Your SlideShare is downloading. ×
0
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Audiência Pública Pró Urbi Cariacica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Audiência Pública Pró Urbi Cariacica

443

Published on

Published in: Economy & Finance
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
443
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Relaçoes instituçao (internas) Relaçao socio-territorial (articulaçao das politicas) Relaçao agentes
  • 4.932
  • 8826
  • Transcript

    • 1. E O QUE É UM PLHIS? É um conjunto de objetivos, DIAGNÓSTICOmetas, diretrizes e instrumentos HABITACONAL ? de ação de intervenção que expressem o entendimento (IDENTIFICA O ? + dos governo local e dos PROBLEMA ) ? agentes sociais a respeito damaneira como deve ser orientado o planejamento local do setor habitacional. PLANO DE AÇAOé um documento que vai apontar os (PROPOE OS CAMINHOS programas e projetos necessários PARA A INTERVENÇAO) para melhor as condições de moradia da população e permitir o acesso aos recursos do FNHIS!!!
    • 2. PORQUE FAZER O PLHIS? PROCESSO CONSTITUINTE – ESTATUTO DA CIDADE PROCESSO CONSTITUINTE – ESTATUTO DA CIDADE CUMPRIMENTO DA FUNÇÃO SOCIAL DA CIDADE E DA PROPRIEDADE URBANA REGULADA PELO PLANO DIRETOR COMPETÊNCIA MUNICIPAL – DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 2001 2003 2004 / 2005 2006 2008 Estatuto Ministério Campanha PDP Campanha PlanHabda Cidade das de Adesão Cidades PNH/SNHIS Municípios Conselho das FNHIS Cidades Conselho Gestor
    • 3. 1. SINTESE DO DIAGNOSTICO principais questões
    • 4. SÍNTESE: as principais questões1- Inclusão socioeconômica das comunidades atendidas pelapolítica = sustentabilidade da política. Articulação daspolíticas municipais e gestão regionalizada da HIS ;2- Limites do território: estrutura viária limitada (consolidaçãourbana); territórios de risco; preço da terra, expansão da malha emeio ambiente. Articulação entre política urbana (PlanoDiretor) e política habitacional (PLHIS);3- Atendimento das necessidades habitacionais atuais efuturas – estruturação da política municipal e de HIS(provisão publica,produção privada e social, regularização fundiária ; gestãodo risco...)4- Estrutura institucional: adequação e qualificação daestrutura da instituição pública e das relações institucionais:articulação, procedimentos, identificação e reforço dos papeisde cada agente público;
    • 5. 2. PLANO DE AÇÃOprincípios e conceitos
    • 6. PLANO DE AÇÃO pressupostos conceituaisPRESSUPOSTO:O EQUACIONAMENTO DO PROBLEMA DA HABITAÇÃO DEVE SERENFRENTADO PELA SOCIEDADE COMO UM TODO: leva em conta seus TODOagentes promotores, financeiros e técnicos, assim como os movimentos sociaise a sociedade organizada, porém reservando ao Estado um papel central, comoarticulador e coordenador do processo.FINALIDADE DAS PROPOSTAS:• Criar condições para que os ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS não seampliem e possam ser, gradativamente, transformados em bairros com níveisadequados de urbanização e regularização.• Viabilizar uma PRODUÇÃO MASSIVA DE UNIDADES HABITACIONAISnovas, de modo a suprir demandas futuras e, gradativamente, ir reduzindo odéficit acumulado.
    • 7. PLANO DE AÇÃO financiamentos Tipologias de Municípios Grupos de Renda Diferentes Agentes1. SNH / FNH - PLHIS OBJETIVO AÇÕES reorganização do mercado privado de SUBSISTEMA DE atender parcelas significativas da habitação; HABITAÇÃO DE MERCADO população que hoje estão sendo ampliação das formas de captação de atendidas por recursos públicos recursos; (FGTS + SBP +…) estímulo à inclusão de novos agentes; SUBSISTEMA DE promover prioritariamente o garantir ações que promovam o HABITAÇÃO DE acesso das famílias de baixa acesso à moradia digna para a INTERESSE SOCIAL renda, de acordo com as população de baixa renda que compõe especificidades regionais e perfil a quase totalidade do déficit (FNHIS+ FGTS) da demanda habitacional do País2. PAC /OUTRA SISTEMÁTICA, MAS DEVE TAMBÉM SER CONSIDERADANO PLHIS
    • 8. PLANO DE AÇÃO: CONSTRUÇAO CENARIOS estrutura PROGRAMAS FONTES DE FINANCIAMENTODIAGNÓSTICO conjunto de DIRETRIZES ações articuladas METAS PROGRAMATICAS orientações gerais resultados intermediários INSTITUCIONAIS OBJETIVOS /quantidade AÇÕES ao longo do resultados que se tempo NORMATIVA pretende alcançar operação da qual resulta um produto indicadores = instrumento de medição do desempenho dos programas / monitoramento
    • 9. ESTRATÉGIAS PARA INTERVENÇÃO Prazos para os atendimentos AÇÕES E FUTURASPROJETOS EM AÇÕES / ANDAMENTO PROJETOSCURTO PRAZO MEDIO E LONGO 2 ANOS PRAZO 3 - 11 ANOS AÇÕES PROGRAMÁTICAS
    • 10. PLANO DE AÇÃO: Metas físicas – déficit + demanda futura DESCONTAR UNIDADES PRODUZIDAS A PARTIR 2010 PODER PUBLICO: FNHIS: 111 UH (Pe.GABRIEL) + 111 UH VILA OASIS 1,8% do deficit DEFICIT URBANO ATE 3 SM: 12.053 UH EM ANDAMENTO/DEMANDA SELECIONADA:ATENDIMENTO A CURTO PRAZO: 124 UH N. RAMOS + 120 MCMV (APOLONIO)911 UH – 7,55% do deficit PAC PREVISTAS = 663 (RECONST. + REALOC. )VIABILIZAR NO MINIMO 60% MCMV (até 3 SM) EM ANALISE/APROVAÇAO:MCMV: 3.553 UH – 29,5% do deficit 5.922 UH 37% do déficit
    • 11. PLANO DE AÇÃO: Metas físicas – déficit + demanda futura GRUPO URBANO RURAL UH URB/ANO I (ate 1SM) 1. 237 95 112 uh/ano DHP IIA (de1 a2SM) 2.686 135 244 uh/ano DHIS IIB (de 2 a 3SM) 1.952 57 177 uh/ano (FOM.MERCADO) NO CURTO PRAZO (2 ANOS): VIABILIZAR 4.464 UH (AÇOES EM ANDAMENTO) ATÉ 2023 (EM 11 ANOS): VIABILIZAR O ATENDIMENTO DO RESTANTE DO DEFICIT – 7.589 UHCRESCIMENTO DA DEMANDA FUTURA DO GRUPO I - 1.237 UH (112 UH/ANO) e GIIA – 1.237 UH (135 UH/ANO)
    • 12. PLANO DE AÇÃO: Metas físicas – inadequação habitacional INADEQUAÇAO DA UNIDADE - MELHORIAS (ESF) = 9.821 UHADENSAMENTO EXCESSIVO EM DOM. PROPRIO + BANHEIRO + REFORMAS INADEQUAÇAO FUNDIARIA (ZEIS)REGULARIZAÇAO FUNDIÁRIA = PLANO DE REGULARIZAÇAO FUNDIÁRIA /PRIORIDADES+ META DE 5.000 LOTES POR PROCESSOS COMUNIDADE /APOIOINADEQUAÇAO INFRA-ESTRUTURA Total 100.899 100,00 IBGE: SETORES URBANOS REGULARES Adequada 78.508 77,81 + (MAIS AGLOMERADOS SUBNORMAIS= 8.053 DOM. Semi-adequada 22.242 22,04 DEMANDA P/ MELHORIA URBANA Inadequada 149 0,15 30.295 DOM. REGULARIZAÇAO FUNDIARIA : Comunidades: 400 lotes (BELA VISTA) Projetos Integrados /PAC: 3.316 familiasAÇOES EM ANDAMENTO INFRAESTRUTURA/URBANIZAÇAO : Obras de Contençao Risco: R$ 50 milhões/Sec.Obras Projetos integrados /PAC: : 3.316 familias Orçamento Participativo: ??? (ficaram de nos passar)
    • 13. 3. ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO
    • 14. ESTRATÉGIAS PARA INTERVENÇÃO Prazos para os atendimentos1. DIMINUIÇAO EFETIVA DO QUADRO DE DEFICIT HABITACIONAL DO MUNCIPIOFINALIZANDO AS AÇOES EM ANDAMENTO- VIABILIZAR OS EMPREENDIMENTOS MCMV (ZERO A 3 SM) QUE TRAMITAM NASEMDHUR E SELECIONAR DEMANDA DENTRO AS PRIORIDADES DE ATENDIMENTODEFINIDAS PELO PLHIS;-VIABILIZAR A CONTINUIDADE E EXECUÇAO DA TOTALIDADE DAS AÇOES PREVISTASNOS PROJETOS INTEGRADOS (PAC MORADIA) EM IMPLEMENTAÇAO NA SEMDHUR;2. CONTINUIDADE DAS OBRAS DE URBANIZAÇÃO E AÇOES DE REGULARIZAÇÃOFUNDIÁRIA3. ADEQUAÇAO DAS ESTRUTURAS INSTITUCIONAIS PARA A IMPLEMENTAÇAO DOPLHIS-CRIAÇAO DA SECRETARIA DE HABITAÇAO OU DEPARTAMENTO ESTRUTURADO PARAIMPLEMENTAÇAO DO PLHIS E FORTALECIMENTO DA ATUAÇAO INTEGRADA DASSECRETARIAS;-FORTALECIMENTO E EFETIVAÇAO DO CONSELHO E FUNDO MUNCIPAL DE HIS- ADEQUAÇAO DOS INSTRUMENTOS DE GESTAO RELACIONADOS À POLITICA MUNICIPALDE HIS E DE REGULARIZAÇAO FUNDIARIA (FINALIZAÇAO DO PRO-URBI)
    • 15. ESTRATÉGIAS PARA INTERVENÇÃO Prazos para os atendimentos1. A PROVISAO PUBLICA E O FOMENTO A PRODUÇAO PRIVADA DE HIS PARAATENDIMENTO DAS SITUAÇOES DE DÉFICIT HABITACIONAL E DO CRESCIMENTOFUTURO2. A QUALIFICAÇAO URBANA E A REGULARIZAÇAO FUNDIARIA COMO ESTRATEGIADE ATENDIMENTO DA INADEQUAÇAO DA MORADIA E DE APOIO AO ENFRETAMENTODO QUADRO DE DEFICT3. O DESENVOLVIMENTO SOCIO-TERRITORIAL PARA A SUSTENTABILIDADE DAS AÇOESEMPREENDIDAS, ARTICULADO AO PD /GESTAO DO SOLO (REVISAO PD EREGULAMENTAÇOES) ; E POLITICAS PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL
    • 16. 4. CENÁRIOS DE ATENDIMENTO
    • 17. CENÁRIOS DE ATENDIMENTO Quem Produz as moradias?A DEMANDA POR HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL (DHIS) É AQUELA CORRESPONDENTE AODEFICIT DAS FAMILIAS COM RENDIMENTO ATÉ 3 SM E EM SITUAÇAO DE PRECARIEDADEHABITACIONAL E À DEMANDA FUTURA DOS GRUPOS I E II QUE PERCEBEM ATÉ 2 SALÁRIOSMÍNIMOS.A DEMANDA HABITACIONAL PRIORITÁRIA (DHP) CORRESPONDE A PARCELA DA DHIS A SERATENDIDA PELA PROVISÃO PÚBLICA. ABRANGE AS FAMILIAS EM SITUAÇAO DE MAIOR MAIORVULNERABILIDADE SOCIAL, EM SITUAÇAO DE RISCO E/OU MORADORAS DE AREAS DEINTERESSE DO MUNCIPIO, EM SITUAÇAO DE PRECARIEDADE DA MORADIA. ABARCA PARCELA DODEFICIT IDENTIFICADO E A DEMANDA FUTURA DO GRUPO I. DEFINE-SE PROVISÃO PÚBLICA - A ATUAÇÃO DIRETA DA PREFEITURA COMO AGENTE PROMOTOR DA HIS E/OU QUANDO DA SUA INTERVENIÊNCIA NA PARCERIA JUNTO AOS DEMAIS AGENTES.
    • 18. CENÁRIOS DE ATENDIMENTO Quem Produz as moradias? 1- Produção Pública (PACS e FNHIS) 60% DEFICIT = 4.553 2- Parcerias efetivas - com contrapartida do município + GI DEM.FUTURA (TERRA + AT) p/adequação do produto à demanda (MCMV e FNHIS) BALIZADORES/TIPOLOGIA DO DEFICIT MORADIA PRECARIA + RISCO + COABITAÇAO 414UH+112UH 526UH/ANO ATÉ 1 SM PER CAPITA + (40% ALUGUEL E ADENSAMENTO )1- Fomento a produção privada de HIS (MCMV) 40% DO DEFICIT (3.035) +2- Fomento e Apoio ao auto-empreendimento, GIIA (ATÉ 2SM) DEM.FUT.autoconstrução ...) = ATA LONGO PRAZO: Fomento e Apoio a produção social damoradia (MCMV-Entidades) 520 UH/ANO
    • 19. CENÁRIOS DE ATENDIMENTO Quanto custa produzir em Cariacica?TIPOLOGIAS ADOTADAS: CASA ; SOBRADO; APARTAMENTO TOTAL TIPOLOGIAS PRODUTO P/ MODALIDADE DE INTERVENÇAO LOTE UH MILHOES MELHORIA DA UNIDADE CESTO MATERIAL CONSTRUÇAO + ASSIST. R$ HABITACIONAL (REFORMAS E 9.820 TÉCNICA X 6.000,00 BANHEIRO) 58,92 INADEQUAÇAO FUNDIÁRIA E ? RF (REGISTRAL E/OU TITULAÇAO) + AT 1.100,00 X URBANA (30.000 DPP R$ RF (REGISTRAL + MELHORIAS URBANAS + C/CARENCIA INFRA) 23.600 11.000,00 X 260,00 PAC POLIGONAIS (23.600) TITULAÇAO) MC + M.O +AT (CASA ) 20% R$ EM LOTE O BENEFICIARIO ( NOS PROCESSOS RF X 35.000,00 DEFICT HABITACIONAL 1.520 E PROJETO ARQUITETO POPULAR?) 53,00 (7.600 UH ) 40% UH (SOBRADO-56M2) + LOTE R$ (PAC POLIGONAIS= 3.400 UH) 12.000,00 40.000,00 3.040 (PROJETOS PRIOIRTARIOS PM/ 158,00 40% R$ UH (APTO 2 E 3 DORM)+ COTA TERRENO 60.000,00 3.040 182,40 R$ 1.240 UH (SOBRADO) + LOTE (ATENDIMENTO GI ) 12.000,00 40.000,00 DEMANDA FUTURA GI E GII A 64,48 (UH) R$ 2.690 UH (APTO 2 E 3 DORM)+ COTA TERRENO (G2A) 60.000,00 161,40COM BASE NOS FINANCIAMENTOS VIGENTES TOTAL INVESTIMENTOS: R$ 938,20 (milhões)
    • 20. CENÁRIOS DE ATENDIMENTO Quanto custa produzir em Cariacica? MEDIA INVEST. HAB = R$ 1,38 MILHOES MEDIA INVEST. URB = R$ 37,9 MILHOES INVESTIMENTOS MAIS RECENTES: PAC + PRO-URBI = R$ 54,13 MILHOES VIABILIZAR EMPREENDIMENTOS DO MCMV EM ANALISE PROJEÇAO INVESTIMENTO EM HISPUBLICO/PRIVADO ANUAL (ATE 2023): CONSTRUÇAO PROGRAMATICA DÉFICIT + INADEQUAÇAO: DA PARTICIPAÇAO DE OUTROS R$ 85,27 MILHOES AGENTES NA PRODUÇAO HIS AUMENTAR INVESTIMENTOS / PRIORIDADE POLITICA DA HIS ADEQUAÇAO INSTITUCIONAL PARA IMPLEMENTAÇAO
    • 21. 5. ESTRATÉGIAS REGIONAIS onde intervir / prioridades
    • 22. Poligonal Grande Porto de Santana: Bairros beneficiados R1: Porto Novo, Porto REGIÃO 1 de Santana, Presidente Médice PAC REGIAO 1: ZEIS AGLOMERADOS SUBNORMAIS SETORES DE RISCO DEMANDA IDENTIFICADA: DEFICIT: CADASTRO= 1.693 (15%) /ESF= 2.327UH PRODUÇAO DE UH : PAC: 281 UH MCMV: 758UH PAC RISCOS DEFESA CIVIL: MCMV 4 SETORES/800 DOM; INTERVENÇAO:OBRAS PAC II-2a ETAPA:PROPOSTA PROJETO INTEGRADO R.BUBU= 817 REASSENT. P.SANTANA= 1614 REASS. (REASSENT. TOTAL) PRIORIDADES: - CONTINUIDADE PACs - PROJETOS PROPOSTOS PACII-2a ETAPA; -REG.FUNDIARIA EBacia Hidrográfica do Rio Bubu e seu Mangue QUALIFICAÇAO URB.Bairros beneficiados R1: Flexal I e II -AREAS DE RISCO
    • 23. REGIÃO 2REGIAO 2: ZEIS (Campo Verde / V.Prudêncio) MORADIAS PRECÁRIAS - PDDEMANDA IDENTIFICADA:DEFICIT: CADASTRO= 990 (9%) /ESF= 1.135UH PRODUÇAO DE UH : MCMV: 500UH RESID. LEOPOLDINA RISCOS DEFESA CIVIL: N/IDENTIFICADO S/PAC. PRIORIDADES: -REG.FUNDIARIA - QUALIFICAÇAO URBANA
    • 24. REGIÃO 3Grande Porto de SantanaBairro beneficiado na R3:Aparecida ZEIS (Nova valverde/ Oriente / Itangua) Bairros beneficiados MORADIAS PRECÁRIAS – PD R3: Itacibá, Nova AGLOMERADO SUBNORMAL Brasília, Itanguá, SETORES DE RISCO Oriente e Tucum DEMANDA IDENTIFICADA: DEFICIT: CADASTRO= 906 (8%) /ESF= 101UH PRODUÇAO DE UH : MCMV: XX UH RETIRO SAUDOSO TEM AREA VAZIA/TUCUM PAC II 2a ETAPA: BACIA DO RIO ITANGUA/PIRANEMA = 917 REASSENTAMENTOS PORTO SANTANA= 1.614 (TOTAL) PRIORIDADES: -CONTINUIDADE PACs - ÁREAS DE RISCO -REG.FUNDIARIA E QUALIF. URB
    • 25. REGIÃO 4 MORADIAS PRECÁRIAS – PD (São Francisco) SETORES DE RISCO (Sta Cecilia - Norte)DEMANDA IDENTIFICADA:DEFICIT: CADASTRO= 1040 (9%) /ESF= S/I RISCO / CADA = 99 UHPRODUÇAO DE UH : N / IDENTIFICADOVAZIOS : N / IDENTIFICADOINTERVENÇÕES: N IDENTIFICADO PRIORIDADES: - ÁREAS DE RISCO - DEMANDA CADASTRADA
    • 26. REGIÃO 5 SETORES DE RISCO – POTENCIAL DEMANDA IDENTIFICADA: DEFICIT: CADASTRO= 478 (4%) /ESF= S/I RISCO / CADASTRO = 106 UH PRODUÇAO DE UH : N / IDENTIFICADO VAZIOS : N / IDENTIFICADO INTERVENÇÕES: REASSENT. ALTA TENSÃO - OBRAS DE CONTENÇÃO - REG. FUNDIÁROA PRIORIDADES: - ÁREAS DE RISCO
    • 27. ZEIS (Vista Mar / Sotelandia / Vasco da Gama) REGIÃO 6MORADIAS PRECÁRIAS – PD(Vista Mar / Sotelandia / Vasco da Gama /Bandeirantes)SETORES DE RISCO(Vista Mar / Bela Aurora / Bandeirantes)DEMANDA IDENTIFICADA:DEFICIT: CADASTRO= 801 (6%) /ESF= 149UH - SotelandiaPRODUÇAO DE UH : N IDENTIFICADOVAZIOS: N IDENTIFICADO 1cINTERVENÇÕES:- PROJETO GOV. ESTADO CONDEVIT: (1)RECUPERAÇAO DO LEITO DO RIO MARINHOREASSENTAMENTO DE CERCA DE 180 FAMILIAS- REG. FUNDIÁRIA – VISTA MAR (2)PRIORIDADES:- ÁREAS DE RISCO 2- ZEIS : REG.FUNDIARIA E QUALIF. URB
    • 28. ZEIS REGIÃO 7(Sta Paula/Castelo Branco/ Jd. Alah / R. Marinho /Jd Botânico)SETORES DE RISCO(Sta. Paula / Castelo Branco / Jd. Botanico)DEMANDA IDENTIFICADA: 1DEFICIT: CADASTRO= 802 (6%) RISCO: 166ESF= 476UH (Bela Vista e Jd. Botânico)PRODUÇAO DE UH : N IDENTIFICADOVAZIOS: N IDENTIFICADO – Potencial de Ocupação 2INTERVENÇÕES:- REG. FUNDIÁRIA – BELA VISTA (1)- RIO MARINHO: ALARGAMENTO LEITO 3 URBANIZAÇAO/PARQUE LINEAR (2)- REG. FUNDIÁRIA E URBANIZAÇÃO – R. Marinho (3)PRIORIDADES:- ÁREAS DE RISCO- ZEIS : REG.FUNDIARIA E QUALIF. URB
    • 29. REGIÃO 8 ZEIS (Nova Rosa da Penha) DEMANDA IDENTIFICADA: DEFICIT: CADASTRO= 796 (7%) RISCO / CADASTRO = 111 UH ESF= 1.027 VAZIOS : N / IDENTIFICADO - Potencial PRODUÇAO DE UH : N / IDENTIFICADO INTERVENÇÕES: -REG. FUNDIÁRIA (N. S. Penha / Pica-Pau) -DRENAGEM E PAVIMENTAÇÃO (N.S. PenhaPRIORIDADES:- MORADIAS PRECARIAS-- ZEIS -
    • 30. ZEIS (A. Coutinho, PROLAR, V. Merlo, C. Sede, P.de Cariacica )MORADIAS PRECÁRIAS: (A. Coutinho, PROLAR) REGIÃO 9DEMANDA IDENTIFICADA:DEFICIT: CADASTRO= 591 (5%) RISCO: 48ESF= 653UH (Sta. Luzia, Morrinhos, S.J.Batista)PRODUÇAO DE UH : 3.392 (MCMV)VAZIOS: NI– Potencial de Ocupação MCMV: 600UHINTERVENÇÕES:- PAC (1) – 611UH- PAC (2) – 206 UH PAC 2 ALICE COUTINHOPRIORIDADES: 2 206 UH- PAC - Finalizar- ZEIS – RF MCMV:992 UH PAC 2 – 2º FASE Estruturação; PORTO DE CARIACICA Qualificação;- MORADIAS PRECARIAS 611 UH 1 MCMV: 1.800UH
    • 31. ZEIS (A. Coutinho, PROLAR, V. Merlo, C. Sede, P.de Cariacica )MORADIAS PRECÁRIAS: (A. Coutinho, PROLAR) REGIÃO 10DEMANDA IDENTIFICADA:DEFICIT: CADASTRO= 1.044 (9%) RISCO: 313ESF= 627UH (Mucuri, Operário e Novo Brasil)PRODUÇAO DE UH : 1.372 (MCMV)VAZIOS: NI– Potencial de OcupaçãoINTERVENÇÕES:- PAC (1) – OPERÁRIOPRIORIDADES: MCMV – 100UH- PAC - Finalizar 3SM A 6 SM ZEIS – RF Operário MCMV – xxUH- ESTRUTURAÇÃO 3SM A 6 SM PIRANEMA MCMV – 1.152UH 1 ATÉ 3 SM APOLONIO MCMV – 120 UH ATÉ 3 SM
    • 32. ÁREAS DE RISCO: Morada Santa Fé, Itapemirim, Vila Isabel REGIÃO 11DEMANDA IDENTIFICADA:DEFICIT: CADASTRO= 442 (4%) RISCO: 125ESF= 62UH (Itapemirim)SEM PRODUÇÃOVAZIOS: NI– Potencial de OcupaçãoSEM INTERVENÇÕES: PRIORIDADES: - ÁREAS DE RISCO
    • 33. REGIÃO 12 ZEIS (Padre Gabrile, Jd. Campo Grande, Campina Grande) ÁREA DE RISCO: (Padre Gabrile, Jd. Campo Grande) DEMANDA IDENTIFICADA: DEFICIT: CADASTRO= 402 (4%) RISCO / CADASTRO = 65 UH – Pd. Gabriel PP – 111UH ESF= 1.361 (Padre Gabriel e Jd. Campo Grande1 ATÉ 3SM VAZIOS : N / IDENTIFICADO - Potencial PRODUÇAO DE UH : 111 UH – Padre Gabriel INTERVENÇÕES: -REG. FUNDIÁRIA (Pd. Gabriel) PRIORIDADES: - ÁREAS DE RISCO - RF – Padre Gabriel Posse Urbanização -- ZEIS -
    • 34. 6. PLANO DE AÇÃO - PROPOSTAS
    • 35. PARTE CONCEITUAL: PRINCIPIOS, DIRETRIZES, OBJETIVOS…PROGRAMAS AÇÕES E METAS CONJUNTO OPERAÇÃO DA RESULTADO AO DE AÇÕES ARTICULADAS QUAL RESULTA LONGO DO TEMPO NECESSÁRIAS PARA UM PRODUTORESOLVER UMA DEMANDA
    • 36. PLANO DE AÇÃO - PROPOSTAS Princípios da política de HIS PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL DE HABITAÇÃOMoradia digna como direito e vetor de inclusão social, garantindopadrão adequado de habitabilidade, infra-estrutura, saneamento ambiental,mobilidade, transporte coletivo, equipamentos, serviços urbanos e sociais;A promoção da Função Social da Propriedade Urbana a fim depossibilitar melhor ordenamento e maior controle do uso do solo garantindoo acesso universal à terra urbanizada ;Questão habitacional como uma política de Estado e de competência das3 esferas de governo, uma vez que o poder público é agenteindispensável na regulação urbana e do mercado imobiliário, na provisão damoradia e na regularização de assentamentos precários;Gestão democrática com participação dos diferentes segmentos dasociedade, objetivando controle social e transparência nas decisões eprocedimentos, e a cooperação entre agentes na produção habitacional edemais ações da política habitacional;Articulação das ações de habitação à política urbana de modointegrado com as demais políticas sociais e ambientais.
    • 37. PLANO DE AÇÃO - PROPOSTAS Diretrizes da gestão Acesso à moradia digna e sustentável do ponto de vista urbano e ambiental e como estratégia de preservação do patrimônio natural do município; Atuação integrada visando a sustentabilidade da produção habitacional com a promoção de ações de trabalho e renda e acesso a educação, saúde, cultura e lazer; Poder Público como provedor da habitação e articulador dos agentes privados para adequação do produto à demanda local; Gestão da política habitacional transparente, democrática e integrada às diretrizes da Política Nacional de Habitação Consolidação do Sistema Local de Habitação de Interesse Social através da efetivação e fortalecimento do CMHIS e FMHIS Criaçao de uma Secretaria de Habitação para gestao da pasta e fortalecimento como órgão de coordenação e implementação da política habitacional Monitoramento permanente da implementação do Plano Local de Habitação de Interesse Social Fomento à articulação metropolitana para enfrentamento do quadro de necessidades habitacionais local, visando a sustentabilidade das ações.
    • 38. PLANO DE AÇÃO - PROPOSTASDiretrizes da implementação e atendimento da demanda Prioridade para ações em andamento e para os reassentamentos segundo critérios de vulnerabilidade (renda) e localização em áreas de risco ; Atendimento programado e continuado do quadro de necessidades habitacionais, e adequado às características dos diferentes grupos sociais da demanda; Regularização fundiária dentro de criterios de sustentabilidade promovendo a qualificação das condições de moradia das comunidades e adotando estratégias de fortalecimento local; Reassentamento das famílias que residem em áreas de risco para regiões próximas ao seu local de origem; Adoção de Instrumentos de transferência da propriedade compatíveis com perfil da demanda e visando segurança e permanência no local; Produção habitacional adequada aos portadores de necessidades especiais e adoção dos critério de atendimento de prioridade da mulher; Complementação programada e continuada dos serviços básicos de saneamento e mobilidade urbana pela implementação dos Planos Setoriais, para a universalização da oferta; Acompanhamento social das famílias beneficiaria dos programas habitacionais visando a adaptação ambiental e a promoção sócio-cultural.
    • 39. PLANO DE AÇÃO - PROPOSTAS Diretrizes territoriais e de gestão do solo Desenvolvimento urbano inclusivo, ambientalmente sustentável e equilibrado; Fortalecimento de uma política fundiária para promover melhor aproveitamento das áreas dotadas de infra-estrutura nas ações da provisão pública e privada da moradia de interesse social; Adequação da legislação urbanística para fomento e regulação da produção privada e a regulamentação e implementação dos instrumentos do Plano Diretor que fazem valer a função social da propriedade e combatem a especulação; O gravame programado de ZEIS para atendimento dos objetivos estabelecidos pelo PLHIS; Desenvolvimento e articulaçao com Defesa Civil para adequada gestao e manejo das situaçoes de risco Envolvimento da sociedade no controle do uso do solo e fortalecimento da fiscalização publica das áreas de risco e APPs.
    • 40. PLANO DE AÇÃO - PROPOSTAS ProgramasPROGRAMA DE FOMENTO A PRODUÇAO DA HIS PARA ATENDIMENTO DANECESSIDADE DE NOVAS MORADIAS = PROGRAMA CASA NOVAPROGRAMA DE REGULARIZAÇAO FUNDIARIA E QUALIFICAÇAO URBANA DOSSETORES PRECARIOS = PROGRAMA BAIRRO LEGALPROGRAMA PARA O DESENVOVIMENTO SOCIAL E GESTAO DA DEMANDA(GESTAO DOS CADASTROS E AÇOES SOCIO-AMBIENTAIS E DE GERAÇAO DE RENDA,ARTICULADO ÀS DEMAIS POLITICAS SOCIAIS)PROGRAMA PARA A GESTAO TERRITORIAL REDISTRIBUTIVA (ARTICULADO AO PLANODIRETOR E SECRETARIA DE OBRAS – ESTRUTURAÇAO TERRITORIAL, PLANOS SETORIAIS)PROGRAMA PARA A GESTAO INTEGRADA E PARTICIPATIVA DA POLITICAHABITACIONAL E MONITORAMENTO DO PLHIS( DEFINIÇAO DA ESTRUTURA MUNCIPAL PARA IMPLEMNTAÇAO PLHIS, CAPACITAÇAOGESTORES NOVAS ATRIBUIÇOES (BUSCA DE RECURSOS, PARCERIAS, FOMENTO ÀPRODUÇAO DEMAIS AGENTES…) + FORTALECIMENTO E CAPACITAÇAO DO CONSELHO/GESTAO E MONITORAMENTO DO PLHIS
    • 41. prourbidecariacica.blogspot.com.br

    ×