à direita do novo Partido da União Republicana. Passou a desenvolver uma intensa acção jornalística e política assumindo-se como o principal opositor dos sucessivos governos formados pelo Partido Democrático.
  55. 55. José Mascarenhas Relvas (1858-1929) Pertencia à aristocracia mas aderiu ao Partido Republicano Português e dedicou grande parte da vida a divulgar os seus ideais políticos. Em 1909, foi eleito membro do Directório do partido e participou activamente nos acontecimentos do 5 de Outubro. Foi ele que às 9 horas de manhã, depois da rendição dos monárquicos, se debruçou na varanda dos Paços do Concelho para proclamar ao País a vitória da revolução e a Implantação da República. No novo regime assumiu a pasta das Finanças do Governo e foi embaixador de Portugal em Madrid. Afastou-se então da actividade política, regressando apenas para assumir em 1919 o cargo de Chefe do Governo por dois meses . Carlos Cândido dos Reis (1852-1910) Fez carreira militar e aderiu ao Partido Republicano Português, tendo sido eleito deputado pelo círculo de Lisboa. Tornou-se membro da Carbonária e foi um dos principais dirigentes da Revolução do 5 de Outubro. Nas vésperas da data prevista, quando outros oficiais também comprometidos propuseram um adiamento, Cândido dos Reis recusou e impôs a sua vontade, declarando: “A Revolução não será adiada. Sigam-me se quiserem. Havendo um só que cumpra o seu dever, esse único, serei eu”. Na madrugada de 5 de Outubro, em plena acção revolucionária e face às notícias de que o golpe falhara Cândido dos Reis acabou por se suicidar. Apesar de não ter assistido à vitória da Revolução em que tanto se empenhara, o Almirante Cândido dos Reis passou à história como um dos responsáveis pela Implantação da República.
  56. 56. Simbologia da República  Bandeira: A Bandeira Nacional está dividida em duas partes por uma linha vertical. A primeira parte é verde e constitui 2/5 da bandeira. A segunda parte é vermelha e constitui 3/5 da bandeira. No centro da linha vertical encontra- se um escudo com 7 castelos e 5 quinas a azul. Á volta do escudo existe a esfera armilar a amarelo. Autores da Bandeira Republicana: Columbano, João Chagas e Abel Botelho
  57. 57. Simbologia da República A Bandeira As 5 quinasAs 5 quinas Simbolizam os 5 reis mourosSimbolizam os 5 reis mouros derrotados porderrotados por D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques na batalha de Ourique.na batalha de Ourique. Os 5 pontosOs 5 pontos brancos dentrobrancos dentro de cada quinade cada quina Representam as 5 chagas deRepresentam as 5 chagas de CristoCristo Os 7 castelosOs 7 castelos Simbolizam as localidadesSimbolizam as localidades fortificadas que D. Afonsofortificadas que D. Afonso Henriques conquistou aosHenriques conquistou aos Mouros.Mouros. A esfera armilarA esfera armilar Representa o mundo que osRepresenta o mundo que os navegadores portuguesesnavegadores portugueses descobriram nos séculos XV edescobriram nos séculos XV e XVI e os povos com quemXVI e os povos com quem trocaram ideias e comércio.trocaram ideias e comércio. O verdeO verde Simboliza a esperança.Simboliza a esperança. O vermelhoO vermelho Simboliza a coragem e oSimboliza a coragem e o sangue dos portuguesessangue dos portugueses mortos em combate.mortos em combate.
  58. 58. Simbologia da República O Hino  Heróis do mar, nobre Povo, Nação valente, imortal, Levantai hoje de novo O esplendor de Portugal! Entre as brumas da memória, Ó Pátria, sente-se a voz Dos teus egrégios avós, Que há-de guiar-te à vitória! Às armas, às armas! Sobre a terra, sobre o mar, Às armas, às armas! Pela Pátria lutar Contra os canhões marchar, marchar!  Letra de Henrique Lopes de Mendonça. Música de Alfredo Keil.
  59. 59. O Hino Autores Alfredo Keil Henrique Lopes de Mendonça
  60. 60. Evolução desde o Condado Portucalense até à República
  61. 61. Evolução histórica  1081 Conde D.Henrique  1143 Afonso Henriques  1185 Sancho I  1248 Afonso III  1385 João I  1485 João II  1495 Manuel I  1573 Sebastião  1640 João IV  1667 Pedro II  1706 João V  1816 João VI  1830 Liberalismo  1910 República
  62. 62. Conde Henrique Afonso Henriques
  63. 63. Sancho I Afonso III
  64. 64. João I João II
  65. 65. Manuel I Sebastião
  66. 66. João IV Pedro II
  67. 67. João V João VI
  68. 68. Liberalismo República
  69. 69. Bibliografia: OLIVEIRA MARQUES, António H. de, História de Portugal, vol. III, Lx, 3ª ed., Palas Editores, 1986 SERRÃO, Joel, dir. ,Dicionário de História de Portugal, Porto, Livraria Figueirinhas VIEIRA, Joaquim, Portugal Século XX, Crónica em Imagens, vol. I, Lx, Círculo de Leitores,1999 Visão História, nº 7, Fevereiro de 2010 Netgrafia: HISTÓRIA E MEMÓRIA , in http://hm.centenariorepublica.pt/ , consulta em Fevereiro de 2010 PARLAMENTO, in http://www.parlamento.pt , consulta em Fevereiro de 2010 Portal Centenário da República, in http://www.centenariorepublica.pt/escolas/personalidade- republica/A, consulta em Abril de 2010 Símbolos in: http://www.centenariorepublica.pt/escolas/s%C3%ADmbolos-da-rep %C3%BAblica/bandeira-nacional e http://www.centenariorepublica.pt/escolas/s %C3%ADmbolos-da-rep%C3%BAblica/o-hino-nacional CRONOLOGIA, i n http://www.centenariorepublica.pt/escolas/cronologia-5-outubro- 1910/5%20Out. , Consulta em Março de 2010
  1. ¿Le ha llamado la atención una diapositiva en particular?

    Recortar diapositivas es una manera útil de recopilar información importante para consultarla más tarde.

×