a fotografia                                                                                                              ...
a homenagem                  Juvenal Pereira, o poeta da luzJuvenal Pereira                  O homenageado desta edição da...
os selecionadosExposições                     Alexandra Simões                          André Hauck                    Ann...
Por uma Fotografia DesterritorializadaSe há um traço que compõe hoje a fotografia contemporânea, ele é a perda de         ...
Alexandra Simões                   Janelas do Meu Quarto - 2009                   “Janelas do meu quarto, do meu quarto de...
Andre HauckLimítrofe - 2011Uma expressão curiosa da língua portuguesa, com o perdão da imagem repulsiva, éfulano está caga...
Anna Paola Guerra                    Silêncio-vaca - 2010/2012                    Série de fotografias feitas na distância...
Camila OttoEsplendoroso é o que sucede,                                                    Através do registro impreciso d...
Cleber Falieri                 Manipulações                 Ensaios com as mãos - 2011                 Fotografar com câme...
Cristiano XavierThe Low Light Trees - 2011The Low Light Trees tem a proposta de mostrar o que a visão não alcança. O tempo...
Daniel MoreiraCara da Saudade - 2011O Projeto fotoliterário “A cara da Saudade” propõe uma reflexão sobre essa cate-   “É ...
Elmo AlvesA Velha Guarda do Samba - 2012Senhoras e Senhores, a Velha Guarda do Samba!    Não se sabia que Belo Horizonte t...
Fábio Cançado                Asteróide - 2012                Asteróide é uma pesquisa fotográfica onde a câmera não perten...
Guilherme BergaminiSérie Quatro Gerações -2012Desde criança vejo esses quadros pendurados nasparedes da casa da minha avó ...
Manu Melo FrancoSenhoras do Czar - 2011O ser humano constrói museus na tentativa vã de parar o tempo, bloquear oesquecimen...
Marcelo Albert       Futebol Arte - 2010/2011Não importa a cor do campo, a dureza da terra, opeso da bola!Por traz dos hol...
Paula HuvenRelações - 2007/2008A mudança de cidade impõe completa alteração no ciclo das relações cotidianas       fotogra...
Pedro DavidSufocamento - 2012As florestas brasileiras estão sendo gradativamentesubstituídas pelo eucalipto.Diversas indús...
Pedro Silveira                 Escola da vida - 2012                 Fragmentos da memória de vidas inteiras, sonhados ou ...
Rafael PinhoReykjavík Backyardse outros retratos - 2009Esta série de fotografias explora personagens e o espaço arquitetôn...
Randolfo LamounierMolotov Love - 2012Com Molotov Love, Randolpho Lamonier retrata o cotidiano, subvertendo       visual se...
Rogério de SouzaOne Year Up! - 2012Este trabalho teve início de uma pesquisa pes-soal sobre a iconografia do universo Pinu...
Warley Desali                Homem Semelhante, Caiapós - 2008                O que impressiona em “homem semelhante, Caiap...
Wilson FerreiraTotens - 2012A Companhia de Cimento Portland Itaú produziu seu primeiro saco de cimento emContagem no ano d...
Onde encontrar? 01 - CentoeQuatro                                08 - Biblioteca Pública Estadual Luiz Bessa Praça Ruy Bar...
12                               01                 02     03                                     04                      ...
a homenagemJuvenal PereiraO poeta da luzJá faz tempo que a possibilidade da máquina de capturar imagens-pensamentoencantou...
documentados em preto e branco - e outra dos Bastões da Congada de Minas Gerais,bela catalogação do cetro/falo, portados p...
os convidadosBruno MagalhãesNatureza Morta“Natureza Morta” se configura como um ensaio sobre a memória, com imagens       ...
Leo Drumond e Gustavo Nolasco                                                                                             ...
os convidadosMissão:GandarelaSala 3 CentoeQuatro                                                                          ...
Grupo 64”                                                                                                                 ...
os convidadosBaita ProfissioniaisShanghai                                                                                 ...
projeções coletivas               C.O.R.P.O.                                                                O corpo humano...
programação CentoeQuatroPalestras e bate-papoEntrada franca, limitada a capacidade do espaçoQuarta-feira, 15 de agosto    ...
Sábado, 18 de agosto             13h00 - Heitor Muinhos                                                                   ...
cidade aforaSESC PalladiumAv. Augusto de Lima, 420terça a domingo de 9 às 21hentrada franca                         Cleber...
Foto em Pauta - IdeiasNitro Imagens                                                                                       ...
cidade aforaPulso IranianoA energia de uma nova geração revelada                                                          ...
Peso e Leveza              A exposição “Peso e Leveza” é resultado de uma seleção concebida no final   Expositores        ...
cidade aforaBH em P&B                                                                                                     ...
Roberto Murta                                           Panorama Fotografico                                              ...
cidade afora8APMINSIDEout                                Esta exposição traz imagens captadas pelas lentes dos alunos do 8...
Marcelo Prates                                                                Pendurados nos fiosO fotógrafo Marcelo Prate...
cidade aforaJoão DinizFotos do Cantagalo                     O arquiteto João Diniz apresenta fotografias sobre observaçõe...
Paulo Laborne                                                                                               Perto de mimEu...
cidade aforaBH EleganteUm projeto que pretende estreitar a relação cidade, imagem e cidadão, o BH Ele-    Lambança, projet...
Guto Muniz                                                                                           Foco In CenaA partir ...
Miguel Chikaoka               Coordenação: Eugênio Sávio               Natural do Vale do Ribeira, São Paulo, Miguel Chika...
Sala 2 CentoeQuatroMarco Aurélio Prates                       “Troca de Olhares” é uma iniciativa de estímulo ao colecioni...
Catalogo Semana da Fotografia 2012
Catalogo Semana da Fotografia 2012
Catalogo Semana da Fotografia 2012
Catalogo Semana da Fotografia 2012
Catalogo Semana da Fotografia 2012
Catalogo Semana da Fotografia 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Catalogo Semana da Fotografia 2012

1,205

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,205
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Catalogo Semana da Fotografia 2012"

  1. 1. a fotografia Júlio Cesar CardosoDados da REDE de Produtores Culturais de Fotografia do Brasil apontam que em mineiros, nascidos ou residentes no Estado. Foram centenas de ensaios recebidos2010 foram realizados no pais 42 festivais de fotografia e cerca de 30 encontros e curiosamente, algumas propostas recusadas neste edital foram selecionadas emespecializados, entre simpósios e seminários. Atualmente existem 28 cursos de outro. Isso mostra o vigor e diversidade da produção atual. Mostra também a inade-graduação e pós-graduação em fotografia, alem de 22 cursos livres, 17 associações quação do formato de edital proposto, onde um recorte sempre vai se fazer notar, oe 95 fotoclubes. A própria REDE reúne 195 profissionais envolvidos com a produção que contradiz (ou reduz) a proposta primordial de ser plural.cultural voltada à fotografia. O surgimento de mais de 20 galerias de arte especia- Não estranhe se notar que a Semana da Fotografia se estende por todo o mês delizadas no setor também mostra o interesse que o meio vem despertando entre os agosto, ocupando Belo Horizonte e arredores. Este catalogo ambiciona noticiar oartistas contemporâneos e o mercado de arte, cada vez mais receptivo à produção que acontece na cidade envolvendo a fotografia de arte, preocupada com as mani-de obras por meios tecnológicos. A fotografia digital é a catalisadora desta revo- festações do intelecto em encontros com pensadores, exposições e projeções multi-lução, que veio afetar nossa maneira de ser e comunicar. O conceito de broadcast media em diversos locais da cidade, de produtores diversos e entidades apoiadorasyourself é a verve do momento. O acesso nunca foi tão democrático. Ha pouco mais variadas. Alguma coisa ficou de fora, pois não foi possível mapear toda a cidade,de dois séculos, o processo de produção de imagem estava restrito a um pequeno devido a sua dimensão territorial e diversidade de ações voltadas a Fotografia e asgrupo, confinado nos castelos e igrejas. Hoje, o interesse pela produção de imagens Artes Visuais. Entre e fique a vontade para apreciar um pequeno fragmento da pro-é intenso, revolucionando a nossa maneira de nos relacionarmos socialmente. Nos dução mineira contemporanea.comunicamos por imagens e o fato da fotografia ter perdido o suporte tornando-seportátil e etérea, ainda não foi devidamente analisado e discutido.A II Semana da Fotografia de Belo Horizonte nasceu com uma proposta curatorial Tibério Françaespecífica: selecionar 20 propostas para ocupação do CentoeQuatro de fotógrafos Coordenador da II Semana da Fotografia de Belo Horizonte
  2. 2. a homenagem Juvenal Pereira, o poeta da luzJuvenal Pereira O homenageado desta edição da Semana da Fotografia é o fotojornalista mineiro Juvenal Pereira. Atuando profissionalmente desde 1970, já percorreu os mais importantes veículos de comunicação do país como as revistas O Cruzeiro, Veja, Isto É e jornais Folha de São Paulo, Estadão, Zero Hora e Correio Brasiliense. Foi um dos mentores do Mês Internacional da Fotografia em São Paulo e representou o Brasil no Mois de la Photo- graphie em Paris. Tem suas fotografias dentro de importantes acervos, como o do MAM-SP, MASP/Pirelli e também de colecionadores particulares como Joaquim Paiva. Curadoria Marília Panitz Foyer do cinema - CentoeQuatro Rodrigo Dai a festa 17/08 - 22h 2º andar do CentoeQuatro DJ Weber Pádua e Marcos Corrêa Show com a banda Low-Fi e Deco Lima e o Combinado Ingressos no local Marco Aurélio Prates
  3. 3. os selecionadosExposições Alexandra Simões André Hauck Anna Paola Guerra Camila Otto Cleber Falieri Cristiano Xavier Daniel Moreira Elmo Alves Fábio Cançado Guilherme Bergamini Manu Melo Franco Marcelo Albert Paula Huven Pedro David Pedro Silveira Rafael Pinho Randolpho Lamounier Rogério de Souza Warley Desali Wilson Ferreira
  4. 4. Por uma Fotografia DesterritorializadaSe há um traço que compõe hoje a fotografia contemporânea, ele é a perda de São trabalhos que entram em sintonia com o contemporâneo, mas uma sintoniaum contorno nítido. A fotografia, para o seu próprio bem, tornou-se dilatada, em disrupção, fraturada, se pensarmos, como quis Agamben, que ser contem-movediça e nômade. porâneo é saber estranhar seu próprio tempo, saber ver em seu tempo mais asExemplo claro disso foi a diversidade de trabalhos recebidos a partir da convo- trevas que as luzes.catória dessa Semana da Fotografia. Pensar a fotografia hoje é pensar em vídeo, Mais do que qualquer vinculação geográfica ou de pertencimento a uma possívelem performance, em instalação, em intervenção, em repetição, em land art, em tradição, o que está em jogo é, antes, a capacidade que esses trabalhos possuemdeslocamento, em esquecimento, em apropriação, em literatura. ou não de estabelecer fricções e rupturas com sua própria época, num sentidoToda essa riqueza de vetores torna o trabalho de seleção difícil. Ainda mais quan- político, estético e conceitual.do os envolvidos nessa escolha vêm de histórias e territórios distintos e se juntam Dessa forma torna-se obsoleto falar de uma fotografia mineira e mais urgentenessa mesma pluralidade de pensamentos. Portanto, uma seleção é sempre um pensar em uma fotografia de multiplicidades. Sem nacionalidades, donos ourecorte possível em meio a uma infinidade de outros. guetos, que não seja propriedade de profissionais ou de entidades. Uma fotogra- fia que consiga traçar rotas de fuga para saber se desvencilhar das amarras e dasOs artistas e fotógrafos que participam dessa Semana trazem uma ampla gama armadilhas normatizantes.de propostas. Aqui temos as tipologias, os seriais, a documentação do outro, adocumentação de si, a encenação, o espaço da intimidade, a relação com o tem- Por uma fotografia líquida, por uma fotografia de cacos, por uma fotografia en-po, com a memória, o trabalho com o aparentemente insignificante, a imagem trópica, por uma fotografia desterritorializada.precária, a imagem lúcida. João Castilho
  5. 5. Alexandra Simões Janelas do Meu Quarto - 2009 “Janelas do meu quarto, do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é (E se soubessem quem é, o que saberiam?)”. Álvaro de Campos Janelas do meu quarto é uma série de auto-retratos, que possui duas fontes de inspiração: as janelas de Vermeer e o poema Taba- caria de Fernando Pessoa. Vermeer foi um pintor do século XVII que realizou dezoito quadros no mesmo quarto, sempre na mesma janela. Ele não precisava de buscar inspiração em outro lugar e uma pessoa só bastava. Já Tabacaria é um poema que fala de alguns instantes e ao mesmo tempo de uma vida inteira. Usando os contrastes sonho e realida- de, sensações e pensamentos, vida vivida e vida sonhada, o eu poé- tico segue numa jornada em busca de uma compreensão. Assim a partir das janelas do meu quarto, o meu eu poético sente e pensa, sonha e apreende, representa e subjetiva a realidade atra- vés das objetivas de minha câmera fotográfica.
  6. 6. Andre HauckLimítrofe - 2011Uma expressão curiosa da língua portuguesa, com o perdão da imagem repulsiva, éfulano está cagando e andando. Alguém cagar enquanto anda é o cúmulo absoluto dodescaso. Se você pensar por um momento na cena, e mais uma vez peço desculpas porfazer você pensar nisso, o sujeito definitivamente não está se importando com nada,está absolutamente descomprometido com as consequências de seus atos.Às vezes imagino a civilização industrial como um sujeito cagando e andando. Elevai avançando sobre as matas, sobre os campos, sobre os rios, e vai esburacandoas montanhas para arrancar metais, e mastigando as árvores, e matando, secan-do, envenenando, extinguindo. No estômago do monstro esses recursos naturaistodos viram coisas – produtos, serviços, dinheiro.E aí, na retaguarda, o que sobra da digestão vai escorrendo pelas pernas do mons-tro peludo e se espalhando pelo caminho, uma confusão de metal retorcido eerosões e pedra moída e fatias de árvores mortas.Para cada lugar que existe no mundo – a Praça da Sé, a torre Eifel, o Pão de Açúcar,a sua casa – há mil não-lugares, restos de digestão mal feita, sobras da glutonicedo monstro, que só olha para frente, nem nota a sujeirada lá trás. Como ando pelomundo de bicicleta, vejo muito esses não-lugares pós-apocalípticos, essas cicatrizesdo nosso modelo de viver na Terra. São cantos tristes, o sol é excessivo, o cheiro éruim, há muitas moscas. De bicicleta, o tempo entre um lugar e outro lugar é pre-enchido com longos trechos de não-lugares. É tempo suficiente para se perguntarquem é que retorceu esta barra de ferro, o que é que se guardava neste armário, queárvore foi esta tábua, que lugar foi este, antes de não ser mais lugar.Li num livro que, entre os antigos chineses, quando alguém ia jantar na casa deoutro alguém, era considerado falta de educação não ir ao charco nos fundos dacasa e atender ali ao chamado da natureza. Se você come na casa de alguém tema obrigação de deixar lá mesmo os nutrientes que não vai usar, para que elesalimentem o solo que vai fazer crescer a comida para o jantar do ano que vem.Cagar e andar era algo que não se fazia naquela cultura.Mas hoje não. Somos seres tecnológicos, nossos iPads tem altíssima resolução e nossoscarros parecem tanques de guerra de filmes de ficção científica. E, quanto mais im-pressionante é a nossa tecnologia, mais vastos e desolados são os nossos não-lugares. Denis Burgierman Russo.
  7. 7. Anna Paola Guerra Silêncio-vaca - 2010/2012 Série de fotografias feitas na distância espaco/tempo, recolhidas em caminhos diversos, percursos cotidianos e viagens. Fazem parte desses percursos, predisposição e acaso. Extravio e extraver. Para além dos automatismos do ver, as coisas se libertam de suas funções, exis- tem com força. Objetos singulares que se expressam, nos olham e nos contemplam. Fotografias – vias de mão dupla – quando as coisas capturam mais do que são capturadas. Dispostas lado a lado, as imagens revelam uma geometria, antes impensada: tangências, simetrias, convergências.
  8. 8. Camila OttoEsplendoroso é o que sucede, Através do registro impreciso de uma câmera pinhole, apresento uma narrativa urbana repleta de sobreposições, fragmentações e movimentos, um verdadeironão o que se espera - 2011 convite para uma viagem. As imagens se comportam como reflexos da realidade, simulacros enganosos e abissais, que revelam um mundo fragmentado e fantástico.“A viagem não começa quando se percorrem distâncias, mas quando se atraves- O tempo e o espaço perdem suas dimensões. As sobreposições anulam a certeza dosam as nossas fronteiras pessoais. A viagem acontece quando acordamos fora do olhar e trazem novas possibilidades que se abrem ao infinito, uma forma de se espe-nosso corpo, longe do ultimo lugar onde podemos ter casa”. cular a realidade a partida fotografia. Dessa maneira,esplendoroso é o que sucede, Mia Couto não o que se espera, se coloca em direção à fantasia, miragem e fabulação poética.
  9. 9. Cleber Falieri Manipulações Ensaios com as mãos - 2011 Fotografar com câmeras de orifício, a ‘pinhole’, sempre foi, para mim, um ato e uma realização muito pessoal. Seu processo de produção me encanta e instiga incessantemente a minha criatividade. Suas características próprias me condu- zem a um ‘modus operandi’ quase sempre experimental, empírico e porque não dizer, lúdico. Em “Manipulações, Ensaios Com As Mãos”, há um pouco de tudo isso. Minha inte- ração com a câmera estenopeica ultrapassa os limites do convencional. Há aqui uma fusão da câmera e do fotógrafo, cujos resultados propiciam imagens de uma beleza (ou estranheza) onírica. Procuro retratar a ação das mãos em situações diversas, manipulando objetos, numa representação cênica onde braços e mãos fazem parte da câmera e são por ela registrados. Deste trabalho, selecionei seis imagens que remetem especifica- mente à ação do fazer fotográfico, ou mais diretamente à sua manipulação. Uma metalinguagem ainda mais direta, que também se traduz em etapas do meu próprio ofício em laboratório.
  10. 10. Cristiano XavierThe Low Light Trees - 2011The Low Light Trees tem a proposta de mostrar o que a visão não alcança. O tempo congelados numa luz irreal. “Produzir estas imagens me proporciona momentoscomprimido e as formas tortuosas das árvores condensados numa só estética. de extremo silêncio e comunhão com o meio, os quais julgo essenciais no meuImagens que estimulam a percepção das múltiplas possibilidades que só a foto- processo criativo“. O ensaio vem sendo desenvolvido pelo fotógrafo nos últimosgrafia permite, registrando a passagem do tempo sobre elementos da natureza 12 anos, usando captura por filme e digital.
  11. 11. Daniel MoreiraCara da Saudade - 2011O Projeto fotoliterário “A cara da Saudade” propõe uma reflexão sobre essa cate- “É a noção de saudade que nos faz refletir e, sobre tudo, sentir com maisgoria de emoção que é básica da existência humana. Através de fotografias de vigor, presença e intensidade o nosso amor e ausência dos entes e daspessoas comuns, em diálogo com textos que relatam o que esses personagens coisas que queremos bem. Ou seja: sei que amo porque tenho saudade. Seisentem mais falta, o ensaio busca captar a essência desse sentimento que tem que sinto falta de um lugar porque dele sinto saudade”.relação direta com a memória e a passagem do tempo. Roberto da Matta
  12. 12. Elmo AlvesA Velha Guarda do Samba - 2012Senhoras e Senhores, a Velha Guarda do Samba! Não se sabia que Belo Horizonte tinha samba, quanto mais velha guarda!Samba sim, que aqui tem sim, velha guarda sim, que aqui tem sim. Notícia boa,ser acordado com a surpresa dela, com o batuque dela, na cozinha, no quintal,na roda, de samba. Lagoinha, Concórdia, Pedreira Prado Lopes, Santo André,Raul Soares, Tropical na Paraná, Tabajara na Caetés, Praça Sete, Cidade Jardim.Lá estavam eles, lá estavam elas, cá estão eles, cá estão elas. Nas lentes precisas de Elmo Alves, o fotógrafo certo, no lugar certo, na horacerta. Tem que haver certa cumplicidade entre retratado e retratista, modo depor em destaque a majestade, a nobreza, a galhardia dos velhos guardiões, des-velando o olhar, em termos de preto, em termos de branco, do perfil elegante,daqueles senhores, daquelas senhoras, pele preta, cabelo branco e amor ao sam-ba, que não acaba mais, que não demora nunca, no coração vermelho. Logo eles,as mais velhas, os mais velhos, sexagenários, septuagenários, octogenários, vêmdar seu testemunho, certificar o samba de BH, com sua presença ancestral, an-tológica, politicamente incorreta, extra-oficial, na contramão do pode não podeafro-descendente dos dias que correm. Afinal, só existe samba no Brasil. Como dizia o poeta Vinicius de Morais, osamba é uma forma de bênção, às vezes branco, na poesia, mas negro demaisno coração. Se o poeta falou, tá falado. O samba é uma forma de oração. Mas queoração é essa que corre dos bairros da BH dos primeiros anos, percurtindo empreces negras o mapa de Minas Gerais, produzindo com toque mineiro, um cantoalterosa, par da verve carioca de Cartola, da vertente paulista, de Adoniran? O samba mineiro é único. A velha guarda viva, em flor, faz desconfiar que temmais por aí, nas cidades por aqui, nas cidades por acolá, misturado no congado, mis-turado no camdombe, nas giras do candomblé. Ouviu, viu. Quem vir, vai quererouvir. Quem ouvir, vai querer ver. Foto. Cd. Filme. Roda de samba. Sergio Farnese
  13. 13. Fábio Cançado Asteróide - 2012 Asteróide é uma pesquisa fotográfica onde a câmera não pertence ao fotogra- fo. Ele apenas se apropria de lentes do GoogleMaps para explorar mentalmente vistas aéreas do planeta onde o território fotografado traz consigo uma interpre- tação autoral do lugar, país ou cidade em relação a uma semiologia crítica do fragmento de imagem recortado e fotografado. Distante de qualquer função estratégica de informação ou vigilância, distante até da temática estetizada dos ensaios de fotógrafos, com as suas câmeras dispara- das em aviões e helicópteros em direção a paisagem da Terra. Nestes ensaios, quase sempre importa diante dos enquadramentos e belos luga- res, um caráter de grandiosidade do planeta, evoca-nos a beleza das texturas e dos relevos em comunhão as cores. Cada foto nos faz pensar o tamanho e a di- versidade deste privilegiado planeta. Ali, não há limites, fronteiras, não se cita os países, se imagina a exótica África, com manadas de gnus correndo, ou a imensa devastação da Amazônia, sempre o relevo e os acidentes da geografia são espe- taculares, a luz sempre exata, escava o terreno, os animais e a vegetação. Quanta beleza e quão livre é este planeta visto por cima. Asteróide pesquisa a fresta entre o significado do lugar, sempre citado na monta- gem final das fotografias (o país, a cidade) e seu significante, micróbio de um in- consciente achado no seu corpo–território, através da imagem selecionada. Algo que lhe escapou e que se faz evidência para ser visto com uma câmera satélite distorcida da sua imediata função. Uma forma vista de cima que nos remete a um objeto da história do lugar e das estórias que nos fez imaginar aquele país ou aquele cidade, no passado mais que pretérito ou até recente, às vezes, com medo, romantismo, ludicidade ou visão política. Traz o fotógrafo para um setor da contemporaneidade, onde o olhar se volta ameaçando os temas da própria fotografia, suas ferramentas , sua idéia histórica de beleza, a câmera usada agora nem necessita tanta definição, pode estar longe do seu corpo. Porém, ainda se sustenta a noção intencional dos fotógrafos pelo vagar. Sua an- tiga capacidade de buscar significado nas imagens ao acaso, no caminhar, no ser flâneur. Não mais saímos do lugar e temos todo o trajeto do mundo, andando com o olhar em uma tela.
  14. 14. Guilherme BergaminiSérie Quatro Gerações -2012Desde criança vejo esses quadros pendurados nasparedes da casa da minha avó Nice Catão Masca-renhas. Ex- aluna do pintor Alberto da Veiga Guig-nard, ela mantém sua paixão pelas artes, mesmoafetada pelo Mal de Alzheimer. Filha de HeraldoCatão, entalhador e escultor de técnicas precisas,foi esposa de Cincinnatus Goulart Mascarenhas,engenheiro agrônomo e entusiasta pelas letras.O silêncio de um quarto, a intimidade de uma cama,que foi o lugar onde meu avô viveu aprisionado os últi-mos dez anos de sua vida, devido ao desenvolvimentode uma doença degenerativa. Os quadros, as pinturas,os desenhos e as fotografias, que observo e contem-plo, representam a memória visual de minha família– iconografias que fazem parte de meu íntimo.A série Quatro Gerações é minha singela homena-gem para demonstrar minha gratidão e meu gostopelas pequenas e mais significantes coisas da vida.
  15. 15. Manu Melo FrancoSenhoras do Czar - 2011O ser humano constrói museus na tentativa vã de parar o tempo, bloquear oesquecimento. Há um traço de poesia nesse esforço monumental. O tesouro doHermitage, mais do que a sua imensa coleção, é esse tempo aprisionado: até oar que se respira, a brisa que vem do Neva, parece conter partículas de passado.Percorrer seus corredores é transitar por entre os séculos. E qual visitante atentonão há de se surpreender com os olhares enviesados dessas simpáticas senhorasque, sala após sala, nos vigiam, como se fôssemos estranhos viajantes do futuro?Sentadas em suas cadeiras, elas, guardiãs do tempo, compõem o cenário poéticode um império que ficou na História.Fotografá-las é proibido - um sacrilégio!, diria talvez a guardiã-mor, temendo queesse viajante fosse capaz de lhes roubar a alma. “Senhoras do Czar” é, portanto,a confissão de um ato transgressor, que nos convida a espiá-las de volta e assimromper a barreira do tempo, ainda que de forma sutil, incógnitos entre turistas eobras de arte, disfarçados entre passado, presente e futuro. Não lhes roubamos aalma, é certo, mas tomamos para nós um gole de poesia. Paulo Fehlauer
  16. 16. Marcelo Albert Futebol Arte - 2010/2011Não importa a cor do campo, a dureza da terra, opeso da bola!Por traz dos holofotes e do dinheiro que envolve ofutebol profissional existe uma nação, um povo quenão tira a bola do pé. Passar perto de um campinho éficar encantado, magnetizado, hipnotizado pelo dri-bles das canelas tortas ou pelo vôo do arqueiro alado.A série traz um contraste entre dois lugares, dois po-vos, dinâmicas, cores, pessoas e luzes diferentes, mas amesma paixão. Onde o compromisso é com o gol, coma corrida, com a poeira e com o mergulho no mar, ondea partida nem sempre acaba com o fim da luz do sol.O contraste das duas cidade retratadas ficaram regis-tradas nas cores aqui exibidas. A árida Diamantina noVale do Jequitinhonha em Minas Gerais, onde permea-da de morros ainda conserva a rotina do campinho deterra, aqui observado do alto do “Cruzeiro”. E a paradi-síaca praia de Moreré, na Bahia, onde o clima tropical ea luz litorânea contribuíram para o resultado do ensaio.“Futebol arte” é atemporal, da criança ao idoso, do gordo aomagro, o forte e o fraco, o alto e o baixo, qualquer um podeparticipar, diferente do “futebol dinheiro” que: se o pênalti ébatido com maestria o goleiro fica fora da fotografia!
  17. 17. Paula HuvenRelações - 2007/2008A mudança de cidade impõe completa alteração no ciclo das relações cotidianas fotografia era o dispositivo dessa relação. A câmera Polaroid determina ordense isso me fez viver a rotina quase provinciana do comércio local do Leme de outra específicas. O objeto, tão único quanto as trocas submersas naquele momentoforma. Há poucos meses havia me mudado de Belo Horizonte para o Rio de Janei- fotográfico: a trama irreproduzível não só dos olhares que se cruzam, como dosro e, na ausência de relações íntimas na nova cidade, os contatos ligeiros com as encontros corriqueiros e cotidianos.pessoas desconhecidas e redimensionavam em possíveis ou pequenas relações. Vulneráveis aos traços do tempo, essas fotografias Polaroids são possíveis fósseisQuando algum contato era feito através de uma compra ou serviço eu pedia para desses encontros, de certa forma, ficcionais. Em instantes, surgia em nossa frentefotografar a pessoa e para que ela me fotografasse. Mais do que uma imagem, a esse objeto, tornando palpável o que era, antes, apenas visível.
  18. 18. Pedro DavidSufocamento - 2012As florestas brasileiras estão sendo gradativamentesubstituídas pelo eucalipto.Diversas indústrias siderúrgicas implantadas aolongo do território nacional compram desvaira-damente enormes porções de terra, as desmatamtotalmente, e realizam o que chamam “reflores-tamento”: a substituição da vegetação nativa poressa espécie exótica vegetal, transgênica, que temrápido crescimento e alta resistência a pragas. Oeucalipto é a madeira ideal para a obtenção do car-vão vegetal, fundamental para a transformação dominério de ferro em aço.O cerrado é o bioma mais ameaçado. Especialistasdizem que, se o ritmo da devastação continuarcrescendo como nos últimos anos, em pouco tempoo cerrado vai deixar de existir.O eucalipto cobra um alto preço para realizar seumilagre desenvolvimentista: esgota a água e os nu-trientes do solo, seca nascentes próximas e espantatotalmente a fauna, que não suporta seu odor.Nenhuma outra espécie vegetal sobrevive dentrode um campo de eucalipto.
  19. 19. Pedro Silveira Escola da vida - 2012 Fragmentos da memória de vidas inteiras, sonhados ou vividos, recriados para dar vazão aos incômodos que insistem em desatinar a cabeça para o olhar. Os ditos experimentados estão por aí, entre uma foto e outra, condensados e fundidos neste tempo e espaço, pairados no ar. Quisera poder explicar com as palavras, mas elas começaram a faltar. Talvez tenha sido bom. Ainda era cedo, a estrada estava cheia de incertezas e o silêncio nunca deixou de provocar. Quem sabe um dia vai ser possível gritar de boca fechada, como num sonho, com o peito desacelerado, sem deixar que o olho desvie seu caminho. Cada qual escolhe o seu. Rearranjar a estrada é ato intempestivo, que reverbera mui- to mais aqui dentro do que aí de fora, assim como as fotografias devem ser. Mais profundidade e menos superfície, seja lá onde o correr desta curva vai dar. A vida não é assim mesmo? Aperta, esquenta, esfria, afrouxa e tudo mais? A coragem que incide aqui é de provocar. Deleitar-se na inquietude das questões do íntimo. Iluminar as interrogações, agora suspensas a espera de degustação. Não viemos a um desfile de verdades. Assim, sigo consumando a vivência que me coube e aqui deixo apenas perguntas, acompanhadas de um pote tenro de edu- cação e outro com pequena dose do amargo gosto da terra por onde me procurei.
  20. 20. Rafael PinhoReykjavík Backyardse outros retratos - 2009Esta série de fotografias explora personagens e o espaço arquitetônico de uma Reykjavík Backyards e Outros Retratos é uma pesquisa visual cuidadosa de umcidade bastante peculiar que é Reykjavík, capital da Islândia. fotógrafo que busca uma assinatura forte e atual, se valendo de uma qualidadeRafael Pinho viveu e se formou em Belo Horizonte, mas nos últimos 6 anos morou técnica construída pelo uso de luz artificial em combinação com natural. O resul-na Islândia, Alemanha, Dinamarca e França. Por ser arquiteto, Pinho ficou atraído tado é uma superfície de temperamento bastante peculiar, onde Pinho adicionapelo espaço novo que encontrou: viu nas casas que visitou em Reykjavík uma área uma pitada de humor e mistério, envolvendo o espaço, situações e personagensexterna, um quintal, que era usado por cada morador de uma forma diferente. que trazem ao seu trabalho um tom de voz muito expressivo.A situação de luz da cidade também causou impacto no trabalho de Pinho: para Gabriel Malardquem, em Belo Horizonte, tivesse interesse na luz do fim de tarde, encontrariatalvez 40 minutos para experimentar. Em Reykjavík disporia de várias horas nosdias de verão para criar seu temperamento, e muitas vezes explorou criativamen-te essas situações.
  21. 21. Randolfo LamounierMolotov Love - 2012Com Molotov Love, Randolpho Lamonier retrata o cotidiano, subvertendo visual se apropria do espaço doméstico, reformulando-o nos termos deseu caráter privado e relacionando sua própria vida com a experiência co- uma narrativa que busca traduzir no absurdo um olhar afetivo sobre aletiva, em algum lugar entre a ficção e a documentação. Seu vocabulário identidade e a memória.
  22. 22. Rogério de SouzaOne Year Up! - 2012Este trabalho teve início de uma pesquisa pes-soal sobre a iconografia do universo Pinup,especialmente representado pelo trabalhodos ilustradores Gill Elvgren e Alberto Vargas.Busquei nestas 12 fotografias uma aproxima-ção com o estilo destes dois ilustradores e aaplicação das imagens em forma de calendáriode parede, por se tratar do suporte em que asilustrações eram originalmente veiculadas .Mais do que um abordagem estética , ví aquia possibilidade de um exercício projetual decriação de imagens. Neste caso a fotografia nãoprecisa necessariamente ser uma representa-ção fiel de seu referênte, mas um instrumentode criação.A fotomontagem, que vem sendo praticadadesde o século XIX, ganhou na contemporânei-dade aliados importantes com a digitalizaçãoda fotografia e a oferta de softwares de trata-mento fotográfico. O fotógrafo tem agora emmãos um novo elenco de ferramentas para seexpressar criativamente.O que proponho com esta série, é a junção da tec-nologia e da sensibilidade representada aqui emforma de imagens fotográficas.
  23. 23. Warley Desali Homem Semelhante, Caiapós - 2008 O que impressiona em “homem semelhante, Caiapós”, série fotográfica de Warley Desali, não é a forma nem o objeto, antes a aparente distân- cia entre os dois. Não é a luz dura e o preto e branco marcado, de pou- cas nuances. Não são os adolescentes e as casas pobres, é a insuspeita relação entre essas duas esferas. Uma relação de aparente contradição que Desali transforma em obscena obviedade: os corpos podem ser absolutamente comuns, ordinários; porém a forma utilizada para re- tratá-los é sublime, dramatica, destinada aos grandes homens e fatos. Não há descompasso: a forma é justa pro objeto. Sob o olhar rígido, as indicações precisas de poses e a luz talhada a faca de Desali, os jovens garotos do bairro Caiapós se tornam sublimes, grandiosos: rapazes cujos olhos e mãos são represas de poesia e beleza. Não se trata de uma beleza fácil, exploradora. Não é da pobreza deles que advém uma suposta beleza. Não é imputando aos rapazes a carga de sofrimento que as fotografias adquirem carga dramática. A beleza e o drama vem do artifício, ou antes, da junção entre a manipulação subjetiva do autor e a realidade. O drama é uma pose, não uma situa- ção. Não é a fome, nem o gás acabado, é a mão retorcida, a flor de lírio contra o peito. A beleza, sob a mesma via, não vem do olhar triste, da pele desgastada, vem da luz branca contra o peito e rosto dos rapazes, vem da mão magra por sobre o rosto. Quando o foco recai sobre o encontro entre a forma e os corpos, as situa- ções fora do quadro da foto diminuem em importância. Perde peso o fato de eles serem pobres ou não. Se suas ruas são em um bairro de periferia ou outro mais abastado acaba não sendo o fato preponderante (mesmo que isso seja visível e componha a foto). O importante é ver o poder que ganham os jovens rapazes ante a câmera de Desali. O importante é ver o quão sublimes eles podem se tornar quando seus corpos magros encon- tram a forma fotográfica do autor. O importante é perceber o que De- sali diz com essas camisetas de estampas agressivas e chinelos de dedo banhados em luz sepulcral: esses meninos são grandiosos e belos, e em suas mãos retorcidas e troncos desnudos um tanto do drama do tempo. Affonso Uchoa
  24. 24. Wilson FerreiraTotens - 2012A Companhia de Cimento Portland Itaú produziu seu primeiro saco de cimento emContagem no ano de 1945 e operou até o ano de 1988. Além de ter um papel impor-tante no processo de industrialização da região metropolitana de Belo Horizonte, foiuma das principais fornecedoras de cimento para a construção de Brasília.A matéria prima era extraída da pedreira Carrancas situada em São Jose da Lapa. Otransporte feito por um teleférico que percorria 28 km em linha reta. Esse sistemade caçambas sobre fios era sustentado por torres de concreto. Após o fechamento dausina essas estruturas permaneceram na paisagem como monumentos esquecidos.Observá-las nos leva à reflexão sobre como as atividades econômicas agem na con-figuração das cidades.
  25. 25. Onde encontrar? 01 - CentoeQuatro 08 - Biblioteca Pública Estadual Luiz Bessa Praça Ruy Barbosa, 104 - Centro Praça da Liberdade, 21, Funcionários 02 - Centro de Arte Contemporânea e Fotografia 09 - Aliança Francesa Av. Afonso Pena - 737 - Centro Rua Tomé Souza, 1418 - Lourdes 03 - SESC Palladium 10 - Universidade FUMEC Av. Augusto de Lima, 420 - Centro Rua Cobre, 200 - Cruzeiro 04 - Palácio das Artes 11 - Oi Futuro Av. Afonso Pena, 1537 - Centro Av. Afonso Pena, 4001 - Mangabeiras 05 - Associação Médica de Minas Gerais 12 - Fundação Zoo-Botânica Av. João Pinheiro, 161 - Centro Av. Dr Otacílio Negrão Lima, 8000 - Pampulha 06 - Carminha Macedo Galeria de Arte 13 - Lemos de Sá Galeria de Arte Rua Bernardo Guimarães, 1200 - Lourdes Avenida Canadá, 147 - Jardim Canada - Nova Lima 07 - Memorial Minas Gerais Vale link Google maps: Pça da Liberdade, s/nº- Funcionários http://goo.gl/maps/rcCS2
  26. 26. 12 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 13
  27. 27. a homenagemJuvenal PereiraO poeta da luzJá faz tempo que a possibilidade da máquina de capturar imagens-pensamentoencantou Juvenal, pela primeira vez. Das fotos familiares ao mundo do jornalis-mo, já na Revista O Cruzeiro e depois em todos os grandes veículos da imprensaimpressa do país, seu olhar esquadrinha a vida.Juvenal é um etnógrafo da cidade (e do interior profundo também). Seu olharnão é aquele da captura instantânea – embora esta seja a marca do fotojornalis-mo. Há uma construção por trás da imagem que evoca a idéia de ler o outro, dedar-lhe voz na imagem capturada.Daí que o seu percurso entre a foto documental e a poesia da imagem foi semprependular. Um trajeto percorrido organicamente, que aponta para o pressupostode que todo olhar constitui uma versão (uma entre outras) do que é visto e quetal versão diz muito do olhador.A mostra O POETA DA LUZ não se pretende uma retrospectiva nos moldes tradi-cionais. Não tem a intenção de revisitar todo o trabalho do fotógrafo-artista nemde organizá-lo em uma ordem cronológica. Ela se debruça sobre algumas séries,escolhidas por ele e representadas por algumas das imagens pertencentes a elas,ora como narrativa, ora como classificação de determinado ícone recorrente, orapropondo um jogo ao fruidor, que poderá compor, ele mesmo, uma determinadasintaxe com as fotos. Mais do que revelar a trajetória de Juvenal Pereira, a propos-ta é demonstrar, de maneira poética, como o artista concebe as suas sentençasapós a sua coleta de vestígios do mundo.Quem visitar o CentoeQuatro vai se deparar, logo na entrada, com dois recep-cionistas especiais: um Juvenal no tempo de suas primeiras clicadas e, um RaulSeixas, fruto de ensaio feito em 1988. a partir daí, já podemos descansar nossosolhos nas panorâmicas que Juvenal produz e que iniciam e fecham a mostra.Seguindo, se pode visitar cinco séries: uma chamada Iãkwa, nos leva ao universo de core mistério de um raro ritual indígena documentado pela primeira vez, pelo fotógrafo.Mas não espere uma documentação stritu sensu! Juvenal fotografa ao ritmo da festa...Outra duas séries que resultam de seu mergulho pelo Brasil pouco conhecido pornós são a do Tambor do Quelé, em São Luis, em festa de matança do porco e com ostambores de crioula em ação – rito, alegria, violência e louvor em pequenos gestos
  28. 28. documentados em preto e branco - e outra dos Bastões da Congada de Minas Gerais,bela catalogação do cetro/falo, portados pelos rei da festa (O Rei do Congo).Há também uma série de retratos, onde personalidades da arte , políticos, anô-nimos e amigos se misturam. Ela se abre com uma foto que já nos conta a queveio... Um homem anda ao lado de sua bicicleta na chuva trazendo dentro de suacamisa... um menino que nos olha de seu esconderijo. De quem é o retrato? Juntoa ela, um slideshow revisita de forma randômica os diferentes “personagens” deJuvenal Pereira.A outra série é resultado de mais uma paixão do artista: o bambu. Grandes ima-gens de pequenos detalhes ou panorâmicas das touceiras da planta são expostas,as vezes, quase abstrações, mas sempre nos conduzindo à descoberta do motivo.As fotos aqui parecem ter um namoro com o ukio-ê, a pintura gestual de tradiçãoancestral japonesa.Por fim, Juvenal Pereira nos oferece suas manipulações das imagens fotográficas.Não! Não pense em transformações com photoshop ou outro programa oferecidopelas novas tecnologias (embora ele os veja com bons olhos e não faça parte dogrupo que defende a tradição do analógico). São manipulações concretas: tramascom duas imagens trançadas, a maneira da cestaria (arte aprendida com o bam-bu), quebra cabeças poéticos, o enorme jogo de contatos, sua obra participativaImpermanência que compomos com ele... E uma bela instalação que nos leva ànascente do Rio São Francisco.Se tínhamos iniciado nosso itinerário pousando nosso olhar no horizonte de ÁguaSuja (atual Romaria, no Triângulo Mineiro, terra onde o artista nasceu), termina-mos acompanhando os recortes das montanhas de Ouro Preto.Boa Viagem! Marilia Panitz
  29. 29. os convidadosBruno MagalhãesNatureza Morta“Natureza Morta” se configura como um ensaio sobre a memória, com imagens “O excesso de flores de plástico nos jazigos, que precisam de pouco ouproduzidas em cemitérios do interior do Brasil. A proposta surgiu durante a rea- nenhum cuidado, desmascara a culpa velada de não nos dedicarmos mi-lização de um documentário sobre a cultura dos imigrantes no estado de Santa nimamente às nossas memórias. Isto remete a um mundo contemporâneoCatarina. Enquanto Bruno Magalhães buscava imagens que criassem um paralelo confuso, artificial, onde os valores culturais são engolidos por facilitadoresentre as diversas etnias que formaram o estado, percebeu nos cemitérios uma econômicos”, disse Magalhães.dominância de flores artificiais, o que inspirou a crítica.
  30. 30. Leo Drumond e Gustavo Nolasco Os Chicos“O Rio São Francisco desce para o norte e sobe para o sul. Entender os Chicos foi Os Chicos é uma exposição multimídia do fotógrafo Leo Drumond e do escri-como entender o rio. Sua lógica é própria, antiga. Mas não está parada. O rio não tor Gustavo Nolasco, fruto do projeto do mesmo nome que durante 100 diaspara nunca. Os Chicos também não. É a mistura do folclore com o orkut. percorreu comunidades do Rio São Francisco contando histórias de FranciscosO tempo que passa, mudando as pessoas, é o rio que passa, mudando a paisa- e Franciscas. Em 2011 foi lançado o livro Os Chicos – Prosa e Fotografia, e tam-gem. Sofrimento e decadência, alegria e beleza. Todos juntos, na mesma corren- bém um curta metragem.te. Assim são os Chicos. Assim é o Rio.”
  31. 31. os convidadosMissão:GandarelaSala 3 CentoeQuatro Alice OkawaraA Serra do Gandarela, situada poucos quilômetros ao sudeste de Belo Horizonte, 20, reúne trabalhos em fotografia, desenho e vídeo e multimidia, em um projetoguarda as áreas remanescentes mais significativas no Estado de campos rupestres colaborativo de apoio à criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela.ferruginosos sobre canga, um geossistema riquíssimo em biodiversidade e extre- Em uma primeira apresentação pública, na I Semana da Fotografia de Belomamente importante para a recarga hídrica dos aquíferos que abastecem Belo Ho- Horizonte, promovida em agosto de 2011 pelo Fórum Mineiro de Fotografiarizonte pelo sistema do Alto Rio das Velhas, além de abrigar a segunda maior área Autoral no Espaço Cultural CentoeQuatro, em Belo Horizonte, MG.remanescente contínua de Mata Atlântica em MG. Na Gandarela existem dezenas decachoeiras belíssimas, cavernas de máxima relevância, lagoas de altitude no relevo Para esta segunda edição da Semana da Fotografia o projeto prevê uma aborda-de canga e algumas das paisagens mais impressionantes da região central de MG. A gem ampliada, com o convite para participação de outros artistas e a inclusão deregião é o último santuário natural ainda preservado no entorno da capital mineira, uma instalação multimídia interativa por projeção digital e atuação por sensorese está atualmente ameaçada por grandes projetos de exploração mineral, que po- de movimento, atualmente em fase de desenvolvimento com o grupo de pesqui-dem comprometer irreversivelmente o abastecimento de água para Belo Horizonte sas em arte computacional 1maginari0, da Escola de Belas Artes da UFMG.e sua Região Metropolitana; além disso, a destruição da paisagem pelo processo de Participam desta instalação: Paulo Baptista, Marilene Ribeiro, Alice Okawara,mineração de ferro a céu aberto tende a inviabilizar o enorme potencial de desen- Marcelo Prates, Danilo Siqueira, Ilana Lansky, Marcelo Andrê, Robson de Olivei-volvimento econômico sustentável da região pelo turismo. ra, Layne Juh e Giza Portilho, Maurílio Nogueira Júnior, Filipe Chaves e CarlosA região tem atualmente a esperança de sua preservação depositada na criação Eduardo Oliveira e Hamilton Junior.do Parque Nacional da Serra do Gandarela, proposta pelo ICMBio - Instituto Chico O Prof. Paulo Baptista, coordenador do projeto e autor da presente proposta, de-Mendes de Conservação da Biodiversidade, órgão do Ministério do Meio Ambien- senvolve pesquisas ligadas à documentação científica por imagem de bens dote responsável pela gestão das Unidades de Conservação federais. patrimônio cultural e natural, através de sua atuação no iLAB – Laboratório deO projeto Missão: Gandarela surgiu da iniciativa de um grupo de artistas visuais Documentação Científica por Imagem, da Escola de Belas Artes da Universidadeinteressados em explorar a região com o olhar voltado para a conscientização da Federal de Minas Gerais.sociedade da necessidade da preservação de seus atributos naturais em benefíciodas presentes e futuras gerações. A proposta, inspirada no conceito de missãoexploratória usado no século 19 em trabalhos de levantamento geográfico no Movimento pela Preservação da Serra do GandarelaBrasil e nos EUA e também nas missões fotográficas francesas do final do século www.aguasdogandarela.org
  32. 32. Grupo 64” Sala Multiuso CentoeQuatroMarcílio Gazzinelli 64 é um número mítico na fotografia. Em meados de 2011, a fabricante alemã de papéis HAHNEMÜHLE anunciou que pararia de cortar seus papéis no formato de 64 polegadas, já que a única impressora que imprime nesse formato é a EPSON 11880 e todas as outras em Em 1932, um grupo de fotógrafos com o objetivo de romper com os aspectos e até 60 polegadas. intervenções pictóricas que a fotografia assumira até então, formou o famoso Grupo F/64. O Studio Anta, um dos precursores da impressão Fine Art no Brasil, lançou então um forte movimento internacional para que a HAHNEMÜHLE, única empresa a Eles pretendiam alcançar aquilo que entendiam ser a “fotografia pura”- um tipo cortar papéis nesse tamanho, desistisse da ação. de fotografia sem artifícios técnicos, composição ou idéia derivada de qualquer outra forma de arte. Surgiu daí o GRUPO 64 polegadas. O signif icado do nome revela bem os propósitos do grupo, uma vez que F/64 era a O objetivo principal do GRUPO 64” é apresentar, em mostras frequentes, um menor abertura do diafragma das lentes das câmaras de grande formato e da sua novo formato para a expressão fotográfica, deslocando os limites do tamanho utilização resultava uma maior profundidade de campo e, consequentemente, e da qualidade da imagem impressa e forçar a industria a continuar produzindo material para esse formato. uma maior nitidez da imagem. Os participantes do grupo estão completamente desvinculados de qualquer Participaram desse grupo: Edward Weston, Imogem Cunnigham, Ansel Adams, tendência artística ou censura. A questão é meramente métrica e técnica. Novos Willard Van Dyke, Brett Weston dentre outros. Em 1935 a KODAK lançou o seu autores serão sempre bem vindos. mais famoso filme colorido, o KODACHROME 64. Filme com uma excelente la- titude de cores e com baixíssima sensibilidade, 64 ASA, o que lhe conferia um A idéia é levar esse conceito para outros países, formando um enorme intercâm- grão fino e possibilitava ampliações em grandes formatos com muita nitidez. Em bio cultural através do formato. dezembro de 2010, a Kodak fez a última revelação do Kodachrome encerrando de Participam desta exposição Álvaro Fráguas, Eustáquio Neves, Guilherme Cunha, Gui- vez esse nobre material. lherme Horta, Jomar Bragança, Henrique Gualtieri, Marco Mendes e Weber Padua
  33. 33. os convidadosBaita ProfissioniaisShanghai Fabrício BarretoShanghai é uma exposição do grupo Baita Profissional, quinze fotógrafos unidos Todos tiveram liberdade total. Cada um escolheu o que fotografar, o equipamentopela amizade e pela internet. Mas em Shanghai não há nenhuma foto de Shan- utilizado e a quantidade e o formato das fotos expostas. A única exigência, fioghai. Ninguém foi até lá fotografar. Na verdade, a pergunta que todos se fizeram condutor do projeto: usar o filme Shanghai.foi ‘’o que fotografar com Shanghai?’’ Participam da exposição Anderson Astor, Andréa Graiz, Carlos Stein, Eduardo Aig-O projeto nasceu de uma idéia bem humorada, como grande parte das iniciativas ner, Edy Kolts, Fábio Del Re, Fabricio Barreto, Fernando Schmitt, Guilherme Kodos Baita Profissionais. Na época do predomínio absoluto da fotografia digital, Freitag, Lucas Cuervo Moura, Marcelo Curia, Paulo Backes, Ricardo Jaeger, Tamiresum de seus membros descobriu à venda, por quatro reais o rolo no site e-bay, um Kopp, Ubirajara Machado e os convidados Ricardo Chaves, Leopoldo Plentz, Edu-filme preto e branco chinês de qualidade e marca completamente desconhecidos. ardo Seidl, Luiz Abreu, Eneida Serrano, Raul Krebs, Francilins Leal, Pedro David eShanghai GP3 100 Pan Film. João Marcos Rosa.Da descoberta veio a provocação: ‘’Se eu comprasse um pacote de Shanghaiquantos topariam pegar um dos filmes e fotografar?’’ Os quinze BPs aceitaramo desafio. Por diversão, basicamente. Para fotografar com um número de poseslimitado e sem poder ver a imagem imediatamente. Para poder se reunir um diae revelar os negativos. Para bom, porque sim.Mais tarde, em um churrasco, ou em uma reunião de trabalho dos BPs (o quenão faz muita diferença, pois em toda reunião se assa alguma carne, e em todochurrasco se fala de fotografia) decidiu-se que esse material viraria exposição.
  34. 34. projeções coletivas C.O.R.P.O. O corpo humano permeia as relações do ho-Ilana Lansky mem com o mundo, deslocando-se entre as figuras de sujeito e objeto, de acordo com os padrões estéticos estabelecidos por uma de- terminada época. Do diálogo que surge quan- do o corpo assume os papéis, ora de sujeito, ora de objeto, emergem diversas percepções sobre o mundo. A projeção C.O.R.P.O. apresenta as diferentes abordagens que o corpo adquire na fotografia contemporânea e através dessas representações, amplia-se o debate sobre a questão corporal na atualidade. Curadoria: Gelka Barros Auto-retrato Tibério França Projechão É uma projeção coletiva e constitui um Site Gelka Barros Specific. O termo Site Specific refere-se a obras criadas de acordo com o ambiente onde estão instaladas e que geralmente se inte- gram a obra, ligando-se ainda à ideia de arte ambiente. Neste caso, o chão da garagem do CentoeQuatro é transformado em tela de pro- jeção e o trocadilho do termo confere a pro- O auto-retrato é um dos temas fascinantes da fo- posta o sabor de irreverência desta instalação tografia por apresentar o produtor de imagens da inusitada. A projeção apresentada foi cons- maneira como ele se vê ou se apresenta. Muitos truída através de uma convocatória publica não gostam de estar diante das cameras, mas não e apresenta fotografias feitas do alto, sempre raro se mostram refletidos ou propositalmente apontando a camera para baixo. presentes na imagem. Curadoria: Camila Otto Curadoria: Tiberio França
  35. 35. programação CentoeQuatroPalestras e bate-papoEntrada franca, limitada a capacidade do espaçoQuarta-feira, 15 de agosto 13h00 - Alexandre Henriques 14h30 - Flavio Valle Direitos Autorais e Uso de Imagem Processos colaborativos em Fotografia O objetivo da palestra é abordar as interferências Reflexão sobre gestão colaborativa de grupos jurídicas no cotidiano fotográfico, demonstrando os culturais com base na experiência do Coletivo Fora principais direitos e deveres do fotógrafo, apresen- das Bordas. Discussão sobre cooperação cultural, tando exemplos práticos ocorridos em nossos tribu- organização em redes e processos colaborativos e nais, e em todo o decorrer do “bate-papo” esclarecer interdisciplinares. Apresentação das facilidades e das as principais dúvidas do público presente. dificuldades encontradas no dia à dia do coletivo. 16h00 - Missão: Gandarela Bate papo com o coletivo O papel da fotografia na discussão das questões ambientais ganha destaque nesses tempos de apetite voraz pela explo- ração dos recursos naturais no Brasil. Conversa com o coleti- vo que reúne artistas visuais em prol da criação do Parque Nacional da Serra do Gandarela, última grande área ainda significativamente preservada do Quadrilátero Ferrífero. 17h30 - Elmo Alves 19h00 - Cristiano Xavier Revelação em Preto&Branco Fotografia Noturna Nesses tempos em que as películas fotográficas parecem A fotografia noturna proporciona um universo ter deixado órfãos seus apreciadores, assim como, os ma- paralelo, onde o exercício do olhar se torna mais teriais necessários para a prática da fotografia com filme calmo, apurado. As longas exposições dão tempo estão mais restritos, Elmo Alves traça um panorama sobre para pensar, admirar o céu e escutar o silêncio da as condições atuais da fotografia com filme, alternativas noite. Esta é uma oportunidade de encontro com o para os insumos e novidades na área. Na pauta, o uso de fotógrafo e autor de fotografias desta natureza. reveladores caseiros e possibilidades do processo químico.
  36. 36. Sábado, 18 de agosto 13h00 - Heitor Muinhos 16h00 - Guto Muniz Gestão de Acervos e Conservação Memória das Artes Cênicas em Belo Horizonte O acervo como o maior ativo do fotógrafo e artista; Nesta palestra, o fotógrafo falará sobre a experiência Processo de Gestão de Acervos, físicos e digitais; Tecno- do resgate do acervo de 25 anos de Artes Cênicas logias, tendências e boas práticas para a Gestão de Acer- em Belo Horizonte, sua catalogação e a construção vos, restauração e permanência; Normas internacionais; do site que traz ao público momentos históricos do O mercado da fotografia & artes e sua segmentação; nosso teatro e dos grandes festivais de artes cênicas Qual o posicionamento do fotógrafo/artistas diante de que se instalaram na cidade neste período. Fundos de Investimento, Galerias e Leilões. 14h30 - Nitro Agência de Imagens A palestra será uma chance para se discutir as diversas oportunidades que o mercado apresenta para os fotógrafos colocarem em práticas suas ideias, experimentos e projetos. Tudo parte da seguinte provocação: “Ser apenas o fotógrafo de um projeto ou se posicionar como autor de um projeto?” 17h30 - Pedro Maciel 19h30 - Juvenal Pereira A escuridão da imagem O poeta da luz Qual a importância da fotografia na cultura contem- Encontro com o autor, permitindo aos visitantes ouvir porânea? A fotografia é um meio artístico capaz de o próprio artista falando de sua obra, suas buscas e revelar o inexprimível? O fotógrafo contemporâneo intenções. Com 40 anos de profissão, Juvenal Pereira nos leva a ver algo que até então era desconhecido, fala de seu início de carreira no fotojornalismo, a ou que havíamos entrevisto com os olhos embaçados mudança dos meios tecnológicos e o envolvimento pela pura e simples realidade? com a produção cultural voltada à fotografia em São Paulo, durante a década de 1990.
  37. 37. cidade aforaSESC PalladiumAv. Augusto de Lima, 420terça a domingo de 9 às 21hentrada franca Cleber Falieri Cleber Falieri Projeto PAREDE De 01/08 a 23/09 Foyer O fotógrafo apresenta o trabalho Lúdica, que atua nas relações de escala entre os objetos, e o ponto de vista de tomada da fotografia realça essa relação. Dinossauros que invadem a cidade e se colocam nos pontos turísticos, como que apresentando suas atrações.Antes de ameaçar, esses monstros divertem dianteda possibilidade improvável de a cidade ser invadi- da. Trata-se do lúdico como processo criativo. Paulo Baptista Paisagens da Serra do Espinhaço De 03/08 a 23/09 Galeria de Arte GTO Professor e pesquisador na Escola de Belas Artes da UFMG. Desde a década de 1980 fotografa a paisagem natural de Minas Gerais, especialmente na região da Serra do Espinhaço. As imagens desta série foram desenvolvidas a partir de sua pesquisa de doutorado na qual, utilizando-se de técnicas de fotografia digital em alta resolução, propõe um mapeamento fotográfico da paisagem, com ênfase em áreas ameaçadas de degra- dação ambiental. O trabalho pretende assim transitar entre arte e ciência, em um conjunto de fotografias que aliam apelo estético e conteúdo documental.
  38. 38. Foto em Pauta - IdeiasNitro Imagens com Diogenes Moura e Rubens Fernandes Jr 11/08 - Cinema Prof. José Tavares de Barros Curadoria: Eugênio Sávio Mediação: Georgia Quintas Inscrições pelo e-mail fotoempauta@fotoempauta.com.br Programação: 14h30 – Quem vê o quê? Para onde olha um curador de fotografia? O que enxer- ga um curador de fotografia? Com Diógenes Moura, escritor, editor e curador de fotografia da Pinacoteca do Estado de São Paulo. 15h45 – Intervalo 16h30 – Fotografia: Percursos e Afetos. Com Rubens Fernandes Junior, diretor e professor de Teoria de Comunicação da FACOM-FAAP, doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, crítico e curador independente de fotografia. Fotografando com uma caixa de fósforos Câmeras Antigas Mostra de fotografias Pinhole Coleção Pedro Mordente De 7 a 25/08 Mezanino De 11/08 a 23/09 Foyer A mostra coletiva é composta por fotografias pinholes realizadas nas oficinas Esta exposição apresenta uma pequena par- “Fotografando com uma Caixa de Fósforos”, desenvolvidas pelo Núcleo de te da coleção particular do Sr. Pedro Mordente. Imagem Latente (NiL), em julho, no Sesc Palladium. Comerciante do ramo, adquiriu ao longo da vida Essa produção fotográfica tem como tema “o olhar pela cidade”, uma maneira mais de mil unidades de marcas e modelos diversos: alternativa de retratar o centro de Belo Horizonte através da ótica de uma câmera de câmeras russas de uso militar às pesadas câmeras de orifício. Serão apresentadas, também, as câmeras artesanais que foram cons- de Grande Formato, passando pelas câmeras miniaturas truídas pelos próprios participantes das oficinas. espiãs: Leica, Contax, Rolleiflex, Minox, Kodak, grandes marcas que registraram o século XX, repleto de transfor- Curadoria: NiL - Núcleo Imagem Latente mações e mudanças. Palestras História da Fotografia Contrapartida Sociocultural da II Semana da Fotografia de BH com Tibério França Cinema Prof José Tavares de Barros 13/08 - 19h - Processos pioneiros e primeiros pesquisadores - Do Renascimento ao final do século XIX. 23/08 - 19h - Da captura do movimento ao período pós-guerra
  39. 39. cidade aforaPulso IranianoA energia de uma nova geração revelada A experiência da exposição pulso iranianoPela primeira vez em Belo Horizonte, um panorama da arte contemporânea do Irã. Palestra com Marc Pottier (curador) e Mário Suarez (design de montagem)A mostra traz fotografias e vídeos inéditos de importantes artistas contemporâ-neos iranianos, como Shadi Ghadirian, Abbas Kiarostami, Shirin Neshat e Amirali O curador Marc Pottier e o designer e produtor Mário Suarez compartilhamGhasemi, que ocuparão a Galeria de Artes Visuais do Oi Futuro – Belo Horizonte. com o público o processo de realização da exposição que pela primeira vez,Curadoria geral e direção artística: Marc Pottier em Belo Horizonte apresenta um panorama das artes visuais contemporâ-Oi Futuro - Av. Afonso Pena, 4001 - Mangabeiras neas produzidas no Irã. Marc Pottier vai expor os desafios do processo de curadoria que durou dois anos e contou com a colaboração de artistas locais30 de junho a 26 de agosto de 2012 - Entrada franca como Shadi Ghadirian e Amirali Ghasemi. Em seguida, o designer e artista plástico Mário Suarez apresentará algumas Amirali Ghasemi referências que nortearam a montagem como a fragmentação, escalas e perspectivas distorcidas e processo de design não linear. Ao final haverá trinta minutos para perguntas do público. Sala Multimeios. 16/08 - 19h00 - Entrada franca
  40. 40. Peso e Leveza A exposição “Peso e Leveza” é resultado de uma seleção concebida no final Expositores de 2010 durante uma seleção de portifófios em Cartagena de Indias e Ma- Álvaro Villela, Daniel Baca, Diego Levy, Ernesto Muñiz, Eunice Adorno, nágua, organizada por PhotoEspaña, com o apoio do Instituto Cervantes Hafford-Uniformados, José Luis Rodriguez Maldonado, Juan Toro, Leonardo e da AECID. Ramirez, Mauricios Palos, Mayerling Garcia, Myriam Meloni, Pedro Linger, Pedro Motta e Ricardo Barcellos. Esse território comum, imaginado e batizado como América Latina, mais que um lugar específico é o ambiente onde refletem as desigualdades que Entidades Organizadoras preocupam em escala mundial. As democracias frágeis, as agendas polí- Instituto Cervantes (Río de Janeiro) ticas cheias de eufemismos, as novas formas de auto-colonialismo e uma Entidades colaboradoras surpreendente “normalização” da violência são fixadas sobre esse conti- Agencia Española de Cooperacíon Internacional para el Desarollo (AECID) nente sem ser um fenômeno exclusivo. Os autores desta mostra centram Palácio das Artes sua atenção em realidades fragmentárias desse gigantesco quadro. Algu- mas de suas imagens nos angustiam e nos levam ao extremo do medo. Av. Afonso Pena, 1537 - Centro Outras são claras e nos provocam um sentimento de leveza. Terça a sábado de 9h30 às 21h e domingos das 16 às 21h - até 26/08Pedro Motta
  41. 41. cidade aforaBH em P&B Rafael ResendeEm meio a confusão dos dias de hoje e na contramão de um mundo cada vez mais imersão em uma realidade imaginária, com imagens objetivas e não objetivas,digital e globalizado, com infinitas tramas de redes sociais e altamente tecnológi- por vezes sobrepostas, que trazem novas analogias, novas recodificações e simu-co, um grupo de seis fotógrafos mineiros resolveu buscar um registro mais calmo lações da Urbe. Desvínculos da imagem real e da realidade imediata, levando ae contemplativo da cidade, tendo como suporte a fotografia analógica em preto novas interpretações do caos urbano em que vivemos. Curadoria Tíberio França.e branco e câmeras de pequeno e médio formato. Elmo Alves, Julio Cesar Cardoso,Marcos Toledo, Rafael Carneiro, Ronaldo Almeida e Walmir Monteiro andaram Associação Médica de Minas Gerais - Av. João Pinheiro, 161pelas ruas da capital, buscando encontros, desencontros, texturas e formas. Uma 03 a 31 de agosto - seg à sexta, de 8 às 22hs - sábados, de 8 às 13hs
  42. 42. Roberto Murta Panorama Fotografico e AFNatura Natureza que aflora Produzida pelo Panorama Fotográfico e Associação de Fotografos de Natureza - AFNatura em parceria com o Zoológico de Salvador, esta é uma exposição itinerante, como todo fotógrafo que escolhe a natureza como tema e seu formato é alinhado com conceitos filosóficos/estéticos/ambientais, tendo como objetivos o despertar da união entre fotógrafos, a divulgação da pratica da fotografia de natureza e a ecoconscientização do público e de todos os envolvidos no projeto. Conta com a participação de 87 fotógrafos, entre amadores e profissionais, revelendo 208 belas imagens traduzidas por observação aguçada, contemplação e inqueitação, que só na natureza aflora. Fundação Zoobotânica De 07 de agosto a 09 de setembro Av. Otacílio Negrão de Lima, 8000 - Pampulha Terça a domingo - 8 às 17hLuiz Claudio Marigo Emídio Bastos
  43. 43. cidade afora8APMINSIDEout Esta exposição traz imagens captadas pelas lentes dos alunos do 8º período de Ar- Inacio Mariani tes Plásticas da Escola Guignard (UEMG), orientados pelo professor Tibério França. O tema em inglês, desenvolvido por fotógrafos brasileiros, usando câmeras japone- sas, imprimindo em papel alemão e expondo na Aliança Francesa, mostra a própria globalização do mundo, onde estar dentro ou fora só depende do ponto de vista. Nos trabalhos, os fotógrafos registram seus próprios conceitos do título, que op- taram por não traduzir deixando aberta a interpretação. A exposição conta com a participação de Ana Luiza Marigo, Ana Carolina Rodrigues, Ana Ricciardi, Camila Batista, Evandro Castro, Inácio Mariani, José, Luiza Palhares, Mariana Bastani, Soraia Costa e Vânia Cunha. Todos optaram pela fotografia como dis- ciplina de habilitação do bacharelado em Artes Plásticas pela Guignard. Aliança Francesa Rua Tomé de Souza, nº 1418 - Savassi. 25/08 a 22/09 - de segunda a sexta de 7h30 às 21h e sábados, de 8 às 12h30h.
  44. 44. Marcelo Prates Pendurados nos fiosO fotógrafo Marcelo Prates ocupa mais uma galeriabelo-horizontina, a da Biblioteca Pública, desta vezcom a exposição “Pendurados nos fios”, um projetode fotografias urbanas elevadas ao tridimensionalna intersecção do objeto e da escultura.Prates oferece registros inusuais de tudo que é arre-messado pelos fios de postes instalados nos ambientespúblicos. São sapatos, tênis, peças de roupas, bonecose outros objetos captados com originalidade e lirismo.Acostumado a observar os passarinhos em vôo, aolhar para os céus com suas lentes apuradas, o au-tor de “Pássaros da Liberdade” imprime visão inu-sitada do olhar para cima. Como sempre, um olharque foge do comum, do corriqueiro, para alcançaras alturas do surreal, nesse caso propiciando a in-terpretação do elo de pessoas e objetos.Em cada parte do mundo, o que é descartado é tam-bém o testemunho das ações cotidianas. É sinal decomemoração, rito de passagem, o fim e o começo.Em alguns lugares, quando um jovem arremessaalguma coisa no fio, quer dizer que perdeu a vir-gindade e está anunciando isso para os colegas. Emoutras plagas, militares jogam sapatos no fio, pin-tados de laranja ou outra cor, para demonstrar queterminaram seu treinamento básico. A diferença é aforma mágica com a qual Marcelo Prates focaliza eimprime os registros, diminuindo as distâncias entrehomens e coisas, entre céu e terra. Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa Galeria de Arte Paulo Campos Guimarães Praça da Liberdade, 21 De 11 de agosto a 31 de agosto
  45. 45. cidade aforaJoão DinizFotos do Cantagalo O arquiteto João Diniz apresenta fotografias sobre observações recentes feitas no moro do Cantagalo no Rio de Janeiro. Neste trabalho, o olhar do arquiteto e do fotógrafo se unem mostrando os espaços daquela comunidade e abordando aspectos humanos, ambientais e artísticos. As fotografias investigam o dia a dia dos habitantes através de sua relação com as suas áreas comuns, a chegada do grafites nestes locais, a relação do morro com a magnífica geografia do Rio de Janeiro e a contradição do choque entre a cidade formal dos bairros de classe média circundantes com a cidade informal e espontânea da favela. O elemento imagético condutor, presente em várias fotografias, são as redes de infra-estrutura local, os fios elétricos e os canos hidráulicos, que numa sobreposi- ção caótica simbolizam a capacidade de sobrevivência, a informalidade criativa e até a viabilidade do convívio entre os moradores e a cidade. A exposição aborda o fazer fotográfico sobre dois focos. O primeiro é o da reporta- gem onde o olhar do fotógrafo busca aspectos espaciais e sociais da vida em seus instantes cotidianos num foco que pode variar entre o social/político e o poético/ humano. O segundo foco é o da composição plástica que propõe uma visão esté- tica sobre a realidade existente. Estas duas maneiras de ver estão potencializadas pelo uso ou não da cor, da visão em profundidade ou plana e da busca de um rigor compositivo permeado por um senso crítico do momento. Galeria Carminha Macedo Rua Bernardo Guimarães 1200, Lourdes 19/07 a 20/08 - Horário comercial
  46. 46. Paulo Laborne Perto de mimEu nasci numa cidade pequena e simples, no centro-oeste de Minas. E, desdesempre, este é meu universo de sentimentos. Algo da pureza é um imperativo,algo do vazio do ser é necessário para crescer.A mostra “Perto de Mim” parte do meu primeiro olhar, daquele sentimento des-provido de qualquer influência que possa guiar a estética em função de idéiaspré-concebidas. São fotos em preto e branco dos anos 80, com a cor e o digitaldos dias de hoje. Hoje, em um mundo onde a imagem e a simplicidade aindase fazem presentes. A fotografia dá o sentido de um mundo, se o aceitarmos talcomo ele é. Os fotógrafos têm interpretado o mundo de maneiras diferentes. Odesafio é transformá-lo.Fotógrafo e cineasta com premiações nas áreas de fotografia, cinema e video, es-tudou artes plásticas com Arlinda Correia Lima e na Escola de Belas Artes da UFMGestudou desenho e cinema. Trabalhou inicialmente com fotografia industrial e assis-tência para vários filmes documentários do governo de Minas Gerais. Em 1978, di-rigiu seu primeiro curta metragem “Lua em Aquário’’, premiado pelo Modern Ame-rican Institute. Dirigiu ainda “O Ego filho da Égua”, “Zacarias”, “Ver- nissage”, entreoutros. Na década de 1980 integrou a equipe técnica de filmes de longa-metragemde importantes cineastas brasileiros como Walter Lima Júnior, Gustavo Dahl, Fer-nando Cony Campos, Fernando Meirelles e Alberto Graça. Foi diretor de fotografiade curtas metragens dos cineastas mineiros Helvécio Ratton, Ricardo Gomes Leite,Paulo Augusto Gomes, José Sete Barros e Aluízio Sales Júnior.Lemos de Sá Galeria de ArteAv. Canadá, 147 - Jardim Canadá - Nova Lima - MG.Abertura da exposição:18 de agosto - Sábado - 11h as 14hDe 20 a 31 de agosto de 2012De segunda a sexta-feira das 10 às 18h.Sábado das 10 às 14h.
  47. 47. cidade aforaBH EleganteUm projeto que pretende estreitar a relação cidade, imagem e cidadão, o BH Ele- Lambança, projeto fotográfico inspirado nos lambe lambes: os antigos retratistasgante vai reunir retrato e mensagem em uma exposição que acontecerá simulta- ambulantes e as imagens espalhadas pela cidade.neamente em dois espaços distintos de consumo de imagens - a rua e a galeria.Com isso, o Fora das Bordas propõe uma reflexão sobre a lógica da imagem pro- Intervenções Urbanas Durante a Semana da Fotografia, o Fora das Bordas irá realizar intervenções ur-pagandística. Por meio deste trabalho, o Fora das Bordas pretende se utilizar da banas no hipercentro de Belo Horizonte. Serão três sessões de fotografia e entre-linguagem publicitária para revelar não mais um produto, mas uma pessoa; não vista, nos dias 11, 15 e 19, para captar imagens e mensagens das pessoas quemais um slogan, mas uma mensagem de afeto. O projeto BH Elegante é realizado circulam pela cidade. O material coletado irá compor a exposição BH Elegante.com os benefícios da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte. • Dia 11 de agosto, sábado, de 10h às 13h, na Praça 7O Fora das Bordas • Dia 15 de agosto, quarta-feira, de 9h à 12h, na Praça Rui BarbosaColetivo de artes visuais que tem a fotografia como sua principal forma de ex- • Dia 19 de agosto, domingo, de 9h à 12h, na Feira Hippiepressão. Foi criado em 2011, a partir de uma provocação feita pela organizaçãodo Transborda, Festival de Artes Transversais: desenvolver um projeto fotográfi-co cujo tema fosse a ocupação do espaço público. Como resposta foi proposta a Para mais informações: www.foradasbordas.com/bhelegante
  48. 48. Guto Muniz Foco In CenaA partir de 19 de agosto, dia do ator e dia mundial da fotografia, entra no ar osite www.focoincena.com.br do fotógrafo Guto Muniz. A exposição Foco In Cenaestará aberta ao público para visitação a partir do dia 15 de agosto, quarta-feira.Há alguns anos, Guto Muniz começou a se preocupar em criar um espaço quefosse capaz de abrigar 25 anos de registros fotográficos das artes cênicas. “Guar-dei tudo que fiz nestes anos e sempre tive o hábito de colecionar programas deespetáculo, o que me ajudou muito a reunir essa memória”, diz Guto.Hoje o acervo conta com cerca de 800 trabalhos artísticos, entre eles: FestivaisCênicos Internacionais (FIT-BH, Festival de Bonecos, Circo e outros), grupos locaisque são referência como Grupo Galpão, Grupo 1º Ato, ZAP 18, Mimulus, e regis-tros da nova geração da cena mineira. A proposta é que o site funcione como umespaço para pesquisas, principalmente de fotos, mas também de informações emtexto e outros formatos como áudio e vídeo. O usuário que quiser conhecer parteda produção cênica de palco e rua da capital mineira terá acesso a trabalhos deartistas e grupos de Belo Horizonte, do Brasil e do exterior, que por aqui se apre-sentaram em eventos culturais realizados desde 1987.De acordo com o fotógrafo Guto Muniz, a catalogação não para em 2012: “Esta reuniãode informações e das minhas fotos é só o começo. A ideia é continuar construindo essamemória viva da produção artística daqui, acompanhando sua evolução”, diz.Com esse novo trabalho Guto Muniz torna pública a sua produção e resgata amemória de seus 25 anos de trajetória, por meio da retratação de várias geraçõesde artistas cênicos.Visite o site: www.focoincena.com.brMemorial Minas Gerais ValePça da Liberdade, S/nº - Funcionários15/08 a xx/09 de 10 às 18hProjeções na MidiatecaDia 16 – de 10 às 22h – “Minas são muitas” – Associação de Fotógrafos FototechDia 17 – de 10 às 18h – Natureza que aflora – Associação de Fotógrafos de NaturezaDia 18 – de 10 às 18h – UaiPhone
  49. 49. Miguel Chikaoka Coordenação: Eugênio Sávio Natural do Vale do Ribeira, São Paulo, Miguel Chikaoka é formado em Engenharia gentes na Amazônia. Como autor, soma exposições individuais e participações em Eletrotécnica pela Universidade de Campinas-SP mas encontrou na fotografia o mostras e salões no Brasil e no exterior e conta com obras nos acervos do Museu de caminho para exercitar e compartilhar suas inquietações. Reside em Belém desde Arte de São Paulo - MASP, Bilblioteca Nacional - RJ, Museo de Arte de las Américas – 1980, onde idealizou a Fotoativa, um núcleo de experimentação, pesquisa e difu- USA, Museu de Arte Contemporânea Casa das Onze Janelas e Museu Histórico do Pará. são do fazer fotográfico e seus desdobramentos. Na década de 1980, atuou como Atualmente, além de coordenar o Núcleo de Formação e Experimentação da fotógrafo junto aos Jornais “Resistência”, da Sociedade Paraense de Defesa dos Fotoativa e atuar como assessor cultural do Centro Cultural SESC Boulevard, Direitos Humanos e “Movimento” (SP), colaborou com a Agência F4 (SP). experimenta as potencialidades pedagógicas do ensino aprendizagem dos Em 1990 fundou, junto com 3 colegas fotógrafos, a Agência Kamara Kó, com a qual princípios da fotografia. continua produzindo reportagens e documentários sobre temas sócio culturais emer- Oi Futuro - Av. Afonso Pena, 4001 - Mangabeiras - Dia 10/08 - 19h30Agência Acre
  50. 50. Sala 2 CentoeQuatroMarco Aurélio Prates “Troca de Olhares” é uma iniciativa de estímulo ao colecionismo. Através A troca acontecerá das 14:00 às 18:00 horas do dia 18 de agosto, simultaneamen- da permuta de fotografias os participantes podem iniciar ou aumentar te a outros eventos programados. Por ordem de chegada ao local, os já inscritos a sua coleção. poderão escolher, dentre as fotografias expostas, aquelas desejadas, em número Funciona da seguinte forma: cada participante deve se inscrever (por e-mail ou igual ao das fotografias disponibilizadas. Assim, se um dos inscritos enviou duas no local) e enviar uma ou mais fotografias para serem permutadas durante o pe- fotos para o evento, o mesmo terá o direito de escolher duas fotografias para levar ríodo da II Semana da Fotografia. As fotografias, impressas em papel Fine Art, para sua coleção. Uma vez escolhida a fotografia, pelo número de identificação receberão um número de identificação (não será mostrado o nome do autor) e será revelado o nome do autor. ficarão expostas na sala 2 do CENTOeQUATRO, durante os dias 15, 16, 17 e 18 de As fotos já permutadas continuarão expostas até o encerramento, mas receberão agosto. Durante o período de exposição, as fotografias poderão ser apreciadas um sinal indicativo de que aquela fotografia não está mais disponível para troca. por todos que visitarem o CENTOeQUATRO, aumentando assim o desejo de parti- Ao final do evento (18 horas do dia 18 de agosto) todas as fotografias poderão ser cipar e obter, em permuta, as fotos desejadas. Quanto mais inscritos, mais fotos e recolhidas por seus novos proprietários. maiores as oportunidades de troca. Coordenação: Cau Pansardi

×