Apresentação normas abnt desenho técnico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Apresentação normas abnt desenho técnico

on

  • 1,265 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,265
Slideshare-icon Views on SlideShare
1,265
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
72
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Apresentação normas abnt desenho técnico Apresentação normas abnt desenho técnico Presentation Transcript

    • Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Escola Edgar Albuquerque Graeff Desenho Projetivo I – DP-I NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO Goiânia 2010/1
    • NORMAS A CONSULTAR  NBR 6492/94 – Representação de projetos de arquitetura;  NBR 8196/99 – Emprego de escalas;  NBR 8403/84 – Aplicações de linhas – tipos e larguras;  NBR 10068/87 – Folha de desenho – leiaute e dimensões;  NBR 13142/99 – Dobramento e cópia.
    • OBJETIVO DA NORMA NBR-6492/94  Fixar as condições exigíveis para representação gráfica de projetos de arquitetura, visando à sua boa compreensão. Obs.: Na aplicação desta Norma é necessário consultar:  NBR 10068 - Folha de desenho - Leiaute e dimensões Padronização
    • DEFINIÇÕES DA NORMA NBR-6492/94  Planta de situação;  Planta de locação (ou implantação);  Planta de edificação;  Corte;  Fachada - Representação gráfica de planos externos da edificação;  Elevações - Representação gráfica de planos internos ou de elementos da edificação;  Detalhes ou ampliações;  Escala;  Programa de necessidades;  Memorial justificativo;  Especificação;  etc;
    • CONDIÇÕES GERAIS  Papel  Os desenhos devem ser executados em papéis transparentes ou opacos, de resistência e durabilidade apropriadas;  A escolha do tipo de papel deve ser feita em função dos objetivos, do tipo do projeto e das facilidades de reprodução, a saber:
    • CONDIÇÕES GERAIS  Papel  Papel transparente  Manteiga,vegetal,albanene,poliéster e cronaflex.  Papel opaco  Canson; schoeller ou sulfite grosso.
    • CONDIÇÕES GERAIS  Formatos do papel  Devem ser utilizados os formatos de papel da série “A”, conforme NBR 10068/87, formato A0 como máximo e A4 como mínimo, para evitar problemas de manuseio e arquivamento.
    •  Formatos do papel O formato básico para desenhos técnicos é o retângulo de área igual a 1 m² , e lados medindo 841 mm x 1189 mm, guardando entre si a mesma relação que existe entre o lado de um quadrado e sua diagonal : Dimensões das folhas
    •  Formatos do papel  Cada folha na seqüência possui dimensão igual a metade da folha anterior. A folha A1 possui a metade do tamanho da folha A0, a folha A2 possui a metade do tamanho da folha A1 e assim por diante. Semelhança geométrica dos formatos da série "A"
    •  Margem  Margens são limitadas pelo contorno externo da folha e quadro. O quadro limita o espaço para o desenho;  As margens esquerda e direita, bem como as larguras das linhas, devem ter as dimensões da tabela abaixo;  A margem esquerda serve para ser perfurada e utilizada no arquivamento.
    •  Configuração da folha  A região acima da legenda é reservada para marcas de revisão, para observações, convenções e carimbos de aprovação de órgãos públicos.
    •  Posição de leitura  Os desenhos devem ser lidos da base da folha de desenho ou de sua direita. As posições inversas a estas (leitura de cima para baixo ou da esquerda para a direita) são consideradas “de cabeça para baixo”.
    • CONDIÇÕES GERAIS  Carimbo (ou quadro) Conteúdo mínimo da legenda:  Designação e emblema da empresa que está elaborando o projeto ou a obra;  Nome do responsável técnico pelo conteúdo do desenho, com sua identificação (inscrição no órgão de classe) e local para assinatura;  Local e data;  Nome ou conteúdo do projeto;  Conteúdo da prancha (quais desenhos estão presentes na prancha)  Escala(s) adotada(s) no desenho e unidade;  Número da prancha;  Áreas (construída, terreno).
    • CONDIÇÕES GERAIS  Carimbo (ou quadro)  O local de cada uma das informações da legenda pode ser escolhido pelo projetista, destacar as informações de maior relevância;  O número da prancha deve ser posicionado sempre no extremo inferior direito da legenda;  O nome da empresa localiza-se na região inferior esquerda da legenda.
    • CONDIÇÕES GERAIS  Carimbo (ou quadro) Informações devem localizar-se próximas do carimbo :  Planta-chave;  Escalas gráficas;  Descrição da revisão;  Convenções gráficas;  Notas gerais;  Desenhos de referência.  Indicação do norte, regime de ventos, etc.
    • CONDIÇÕES GERAIS  Dobramento de cópias de desenho  O formato final deve ser o A4. As folhas devem ser dobradas levando em conta a fixação da aba em pastas e deixando visível o carimbo destinado à legenda.
    •  Dobramento de cópias de desenho   Do formato A3 para o A4. De 420x297 para 210x297 mm. Fixação da aba Carimbo visível.
    •  Dobramento de cópias de desenho   Do formato A2 para o A4. De 594x420 para 210x297 mm. Fixação da aba Carimbo visível.
    •  Dobramento de cópias de desenho   Do formato A1 para o A4. De 841x594 para 210x297 mm. Fixação da aba Carimbo visível.
    •  Dobramento de cópias de desenho   Do formato A0 para o A4. De 1188x841 para 210x297 mm. Fixação da aba Carimbo visível.
    • TÉCNICAS  Desenho a mão livre Utilizado nas fases de:  Croquis;  Estudo preliminar.  Desenho por instrumentos Utilizado nas fases de:  Anteprojeto;  Projeto executivo.
    • TÉCNICAS Nos desenhos a mão livre, quanto nos desenhos por instrumentos , podem ser usados lápis ou tinta, com as seguintes recomendações, para a escolha do tipo de papel:  Lápis ou mina de grafite papéis: manteiga, vegetal, albanene, canson, schoeller, sulfite grosso;  Mina plástica papéis: cronaflex, poliéster;  Hidrográfica papel: manteiga;  Nanquin papéis: manteiga, vegetal, poliéster, cronaflex e schoeller.
    •  ANEXO - Representação gráfica de arquitetura Linhas de representação - Manual e por instrumentos ± 0,6 mm ± 0,4 mm Linhas de contorno – Contínuas : A espessura varia com a escala e a natureza do desenho. Linhas internas – Contínuas : Firmes e menor valor que as linhas de contorno. ± 0,2 mm Linhas situadas além do plano do desenho – Tracejadas: Mesmo valor que as linhas de eixo. ± 0,2 mm Linhas de projeção - Traço e dois pontos:indicadas para representar projeções de pavimentos superiores, marquises, balanços. ± 0,2 mm Linhas de eixo ou coordenadas - Traço e ponto :Firmes, definidas, com espessura inferior às linhas internas e com traços longos. ± 0,2 mm ± 0,1 mm Linhas de cotas – Contínuas : Firmes, definidas, com espessura igual ou inferior à linha de eixo ou coordenadas Linhas auxiliares – Contínuas:Para construção de desenhos, guia de letras e números,com traço; o mais leve possível.
    •  ANEXO - Representação gráfica de arquitetura Linhas de representação - Manual e por instrumentos ± 0,2 mm Linhas de indicação e chamadas – Contínuas. Mesmo valor que as linhas de eixo. ± 0,2 mm Linha de silhueta. Mesmo valor que as linhas de eixo. ± 0,2 mm Linha de interrupção de desenho. Mesmo valor que as linhas de eixo
    • ANEXO - Representação gráfica de arquitetura  Tipos de letras e números - Manual  Letras - Sempre maiúsculas e não inclinadas  Números - Não inclinados.
    • ANEXO -  Representação gráfica de arquitetura Tipos de letras e números - Manual  Letras - Sempre maiúsculas e não inclinadas A caligrafia no desenho técnico exige, após estudos de legibilidade e de execução, a simplificação máxima do “desenho” de letras e números. Tal simplificação busca evitar os riscos de dupla interpretação das informações que elas trazem. A letra tipo bastão é a recomendada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Trata-se de caracteres desenhados com linhas de espessura uniforme, sem enfeites ou serifas.
    • ANEXO -  Representação gráfica de arquitetura Tipos de letras e números – Por instrumentos  Letras  Números
    • ANEXO - Representação gráfica de arquitetura  Numeração e títulos dos desenhos
    • ANEXO - Representação gráfica de arquitetura  Cotas de nível As cotas de nível sempre em metro(m). Indicar:  N.A. - Nível acabado Representações:  N.O. - Nível em osso.
    • ANEXO - Representação gráfica de arquitetura  Marcação dos cortes gerais  A marcação da linha de corte deve ser suficientemente forte e clara para evitar dúvidas e mostrar imediatamente onde ele se encontra. Nota: Quando o desenho indicado estiver na mesma folha, deixar em branco o local designado para o número da folha.
    • ANEXO - Representação gráfica de arquitetura  Marcação  de detalhes Ampliação e detalhes
    • ANEXO -   Representação gráfica de arquitetura Indicação das fachadas e elevações A grafite e a tinta
    • ANEXO - Representação gráfica de arquitetura  Esquadrias  Portas e Janelas
    • ANEXO - Representação gráfica de arquitetura  ESCALAS  Escalas mais usuais 1/2; 1/5; 1/10; 1/20; 1/25; 1/50; 1/75; 1/100; 1/200; 1/250 e 1/500.  Escala gráfica – Desenho a grafite  Escala gráfica – Desenho a tinta
    • ANEXO -  Representação gráfica de arquitetura NORTE  N - Norte verdadeiro  NM - Norte magnético - pode ser utilizado somente na fase de estudos preliminares  NP - Indicação da posição relativa entre os vários desenhos constituintes do projeto. Esta indicação é opcional e deve ser acompanhada da indicação do norte verdadeiro.
    • ANEXO -  Representação gráfica de arquitetura COTAS  As cotas devem ser indicadas em metro (m) para as dimensões iguais e superiores a 1 m ;  Em centímetro (cm) para as dimensões inferiores a 1 m ;  Milímetros (mm) devem ser indicados como se fossem expoentes.
    •  COTAS 1. As linhas de cota devem estar sempre fora do desenho, salvo em casos de impossibilidade; 2. As linhas de chamada devem parar de 2 mm a 3mm do ponto dimensionado; 3. As cifras devem ter 3 mm de altura, e o espaço entre elas e a linha de cota deve ser de 1,5 mm; 4. Quando a dimensão a cotar não permitir a cota na sua espessura, colocar a cota ao lado, indicando seu local exato com uma linha. 3 2 1 4
    •  COTAS  Nos cortes, somente marcar cotas verticais;  Evitar duplicação cotas; a de
    • ANEXO -   Representação gráfica de arquitetura COTAS Evitar cotar as fachadas.
    • ANEXO - Representação gráfica de arquitetura  Designação dos locais para referência na tabela geral de acabamentos  Todos os compartimentos devem ser identificados nas plantas gerais pelo nome correspondente e, quando necessário, por um número de referência.
    • ANEXO -  Representação gráfica de arquitetura Quadro geral de acabamentos (facultativo)
    •  Representação dos materiais mais usados
    • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT. NBR 6492: Representação de projetos de arquitetura. Rio de Janeiro, 1994. _____________. NBR 10068 - Folha de desenho – leiaute e dimensões. Rio de Janeiro, 1987. _____________. NBR 13142 - Dobramento e cópia. Rio de Janeiro, 1999. _____________. NBR 8403 –Aplicação de linhas em desenhos – tipos de linhas – larguras das linhas. Rio de Janeiro, 1984. _____________. NBR 10067 – Princípios gerais de representação em desenho técnico . Rio de Janeiro, 1995. _____________. NBR 8196 – Desenho técnico – emprego de escalas. Rio de Janeiro, 1999. _____________. NBR 10126 – Cotagem em desenho técnico. Rio de Janeiro, 1987. MONTENEGRO, GILDO. Desenho Arquitetônico. São Paulo: Edgard Blücher, 1978.