Your SlideShare is downloading. ×
Aterramento
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Aterramento

1,051

Published on

Published in: Entertainment & Humor
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,051
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
752
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Montagem eManutençãoTcharles ClunkTcharles Clunktcharlesclunk@gmail.comtcharlesclunk@gmail.com
  • 2. AterramentoO que se busca com o aterramento?Montagem e ManutençãoGarantir a segurança das pessoas;Proteção das instalações;Melhoria da qualidade dos serviços;Estabelecimento de um referencial de tensão para a instalação.
  • 3. AterramentoFunções do AterramentoMontagem e Manutenção‡Proteger o usuário do equipamento de descargas atmosféricas,através de um caminho alternativo para a terra;Descarregar cargas estáticas acumuladas nas carcaças dasmáquinas ou equipamentos para a terra;Facilitar o funcionamento dos dispositivos de proteção através dacorrente desviada para o terra.
  • 4. AterramentoDefinições:Montagem e ManutençãoTerra: Massa condutora de solo que envolve o eletrodode aterramento;Eletrodo de aterramento: elemento condutor metálicoou conjunto de elementos condutores interligados, emcontato direto com a terra de modo a garantir ligação como solo;Condutor de ligação: condutor empregado paraconectar o objeto a ser aterrado ao eletrodo deaterramento ou para efetuar a ligação de dois ou maiseletrodos
  • 5. AterramentoDefinições:Montagem e ManutençãoEletrodos de aterramento isolados: eletrodos deaterramento suficientemente distantes uns dos outros paraque a corrente máxinma susceptível de ser escoada por umdeles não modifique sensivelmente o potencial do outroEletrodos de aterramento interligados: eletrodos deaterramento que possuam ligação (intencional ou não) e queinteragem eletricamenteSistema de aterramento: sistema formado por um ou maiseletrodos de aterramento, isolados ou não, visando atendernecessidades funcionais ou de proteção
  • 6. AterramentoNorma: NBR 5410/1997 Baseada na IEC 60.364: ElectricalInstallations Buildings;Montagem e Manutenção1.3. Prescrições fundamentais:1.3.1. Proteção contra choques elétricos:1.3.1.1. Proteção contra contatos diretos:“As pessoas e os animais devem ser protegidos contra os perigosque possam resultar de um contato com partes vivas dainstalação.”Aplica-se aos circuitos:Alimentados através de uma tensão igual ou inferior a 1000V emcorrentes alternadas e com freqüências inferiores a 400Hz, ou a1500V em corrente contínua. International Electrotechnical Commission
  • 7. AterramentoEletrodos devem atender:Montagem e ManutençãoResistam às solicitações térmicas, termomecânicas eeletromecânicas;Sejam adequadamente robustos ou possuam proteção mecânicaapropriada para fazer às condições de influências externas;Ser bom condutor de eletricidade,Ter resistência mecânica adequada ao esforço a que estásubmetido.Não reagir (oxidar) quimicamente com o solo.
  • 8. EletrodosdeaterramentoconvencionalMontagem e Manutenção
  • 9. AterramentoSolo: ResistividadeMontagem e ManutençãoFatores que influenciam a resistividade do solo:- tipo de solo;- mistura de diversos tipos de solo;- solos constituídos por camadas estratificadas comprofundidades e materiais diferentes;- composição química dos sais dissolvidos na água retida;- concentração de sais dissolvidos na água retida.- teor de umidade;- temperatura;- compactação e pressão;
  • 10. AterramentoResistividade do Solo: Tratamento químicoMontagem e ManutençãoA resistência do terra depende da constituição química do solo.Muitas vezes, o aumento de número de “barras” de aterramentonão consegue diminuir a resistência do terra significativamente.Somente nessa situação devemos pensar em tratar quimicamenteo solo.O tratamento químico tem uma grande desvantagem emrelação ao aumento do número de haste, pois a terra, as poucos,absorve os elementos adicionados. Com o passar do tempo, suaresistência volta a aumentar, portanto, essa alternativa deve ser oúltimo recurso.
  • 11. AterramentoResistividade do Solo: UmidadeMontagem e ManutençãoA resistividade do solo sofre alterações com a umidade. Estavariação ocorre em virtude da condução de cargas elétricas nomesmo ser predominantemente iônica. Uma percentagem deumidade maior faz com que os sais, presentes no solo, sedissolvam, formando um meio eletrolítico favorável à passagemda corrente iônica. Assim, um solo específico, com concentraçãodiferente de umidade, apresenta uma grande variação na suaresistividade.
  • 12. AterramentoPergunta:Neutro é igual ao Terra?Montagem e ManutençãoNEUTRO TERRANeutro: Condutor fornecido pela concessionária, onde retorna acorrente elétrica;Terra: Condutor construído através de uma haste metálica e que,em situações normais, não deve possuir corrente elétricacirculante.
  • 13. AterramentoNeutro:Montagem e Manutenção“Quando a instalação for alimentada em baixa tensão pelaconcessionária, o condutor neutro deve ser sempre aterrado naorigem da instalação”.
  • 14. AterramentoMontagem e ManutençãoPC: rede elétrica que possui duas fases (+110 VCA, -110 VCA), eum neutro. Essa alimentação é fornecida pela energia elétrica,que somente liga a caixa de entrada ao poste externo se houveruma haste de aterramento padrão dentro do ambiente dousuário. Além disso, a concessionária também exige doisdisjuntores de proteção.
  • 15. AterramentoMontagem e ManutençãoTeoricamente, o terminal neutro da concessionária deve terpotencial igual a zero volt. Porém devido ao desbalanceamentonas fases do transformador de distribuição, é comum esse terminaltender e assumir potenciais diferentes de zero.O desbalanceamento de fases ocorre quando temosconsumidores com necessidades de potências muito distintas,ligadas em um mesmo link.Exemplo: um transformador alimenta, em um setor seu, umpequeno supermercado. Essa diferença de demanda, em ummesmo link, pode fazer com que o neutro varie seu potencial(flutue). Para evitar que esse potencial “flutue”, ligamos (logo eentrada) o fio neutro a uma haste de terra. Sendo, qualquerpotencial que tender a aparecer será escoado para a terra.
  • 16. AterramentoMontagem e ManutençãoResumindo: A grande diferença entra terra e neutro é que, peloneutro há corrente circulando, e pelo terra, não.Quando houver alguma corrente circulando pelo terra,normalmente ela deverá ser transitória, isto é, desviar de umadescarga atmosférica para a terra.Exemplo: O fio terra, por norma, vem identificado pelas letras PE, edeve ser de cor verde e amarela.Note ainda que ele está ligado à carcaça do PC. A carcaça doPC, ou de qualquer outro equipamento é o que chamamos de“massa”.
  • 17. Aterramento e Para-RaiosMontagem e ManutençãoObserve:Temos um exemplo de umamalha de terra ligada aopara – raios, e também aosdemais equipamentoseletroeletrônicos.Essa é uma prática quedevemos evitar ao máximo,pois nunca podemos prever amagnitude da potência queum raio pode atingir.
  • 18. Aterramento e Para-RaiosMontagem e ManutençãoDependendo das condições,o fio terra poderá não sersuficiente para absorver todaa energia, e os equipamentosque estão junto a ele podemsofrer o impacto (figura 4) .Portanto,nunca devemos compartilharo fio terra de para – raios comqualquer equipamentoeletroeletrônico.
  • 19. Instalações Elétricas para Equipamentos deInformáticaMontagem e Manutenção- Sempre que possível, a trajetória dos cabos deverá seguir a estruturalógica das edificações assim todas as transposições por paredes devemestar protegidas por tubulação;- Todas as manobras dos dutos deverão ser feitas em ângulos de 90B;- A taxa de ocupação dos tubos ou dutos deve estar na faixa de 30~40%em área;- Respeite os raios mínimos de curvatura dos cabos;- Não utilizar duto de diâmetro menor que ¾" de bitola comercial;- Instale as tomadas a um mínimo de 30 cm de altura com relação aocontra piso;- Se possível, aterre a infraestrutura da rede elétrica no caso desta sermetálica;- Para casos onde se tenha que desviar o caminho de um duto devido aexistência de colunas, por exemplo, não fazê-lo por meio de curvas tipo "S“no duto mas sim utilizando caixas de passagem ou conduletes do mesmomaterial da infraestrutura – preferencialmente metálica. Evite ter mais deduas curvas entre duas caixas de passagem.
  • 20. MultímetroMontagem e ManutençãoO multímetro é uma é um aparelho que permite medir diferentes grandezaselétricas, geralmente corrente (contínua), voltagem (contínua e alternada)e resistência elétrica. A posição do botão de ajuste identifica que tipo demedida irá ser efetuada. A posição é identificada pela unidade de medidaindicada. A posição indicada por ampère (A) permite medidas de corrente elétrica,geralmente, corrente contínua (cc). Neste caso o aparelho funciona comoamperímetro. A posição indicada por volt (V) permite medidas de tensão elétrica quepode ser usada tanto para circuitos de corrente contínua (cc) comoalternada (ca). Neste caso o aparelho funciona como voltímetro. A posição indicada por ohm (Ω) permite medidas diretas de resistênciaelétrica, e o aparelho funciona como um ohmímetro.
  • 21. MultímetroMontagem e ManutençãoAs escalas de medida podem ser alteradas melhorando a precisão doresultado. O amperímetro deve ser colocado em série com o circuito, de forma que acorrente a ser medida passe por ele. A resistência elétrica interna doaparelho neste caso é bem pequena o que pode levar a danos se ligadoerrado. O início das medidas deve ser feito sempre com a maior escaladisponível. O voltímetro deve estar em paralelo com o componente do circuito cujatensão se deseja medir. A resistência elétrica interna neste caso é bastanteelevada e colocá-lo em série pode levar ao bloqueio da corrente elétricano circuito ou parte dele. Recomenda-se também que a escala de início de medidas seja a maiordisponível no aparelho e depois ajustada para obtenção de uma precisãomelhor.
  • 22. MultimetroMontagem e ManutençãoMultimetro MINIPA ET-1002Instrumento de acordo comos padrões IEC1010: em grau depoluição 1, categoria desobretensão CAT I 600V, e dupla isolação.CATEGORIA DE SOBRETENSÃO IEquipamento desta categoriaé o equipamento para conexão em circuitosonde os transientes de tensão estão limitados àníveis apropriadamente baixos.Exemplos incluem circuitos eletrônicosprotegidos.
  • 23. MultimetroMontagem e ManutençãoCuidados com medições:-Teste as pontas de prova quanto a continuidade;-Não aplique o equipamento a tensão maior do que ainformada no instrumento,-A chave rotativa deve ser posicionada corretamente enenhuma mudança de posição deve ser feita durante amedida para evitar danos,-Não utilize ou armazene o instrumento em ambientes dealta temperatura umidade, explosivo, inflamável ou comfortes campos magnéticos.-Antes de medir corrente, verifique o fusível doinstrumento e desligue a alimentação do circuito antesde conectar o instrumento ao circuito. Verifique tambéma bateria.
  • 24. MultimetroMontagem e Manutenção
  • 25. MultimetroMontagem e Manutenção1. Display LCD.2. Soquete hFE: Soquete para medida de hFE detransistores NPN e PNP e teste de LED’s.3. Chave Rotativa.4. Terminal de Entrada 10A: Entrada positivapara medidas de corrente na escala de 10A.5. Terminal de Entrada COM: Entrada negativa para asmedidas de tensão, resistência e corrente, e para os testesde diodo e continuidade.6. Terminal de Entrada V/mA/ΩΩΩ: Entrada positiva paramedidas de tensão resistência, corrente DC (em mA) epara os testes de diodo e continuidade.7. Indicador de Alta Tensão.8. Indicador de Polaridade Negativa (positiva é implícita).9. Indicador de Bateria Fraca.10. Dígitos do Display de Cristal Líquido.1234 5 6789 10
  • 26. MultimetroMontagem e ManutençãoMedidas de Tensão DCNão tente medir tensõesmaiores que 600V DC / AC.Posicione a chave rotativaem uma das faixas:V= (200mV, 2000mV, 20V,200V ou 600V).V5. Terminal de Entrada COM: Entrada negativa para as medidas detensão, resistência e corrente, e para os testes de diodo econtinuidade.6. Terminal de Entrada V/mA/ΩΩΩ: Entrada positiva para medidas detensão resistência, corrente DC (em mA) e para os testes de diodo econtinuidade.
  • 27. MultimetroMontagem e ManutençãoMedidas de Tensão ACNão tente medir tensõesmaiores que 600V DC / AC.Posicione a chave rotativa emuma das faixas V~ (200V ou 600V).V5. Terminal de Entrada COM: Entrada negativa para as medidas detensão, resistência e corrente, e para os testes de diodo econtinuidade.6. Terminal de Entrada V/mA/ΩΩΩ: Entrada positiva para medidas detensão resistência, corrente DC (em mA) e para os testes de diodo econtinuidade.
  • 28. MultimetroMontagem e ManutençãoMedidas de ResistênciaNão tente medir tensõesmaiores que 600V DC / AC.Posicione a chave rotativa em umas faixasΩΩΩ (200Ω, 2000Ω, 20kΩ, 200kΩ, 2000kΩ).As pontas de prova podem adicionar0.1Ω a 0.2Ω de erro na medida deresistência.Ω5. Terminal de Entrada COM: Entrada negativa para as medidas detensão, resistência e corrente, e para os testes de diodo econtinuidade.6. Terminal de Entrada V/mA/ΩΩΩ: Entrada positiva para medidas detensão resistência, corrente DC (em mA) e para os testes de diodo econtinuidade.
  • 29. MultimetroMontagem e ManutençãoMedidas de Corrente DCNunca tente efetuar a medida de corrente em umcircuito onde a tensão de circuito aberto entre ocircuito e o terra seja maior que 250V. Se o fusívelse queimar durante uma medida, o instrumentopode ser danificado ou o usuário sofrer ferimentos.Utilize os terminais, função e faixa de medidaapropriados. Quando o instrumento estiverconfigurado para medir corrente, não coloqueas ponta de prova em paralelo com nenhumcircuitoA5. Terminal de Entrada COM: Entrada negativa para as medidas detensão, resistência e corrente, e para os testes de diodo econtinuidade.6. Terminal de Entrada V/mA/ΩΩΩ: Entrada positiva para medidas detensão resistência, corrente DC (em mA) e para os testes de diodo econtinuidade.
  • 30. MultimetroMontagem e ManutençãoTeste de ContinuidadePosicione a chave rotativa em .O LCD mostra apenas o dígito mais significativo (1)para indicar que o circuito em teste está aberto.5. Terminal de Entrada COM: Entrada negativa para as medidas detensão, resistência e corrente, e para os testes de diodo econtinuidade.6. Terminal de Entrada V/mA/ΩΩΩ: Entrada positiva para medidas detensão resistência, corrente DC (em mA) e para os testes de diodo econtinuidade.
  • 31. MultimetroMontagem e ManutençãoTeste de ContinuidadePosicione a chaverotativa emUtilize o teste de diodo para testarnão só diodos, mas tambémtransistores e outros dispositivossemicondutores.O teste de diodo envia umacorrente através da junção dosemicondutor, e então mede aqueda de tensão sobre a junção.Uma junção de silício boa forneceuma queda de 0.5V a 0.8V.estáaberto.
  • 32. MultimetroMontagem e ManutençãoTeste de ContinuidadePosicione a chave rotativa em hFE. Identifique otipo de transistor (NPN ou PNP) e conecte osterminais emissor, base e coletor aos pontoscorrespondentes do soquete de teste.Para teste de LED, insira os terminais docomponente onde a indicaçãoLED + - é mostrada no soquete.hFE
  • 33. Trabalho:Montagem e ManutençãoProposta de trabalho:Dividir o grupo, e desenvolver conceitos e experiências sobre:-Estabilizadores (características / modelos / normais/ tomadas / potência)-Nobreaks (características / modelos / normais/ tomadas / bateria)-Disjuntor Diferencial-Residual (DR) e Interruptor Diferencial-Residual (IDR)(aplicações / custos / dimensionamento / circuitos)-Instalações Residenciais (conceitos / aplicações / circuitos / estrutura)-Instalações Comerciais (conceitos / aplicações / circuitos / estrutura)Cada grupo terá 15 minutos,Será avaliado em:-apresentação-slides-conhecimento do assunto-material entregue (máximo 3 páginas)

×